Aula x mecânica respiratória

15.238 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.238
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
140
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
235
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula x mecânica respiratória

  1. 1. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Morfologia Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta Especialista em Esportes Mestranda em Patologia Geral
  2. 2. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG Tórax e Mecânica Respiratória
  3. 3. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG <ul><li>Junturas do tórax: </li></ul><ul><li>Costelas e Vértebras </li></ul><ul><li>Costelas e Cartilagens Costais </li></ul><ul><li>Esterno e Cartilagens Costais </li></ul><ul><li>Partes do Esterno </li></ul><ul><li>Músculos que agem sobre as costelas: </li></ul><ul><li>Intercostais internos e externos </li></ul><ul><li>Subcostais </li></ul><ul><li>Transverso do tórax </li></ul><ul><li>Levantadores das Costelas e Serrátil posterior </li></ul><ul><li>Quadrado lombar * </li></ul>
  4. 4. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG <ul><li>Movimento da caixa torácica </li></ul><ul><li>Ações dos músculos sobre as costelas </li></ul><ul><li>Mecânica respiratória </li></ul>
  5. 5. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 1- Junturas do tórax: 1.1-Articulação Costovertebrais -Costelas e Vértebras -Articulam: 2 pontos: . Cabeça da costela -fóveas costais superior e inferior: Art.Sinovial plana: Lig. radiado . Tubérculo da costela – fóvea costal transversal: Art. Sinovial plana: lig. costotransversal . Mov: deslizamento Vista superior
  6. 6. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 1.2-Articulação Costocondrais: -Costelas e cartilagens costais: art. Cartilaginosa hialina- sincondrose -Pouco movimento ou nenhum 1.3-Articulação Esternocondrais: -Esterno e cartilagens costais: art. Cartilaginosa hialina- 1ª costela- Sincondrose -2ª a 7ª costelas- art. Sinoviais planas- Lig. Esternocostais -Mov. Deslizamento-respiração
  7. 7. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG <ul><li>1.3-Articulação intercondrais(5ª a 9ª ) </li></ul><ul><li>-Cartilagens costais- cartilagens costais </li></ul><ul><li>-Sinoviais planas- lig. Intercondrais </li></ul><ul><li>-Mov. pequeno de deslizamento </li></ul><ul><li>1.4-Articulação do Esterno: </li></ul><ul><li>Articulação Manúbrio-esternal: </li></ul><ul><li>Manúbrio e corpo do esterno </li></ul><ul><li>Articulação Xifo-esternal: </li></ul><ul><li>Processo xifóide- corpo do esterno </li></ul><ul><li>Cartilaginosa hialina- sincondrose </li></ul><ul><li>Mov. pequeno </li></ul><ul><li>Algumas sincondroses – tornam-se </li></ul><ul><li>sínfises </li></ul>
  8. 8. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG <ul><li>2- Músculos que agem nas costelas: </li></ul><ul><li>Músculos do tórax: músculos da região peitoral e dorsal, </li></ul><ul><li>q. agem nas costelas músculos do abdome- </li></ul><ul><li>intima relação . </li></ul><ul><li>2.1- Músculos intercostais externos: </li></ul><ul><li>-Preenchem os espaços intercostais </li></ul><ul><li>-Camada mais externa </li></ul><ul><li>-Fibras obliquas- ângulo até </li></ul><ul><li>junção costocondral- restante: </li></ul><ul><li>memb.intercostal externa anterior </li></ul><ul><li>-Origem: borda inferior da costela(sulco) </li></ul><ul><li>-Inserção: Borda superior da costela subjacente </li></ul><ul><li>-Ação: Reforça os espaços intercostais, inspiração </li></ul>
  9. 9. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG Inter. externo Vista anterior
  10. 10. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 2.2- Músculos intercostais internos: -Preenchem os espaços intercostais -Camada mais interna -Fibras obliquas e opostas- extremidade esternal até ângulo: restante- Memb. Intercostal Interna post. -Origem: borda superior da costela -Inserção: Borda inferior da costela suprajacente -Ação: Reforça os espaços intercostais, expiração
  11. 11. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG Inter. interno
  12. 12. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 2.3- Músculos transverso do tórax(esternocostal): -Camada interna -Origem: Posterior ao processo xifóide e corpo -Inserção: Cartilagens costais- 2ª a 6ªcostelas -Ação: Reforça a parede do tórax, expiração
  13. 13. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG Transverso do tórax Vista posterior do tórax
  14. 14. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 2.4- Músculos Subcostais: -Camada interna- ângulo da costela -Origem: ângulo da costela- borda inferior -Inserção: borda superior da costela subjacente -Ação: Reforça a parede do tórax, inspiração
  15. 15. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 2.5- Músculo Quadrado Lombar: -Camada interna -Faz parte da parede posterior do abdome -Origem: Crista ilíaca -Inserção: 12ª costela, L1 a L4 (processo transverso) -Ação: antagonista do diafragma (inspiração)- expiração
  16. 16. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 3- Movimento da caixa torácica - A caixa- abriga órgãos- alterando as condições volumétrica Os pulmões- expande na inspiração: entrada de ar no seu interior, e na expiração- volta ao volume inicial forças elásticas do parênquima. O tórax se adapta a variação volumétrica dos órgãos aumentando o seu diâmetro Devido as articulações costovertebrais, esternocostais e músculos Fazem a ação de elevação das costelas
  17. 17. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG -As costelas são obliquas(1ª a 7ª )- compreensão da mecânica respiratória -Elevação das costelas(obliquidade) na inspiração- aumento do diâmetro ântero-posterior da caixa- por deslocar a cartilagem costal e o esterno- ântero-superior: Mov de braço de bomba Coluna vertebral
  18. 18. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG <ul><li>-Elevação das costelas na inspiração- costelas deslocam- Superior e lateral </li></ul><ul><li>aumento do diâmetro transverso do tórax: Mov. de alça de balde </li></ul><ul><li>-Contração do diafragma: desloca-o no sentido </li></ul><ul><li>abdominal- aumenta o diâmetro longitudinal do tórax </li></ul><ul><li>Quando criança- costelas horizontais(até os 7 anos): </li></ul><ul><li>a inspiração exclusiva do diafragma </li></ul><ul><li>-Mov. de inspiração: Contração dos músculos </li></ul><ul><li>q elevam as costelas e diafragma. </li></ul><ul><li>-Mov. de expiração: quando cessa a inspiração- </li></ul><ul><li>ascenção do diafragma, retração elástica da parede </li></ul><ul><li>torácica e dos pulmões- fenômeno passivo </li></ul><ul><li>-Expiração forçada: Intercostais int e abdominais </li></ul><ul><li>-Inspiração forçada: Músculos acessórios (esternocleido e escalenos) </li></ul>
  19. 19. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 4- Ações dos músculos sobre as costelas: - Diafragma - fundamental na respiração. -Intercostais: elevam as costelas, estabilizador- na inspiração Tração regular das costelas- evita o colapso dos espaços intercostais <ul><li>Na expiração- pressão intratorácica aumenta- a musculatura costal </li></ul><ul><li>evitara abaulamento dos tecidos intercostais </li></ul><ul><li>5- Diafragma: </li></ul><ul><li>Principal músculo inspiratório </li></ul><ul><li>Separa a cavidade torácica da cavidade abdominal </li></ul><ul><li>Possui 4 partes: Esternal, costal, lombar e centro tendíneo </li></ul><ul><li>Origem: processo xifóide; 6 costelas inferiores; pilar direito e esquerdo e corpos das vértebras lombares </li></ul><ul><li>Inserção: todas as partes se unem no centro tendíneo </li></ul><ul><li>Ação: Resp. diafragmática- inspiração, aumento da pressão abdom. </li></ul>
  20. 20. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG Diafragma:
  21. 21. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG
  22. 22. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 6- Mecânica Respiratória: -Consiste na utilização de oxigênio e produção de gás carbônico -E através de diferença de pressões o ar entra e sai do sistema respiratório Junto com mecanismos de bombas O mecanismo bombeador são os músculos da respiração <ul><li>6.1- Forças elásticas: </li></ul><ul><li>Condições normais- pleuras(parietal e visceral) estão em contato </li></ul><ul><li>Desliza uma sobre a outra e é necessário uma força considerável </li></ul><ul><li>para separa-las </li></ul><ul><li>A manutenção das pleuras em contato- é a essência do fenômeno- </li></ul><ul><li>Permite a expansão dos pulmões </li></ul>
  23. 23. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG <ul><li>2 Forças unem as pleuras: </li></ul><ul><li>Pressão atmosférica: </li></ul><ul><li>Age por fora- contra as paredes torácicas </li></ul><ul><li>Pressão Intra-alveolar: </li></ul><ul><li>Age dentro dos alvéolos </li></ul><ul><li>A pressão intra-alveolar é igual a atmosférica- respiração interrompida: </li></ul><ul><li>não há fluxo de ar entrando ou saindo </li></ul><ul><li>2 Forças separaram as pleuras: </li></ul><ul><li>Elasticidade da parede torácica: Pressão torácica </li></ul><ul><li>Expandi o tórax- tende a separar a pleura parietal da visceral </li></ul><ul><li>-Elasticidade do parênquima pulmonar:Pressão pulmonar </li></ul><ul><li>Retração dos pulmões- tende a separar a pleura visceral da parietal </li></ul>É o balanceamento destas forças e a pressão negativa(cavidade pleural) – permite expansão pulmonar na inspiração
  24. 24. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG <ul><li>Na inspiração- quanto mais inflado o pulmão – maior é a pressão pulmonar </li></ul><ul><li>Ex: balão de borracha </li></ul><ul><li>-Na inspiração- a pressão intrapleural ou subatmosférica </li></ul><ul><li>(dentro da cavidade pleural) diminui- ar entra </li></ul><ul><li>- Na expiração forçada- a pressão intrapleural é maior q a atmosférica- ar sai </li></ul><ul><li>e músculos entram em ação- abdominais </li></ul>Forças em equilíbrio
  25. 25. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG 6.2 - Ruptura dos sistemas de forças - Qualquer fator que quebre o equilíbrio dos sistemas de forças Distúrbios respiratório <ul><li>lesão- perfura a pleura parietal(faca)-o ar penetra na cavidade -desequilíbrio </li></ul>Pulmão colaba- não expande Pneumotórax
  26. 26. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG - Pleura visceral-rompida : Deixa o ar escapar- dentro da cavidade e colaba Pneumotórax <ul><li>Pulmão- Pode colabar por acúmulo de líquido(sangue, </li></ul><ul><li>secreção purulenta...) </li></ul>Processos patológicos
  27. 27. Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta UFMG Universidade Federal de Minas Gerais Ana Paula de Sousa Paixão Fisioterapêuta Especialista em esportes Mestranda em Patologia [email_address]

×