O empreendedor público

2.287 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.287
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O empreendedor público

  1. 1. Prof. José Bezerra Marinho
  2. 2. <ul><li>PROPÓSITO: </li></ul><ul><li>TRAZER ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE </li></ul><ul><li>A GESTÃO PÚBLICA EM UMA SOCIEDADE DROMOCRÁTICA. </li></ul><ul><li>DIFICULDADES E POSSIBILIDADES COMUNS ÀS ORGANIZAÇÕES PRIVADAS E PÚBLICAS. </li></ul><ul><li>A EQUIVOCADA DICOTOMIA ENTRE TÉCNICA E POLÍTICA. </li></ul><ul><li>O FORTALECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PAPEL SOCIAL DO SERVIDOR PÚBLICO COMO EMPREENDEDOR. </li></ul><ul><li>REDUZIR AO MÍNIMO POSSÍVEL A DISTÂNCIA ENTRE AS SENHORAS E OS SENHORES E O COCKTAIL. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>ORGANIZAÇÕES - ALGUMAS HIPÓTESES A SEREM REVISTAS </li></ul><ul><li>TUDO PODE SER, TEORICAMENTE, PREVISTO, ENTENDIDO E, PORTANTO, CONTROLADO. </li></ul><ul><li>HAVERÁ SEMPRE A COISA “CERTA” A FAZER. LOGO, HAVERÁ SEMPRE ALGUÉM QUE “SABE” O QUE É O “CERTO”. </li></ul><ul><li>O ERRO DEVE SER LIMINARMENTE CONDENADO. </li></ul><ul><li>VISÃO MECÂNICA QUE INSPIROU A CONCEPÇÃO DE ORGANIZAÇÃO, NO INÍCIO DO SÉCULO XX. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>DE UMA ORGANIZAÇÃO MÁQUINA SE PODE ESPERAR EFICIÊNCIA. </li></ul><ul><li>NÃO SE PODE ESPERAR CRIATIVIDADE, INOVAÇÃO, NA HORA DA CRISE. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A SOCIEDADE DROMOCRÁTICA </li></ul><ul><li>COMPLEXIDADE. </li></ul><ul><li>O SISTEMA ECONÔMICO E O SISTEMA CIENTÍFICO . </li></ul><ul><li>SISTEMAS JURÍDICO E POLÍTICO. </li></ul><ul><li>A ECONOMIA GIRA EM TORNO DE SI E AO REDOR DO MUNDO. </li></ul>
  6. 6. <ul><ul><li>EMERGEM OS PARADOXOS </li></ul></ul><ul><ul><li>SER GLOBAL E SER LOCAL. </li></ul></ul><ul><ul><li>SABER TRABALHAR SOZINHO E EM EQUIPE. </li></ul></ul><ul><ul><li>TER PRINCÍPIOS FIRMES E FLEXÍVEIS. </li></ul></ul><ul><ul><li>COMPETIR E COOPERAR. </li></ul></ul><ul><ul><li>SABER COMBINAR/LIDAR COM O REAL E COM O VIRTUAL. </li></ul></ul>
  7. 7. <ul><li>O QUE FAZER? </li></ul><ul><li>CONVIVER COM OS PARADOXOS E TIRAR PARTIDO DELES. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  GERAR RESULTADOS EM MEIO A PERPLEXIDADE E INCERTEZAS . </li></ul>
  8. 8. <ul><li>O PODER E A INFLUÊNCIA. </li></ul><ul><li>A INCAPACIDADE DE FAZER AS COISAS, DE TER IDÉIAS E DE CONCRETIZAR DECISÕES ESTÁ GENERALIZADA. </li></ul><ul><li>CONCRETIZAR IDÉIAS IMPLICA EM VONTADE POLÍTICA E COMPETÊNCIA ESPECIALIZADA. </li></ul><ul><li>DESEJO DE REALIZAR UMA COISA, MESMO COM OPOSIÇÃO, E O CONHECIMENTO E AS TÉCNICAS QUE TORNAM POSSÍVEL FAZÊ-LO. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>EMPREENDEDORISMO E INTRAEMPREENDEDORISMO </li></ul><ul><li>O CONCEITO FOI LEVADO A TODAS AS ATIVIDADES. </li></ul><ul><li>O ESPÍRITO EMPREENDEDOR NASCE NAS RELAÇÕES SOCIAIS. </li></ul><ul><li>A GERAÇÃO DO CAPITAL SOCIAL </li></ul><ul><li>O INTRAEMPREENDEDOR. </li></ul><ul><li>SONHAR E BUSCAR LEVAR À PRÁTICA. </li></ul><ul><li>SONHO COM ENTUSIASMO É TRANSFORMADOR. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>EQUIVOCADAMENTE, A INEFICIÊNCIA NO SETOR PÚBLICO É PERCEBIDA POR MUITOS COMO “DADO ADQUIRIDO”. </li></ul><ul><li>E A POLÍTICA? </li></ul><ul><li>“ FACILMENTE AS PESSOAS RECONHECEM QUE O GOVERNO É UMA ORGANIZAÇÃO. POUCA GENTE SE APERCEBE, QUE UMA ORGANIZAÇÃO É UM GOVERNO.” </li></ul><ul><li>AS ORGANIZAÇÕES, SOBRETUDO AS GRANDES, SÃO GOVERNOS, NA MEDIDA EM QUE SÃO, FUNDAMENTALMENTE, ENTIDADES POLÍTICAS. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>“ QUANDO CADA INDIVÍDUO REALIZA APENAS SEU TRABALHO, TRANSFORMA SUA RESPONSABILIDADE ÉTICA EM MERA RESPONSABILIDADE TÉCNICA”. </li></ul><ul><li>EDGAR MORIN. </li></ul><ul><li>“ AS REVOLUÇÕES MOLECULARES”. FELIX GUATARI. </li></ul><ul><li>“ A UTOPIA NECESSÁRIA” </li></ul>
  12. 12. <ul><li>A NECESSIDADE DE CONTROLE ABSOLUTO BLOQUEIA A LIBERDADE NECESSÁRIA AO SONHO, À CRIAÇÃO, À INOVAÇÃO, A POSSIBLIDADE DE CORRER RISCOS. </li></ul><ul><li>SEM ERRO, NÃO HÁ EVOLUÇÃO. </li></ul><ul><li>  ” SE HÁ RISCOS EM FAZER, HÁ TAMBÉM RISCOS EM NÃO FAZER” JIM COLLINS . </li></ul>
  13. 13. <ul><li>A INCOMPETÊNCIA DO BEM E O BRILHANTISMO DO MAU. </li></ul><ul><li>SIGNIFICADO E TRANSCENDÊNCIA. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>NA MEDIDA EM QUE SE PROPAGA NA REDE O “SIGNIFICADO”, MENOR É A NECESSIDADE DE REGULAÇÃO. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>QUE OS AUTORES DOS PROJETOS SEJAM CO-RESPONSÁVEIS PELA SUA CONCRETIZAÇÃO. </li></ul><ul><li>COMPLEMENTARIEDADE ENTRE POLÍTICA E TÉCNICA . </li></ul><ul><li>AS EMPRESAS PROCURAM LÍDERES, MAS AS ESCOLAS ESTÃO PREPARANDO GERENTES. </li></ul><ul><li>NÃO BASTA AO LÍDER SABER QUE ESTÁ CERTO. </li></ul><ul><li>ELE TEM QUE SER CAPAZ DE FAZER O QUE ESTÁ CERTO. </li></ul><ul><li>DA EXORTAÇÃO À PRÁTICA. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>A RECOMPENSA </li></ul><ul><li>TRANSCENDENTE E </li></ul><ul><li>IMANENTE </li></ul><ul><li>CLARA ADOÇÃO DA MERITOCRACIA!   </li></ul>
  16. 16. <ul><li>O motorista do caminhão 8-100 parece dizer aos homens da cidade: </li></ul><ul><li>“ o lixo é vosso: meus são estes metais que brilham, meus são estes vidros </li></ul><ul><li>que esplendem, minha é esta consciência limpa”. </li></ul><ul><li>Rubem Braga, O MOTORISTA DO 8-100 </li></ul>

×