X 014

404 visualizações

Publicada em

afe

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

X 014

  1. 1. PROJETO A GOTA BORRALHEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA EMPRESAS DE SANEAMENTO AMBIENTALCarlos Alberto de Carvalho(*)Engenheiro Civil pela Universidade de Mogi das Cruzes.Engenheiro Sanitarista pela Faculdade de Saúde Pública daUSP. Mestre em Sociologia e Política pela Faculdade eEscola de Sociologia e Política de SãoPaulo(FESP/SP).Mestre em Hidráulica e Sanitária pela EscolaPolitécnica da USP.Engenheiro Especialista da Unidade de Negócio deTratamento de Esgotos da SABESP.Geraldo Julião dos SantosSuperintendente da Unidade de Negócio de Tratamento de Esgotos daSABESP.Endereço(*): Avenida do Estado, 561 – Bom Retiro- São Paulo/ CapitalCEP: 01107-000 – Brasil – Tel:- (0xx11) 3388-6952 ; FAX (0xx11) 3388-6737.e-mail:- carlinhos@sabesp.com.brRESUMOO Projeto A Gota Borralheira foi concebido, entre outros objetivos, para criar uma identidade para oPrograma de Educação Ambiental, da Unidade de Negócio de Tratamento de Esgotos da SABESP. Criou-se uma personagem-âncora – A Gota Borralheira – que constará de todas as peças desenvolvidas,incluindo livro infantil, desenho animado, folhetos, maquetes, visitas monitoradas, cartilha, cartazes, peçateatral e outros materiais necessários às práticas de educação ambiental.O projeto tem como objetivo motivar a população a alterar seu comportamento e mudar seus hábitos porinfluência dos conceitos expostos.Espera-se que, a partir da divulgação e reflexão sobre informações relativas aos ciclos da água nanatureza e do saneamento, das visitas monitoradas às estações de tratamento de esgotos, do lixo e dasdoenças de veiculação hídrica, o público-alvo do projeto mude seus valores, formando uma novaconsciência, e passe a colaborar para a proteção e conservação dos recursos hídricos e do meio ambiente.Essa mudança poderá contribuir também para a melhoria da qualidade dos serviços prestados pelaSabesp, aumentando o rendimento do sistema e reduzindo os custos do tratamento dos esgotos,contribuindo para a melhoria do processo do saneamento ambiental.Palavras chaves:-Ciclo, água, saneamento, cidadania, Educação, Ambiental, Meio, Ambiente, Recursos, Hídricos.
  2. 2. INTRODUÇÃOSistema principal de afastamento, tratamento e disposição final de esgotos da RegiãoMetropolitana de São Paulo. Entendemos que é fundamental informar a população sobre oprocesso de tratamento de esgotos sanitários, bem como sobre os resíduos gerados e/oureaproveitados, e sua importância nos contextos humano, físico e biológico, e sobre a forteparticipação da carga difusa (lixo) na poluição dos rios, enfim, questões afetas às açõesnecessárias para conter a degradação ambiental.A unidade vem desenvolvendo um Programa de Educação Ambiental que tem como núcleo oprojeto A Gota Borralheira.O público-alvo do programa é a população da Bacia do Alto Tietê, compreendendo: • crianças e adolescentes • universitários e pós-graduados • comunidade de entorno as estações • representantes de indústrias da região • funcionários da Unidade de Negócio e das demais unidades da SabespOBJETIVOSO Projeto A Gota Borralheira foi concebido, entre outros objetivos, para criar uma identidadepara o Programa de Educação Ambiental. Criou-se uma personagem-âncora – A GotaBorralheira – que constará de todas as peças desenvolvidas, incluindo livro infantil, desenhoanimado, folhetos, maquetes, visitas monitoradas, cartilha, cartaz, peça teatral e outrosmateriais necessários A Unidade de Negócio de Tratamento de Esgotos da Sabesp éresponsável pela operação do às práticas de educação ambiental.O projeto tem como objetivo motivar a população a alterar seu comportamento por influênciados conceitos expostos.Espera-se que, a partir da divulgação e reflexão sobre informações relativas ao ciclo da águana natureza, do saneamento, do lixo (coleta seletiva e reciclagem) e doenças de veiculaçãohídrica, bem como abrir as portas para as visitas monitoradas às estações de tratamento deesgotos da Região Metropolitana de São Paulo, o público-alvo do projeto mude seus valores,formando uma nova consciência, e passe a colaborar para a proteção e conservação dosrecursos hídricos.Essa mudança poderá contribuir também para a melhoria da qualidade dos serviços prestadospela Sabesp, aumentando o rendimento do sistema e reduzindo os custos do tratamento dosesgotos.METODOLOGIA APLICADAO projeto atinge na sua maioria os alunos da rede escolar do ensino fundamental, através depalestras sobre o ciclo da água na natureza e do saneamento, lixo e doenças de veiculaçãohídrica. Conta também com material de apoio, como exemplo maquete móvel sobre o ciclo dosaneamento, livro e desenho animado "A Gota Borralheira", e folhetos complementares.As informações prestadas e as atividades solicitadas aos professores em sala de aula,reforçam os objetivos de mudança de hábitos, comportamentos e paradigmas para a questãodo uso racional da água, de que tratamento de esgotos é saúde e conseqüentemente a buscada preservação dos recursos hídricos e do meio ambiente.
  3. 3. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS • Maio de 1998. A Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo iniciou um programa de educação ambiental com uma abordagem inédita: a importância do tratamento de esgotos, isto é, da água após o seu uso pela população. • Outubro de 1998. Criação do projeto A Gota Borralheira, núcleo do programa. A personagem-âncora A Gota Borralheira está presente em todas as ferramentas do programa. • Novembro de 1998. Realização do I Encontro de Educação Ambiental da Unidade de Negócio de Tratamento de Esgotos da Sabesp. • Dezembro de 1999. Editado o livro A Gota Borralheira, patrocinado pela Editora Saraiva. • Abril de 2000. Assinado contrato de financiamento do Fundo Estadual de Recursos Hídricos – Fehidro, no valor de R$ 120 mil para o projeto A Gota Borralheira. • Maio de 2001 – Produção do desenho animado A Gota Borralheira, baseado no livro homônimo. • Julho de 2001 – Desenho A Gota Borralheira é selecionado para participar da 9ª edição do Festival Anima Mundi – Festival Intern. de Cinema de Animação do Brasil. • Outubro de 2001 – Produzido folheto Você Sabia – sobre o ciclo do saneamento • Outubro de 2001 – Parceria Sabesp e Playcenter leva o projeto A Gota Borralheira aos freqüentadores do maior parque de diversões urbano do Brasil. • Novembro de 2001 – Projeto A Gota Borralheira é citado no Guia de Boa Cidadania Corporativa da revista Exame, edição 2001. O guia apresenta os projetos que se destacaram nas áreas social e ambiental durante o ano de 2001. • Novembro de 2001 – Realizado curso de capacitação para formação de multiplicadores em Educação Ambiental, com recursos do Fehidro, para empregados da Sabesp. • Novembro de 2001 – Confeccionada duas maquetes sobre o ciclo de saneamento que servem como ferramenta ao programa de educação ambiental. • Novembro de 2001 – Desenho A Gota Borralheira é selecionado para participar do Festival de Cinema Infantil The Golden Elephant, na Índia. • Fevereiro de 2002 – Desenho A Gota Borralheira é premiado no CONAC como Melhor Filme de Animação no VI Festival de Cine Infantil de Ciudad Guayana - Venezuela. • Março de 2002 – Retomada a parceria Sabesp e Playcenter, levando o projeto aos freqüentadores do parque.RESULTADOS VISITAS MONITORADAS As visitas servem para a aplicação dos conceitos e práticas de educação ambiental. Em 2001 foram recebidas 4.246 pessoas nas Estações de Tratamento de Esgotos da Região Metropolitana de São Paulo. Evolução de Visitação nas ETEs 1998 1999 2000 2001 total 78 191 449 5442
  4. 4. Figura 1: Evolução de Visitas Monitoradas nas cinco Estações de Tratamento de Esgotos da RegiãoMetropolitana de São Paulo – Situação GeralObs:- dados de 2002 referem-se ao primeiro semestre. Figura 2: Visita Monitora à ETE Suzano - SP PALESTRAS A Unidade de Negócio de Tratamento de Esgotos – AE, atende solicitações de escolas e entidades para apresentação de palestras sobre o ciclo do saneamento com ênfase em tratamento de esgotos. Além da palestra é exibido o desenho animado A Gota Borralheira.. Em 2001 foram atendidas 21.558 pessoas, incluindo público de escolas de ensino fundamental e médio, universidades, comunidade e freqüentadores do Playcenter. Durante os meses de outubro a dezembro a Sabesp firmou uma parceria com o Playcenter para apresentar o projeto A Gota Borralheira ao público do parque.
  5. 5. PALESTRAS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Público por ano real projetado playcenter 16000 14000 12000 10000público 8000 6000 4000 2000 0 1998 1999 2000 2001 2002 (*) ano Figura 3: Evolução de atendimento ao público com palestras OBS: Dados de 2002 referem-se ao primeiro semestre.
  6. 6. Figura 4: Unidade de apresentação no parque Playcenter – SPCONCLUSÃOA originalidade da abordagem se sustentou na premissa de que, informada e conscientizadasobre o papel que o tratamento dos efluentes desempenha no ciclo da água, a comunidadeestará mais capacitada a colaborar para a preservação e conservação dos recursos hídricos.Ou seja, compreendendo que o esgoto é em grande parte reaproveitável, os cidadãos podemmodificar seu comportamento e participar, individual e coletivamente, de um processo demelhoria para aumentar o rendimento do sistema, reduzir custos e conter a degradaçãoambiental.A elaboração e desenvolvimento do programa coube à Unidade de Negócio de Tratamento deEsgotos - AE da Sabesp. O projeto tem tido uma grande aceitação diante de seu público-alvo.Em avaliações realizadas após as palestras e visitas constatamos que o público solicita acontinuidade deste tipo de ação e se coloca como um potencial multiplicador das informaçõesabordadas.Por priorizar a reflexão e mudança de valores, a partir das atividades desenvolvidas, o públicoimpactado tem interiorizado os conceitos e colaborado com os objetivos do projeto.O projeto é de fácil reprodução por tratar de um tema que diz respeito a qualidade de vida detodos e as pessoas impactadas se mostram sensíveis a sua continuidade. Os educadorestrabalham os conceitos em sala de aula e repercutem no seu meio as principais reflexõespropostas. A comunidade discute acerca dos conceitos expostos e cobram políticas públicascompatíveis com a qualidade de vida desejada.A unidade é responsável pelo sistema principal de afastamento, tratamento e disposição deesgotos da Região Metropolitana de São Paulo, com operações que beneficiam umapopulação da ordem de 8,5 milhões de habitantes. O Programa de Educação Ambiental da AEse insere num plano mais amplo de ações da Sabesp para cumprir sua missão de atender àsnecessidades de saneamento ambiental e contribuir para a melhoria da qualidade de vida dapopulação. Promover a educação ambiental é um dos esforços fundamentais para atingir essesobjetivos.
  7. 7. O projeto tem tido uma grande aceitação diante de seu público-alvo. Em avaliações realizadasapós as palestras e visitas constatamos que o público solicita a continuidade deste tipo de açãoe se coloca como um potencial multiplicador das informações abordadas.Por priorizar a reflexão e mudança de valores, a partir das atividades desenvolvidas, o públicoimpactado tem interiorizado os conceitos e colaborado com os objetivos do projeto.O projeto é de fácil reprodução por tratar de um tema que diz respeito a qualidade de vida detodos e as pessoas impactadas se mostram sensíveis a sua continuidade. Os educadorestrabalham os conceitos em sala de aula e repercutem no seu meio as principais reflexõespropostas. A comunidade discute acerca dos conceitos expostos e cobram políticas públicascompatíveis com a qualidade de vida desejada.REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAAdler, Roberto R., Pereira, Margareth da S., e Pereira, Romão V. Transformando e recriando osrestos: O lixo passado a limpo. RJ,1991Agenda XXI – Cap.18 – Proteção da qualidade e do suprimento das águas: aplicações eabordagens integradas, manejo e uso de recursos hídricos. Conferência das Nações Unidassobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento – Rio 92.Almeida, J.R. e outros. Planejamento Ambiental: Caminho para participação popular emGestão Ambiental. Rio de Janeiro:Thex Editora, 1999.Amazonas, Márcio. O lixo do futuro e o futuro do lixo. ABJICA, SP, 1989.Ambrogi, A Lisboa, J.C.F. Poluição. Revista de Ensino de Ciências, n.23, 27-9 p.Art, H.W. Dicionário de Ecologia e Ciências Ambientais. Ed. São Paulo: editoraUNESP:Companhia Melhoramentos, 2001.Asimov, I.Escolha a Catástrofe. São Paulo, Círculo do Livro, 1983, 390 p.Balzan, N.Estudo do Meio. In: PARRA, N. Didática para a escola de 1o e 2o graus. São Paulo:Pioneira, 1983. 113-28 p.Branco, S.M .Elementos da Biologia Geral e Hiidrobiologia Sanitária.CETESB, 1970.__________.Hidrobiologia aplicada à engenharia sanitária. São Paulo. ConvênioCETESB/ASCETESB, 1986.Branco, S.M., Rocha, A.A Ecologia: educação Ambiental – Ciências do ambiente parauniversitários. São Paulo, 1984.Boyden, S.et al. The Ecology of a City and its People. Canberra, Australian. National University,1981, 437 p.Carvalho, Marcos de. O que é natureza. Ed. Brasiliense, SP, 1991.Cavalcanti, Y. E outros. Gestão Ambiental: Planejamento, Avaliação, Implantação, Operação everificação. Rio de Janeiro: Thex Editora, 2001.Cavinatto, V.M. Saneamento Básico – Fonte de saúde e bem estar. São Paulo: Moderna, 1992.CETESB, Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental. O que é lixo?, SP, 1986.CIMA, Centro de Cultura, Informação e Meio Ambiente. O lixo pode ser um tesouro. RJ, 1997.
  8. 8. Dajoz, R. Ecologia Geral. ed.3 Petrópolis: Ed. Guanabara – 1978.Dias, G.F. Educação Ambiental. Princípios e Práticas. Ed. Gaia. São PauloDiaz, G.F. Fundamento de Educação Ambiental – Brasília:Universal Editora, 2000Donaire, D. Gestão Ambiental na Empresa. São Paulo: Ed. Atlas, 1999.Fellenberg, G. Introdução aos Problemas da Poluição Ambiental. São Paulo, EPU/EDUSP,1980, 186 p. aFNS (Fundação Nacional de Saúde).Manual de Saneamento. 2 Edição, Brasilia,1996.Fundacentro. Saneamento do Meio. São Paulo, 1988, 235 p.Guia de Fontes de Informação em Saneamento Ambiental, São Paulo:SABESP,1998.IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas)/CEMPRE (Compromisso Empresarial para aReciclagem). Lixo Municipal, Manual de Gerenciamento Integrado do Lixo. SP,1990.Junior, Arlindo Philippi e outros. Educação Ambiental – Desenvolvimento de Cursos e Projetos.São Paulo: Fac. De Saúde Pública, Núcleo de Informações em Saúde Ambiental: SignusEditora, 2000.Mansur, Gilson Leite. O que é preciso saber sobre limpeza urbana. CPU/IBAM/MIN. do BemEstar Social. 2a Edição, RJ, 1993.Mello, N.S. Educação Ambiental, Dilemas da prática contemporânea. Rio de Janeiro:Thexeditora: Universidade Estácio de Sá, 2000.Merico, L.F.K. Introdução à Economia Ecológica. Coleção Sociedade e Ambiente: Ed.FURB.Blumenau, SC, 1996.Odum, E.P. Ecologia. Rio de Janeiro. Ed. GuanabaraSão Paulo (ESTADO). Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Perfil ambiental e estratégias,São Paulo, 1992.São Paulo (ESTADO). Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Legislação básica de recursoshídricos. São Paulo.São Paulo (ESTADO). Relatório de qualidade das águas interiores do Estado de São Paulo.São Paulo: CETESB/SMA, 1995.São Paulo (ESTADO). Legislação Federal de controle de poluição. São Paulo, 1995.SPVS. Curso sw Oficina em Educação Ambiental do CEPA/ALCOA, Poços de Caldas, MG.Curitiba, 1992.Spirn, A.W.O Jardim de Granito .EDUSP/USP. São Paulo, 1995.

×