Case de Inteligência 2.0 Crescendo - Banco do Brasil SCIP Latam Summit 2011

758 visualizações

Publicada em

Apresentação Fred Donier -Crescendo 04.10.2011 SCIP

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
758
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Case de Inteligência 2.0 Crescendo - Banco do Brasil SCIP Latam Summit 2011

  1. 1. 2011 SCIP LATIN AMERICA SUMMIT INTELIGÊNCIA 2.0 Fred Donier Sócio-Diretor Crescendo Consultoria / Membro da diretoria SCIP Brasil Professor de MBA – FIA / FIPE Conselheiro da Câmara de Comércio França-Brasil de São Paulo São Paulo, 4 de Outubro de 2011Fred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 1
  2. 2. Sumário • Contexto conceitual da Inteligência 2.0 • A importância do change management neste novo contexto • Case Banco do Brasil • Conclusões e ensinamentos extraídosFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 2
  3. 3. A disseminação dos modelos de gestão 2.0 cria uma ruptura em relação ao modelo 1.0 concebido por Taylor e Fayol 100 anos atrásORIENTAÇÃO ‘COMANDO E CONTROLE’ ORIENTAÇÃO ‘CONEXÃO E COLABORAÇÃO’ (BUROCRACIA TRADICIONAL) (A ORGANIZAÇÃO ANTENADA E ENERGIZADA) • Vantagens competitivas menos sustentáveis • ‘Peopleware’ como fator de competitividade • Emergência gerações Y, Z + novos fatores motivacionais • Web 2.0 • Coletivismo vs individualismo PROPÓSITO: PROPÓSITO: SEGURANÇA ATRAVES DA ESTABILIDADE SEGURANÇA ATRAVES DA MUDANÇA PELOS VALORES COORDENAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO METODÓLGICAS FORMALIZAÇÃO CAPACIDADES VALORIZAÇÃO AUTONOMIA REGULÇÃO PILARESFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 3
  4. 4. Neste contexto, a disciplina da inteligência vem evoluindo de forma relevante Antes Hoje • Coleta de informações orientada por perguntas • Um processo de monitoramento do ambiente muito precisas pelo comando da organização: próximo do campo e dos fatos – Abordagem Top Down (serviços secretos) – Abordagem Bottom-up torna-se mais – Processo centralizado pertinentes – Processo descentralizado / trabalho em rede • Uma separação rígida dos papeis de cada um • Compartilhamento maior dos papeis dentro da dentro de uma visão securitária: organização – Coletores de informação Vs. Analistas – Quem coleta, participa da análise – Todos os colaboradores tornam-se atores do processo estratégico da organização • Culturas de management autocráticas (teoria X) • Culturas de management orientadas para o “sensemaking” (teoria Y) Uma inteligência individualizada Uma inteligência coletiva e fragmentada e sistêmicaFonte: Steven Dedijer / Harold Wilensky / P. Baumard / adaptação Crescendo Fred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 4
  5. 5. O desafio da inteligência 2.0: fazer da inteligência um verdadeiro processo decisório e de aprendizagem para agregar valor tangível a organização Dados Informações Conhe- cimento Plano de Inteli- 4. Inter- Inteligência 2. Coletar 3. Filtrar gência pretar 5. Comunicar / 5. Comunicar / 1. Planejar Memorizar SUB-PROCESSO – CRIAÇÃO DA INTELIGÊNCIA Tradicional ciclo de inteligência : SUB-PROCESSO – UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIAOnde estão as suas limitações no contexto 2.0? 7. Agir e Legenda: 6. Aplicar Aprender Etapa do processo Resultados e Decisões Produtos aprendizado estratégicas por etapa Fred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 5
  6. 6. Tendência chave da inteligência 2.0: A implementação de redes humanas de Inteligência ColetivaPrimeiro Nível DIRETORIA = Comitê Piloto de Inteligência Piloto Célula A Célula C Monitores Segundo Nível Monitores Pilotos Rede de Contribuidores Rede de Contribuidores Convidados ad-hoc Piloto Piloto Porque as redes humanas são uma resposta diferenciada? (especialmente em época de crise • Baixo custo Célula D Célula B • Mobilização das pessoas ao redor de um objetivo Monitors Monitores comum • Flexibilidade, simplicidade e agilidade . . . desde que implementadas com rigor metodológico ! Fred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 6
  7. 7. Sumário • Contexto conceitual da Inteligência 2.0 • A importância do change management neste novo contexto • Case Banco do Brasil • Conclusões e ensinamentos extraídosFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 7
  8. 8. Porque abordar Inteligência e Gestão da Mudança? Inteligência através das Inteligência através pessoas dos sinais PAPEL CRESCENTE DA ATUAÇÃO EM INTELIGÊNCIA Humint: “abbreviation of the words HUMan Sigint: “Signals intelligence is intelligence INTelligence, refers to intelligence gathering gathering by interception of signals, whether by means of interpersonal contact, as between people (i.e., COMINT or opposed to the more technical intelligence communications intelligence) or between machines (i.e., ELINT or electronic intelligence), or mixtures of the two. *Fred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 8
  9. 9. Gestão da Mudança é uma disciplina com embasamento teórico amplo e abordada por dezenas de autores desde 1947• Uma definição: A abordagem e aplicação sistemática de conhecimento, ferramentas e recursos para lidar com a mudança. Gestão da Mudança significa definir e adotar estratégias corporativas, estruturas, procedimentos e tecnologias para lidar com mudanças nas condições externas e no ambiente de negócio. SHRM Glossary of Human Resources Terms, www.shrm.org. Alguns autores de referência em gestão da mudança Kurt Lewin Ikujiro Nonaka/ Hirotaka Takeuchi Edgard Schein John Kotter Jean Christian Fauvet Julia Balogun Henry Mintzberg Gerry Jonhson / Kevan Scholes Andrew Van de Vem Karl Weick Rosabelth Moss Kanter Vincent Lenhart Norbert Alter Manfred Kets de Vries Richard Beckhard Chris Argyris Gregory Bateson / Paul Watzlawick David Nadler James March Michael Beer / Nitin Nohria Renaud Sainsaulieu Taibi Kahler Elisabeth Kübler - Ross Scott PeckFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 9
  10. 10. Gerenciar mudanças é também uma prática para o dia a dia: Exemplo de abordagem Como criar e sustentar a melhoria em 8 etapas segundo John Kotter1. Estabelecer o senso de urgência “Porque é vital que mudemos já!"2. Criar uma poderosa coalização guiadora “Qual o nosso compromisso coletivo rumo a excelência?”3. Criar uma visão compartilhada “Qual a nossa ambição comum?"4. Comunicar amplamente a visão “A mudança proposta vale a pena!"5. Prover “empowerment” para agir sobre a visão “Vamos remover os obstáculos à nova visão!"6. Planejar e gerar “quick wins” “O benefício da exemplaridade"7. Consolidar ganhos e promover mais mudança “Olhe para o nosso progresso!"8. Ancorar a nova abordagem na cultura “Vamos alem!" (*) John P Kotter, Leading Change (Harvard Business School,1996)Fred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 10
  11. 11. As funções do Change Management no contexto da Inteligência 2.0 : 1. levar os atores do processo de Inteligência a serem mais colaborativos e sinérgicosNível de Confiança Organizacional Sinergia 4. PERFORMING Área de trabalhoColaboração 3.NORMING da Inteligência Coletiva / 2.0Desconfiança 2. STORMING Área de trabalho típica da inteligência 1.0 Confiança 1. FORMING desconhe- Estágio de gestão cida do conhecimento Conhecimento Conhecimento Conhecimento Conhecimento escondido Disputado Compartilhado CriadoFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Fonte: Modelo de Tuckman Página 11
  12. 12. As funções do Change Management no contexto da Inteligência 2.0 : 2. mobilizar simultaneamente Soft skills e Hard skills para maximizar a eficiência e eficácia dos processos de inteligência nas organizações Atividades de Team-building facilitadas pela Crescendo para desenvolver a coesão dentro das células de ICFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 12
  13. 13. As funções do Change Management no contexto da Inteligência 2.0 : 3. fazer da inteligência um processo transversal, senão... enfrentará enormes resistências se for apenas uma iniciativa departamental Estruturação de uma Área de Inteligência: perspectivas relevantes Estrutura Organizacional Change Management / Produtos de Desafios Culturais Inteligência Estruturação Inteligência Estratégica Networking / Coaching Plano de Marketing de rede de inteligência IndicadoresFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 13
  14. 14. Algumas práticas inspiradas de Change Manangement em prol da Inteligência 2.0 CaseFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 14
  15. 15. Sumário • Contexto conceitual da Inteligência 2.0 • A importância do change management neste novo contexto • Case Banco do Brasil • Conclusões e ensinamentos extraídosFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 15
  16. 16. Conceito de Formação – Ação : Um processo em 5 etapas baseado nos princípios da andragogia1. Treinamento 2. Plano de desdobramento 3. Acompanhamento / 5. Avaliação final... e conceitual e lúdico para aplicar concreta- coaching dos comemoração da orientado para ação mente os conceitos multiplicadores pelos nova bagagem (workshop instrutores adquirida e dos multiplicadores) resultados concretos 4. Iterações das etapas 2 e 3 conforme necessidades individuaisFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 16
  17. 17. A abordagem utilizada no BB se deu em 4 etapas através de 3 componentes chaveETAPAS 1. Treinamento 2. Coaching 3. Balanço e 4. Generaliza- dos Multi- dos Multi- recomen- ção e conso- plicadores plicadores dações lidação do Programa Aplicar treinamento e Acompanhar multipli- Realizar balanço com Ampliar a utilização do jogoOBJETIVOS preparar cadores na aplicação da 1ª participantes do 1º lúdico em toda a multiplicadores onda do treinamento treinamento organizaçãoOUTPUT Multiplicadores prontos 1ª sessão de multiplicação Plano de manutenção Organização globalmente para replicar o jogo realizada sensibilizada lúdico Relatório de sugestões ao multiplicador 2. Treinamento para a multiplicação das sessões de 3. Coachings dos sensibilização multiplicadores na aplicação3 COMPONENTES do jogo lúdico CHAVE 1. Sessão de sensibilização dos multiplicadores (Jogo lúdico / Gestão de rituais)Fred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 17
  18. 18. Objetivos do jogo lúdico aplicado para o treinamento da rede de correspondentes de inteligência do BB• O jogo cenariza uma situação competitiva vitual com 3 empresas concorrentes que atuam no ramo de educação corporativa• O foco está no tratamento dos sinais fracos• O jogo lúdico aplicado permite passar de forma prática em algumas horas pelas seguintes atividades : – Identificar os KITs (Key Intelligence Topics) – Coletar sinais fracos a partir de várias fontes externas de informação • Cada participante tem um tempo limitado para conversar, observar e fazer perguntas junto aos seus interlocutores externos – Filtrar e orientar as pesquisas através de um trabalho em grupo – Tratar e organizar as informações – Mapear e validar um cenário competitivo – Propor e validar em grupo as ações estratégicas a serem feitas – Compartilhar o case e as ações estratégicas sugeridas em plenáriaFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 18
  19. 19. Last but not least: os feedbacks dos multiplicadores do BB em relação ao treinamento recebido • Resultados: No total 130 colaboradores do BB foram sensibilizados e treinados em duas sessões Boa preparação prévia das sessões de multiplicação pelos multiplicadores (organização das turmas; planejamento da sessão...) Todos os participantes mostraram um grande interesse e um real engajamento durante a atividade prática Riqueza e diversidades das situações vivenciadas pelos diversos sub-grupos A maioria dos multiplicadores considerou como viável a alavancagem da rede de IC do BB para tratar os sinais fracos na vida real O treinamento despertou nos participantes uma vontade de aprofundar o trabalho em rede de IC • Pontos de aprendizado: Importância da adequação do local de treinamento (lay-out, infra-estrutura) Importância do manual detalhado de multiplicação* Avaliação realizada a partir das fichas preenchidas pelos multiplicadores – novembro de 2009 para prover segurança aos multiplicadores Fred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 19
  20. 20. Sumário • Contexto conceitual da Inteligência 2.0 • A importância do change management neste novo contexto • Case Banco do Brasil • Conclusões e ensinamentos extraídosFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 20
  21. 21. As evoluções relevantes rumo a inteligência 2.0 INTELIGÊNCIA 1.0 INTELIGÊNCIA 2.0 Dados brutos, de reduzido valor agregado, Conhecimento e insight gerados para responder aos com base em inteligência individual Kits, com base em inteligência coletiva Inteligência movida por 1 Dpto, 1 pessoa ou Inteligência transversal incentivada pela liderança da uma quantidade limitada de pessoas empresa e suportada por uma rede multi-funcional Proliferação de usuários com foco tático Usuários chave participam das decisões estratégicas => inteligência estratégica Disseminação sob demanda do usuário final Disseminação baseada em perfis pré-definidos => lógica Pull => lógica Push Perfis analistas IC: operadores de banco de Perfis analistas IC: analistas de negócios, gestores, dados, bibliotecários, experts em TI, data coaches, agentes de mudança, experts em crunchers,.... inteligência Confiabilidade desconhecida do processo Confiabilidade explícita e mensurada do processo 70% Sigint x 30% Humint 30% Sigint x 70% HumintFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 21
  22. 22. E-mail: fred@crescendo-consult.com.brFred Donier – Inteligência 2.0 – SCIP Latin America Summit – 04.10.11 Página 22

×