Repercussões sexuais- O que fazer?
Fortunato Barros
Urologista da CCTV, HCD e SPA
Doenças prostáticas e DS
•

Próstata : do Grego “Protos” - “em primeiro “ ou “em frente de”

•

Importante contributo para...
Doenças prostáticas e DS
Estudos epidemiológicos mundiais estabeleceram uma relação entre
HBP, LUTS, DE e Disfunção Ejacul...
Doenças prostáticas e DS
Obesidade /índice
corporal
Hiperinsulinémia

da actividade do Rho/Rho-kinase
Bing W, Cheng S. et ...
LUTS/HBP e DS
• A maioria dos estudos clínicos mostram que 60-85% dos
homens com LUTS são sexualmente activos e estão
inte...
Repercussões sexuais
• Disfunção eréctil
• Disfunção ejaculatória
• Diminuição do volume do
sémen
• Alterações do orgasmo
...
Tratamento farmacológico da HBP e DS

α bloqueantes : alfusozina
doxasozina
tansulosina
terazosina
Silodosina
inibidores d...
Alfa-bloqueantes
• Anejaculação reversível
• Silodosina > tansulosina > alfusozina, doxazocina
Alfabloqueante + 5ARI
Diminuição da
libido

Disfunção eréctil

Disfunção
ejaculatória

Diminuição do
volume do sémen

MTOP...
Alfa-bloqueantes/ 5ARI
Tratamento
•
•
•
•

Descontinuar e discutir outro tratamento
Mudar os bloqueadores alfa 1 para alfu...
Tratamento médico do cancro da prostáta e DS
HORMONOTERAPIA

• Antiandrogénios :

• Antagonistas LH-RH

•
•
•
•

•

Flutam...
Hormonoterapia e DS
Tratamento
•
•
•
•

Bloqueio intermitente
Reinicio da actividade sexual
Apoio psicológico,
Recuperação...
Tratamento cirúrgico da HBP e DS
Tratamento cirúrgico da HBP e DS

Ejaculação retrógrada – 60 a 99 %

5 a 10 % de DE
Han M, et al. (2002). Retropubic and s...
Terapêuticas minimamente invasivas da HBP e DS

TUMT
0% DE
10 % ejaculação retrógrada
0% a 8% de DE

DE ???

30% a 70%- ej...
Tratamento cirúrgico do cancro da próstata e DS

29 a 100 % de DE
100% de Eja.

100 % de DE e Eja.
Testosterona 20 ng/dl
O...
Prostatectomia radical e DS
PRL

Taxa variavel de DE

Davinci

50% DE
Tratamento do cancro da prostáta e
Disfunção sexual
Radioterapia

Braquiterapia

iPDE

25 % D.E.-  colagéneo c.cavernosos...
Tratamento ablativo do cancro da próstata e DS

75 % DE
IDiblásio MD et al. University of
Tennessee - Menphis

Crioablação...
Tratamento da DE pós cirurgia
Estratégia
• Aplicação cuidada da técnica cirúrgica
• Mapeamento nervoso intraoperatório
“Ca...
DE pós Cirurgia pélvica
Reabilitação sexual
“Fisioterapia peniana”
• IIC de PGE (5-20ng) 3 vezes por semana
61% de respost...
Tratamento da DE pós-cirurgia
Modalidades terapêuticas
•
•
•
•
•

Terapêutica farmacológica
Injecção intracavernosa
MUSE
D...
Inibidores da 5 - PDE
• Actualmente:
Inibidores da 5-fosfodiesterase disponíveis:
Sildenafil (Viagra®)
Tadalafil (Cialis®)...
Tratamento da DE pós-cirurgia
Eficácia- 85%

Eficácia- 30-50%

Eficácia- 70-94%

Satisfação-Doente- 80-90%; Parceira- 70-8...
Climatúria
•
•
•
•
•

Ejaculação de urina durante o orgasmo
Alt da anatomia uretral e incompetência do colo vesical
90% de...
Climatúria- tratamento
• Medidas comportamentais (diminuição da ingestão de fluidos
e esvaziar a bexiga antes das relações...
Omissão
Resignação
Vergonha
OBRIGADO
Doenças prostáticas e DS
Prostatite crónica – Sínd. doloroso pélvico crónico
–
–
–
–
–

Afecta aproximadamente 10 a 14% do...
Doenças prostáticas e DS
HBP - Hipertrofia Benigna Prostática
•

O crescimento da próstata - HBP - é dependente da idade

...
Alterações do orgasmo
Autor

Ano

Cirurgia

Disfunção do orgasmo

Dubelman

2010

PR

33% de anorgasmia

Barnas

2004

PR
...
17 apst jorn_urologia
17 apst jorn_urologia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

17 apst jorn_urologia

497 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
497
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

17 apst jorn_urologia

  1. 1. Repercussões sexuais- O que fazer? Fortunato Barros Urologista da CCTV, HCD e SPA
  2. 2. Doenças prostáticas e DS • Próstata : do Grego “Protos” - “em primeiro “ ou “em frente de” • Importante contributo para a sexualidade masculina • Secreção prostática – alcalina – efeito protector dos espermatozóides • Tónus muscular na uretra membranosa – câmara de ejecção • A ejaculação é essencial para a saúde reprodutiva e a próstata produz cerca de 85 a 90% do volume do ejaculado Na Atlas of Prostatic Diseases – 3ª edition Roger S. Kirby MD – St.George s Hospital - 2003
  3. 3. Doenças prostáticas e DS Estudos epidemiológicos mundiais estabeleceram uma relação entre HBP, LUTS, DE e Disfunção Ejaculadora e Idade. • Estudo de Colónia feito por Braun et al. – 72% dos homens com DE sofrem de LUTS. Eur. Urology 2003, 44: 588-94 • Em Espanha, Martins Morales, estabeleceu relação entre DE e doenças prostáticas. J.Urology 2001. 166: 569 – 574 • MSAM -7 ( Multinational Survey of Aging Male ), estudo conduzido por Rosen et al. Que avaliou a relação entre Disfunção Sexual e LUTS em 7 países. Eur. Urology 2003 44 : 637 – 649
  4. 4. Doenças prostáticas e DS Obesidade /índice corporal Hiperinsulinémia da actividade do Rho/Rho-kinase Bing W, Cheng S. et al. Am J. Physiol Renal Physiol 2003 Arteriosclerose pélvica Tarcan T. Azadzoi KM et al. J. Urol. 1999 Idade Sedentarismo Tónus simpático L.Loyd and McVary - J. Urology. 2002. Redução do NOS/NO HTA e Diabetes Bloch W et al. Prostate 1997, 33 : 1-8 Klotz T, Bloch W et al. Urology 1997, 36 : 318-22 HBP HBP, LUTS LUTS e DE DE
  5. 5. LUTS/HBP e DS • A maioria dos estudos clínicos mostram que 60-85% dos homens com LUTS são sexualmente activos e estão interessados em preservar e cerca de 50-80% sofrem de DE ou DEj
  6. 6. Repercussões sexuais • Disfunção eréctil • Disfunção ejaculatória • Diminuição do volume do sémen • Alterações do orgasmo • Climatúria • Alterações da libido • • • • Encurtamento peniano Encurvamento peniano Atrofia testicular Infertilidade
  7. 7. Tratamento farmacológico da HBP e DS α bloqueantes : alfusozina doxasozina tansulosina terazosina Silodosina inibidores da 5α reductase : finasteride dutasteride fitoterapia : serenoa repens pygeum africanum cucurbita pepo Ejaculação retrógrada- 10-40% 10% - diminuição da libido e do volume do ejaculado, disfunção eréctil e ginecomastia Sem efeitos secundários
  8. 8. Alfa-bloqueantes • Anejaculação reversível • Silodosina > tansulosina > alfusozina, doxazocina
  9. 9. Alfabloqueante + 5ARI Diminuição da libido Disfunção eréctil Disfunção ejaculatória Diminuição do volume do sémen MTOPS COMBAT MTOPS COMBAT MTOPS COMBAT MTOPS COMBAT Placebo 1.4 - 3.32 - 0.83 - - - Alfabloq 1.56 0.5 3.56 1.25 1.10 0.25 - <1 5ARI 2.36 0.75 4.53 1.75 1.78 < 0.25 - <1 Assoc. 2.51 1 5.11 2.25 3.05 1 - 2 Taxa/100 homens McConnell, 2003; Roehborn, 2010
  10. 10. Alfa-bloqueantes/ 5ARI Tratamento • • • • Descontinuar e discutir outro tratamento Mudar os bloqueadores alfa 1 para alfuzocina Mudar para iPDE- tadalafil Associar tadalafil
  11. 11. Tratamento médico do cancro da prostáta e DS HORMONOTERAPIA • Antiandrogénios : • Antagonistas LH-RH • • • • • Flutamida Bicalutamida Nilutamida Acetato de ciproterona Abarelix Perda de Libido Disfunção eréctil (80-100%) • Agonistas LH-RH • • • • Leuprolide Goserelin Triptorelin Burserelin Ginecomastia Atrofia testicular Atrofia peniana (80%)
  12. 12. Hormonoterapia e DS Tratamento • • • • Bloqueio intermitente Reinicio da actividade sexual Apoio psicológico, Recuperação da erecção com iPDE5,vácuo, ICI, muse e prótese, com taxas de eficácia muito baixas (cerca de 20%) e que não melhora a libido; • Práticas sexuais alternativas (Wlaker et al, 2011)
  13. 13. Tratamento cirúrgico da HBP e DS
  14. 14. Tratamento cirúrgico da HBP e DS Ejaculação retrógrada – 60 a 99 % 5 a 10 % de DE Han M, et al. (2002). Retropubic and suprapubic open prostatectomy. In PC Walsh et al., eds., Campbell's Urology, 8th ed., vol. 2, pp. 1423–1434. Philadelphia: W.B. Saunders
  15. 15. Terapêuticas minimamente invasivas da HBP e DS TUMT 0% DE 10 % ejaculação retrógrada 0% a 8% de DE DE ??? 30% a 70%- ejaculação retrógrada . Reich O, Bachmann A, Siebels M, Hofstetter A,, J Urol 2004;173:158-160 Int. j.Impot. Res. 2007 19(6) 544-550 Anne D. Wally MD – Brookes ST. et al BMJ May 2002 TUNA
  16. 16. Tratamento cirúrgico do cancro da próstata e DS 29 a 100 % de DE 100% de Eja. 100 % de DE e Eja. Testosterona 20 ng/dl ORQUIDECTOMIA
  17. 17. Prostatectomia radical e DS PRL Taxa variavel de DE Davinci 50% DE
  18. 18. Tratamento do cancro da prostáta e Disfunção sexual Radioterapia Braquiterapia iPDE 25 % D.E.-  colagéneo c.cavernosos -alt. componente fibroelástico das trabéculas -↓ capacidade eréctil 70 % aos 3 anos J.Sex.Med 2006:3: 354-365 15% DE até ao 1º ano 40% DE tardia entre 1 e 2 a. 50 a 70% DE - Rx combinada Matzkin H, Kaver I, Stenger A. et al. Harafuah 2001 Aug 140 Talcott JÁ, Clark JÁ, Stark PC,Mitchell SP. J.Urol 2001 166 (2) Menick GS, Butler WM et al.Int.J.Radiat.Oncol.Biol.Phys 2002, 52: 839-902
  19. 19. Tratamento ablativo do cancro da próstata e DS 75 % DE IDiblásio MD et al. University of Tennessee - Menphis Crioablação HIFU 20 a 50% de DE Desnaturação proteíca e Destruíção da membrana Lipídica Uchide T, Ohkusa, Yamoshita et al. Int.J.Urol. 2006 13-228-233
  20. 20. Tratamento da DE pós cirurgia Estratégia • Aplicação cuidada da técnica cirúrgica • Mapeamento nervoso intraoperatório “CaverMap” (baixa especificidade) • • • • • • Ampliação do campo cirúrgico Enxerto nervoso Tratamento das comorbilidades Alteração do estilo de vida Medidas de reabilitação sexual precoce Instituição de tratamentos dirigidos para a DE
  21. 21. DE pós Cirurgia pélvica Reabilitação sexual “Fisioterapia peniana” • IIC de PGE (5-20ng) 3 vezes por semana 61% de respostas satisfatórias • IIC de PGE + sildenafil • Sildenafil ou vardenafil ou tadalafil Aumenta a amplitude e duração das erecções nocturnasaumenta a oxigenação dos tecidos e diminui a fibrose
  22. 22. Tratamento da DE pós-cirurgia Modalidades terapêuticas • • • • • Terapêutica farmacológica Injecção intracavernosa MUSE Dispositivo de vácuo Prótese peniana
  23. 23. Inibidores da 5 - PDE • Actualmente: Inibidores da 5-fosfodiesterase disponíveis: Sildenafil (Viagra®) Tadalafil (Cialis®) 40-80% de taxa de satisfação Martin-Morales et al, 2007 Vardenafil (Levitra®) 74% nas companheiras Montorsi e Althof, 2004 Terapêutica de primeira linha
  24. 24. Tratamento da DE pós-cirurgia Eficácia- 85% Eficácia- 30-50% Eficácia- 70-94% Satisfação-Doente- 80-90%; Parceira- 70-80%
  25. 25. Climatúria • • • • • Ejaculação de urina durante o orgasmo Alt da anatomia uretral e incompetência do colo vesical 90% de doentes após PR Volume variável (3-120 ml) Não tem relação com o grau de nerve sparing (Aboussaly, 2006)
  26. 26. Climatúria- tratamento • Medidas comportamentais (diminuição da ingestão de fluidos e esvaziar a bexiga antes das relações sexuais) • Preservativo • Imipramina • Fisioterapia do pavimento pélvico • Dispositivos de constrição peniana • Cirurgia de incontinência
  27. 27. Omissão Resignação Vergonha
  28. 28. OBRIGADO
  29. 29. Doenças prostáticas e DS Prostatite crónica – Sínd. doloroso pélvico crónico – – – – – Afecta aproximadamente 10 a 14% dos homens em qualquer idade 52% - D.E. periódica ou redução da libido Dor durante o acto sexual e ou ejaculação Ejaculação prematura Receio de infectar a parceira (o) J.Ku. S.Kim and S.Parck – Urology 2005 vol 66(4) 693-701 Mehik A, Helstrom P, Sarpole A et al. BJU 2001 int 88:35-38 Rosenbloom D.- Calif Med 82: 454-457 - 1995
  30. 30. Doenças prostáticas e DS HBP - Hipertrofia Benigna Prostática • O crescimento da próstata - HBP - é dependente da idade • Os sintomas urinários – LUTS – e a D.E. são altamente prevalentes no idoso e comprometem a QoL • Quanto mais severos são os LUTS, mais nítida é a D.E. • É inequívoco que LUTS e DE têm interligações. Qual o mecanismo? • 70% dos homens com LUTS relacionados com HBP têm DE • O tratamento com I5PDE melhora a DE, melhora a QoL e melhora os sintomas irritativos e obstrutivos dos LUTS • Talvez então LUTS e DE sejam manifestações da mesma doença Wallancien G. et al: J.Urol. 2003, 169 : 2257 – 2261 Linder et al. Urology 1991; 38::26-8
  31. 31. Alterações do orgasmo Autor Ano Cirurgia Disfunção do orgasmo Dubelman 2010 PR 33% de anorgasmia Barnas 2004 PR 37% anorgasmia 37% diminuição da intensidade do orgasmo 14% de dor Goriunon 1997 RTU-P 23% de dor Koheman 1996 PR 14 de dor 82% diminuição da intensidade do orgasmo Steg 1988 RTU-P 36% d alts do orgasmo

×