Emergências Cardiologicas LUTTE

1.583 visualizações

Publicada em

V Curso Introdutório à LUTTE
Urgências e emergências cardíacas - Dr. Leandro Valim

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.583
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
426
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Emergências Cardiologicas LUTTE

  1. 1. UFT -Universidade Federal do Tocantins Emergências Clínicas CardíacasLUTTE
  2. 2. Emergências Cardíacas •EAP •ICC •Arritmias •Dor torácica •TEP •Dissecção de Aorta •SCIA •Crises hipertensivas
  3. 3. Edema Agudo de Pulmão
  4. 4. EAP Cardiogênico Não Cardiogênico Miocardiopatia SCIA Estenose Mitral Crise hipertensiva BCP TEP Sepse Pancreatite aguda Politrauma
  5. 5. EAP Diagnóstico ?
  6. 6. EAP •O2 •Nitroglicerina SL ou EV •Diurético EV •Morfina •DVA: Nitroprussiato, Dobutamina •VNI (CPAP/BiPAP) •Tratamento específico: Trombólise, ATC, plastia Mitral
  7. 7. Arritmias Bradicardias Taquicardias
  8. 8. Bradicardias
  9. 9. Bradicardias •BAV 1o grau •BAV 2o grau Mobitz I •BAV 2o grau Mobitz II •BAV 3o grau (BAVT)
  10. 10. BAV 1 grau
  11. 11. BAV 2 grau Mobitz 1
  12. 12. BAV 2 grau Mobitz 11
  13. 13. BAV 3 grau BAVT
  14. 14. Instabilidade •Choque, hipotensão ou má perfusão periférica •Alteração do nível de consciência (transitória ou não) •Dor precordial (angina pectoris) •Dispnéia (ICC, Congestão pulmonar)
  15. 15. Instabilidade Monitorização: FC, PA, monitor e oxímetro Cateter de O2 Acesso calibroso Colher exames gerais ECG
  16. 16. Tratamento •Atropina: 0,5 a 1 mg EV a cada 3 a 5 min (dose máxima 0,03 a 0,04 mg/kg) •MP transcutâneo •Dopamina: 5 a 20 Mg/kg/min •Adrenalina: 2 a 10 Mg/kg/min •Marcapasso transvenoso
  17. 17. Taquicardias •Primária x Secundária •QRS estreito x largo •Estável x Instável
  18. 18. QRS estreito •Taquicardia sinusal •Taquicardia atrial •Fibrilação atrial •Flutter atrial •Taqui juncional •“Taqui supra” (TPSV reentrada nodal / TAV ortodrômica -SWPW)
  19. 19. QRS largo •80% TV •20% Taqui supra com aberrância
  20. 20. Instabilidade •Choque, hipotensão ou má perfusão periférica •Alteração do nível de consciência (transitória ou não) •Dor precordial (angina pectoris) •Dispnéia (ICC, Congestão pulmonar)
  21. 21. Taquicardia + Instabilidade = CVE
  22. 22. Dor torácica
  23. 23. Unidade de Dor torácica ‣Principais etiologias cardiovasculares •Tromboembolia Pulmonar •Dissecção de Aorta •Síndromes coronárias agudas
  24. 24. Tromboembolismo Pulmonar
  25. 25. Embolia Pulmonar ‣Material orgânico ou inorgânico •Tromboêmbolos (TEP) * •Células neoplásicas •Gotículas de gordura •Líquido amniótico •Substâncias exógenas injetadas
  26. 26. TEP TVP TVP TEP Tromboembolia Pulmonar
  27. 27. TEP -Fatores de Risco •Idade > 40 anos •TVP ou TEP prévios •Cirurgias > 60 min •Imobilização > 3 dias •Paralisia mmii •Trauma •Queimaduras •Malignidade •Contraceptivos / TRH •Insuf. Cardíaca •AVC •Obesidade (IMC > 30) •Fratura pélvis, fêmur e tíbia •Gravidez e puerpério •Dça inflamatória interstinal •Trombofilias •Deficiência de Proteína C, S e antitrombina III •Mutação do gene da protprotrombina •Fator V de Leiden •Sd Ancicorpo antifosfolípide •(Anticoagulante lúpico / Anticardiolipina) •Hiperomocisteinemia •Tabagismo
  28. 28. Tríade de Virshow Estase Lesão Vascular Hipercoagulabilidade TEP -Fisiopatologia
  29. 29. Diagnósticos Sinais e Sintomas % Dispnéia 82 Taquipnéia (>20/min) 70 Taquicardia (> 100/min) 40 Dor torácica 50 Tosse 20 Síncope 14 Hemoptise 7
  30. 30. Escores de Probabilidade (Wells ou Geneva) •Fatores de risco para TEP •Sinais clínicos •Dados gasométricos •Achados radiológicos iniciais
  31. 31. Diagnóstico •Escores de probabilidade de TEP (Wells ou Geneva) •RX de tórax •D-dímero, Enzimas cardíacas •Cintilografia V/Q, Angio-TC, Doppler de mmii, Arteriografia pulmonar, Ecocardiograma
  32. 32. TEP -Fisiopatologia AD VD P P R R
  33. 33. TEP TEP Maciço TEP Submaciço TEP peq/mod PA normal Disfunção de VD PA PA normal VD normal
  34. 34. TEP -Tratamento TEP Maciço TEP Submaciço TEP peq/mod Trombólise ou embolectomia Instabilidade clínica: SpO2 < 90% FC > 120 FR > 24 PSAP > 40 Sim Não Queda PA Disf VD Considerar trombólise HBPM HNF
  35. 35. Dissecção de Aorta
  36. 36. Dissecção de Aorta Elevação acentuada da PA Sinais sugestivos de dissecão de Aorta (Ex.: assimetria de pulso) Estabilização clínica inicial / Exames / Tratamento Suporte ventilatório e hemodinâmico / O2 / Morfina B-bloqueador EV (Diltiazem ou Verapamil) Nitroprussiato (após B-bloq) Estável: Angio-TC Ressonância Angiografia Instável: ECO
  37. 37. SCIA •Angina Instável •IAM sem Supra ST •IAM com Supra ST
  38. 38. Síndromes Isquêmicas
  39. 39. Placa aterosclerótica
  40. 40. Dor precordial SCIA Não SIM IAM Com Supra ST “Enzimas” IAMsem Supra Supra de ST? - + AI / IAM sem Supra AI
  41. 41. SCIA •História e Exame físico •ECG •Exames laboratoriais 10 min !!!
  42. 42. SCIA •Alívio da dor (Morfina) •O2 •Nitrato •AAS + Clopidogrel •Controle do duplo produto
  43. 43. SCIA sem Supra
  44. 44. Abordagem Conservadora x Invasiva X
  45. 45. Momento da angiografia e intervenção •Um caso `a parte: Angina refratária IC grave, Arritmias ventriculares graves Instabilidade hemodinâmica
  46. 46. •< 2h: Angina refratária, IC grave, Arritmias ventriculares graves, Instabilidade hemodinâmica •< 24h: Escore Grace >140 ou > 1 fator de alto risco •< 72h: Escore Grace < 140 + 1 fator de alto risco •Pré-alta: GRACE < 140, sem fator de alto risco Momento da angiografia e intervenção 24 a 72h SCIA sem Supra
  47. 47. IAM Com Supra
  48. 48. IAM com Supra
  49. 49. IAM com Supra “Tempo é músculo”
  50. 50. Coronária Direita
  51. 51. Coronária Descendente Anterior
  52. 52. Trombólise x ATC
  53. 53. Crise hipertensiva Pseudo crise hipertensiva Emergência Urgência
  54. 54. Emergência hipertensiva •Laboratório •Marcadores de necrose •ECG •RX de tórax •TC de tórax com contraste •ECO TE •TC de crânio sem contraste
  55. 55. Crise hipertensiva PAD > 120 mmHg Lesão de órgão alvo? SIM (crônica) Urgência Hipertensiva SIM (aguda) Emergência Hipertensiva NÃO Pseudocrise hipertensiva ALTA Sala de observação Medicação VO Captopril / Clonidina Sala de emergência Acesso venoso, O2, monitor, PANI Lab, ECG, RX Alteração da consiência, do campo visual, rigidez de nuca, sinais focais Papiledema? SIM NÃO AVC? Aval Neuro TC crânio Papiledema Exsudatos Hemorragias Dor isquêmica ECG + Dorsalgia Pulsos assimétricos Alargamento mediastinal Congestão pulmonar Gestação Eclâmpsia EAP Dissecção Aorta SCIA HA acelerada maligna Nipride Encefalopatia hipertensiva NÃO SIM Sinais de 1 território arterial? AVC isqêmico AVC hemorrágico TC crânio normal
  56. 56. Crise hipertensiva PAD > 120 mmHg Lesão de órgão alvo? SIM (crônica) Urgência Hipertensiva SIM (aguda) Emergência Hipertensiva NÃO Pseudocrise hipertensiva ALTA Sala de observação Medicação VO Captopril / Clonidina Sala de emergência Acesso venoso, O2, monitor, PANI Lab, ECG, RX Alteração da consiência, do campo visual, rigidez de nuca, sinais focais Papiledema? SIM NÃO AVC? Aval Neuro TC crânio Papiledema Exsudatos Hemorragias Dor isquêmica ECG + Dorsalgia Pulsos assimétricos Alargamento mediastinal Congestão pulmonar Gestação Eclâmpsia EAP Dissecção Aorta SCIA HA acelerada maligna Nipride Encefalopatia hipertensiva NÃO SIM Sinais de 1 território arterial? AVC isqêmico AVC hemorrágico TC crânio normal
  57. 57. Crise hipertensiva PAD > 120 mmHg Lesão de órgão alvo? SIM (crônica) Urgência Hipertensiva SIM (aguda) Emergência Hipertensiva NÃO Pseudocrise hipertensiva ALTA Sala de observação Medicação VO Captopril / Clonidina Sala de emergência Acesso venoso, O2, monitor, PANI Lab, ECG, RX Alteração da consiência, do campo visual, rigidez de nuca, sinais focais Papiledema? SIM NÃO AVC? Aval Neuro TC crânio Papiledema Exsudatos Hemorragias Dor isquêmica ECG + Dorsalgia Pulsos assimétricos Alargamento mediastinal Congestão pulmonar Gestação Eclâmpsia EAP Dissecção Aorta SCIA HA acelerada maligna Nipride Encefalopatia hipertensiva NÃO SIM Sinais de 1 território arterial? AVC isqêmico AVC hemorrágico TC crânio normal
  58. 58. Crise hipertensiva PAD > 120 mmHg Lesão de órgão alvo? SIM (crônica) Urgência Hipertensiva SIM (aguda) Emergência Hipertensiva NÃO Pseudocrise hipertensiva ALTA Sala de observação Medicação VO Captopril / Clonidina Sala de emergência Acesso venoso, O2, monitor, PANI Lab, ECG, RX Alteração da consiência, do campo visual, rigidez de nuca, sinais focais Papiledema? SIM NÃO AVC? Aval Neuro TC crânio Papiledema Exsudatos Hemorragias Dor isquêmica ECG + Dorsalgia Pulsos assimétricos Alargamento mediastinal Congestão pulmonar Gestação Eclâmpsia EAP Dissecção Aorta SCIA HA acelerada maligna Nipride Encefalopatia hipertensiva NÃO SIM Sinais de 1 território arterial? AVC isqêmico AVC hemorrágico TC crânio normal
  59. 59. Discussão...
  60. 60. ICC
  61. 61. ICC A Quente e seco B Quente e úmido C Frio e seco D Frio e úmido CONGESTÃO BAIXO DÉBITO

×