A economia brasileira na epoca do regime militar

20.227 visualizações

Publicada em

Trabalho desenvolvido por alunos do segundo ano do Ensino Médio da E.E. Dr. Carlos Augusto de Freitas Villalva Jr

1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.227
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
338
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A economia brasileira na epoca do regime militar

  1. 1. A economia brasileira na época da regime militar.<br />
  2. 2. A ditadura militar no Brasil<br />04/1964 - 01/1985<br />
  3. 3. Poder executivo durante a ditadura militar<br />Costa e Silva (1967-1969)<br />II<br />Castelo Branco (1964-1967)<br />I<br />
  4. 4. Médici (1969-1974)<br />IV<br />III<br />Junta Militar (08/1969 – 10/1969)<br />
  5. 5. Figueiredo (1979-1985)<br />VI<br />Geisel (1974-1979)<br />V<br />
  6. 6. Economia<br />1964<br />Novo modelo de administração econômico <br />Poder executivo possuía total poder sobre as decisões políticas, ignorando qualquer negociação democrática <br />Primeiras medidas:<br /> • Estabilizar a moeda;<br /> • Reduzir o déficit (divida);<br /> • Modernizar o mercado financeiro.<br />
  7. 7. Luta em busca do capital <br />Castello Branco<br />Tentou atrair novos investimentos de capital para o país<br /> Investir em indústrias pesadas <br /> Transformar o Brasil em <br /> uma grande potência <br />
  8. 8. Correção monetária<br />Driblar a inflação e reduzir a perda dos investidores .<br />1966<br />O Governo queria estimular a criação civil, por conta da boa fase no mercado<br />Houve a criação do BNH (Banco Nacional de Habilitação), que atendeu todas as camadas sociais<br />1986 por causa dos autos índices inflacionários (80% ao mês), o BNH foi extinto.<br />
  9. 9. Criação da Poupança Obrigatória, o FGTS(Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) <br />Criado em 13 de Setembro de 1966 por causa da Desestabilidade nos empregos, e substituir a indenização aos trabalhadores demitidos. <br />Novamente regulamentado em 1990, Carteira de trabalho e previdência <br />Governo utilizaria os recursos do fundo para o financiamento projetos do governo, inicialmente casas populares.<br />
  10. 10. Retomada do crescimento<br />Economia volta a crescer<br />(Setores dinâmicos)<br />> Classe de alta renda<br />• Industria de construção civil;<br />• Bens de consumos duráveis, como automóveis e eletrodomésticos<br />Expansão <br /> • Produtos agrícolas de exportação;<br /> • Pecuária <br />Crescimento reduzido / negativo<br />> Classe de baixa renda<br />• Bens de consumos não-duráveis, como roupas e alimentos<br />
  11. 11. Milagre econômico<br />( 1968 – 1973)<br />PNB cresce: 10% ao ano<br />Delfim Netto<br />(Ministro da fazenda)<br />Queria aumentar as exportações para obter divisas necessárias, para a importação de maquinas, e matéria-prima<br />Obteve sucesso por conta da Política de incentivos governamentais <br />Ele também inclui a Classe média no sistema de crédito, que tem seu poder aquisitivo ampliado<br />Acesso aos bens de consumo duráveis<br />
  12. 12. Concentração de renda<br />1979<br />4% da população (SP e RJ) <br /> ganham mais de 10 salários mínimos<br />(minoria)<br />40% até três salários mínimos<br />(maioria)<br />Valor do salário mínimo cai drasticamente <br /> • 59 = precisavam trabalhar 65hs para suprir as necessidades de suas famílias<br /> • 70 = passou a ser necessário 153hs<br />
  13. 13. Crescimento da miséria<br /> Qualidade de vida despenca e aumenta a mortalidade infantil<br />São Paulo<br />Aumenta o numero de nascidos vivos<br /> paralelamente<br />Aumenta o numero de abandonos <br />Brasil 9º lugar PNB<br />Desnutrição<br />Perde apenas para 5 países<br />(Índia, Indonésia, Bangladesh, Paquistão e Filipinas)<br />
  14. 14. Fim do Milagre<br />1981<br />1973<br />Economia declina<br />900 mil desempregados<br />Região metropolitana<br />Inflação<br />Piora nos anos seguintes!<br />• 70 = 94,7%<br />• 80 = 110%<br />• 83 = 200%<br />Divida externa<br />US$ 90 bilhões<br />Nova recessão<br />desemprego<br />
  15. 15. Zona Franca de Manaus<br />Principal centro Industrial (1967)<br />Criada á partir de uma iniciativa governamental em 1967<br />Objetivo:<br />• Acelerar o processo de industrialização na Amazônia;<br />• Atrair as atenções capitalistas para a região Norte.<br />
  16. 16. Manaus torna-se uma área livre de impostos para a<br />importação de maquinas, matérias-primas e <br />componentes industriais.<br />A renúncia fiscal do governo seria por contrapartida a criação<br />de empregos e o aumento das receitas em divisas. <br />Em consequência, foram atraídos para essa região <br />Indústrias mecânicas<br /> e principalmente<br /> produtos eletroeletrônicos<br />
  17. 17. Na região do Pará a grande concentração de Industria <br />extrativa mineral.<br />Em 1998, a Zona Franca deixou de recolher cerca de 2,5 bilhões<br />de reais em Imposto de Importação e Imposto de Sobre Produtos <br />Industrializados. <br />Esse valor representa aproximadamente 14,5% de toda <br />a renúncia fiscal do país.<br />
  18. 18.
  19. 19. A transamazônica <br /> A obra inaugurada a 40 anos, que não ficou pronta<br /> Teve inicio 1970, e foi dada como encerrada em 1974, com ¼ de sua extensão concluída, porém ainda não pavimentada.<br />A BR-230 , Projetada no Governo Médici foi uma das chamadas “Obras Faraônicas”, devido as suas gigantescas proporções.<br />Foi anunciada como a “consolidação do milagre econômico”, porém não foi completamente concluída .<br />Abertura da Transamazônica na região de Altamira, Pará em 1972<br />
  20. 20. A transamazônica hoje é a terceira maior rodovia do Brasil, com 4 000 km de extensão, cortando os estados brasileiros do Piauí, Maranhão, Paraíba, Ceará, Pará, Tocantins e Amazonas, nasce na cidade de Cabedelo na Paraíba e inicialmente foi projetada até a cidade de Benjamim Constante no Amazonas, porém foi aberta somente até a cidade de Lábrea AM.<br />
  21. 21. O objetivo de se construir uma rodovia dessa proporção era para interligar as regiões, especialmente a região Norte, com o restante do Brasil, e povoar aquela área tão desabitada. <br />Hoje, apenas alguns trechos são pavimentados, e em períodos de chuva há vários trechos intransitáveis por conta da lama.<br />
  22. 22. 2ºM<br />Grupo 06<br />Cinthia Yuki 09 <br />Thais Gomes 37 <br />Ellen Cristina 14 <br />Ana Caroline 04<br />Amanda Bento 01<br />Bruna Dantas 07<br />Gabriel Raimundo 18<br />Slides & Apresentação: Cinthia e Thais<br />

×