O SENTIDO DA VIDA        A vida começa em luz    Na terra azul da humanidade.  Brilha o orbe que do espaço seduz Os viajan...
Levados a seguir padrões de comportamento,         Perdemos nossa identidade    De seres únicos e dotados de vontade,     ...
A retificação de equivocadas diretrizes,      O controle dos desejos inferiores,   O domínio dos pensamentos infelizes,   ...
O sentido da vida poema
O sentido da vida poema
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O sentido da vida poema

879 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
879
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O sentido da vida poema

  1. 1. O SENTIDO DA VIDA A vida começa em luz Na terra azul da humanidade. Brilha o orbe que do espaço seduz Os viajantes celestiais da eternidade.No princípio não sabemos quem somos, Pequenos, frágeis, vulneráveis. Dormimos no leito muitos sonos, Risonhos, tranqüilos e amáveis. Na juventude tudo são flores, Brincadeiras, diversão e sabores. O futuro acena em multicores, Promessas de alegrias e amores. Sonhos de glória e sucesso Passeiam na tela mental. Tudo se afigura fácil e natural. Nosso destino é o progresso. Fama e riqueza são o nosso ideal. No convívio com a sociedade, Aprendemos tudo sobre futilidade, Aparências, mentiras, mediocridade.Nos antros de ilusão do materialismo, Sustentado pelo cinismo, Estimulado pelo consumismo, E acobertado pelo egoísmo, Desfila a leviandade, Fantasiada de verdade, Ostentando a inutilidade.
  2. 2. Levados a seguir padrões de comportamento, Perdemos nossa identidade De seres únicos e dotados de vontade, Autores dos próprios pensamentos, Portadores de sentimentos, Cada qual com os seus sofrimentos, Enfrentando a sua realidade. Percebemos mais tarde, Lentamente e sem alarde, Que a felicidade Não se encontra nos triunfos materiais,De uma sociedade corrompida que se compraz, Com prazeres e festivais, Sem encontrar jamais a paz. Com o passar dos anos, Começamos a sentir os danos Desta vida de ciganos, De inconseqüências e desenganos E cansamos. Enfim, despertamos! Vão-se os hábitos funestos E a conduta fingida. O porvir se enriquece de afrescos, O coração acelera a batida. É a emoção que explode incontida, Em prece sentida, Ao encontrarmos, enfim, o sentido da vida: A conquista de nós mesmos!
  3. 3. A retificação de equivocadas diretrizes, O controle dos desejos inferiores, O domínio dos pensamentos infelizes, A eliminação dos rancores, São alguns dos árduos labores Que nos libertarão de intensos amargores. Adornadas com flores, Com nuances de vários matizes, Restarão apenas as cicatrizes, Repletas de luz, perfume e cores, E seremos felizes E libertos das dores. Logremos a felicidade real Que não provém das exterioridades, Mas da libertação do mal, Que não permite facilidades. O bem é a lei universal. Do nascer do sol até o anoitecer, Lutemos sem desfalecer. Com a arma do amor erguida, Defendamos os verdadeiros valores da vida, Na nave Terra, mãe querida,Mostrando aos céus, com coragem desmedida, Que viemos para vencer! Karina Jordão Cardoso 18/08/09

×