OS DESAFIOS DAS GRANDES
REFORMAS ESTRUTURAIS NO
GOVERNO DILMA ROUSSEF
4/10/2013
Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pi...
AS REFORMAS
4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
 A REFORMA POLÍTICA
 A REFORMA TRIBUTÁRIA
 A...
O que precisa mudar com a
reforma política?
 O congresso nacional formado pelas duas
casas constituídas pelo senado feder...
Quanto custa ao povo brasileiro
sustentar o congresso nacional?
 Contando os custos de folha de
pagamento, administrativo...
GASTOS COM OS
PARLAMENTARES
 O Congresso brasileiro gasta R$
11.545,04 por minuto.
 O mandato de cada um dos 513
deputad...
GASTOS COM OS
PARLAMENTARES
 Se levarmos em conta o recente aumento de
62% nos vencimentos dos parlamentares em
12/2010, ...
OS BENEFÍCIOS
INDIRETOS
 Cada parlamentar tem direito a 15
salários por ano.
 A verba de gabinete é de R$ 80.000
mensais...
GASTOS COM OS
PARLAMENTARES
 Imaginando-se que o Congresso Nacional
mantivesse o mesmo orçamento que tem
hoje, mas distri...
GASTOS COM OS
PARLAMENTARES
 Em tese, cada senador tem direito a 20
assessores sendo,11 cargos
comissionados e outros nov...
GASTOS COM OS
PARLAMENTARES
 O senado conta com 3516 funcionários
tercerizados, pertencentes a 34 empresas cujos
contrato...
COMPARATIVOS COM DEMAIS
PAÍSES
4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
COMPARATIVO DAS ASSEMBLÉIAS
LEGISLATIVAS ESTADUAIS COM OUTROS
PAÍSES
COMPARATIVO DAS CÂMARAS MUNICIPAIS COM
OUTROS PAÍSES
CUSTO DO PARLAMENTAR
POR SALÁRIO MÍNIMO
 Cada membro do Congresso
brasileiro custa em média o
equivalente a 2068 salários...
CUSTO DO PARLAMENTAR
POR SALÁRIO MÍNIMO
MUDANÇAS NO SISTEMA
ELEITORAL
 Desde 1991, 283 projetos foram
apresentados com o objetivo de mudar
o sistema eleitoral.
...
O VOTO PROPORCIONAL
 A fórmula para o cálculo proporcional
dos votos para as eleições das Câmaras
Federal, Estadual, Dist...
O VOTO PROPORCIONAL
Em seguida, dividem-se os
votos obtidos pelos
partidos, coligados ou
não, pelo Coeficiente Eleitoral....
O VOTO PROPORCIONAL
 O município é AJASSILÂNDIA.
Ajassilândia tem 30.197 habitantes
Número de eleitores: 24.345
Número de...
O VOTO PROPORCIONAL
CÁLCULO: 22.650+600= 23.250
(votos computados)
 23.250/9 (vagas)= 2.583 (Coeficiente
eleitoral)
 16....
Partido Nro Candidato Votos
PR 2222 TIRIRICA 1.353.820
PSB 4030 GABRIEL CHALITA 560.022
PT 1325 JOÃO PAULO CUNHA 255.497
P...
PROPOSTAS PARA ACABAR COM O
VOTO PROPORCIONAL
 Lista fechada - Sistema em que o
eleitor vota no partido e não mais
indivi...
PROPOSTAS PARA ACABAR COM O
VOTO PROPORCIONAL
 Voto distrital misto - A votação seria
feita pelo método de lista fechada
...
FINANCIAMENTO DAS
CAMPANHAS
 O caixa 2 que é praticado nas
campanhas políticas através do
poder privado e do jogo de
infl...
PROPOSTA PARA FINANCIAMENTO
DAS CAMPANHAS POLÍTICAS
 As campanhas eleitorais seriam
financiadas exclusivamente com
dinhei...
COLIGAÇÕES PARTIDÁRIAS E
CRIAÇÕES DE PARTIDOS NANICOS
 Seria o fim das coligações
exclusivamente com fins eleitorais. Os
...
A NOVA CLÁUSULA DE
BARREIRA
 Se estivesse em vigor, a cláusula de
barreira exigiria a obtenção de 5% dos
votos apurados p...
FIDELIDADE PARTIDÁRIA
 Por unanimidade, o TSE (Tribunal
Superior Eleitoral) decidiu estender a
fidelidade partidária para...
FIM DA REELEIÇÃO
 Acaba com a possibilidade de
prefeitos, governadores e
presidente tentarem a reeleição.
Aumenta também ...
A REFORMA TRIBUTÁRIA
 A carga tributária está
na ordem de 35% do
PIB, a maior de todos
os países emergentes
que tem uma m...
INEFICIÊNCIA TRIBUTÁRIA
 O sistema tributário brasileiro foi
classificado pelo Banco Mundial na
152ª posição entre 183 pa...
 Um modelo de automóvel que no
Brasil custa R$ 32 mil é vendido na
Argentina pelo equivalente a R$ 22
mil, e sai ainda ma...
CARGA TRIBUTÁRIA GLOBAL
PROPORCIONAL AO PIB - %
4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
A COMPLICAÇÃO DOS
IMPOSTOS
 Existem no país 85 tipos de
impostos, taxas e contribuições.
Elas são regidas por um calhamaç...
IMPOSTOS EM CASCATA
 Diversos impostos no Brasil incidem
mais de uma vez nas cadeias
produtivas. Isso onera os produtos m...
TRIBUTOS REGRESSIVOS
 Na maioria dos países, os
impostos são maiores para quem
tem mais renda, ou seja, são
progressivos....
A GUERRA FISCAL
 No Brasil, a União, Estados e
municípios têm o poder de tributar.
Isso faz com que eles possam
competir ...
PROPOSTA DE RETORNO DO
IVA COM FIM DO ICMS
 O IVA é adotado em 130 países e foi
criado no Brasil em 1967 de maneira
errôn...
A REFORMA DA INFRA-ESTRUTURA
PARA O DESENVOLVIMENTO
 Existem dois motores
básicos na economia que
impulsionam o
desenvolv...
O QUADRO INTERNACIONAL DA
COMPETIVIDADE DO BRASIL
 A última versão de um estudo do Banco
Mundial sobre competitividade re...
O SISTEMA PORTUÁRIO
BRASILEIRO
Em setembro de 2010, no
acumulado de 12 meses, a
movimentação de cargas nos
portos cresceu...
O SISTEMA PORTUÁRIO
BRASILEIRO
 O porto de Santos, o maior do país é
quatro vezes mais lento do que
instalações similares...
O TRANSPORTE AÉREO
NACIONAL
 O fluxo de passageiros nos aeroportos
brasileiros em 2010 cresceu 24%.
 Os aeroportos brasi...
TRANSPORTES
TERRESTRES
 O Brasil tem seu sistema de
transportes embasado no
transporte rodoviário com 58% de
rodovias con...
TRANSPORTES
TERRESTRES
 Dois terços do transporte de cargas no
Brasil é feito por rodovias.
 O transporte ferroviário at...
NOVOS PARÂMETROS NA
MATRIZ ENERGÉTICA
BRASILEIRA O consumo de energia elétrica aumentou
8,3% em 2010, na comparação com 2...
PARADIGMAS DO INVESTIMENTO
NO BRASIL
4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
 A taxa de investimento no Brasil constituída de
bens de capital e construção civil foi de 16,7%
em 2009 e 19,4% em 2010....
Fonte: WEO/FMI - 2007
4/10/201
3
Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto
Coelho
TAXA DE INVESTIMENTO GLOBAL -
% (2009)
43
33.3
26.6
20.8
20
19.1
18.5
16.7
0 10 20 30 40 50
CHINA
ÍNDIA
ESPANHA
FRANÇA
JAP...
PRINCIPAIS INVESTIMENTOS
ORÇADOS NO BRASIL
 Hidrelétricas de Santo Antonio e de
Jirau, respectivamente, 13,5 e 9,3 bilhõe...
Os desafios das reformas estruturais 28.12.2010
Os desafios das reformas estruturais 28.12.2010
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os desafios das reformas estruturais 28.12.2010

516 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
516
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os desafios das reformas estruturais 28.12.2010

  1. 1. OS DESAFIOS DAS GRANDES REFORMAS ESTRUTURAIS NO GOVERNO DILMA ROUSSEF 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  2. 2. AS REFORMAS 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho  A REFORMA POLÍTICA  A REFORMA TRIBUTÁRIA  A REFORMA ESTRUTURAL DOS TRANSPORTES  A REFORMA DO MODELO ESTRUTURAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA  A MUDANÇA NOS PARADIGMAS DE INVESTIMENTO  A REFORMA DA POLÍTICA CAMBIAL E TAXAS DE JUROS  A REFORMA NA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA
  3. 3. O que precisa mudar com a reforma política?  O congresso nacional formado pelas duas casas constituídas pelo senado federal e câmara legislativa agregam 25.000 funcionários aproximadamente, sendo: 15.000 na câmara e 10.000 no senado.  A Nestlé, uma das maiores empresas do Brasil no ramo alimentício possui 18.000 funcionários, a Embraer a maior indústria de fabricação de aviões no Brasil e a 3ª maior do mundo possui 16.800 funcionários. A Unilever, a maior em produtos de higiene e limpeza possui 12.000 e a Souza Cruz, a maior em produção de tabaco no país possui 7.500, a Votorantim, a maior de cimentos no Brasil possui 11.000 funcionários.4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  4. 4. Quanto custa ao povo brasileiro sustentar o congresso nacional?  Contando os custos de folha de pagamento, administrativos e operacionais o valor em 2007 foi de R$ 6.068.072.181,00, o que significa que cada cidadão brasileiro teria que prover uma média de R$ 3.177 para custear o Congresso Nacional.  Relativo ao nº de 24 milhões que declaram imposto de renda no Brasil, cada contribuinte (física e jurídica) pagaria em média R$ 252.836. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  5. 5. GASTOS COM OS PARLAMENTARES  O Congresso brasileiro gasta R$ 11.545,04 por minuto.  O mandato de cada um dos 513 deputados federais custa R$ 6,6 milhões por ano.  O mandato de cada um dos 81senadores custa quase cinco vezes mais, R$ 33,1 milhões por ano 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  6. 6. GASTOS COM OS PARLAMENTARES  Se levarmos em conta o recente aumento de 62% nos vencimentos dos parlamentares em 12/2010, cada um deles receberá com todos os benefícios mais de R$ 100.000 POR MÊS.  O aumento do salário mínimo em 22/12/2010 após exaustivos debates foi de 5,9% passando de R$510,00 para R$540,00 a partir de 1º de janeiro de 2011.  A média do custo por parlamentar dos Legislativos europeus mais o Canadá é de cerca de R$ 2,4 milhões por ano. No Brasil, são R$ 10 milhões. (na Inglaterra é 600 mil) 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  7. 7. OS BENEFÍCIOS INDIRETOS  Cada parlamentar tem direito a 15 salários por ano.  A verba de gabinete é de R$ 80.000 mensais para contratação de funcionários.  A verba de custeio é de R$ 34.000 mensais para despesas políticas que podem ir de um pão de queijo a um automóvel.  Recebem ainda auxílio moradia, auxílio combustível, cotas de passagens aéreas, cotas de telefone, celulares e4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  8. 8. GASTOS COM OS PARLAMENTARES  Imaginando-se que o Congresso Nacional mantivesse o mesmo orçamento que tem hoje, mas distribuído por uma quantidade de parlamentares tal que o custo de cada mandato fosse compatível com o europeu, a instituição teria 2556 integrantes, ao invés dos seus 594 constituintes.  Hoje, há cerca de 1.100 mil assessores do senado federal fora de Brasília espalhados pelo país recebendo salários sem nenhum tipo de fiscalização que os impeça de atuar como cabos eleitorais. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  9. 9. GASTOS COM OS PARLAMENTARES  Em tese, cada senador tem direito a 20 assessores sendo,11 cargos comissionados e outros nove efetivos. Os parlamentares, porém, fizeram ajustes nas regras para permitir a subdivisão dos 11 cargos de confiança. Com isso, na prática, cada senador pode empregar até 79 comissionados em seu gabinete desde que o valor gasto não ultrapasse o teto estipulado. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  10. 10. GASTOS COM OS PARLAMENTARES  O senado conta com 3516 funcionários tercerizados, pertencentes a 34 empresas cujos contratos custam anualmente R$ 155 milhões de reais, e aproximadamente 2500 servidores de carreira. O Senado dispõe ainda de 2.964 servidores comissionados não efetivos.  Segundo o IBGE os cargos comissionados nos 5564 municípios brasileiros já ultrapassava os 500 mil em 2006 e, somando aos cargos comissionados na gestão pública federal hoje ultrapassa os 868 mil. São criados anualmente 42.000 cargos comissionados nos municípios brasileiros. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  11. 11. COMPARATIVOS COM DEMAIS PAÍSES 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  12. 12. COMPARATIVO DAS ASSEMBLÉIAS LEGISLATIVAS ESTADUAIS COM OUTROS PAÍSES
  13. 13. COMPARATIVO DAS CÂMARAS MUNICIPAIS COM OUTROS PAÍSES
  14. 14. CUSTO DO PARLAMENTAR POR SALÁRIO MÍNIMO  Cada membro do Congresso brasileiro custa em média o equivalente a 2068 salários mínimos anuais.  Equivale ao dobro do México, segundo colocado segundo esse critério, cerca de 37 vezes superior ao da Espanha e 34 vezes maior do que o do Reino Unido.  O custo anual de cada mandato de senador corresponde a 6699 salários mínimos. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  15. 15. CUSTO DO PARLAMENTAR POR SALÁRIO MÍNIMO
  16. 16. MUDANÇAS NO SISTEMA ELEITORAL  Desde 1991, 283 projetos foram apresentados com o objetivo de mudar o sistema eleitoral.  As principais reivindicações são para combater: Escândalos de corrupção, problemas com dinheiro não contabilizado de campanhas eleitorais, trocas de partido e proliferação de legendas de aluguel. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  17. 17. O VOTO PROPORCIONAL  A fórmula para o cálculo proporcional dos votos para as eleições das Câmaras Federal, Estadual, Distrital e Municipal requer um sistema de valores proporcionais que incluem o número de votos válidos e votos brancos.  Somam-se os números de votos válidos com os votos brancos (abstenções e votos nulos não contam) dividindo pelo número total de vagas disponíveis, temos aí o Coeficiente Eleitoral.4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  18. 18. O VOTO PROPORCIONAL Em seguida, dividem-se os votos obtidos pelos partidos, coligados ou não, pelo Coeficiente Eleitoral. Obtem-se aí o Coeficiente Partidário (que é o nº de vagas que cada partido tem direito, independente do nº de 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  19. 19. O VOTO PROPORCIONAL  O município é AJASSILÂNDIA. Ajassilândia tem 30.197 habitantes Número de eleitores: 24.345 Número de vagas na Câmara Municipal: 9  Após a eleição: Votos válidos: 22.650 votos Votos brancos: 600 votos Abstenções/nulos: 1095 votos 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  20. 20. O VOTO PROPORCIONAL CÁLCULO: 22.650+600= 23.250 (votos computados)  23.250/9 (vagas)= 2.583 (Coeficiente eleitoral)  16.191(Total de votos da 1ª coligação partidária) / 2.583= 6 vagas ( coeficiente partidário)  7.059 (Total de votos da 2ª coligação partidária) / 2.583= 3 vagas (coeficiente partidário) 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  21. 21. Partido Nro Candidato Votos PR 2222 TIRIRICA 1.353.820 PSB 4030 GABRIEL CHALITA 560.022 PT 1325 JOÃO PAULO CUNHA 255.497 PSB 4021 LUIZA ERUNDINA 214.114 PT 1322 ARLINDO CHINAGLIA 207.465 PTB 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 192.336 PP 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 160.813 PT 1390 VICENTINHO 141.068 PT 1331 RICARDO BERZOINI 140.525 PC do B 6565 ALDO REBELO 132.109 PT 1312 VACCAREZZA 131.685 PC do B 6588 DELEGADO PROTÓGENES 94.906 PT 1345 VANDERLEI SIRAQUE 93.314 PV 4363 RICARDO IZAR 87.347 PP 1133 ALINE CORREA 78.317 PV 4343 PENNA 78.301 PSB 4070 ABELARDO CAMARINHA 71.637 PV 4344 ROBERTO DE LUCENA 70.611 PDT 1211 JOÃO DADO 70.486 PV 4315 ROBERTO SANTIAGO 60.180 PV 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 59.209 PDT 1250 SALVADOR ZIMBALDI 42.743 PSDB 4551 VANDERLEI MACRIS 111.531 PSDB 4540 SILVIO TORRES 107.035 PSDB 4570 WALTER FELDMAN 105.085 PSDB 4530 ALBERTO MOURAO 104.433 DEM 2599 WALTER IHOSHI 104.400 PSDB 4523 CARLOS ROBERTO 103.373 PT 1313 GENOINO 92.362 ELEIÇÃO PARA DEPUTADO FEDERAL EM SP - 2010 LEGENDA Eleitos Não Eleitos
  22. 22. PROPOSTAS PARA ACABAR COM O VOTO PROPORCIONAL  Lista fechada - Sistema em que o eleitor vota no partido e não mais individualmente nos candidatos. Caberia às legendas definir quem vai assumir o mandato de acordo com listas ordenadas por elas previamente. A distribuição das cadeiras seria semelhante ao método atual, pela proporção dos votos que o partido obtém no pleito. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  23. 23. PROPOSTAS PARA ACABAR COM O VOTO PROPORCIONAL  Voto distrital misto - A votação seria feita pelo método de lista fechada para metade das cadeiras. A outra metade seria selecionada pelo sistema de voto distrital. Estados e municípios são divididos em distritos e cada um deles tem direito a lançar um candidato por partido. Nesse caso, o eleitor votaria no indivíduo. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  24. 24. FINANCIAMENTO DAS CAMPANHAS  O caixa 2 que é praticado nas campanhas políticas através do poder privado e do jogo de influências e favores, contribui para o aparecimento de candidatos produzidos para veicular o jogo do poder e da corrupção. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  25. 25. PROPOSTA PARA FINANCIAMENTO DAS CAMPANHAS POLÍTICAS  As campanhas eleitorais seriam financiadas exclusivamente com dinheiro público. Ficariam proibidas as doações de pessoas físicas e empresas. Conforme a proposta, em ano eleitoral seria incluída verba adicional no Orçamento para cobrir as despesas, com valores equivalentes ao eleitorado do país. Para se chegar ao valor, seria preciso multiplicar o número de eleitores por R$ 7, tendo como referência o eleitorado existente em 31 de dezembro do ano anterior ao pleito. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  26. 26. COLIGAÇÕES PARTIDÁRIAS E CRIAÇÕES DE PARTIDOS NANICOS  Seria o fim das coligações exclusivamente com fins eleitorais. Os partidos com afinidade ideológica programática teriam de se unir para formar federações partidárias formalizadas e atuar de forma conjunta no Congresso Nacional. As agremiações deveriam ser formadas até quatro meses antes das eleições e durar três anos.4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  27. 27. A NOVA CLÁUSULA DE BARREIRA  Se estivesse em vigor, a cláusula de barreira exigiria a obtenção de 5% dos votos apurados para permitir o funcionamento parlamentar de um partido (com direito a liderança e participação em comissões). A proposta em tramitação reduz esse percentual para 2% dos votos apurados nacionalmente, excluídos os brancos e nulos, distribuídos em pelo menos nove estados. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  28. 28. FIDELIDADE PARTIDÁRIA  Por unanimidade, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu estender a fidelidade partidária para os ocupantes de cargos majoritários - presidente da República, governadores, senadores e prefeitos. O mandato será retirado de quem trocar de legenda após ser eleito por outro partido. (10/2007)  A nova proposta diz que no terceiro ano de mandato, o congressista poderia trocar de legenda sem perder o mandato. Seriam vedadas mudanças no restante do mandato. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  29. 29. FIM DA REELEIÇÃO  Acaba com a possibilidade de prefeitos, governadores e presidente tentarem a reeleição. Aumenta também o tempo do mandato de chefes do Executivo de quatro para cinco anos. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  30. 30. A REFORMA TRIBUTÁRIA  A carga tributária está na ordem de 35% do PIB, a maior de todos os países emergentes que tem uma média de 22% e uma das maiores do mundo, atingindo a 14ª posição no ranking mundial.  Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) o brasileiro paga 150 dias do seu salário
  31. 31. INEFICIÊNCIA TRIBUTÁRIA  O sistema tributário brasileiro foi classificado pelo Banco Mundial na 152ª posição entre 183 países.  Uma empresa no Brasil consome 2.600 horas por ano para pagar tributos, nos emergentes paises do BRIC a Rússia consome 320, a Índia 258 e a China 398. Nos paises da América Latina estamos a frente apenas da Venezuela e da Bolívia. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  32. 32.  Um modelo de automóvel que no Brasil custa R$ 32 mil é vendido na Argentina pelo equivalente a R$ 22 mil, e sai ainda mais barato no México: R$ 18 mil.  “A carga tributária geral do Brasil está entre as cinco maiores cargas mundiais”, afirma a diretora do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), Letícia do Amaral. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho INEFICIÊNCIA TRIBUTÁRIA
  33. 33. CARGA TRIBUTÁRIA GLOBAL PROPORCIONAL AO PIB - % 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  34. 34. A COMPLICAÇÃO DOS IMPOSTOS  Existem no país 85 tipos de impostos, taxas e contribuições. Elas são regidas por um calhamaço de decretos e leis, que ganha A CADA DIA 40 NOVAS NORMAS. As empresas perdem tempo, enquanto os cidadãos comuns têm dificuldade em saber o quanto pagam. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  35. 35. IMPOSTOS EM CASCATA  Diversos impostos no Brasil incidem mais de uma vez nas cadeias produtivas. Isso onera os produtos mais do que nos países com os quais o país concorre. Tributos em cascata são mais difíceis de serem eliminados por isenções fiscais, como as que são concedidas para as exportações. Ex. No caso dos combustíveis, mais da metade do preço pago pelo consumidor refere- se a impostos como ICMS, PIS, Cofins e Cide. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  36. 36. TRIBUTOS REGRESSIVOS  Na maioria dos países, os impostos são maiores para quem tem mais renda, ou seja, são progressivos. No Brasil, há estudos mostrando que isso não acontece. Assim, o sistema tributário torna mais difícil o trabalho de melhorar a distribuição de renda no país. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  37. 37. A GUERRA FISCAL  No Brasil, a União, Estados e municípios têm o poder de tributar. Isso faz com que eles possam competir com incentivos fiscais para atrair empresas. O problema é que essa guerra fiscal desequilibra a competição entre empresas de Estados diferentes e dificulta a realização de uma reforma que contemple os interesses de todas as partes da Federação. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  38. 38. PROPOSTA DE RETORNO DO IVA COM FIM DO ICMS  O IVA é adotado em 130 países e foi criado no Brasil em 1967 de maneira errônea, por que o dividimos entre um federal e outro estadual.  A idéia básica é terminar com a autonomia dos Estados em tributar e voltar a um único imposto determinado pela União; ou seja, um federal, um único estadual é um único municipal. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  39. 39. A REFORMA DA INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO  Existem dois motores básicos na economia que impulsionam o desenvolvimento: energia e transportes.  Com uma taxa de crescimento econômico projetada de 6 a 7% ao ano precisaríamos investir 160 bilhões de reais por ano em infra-estrutura nos próximos 5 anos. Investimos 122 bilhões em 2009 e 151 bilhões programados no OGU de 2011. PLATAFORMA DA PETROBRÁS
  40. 40. O QUADRO INTERNACIONAL DA COMPETIVIDADE DO BRASIL  A última versão de um estudo do Banco Mundial sobre competitividade revela que, entre 139 nações, o País está entre os 20 piores em eficiência do sistema portuário, entre os 40 piores na qualidade das estradas e entre os 50 piores sistemas aeroportuários do mundo.  Na oferta de telefonia e de energia elétrica, o estudo lista o Brasil numa escala intermediária, respectivamente nas 61ª e 55ª colocações. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  41. 41. O SISTEMA PORTUÁRIO BRASILEIRO Em setembro de 2010, no acumulado de 12 meses, a movimentação de cargas nos portos cresceu 14%. O custo portuário brasileiro é um dos maiores do mundo. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  42. 42. O SISTEMA PORTUÁRIO BRASILEIRO  O porto de Santos, o maior do país é quatro vezes mais lento do que instalações similares no resto do mundo.  A fila no Porto de Santos é de 30 navios em média, o que causa um prejuízo de 40.000 dólares por dia por cada navio parado.  Os portos no Brasil são antigos e não possuem terminais específicos para transatlânticos marítimos para o desenvolvimento da indústria4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  43. 43. O TRANSPORTE AÉREO NACIONAL  O fluxo de passageiros nos aeroportos brasileiros em 2010 cresceu 24%.  Os aeroportos brasileiros foram condenados pela FIFA para a realização da Copa do Mundo por não possuírem infra-estrutura adequada nos terminais de passageiros e no controle de tráfego aéreo.  O maior aeroporto brasileiro (Guarulhos-SP) pontua em 121º lugar no ranking mundial. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  44. 44. TRANSPORTES TERRESTRES  O Brasil tem seu sistema de transportes embasado no transporte rodoviário com 58% de rodovias contra 25% de ferrovias e apenas 13% de hidrovias.  O Brasil perde R$ 2,7 bilhões a cada safra com o derrame de grãos durante o transporte rodoviário. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  45. 45. TRANSPORTES TERRESTRES  Dois terços do transporte de cargas no Brasil é feito por rodovias.  O transporte ferroviário atende com precariedade o setor de cargas e mercadorias, praticamente inexiste quanto ao transporte de passageiros.  Nas áreas urbanas o transporte metroviário é deficiente em todas as capitais brasileiras onde ele existe. 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  46. 46. NOVOS PARÂMETROS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA O consumo de energia elétrica aumentou 8,3% em 2010, na comparação com 2009, segundo dados do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico). Ao todo, a carga de energia verificada no ano passado foi de 56.777 MW (megawatts) médios, a maior de toda a história.  A descoberta de da camada do Pré-sal no litoral brasileiro e outras reservas petrolíferas já sinalizadas, assim como, os investimentos em energias renováveis da biomassa, propiciam uma perspectiva positiva na escala do parque energético brasileiro.4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  47. 47. PARADIGMAS DO INVESTIMENTO NO BRASIL 4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  48. 48.  A taxa de investimento no Brasil constituída de bens de capital e construção civil foi de 16,7% em 2009 e 19,4% em 2010.  A agência de classificação de risco Standard & Poor’s aponta que 500 bilhões de dólares, o volume de recursos necessários condizentes com as necessidades brasileiras para os próximos cinco anos, incluindo os investimentos necessários à Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016. O Brasil investe hoje US$ 52 bilhões.  O volume de investimentos no Brasil em relação ao PIB é de 2,5%.4/10/201 3 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  49. 49. Fonte: WEO/FMI - 2007
  50. 50. 4/10/201 3 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho
  51. 51. TAXA DE INVESTIMENTO GLOBAL - % (2009) 43 33.3 26.6 20.8 20 19.1 18.5 16.7 0 10 20 30 40 50 CHINA ÍNDIA ESPANHA FRANÇA JAPÃO ITÁLIA ALEMANHA BRASIL
  52. 52. PRINCIPAIS INVESTIMENTOS ORÇADOS NO BRASIL  Hidrelétricas de Santo Antonio e de Jirau, respectivamente, 13,5 e 9,3 bilhões de reais, a Hidrelétrica de Belo Monte com 19 bilhões de reais, Metrô de São Paulo (em PPP) com 23 bilhões de reais, Trem-Bala com 34 bilhões de reais, Plataformas de Petróleo (em PPP) com 12,6 bilhões de reais, Usina Nuclear de Angra 3 (em PPP) com 8,5 bilhões de reais, dentre outras, tais como: Ferrovia Norte-Sul, BR-101 (trechos nordeste e sul), Porto de Santos (em PPP) com 6,5 bilhões de reais, Gasodutos, Ferrovia Nova Transnordestina, Ferrovia Leste- Oeste, Transposição do Rio São Francisco, o Complexo Petroquímico da Petrobrás do Rio de Janeiro, com 19,2 bilhões de reais.4/10/2013 Aula realizada pelo Prof. Msc. Fernando Pinto Coelho

×