DISCENTES:
CINTIA RAQUEL BATISTA
FERNANDA MARINHO
FERNANDO MILTON
MARNO MIZAEL GALVÃO
SIMONY MAGDA DA SILVA
CÓLERA, CAXUMBA,
HEPATITE B E
HEPATITE C
 Infecção intestinal aguda, causada pela enterotoxina
do bacilo da Cólera Vibrio cholerae;
 Assintomática ou oligossinto...
 Complicações:
• Depleção hidro-salina imposta pela diarreia e pelos vômitos;
• A desidratação não corrigida levará a uma...
 Agente etiológico - Vibrio cholerae O1, biotipo
clássico ou El Tor (sorotipos Inaba, Ogawa ou
Hikogima), toxigênico, e, ...
 Modo de transmissão
• Ingestão de água ou alimentos
contaminados por fezes ou
vômitos de doente ou portador;
• A contami...
 Diagnóstico
• Laboratorial - O V. cholerae pode ser isolado a partir
da cultura de amostras de fezes de doentes ou
porta...
 Tratamento
• Formas leves e moderadas, com soro de reidratação
oral (SRO);
• Formas graves, com hidratação venosa e anti...
 Características epidemiológicas
• Padrão endêmico;
• Fatores que favorecem a ocorrência da doença:
 A deficiência do ab...
• Áreas epidêmicas - maiores de 15 anos;
• Áreas endêmicas - a faixa mais jovem;
• Predominante no sexo masculino;
• 2000 a 2008
 redução significativa no número de casos e óbitos
 766 casos e 20 óbitos, todos na região Nordeste.
• A t...
 MEDIDAS DE CONTROLE
 Prover as populações sob risco, de adequada
infraestrutura de saneamento:
• água, esgotamento sani...
 Lavagem rigorosa das
mãos e procedimentos
básicos de higiene;
 Isolamento entérico nos
casos hospitalizados,
com desinf...
 A quimioprofilaxia de contatos não é indicada por
não ser eficaz para conter a propagação dos
casos;
 Uso de antibiótic...
 Para vigiar e detectar precocemente a circulação do
agente preconiza-se:
• Fortalecimento da monitorização das doenças d...
 “As pessoas da Índia sempre
conviveram com os perigos
da cólera, mas somente
após o século 19 o resto do
mundo conheceu ...
 Doença viral aguda,
caracterizada por
febre e aumento de
volume de uma ou
mais glândulas
salivares, geralmente
a parótid...
 Em homens adultos,
ocorre orquiepididimite
em aproximadamente
20 a 30% dos casos;
 Em mulheres, pode
ocorrer ooforite c...
 Aproximadamente, 1/3
das infecções pode não
apresentar aumento,
clinicamente aparente,
dessas glândulas;
 O sistema ner...
 Complicações:
• Meningite asséptica, pancreatite, tiroidite, neurites,
orquiepididimite, ooforite, miocardite e nefrite;...
 Sinonímia - Papeira, caxumba.
 Agente etiológico - Vírus da família Paramyxoviridae,
gênero Paramyxovirus.
 Modo de transmissão - Via aérea, através
disseminação de gotículas, ou por contato direto
com saliva de pessoas infectad...
Diagnóstico
• Clínico-epidemiológico:
 As provas sorológicas (neutralização, inibição da
hemaglutinação ou Elisa) não sã...
 Tratamento
• Tratamento de suporte - Repouso e analgesia.
• Meningite asséptica - tratamento sintomático.
• Encefalite -...
 Características epidemiológicas
• Ausência de imunização:
 85% dos adultos têm Parotidite Infecciosa
 1/3 dos infectad...
 MEDIDAS DE CONTROLE
 Vacinação - Indicada antes
da exposição.
 Esquema vacinal básico
• Vacina tríplice viral
(Sarampo...
• As contra-indicações ao uso dessa vacina
são:
 antecedente de reação anafilática sistêmica
após ingestão de ovo de gali...
 Ações de educação em
saúde
• Informar à população quanto às
características da Parotidite
Infecciosa e a possibilidade d...
 Doença viral que cursa
de forma assintomática
ou sintomática (até
formas fulminantes);
 As formas sintomáticas
são cara...
 A icterícia, geralmente,
inicia-se quando a febre
desaparece, podendo ser
precedida por colúria e
hipocolia fecal;
 Hep...
 Algumas pessoas desenvolvem a forma crônica
mantendo um processo inflamatório hepático por mais
de 6 meses;
 O risco de...
Complicações
• Cronificação da
infecção, cirrose
hepática e suas
complicações (ascite,
hemorragias digestivas,
peritonite...
 Agente etiológico - Vírus da Hepatite B (HBV). Um
vírus DNA, da família Hepadnaviridae.
Modo de transmissão
• O HBV é altamente infectivo e facilmente
transmitido:
 Via sexual;
 Transfusões de sangue;
 Procedimentos médicos e odontológicos;
 Hemodiálises sem as adequadas normas de
biossegurança;
 Transmissão vertical (mãe-filho);
 Contatos íntimos domiciliares (compartilhamento de
escova dental e lâminas de barbear);
 Acidentes perfurocortantes;
• Compartilhamento de seringas e de material para a realização de
tatuagens e piercings.
 Diagnóstico:
• Clínico-laboratorial e laboratorial:
 Apenas com os aspectos clínicos não é possível identificar o agent...
 Tratamento
• Não existe tratamento específico para a forma aguda.
• Se necessário, apenas sintomático para náuseas, vômi...
• Medicamentos não devem ser administrados sem
recomendação médica, para não agravar o dano hepático.
• As drogas consider...
 Características epidemiológicas
• Estima-se que o HBV seja responsável por 1 milhão de mortes
ao ano e existam 350 milhõ...
• No Brasil: tendência crescente do HBV em
direção à região Sul/Norte, descrevendo três
padrões de distribuição da Hepatit...
 No entanto, esse
padrão vem se
modificando com a
política de vacinação
contra o HBV, iniciada
sob a forma de
campanha em...
 Grupos populacionais com
comportamentos sexuais de
risco acrescido, como
profissionais do sexo e
homens que fazem sexo
c...
 MEDIDAS DE CONTROLE
• Profilaxia pré-exposição, pós-exposição;
• Não-compartilhamento ou reutilização de seringas e
agul...
• A vacinação é a medida
mais segura para a
prevenção da Hepatite B.
• No Brasil, a vacina contra
Hepatite B está
disponív...
 Faixas etárias específicas
• Menores de 1 ano de idade, a partir do nascimento,
preferencialmente nas primeiras 12 horas...
Para todas as faixas etárias
• A vacina contra a Hepatite B está disponível nos
Centros de Referência para Imunobiológico...
 profissionais de saúde;
 hepatopatias crônicas e portadores de Hepatite C;
 doadores de sangue;
 transplantados de ór...
 nefropatias crônicas/dialisados/síndrome nefrótica;
 convívio domiciliar contínuo com pessoas portadoras
de HBV;
 fibr...
 usuários de drogas injetáveis e inaláveis;
 pessoas reclusas (em presídios, hospitais psiquiátricos,
instituições de me...
 profissionais do sexo;
 profissionais de saúde;
 coletadores de lixo hospitalar e domiciliar;
 bombeiros, policiais m...
 Os portadores e
doentes devem ser
orientados a evitar a
disseminação do vírus
adotando medidas
simples, tais como usar
p...
 Doença viral que cursa
de forma assintomática
ou sintomática (até
formas fulminantes);
 As formas sintomáticas
são cara...
 A icterícia, geralmente,
inicia-se quando a febre
desaparece, podendo ser
precedida por colúria e
hipocolia fecal;
 Hep...
 Agente etiológico - Vírus da Hepatite C (HCV). É um
vírus RNA, família Flaviviridae.
 Modo de transmissão
• A transmissão ocorre, principalmente, por via parenteral.
• São consideradas populações de risco a...
 A transmissão sexual pode ocorrer, principalmente, em
pessoas com múltiplos parceiros e com prática sexual de
risco acre...
 Apesar da possibilidade
da transmissão pelo
aleitamento materno
(partículas virais foram
demonstradas no
colostro e leit...
Complicações
• Cronificação da infecção, cirrose hepática e suas
complicações (ascite, hemorragias digestivas,
peritonite...
 Diagnóstico - Clínico-laboratorial:
• Apenas com os aspectos clínicos não é possível identificar
o agente etiológico, se...
• Na infecção crônica, o padrão ondulante dos níveis
séricos das aminotransferases, especialmente a
ALT/TGP, diferentement...
 Tratamento
• Repouso relativo até a normalização das
aminotransferases.
• Dieta pobre em gordura e rica em carboidratos ...
• Medicamentos não devem ser administrados sem
recomendação médica, para não agravar o dano
hepático.
• As drogas consider...
 Pacientes sem manifestações de hepatopatia e com
aminotransferases normais devem ser avaliados
clinicamente e repetir os...
Características epidemiológicas
• O vírus C costuma apresentar uma fase aguda
oligo/assintomática, de modo que ele respon...
No Brasil, com base em doadores de
sangue a prevalência de anti-HCV:
• 0,62% no Norte;
• 0,55% no Nordeste;
• 0,43% no Su...
 As populações mais atingidas são:
• pacientes que realizam múltiplas transfusões;
• Hemofílicos;
• Hemodialisados;
• usu...
 MEDIDAS DE CONTROLE
• Não há vacina, nem
imunoglobulina para a Hepatite
C.
• Aos portadores crônicos do HCV
são recomend...
 Não-compartilhamento de seringas;
 Uso de preservativo;
 Atenção para transmissão vertical (mãe - filho) e
maior cuida...
 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.
Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infec...
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C

1.013 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado à disciplina: microbiologia e imunologia

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.013
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C

  1. 1. DISCENTES: CINTIA RAQUEL BATISTA FERNANDA MARINHO FERNANDO MILTON MARNO MIZAEL GALVÃO SIMONY MAGDA DA SILVA
  2. 2. CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
  3. 3.  Infecção intestinal aguda, causada pela enterotoxina do bacilo da Cólera Vibrio cholerae;  Assintomática ou oligossintomática, com diarreia leve;  Pode se apresentar de forma grave, com diarreia aquosa e profusa, com ou sem vômitos, dor abdominal e câimbras;  Esse quadro, quando não tratado prontamente, pode evoluir para desidratação, acidose, colapso circulatório, com choque hipovolêmico e insuficiência renal à infecção.
  4. 4.  Complicações: • Depleção hidro-salina imposta pela diarreia e pelos vômitos; • A desidratação não corrigida levará a uma deterioração progressiva da circulação, da função renal e do balanço hidroeletrolítico; • Choque hipovolêmico, necrose tubular renal, íleo paralítico, hipocalemia, hipoglicemia; • O aborto é comum no 3º trimestre de gestação, em casos de choque hipovolêmico; • As complicações podem ser evitadas com adequada hidratação precoce.
  5. 5.  Agente etiológico - Vibrio cholerae O1, biotipo clássico ou El Tor (sorotipos Inaba, Ogawa ou Hikogima), toxigênico, e, também, o O139.
  6. 6.  Modo de transmissão • Ingestão de água ou alimentos contaminados por fezes ou vômitos de doente ou portador; • A contaminação pessoa a pessoa é menos importante na cadeia epidemiológica; • A variedade El Tor persiste na água por muito tempo, o que aumenta a probabilidade de manter sua transmissão e circulação.
  7. 7.  Diagnóstico • Laboratorial - O V. cholerae pode ser isolado a partir da cultura de amostras de fezes de doentes ou portadores assintomáticos. A coleta do material pode ser feita por swab retal ou fecal, fezes in natura ou em papel de filtro. • Clínico-epidemiológico - Casos de diarreia nos quais são relacionadas variáveis com manifestações clínicas e epidemiológicas capazes de definir o diagnóstico, sem investigação laboratorial.
  8. 8.  Tratamento • Formas leves e moderadas, com soro de reidratação oral (SRO); • Formas graves, com hidratação venosa e antibiótico: oPara menores de 8 anos, recomenda-se Sulfametoxazol (50mg/kg/dia) + Trimetoprim (10mg/kg/dia), via oral, de 12/12 horas, por 3 dias; oPara maiores de 8 anos, Tetraciclina, 500mg, via oral, de 6/6 horas, por 3 dias; para gestantes e nutrizes, Ampicilina, 500mg, VO, de 6/6 horas, por 3 dias.
  9. 9.  Características epidemiológicas • Padrão endêmico; • Fatores que favorecem a ocorrência da doença:  A deficiência do abastecimento de água tratada;  Destino inadequado dos dejetos;  Ata densidade populacional;  Carências de habitação;  Higiene inadequada;  Alimentação precária;  Educação insuficiente
  10. 10. • Áreas epidêmicas - maiores de 15 anos; • Áreas endêmicas - a faixa mais jovem; • Predominante no sexo masculino;
  11. 11. • 2000 a 2008  redução significativa no número de casos e óbitos  766 casos e 20 óbitos, todos na região Nordeste. • A taxa de letalidade - pode atingir 50%, • 1991 a 2004, a letalidade oscilou em torno de 1,3%, apresentando desde então percentuais mais elevados. Esse aumento, no entanto, não parece estar ligado a uma deterioração do atendimento ao paciente, mas possivelmente a uma sub-notificação importante de casos.
  12. 12.  MEDIDAS DE CONTROLE  Prover as populações sob risco, de adequada infraestrutura de saneamento: • água, esgotamento sanitário e coleta e disposição de lixo. • investimentos sociais do poder público.  A rede assistencial deve estar estruturada e capacitada para a detecção precoce e o manejo adequado dos casos;  Cuidados com os vômitos e as fezes dos pacientes no domicílio;
  13. 13.  Lavagem rigorosa das mãos e procedimentos básicos de higiene;  Isolamento entérico nos casos hospitalizados, com desinfecção concorrente de fezes, vômitos, vestuário e roupa de cama dos pacientes;
  14. 14.  A quimioprofilaxia de contatos não é indicada por não ser eficaz para conter a propagação dos casos;  Uso de antibiótico altera a flora intestinal, modificando a suscetibilidade à infecção, podendo provocar o aparecimento de cepas resistentes;  A vacinação apresenta baixa eficácia (50%), curta duração de imunidade (3 a 6 meses) e não evita a infecção assintomática.
  15. 15.  Para vigiar e detectar precocemente a circulação do agente preconiza-se: • Fortalecimento da monitorização das doenças diarréicas agudas (MDDA), nos municípios do país; • Monitorização ambiental para pesquisa de V. cholerae, no ambiente;  No caso do V. cholerae El Tor, a relação entre doentes e assintomáticos é muito alta, podendo haver de 30 a 100 assintomático para cada indivíduo doente; assim, as medidas de prevenção e controle devem ser direcionadas a toda a comunidade, para garantir o impacto desejado.
  16. 16.  “As pessoas da Índia sempre conviveram com os perigos da cólera, mas somente após o século 19 o resto do mundo conheceu essa doença. Durante esse período, os navios mercantes exportavam acidentalmente a bactéria mortal para cidades da China, do Japão, da África do Norte, do Oriente Médio e da Europa. Seguiram-se seis pandemias de cólera que mataram milhões de pessoas.” (http://saude.hsw.uol.com.br/dez-piores- epidemias6.htm)
  17. 17.  Doença viral aguda, caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares, geralmente a parótida e, às vezes, glândulas sublinguais ou submandibulares;
  18. 18.  Em homens adultos, ocorre orquiepididimite em aproximadamente 20 a 30% dos casos;  Em mulheres, pode ocorrer ooforite com menor frequência, acometendo cerca de 5% dos casos;
  19. 19.  Aproximadamente, 1/3 das infecções pode não apresentar aumento, clinicamente aparente, dessas glândulas;  O sistema nervoso central, com frequência, pode estar acometido sob a forma de meningite asséptica, quase sempre sem sequelas. Mais raramente, pode ocorrer encefalite.
  20. 20.  Complicações: • Meningite asséptica, pancreatite, tiroidite, neurites, orquiepididimite, ooforite, miocardite e nefrite; • Uma complicação rara é o desenvolvimento de encefalite, podendo levar a edema cerebral, manifestações neurológicas graves e óbito; • Como sequelas, podem ocorrer surdez unilateral (secundária à neurite do oitavo par craniano) e atrofia testicular, sendo de ocorrência rara a esterilidade.
  21. 21.  Sinonímia - Papeira, caxumba.  Agente etiológico - Vírus da família Paramyxoviridae, gênero Paramyxovirus.
  22. 22.  Modo de transmissão - Via aérea, através disseminação de gotículas, ou por contato direto com saliva de pessoas infectadas.
  23. 23. Diagnóstico • Clínico-epidemiológico:  As provas sorológicas (neutralização, inibição da hemaglutinação ou Elisa) não são utilizadas na rotina. A fixação do complemento positiva sugere infecção recente.
  24. 24.  Tratamento • Tratamento de suporte - Repouso e analgesia. • Meningite asséptica - tratamento sintomático. • Encefalite - tratamento do edema cerebral, manutenção das funções vitais. • Tratamento de apoio para a orquite - suspensão da bolsa escrotal através de suspensório; aplicação de bolsas de gelo; analgesia, quando necessário. • Para redução da resposta inflamatória, pode ser utilizado Prednisona, 1ml/kg/dia, via oral, com redução gradual (semanal). Outros anti-inflamatórios não hormonais também podem ser indicados.
  25. 25.  Características epidemiológicas • Ausência de imunização:  85% dos adultos têm Parotidite Infecciosa  1/3 dos infectados não apresentam sintomas • A doença é mais severa em adultos; • As estações com maior ocorrência de casos são o inverno e a primavera; • Costuma apresentar-se sob a forma de surtos, que acometem mais as crianças.
  26. 26.  MEDIDAS DE CONTROLE  Vacinação - Indicada antes da exposição.  Esquema vacinal básico • Vacina tríplice viral (Sarampo, caxumba e Rubéola) aos 12 meses de idade, com uma dose adicional entre 4 e 6 anos;
  27. 27. • As contra-indicações ao uso dessa vacina são:  antecedente de reação anafilática sistêmica após ingestão de ovo de galinha;  gravidez e administração de imunoglobulina normal, sangue total ou plasma nos três meses anteriores.  Recomenda-se às mulheres vacinadas evitar a gravidez por 30 dias após a aplicação. No entanto, se alguma grávida for inadvertidamente vacinada, não há indicação de interrupção da gravidez.
  28. 28.  Ações de educação em saúde • Informar à população quanto às características da Parotidite Infecciosa e a possibilidade de complicações; • Orientar quanto à busca de assistência médica adequada, quando necessária (orquites, mastites, meningite, encefalite); • Educar sobre a importância de vacinar as crianças.
  29. 29.  Doença viral que cursa de forma assintomática ou sintomática (até formas fulminantes);  As formas sintomáticas são caracterizadas por mal-estar, cefaleia, febre baixa, anorexia, astenia, fadiga, artralgia, náuseas, vômitos, desconforto no hipocôndrio direito e aversão a alguns alimentos e ao cigarro;
  30. 30.  A icterícia, geralmente, inicia-se quando a febre desaparece, podendo ser precedida por colúria e hipocolia fecal;  Hepatomegalia ou hepatoesplenomegalia também podem estar presentes;  Na forma aguda, os sintomas vão desaparecendo paulatinamente;
  31. 31.  Algumas pessoas desenvolvem a forma crônica mantendo um processo inflamatório hepático por mais de 6 meses;  O risco de cronificação pelo vírus B depende da idade na qual ocorre a infecção. • Menores de um ano: 90%; • Entre 1 e 5 anos: entre 20 e 50% • Adultos: entre 5 e 10%.  Portadores de imunodeficiência congênita ou adquirida evoluem para a cronicidade com maior frequência.
  32. 32. Complicações • Cronificação da infecção, cirrose hepática e suas complicações (ascite, hemorragias digestivas, peritonite bacteriana espontânea, encefalopatia hepática) e carcinoma hepatocelular.
  33. 33.  Agente etiológico - Vírus da Hepatite B (HBV). Um vírus DNA, da família Hepadnaviridae.
  34. 34. Modo de transmissão • O HBV é altamente infectivo e facilmente transmitido:  Via sexual;
  35. 35.  Transfusões de sangue;
  36. 36.  Procedimentos médicos e odontológicos;
  37. 37.  Hemodiálises sem as adequadas normas de biossegurança;
  38. 38.  Transmissão vertical (mãe-filho);
  39. 39.  Contatos íntimos domiciliares (compartilhamento de escova dental e lâminas de barbear);
  40. 40.  Acidentes perfurocortantes;
  41. 41. • Compartilhamento de seringas e de material para a realização de tatuagens e piercings.
  42. 42.  Diagnóstico: • Clínico-laboratorial e laboratorial:  Apenas com os aspectos clínicos não é possível identificar o agente etiológico, sendo necessária a realização de exames sorológicos;  Os exames laboratoriais inespecíficos incluem as dosagens de aminotransferases – ALT/TGP e AST/TGO – que denunciam lesão do parênquima hepático;  O nível pode estar até 25 a 100 vezes acima do normal;  As bilirrubinas são elevadas e o tempo de protrombina pode estar aumentada (TP>17s ou INR>1,5), indicando gravidade;  Os exames específicos são feitos por meio de métodos sorológicos e de biologia molecular.
  43. 43.  Tratamento • Não existe tratamento específico para a forma aguda. • Se necessário, apenas sintomático para náuseas, vômitos e prurido. • Como norma geral, recomenda-se repouso relativo até a normalização das aminotransferases. • Dieta pobre em gordura e rica em carboidratos é de uso popular. • De forma prática, deve se recomendar que o próprio paciente defina sua dieta, de acordo com seu apetite e aceitação alimentar. • A única restrição relaciona-se à ingestão de álcool, que deve ser suspensa por 6 meses, no mínimo, sendo preferencialmente por 1 ano.
  44. 44. • Medicamentos não devem ser administrados sem recomendação médica, para não agravar o dano hepático. • As drogas consideradas “hepatoprotetoras”, associadas ou não a complexos vitamínicos, não têm nenhum valor terapêutico. • A forma crônica da Hepatite B tem diretrizes clínico- terapêuticas definidas por meio de portarias do Ministério da Saúde. • Devido à alta complexidade do tratamento, acompanhamento e manejo dos efeitos colaterais, ele deve ser realizado em serviços especializados (média ou alta complexidade do SUS. O mesmo ocorrendo com as formas fulminantes.
  45. 45.  Características epidemiológicas • Estima-se que o HBV seja responsável por 1 milhão de mortes ao ano e existam 350 milhões de portadores crônicos no mundo. • A estabilidade do vírus, variedades nas formas de transmissão e a existência de portadores crônicos permitem a sobrevida e persistência do HBV na população. • As infecções materno-infantil (vertical) e a horizontal, nos primeiros anos de vida, ocorrem em regiões de alta endemicidade como África, China e sudeste asiático. • Já em regiões de baixa endemicidade, como Europa, EUA e Austrália, a contaminação ocorre na vida adulta, principalmente em grupos de risco acrescido.
  46. 46. • No Brasil: tendência crescente do HBV em direção à região Sul/Norte, descrevendo três padrões de distribuição da Hepatite B:  Alta endemicidade, presente na região Amazônica, alguns locais do Espírito Santo e oeste de Santa Catarina;  Endemicidade intermediária, nas regiões Nordeste, Centro-oeste e Sudeste;  Baixa endemicidade, na região Sul do país.
  47. 47.  No entanto, esse padrão vem se modificando com a política de vacinação contra o HBV, iniciada sob a forma de campanha em 1989.  O Nordeste como um todo, está em situação de baixa endemicidade.
  48. 48.  Grupos populacionais com comportamentos sexuais de risco acrescido, como profissionais do sexo e homens que fazem sexo com homens, além de usuários de drogas injetáveis que compartilham seringas, profissionais de saúde e pessoas submetidas à hemodiálise apresentam prevalências maiores que a população em geral.
  49. 49.  MEDIDAS DE CONTROLE • Profilaxia pré-exposição, pós-exposição; • Não-compartilhamento ou reutilização de seringas e agulhas; • Triagem obrigatória dos doadores de sangue; • Inativação viral de hemoderivados; • Medidas adequadas de biossegurança nos estabelecimentos de saúde.
  50. 50. • A vacinação é a medida mais segura para a prevenção da Hepatite B. • No Brasil, a vacina contra Hepatite B está disponível nas salas de vacinação do SUS para faixas etárias específicas e para situações de maior vulnerabilidade, conforme descrito a seguir.
  51. 51.  Faixas etárias específicas • Menores de 1 ano de idade, a partir do nascimento, preferencialmente nas primeiras 12 horas após o parto. • Crianças e adolescentes entre 1 e 19 anos de idade. • Em recém-nascidos, a primeira dose da vacina deve ser aplicada logo após o nascimento, nas primeiras 12 horas de vida, para evitar a transmissão vertical. • A vacina contra Hepatite B pode ser administrada em qualquer idade e simultaneamente com outras vacinas do calendário básico.
  52. 52. Para todas as faixas etárias • A vacina contra a Hepatite B está disponível nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), conforme Manual do CRIE, 3ª edição, do Ministério as Saúde, 2006, para os seguintes casos:  vítimas de abuso sexual;  vítimas de acidentes com material biológico positivo ou fortemente suspeito de infecção por VHB;
  53. 53.  profissionais de saúde;  hepatopatias crônicas e portadores de Hepatite C;  doadores de sangue;  transplantados de órgãos sólidos ou de medula óssea;  doadores de órgãos sólidos ou de medula óssea;  potenciais receptores de múltiplas transfusões de sangue ou politransfundidos;
  54. 54.  nefropatias crônicas/dialisados/síndrome nefrótica;  convívio domiciliar contínuo com pessoas portadoras de HBV;  fibrose cística;  doença de depósito;  imunodeprimidos;  populações indígenas;
  55. 55.  usuários de drogas injetáveis e inaláveis;  pessoas reclusas (em presídios, hospitais psiquiátricos, instituições de menores, forças armadas, etc);  carcereiros de delegacias e penitenciárias;  homens que fazem sexo com homens;
  56. 56.  profissionais do sexo;  profissionais de saúde;  coletadores de lixo hospitalar e domiciliar;  bombeiros, policiais militares, policiais civis e policiais rodoviários;  profissionais envolvidos em atividade de resgate.
  57. 57.  Os portadores e doentes devem ser orientados a evitar a disseminação do vírus adotando medidas simples, tais como usar preservativos nas relações sexuais, não doar sangue, evitar o compartilhamento de seringas e agulhas descartáveis.
  58. 58.  Doença viral que cursa de forma assintomática ou sintomática (até formas fulminantes);  As formas sintomáticas são caracterizadas por mal-estar, cefaleia, febre baixa, anorexia, astenia, fadiga, artralgia, náuseas, vômitos, desconforto no hipocôndrio direito e aversão a alguns alimentos e ao cigarro;
  59. 59.  A icterícia, geralmente, inicia-se quando a febre desaparece, podendo ser precedida por colúria e hipocolia fecal;  Hepatomegalia ou hepatoesplenomegalia também podem estar presentes;  Na forma aguda, os sintomas vão desaparecendo paulatinamente;
  60. 60.  Agente etiológico - Vírus da Hepatite C (HCV). É um vírus RNA, família Flaviviridae.
  61. 61.  Modo de transmissão • A transmissão ocorre, principalmente, por via parenteral. • São consideradas populações de risco acrescido por via parenteral:  indivíduos que receberam transfusão de sangue e/ou hemoderivados antes de 1993;  pessoas que compartilham material para uso de drogas injetáveis (cocaína, anabolizantes e complexos vitamínicos), inaláveis (cocaína) e pipadas (crack);  pessoas com tatuagem, piercings ou que apresentem outras formas de exposição percutânea.
  62. 62.  A transmissão sexual pode ocorrer, principalmente, em pessoas com múltiplos parceiros e com prática sexual de risco acrescido (sem uso de preservativo);  A coexistência de alguma DST – inclusive o HIV – constitui um importante facilitador dessa transmissão;  A transmissão perinatal é possível e ocorre, quase sempre, no momento do parto ou logo após.  A transmissão intra-uterina é incomum
  63. 63.  Apesar da possibilidade da transmissão pelo aleitamento materno (partículas virais foram demonstradas no colostro e leite materno), não há evidências conclusivas de aumento do risco à transmissão, exceto na ocorrência de fissuras ou sangramento nos mamilos.
  64. 64. Complicações • Cronificação da infecção, cirrose hepática e suas complicações (ascite, hemorragias digestivas, peritonite bacteriana espontânea, encefalopatia hepática) e carcinoma hepatocelular.
  65. 65.  Diagnóstico - Clínico-laboratorial: • Apenas com os aspectos clínicos não é possível identificar o agente etiológico, sendo necessária a realização de exames sorológicos; • Os exames laboratoriais inespecíficos incluem as dosagens de aminotransferases – ALT/TGP e AST/TGO – que denunciam lesão do parênquima hepático; • O nível de ALT pode estar 3 vezes maior que o normal; • As bilirrubinas são elevadas e o tempo de protrombina pode estar alargado (TP>17s ou INR>1,5), indicando gravidade.
  66. 66. • Na infecção crônica, o padrão ondulante dos níveis séricos das aminotransferases, especialmente a ALT/TGP, diferentemente da Hepatite B, apresenta-se entre seus valores normais e valores mais altos. • A definição do agente é feita pelo marcador sorológico anti-HCV, o qual indica contato prévio com o agente, entretanto não define se é infecção aguda ou pregressa e curada espontaneamente, ou se houve cronificação da doença. • A presença do vírus deve ser confirmada pela pesquisa qualitativa de HCV-RNA.
  67. 67.  Tratamento • Repouso relativo até a normalização das aminotransferases. • Dieta pobre em gordura e rica em carboidratos é de uso popular. • Recomendar que o próprio paciente defina sua dieta, de acordo com seu apetite e aceitação alimentar. • Restrição à ingestão de álcool, que deve ser suspensa por 6 meses, no mínimo, sendo preferencialmente por 1 ano.
  68. 68. • Medicamentos não devem ser administrados sem recomendação médica, para não agravar o dano hepático. • As drogas consideradas “hepatoprotetoras”, associadas ou não a complexos vitamínicos, não têm nenhum valor terapêutico. • Na Hepatite Crônica, estima-se que um terço a um quarto dos casos necessitará de tratamento. • Sua indicação baseia-se no grau de acometimento hepático.
  69. 69.  Pacientes sem manifestações de hepatopatia e com aminotransferases normais devem ser avaliados clinicamente e repetir os exames a cada 6 meses.  O tratamento para a fase crônica e retratamento tem diretrizes clínico-terapêuticas definidas por meio de portarias do Ministério da Saúde.  Devido à alta complexidade do tratamento, acompanhamento e manejo dos efeitos colaterais, ele deve ser realizado em serviços especializados (média ou alta complexidade do SUS).
  70. 70. Características epidemiológicas • O vírus C costuma apresentar uma fase aguda oligo/assintomática, de modo que ele responde por apenas uma pequena parte das hepatites agudas sintomáticas. • Estima-se que existam 170 milhões de pessoas infectadas em todo o mundo.
  71. 71. No Brasil, com base em doadores de sangue a prevalência de anti-HCV: • 0,62% no Norte; • 0,55% no Nordeste; • 0,43% no Sudeste; • 0,28% no Centro-oeste; • 0,46% no Sul. (Anvisa, 2002).
  72. 72.  As populações mais atingidas são: • pacientes que realizam múltiplas transfusões; • Hemofílicos; • Hemodialisados; • usuários de drogas injetáveis e inaláveis; • assim como portadores de tatuagens e de piercing.
  73. 73.  MEDIDAS DE CONTROLE • Não há vacina, nem imunoglobulina para a Hepatite C. • Aos portadores crônicos do HCV são recomendadas as vacinas contra Hepatite A e B, se forem suscetíveis, evitando o risco dessas infecções. • É importante orientar os portadores do HCV para evitar a transmissão do vírus
  74. 74.  Não-compartilhamento de seringas;  Uso de preservativo;  Atenção para transmissão vertical (mãe - filho) e maior cuidado no aleitamento materno;  Não deve fazer doação de sangue;  Seguir as normas de biossegurança nos estabelecimentos de saúde e em lojas de tatuagens e piercing;
  75. 75.  Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias : guia de bolso. 8. ed. rev. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

×