Roteiro 2ª parte

18.440 visualizações

Publicada em

Aula sobre sobre roteiro 'para a turma do 6 semestre de PP da UniRadial Moema.
Prof. Fernando Nascimento
www.fepublicidade.com.br
radial.fenainternet@spamgourmet.com

Publicada em: Educação, Negócios
3 comentários
17 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.440
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
41
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.172
Comentários
3
Gostaram
17
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Roteiro 2ª parte

  1. 1. Roteiro para filme publicitário Aprendendo a fazer um roteiro publicitário para tv.
  2. 2. 5
  3. 3. 4
  4. 4. 3
  5. 7. PICTURE START
  6. 8. Se uma história não consegue ser bem escrita ou pensada, não pode ser filmada. Stanly Kubrick
  7. 9. Sinopse <ul><li>É uma narração breve. </li></ul><ul><li>É o roteiro sem as divisões de cenas. </li></ul><ul><li>É o rascunho do roteiro. </li></ul>
  8. 10. Sinopse deve ter: <ul><li>3 atos narrativos fundamentais: </li></ul><ul><ul><li>Apresentação </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Solução </li></ul></ul>
  9. 11. Vídeo a coisa
  10. 12. Como escrever? <ul><li>Ao escrever lembre-se de 4 elementos: </li></ul><ul><ul><li>Temporalidade - época? </li></ul></ul><ul><ul><li>Localização - onde estamos? </li></ul></ul><ul><ul><li>Percuso da Ação - acontecimentos devem ser interligados (sequência lógica). </li></ul></ul><ul><ul><li>Desfecho – conclusão e assinatura. </li></ul></ul>
  11. 13. Como escrever? <ul><li>Não esqueça do título </li></ul><ul><ul><li>Ele é necessário na autorização de veiculação. </li></ul></ul>
  12. 14. Construindo a sinopse <ul><li>Como saber se vale a pena levar a idéia adiante? </li></ul><ul><ul><li>O objetivo do cliente está claro? </li></ul></ul><ul><ul><li>A idéia é original? </li></ul></ul><ul><ul><li>A idéia tem impacto? </li></ul></ul><ul><ul><li>Cabe em 30”? </li></ul></ul><ul><ul><li>Ficou claro qual o produto anunciado? </li></ul></ul><ul><ul><li>Custo. Cabe no bolso do cliente? </li></ul></ul><ul><ul><li>É apropriado ao Público? </li></ul></ul><ul><ul><li>Tempo de produção? Dá tempo de filmar? </li></ul></ul><ul><ul><li>O Gênero (humor, suspense, drama ou erotismo) combina com as outras peças da campanha? </li></ul></ul>
  13. 15. Estrutura <ul><li>Agora que você já rascunhou as melhores idéias. </li></ul><ul><li>Vamos enriquecê-la. </li></ul><ul><li>Vamos acrescentar: cenas, diálogos, drama, tensão. </li></ul>
  14. 16. Esquema de estrutura de roteiro publicitário <ul><li>Exposição do Problema/Complicação/Conflito. </li></ul><ul><li>Climax </li></ul><ul><li>Resolução </li></ul>
  15. 17. Esquema de estrutura de roteiro publicitário <ul><li>Resolução </li></ul><ul><ul><li>É a fase mais importante. </li></ul></ul><ul><ul><li>Pois o PRODUTO traz a conclusão do conflito. </li></ul></ul>
  16. 18. Diagra para roteiro de Cinema Tempo Ação Dramática Problema Complicação Conflito Emerge Crise Climax Resolução
  17. 19. Diagra para roteiro MATRIX Tempo Ação Dramática Mr. Anderson é procurado por agentes É resgatado por desconhecidos estranhos Morfeus acha que ele é o escolhido Neo descobre que ele não é o escolhido coisa nenhuma Ele percebe que é o escolhido sim, e manda bala. Neo salva a humanidade. Viva! Problema Complicação Conflito Emerge Crise Climax Resolução
  18. 20. Diagra para roteiro Publicidade Tempo Ação Dramática Problema Complicação Conflito Climax (ponto de virada) Resolução (conclusão)
  19. 21. Vídeo a 1º Sutiã
  20. 22. Diagra para roteiro - Valisère Tempo Ação Dramática Problema Complicação Conflito Climax (ponto de virada) Resolução (conclusão) Ela tem vergonha porque ainda não usa sutiã Ela ganha um sutiã e seu orgulho é reestabelecido Ela se torna uma mulher madura e confiante
  21. 23. Esquema de estrutura de roteiro publicitário <ul><li>A linguagem para comerciais é sempre dinâmica. </li></ul><ul><li>Algo interessante sempre deve estar acontecendo no filme. </li></ul>
  22. 24. Vídeo a Véia do arroz
  23. 25. <ul><li>A Tem alguma coisa interessante acontecendo neste filme? Não. </li></ul>
  24. 26. Vídeo Suor
  25. 27. <ul><li>A Tem alguma coisa interessante acontecendo neste filme? Sim. </li></ul>
  26. 28. Conflito ou Plot <ul><li>São os conflitos que tornam a vida interessante. </li></ul><ul><li>Conflito = Ação = Drama. </li></ul>
  27. 29. Conflito básico X Conflito fundamental
  28. 30. Conflito Básico X Fundamental <ul><li>Conflitos Básicos </li></ul><ul><ul><li>São os conflitos subentendidos: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>HOMEM X NATUREZA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>NATUREZA X TEMPO </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>TECNOLOGIA X TRADICIONAL </li></ul></ul></ul>
  29. 31. Conflito Básico X Fundamental <ul><li>Conflitos Fundamental </li></ul><ul><ul><li>São os conflitos maiores, acentuados: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ROMEU E JULIETA: baseado no ódio entre Montécchios e Capuletos. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>É ao redor deste conflito fundamental que giram todos os outros conflitos básicos. (burrice x inteligência, bondade x ruindade, etc) </li></ul></ul></ul></ul>
  30. 32. Conflito Básico X Fundamental <ul><li>É por meio do conflito que o leitor deve se identificar com o roteiro. </li></ul>
  31. 33. Conflito Básico X Fundamental <ul><li>Crie situações que poderiam acontecer com seu público. </li></ul><ul><li>Se o personagem está para ser atropelado, faça o leitor/espectador sentir o mesmo frio na barriga. </li></ul><ul><li>Um bom exemplo são os filmes de terror. </li></ul>
  32. 34. Vídeo Coca
  33. 35. IMPORTANTÍSSIMO <ul><li>Conflito fundamental é o 2º assunto do roteiro. </li></ul><ul><li>O 1º é o Produto . </li></ul>
  34. 36. IMPORTANTÍSSIMO <ul><li>30” são muito limitados </li></ul><ul><li>Escreva só o estritamente necessário. </li></ul><ul><li>É mais fácil uma mensagem ser gravada quando ela é única. </li></ul>
  35. 37. Exemplo: <ul><li>Se no seu roteiro o plot é o amor de um motorista pelo carro, pense em buscar um caminho que o torne mais diferente e interessante possível. </li></ul>
  36. 38. Vídeo posto
  37. 39. É no Plot que está a força do roteiro
  38. 40. Ponto de Virada <ul><li>É qualquer incidente inesperado </li></ul><ul><ul><li>Deve ser criado antes de tudo </li></ul></ul><ul><ul><li>Depois disso crie algo ao interessante. </li></ul></ul><ul><ul><li>Potencialize o choque, ele é o embrião do recall </li></ul></ul>
  39. 41. Vídeo ponte de virada
  40. 42. Solução <ul><li>É a resolução do conflito </li></ul><ul><ul><li>O produto deve ser o super-herói da trama. </li></ul></ul><ul><ul><li>Seja o mais claro possível. </li></ul></ul><ul><ul><li>Use todos os recursos para mostrar o produto. </li></ul></ul>
  41. 43. Solução <ul><li>Há 2 maneiras de apresentar a Solução: </li></ul><ul><ul><li>1) O produto acompanhar toda a narrativa </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Impacto é menor, porque aparece nos 30” – não há surpresas. </li></ul></ul></ul>
  42. 44. Vídeo Assolan
  43. 45. Solução <ul><li>Há 2 maneiras de apresentar a Solução: </li></ul><ul><ul><li>2) Surpresa </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>O impacto é maior </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O produto surge para resolver o conflito. </li></ul></ul></ul>
  44. 46. Vídeo Cicareli
  45. 47. Exemplo de Roteiro <ul><li>Agência: Almap/BBDO </li></ul><ul><li>Cliente: Pepsi </li></ul><ul><li>Produto: Refrigerante </li></ul><ul><li>Título: Beijão </li></ul><ul><li>Em uma praia, rapaz franzino compra a última Pepsi de um vendedor. </li></ul><ul><li>Uma morena fenomenal vai até o vendedor e vê que não tem mais refrigerante. Ela olha para o rapaz bebendo o refrigerante, vai até ele e dá o maior beijão em sua boca, parecendo chupar a Pepsi de dentro dele (ponto de virada). </li></ul><ul><li>Ela pára, com expressão de saciada, e passa até a mão na boca. O rapaz fica com a cara “chupada” </li></ul><ul><li>LETTERING: Eu quero é mais </li></ul><ul><li>Entra Logotipo </li></ul>
  46. 48. Impacto <ul><li>Impacto é Surpresa </li></ul><ul><ul><li>Situações surpreendentes são mais fáceis de serem lembradas. </li></ul></ul><ul><li>Há 2 maneiras de impactar </li></ul><ul><ul><li>1) Pelo formato. </li></ul></ul><ul><ul><li>2) Pela história </li></ul></ul>
  47. 49. 1) Impacto Pelo Formato <ul><li>Trabalhar com elementos como: </li></ul><ul><ul><li>Cenas </li></ul></ul><ul><ul><li>Lettering </li></ul></ul><ul><ul><li>Diálogos </li></ul></ul><ul><ul><li>Packshot </li></ul></ul><ul><ul><li>Trilha etc. </li></ul></ul>
  48. 50. Vídeo Evian
  49. 51. 1) Impacto Pela História <ul><li>Tudo o que foge do esperado provoca impacto </li></ul><ul><ul><li>Um ponto de virada é sempre bem vindo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Algumas histórias pedem viradas no meio , outras no fim , mas nunca no começo . </li></ul></ul><ul><ul><li>Há filmes com surpresas a todo momento. </li></ul></ul><ul><ul><li>Cuidado, há grande diferença entre roteiro de impacto e roteiro apelativo. </li></ul></ul>
  50. 52. Vídeo Roberto Vídeo Nike
  51. 53. Emoção <ul><li>Utilize todos os recursos possíveis para prender a atenção, em todas as etapas do filme. Ex: </li></ul><ul><ul><li>Perseguições </li></ul></ul><ul><ul><li>Trilha sonora </li></ul></ul><ul><ul><li>Silêncio </li></ul></ul><ul><ul><li>Imagens que dão água na boca </li></ul></ul><ul><ul><li>Sedução dos atores, etc. </li></ul></ul>
  52. 54. Vídeo Gol
  53. 55. Desejo <ul><li>Segundo a Psicologia: </li></ul><ul><ul><li>O homem reage mais por meio das emoções do que pelo raciocínio. </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualidades e características do produto podem acrescentar algo para quem os possui. </li></ul></ul><ul><ul><li>Isso faz a pessoa sair da massa de anônimos. </li></ul></ul>
  54. 56. Desejo <ul><li>Recursos Motivadores </li></ul><ul><ul><li>Felicidade, prazer, alegria (cerveja, hotéis) </li></ul></ul><ul><ul><li>Juventude, virilidade, esportividade (carros, roupas) </li></ul></ul><ul><ul><li>Poder, prestígio, status (jóias, restaurantes) </li></ul></ul><ul><ul><li>Auto-estima, bem-estar, vaidade (cosméticos, roupas) </li></ul></ul><ul><ul><li>Saúde, segurança, qualidade (alimentos, planos de saúde) </li></ul></ul><ul><ul><li>Amor, erotismo, fantasia (lingeries, perfumes) </li></ul></ul><ul><ul><li>Economia de tempo, praticidade, modernidade (bancos, eletrodomésticos, computadores) </li></ul></ul>
  55. 57. Vídeo Carro
  56. 58. Credibilidade <ul><li>A credibilidade de um depoimento reside naquilo que ele tem de verdadeiro. </li></ul><ul><ul><li>Que é provado com dados. </li></ul></ul><ul><ul><li>Ou consenso público. </li></ul></ul><ul><ul><li>Publicidade é uma atividade que desperta desconfiança na sociedade </li></ul></ul><ul><ul><li>Por isso quando a esmola é grande o santo desconfia. Fuja do overpromise. É muito manjado. </li></ul></ul>
  57. 59. NÃO FAÇA ISSO. Exemplo de mau uso de crediblidade. Vídeo 752
  58. 60. Ritmo <ul><li>Para definir o ritmo do filme. </li></ul><ul><ul><li>Levem em consideração a idéia e o target. </li></ul></ul><ul><ul><li>Crianças preferem um ritmo, jovens outros, idosos outros. </li></ul></ul><ul><ul><li>Para ter uma idéia do ritmo, procure assistir o que o target assiste na tv e cinema. </li></ul></ul>
  59. 61. Vídeo Cruzeiro
  60. 62. Clima <ul><li>Terror: </li></ul><ul><ul><li>Localização sombria, cores cinzas. </li></ul></ul><ul><li>Suspense: </li></ul><ul><ul><li>Personagem aflito, trilha dramática. </li></ul></ul><ul><li>Amor: </li></ul><ul><ul><li>Cores quentes, trilha romântica. </li></ul></ul><ul><li>Tédio: </li></ul><ul><ul><li>Câmera fixa </li></ul></ul>
  61. 63. Clima <ul><li>É um dos elementos principais para o leitor criar e visualizar a história </li></ul><ul><li>Clima é a sensação que o filme passa ao público, através da imagem e som . </li></ul>
  62. 64. Clima <ul><li>O roteiro precisa oferecer descrições e elementos para criar um cenário. </li></ul><ul><li>Pode-se definir o clima por diversas maneiras: </li></ul><ul><ul><li>Diálogos, ações, trilha, cores, etc. </li></ul></ul><ul><li>As vezes o próprio produto pode determinar o clima. </li></ul><ul><ul><li>ex: Toyota, logo imaginamos um cenário de aventura, um clima jovem. </li></ul></ul>
  63. 65. Clima <ul><li>Algumas indicações para o seu roteiro ser certeiro: </li></ul><ul><ul><li>São indicações breves relacionada a: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Movimento de câmera </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Iluminação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Detalhes do cenário </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cores </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Referências </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cartacterísticas do personagem </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Lettering </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tom de voz da locução </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tons de fala dos personagens </li></ul></ul></ul>
  64. 66. Exemplo de Roteiro <ul><li>Agência: DM9DDB </li></ul><ul><li>Cliente: Ministério da Saúde </li></ul><ul><li>Produto: Institucional </li></ul><ul><li>Título: Rua </li></ul><ul><li>Cena de uma moça, aflita, atravessando a rua em uma cadeira de rodas. A câmera treme, muda de ângulos (demarcação para o clima). </li></ul><ul><li>Chegando ao outro lado, ela tem muita dificuldade para passar pela guia e subir na calçada. Close nas rodinhas da cadeira de rodas, indo para a frente e para trás (demarcação para o clima). </li></ul><ul><li>LETTERING: Vacinar seu filho contra a paralisia é mais fácil. </li></ul><ul><li>Corta para logotipo do Ministério da Saúde. </li></ul><ul><li>LETTERING: 19 de agosto. Vacinação contra a paralisia. </li></ul>
  65. 67. Descrição de detalhes <ul><li>Não se preocupe com muitos detalhes técnicos de cada cena. </li></ul><ul><li>O publicitário deve dizer ao diretor o que filmar e não como filmar. </li></ul><ul><li>Um roteiro cheio de descrições desnecessárias deixa o roteiro chato e desvia a atenção do cliente. </li></ul>
  66. 68. Descrição de detalhes <ul><li>Ao apresentar o roteiro ao cliente o ideal é que ele sonhe por meio do texto . </li></ul><ul><li>Como ele vai fazer isso com várias descrições exatas e definitivas? </li></ul>
  67. 69. Personagens <ul><li>Personagem principal: O Produto (sempre). </li></ul><ul><li>Diferente do roteiro de cinema a descrição do personagem em propaganda é sintética . </li></ul><ul><li>Podem ser superficiais desde que tenham personalidade. </li></ul>
  68. 70. Personagens <ul><li>Exemplos de descrição de personagens: </li></ul><ul><ul><li>Homem tipicamente machão, cafajeste, grosso </li></ul></ul><ul><ul><li>Dona de casa, mal arrumada </li></ul></ul><ul><ul><li>Mulher deslumbrante e sexy </li></ul></ul>
  69. 71. Cenas <ul><li>É a ação contínua na mesma localização. </li></ul><ul><li>Tomada ou Plano começa quando se liga a câmera e termina quando é desligadada (ou seja é contínuo) </li></ul><ul><li>Várias tomadas ou planos formam uma cena . </li></ul><ul><li>Várias cenas formam uma sequência </li></ul><ul><li>Várias sequências formam um filme . </li></ul>
  70. 72. Cenas <ul><li>Como escrever as cenas? </li></ul><ul><ul><li>Separe cada cena em um parágrafo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Ao escrever, imagine a cena como uma pequena história, com começo, meio e fim. (lembre-se da cena de Psicose do Hitchcock) </li></ul></ul><ul><ul><li>A cena precisa ter um climax, o climax é sua razão de existir. (não coloque cenas apenas por colocar) </li></ul></ul><ul><ul><li>Cenas sem climax é cansativo e distrai. </li></ul></ul><ul><ul><li>Cenas marcantes fazem todos lembrarem do filme. E esse é o objetivo do anunciante. </li></ul></ul>
  71. 73. Vídeo Cerveja
  72. 74. Diálogos <ul><li>A palavra é agente da emoção. Assim como na música. </li></ul><ul><li>A coisa dita qualifica quem diz. </li></ul><ul><ul><li>Gíria: pessoa jovem </li></ul></ul><ul><ul><li>Clichês, cacoetes: jogador de futebol </li></ul></ul><ul><ul><li>Palavras difíceis: cientista </li></ul></ul>
  73. 75. Diálogos <ul><li>A palavra é agente da emoção. Assim como na música. </li></ul><ul><li>A coisa dita qualifica quem diz. </li></ul><ul><ul><li>Gíria: pessoa jovem </li></ul></ul><ul><ul><li>Clichês, cacoetes: jogador de futebol </li></ul></ul><ul><ul><li>Palavras difíceis: cientista </li></ul></ul>
  74. 76. Diálogos <ul><li>Para indicar o diálogo no roteiro: </li></ul><ul><ul><li>Coloque o nome do personagem em letra maiúscula e dê um espaço duplo ou um enter . </li></ul></ul><ul><ul><li>Para indicar o estado do personagem coloque entre (Parenteses) </li></ul></ul>
  75. 77. Exemplo de Roteiro <ul><li>Agência: Almap/BBDO </li></ul><ul><li>Cliente: São Paulo Alpargatas </li></ul><ul><li>Produto: Havaianas </li></ul><ul><li>Título: Modelo </li></ul><ul><li>Praia. Um rapaz vê uma linda mulher escolhendo Havaianas e começa a paquerá-la. </li></ul><ul><li>RAPAZ: Você é modelo? </li></ul><ul><li>MULHER: Sou. </li></ul><ul><li>Ele fica meio confuso </li></ul><ul><li>RAPAZ: Como assim? </li></ul><ul><li>MULHER: Ué? Eu sou Fernanda Lima, modelo. </li></ul><ul><li>Ele fica desconcertado. </li></ul><ul><li>RAPAZ: Pô, acabou com minha melhor cantada... </li></ul><ul><li>O rapaz vai embora, desiludido. A modelo fica sem entender aquilo. </li></ul><ul><li>Entra Packshot </li></ul><ul><li>LOC. OFF: Todo mundo usa. </li></ul>
  76. 78. Exemplo de Roteiro <ul><li>Apesar da força dramática, todo texto pode ser substituído por imagem. </li></ul><ul><ul><li>Gestos </li></ul></ul><ul><ul><li>Cacoetes </li></ul></ul><ul><ul><li>Figurino </li></ul></ul><ul><ul><li>Cenário </li></ul></ul><ul><li>Fazendo isso você enriquece a trama. </li></ul><ul><ul><li>Ex: se é fundamental dizer que o personagem é socialista, vista-o com uma camiseta do Che Guevara e fumando um charuto. </li></ul></ul><ul><ul><li>Use e abuse das idéias pré-concebidas da imaginário coletivo. </li></ul></ul>
  77. 79. Narrador/Locução <ul><li>O texto deve seguir a emoção das imagens. </li></ul><ul><li>Não deve ser muito comprido. </li></ul><ul><li>Nunca use o narrador para descrever imagens. A imagem e áudio devem ser complementares e não um explicativo do outro. </li></ul><ul><li>Se a imagem já é forte o suficiente evite a locução. </li></ul><ul><li>A locução serve para persuadir, emocionar e criar impacto. </li></ul>
  78. 80. Lettering <ul><li>É a Legenda </li></ul><ul><li>Ela complementa a história. </li></ul><ul><li>Dê preferência a letterings curtos. </li></ul><ul><li>Fazer um filme só com letterings pode ser bem interessante e barato para o cliente. </li></ul>
  79. 81. Passagem de tempo <ul><li>O tempo do real e o tempo dramático não são iguais </li></ul><ul><ul><li>Ex: Um jogo de futebol tem 90’ (tempo real), mas no roteiro só 30” (tempo dramático) </li></ul></ul><ul><ul><li>Há várias formas de mostrar a passagem do tempo: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Mostrar o relógio </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O placar </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O uniforme dos jogadores cada vez mais sujos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O apito do juiz </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A torcida invadindo, etc. </li></ul></ul></ul>
  80. 82. Passagem de tempo <ul><li>Cortes funcionam muito bem: </li></ul><ul><ul><li>Ex: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Um casal se beijando no carro </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Corta para eles fumando sob os leiçois na cama </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fica claro que o tempo passo. Como? Ai é coisa da sua imaginação. </li></ul></ul></ul>
  81. 83. Ruidos <ul><li>Ruidos Não são trilhas. São simplesmente os sons da cena </li></ul><ul><li>Você só deve indicar se for importante. </li></ul>
  82. 84. Trilha <ul><li>Se os olhos são as janelas da alma, os ouvidas são as portas que levam a ela. </li></ul><ul><li>A música chega fácil aos confins da consciência e inconsciência. </li></ul><ul><li>Traz a tona sentimentos e sensações. </li></ul><ul><li>Música é sinônimo de emoção. </li></ul>
  83. 85. Trilha <ul><li>Use o som como técnica persuasiva. </li></ul><ul><li>Procure o ritmo musical que melhor descreva a emoção que deseja passar. </li></ul><ul><ul><li>Emoção: Let it Be dos Beatles </li></ul></ul><ul><ul><li>Suspense: experiment usar só violinos </li></ul></ul><ul><ul><li>Agitação: use Prodigy </li></ul></ul><ul><ul><li>Nostalgia: Rolling Stones </li></ul></ul><ul><ul><li>Modernidade: Macy Gray </li></ul></ul><ul><ul><li>Brasilidade: Martinho da Vila </li></ul></ul>
  84. 86. Trilha <ul><li>Mas nem sempre a emoção da trilha precisa corresponder a emoção da imagem </li></ul><ul><li>Crie o inesperado . </li></ul><ul><ul><li>Uma mulher escolhendo uma jóia ao som de Pavilhão 9. </li></ul></ul><ul><ul><li>Uma perseguição ao som de uma Valsa. </li></ul></ul>
  85. 87. Trilha <ul><li>E quando deixar a trilha de lado. </li></ul><ul><ul><li>Quando a intensidade dram ática da cena ficar melhor sem ela. </li></ul></ul><ul><li>A trilha, deve ter uma razão para existir. </li></ul><ul><ul><li>Não deve ser colocada só porque fica bonitinho. </li></ul></ul>
  86. 88. Packshot <ul><li>É uma cena específica do produto.É o produto em close. </li></ul><ul><li>É um dos momentos mais importantes do roteiro, é a razão de existir o filme. </li></ul><ul><li>Dedique cerca de 3,5 segundos ao Packshot. </li></ul>
  87. 89. Assinatura <ul><li>Geralmente é o slogan. </li></ul><ul><li>Mas pode ser uma frase conceito. </li></ul><ul><li>Ou apenas o logotipo. </li></ul>
  88. 90. Assinatura <ul><li>Para assinar é aconselhável usar som e imagem juntos. </li></ul><ul><li>Assim você o atinge se ele estiver na frente da TV ou se ele levantou do sofá. </li></ul><ul><li>Se um dia existir TV com cheiro, use o cheiro também. </li></ul>
  89. 91. Tempo <ul><li>Usualmente filmes publicitário tem 5, 15, 30, 45 e 60 segundos. </li></ul><ul><li>Formato de 5” é muito difícil de contar uma história, geralmente se faz um teaser. </li></ul>
  90. 92. Tempo <ul><li>Ao escrever use o mínimo de palavras. </li></ul><ul><li>Use frases sintéticas com o máximo de informação. </li></ul>
  91. 93. Tempo <ul><li>Como escrever para 30” </li></ul><ul><ul><li>Dispare o cronometro e após 1 segundo começe a ler. </li></ul></ul><ul><ul><li>Não leia a cena, imagine-a </li></ul></ul><ul><ul><li>Leia os diálogos pausadamente e em voz alta. </li></ul></ul><ul><ul><li>Reserve cerca de 4 segundos para o Packshot. </li></ul></ul><ul><ul><li>Se ultrapassar os 30”, é melhor que fique mais curto do que comprido. </li></ul></ul><ul><ul><li>Se sobrar muito tempo, tente estender algumas cenas, acrescentar. </li></ul></ul><ul><ul><li>Se passar dos 30” veja se todas as cenas são necessárias. Sintetize alguns diálogos. Nunca diminua o tempo do packshot. </li></ul></ul><ul><ul><li>Bom sinal quando o roteiro cabe em uma página A4. </li></ul></ul><ul><ul><li>O ideal que é seu roteiro tenha 28” </li></ul></ul>
  92. 94. Analise seu Roteiro <ul><li>Perguntas que você deve fazer ao analisar seu roteiro. </li></ul><ul><ul><li>O roteiro atende aos objetivos do briefing? </li></ul></ul><ul><ul><li>É adequado aos valores do cliente? </li></ul></ul>
  93. 95. Analise seu Roteiro <ul><ul><li>O produto é apresentado de maneira sedutora? </li></ul></ul><ul><ul><li>Há identificação com o target? </li></ul></ul><ul><ul><li>Você deu uma razão para ele comprar? </li></ul></ul><ul><ul><li>Você convida o target a uma ação? </li></ul></ul>
  94. 96. Analise seu Roteiro <ul><ul><li>O target vai sentir vontade de usar o produto? </li></ul></ul><ul><ul><li>Prende a atenção nos 30”? </li></ul></ul><ul><ul><li>É fácil de ser memorizado pelo target? </li></ul></ul><ul><ul><li>A idéia é clara? </li></ul></ul>
  95. 97. Analise seu Roteiro <ul><ul><li>A idéia não é previsível? </li></ul></ul><ul><ul><li>Será que a idéia já não foi usada antes? </li></ul></ul><ul><ul><li>Você pensou ao contrário da solução de todo mundo? Saiu do trivial? </li></ul></ul><ul><ul><li>É criativo </li></ul></ul>
  96. 98. Analise seu Roteiro <ul><ul><li>A história não está confusa? </li></ul></ul><ul><ul><li>Há impacto? </li></ul></ul><ul><ul><li>As cenas estão claras? </li></ul></ul><ul><ul><li>Todas as cenas são necessárias? </li></ul></ul><ul><ul><li>Não há falação demais? </li></ul></ul>
  97. 99. Analise seu Roteiro <ul><ul><li>Há informação suficiente? </li></ul></ul><ul><ul><li>Há informação de mais? </li></ul></ul><ul><ul><li>Não é apelativo? </li></ul></ul><ul><ul><li>Cabe nos 15”, 30”, 45” ou 60”? </li></ul></ul><ul><ul><li>A trilha é adequada à emoção? </li></ul></ul>
  98. 100. Analise seu Roteiro <ul><ul><li>Há harmonia </li></ul></ul><ul><ul><li>Há conclusão? </li></ul></ul><ul><ul><li>O packshot aparece de maneira marcante? </li></ul></ul><ul><ul><li>Ela vai se destacar dos outros comerciais do break? </li></ul></ul><ul><ul><li>Você deixará de ir ao banheiro para ver o filme? </li></ul></ul>
  99. 101. Apresentação <ul><ul><li>Ao apresentar ao cliente, conte a história de maneira dramática. </li></ul></ul><ul><ul><li>Não tenha medo do ridículo </li></ul></ul><ul><ul><li>Mostre que você está convicto que a idéia é ótima. </li></ul></ul><ul><ul><li>Não despreze uma ótima idéia do cliente. </li></ul></ul><ul><ul><li>Acompanhe e oriente a equipe de filmagem, muitos roteiros maravilhosos viram péssimos filmes. </li></ul></ul>
  100. 102. Conclusão <ul><ul><li>O que faz um roteiro brilhante não é o processo de elaboração. É a idéia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Inventar é romper com as regras. </li></ul></ul><ul><ul><li>Como artista você deve criar </li></ul></ul><ul><ul><li>Como profissional você deve manter os pés no chão. </li></ul></ul>

×