Trabalho 01 hermenêutica Pr. Antenor Pedro dos Santos.

808 visualizações

Publicada em

Trabalho de Hermenêutica

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
808
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho 01 hermenêutica Pr. Antenor Pedro dos Santos.

  1. 1. FACULDADE TEOLOGICA SUL BRASILEIRO BACHAREL EM TEOLOGIA FERNANDO SOYER Respostas dos Questionários dos Capítulos 01 e 02 do Livro “Hermenêutica – Princípios de Interpretação das Sagradas Escrituras”. Osasco-SP 2014
  2. 2. Página 2 de 8 FERNANDO SOYER Respostas dos Questionários dos Capítulos 01 e 02 do Livro “Hermenêutica – Princípios de Interpretação das Sagradas Escrituras”, da Editora Vida Acadêmica, escrito pelos autores E. Lund e P. C. Nelson. Trabalho apresentado como requisito para avaliação parcial da Disciplina Hermenêutica do curso Bacharel em Teologia na Faculdade Teológica Sul Brasileiro ao Professor Ms. Pr. Antenor Pedro dos Santos. OSASCO 2014
  3. 3. Página 3 de 8 Questionário do Capítulo 01  Hermenêutica: a importância de seu estudo. 1) O que é Hermenêutica? De acordo com o dicionário, hermenêutica é a arte de interpretar textos, todavia, a hermenêutica (do grego hermeneia, interpretação) faz parte da teologia exegética, que trata da reta explanação e da interpretação da Bíblia. 2) Para onde leva o fato de ignorá-la? Para longe de Deus, desvirtuando as sagradas escrituras para basear suas errôneas interpretações e fazendo com que multidões sejam arrastadas à perdição. 3) Por que existem os falsários e hereges? Porque existem pessoas que desconhecem esta ciência (hermenêutica) e assim, correm o risco de cair no erro de Balaão e na contradição de corá (Jd. 11). 4) Para que nos foram dadas as Escrituras? Para nos (informar) revelar as virtudes do Reino de Cristo; para que, com este conhecimento, saibamos que convém que permitamos à Cristo que entre e habite em nossos corações para que assim, herdemos a Vida Eterna (Rm 10:9). 5) --- 6) Por quem, sobre qual assunto e em que épocas e lugares a Bíblia foi escrita? A Bíblia foi escrita por “santos homens de Deus”, que falaram sempre “inspirados pelo Espírito Santo” com educação bem diversa: como sejam, sacerdotes, como Esdras; poetas, como Salomão; profetas, qual Isaías; guerreiros, como Davi; pastores, qual Amós; estadistas, como Daniel; sábios, como Moisés e Paulo, e "pescadores, homens sem letras", como Pedro e João. Destes, uns formulam leis, como Moisés; outros escrevem história, como Josué; alguns também escrevem salmos, como Davi; outros provérbios, como Salomão; uns escrevem profecias, como Jeremias; outros biografias e/ou cartas, como fizeram os evangelistas e os apóstolos.
  4. 4. Página 4 de 8 Quanto ao tempo viveu Moisés 400 anos antes do cerco de Tróia e 300 anos antes de aparecerem os mais antigos sábios da Grécia e Ásia, vivendo João, o último escritor bíblico, uns 1500 anos depois de Moisés. Com respeito ao lugar, foram escritos em pontos tão diferentes como o são o centro da Ásia, as areias da Arábia, os desertos da Judéia, os pórticos do Templo, as escolas dos profetas em Betel e Jericó, nos palácios da Babilônia, nas margens do Quebar e em meio à civilização ocidental. 7) De que maneira tais circunstâncias requerem conhecimento hermenêuticos? Os escritores bíblicos foram plenamente inspirados, porém, não de tal modo que resultasse supérfluo o mandamento de esquadrinhar as Escrituras e que se deixasse sem consideração tanta variedade de pessoas, assuntos, épocas e lugares. Estas circunstâncias, como é natural, influíram (ainda que não na verdade Divina expressa) na linguagem bíblica, portanto, faz-se necessário e indispensável o estudo da hermenêutica para que a compreensão do pregador, intérprete e expositor bíblico seja perfeita (ou o mais próximo da verdade Divina). 8) Por que razões certos eruditos negam a inspiração divina da Bíblia? Por afirmarem que, pelo processo de tradução e/ou transcrição, a “Palavra de Deus” perdeu sua “integridade” e não mais retrata a totalidade da “perfeita” vontade do Pai, por considerarem a linguagem bíblica “ofensiva” (por se tratar da “acusação” do pecado e de uma forma de conduta de vida santa...) e devido às muitas “linguagens figuradas” utilizadas no contexto bíblico. 9) De que maneira científica se revela o invisível? Quais são os planos e também os procedimentos divinos nesse caso? Deus, sendo invisível, se revela a nós através da beleza e magnitude de sua criação (Rm 1:20). Portanto, nada mais natural que, ao inspirar as Escrituras, se valha de seu próprio dicionário, levando-nos por meio do visível ao invisível, pela encarnação do pensamento, ao próprio pensamento; pelo objetivo ao subjetivo, pelo conhecido e familiar ao desconhecido e espiritual.
  5. 5. Página 5 de 8 10) Por que foi necessário o uso de linguagem figurada na revelação, do ponto de vista humano? Foi necessário para facilitar o entendimento, para trazer à realidade do povo, àquela época, situações peculiares que lhes serviria de exemplo para os ensinamentos do Reino. 11) Por que outra razão a linguagem bíblica é mais apropriada ou conveniente para a humanidade? Por não ser ofensiva e nem evasiva, por não fomentar a lascívia, por não incitar o erro e por promover, ou seja, por incentivar a santidade no corpo de Cristo. 12) Em resumo: por que é de extrema importância o conhecimento da hermenêutica para a boa compreensão da Bíblia? Porque as Escrituras, tratam de temas que abrangem o céu e a terra, o tempo e a eternidade, o visível e o invisível, o material e o espiritual, foram escritas por pessoas de tão variada natureza e em épocas tão remotas, em países tão distantes entre si, e em meio a pessoas e costumes tão diferentes e em linguagem bem simbólica. Isto é, sabendo disto, fica evidente que para a reta inteligência e compreensão de tudo, nos é de suma necessidade todo o conselho e auxílio que nos possa oferecer a hermenêutica.
  6. 6. Página 6 de 8 Questionário do Capítulo 02  Disposição necessária para o estudo proveitoso das Escrituras. 1) Por que o estudo proveitoso das Escrituras requer um espírito singular e respeitoso? Porque, por exemplo, um filho desrespeitoso, instável e frívolo, que caso fará dos conselhos, avisos e palavras de seu pai? A Bíblia é a revelação do Onipotente, é o milagre permanente da soberana Graça de Deus, do código divino pelo qual seremos julgados no dia divino, é o Testamento selado com o Sangue de Cristo. Porém, com tudo isso e ante tal maravilha, o homem irreverente se encontrará como o cego ante os sublimes Alpes da Suíça, ou pior ainda; talvez seja como o insensato que joga lama Sobre um monumento artístico que é admirado par todo o mundo. Eis com que espírito, ao mesmo tempo reverente e humilde, contemplam a Palavra de Deus os primitivos cristãos. "Outra razão ainda temos nós – diz Paulo – para incessantemente dar graças a Deus: é que, tendo vós recebido a palavra que de nós ouvistes, que é de Deus, colhestes não como palavras de homens, e sim, como, em verdade é, a palavra de Deus, a qual com efeito, está operando eficazmente em vós, os que creem. " Receba-se assim a Escritura, com todo o respeito. E como diz o Senhor: "O homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito, e que treme da minha palavra". Estude-se em tal sentimento de humildade e reverência, e se descobrirão, como disse o Salmista, " maravilhas da Tua lei". (I Ts 2:13; Is 66:2; Sl 119:18), sendo assim, o Próprio Deus nos orienta à estudar Sua Palavra com este “espírito singular e respeitoso”. 2) Por que é necessário espírito dócil para o estudo e boa compreensão da Bíblia? Porque à pessoa obstinada e teimosa que intenta estudar a Bíblia, lhe acontecerá o que disse o Apóstolo Paulo sobre o "homem natural": "Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus porque lhes são loucura; e não pode entendê-las porque elas se discernem espiritualmente" (I Car. 2:14). Ter o “espírito dócil”, nada mais é do que reconhecer Cristo como sendo o Senhor, infalível, compreendendo que qualquer possível contradição é fruto de nosso pouco conhecimento e limitação humana.
  7. 7. Página 7 de 8 3) Por que é preciso que o pesquisador das Escrituras ame a verdade? Porque a Bíblia nos ensina que Cristo é a Verdade (o Caminho e a Vida...) e, sendo assim, é necessário que nos empenhemos em tenhamos estímulo e vontade para buscar tal verdade... outro sim, o homem por natureza não possui tal coração (amante da verdade), antes, pelo contrário, um coração que foge da verdade espiritual e abraça com frequência o erro. "A luz veio ao mundo, – disse Jesus de si mesmo – e os homens amaram mais as trevas do que a luz." Ainda mais, disse ele mesma que a "aborreceram" (João 3:19-20). 4) Por que ficará sem fruto aquele que ama o erro? Porque o homem que na busca com fervor a verdade, tem, por natureza, um coração que foge da verdade espiritual e, desta forma, abraça com frequência o erro, permanecendo no mesmo e impossibilitado de progredir com o estudo. 5) Por que o estudo proveitoso da Bíblia requer paciência? Porque para tudo o que fazemos é necessária esta virtude. Quando Jesus disse: "Examinai as Escrituras", se serve de uma palavra que mostra o procedimento dos mineradores, de cavar e revolver a terra, buscando com diligência o metal precioso, ocupado-se em uma obra que requer paciência. As Escrituras, necessariamente, devem ser ricas em conteúdo e inesgotáveis, como as entranhas da terra. Da mesma maneira, sem dúvida, Deus propôs que em algumas partes fossem profundas e de difícil penetração. Por outro lado, o fruto da paciência é deleitoso e quanto mais paciência se tiver empregada para encontrar um tesouro, tanta mais se aprecia e tanto mais delícia produz. Leve-se, pois, ao estudo das Escrituras tanta paciência (ou mais...) como as coisas comuns da vida.
  8. 8. Página 8 de 8 6) Por que se necessita de prudência e bom senso no estudo das Escrituras? Porque precisamos saber iniciar a leitura das Sagradas Escrituras pela mais simples e prosseguir para a mais difícil, afinal, não se pode (ou pelo menos não se deve...) aprender de imediato à ler e escrever sem ao menos aprender o Alfabeto; outrossim, precisamos ter bom senso e compreender que necessitamos da presença (do agir...) do Autor (o Espírito Santo...) para um proveitoso estudo e uma exata interpretação. 7) Em que casos especiais deve-se usar tal prudência ou bom senso? Acredito que não existem “casos especiais”, temos que usar de tal “prudência e bom senso” em todo o tempo em que estivermos estudando as Sagradas Escrituras, entendendo que Jesus nos deixou registrado um exemplo de que da mesma for acontecia em Seu tempo, e seus discípulos, por sua vez, se valiam do bem mais precioso que tinham para se assegurarem e compreenderem o que realmente o Mestre queria ensinar; a “Pergunta” era o artifício utilizado pelo discípulos e, da mesma forma, pode ser usado atualmente por nós, visto que a Bíblia é o único livro que, em qualquer parte do mundo, à qualquer momento, pode ser lido na presença do Autor, (visto que uma de Suas Virtudes é a Onipresença...), desde que o supliquemos através de nossas orações que nos abra o entendimento e nos ilumine Sua Palavra.

×