Governança da Internet e desafios para a integração digital - Diego R. Canabarro

174 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada durante o Painel "25 anos de Mercosul: implicações para além da economia”

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
174
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Governança da Internet e desafios para a integração digital - Diego R. Canabarro

  1. 1. Governança da Internet e desafios para a integração digital Panorama Internacional FEE Dez/2015 Diego R. Canabarro NIC.BR/CGI.br || CEGOV/UFRGS diego.canabarro [at] nic.br http://lattes.cnpq.br/4980585945314597 Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
  2. 2. Plano 1) Introdução 2) Governança da Internet como questão fundamental de uma era digital 3) Integração digital como parte inalienável da integração regional 4) Intersecçãoentreasagendasdaintegraçãodigitaleda governançadaInternet
  3. 3. Governança da Internet Coordenação centralizada dos recursos críticos para que a Internet funcione como um espaço unificado. ● Curadoria de parâmetros de protocolos, que etiquetam e organizam a base de dados unificada partilhada pelas comunidades técnicas no desenvolvimento e operação da rede. ● A coordenação dos recursos de endereçamento (endereços IP e nomes de domínio). ● Tarefas relacionadas à administração da zona-raiz do sistema de nomes de domínio. ● A.K.A.: Funções IANA. Elementos de políticas públicas em um ecossistema complexo decorrente do espalhamento das tecnologias da Internet nas sociedades contemporâneas, decorrentes da relação circular entre variáveis sociais e tecnológicas. ● Inclusão e capacitação digital. ● Desenvolvimento de infraestrutura e capacidades. ● Regulamentação das telecomunicações e acesso. ● Privacidade e liberade de expressão. ● Responsanbilidade civil e criminal de usuários e provedores de serviços. ● Direitos de propriedade intelectual. ● Crime cibernético, segurança pública e segurança nacional. ● … Concepção restrita Concepção ampliada
  4. 4. O fator Snowden ● As revelações de Snowden e o desenvolvimento assimétrico de uma “Era Digital”. – Preponderância dos EUA na economia política global da Internet. – Relação indireta com a proeminência dos EUA sobre a raiz da Internet. Reforço de contestação e novas articulações para a democratização da governança da Internet em sentido estrito. ● Resultados: – Realização do Encontro Multissetorial NETmundial sobre o Futuro da Governança Global da Internet → contestação ampla. – EUA anuncia intenção de deixar seu papel de supervisão do funcionamento da raiz da Internet → resposta benigna ou movimento para definir/controlar agenda política(?) – Coincidência com o processo de revisão WSIS +10 no fim de 2015. CANABARRO, D. R. ; BORNE, T. The Brazilian Reactions to the Snowden Affairs: Implications for the Study of International Relations in an Interconnected World. Conjuntura Austral, v. 6, p. 50-74, 2015.
  5. 5. AAgendaDigitalparaaEuropae oMercadoÚnicoDigital AestratégiaeLAC OMercosulDigital OAnelÓpticodoConeSul (UNASUL) ● Melhorianaqualidadeenacapacidade datransmissãodedados. ● Inclusãoecapacitaçãodigital. ● Livrecirculaçãodebenseserviços digitais. ● Interoperabilidadeepadronizaçãode serviçosetecnologiasnossetores privadoepúblico. ● Governoegovernançadigital. ● Segurançaeconfiabilidade. ● FomentoP&Deinovação. ● Soberaniatecnológica INTEGRAÇÃODIGITALCOMOPARTEINALIENÁVELDA INTEGRAÇÃOREGIONAL
  6. 6. [OANELÓPTICODOCONESUL]“Éumprojetodeintegraçãodasredes ópticasdospaísesdaAméricadoSul.Seuobjetivoégarantirumtráfegomais eficiente,maisseguroemenoscustosoparaospaísessul-americanos. Atualmente,ocaminhopercorridopelosdadosnumasimplesconexãoàinternet éextensoecaro:seuminternautadoBrasilacessaumsitedoChile,por exemplo,aconexãosegueatéumservidornosEstadosUnidos,viacabos submarinos,para,então,voltaraoChile.Comoanelóticointerligandoospaíses sul-americanos,otráfegocircularádiretamenteentreasredeslocais.Aestratégia regionaltambémprevêaatraçãodeservidoresedatacentersparaainstalação demaisconteúdosnaAméricadoSul.” MinistériodasComunicações http://bit.ly/1TjN6al
  7. 7. “Ummercadocomumpressupõealivrecirculaçãonãosódebense serviços,mastambémdefatoresdeprodução(capitaleforçadetrabalho) (…). Aquestãoécomotornaressarealidadepossível,tendoemvistaa diversidadededocumentos(físicos,eletrônicosedigitais)queseinterpõem aosprocessosdeanáliseeliberaçãodeimportações,exportaçõese migrações.Alémdasinúmerasetapasburocráticas,acomunicaçãoentre osórgãospúblicoseprivadosresultadificultosaemvirtudedadiversidade deformatostecnológicos,semânticoseorganizacionaisquesustentamos sistemasdeinformaçãodaspartesenvolvidas. Aconvençãodemodelose padrõestecnológicoscomunsimpõe-secomoumdesafioàinterconexãoe àinteroperabilidadedessessistemas[deinformaçãogovernamental]e,por conseguinte,àcirculaçãofluida,eficienteeseguraentreospaísesdo bloco.” Possamai,A.J. “Integraçãodigital:adimensãotecnológicadoMercosul”
  8. 8. 50,5%dapopulaçãousa aInternet AcessoàInternetnos domicíliosé determinadapor disponibilidadede infraestruturaeoutras variáveiseconômicas, sociaisedemográficas ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC CEPAL (2015). The new digital revolution: from the consumer Internet to the industrial Internet. Disponível em: http://bit.ly/1LJMa9c.
  9. 9. AvelocidademédiadedownloadnospaísesdaAméricaLatinaéde 7,3Mbps.Emeconomiasavançadas(OCDE),éde32,2Mbps. ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC CEPAL (2015). The new digital revolution: from the consumer Internet to the industrial Internet. Disponível em: http://bit.ly/1LJMa9c.
  10. 10. Bandalargamóvelémais presentequebandalargafixa ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC CEPAL (2015). The new digital revolution: from the consumer Internet to the industrial Internet. Disponível em: http://bit.ly/1LJMa9c.
  11. 11. Redessociaissãoasaplicações maispopularesnaregiãoLAC ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC CEPAL (2015). The new digital revolution: from the consumer Internet to the industrial Internet. Disponível em: http://bit.ly/1LJMa9c.
  12. 12. Ocomércioeletrônicorepresentaapenasumaínfimafraçãodo comérciovarejistanaregião ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC CEPAL (2015). The new digital revolution: from the consumer Internet to the industrial Internet. Disponível em: http://bit.ly/1LJMa9c.
  13. 13. Somenteumaempresada regiãoLAC(B2W–Brasil) figuraentreas20maiores empresasdecomércio eletrônicodomundo ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC CEPAL (2015). The new digital revolution: from the consumer Internet to the industrial Internet. Disponível em: http://bit.ly/1LJMa9c.
  14. 14. Asprincipaisempresasde comércioeletrôniconaregião sãolocais ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC CEPAL (2015). The new digital revolution: from the consumer Internet to the industrial Internet. Disponível em: http://bit.ly/1LJMa9c.
  15. 15. PoucospaísesexportambensdeTIC.Méxicoéoúnicopaísda regiãoLACquefiguraentreostop10. ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC CEPAL (2015). The new digital revolution: from the consumer Internet to the industrial Internet. Disponível em: http://bit.ly/1LJMa9c.
  16. 16. OspaísesdaregiãoLACtiveramummelhordesempenhonoíndicedee- participação(8/50)quenoíndicedee-governo(4/50)daONUem2014 ONU (2014). UN E-Government Survey 2014. Disponível em: http://bit.ly/1qubMiS ALGUNSDADOSSOBREAREGIÃOLAC
  17. 17. INTEGRAÇÃODIGITAL:desafioseoportunidadesnoâmbitoda governançadaInternet Desenvolvimentodecapacidades IPvsPI Segurançacibernética DireitosHumanos Ainclusãodospróximosbilhões
  18. 18. NãosetrataapenasdeentenderdequeformaasTICafetamprocessos decooperaçãoeintegraçãoregional.Mas,também,deadequarasmetas eosprocessosdeintegraçãodemodoaafetaragovernançaea configuraçãodoecossistemadigital(tantoemtermostecnológicos,quanto emtermosinstitucionais).
  19. 19. Obrigado! :) @diegorrcc diegocanabarro[at]nic.br

×