Meningite

3.325 visualizações

Publicada em

Meningite Geral

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.325
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
292
Comentários
1
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Meningite

  1. 1. Colégio Polivalente Edivaldo Boaventura Disciplina: Saúde Coletiva Docente: Luanna Rodrigues Série: 2º Enfermagem A Discentes: Caroline Adimarães, Caroline Santana, Fausto Barros, Íris Layline, João Pedro e Roberta Souza
  2. 2.  Meningite (MGT) é uma doença atinge o sistema nervoso central, caracterizada por um processo inflamatório que atinge a membrana (meninges) que envolve o cérebro e a medula espinhal das pessoas.  Mais frequentemente ocasionada por vírus ou bactéria, podendo ser causado também por outros seres patológicos como fungos e parasitos (protozoários).
  3. 3.  Apesar de ser habitualmente causada por germes infecciosos, a meningite também pode ter origem em processos inflamatórios, como câncer com metástases para as meninges, lúpus, reação a algumas drogas, traumatismo craniano e cirurgias cerebrais.
  4. 4.  Meningite Meningocócia (Bacteriana):  Os primeiros casos de meningite meningoccócica registrados no Brasil datam de 1906. O período entre os anos de 1972-1974 foi marcado pela ocorrência, em São Paulo, da maior epidemia de meningite meningocócica de que se tem notícia no mundo.  Nas décadas de 70 e 80 ocorreram epidemias em várias cidades do País devido aos sorogrupos A e C e, posteriormente, ao B. Naquela ocasião foi realizada uma campanha de vacinação nacional, na qual foi utilizada a vacina antimeningoccócica AC.  Após este período, o sorogrupo A deixou de circular no país e os sorogrupos B e C passaram a ser predominantes.
  5. 5.  Em 2012 foram 1.481 casos de todos os tipos da doença, com 96 mortes. Já em 2013, foram definidos cerca de 76 mortes por causa da meningite. Neste ano, até o dia 8 de janeiro foram verificados dois casos na cidade Nova Soure e Pojuca, nenhum em Salvador.  A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações da Sesab, Fátima Guirra afirmou que no caso da meningocócica C foram 131 casos, em 2012, com 33 mortes e 93 em 2013, com 25 mortes. Fonte: Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab)
  6. 6. Meningite na Bahia no ano de 2013 (314 casos) Meningite na Bahia no ano de 2014* (134 casos) Bacteriana (102 casos – 32%) Viral (168 casos – 54%) Não especificadas ( 40 casos – 13 %) Outras etiologias ( 4 casos – 1 %) Bacteriana (42 casos – 31%) Viral (78 casos – 58%) Não especificadas (14 casos – 10%) Outras etiologias ( nenhum caso) * Dados até a 15ª Semana Epidemiológica.Fonte: SINANNET/DIVEP/SESAB
  7. 7. Ano de 2014*
  8. 8.  A meninge é uma membrana que envolve o cérebro e a medula, que serve como barreira contra agentes infecciosos e células neoplásicas compostas por 3 camadas: Pia Mater, Aracnóide, Dura Mater. No espaço entre a aracnoide e a pia-máter circula o líquido cefalorraquidiano (LCR) ou líquor.
  9. 9. Meninges Cérebro
  10. 10.  Meningite causada por Vírus: Vírus da Caxumba e do Sarampo  Meningite causada por Fungos: Criptococo
  11. 11.  Meningite causada por Parasitos: Parasita do Caracol Africano e Tênia Solium  Meningite causada por Bactérias: Streptococcys pneumoniae (pneumococos), Haemophilus influenzae (hemófilos) ou Neisseria meningitidis (meningococos).
  12. 12.  A meningite é transmitida quando pequenas gotas de saliva da pessoa infectada entram em contato com a corrente sanguínea por meio das mucosas do nariz ou da boca de um indivíduo saudável, e a partir daí o SNC (Sistema Nervoso Central).  Outro modo de transmissão é a partir de sinusites, infecções de ouvido atingindo o sistema nervoso central próximo aos focos.  Depois que os agentes etiológicos, geralmente os vírus e as bactérias, atingem o sistema nervoso central, é mais difícil para o nosso corpo eliminá-las porque a chegada dos anticorpos nas meninges é mais difícil do que em outros locais do corpo.  Nas meninges, eles causam uma inflamação que leva ao inchaço (edema) do cérebro.
  13. 13.  Idade;  Viver em grandes centros urbanos e frequentar ambientes fechados e cheios de pessoas;  Gravidez;  Sistema imunológico comprometido.
  14. 14.  Febre acima de 38º C;  Mal-estar e Vômito;  Dor de cabeça e no pescoço intensa;  Rigidez muscular no pescoço (meningismo);  Manchas roxas (púrpura) na pele;  Erupções, pontos vermelhos (petéquias);  Cansaço e apatia;  Inapetência e Alto Grau de Irritabilidade;  Sensibilidade à luz (fotofobia) ou ao som;  Confusão mental.
  15. 15.  Bebês recém-nascidos portadores de meningite também podem apresentar febre, dor de cabeça, vômitos, confusão, rigidez corporal, moleira tensa ou elevada e inquietação.  Às vezes, apenas irritabilidade em crianças ou choro fácil, diferente do normal, pode ser um indício de uma meningite.
  16. 16.  O diagnóstico baseia-se na avaliação clínica do paciente e no exame do líquor (ou líquido cefalorraquidiano), líquido que envolve o sistema nervoso, para identificar o tipo do agente infeccioso envolvido.  Outros exames podem auxiliar no diagnóstico, como um hemograma que apresenta aumento do número de neutrófilos.  Se o caso for de Meningite Bacteriana, podem ser colhidas amostras de sangue que são cultivadas para identificar o tipo de bactéria que causou a doença (hemoculturas).
  17. 17.  Se houver suspeita de meningite bacteriana, é fundamental introduzir os medicamentos adequados, antes mesmo de saírem os resultados do exame laboratorial.  O risco de sequelas graves cresce à medida que se retarda o diagnóstico e o início do tratamento. As lesões neurológicas que a doença provoca nesses casos podem ser irreversíveis.  A cor do líquor já indica se a meningite é por bactéria ou vírus.
  18. 18.  O tratamento de meningite depende da causa.  Para meningite viral muitas vezes o tratamento é dispensável, pois a doença costuma desaparecer sozinha após algumas semanas. Em casos específicos, o médico pode receitar também um antiviral.  Já para casos de meningite bacteriana, o tratamento deve ser imediato por meio de antibióticos intravenosos e medicamentos de cortisona, para reduzir o risco de futuras complicações.  Quando o caso é de meningite fúngica, o tratamento é feito via fungicidas. No entanto, esses medicamentos podem apresentar diversos efeitos colaterais.  Os medicamentos de cortisona são indicados, também, para casos em que a meningite é causada por razões não- infecciosas.
  19. 19.  Alterações cerebrais;  Surdez;  Paralisia motora;  Epilepsia;  Dificuldade na aprendizagem.
  20. 20.  Lavar as mãos frequentemente;  Proteger o nariz e a boca com o braço ao espirrar ou tossir;  Não secar as mãos em toalhas úmidas. Em local coletivo utilizar de preferência toalhas descartáveis;  Manter o ambiente limpo e arejado;  Alimentos: lavar e desinfetar as frutas e verduras;  Limpar os reservatórios de água de abastecimento com solução clorada;  Utilizar filtro ou bebedouro para água potável;  Desinfetar filtros e bebedouros regularmente com água clorada;  Separar os utensílios de uso individual, em especial das crianças;  Evitar o uso de talheres e copos utilizados por outras pessoas ou mal lavados e ambientes abafados são formas de se diminuir as chances de adquirir a doença;  Nunca pegue um caracol africano na mão;  Evite levar crianças e locais aglomerados e fechados  Vacinar as crianças seguindo o Calendário Básico de Imunização.
  21. 21.  As vacinas de meningite disponíveis na rede pública são: pneumocócica 10 valente, meningocócica C conjugada, e pentavalente.  Já na rede privada, para crianças, são oferecidas a pneumocócica 13 valente, a meningocócica A, C, W, Y, e a pentavalente.  Segundo o Calendário Básico de Imunização, o esquema de vacinação para a Meningocócica C obedece aos seguintes critérios: Administrar duas doses aos 3 e 5 meses de idade, com intervalo entre as doses de 60 dias, e mínimo de 30 dias. O reforço é recomendado preferencialmente entre 12 e 15 meses de idade. Para Crianças maiores de 12 meses dose única. Na Rede Particular essa vacina, um pouco mais melhorada custa em torno de R$ 140,00.
  22. 22.  Segundo o Calendário Básico de Imunização, o esquema de vacinação para a Pentavalente (DTB/Hib/HB) obedece aos seguintes critérios: uma dose deve ser aplicada aos dois meses; outra, aos quatros meses e outra ainda nos seis meses. O primeiro reforço administrar aos 18 meses de idade e o segundo reforço aos 4 (quatro) anos.  Já o esquema de vacinação para a Pneumocócica 10 valente obedece aos seguintes critérios: No primeiro semestre de vida, administrar 3 (três) doses, aos 2, 4 e 6 meses de idade. O intervalo entre as doses é de 60 dias e, mínimo de 30 dias. Fazer um reforço, preferencialmente, entre 12 e 15 meses de idade, considerando o intervalo mínimo de seis meses após a 3ª dose. Crianças de 7-11 meses de idade: o esquema de vacinação consiste em duas doses com intervalo de pelo menos 1 (um) mês entre as doses. O reforço é recomendado preferencialmente entre 12 e 15 meses, com intervalo de pelo menos 2 meses. Crianças maiores de 12 meses dose única
  23. 23.  O volume correspondente a cada dose é de 0,5ml, administrada via intramuscular profunda, no músculo vasto-lateral da coxa. Após a aplicação, os efeitos adversos mais comuns nas primeiras 24 horas são dor, eritema, enduração local, febre, irritabilidade e sonolência.
  24. 24.  Administração de Vacinas;  Busca de Fatores e Locais de Risco;  Instruir as pessoas sobre a Doença e os principais sintomas;  Identificar sintomas e possíveis pacientes suspeitos de estar com a doença;  Cuidar e Zelar da saúde do paciente.
  25. 25.  http://drauziovarella.com.br/letras/m/meningite/ acessado em 05 de agosto de 2014  http://www.tribunadabahia.com.br/2014/02/06/diminuem-casos-de- meningite-na-bahia acessado em 26 de setembro de 2014.  http://www.suvisa.ba.gov.br/sites/default/files/vigilancia_epidemiologica /imunopreveniveis/arquivo/2014/05/26/Apresenta%C3%A7%C3%A3o%2 0Meningite%20-%20%20Macro%20Nordeste%202014_0.pdf acesssado em 26 de setembro de 2014.  http://drauziovarella.com.br/virus-e-bacterias/meningite-2/ acessado em 26 de setembro de 2014.  http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2014/08/meningite-pode-ser- causada-por-bacterias-virus-fungos-e-parasitas.html acessado em 26 de setembro de 2014.  http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo= 2825 acessado em 26 de setembro de 2014.  http://www.minhavida.com.br/saude/temas/meningite acessado em 26 de setembro de 2014.

×