Sistema sensorial

976 visualizações

Publicada em

Slide sobre o sistema Sensorial (Olhos e Língua)

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
976
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Caroline Adimarães
  • Roberta Souza
  • Íris Layline
  • Caroline Santana
  • Sistema sensorial

    1. 1. SISTEMA SENSORIAL Colégio Polivalente Edivaldo Boaventura Alunos: Caroline Adimarães, Caroline Nascimento, Fausto Barros, Íris Layline, João Pedro Lopes, Roberta Souza, Visley Oliveira. Disciplina: Anatomia e Fisiologia Humana Professora: Mara Junia Série: 1º Enfermagem A
    2. 2. Introdução  O Sistema Sensorial é constituído pelos olhos, que permitem a visão; língua, que sente o paladar; nariz, que possibilita o olfato; orelha, que conduz a audição e pele, que percebe o estímulo pelo tato. Esses órgãos são denominados “Órgãos do Sentido” e são especializados em perceber determinados estímulos externos, repassando a informação à respectiva área cerebral
    3. 3. Visão
    4. 4. Os Olhos  Os olhos são acondicionados dentro de duas cavidades ósseas da face: as órbitas oculares. Possuem dois globos oculares que, por sua vez, são constituídos por três distintas membranas denominadas esclerótica, coróide e retina.  Na parte anterior do globo ocular, a membrana esclerótica, que o reveste externamente, forma uma camada transparente chamada córnea.
    5. 5. Parte Interna  No interior do globo ocular existe uma substância que ocupa sua maior parte, chamada humor vítreo, de consistência gelatinosa e transparente, situada atrás do cristalino. O cristalino qual atua como uma lente, regulando a imagem com nitidez. Ele modifica-se pela ação dos músculos ciliares, comandados pelo sistema nervoso autônomo. Entre o cristalino e a córnea há uma substância líquida e transparente denominada humor aquoso.
    6. 6. A Íris e A Pupila  Na parte anterior do olho, a coróide forma um disco cuja cor é variável para cada pessoa, denominada íris. Em seu centro existe um orifício cujo tamanho altera-se de acordo com a quantidade de luz que sobre ele incide, a pupila. Dilatação da Pupila
    7. 7. Proteção dos Olhos  Na parte anterior dos olhos encontram-se as pálpebras superiores, as inferiores e os cílios, que também atuam como protetores da visão, impedindo a entrada de corpos estranhos.  No canto interno da pálpebra são encontrados dois pequenos orifícios denominados ponto lacrimal superior e inferior. É por eles que escoam as lágrimas, seja por reação física ou emocional. A sobrancelha também é considerada fator de proteção, por dificultar a passagem do suor da testa para os olhos.
    8. 8. Mecanismo da Visão  Os raios de luz refletidos do objeto entram nos nossos olhos, atravessam as estruturas oculares - a córnea, a pupila, os humores, o cristalino – e chegam ao fundo do olho, até a retina, onde existem células sensíveis a luz.  A imagem transformada em impulsos nervosos, é enviada através do nervo óptico ao cérebro. No cérebro as informações (cor, forma, tamanho e posição) são “interpretadas” fazendo com que a imagem do objeto em foco seja vista na posição correta.
    9. 9. Problemas de Visão  Sempre que as imagens se formam corretamente na mancha amarela, a visão é nítida, e o olho é considerado emetrope ou normal. Quando isso não ocorre, dizemos que há defeito de visão. Dentre esses defeitos destacam-se a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo, o estrabismo e a presbiopia. Outros problemas de visão são o daltonismo, a catarata e a conjuntivite.
    10. 10. Miopia Na miopia a formação da imagem ocorre antes da retina, porque o olho é anormalmente longo, os míopes enxergam mal de longe. Corrige-se esse defeito com o uso de lentes divergentes. Atualmente, já há tratamento cirúrgico
    11. 11. Hipermetropia Na hipermetropia a formação da imagem ocorre, teoricamente, atrás da retina, porque o olho é curto demais. Os hipermétropes enxergam mal de perto. O defeito é corrigido com lentes convergentes.
    12. 12. Astigmatismo O astigmatismo consi ste em defeito na curvatura da córnea e mais raramente, do cristalino. Em consequência, o olho não é capaz de distinguir, ao mesmo tempo, com a mesma nitidez, linhas verticais e horizontais. Essa anomalia pode se somar à miopia ou à hipermetropia.
    13. 13. Estrabismo O estrabismo é um defeito que se manifesta quando os olhos se movimentam em direções diferentes e não conseguem focalizar juntos o mesmo objeto. Ele pode ser causado por diferenças acentuadas nos graus de miopia ou hipermetropia dos dois olhos, por desenvolvimento insuficiente ou desigual
    14. 14. Presbiopia A presbiopia ou vista cansada é comum nas pessoas após os 45 anos. Esse defeito é devido à impossibilidade de o cristalino se acomodar para visão de objetos próximos. Por isso, as pessoas idosas enxergam muito mal de perto. Essa deficiência pode ser corrigida com lentes convergentes.
    15. 15. Daltonismo O daltonismo é uma deficiência da visão das cores. Consiste na cegueira para algumas cores, principalmente para o vermelho e para o verde. Os daltônicos veem o mundo em tonalidades de amarelo, cinza-azulado e azul.
    16. 16. Catarata A catarata, como já mencionado anteriormente, é a deficiência da passagem da luz através do olho, devido à opacidade do cristalino.
    17. 17. Conjuntivite A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva. Ela ocorre quando corpos estranhos, como ciscos, entram nos olhos. O movimento das pálpebras e as lágrimas conduzem o cisco para o canto do olho. Daí ele pode ser facilmente retirado. Quando isso não acontece, só o médico deve remove-lo. A conjuntivite também pode
    18. 18. Glaucoma Glaucoma é o conjunto de enfermidades que têm em comum o aumento da pressão ocular, a perda do campo visual e a atrofia do nervo óptico. A forma mais comum de glaucoma é conhecida como glaucoma primário de ângulo aberto. Nesta condição, o nervo óptico é danificado lentamente e o paciente perde a visão de forma gradual. Juntamente com a catarata, é uma das razões mais comuns
    19. 19. Pterígio Pterígio é o crescimento anormal da conjuntiva, que invade a córnea.
    20. 20. Terçol Uma infecção muito comum das pálpebras é o terçol, provocado por bactérias que aí se alojam. Caracteriza-se por inchaço e vermelhidão da área infectada e acaba espontaneamente.
    21. 21. Avitaminose A Isto é, a falta de vitamina A no organismo, prejudica a recepção dos estímulos luminosos pelos sensores oculares. Essa deficiência vitamínica pode levar à cegueira noturna e à xeroftalmia (secura da córnea, que também pode levar a perda de visão).
    22. 22. Tracoma É uma inflamação que afeta a córnea e a conjuntiva. Essa doença é causada por vírus. O tracoma é uma doença contagiosa que se propaga de modo semelhante da conjuntivite, por meio das mãos e de objetos contaminados. Os sintomas são fotofobia (grande sensibilidade à luz), dor e
    23. 23. Ceratocone Ceratocone é uma desordem ocular não inflamatória, que afeta a forma da córnea, provocando a percepção de imagens distorcidas. Caracteriza-se por um afinamento progressivo da porção central da córnea, levando à redução da acuidade visual, a qual pode ser moderada ou severa, dependendo da quantidade do tecido corneano afetado. O principal defeito que causa o ceratocone é justamente um adelgaçamento da córnea na sua porção mais central (o eixo visual), que causa um defeito em sua forma (o cone), causando distorções (astigmatismo) na imagem percebida pela parte sensitiva do olho – a retina.
    24. 24. Paladar
    25. 25. A Língua  A língua é formada por uma massa de tecido muscular estriado, recoberta por uma mucosa. Possui forma achatada e ligeiramente cônica. É composta por duas partes:  A superior ou dorsal, onde localizam-se as papilas linguais ou gustativas, cujas terminações nervosas transmitem a sensação do gosto – processo em que a saliva representa importante função, haja vista que sua viscosidade favorece a captação dos estímulos;  A inferior ou ventral, que pode ser vista quando se eleva a ponta da língua em direção ao palato (céu da boca).
    26. 26. Sentindo os Gostos...  Partículas se desprendem do alimento e se dissolvem na nossa boca, onde a informação é transformada para ser conduzida até o cérebro, que vai decodificá- la. Os seres humanos distinguem as sensações de doce, salgado, azedo e amargo através das papilas gustativas, situadas nas diferentes regiões da língua.
    27. 27. Referencial Bibliográfico  http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Corpo/se ntido5.php  http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Corpo/se ntido2.php  http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Corpo/se ntido3.php  http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Corpo/se ntido.php  http://www.afh.bio.br/sentidos/Sentidos2.asp  http://www.brasilescola.com/oscincosentidos/visa o.htm

    ×