Bioindicadores de qualidade ambiental iii

1.426 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.426
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bioindicadores de qualidade ambiental iii

  1. 1. Bioindicadores de Qualidade Ambiental Dr. Júlio N. C. Louzada Universidade Federal de Lavras Depto. de Biologia
  2. 2. Objetivos do terceiro dia:• Discutir o trabalho com bioindicadores• Discutir o planejamento do trabalho• Planejar uma amostragem• Apresentar as abordagens de análise mais comuns• Apresentar e discutir os erros mais comuns em trabalhos com bioindicador
  3. 3. Trabalhando com bioindicador• De maneira empírica – Direcionando nossa interpretação da natureza – Fornecendo informações sobre as maneiras tradicionais de lidar com o ambiente• Cientificamente – Na avaliação de agentes estressores – No monitoramento da condição e recuperação do ambiente
  4. 4. Princípios do desenho experimentalO desenho experimental de um trabalho com bioindicadores precisa levar em consideração os seguintes aspectos:1. Necessidade de caracterizar o sistema biológico afetado pelo agente estressor e o sistema referência para comparação2. Definição do bioindicador3. Tipo de resposta esperada – hipótese de trabalho4. Montagem do experimento ou observação
  5. 5. Princípios do desenho experimental1. Escolha do nível de abordagem bioindicadora: i. Se espécie, sua relevância ecológica e econômica, o conhecimento biológico acumulado etc ii. Se comunidades e ecossistemas, sua estrutura e funcionamento
  6. 6. Princípios do desenho experimental• Qual o tipo de resposta é esperada? – Construa uma hipótese de trabalho Categorias Contínuos de resposta
  7. 7. Princípios do desenho experimental• Montagem do experimento ou da observação – Repetição de medidas – Independência – Precisão
  8. 8. Quais abordagens de análise são mais comuns?• Apresentação gráfica 120 100 80 sp1 60 sp2 40 sp3 20 0 T1 T2 T3 T4
  9. 9. Quais abordagens de análise são mais comuns?• Apresentação gráfica• Abordagem estatística 25 – Análise de regressão 20 Resposta biológica 15 10 5 0 0 5 10 15 20 25 30 Nível de ação do agente stressor
  10. 10. Quais abordagens de análise são mais comuns?• Apresentação gráfica• Abordagem estatística 2D Graph 4 – Análise de regressão 50 Resposta biológica (média e desvio) 40 – Análise de variância 30 20 10 0 Categorias de exposição do agente estressor
  11. 11. Quais abordagens de análise são mais comuns?• Apresentação gráfica S  ni    ni   H = −∑   ⋅ ln   i =1  N    N  • Abordagem estatística Diversidade de Shannon – Análise de regressão – Análise de variância Qs = 2c/(a+b) – Uso de índices Similaridade de Soernsen • Diversidade • Similaridade • Dominância E’ = H’/lnS • Cobertura florestal Equitatividade de Pielou
  12. 12. Quais são os erros mais comuns?• Não formular uma hipótese – Falta de conhecimento suficiente – Falta de treino• Não delinear o experimento corretamente – Repetição – Independência• Não usar a abordagem de análise correta• Não obedecer os pressupostos da análise
  13. 13. Etapas de trabalho - resumo R e c o m e n d a ç õ e s d e tra b a lh o C a r a c t e r iz e a a m p lit u d e n o r m a l e a v a r ia b ilid a d e e m t o r n o d a r e s p o s t a b io ló g ic a D e t e r m in e a e s p e c ific id a d e d e r e s p o s t a a o s v á r io s t ip o s d e e s t r e s s o r e s p r e s e n t e s D ia g n o s t iq u e a s d ife r e n t e s fo n t e s d e s t r e s s e m s is t e m a s a fe t a d o s p o r m u lt ip lo s e s t r e s s o r e s E s t a b e le ç a r e la ç õ e s c a u s a is e n t r e o s a g e n t e s e s t r e s s o r e s e a r e s p o s t a b io in d ic a d o r a I n s ir a a r e s p o s t a b io in d ic a d o r a e m u m a p e s r s p e c it v a d e a n á lis e d e r is c o a m b ie n t a l
  14. 14. Cenas do próximo capítulo:• Bioindicador para avaliar a degradação da restinga• Bioindicador para avaliar a agricultura

×