Planejamento financeiro (2)

693 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
693
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planejamento financeiro (2)

  1. 1. PP ll aa nn ee jj aa mm ee nn tt oo FF ii nn aa nn cc ee ii rr oo Prof. Dr. Almir Volpi Página 1 PLANEJAMENTO FINANCEIRO Aula - 01
  2. 2. PP ll aa nn ee jj aa mm ee nn tt oo FF ii nn aa nn cc ee ii rr oo Prof. Dr. Almir Volpi Página 2 CONCEITOS CENTRAIS A gestão financeira é um conjunto de ações e procedimentos administrativos, envolvendo o planejamento, análise e controle das atividades financeiras da empresa, visando a maximizar os resultados econômicos – financeiros decorrentes de suas atividades operacionais. A gestão financeira sendo executada de forma competente leva à consecução dos objetivos empresariais, e tem como consequência o aumento do valor do patrimônio líquido da empresa, por meio da geração de lucro líquido, decorrente das atividades operacionais da empresa. Para realizar essa tarefa, o gestor financeiro precisa ter um sistema de informações gerenciais que lhe permita conhecer a situação financeira da empresa e tomar as decisões mais adequadas, maximizando seus resultados. Neste sentido, as várias atividades da gestão financeira compõem:  Análise e Planejamento Financeiro: Analisar os resultados financeiros e planejar ações necessárias para obter melhorias. Essas ações podem estar restritas a análises de curto e longo prazo, sob uma ótica operacional e/ou estratégica, dependendo dos aspectos abordados, bem como da característica do plano.  Captação e Aplicação de Recursos Financeiros: Analisar e negociar a captação dos recursos financeiros necessários, bem como a aplicação dos recursos financeiros disponíveis.  Crédito e Cobrança: Analisar a concessão de crédito aos clientes e administrar o recebimento dos créditos concedidos. Pode ser avaliado como uma proposta de marketing ao ser observado como concessão de benefícios e facilidades de pagamentos.  Caixa: Efetuar os recebimentos e os pagamentos, controlando o saldo de caixa. É certamente uma das atividades que mais consome tempo da área financeira, bem como pode responder uma condição de sucesso nas demais atividades  Contas a Receber: Controlar as contas a receber relativas às vendas a prazo. Essa atividade interfere diretamente no lucro da empresa, impactando nas demais propostas de crescimento e investimentos da companhia.  Contas a Pagar: Controlar as contas a pagar relativas às compras a prazo, impostos, despesas operacionais, e outras. É parte integrante do fluxo de caixa de empresa e sua análise de forma minuciosa, bem como sua gestão eficaz pode significar oportunidades imensuráveis de ganhos para a empresa.  Análise de Investimentos: Consiste em avaliar e analisar as propostas de orçamento de capital com vistas a aplicação de recursos financeiros na empresa com o intuito de obter mais receita e consequentemente, pagar seus compromissos em dia. Uma empresa bem-sucedida usualmente tem crescimento rápido, o que requer investimentos em recursos produtivos. A decisão de investimentos determinando uma taxa ótima de crescimento das vendas, na aquisição de ativos específicos e na maneira de melhor financiar tais ativos é um ponto extremamente importante na proposta de estruturação da análise de investimentos.  Análise dos relatórios gerenciais: Esses documentos apresentam o desempenho da empresa durante certo período de tempo. A principal contribuição dos relatórios para a gestão financeira se prende na oportunidade de visualização das dificuldades/oportunidades apresentadas e em contra partida, fornecer subsídios para a alteração/ação dos planos executados, reordenando as propostas pré-estabelecidas no momento do planejamento.
  3. 3. PP ll aa nn ee jj aa mm ee nn tt oo FF ii nn aa nn cc ee ii rr oo Prof. Dr. Almir Volpi Página 3 Erros mais comuns na Gestão financeira A inexistência de uma adequada gestão financeira pelas empresas provoca uma série problemas de análise, planejamento e controle financeiro das suas atividades operacionais, entre os quais citamos:  Não ter as informações corretas sobre saldo do caixa, valor dos estoques das mercadorias, valor das contas a receber, valor das contas a pagar, volume das despesas fixas ou financeiras, etc. Isso ocorre porque não fazem o registro adequado das transações realizadas.  Não saber se a empresa tem lucro ou não, em suas atividades operacionais, porque não elaboram o demonstrativo de resultados.  Não calcular corretamente o preço de venda de seus produtos, porque não conhecem os seus custos e despesas.  Não conhecer corretamente o volume e a origem dos recebimentos, e o volume e o destino dos pagamentos, porque não elaboram o fluxo de caixa.  Não saber o valor patrimonial da empresa, porque não elaboram o balanço patrimonial.  Não saber quanto os sócios retiram de pró-labore, porque não estabelecem um valor fixo para a remuneração dos sócios.  Não conhecer corretamente o custo das mercadorias vendidas, porque não fazem um registro adequado do estoque de mercadorias.  Não saber corretamente o valor das despesas fixas da empresa, porque não fazem separação das despesas pessoais dos sócios em relação às despesas da empresa.  Não saber administrar corretamente o capital de giro da empresa, porque não conhecem o ciclo financeiro de suas operações.  Não fazer análise e planejamento financeiro da empresa, porque não tem um sistema de informações gerenciais (fluxo de caixa, demonstrativo de resultados e balanço patrimonial). Requisitos iniciais de uma boa Gestão Financeira Para gerenciar com eficiência a área financeira de qualquer empresa torna-se necessário implantar alguns relatórios gerenciais, como alguns indicadores de desempenho para que se faça o acompanhamento periódico de seu desempenho. Os principais relatórios gerenciais da área financeira são os seguintes:  Controle das Vendas Realizadas: Esse relatório deve devem demonstrar quanto a empresa tem realizado de vendas no período em análise. A apresentação deve apresentar a quantidade de venda à vista e por consequência também a venda à prazo, estipulado o prazo médio de recebimento.  Apuração dos Resultados da Empresa: Esse processo estabelece o resultado das vendas e seus respectivos descontos, abatimentos, impostos e custos, ou seja, é a visualização da lucratividade do empreendimento.  Controle de Caixa do Movimento Realizado: Deve apresentar “TODAS” as entradas e saídas do caixa, para que pó gestor possa tomar decisões em relação aos pagamentos imediatos e futuros, bem como tenha a capacidade de planejamento de saídas de curto e longo prazo.
  4. 4. PP ll aa nn ee jj aa mm ee nn tt oo FF ii nn aa nn cc ee ii rr oo Prof. Dr. Almir Volpi Página 4  Fluxo de Caixa: Talvez o documento mais importante e mais difícil de gerir no cotidiano da empresa. Deve representar num período pré-estabelecido todas as interações do caixa com as diversas entradas e saídas de dinheiro da empresa. Lembre-se, numa empresa em que a ética impera, existe apenas um caixa e tudo entra pelo estoque de materiais e tudo sai pelo depósito de acabados.  Balanço Gerencial: Deve ser apresentado um fechamento mensalmente para que seja possível o realimento das intenções e estratégias da empresa dentro dos planos estabelecidos, bem como analisar as propostas de novos negócios e/ou outros investimentos. Principais indicadores financeiros são:  Lucratividade sobre as vendas: Esse indicador tem como objetivo demonstrar qual é a lucratividade da empresa, ou seja, o poder de ganho da empresa comparando o seu lucro líquido com relação ao seu montante de venda.  Rentabilidade dos negócios: Todo e qualquer empresário, independentemente do ramo de atividade empresarial, quando investe seus recursos financeiros num negócio, tem uma expectativa de obter um retorno o mais rápido possível dos seus investimentos. O indicador Rentabilidade dos Negócios tem a finalidade de demonstrar para o gestor ou proprietário de uma loja de confecção qual é o seu poder de ganho, ou retorno, sobre o capital investido na empresa. Outro detalhe importante com relação à rentabilidade (poder de ganho) dos negócios é que existem dois pontos de vista sobre essa questão, ou seja, podemos determinar a rentabilidade da empresa, como a rentabilidade dos proprietários do negócio. Para sabermos o poder de ganho da empresa, ou seja, a sua rentabilidade, basta dividirmos o resultado líquido (lucro líquido) pelo total do Ativo da empresa.  Poder de pagamento da empresa: O indicador referente ao poder de pagamento da empresa está relacionado com a sua liquidez, ou seja, este indicador revela se a empresa tem condições de honrar os seus compromissos assumidos com terceiros em dia. Podemos analisar a liquidez (poder de pagamento) de uma empresa periodicamente através do relatório gerencial Fluxo de Caixa  Nível de endividamento da empresa: A finalidade desse indicador é demonstrar qual é a dependência da empresa com relação aos recursos tomados de terceiros. Quanto mais a empresa depende de recursos de terceiros, quer dizer de bancos, mais aumentam suas despesas financeiras (juros pagos). Quando o endividamento da empresa está fora de controle, poderá provocar a quebra da mesma. Portanto, o cálculo e o acompanhamento dos indicadores da dívida são de suma importância para o gestor ou proprietário do negócio.  Margem de Contribuição: A margem de contribuição pode ser definida também como sendo a diferença entre o preço de venda de um produto com os seus gastos variáveis (custo da mercadoria mais as despesas variáveis).  Ponto de Equilíbrio: É o nível de atividade em que o resultado se anula, ou seja, Portanto, quando as vendas igualam-se com os custos e despesas totais, dizemos que a empresa encontra-se no Ponto de Equilíbrio. No entanto, a empresa não tem lucro nem prejuízo. Existem diversos pontos de equilíbrios, onde as variações das quantidades vendidas “cobrem” certo nível de custos avaliado pelo gestor.
  5. 5. PP ll aa nn ee jj aa mm ee nn tt oo FF ii nn aa nn cc ee ii rr oo Prof. Dr. Almir Volpi Página 5 Algumas prerrogativas que jamais devem ser esquecidas  Elaborar e manter os relatórios gerenciais (controles financeiros) sempre atualizados;  Acompanhar periodicamente os indicadores financeiros;  Manter os estoques em níveis compatíveis com o volume de vendas. Evitar os excessos de compras;  Fuja sempre que possível de desconto de cheques pré-datados e duplicatas, evitando assim o aumento das despesas financeiras;  Mantenha um controle permanente das despesas fixas, procurando mantê-las compatíveis com a capacidade da empresa;  Determine um valor fixo e data fixa para pagamento do seu pró-labore, não se esquecendo de limitar seu valor dentro das possibilidades da empresa;  Peça orientações do seu contador sobre o melhor enquadramento tributário da sua empresa, visando reduzir a carga tributária;  Adote políticas de formação de preços de venda, que mantenham a empresa competitiva, porém sempre pensando na rentabilidade do negócio;  Sempre que fizer propaganda, análise o custo/benefício da mesma para os negócios da empresa;  Evite os descasamentos de prazos entre os pagamentos de compras com os recebimentos das vendas a prazo;  Procure adotar critérios seguros e adequados para liberar o crédito nas vendas a prazo, livrando, assim, o aumento da inadimplência;  Não se esqueça de que as três principais áreas de sua empresa são: Compras e Estocagem, Vendas e Marketing e Administração e Finanças.  Normalmente os problemas financeiros são decorrentes da falta de planejamento, organização, liderança e controle nas atividades empresariais de compras, estocagem e vendas. Resumo Os objetivos fundamentais da atividade empresarial e da Gestão Financeira em particular são:  Estabilidade, no sentido de não afetar do ciclo produtivo, (os inputs necessários) por falta de pagamento e ser assegurada a capacidade de desenvolvimento da empresa concretizada no seu esforço de investimento, sem que o risco de falência ou insolvência seja demasiado elevado.  Rentabilidade, no sentido de minimização dos custos assumidos perante terceiros a fim de obter os meios financeiros indispensáveis ao seu financiamento, o que implica obter nas melhores condições de prazo e taxa para esses mesmos fundos, e maximização dos proveitos a receber de terceiros resultantes da aplicação nas melhores condições de prazo e taxa de meios financeiros que liberta.

×