O sertão e o meio norte

4.063 visualizações

Publicada em

fdsf

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.063
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
890
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
94
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O sertão e o meio norte

  1. 1. O SERTÃO O MEIO-NORTE PERCURSOS 19 e 20
  2. 2. SERTÃO
  3. 3. LOCALIZAÇÃO  O sertão é a sub-região mais extensa do Nordeste, situa-se entre o Agreste e o Meio Norte. PÁG 158
  4. 4. ASPECTOS FÍSICOS  Clima predominante é o Tropical Semiárido;  Temperaturas média anual em torno de 26º;  Chuvas mal distribuídas e irregulares;  Pluviosidade Anual Média  750mm;  6 a 8 Meses de estiagem na maior parte do sertão e em algumas áreas de 9 a 11 meses;  CABACEIRAS: Cidade mais Seca do Brasil, situada no Sertão da Paraíba com 278mm anuais;  VALE DO CARIRI: áreas úmidas (brejos) no sul do Ceará (Juazeiro do Norte, Crato e Iguatu) com riachos permanentes e agropecuária bem desenvolvida. CLIMA PÁG 158 e 159
  5. 5. CABACEIRA - PB JUAZEIRO DO NORTE - CE
  6. 6. POR QUE NÃO CHOVE NO SERTÃO? 1. Fatores oceânicos Mesmo sob o Equador, a temperatura do mar nos litorais potiguar e cearense é mais baixa em relação às áreas adjacentes. Com baixa evaporação, há menos umidade presente. 2. Influência do relevo A serra da Borborema, que atravessa vários estados, impede a passagem das correntes atmosféricas úmidas que partem do oceano para o interior. Por isso chove mais no litoral. 3. Frentes polares As frentes polares - encontro de massas de ar diferentes - causam chuvas. Mas, como elas têm pouca força quando chegam ao Nordeste, predomina um quadro de estabilidade. 4. Fatores atmosféricos O Nordeste é uma área de alta pressão - com correntes de ar que transferem o calor para latitudes maiores, situação que favorece a estabilidade do tempo e a ausência de chuvas.
  7. 7. ASPECTOS FÍSICOS  VEGETAÇÃO nativa é a caatinga, formada por plantas que acumulam água;  RELEVO: Altitudes diversas, compostas por chapadas e depressões (Depressão Sertaneja e do São Francisco). VEGETAÇÃO E RELEVO MANDACARU DEPRESSÃO SERTANEJA-SÃO FRANCISCO PÁG 159
  8. 8. O RIO SÃO FRANCISCO FICHA TÉCNICA COMPRIMENTO 2700Km DURAÇÃO Perene (não seca) NASCENTE Serra da Canastra (MG) 1000m FOZ Oceano Atlântico IMPORTÂNCIA ECONÔMICA Pesca, Agricultura e Produção Elétrica USINAS Paulo Afonso, Itaparica, Sertãozinho e Xingó TRECHO NAVEGÁVEL Pirapora(MG), Juazeiro(BA) e Petrolina(PE) SITUAÇÃO AMBIENTAL Poluído em alguns trechos, resíduos domésticos e industriais, garimpos e desmatamentos das margens. PÁG 160
  9. 9. NASCENTE CURSO MÉDIO FOZ RIO SÃO FRANCISCO
  10. 10. A TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO  Projeto surgiu em 1858, mas só foi iniciado de fato em 2008;  OBJETIVO: As águas do Velho Chico passarão por aquedutos e canais para alimentar reservatórios, açudes e outros rios que deverão abastecer as regiões mais castigadas pela seca.  CONTRA:  Redução da vazão de água do rio;  Beneficiamento apenas dos grandes latifundiários e não dos pequenos agricultores;  O rio deveria ser revitalizado antes da transposição para recuperar sua vegetação. PÁG 161
  11. 11. ECONOMIA  PECUÁRIA: Criação de gado bovino desde o período colonial;  AGRICULTURA:  Cultivo do milho, feijão, arroz, mandioca, algodão e frutas;  Uso desigual da água e da tecnologia;  Destaque para a fruticultura no Vale do Rio Açu e no Vale do submédio do Rio São Francisco. PÁG 162
  12. 12. AS QUESTÕES SOCIAIS E POLÍTICAS DA SECA  INDÚSTRIA DA SECA  Políticos desonestos desviam verbas públicas que deveriam ser utilizadas para minimizar o problema da seca e a usam em benefício próprio;  POBREZA, MIGRAÇÕES E SECA  SECA  COLHEITA PREJUDICADA POBREZA MIGRAÇÃO (RETIRANTES) PÁG 164
  13. 13. MEIO-NORTE
  14. 14. LOCALIZAÇÃO  Meio-Norte ou Nordeste Ocidental compreende parte do estado do Piauí e todo o estado do Maranhão; PÁG 166
  15. 15. ASPECTOS FÍSICOS VEGETAÇÃO • Transição entre o Sertão semiárido e a Amazônia úmida; • Apresenta características da Amazônia (oeste), Cerrado (sul), Caatinga (leste) e Mata dos Cocais (centro-norte). RELEVO E HIDROGRAFIA • Relevo predominantemente baixo (0 a 200m) com altitudes elevados ao sul; • Destaque hidrográfico para o Rio Parnaíba (1414 Km) CLIMA • Clima Tropical com verão úmido e inverno seco; • Médias térmicas entre 24ºC e 26ºC; • Pluviosidade oscila entre 1000mm e 2000mm (São Luís – MA)PÁG 166 e 167
  16. 16. AS CAPITAIS REGIONAIS E OUTRAS CIDADES  Duas principais cidades do Meio- Norte: São Luís (1.011.943) e Teresina (814.439);  Outras principais cidades: Imperatriz, Codó, Caxias e São José de Ribamar (MA) e Parnaíba (PI);  Estas cidades carecem de infraestrutura urbana, como transportes e saneamento básico. PÁG 169
  17. 17. ECONOMIA  Até 1960 – BASE AGROPECUÁRIA: Criação de Gado, cultivo do algodão, extração do babaçu, produção de açúcar, plantio do arroz e extração da cera de carnaúba;  A partir de 1970 – BASE MINERAL: Maranhão passou a ser escoadouro das riquezas minerais da Serra dos Carajás (PA);  FERROVIA NORTE-SUL:  Impulso à economia do Meio-Norte , ligará a cidade de Panorama (SP) a Belém (PA) com 3.100 Km;  A ampliação irá dinamizar a economia da região, com destaque para a agropecuária do Maranhão, Piauí e Tocantins, que atualmente carecem de melhor acesso ao porto de Itaqui. PÁG 170

×