DISCOURSES

288 visualizações

Publicada em

Discursos são formas de representar o mundo, em diferentes níveis de abstração — por ex., o ‘novo espírito do capitalismo’ [1]: discurso com alto nível de abstração e desenvolvido como uma articulação de discursos.
Textos diferem dos discursos em que baseiam-se para representar aspectos particulares do mundo, articulando/hibridizando diferentes discursos de várias maneiras.
Discursos podem ser diferenciados em termos de relações semânticas (hiponímia, sinonímia, antonímia) entre palavras — como eles classificam partes do mundo —, como na colocação das palavras, nas crenças/pressupostos, e em várias características gramaticais.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DISCOURSES

  1. 1. DISCOURSES NORMAN FAIRCLOUGH In: FAIRCLOUGH, N. (2003) Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge, p. 123-133. F Á T I M A A N D R É I A T A M A N I N I - A D A M E S ( D O U T O R A N D A E M L E T R A S ) 2 0 1 2 1
  2. 2. Resumo  (p. 133) Discursos são formas de representar o mundo, em diferentes níveis de abstração — por ex., o ‘novo espírito do capitalismo’ [1]: discurso com alto nível de abstração e desenvolvido como uma articulação de discursos.  Textos diferem dos discursos em que baseiam-se para representar aspectos particulares do mundo, articulando/hibridizando diferentes discursos de várias maneiras.  Discursos podem ser diferenciados em termos de relações semânticas (hiponímia, sinonímia, antonímia) entre palavras — como eles classificam partes do mundo —, como na colocação das palavras, nas crenças/pressupostos, e em várias características gramaticais. 2 Questões de análise de texto Discursos em diferentes níveis de abstração Análise ‘interdiscursiva’ - articulação de discursos em textos Equivalências e diferenças Relações semânticas entre palavras - sinonímia, hiponímia, antonímia Colocação Questões de investigação social O ‘novo espírito do capitalismo’ Classificação
  3. 3. 1. Introdução  (p. 123) Identificação e análise de discursos: preocupação entre as ciências humanas e sociais - Foucault [2, 3] teve influência decisiva -> análise do discurso de Foucault: análise de ‘enunciados‘ - sem preocupação com análise detalhada dos textos - questão de discernir as regras que governam a corpos de textos e enunciados.  (p. 124) Discurso – Foucault: produzindo gama desconcertante de teorizações e análises de discursos [4, 5, 6] -> termo usado ‘abstratamente’ (subst. abstrato) para enunciados ; e, concretamente (subst. contável: um/dois/vários discursos) para grupos de enunciados ou para as regras que os governam.  Discursos - Fairclough: formas de representar os aspectos do mundo —> processos/relações/estruturas do mundo material; pensamentos/sentimentos/crenças do mundo mental; e o mundo social.  Aspectos particulares do mundo podem ser representados diferentemente: considerar a relação entre diferentes discursos -> diferentes discursos = diferentes perspectivas sobre o mundo -> associados com diferentes relações que temos com o mundo (dependente de nossas posições no mundo, identidades e relações sociais).  Discursos não só representam o mundo como ele é visto, mas também são projetivos, representam mundos possíveis diferentes do mundo real.  Relações entre diferentes discursos = elemento das relações entre diferentes pessoas: podem complementar-se, competir, um pode dominar outro(s)...  Discursos são parte dos recursos que implantamos em relação aos outros, mantendo- nos separados/competindo/dominando os outros, ou para mudar nossas formas de relação com os outros. 3
  4. 4. 2. Níveis de abstração  Discursos como diferentes formas de representação -> implica em grau de repetição e semelhança: são compartilhados por grupos e têm estabilidade no tempo.  Há diferentes representações de aspectos do mundo nos textos, mas cada representação não é um discurso separado: discursos transcendem representações concretas e locais -> um discurso pode gerar muitas representações.  Discursos diferem em grau de repetição/semelhança/estabilidade no tempo -> 'escala‘: quanto incluem do mundo no intervalo de representações que podem gerar.  (p. 124-125) Nos ‘gêneros’, faz sentido distinguir diferentes níveis de abstração para falar de discursos.  Exs.:  Há uma forma de representar indivíduos racionais/unitários, cuja identidade como seres sociais é secundária, em que as relações sociais são vistas como assumidas por indivíduos pré-existentes -> ‘discurso individualista do self’ ou ‘discurso cartesiano do sujeito’ - podem ser rastreados através do texto e sua 'escala' gera um vasto leque de representações.  (p. 125) Domínio da economia: discurso 'Taylorista' de gestão; domínio da política: discurso do Liberalismo; etc.  [Fairclough [7]: discurso político da ‘Third Way‘/’New Labour’ (ligado a uma determinada posição dentro do campo político em um ponto específico no tempo)]. 4
  5. 5. 5 (p. 244-245) EXAMPLE 9: Extract from Rosabeth Moss Kanter. Evolve!, Harvard Business School Press, 2001, p. 169-70. Companies that are successful on the web operate differently from their laggard counterparts. On my global e-culture survey, those reporting that they are much better than their competitors in the use of the Internet tend to have flexible, empowering, collaborative organizations. The `best' are more likely than the `worst' to indicate, at statistically significant levels, that - Departments collaborate (instead of sticking to themselves). - Conflict is seen as creative (instead of disruptive). - People can do anything not explicitly prohibited (instead of doing only what is explicitly permitted). - Decisions are made by the people with the most knowledge (instead of the ones with the highest rank). Pacesetters and laggards describe no differences in how hard they work (in response to a question about whether work was confined to traditional hours or spilled over into personal time), but they are very different in how collaboratively they work. Working in e-culture mode requires organizations to be communities of purpose. Recall the elements of community sketched in chapter I. A community makes people feel like members, not just employees – members with privileges but also responsibilities beyond the immediate job, extending to colleagues in other areas. Community means having things in common, a range of shared understandings transcending specific fields. Shared understandings permit relatively seamless processes, interchangeability among people, smooth formation of teams that know how to work together even if they have never previously met, and rapid transmission of information. In this chapter we will see how the principles of community apply inside organizations and workplaces, sometimes facilitated by technology but also independent of it. And I will examine the challenges that have to be overcome to create organizational communities. The greater integration that is integral to e-culture is different from the centralization of earlier eras. Integration must be accompanied by flexibility and empowerment in order to achieve fast response, creativity, and innovation through improvisation. Web success involves operating more like a community than a bureaucracy. It is a subtle but important distinction. Bureaucracy implies rigid job descriptions, command-and-control hierarchies, and hoarding of information, which is doled out top-down on a need-to-know basis. Community implies a willingness to abide by standardized procedures governing the whole organization, yes, but also voluntary collaboration that is much richer and less programmed. Communities can be mapped in formal ways, but they also have an emotional meaning, a feeling of connection. Communities have both a structure and a soul.  Exemplo 9: de livro de 'guru' de gestão [8] -> ‘novo espírito do capitalismo’ [1] ou ideologia do novo capitalismo: novo discurso surgido da combinação de discursos existentes.  Como essas combinações são ‘texturizadas’ (não incluso no ex. 9)?  7 habilidades clássicas envolvidas em inovação e mudança e que refletem um estilo básico para a ‘e- cultura’:  1. sintonia com o ambiente;  2. pensamento caleidoscópico;  3. visão inspiradora;  4. construção de união;  5. criação de equipe de trabalho;  6. persistência nas dificuldades;  7. obtenção de crédito e reconhecimento.
  6. 6. 6  O 'estilo‘ refletido nesta lista é o modo como o ‘novo espírito do capitalismo’ representa o 'líder' em empresas.  A lista trabalha também com uma relação de expressões equivalentes que ‘emanam de’ e ‘evocam’ diferentes discursos.  Esta listagem é um dispositivo de texturização para o processo de combinação de discursos que constituem o novo discurso.  O ‘novo espírito do capitalismo’ articula discursos ‘de inspiração' e 'conexionistas‘ -> 'regimes de justificação‘: líderes combinam visão/networking [1].  (p. 125-126) Emanam do discurso ‘de inspiração‘ (mas podem vir de diferentes discursos) -> articulação de discursos. :  sintonia com o ambiente (uso metafórico de uma expressão no discurso técnico que evoca um discurso de relações pessoais, talvez um discurso aconselhamento, onde como se escuta os outros está em foco);  pensamento caleidoscópico (evoca talvez textos populares de Psicologia sobre ‘pensamento criativo’);  visão inspiradora (parece emanar do discurso de crítica de arte).  Emanam do discurso 'conexionista‘:  construção de união.  (p. 126) Exemplo 9 (vide p. ant.): Texturização similar de discursos -> equivalências dentro do ‘novo espírito do capitalismo’ e diferenças entre este e o 'velho' discurso.  Texturização da relação de diferença: através de uma série de estruturas relacionais antitéticas e expressões (X instead of Y, X not just Y, X but also Y, X different from Y, more like X than Y) -> o discurso do 'protagonista' (o ‘novo espírito do capitalismo’) - antes dos parênteses - é definido contra o discurso do 'antagonista' - dentro dos parênteses.  Texturização da relação de equivalência - ao mesmo tempo: elementos antes dos parênteses são equivalentes, assim como os de dentro dos parênteses - e os diferentes discursos dos quais estes elementos emanam são articulados juntos.
  7. 7. 3. Textos e discursos  (p. 249-250) Example 13: I have taken the following example from a book written by two long-standing members of the Labour Party, Ken Coates (who is a Member of the European Parliament) and Michael Barratt Brown (they are now operating within the Independent Labour Network). (M. Barratt Brown and K. Coates, The Blair Revelation, Spokesman Books 1996, p. 172-174, 177-178.) They are writing here about New Labour's view of what they call `capitalist globalization' (`the new global economy' in New Labour terms):  Capital has always been global, moving internationally from bases in the developed industrial countries. What has changed is not that capital is more mobile . . . but that the national bases are less important as markets and production centres. In other words, the big transnational companies are not only bigger but more free-standing ... the European Union, far from offering a lead and a challenge to the nation-states of Europe, reinforces their status as clients of the transnational companies. Indeed, this clientism applies not only to companies based in Europe. . . . While it is true that a national capitalism is no longer possible in a globalized economy, it is not true that national governments — and by extension the European Union — are totally lacking in powers to employ against the arbitrary actions of transnational capital. There is much that governments can do in bargaining — in making or withholding tax concessions for example.... But such bargaining has to have an international dimension or the transnational companies can simply continue to divide and conquer ... New Labour appears to have abandoned what remained of Labour's internationalist traditions. ... Yet the ICFTU, the European TUC and the Geneva trade groups all offer potential allies for strengthening the response of British labour to international capital. (p. 172—174)  Some NGOs . . . have developed in their international relations what professor Diane Elson, the Manchester economist, has called `the economy of trust'. Most commercial organizations spend much time and energy on controlling, monitoring, checking and counter-checking their business transactions. In a highly competitive market they simply do not trust their suppliers or customers not to take advantage of them. There is an alternative — to build up a relationship of trust . . . one of the lessons learnt by some NGOs working the Third World, where for long there was a relationship of domination and exploitation [was that] nothing less than total openness and respect could build up a new relationship . . . if all the words in New Labour's pronouncements about partnership and social markets, cooperation and not confrontation were to be taken seriously, the economy of trust would surely have a special appeal. Instead we find that `the enterprise of the market and the rigour of competition' are always put before `partnership and cooperation’. (p. 177—178)  (p. 127) Textos diferentes dentro da mesma cadeia de eventos ou que estão localizados em relação à mesma rede de práticas sociais e que representam os mesmos aspectos do mundo, diferem nos discursos.  Exemplo 13: de livro de 2 membros da ala esquerda do Partido Trabalhista Britânico – o que na visão do ‘New Labour' (direita) é chamada ‘a economia global’, eles chamam 'globalização capitalista'. 7
  8. 8. 8  Diferença entre a representação da mudança econômica global nos discursos políticos na ‘Third Way' :  DE DIREITA (NEW LABOUR): a mudança econômica (globalização) é representada como um processo sem agentes sociais — como algo que está acontecendo em vez de algo que pessoas/empresas/governos estão fazendo [7].  DE ESQUERDA: as multinacionais são referidas como agentes de dominação da mudança econômica — quem ‘divide e conquista’.  Expressões para representar as multinacionais (relações semânticas internas) -> `transnational companies', `transnational capital', `international capital‘ - através da reformulação, uma relação de equivalência/sinonímia é texturizada entre ‘companies’ (concreto) e 'capital‘ (abstrato): formas concretas para abstratas - característica de elemento marxista (evidente no discurso de esquerda e que o diferencia do da direita).  Representação dos governos nacionais (e União Europeia) -> em relação antagônica com companhias/capital ‘transnacional’ (contestar o 'capital' é outra característica do discurso político de esquerda) – os governos nacionais são representados como atuando em aliança com organizações sindicais comerciais (de acordo com 'internationalist traditions’ – ‘internacionalismo’ aqui mantém seu sentido de solidariedade de trabalho).  (p. 128) Conceito de 'clientism' - ‘employing powers against' ou ‘bargaining' com o capital – não aparece no discurso político do New Labour.  Textos também estabelecem relações dialógicas/polêmicas/de tensão entre seus próprios discursos e os discursos dos outros.  Contesta sentido dado pelo New Labour a 'partnership' e 'cooperation‘ – aqui estão articuladas com 'trust', ‘openness', ‘respect' - existe hierarquia encoberta no discurso de direita/’New Labour’:`enterprise' e `competition' sempre antes de`partnership' e 'cooperation'.
  9. 9.  (p. 236) Example 4: This is a paragraph from a policy paper which was prepared for the European Council by the Competitiveness Advisory Group, which consists of representatives of the employers and trade unions as well as some politicians and officials. The example is taken from a paper by Ruth Wodak (From conflict to consensus? The co-construction of a policy paper, in P. Muntigl et al., European Union Discourses on Un/Employment, John Benjamins, 2000. The example is taken from page 101.). I have retained Wodak's numbering of sentences.  1 But (globalization) is also a demanding process, and often a painful one.  2 Economic progress has always been accompanied by destruction of obsolete activities and creation of new ones.  3 The pace has become swifter and the game has taken on planetary dimensions.  4 It imposes deep and rapid adjustments on all countries — including European countries, where industrial civilization was born.  5 Social cohesion is threatened by a widespread sense of unease, inequality and polarization.  6 There is a risk of a disjunct between the hopes and aspirations of people and the demands of a global economy.  7 And yet social cohesion is not only a worthwhile social and political goal; it is also a source of efficiency and adaptability in a knowledge-based economy that increasingly depends on human quality and the ability to work as a team.  8 It is more than ever the duty of governments, trade-unions and employers to work together  - to describe the stakes and refute a number of mistakes;  - to stress that our countries should have high ambitions and they can be realized; and  - to implement the necessary reforms consistently and without delay.  9 Failure to move quickly and decisively will result in loss of resources, both human and capital, which will leave for more promising parts of the world if Europe provides less attractive opportunities.  Relação dialógica/polêmica: forma dos textos misturarem diferentes discursos - mas seus próprios discursos são frequentemente híbridos.  ANÁLISE INTERDISCURSIVA DE TEXTOS: parcialmente preocupada em identificar que discursos estão drawn upon e como estão articulados juntos - podemos ver um texto como drawing upon um discurso.  Exemplo 4: Wodak traça a transformação do texto através de sucessivas versões durante as reuniões do grupo -> 5 — 7 foram adicionados em versões posteriores 'como uma concessão para os sindicatos (adição como hibridização de discursos). 9
  10. 10. 10  Há 2 discursos principais: discurso neoliberal de mudança econômica que representa a `globalization' como fato que exige `adjustments' e `reforms' para reforçar a `efficiency and adaptability' para competir; discurso político que representa sociedades visando a `social cohesion‘ e ameaças à ela.  Estes 2 discursos implicam prioridades políticas diferentes: aumentar a competitividade de um lado, e a coesão social de outro.  Discurso de coesão social: representa pessoas como estranhas ao discurso neoliberal — em termos de sentimentos (‘sense of unease, inequality and polarization') `hopes' e 'aspirations‘ – 7 articula estes discursos juntos usando um vocabulário com categorias-chaves dos 2 discursos em relações semânticas: `social cohesion‘ reconstruída como `human quality‘, `the ability to work as a team‘, `source of efficiency and adaptability'.  Ainda que o discurso de coesão social seja fundamentalmente moral e humano - orientado para pessoas com sensação de pertencimento a uma comunidade -, a `human quality‘ reduz pessoas a forças de produção: embora estes discursos possam ser vistos como incompatíveis em como representar pessoas, esta é uma estratégia de legitimar o discurso de coesão social em termos do discurso neoliberal.  (p. 132) Apesar do contraste entre o discurso neoliberal e o discurso de coesão social, há uma coisa que eles têm em comum: representam processos sociais reais e eventos de uma forma altamente abstrata - embora ultimamente façam referência a eventos particulares/concretos, muitos dos elementos destes eventos concretos são excluídos.
  11. 11. 4. Identificando e caracterizando discursos  (p. 129) COMO IDENTIFICAR DIFERENTES DISCURSOS DENTRO DE UM TEXTO?   (*) Temas do Exemplo 7 (vide a seguir)-> processos econômicos e mudança, processos de governança (nacional e global), protesto político (antiglobalização) e visões da globalização (no 'Sul') - cada um aberto a diferentes perspectivas, representações e discursos (ver: HALLIDAY, M. A. K. Clause as message. In: HALLIDAY, M. A. K. (2004) An introduction to functional grammar. 3rd ed. Revised by Christian M. I. M. Matthiessen. London, UK: Edward Arnold, p. 64-105.).  Representação dos processos econômicos e mudança (em ‘Ghana’): em termos de neo- classical, market-liberalization discourse of the `Washington consensus‘ - em contraste, por ex., ao Keynsian economis discourse.  Representação do governo: como 'governance‘ - termo parte de um discurso neoliberal de governo que, por um lado representa o governo como um quadro de governança global (OMC e FMI – centrais na imposição do ‘consenso de Washington') e, por outro, prescreve mudanças no governo em termos de 'transparency', `accountability‘... – pode ser contrastado com discursos mais tradicionais de governo. 11 Podemos pensar em DISCURSO como representando Podemos identificar na ANÁLISE TEXTUAL - uma parte particular do mundo - as principais partes do mundo (incluindo áreas da vida social) representadas — ‘temas’ principais (*) - uma perspectiva particular - a perspectiva particular/ângulo/ponto de vista dos quais eles são representados
  12. 12. 12 (p. 239-241) Example 7: This example is taken from the website of the World Economic Forum during its annual meeting in Davos, Switzerland, in January 2001. The example is rather complex since it contains three different elements. First, a summary of one of the sessions at Davos. Second, selected quotations from the session. Third, edited comments sent to the website on the theme of the session by people from various countries. To reduce the length of the example, I have included only one quotation and one email comment. Thursday, 25 January 2001 How Can Globalization Deliver the Goods: The View from the South Globalization is now a loaded term in many parts of the world. It is often associated more closely with the social challenges facing the southern hemisphere rather than with economic opportunities. What are the critical issues that need to be addressed in order for globalization to meet the expectations of the southern hemisphere? Globalization is often more closely associated with the social challenges facing the southern hemisphere than with the economic opportunities. The future success of globalization requires that developing countries be fully involved in the management of the global economy and that their voices be heard. Recent demonstrations have made it clear that the priorities and agendas of the developing world must be heard. The United States and Europe can no longer set the global agenda on their own. But the integration of environmental and labour standards into the framework of global governance may not be as easy as the protestors thought. Many in the developing world see these issues as potential excuses for trade barriers. In terms of global governance, the establishment of the Group of 20 was a step in the right direction. In the Group of 20, unlike the Group of 7, both industrial and developing countries have a say in economic coordination. But, economics are not the only concern. Cultural homogenization worries many. There is fear that over-powering globalization will force the extinction of national cultures and traditions, especially in the southern hemisphere. Others disagree with this notion, saying societies have been changing for all eternity. Globalization increases choice and liberty, while national group identity does the opposite. In a world with close contact between differing cultural identities and ethnic practices, governors must be careful not to steer diversity down the destructive paths of the past. There is also concern that globalization means more for the rich, and less for the poor. But it must be made clear that the benefits of overall growth should reach all, and that economies that are more transparent tend to have lesser income inequalities. Nonetheless, it is true that some countries are falling behind. Ghana, for example, has strictly followed structural adjustment programmes for 15 years, yet still struggles to attract investment and grow. It is common to blame globalization, but some say such growth won't come by solely focusing on macroeconomic variables. Rather, the fundamental structures of a market economy, freely moving prices and guaranteed contracts and property, must first be in place. While addressing these concerns, and helping globalization meet the expectations of the southern hemisphere, leaders will make things easier by striving for good governance. More transparency, more accountability, and more participation by all involved will help make the process seem more humane. Quote from the session 'World trade liberalization has to be a two-way street. We are tired of hearing "we want to sell to you, but you can't sell to us".' Marcus Vinicius Pratini de Moraes, Minister of Agriculture and Food Supply of Brazil Email comment There is not only a problem of equal distribution North—South, but also within many developing countries (Brazil, S. Africa, Indonesia ...). Whilst we develop programmes to empower local farmers and informal entrepreneurs, the rich of these countries choose their new private jet. No fair distribution is possible without political change. Jo, Antwerp, Belgium
  13. 13. 13  Discursos se distinguem por suas formas de representação e sua relação com outros elementos sociais - podemos especificar formas de representação em termos de recursos linguísticos.  As características mais evidentes de um discurso são susceptíveis de ser características de vocabulário.  É mais produtivo focar em como diferentes discursos estruturam o mundo diferentemente, nas relações semânticas entre palavras.  Exemplo 13 ( vide p. 7): relação entre `transnational companies' and `transnational capital‘.  (p. 129-130) Texturização de relações semânticas —> novas relações semânticas criadas nos textos - parte do trabalho do agente social na produção de sentido.  (p. 130) Semanticamente ->`companies' e 'capital‘ têm relação de hiponímia, junto com outros co-hipônimos como `trusts' e `financial markets'.  Estruturação do mundo e relação semântica -> permite aos escritores reformular `companies' e 'capital‘ sem ter que fazer relação explícita e, aos leitores, produzir o sentido do texto.  Outro ex. de relação semântica encoberta é a relação entre 'globalização' e 'progresso econômico' no Exemplo 4 (1 e 2) (vide p. 9) — a coerência do texto depende de relação de hiponímia entre eles.  Exemplo 1 (a seguir): os funcionários da empresa em questão são classificados em três grupos: `senior management', `the bottom end' and 'us‘ (média gerência) - co-hipônimos que constituem uma taxonomia (não está claro o termo superordinado).  Talvez `workforce' seja usado quando o gerente explica `the bottom end' em resposta ao entrevistador: `Of the workforce'.  Mas `workforce' contrasta com `managers' quando o gerente diz `take the power from the unions and give it back to the managers and give it back to the workforce' e talvez um sinônimo de `the bottom end' .  Além de hiponímia (inclusão) e sinonímia (identidade), os discursos incluem antonímia (exclusão –Exemplo 4 (vide p. 9): antônimos de ‘coesão social’ incluem 'polarização' (no texto) e 'exclusão social' (não no texto).
  14. 14. 14  (p. 229-230) Example 1: The example is taken from T.J. Watson In Search of Management: Culture, Chaos and Control in Managerial Work, Routledge 1994, p. 207-8, an ethnographic study of managers and management. The example is an extract from one of the research interviews.  `The culture in successful businesses is different from in failing businesses. It would be the same with a country or a city. You can see this when you go to Liverpool. I don't go there very often, but when I do I come back feeling really depressed. I could really weep when I look at it now; the way it has been destroyed. It has been destroyed by its own stupidity. I remember as a kid the docks, eighteen miles long. It is now dead. It is all a political problem; these areas have been starved over the years. It has been happening since the eighteenth century, so that these people have been downtrodden to the point where they expect to be downtrodden. They are totally suspicious of any change. They are totally suspicious of anybody trying to help them. They immediately look for the rip-off. They have also been educated to believe that it is actually clever to get "one over on them". So they are all at it. And the demarcation lines that the unions have been allowed to impose in those areas, because of this, makes it totally inflexible to the point where it is destructive. I know it. I can see it.'  `And how does this relate to what is happening here?'  `Well, I was going to say, how do you change this sort of negative culture? We have done a lot here. But my greatest fear is that they are going to destroy all the good work that we put onto this site if they keep pushing and pushing and pushing the bottom end like they are doing. I believe that people will react in such a way shortly that they will destroy everything.'  `Bottom end?'  `Of the workforce; pushing them by getting rid, I mean. How the hell can you preach this flexibility, this personal and business development at the same time as you are getting rid? As someone said to me yesterday, an operator, "Why am I in here now doing the best I can getting this product out when tomorrow morning you can give me a brown envelope?" I had no answer.'  `But the good work you refer to?'  `Take IR. There has been a coordinated plan to take the power from the unions and give it back to the managers and give it back to the workforce as well. That was going fairly well. But these continuing rounds of redundancies will give the opportunity to say "We told you so; we knew that was the ground plan all along." The union people can say, "You should have listened to us all the time."'  `And the other changes?'  `Developing Organizational Capability, winning culture, Business Improvement Plan, empowering, and all that: I am totally committed to all of this principle. These changes are the way forward. But what the company is doing is going contrary to what all this is about. This is dangerous — raising expectations and then smashing them. I believe the senior management has a moral responsibility to its workforce and to employ. The firm is an integral part of the society we live in.'  `Which means?'  `All business has got to keep faith with all of those it deals with if it is going to deserve to survive.'
  15. 15. 15  O que está em questão aqui são esquemas classificatórios naturalizados que podem funcionar como instrumentos inconscientes geradores de 'visões' de mundo [9].  Quando discursos diferentes entram em conflito e discursos particulares são contestados, o que é contestado é o poder destes sistemas semânticos preconstruídos a fim de gerar visões de mundo particulares que podem ter o poder de sustentar /refazer o mundo à sua imagem.  (p. 130-131) Discursos diferentes podem usar as mesmas palavras (`globalization‘ nos discursos neoliberal e de antiglobalização'), mas com diferenças só identificadas nas relações semânticas.  (p. 131) Maneiras de ver diferenças nas relações semânticas: olhar nos textos  colocação das palavras,  padrões de co-ocorrência de palavras,  palavras que mais frequentemente precedem/seguem a que está em foco,  palavras com colocações especiais – Exemplo 7 (vide p. 12): `globalization' com `overpowering' (medo que uma avassaladora globalização extinguirá culturas/tradições) - texto de organização fortemente favorável do neoliberalismo, mas que dá voz às preocupações sobre os efeitos negativos da 'globalização', como indica essa colocação improvável em textos neoliberais convencionais.  Análise de corpus por computador (ex.: Wordsmith) -> maneira mais eficaz de explorar padrões de colocações (‘work‘ em antigos textos do New Labour: `Back to work', `into work', `desire to work', `opportunities to work', `Welfare-to-work' reflect common collocations in the New Labour corpus, whereas `out of work', `right to work', `democracy at work', `health and safety at work' … [7].
  16. 16. 16  DISCURSOS TAMBÉM SÃO DIFERENCIADOS POR METÁFORAS  lexicais (words which represent one part of the world being extended to another), e  gramaticais (processes being represented as 'things', entities, through 'nominalization').  Exemplo 9 (vide p. 5): a concorrência entre as empresas é representada metaforicamente como uma ‘corrida’ ->  as melhores empresas são 'pacesetters‘ (desbravadoras), como o corredor que assume a liderança e define o ritmo de uma corrida;  as piores empresas são `laggards' (retardatários), que não é parte do vocabulário de corridas (em língua inglesa), ampliando a representação metafórica de empresas, incluindo outras atividades em que pessoas são avaliadas e classificadas em termos de desempenho.  Exemplo 9 (vide p. 5): há também representação metafórica de empresas como `communities' com `members' (não apenas `employees').  (p. 132) Metáfora é um recurso para a produção de representações distintas de mundo, mas talvez seja a combinação particular de diferentes metáforas que diferencia os discursos.
  17. 17. 17  Exemplo 4 (vide p. 9): Processos (‘globalização', 'progresso'), relações (‘coesão social') e sentimentos (‘esperanças’, 'aspirações') são representados, mas as pessoas envolvidas são excluídas - assim como outros elementos dos eventos sociais (objetos, meios, tempos, lugares...).  Os processos são 'nominalizados‘ -> 'nominalizações' (‘globalização', 'coesão‘, ‘progresso’, 'esperança') - seus próprios temas, objetos... tendem a ser excluídos.  Sintaticamente, funcionam como substantivos:  Ex.: ‘coesão social’ é o sujeito de uma sentença (passiva).  Os discursos são caracterizados e diferenciados não só pelos recursos do vocabulário, relações semânticas e pressuposições, mas também por características gramaticais.  Discursos diferem em como são representados elementos de eventos sociais (processos, pessoas, objetos, meios, tempos, lugares), e essas diferenças podem ser gramaticais ou lexicais.  Ex.: A diferença entre uma nominalização e um verbo é uma diferença gramatical – como a diferença entre verbos transitivos e intransitivos - estas são algumas das maneiras pelas quais os discursos diferem na representação de eventos sociais (ver Cap. 8 a seguir).
  18. 18. 18  No Exemplo 4 (vide p. 9):  Processos (‘globalização', 'progresso') e relações (‘coesão social') e sentimentos (‘esperanças’, 'aspirações') são representados, mas as pessoas envolvidas - na maior parte - são excluídas (as pessoas na 6 são uma exceção).  Processos são nominalizados -> globalização', 'coesão‘ - sintaticamente, estes processos funcionam como substantivos:  ‘coesão social’ (5) é o sujeito de uma sentença (passiva).  Quando os processos são nominalizados ou formulados como substantivos do processo, seus próprios temas, objetos e assim por diante tendem a ser excluídos.  5. Então...  Discursos são caracterizados e diferenciados não só pelos recursos do vocabulário, relações semânticas e suposições, mas também por características gramaticais.  Discursos diferem em como são representados elementos de eventos sociais (processos, pessoas, objetos, meios, tempos, lugares), e essas diferenças podem ser gramaticais além de lexicais (vocabulário).  Estas são algumas das maneiras em que discursos diferem na representação de eventos sociais - ver Cap. 8 para discussão mais detalhada...
  19. 19. References  [1] BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, E. (1999) Le nouvel esprit du capitalisme. Paris: Gallimard.  [2] FOUCAULT, M. (1972) The archaeology of knowledge. New York: Pantheon.  [3] FOUCAULT, M. (1984) The order of discourse. In: SHAPIRO, M. (Ed.). The Language of Politics. Oxford: Blackwell.  [4] DANT, T. (1991) Knowledge, ideology and discourse: a Sociological Perspective. London: Routledge.  [5] MACDONELL, D. (1986) Theories of discourse: an introduction. Oxford: Basil Blackwell.  [6] MILLS, S. (1997) Discourse. London: Routledge.  [7] FAIRCLOUGH, N. (2000) New labour, new language? London: Routledge.  [8] CHIAPELLO, E.; FAIRCLOUGH, N. (2002) Understanding the new management ideology: a transdisciplinary contribution from Critical Discourse Analysis and the New Sociology of Capitalism. Discourse and Society, n. 13, v. 2, p. 185-208.  [9] BOURDIEU, P. ; WACQUANT, L. (1992) An invitation to reflexive sociology. Cambridge: Polity Press. 19

×