Proposta curricular magalhães neto

642 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
642
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proposta curricular magalhães neto

  1. 1. Governo Do Estado Da Bahia Secretaria De Educação Colégio Estadual Dr. Magalhães Neto Alagoinhas - BAProposta Curricular de Biologia Ano Letivo – 2010 Alagoinhas, Dezembro de 2010.
  2. 2. I. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Colégio: Colégio Estadual Dr. Magalhães Neto Área do conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente Curricular: Biologia Carga Horária: 02 aulas semanais. Professor orientador: Cláudia Regina de Souza Estagiários: Adriana Fernandes e Deiseane Meireles. Curso: Formação Geral Séries: 1ª, 2ª e 3ª Segmento: Ensino MédioII. JUSTIFICATIVA Esta proposta curricular tem por finalidade apresentar as linhas norteadoras voltada àabordagem do Componente Curricular Biologia para os alunos do Ensino Médio, garantindoaos mesmos o direito de ter acesso aos conhecimentos indispensáveis à construção de suacidadania. Desta forma, é necessário deixar claro a função da escola na sociedade, quaisobjetivos devem ser perseguidos para contribuir no processo dos alunos de se apropriarem dosconteúdos sociais e culturais de maneira crítica e construtiva, para que se forme um cidadãoautônomo, participativo e crítico. A formação de um cidadão crítico exige sua inserção numa sociedade em que oconhecimento científico e tecnológico é cada vez mais valorizado. Neste contexto, o papel daBiologia é o de colaborar para a compreensão do mundo e suas transformações, situando ohomem como indivíduo participativo e parte integrante do Universo. Os conceitos e procedimentos desta área contribuem para a ampliação das explicaçõessobre os fenômenos da natureza, para o entendimento e o questionamento dos diferentesmodos de nela intervir e, ainda, para a compreensão das mais variadas formas de utilizar osrecursos naturais. A educação precisa estar a serviço desse desenvolvimento, que coincide com aconstrução da identidade, da autonomia e da liberdade. Não há liberdade sem possibilidade deescolhas. Elas pressupõem um quadro de referências, um repertório que só pode ser garantidose houver acesso a um amplo conhecimento, dado por uma educação geral, articuladora, quetransite entre o local e o mundial.
  3. 3. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) compõem um referencial parapromover a reflexão sobre os currículos estaduais e municipais, a qual já vem ocorrendo emdiversos locais. Sua função é orientar e garantir a coerência das políticas de melhoria daqualidade de ensino, socializando discussões, pesquisas e recomendações, subsidiando aparticipação de técnicos e professores brasileiros, principalmente daqueles que se encontrammais isolados, com menor contacto com a produção pedagógica atual. Os PCNs, pela sua própria natureza, configuram uma proposta aberta e flexível, a serconcretizada nas decisões regionais e locais sobre currículos e sobre programas detransformação da realidade educacional empreendidos pelas autoridades governamentais,pelas escolas e pelos professores. Não configuram, portanto, um modelo curricularhomogêneo e impositivo, que se sobreporia à competência político-executiva dos estados emunicípios, à diversidade política e cultural das múltiplas regiões do país ou à autonomia deprofessores e equipes pedagógicas. A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo doconhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer a cidadania, seja para cuidar doambiente em que se vive. Em um mundo no qual o conhecimento é usado de forma intensiva,o diferencial será marcado pela qualidade da educação recebida. A qualidade do convívio,assim como dos conhecimentos e das competências constituídas na vida escolar, será o fatordeterminante para a participação do indivíduo em seu próprio grupo social e para que tomeparte de processos de crítica e renovação. A autonomia para gerenciar a própria aprendizagem (aprender a aprender) e oresultado dela em intervenções solidárias (aprender a fazer e a conviver) deve ser à base daeducação das crianças, dos jovens e dos adultos, que têm em suas mãos a continuidade daprodução cultural e das práticas sociais. O ensino de Biologia busca respostas às indagações sobre a origem, a reprodução, aevolução da vida natural e da vida humana em toda sua diversidade de organização einteração. A Biologia promove avanços tecnológicos no sistema produtivo, na saúde pública,na medicina diagnóstica e preventiva, na manipulação gênica, e alguns desses assuntos sãocontroversos e permeados por inúmeras questões éticas. Dominar conhecimentos biológicos permite, assim, também compreender debatescontemporâneos e deles participar, problemas da atualidade, como doenças endêmicas eepidêmicas, ameaças de alterações climáticas, entre tantos outros desequilíbrios sociais eambientais, permitindo que o indivíduo, diante de situações de vida, tome uma decisão,identifique ou enfrente um problema, julgue um impasse ou elabore um argumento.
  4. 4. O ponto central é a maneira como o aluno pode ser envolvido no processo deaprendizagem em Biologia, e acreditamos que as indicações das diretrizes curricularesnacionais para o Ensino Médio oferecem boas indicações para reverter essa situação, por meiode atividades significativas que avancem para além da memorização da mera observância dereceitas para “descobrir” princípios biológicos. Para isso é recomendável realizar, com osalunos, discussões coletivas que contribuam para a elaboração pessoal e recíprocacomunicação, promovendo a compreensão do tema e também a aprendizagem do respeito a simesmo e aos colegas.III. OBJETIVOS GERAIS- Estimular o gosto pelo aprendizado favorecendo assim o desenvolvimento de posturas evalores que contribuam para a melhoria da qualidade de vida e para a busca de autonomia e daresponsabilidade do educando;- Instigar a curiosidade do educando, bem como a sua visão crítica, acerca das conseqüênciasdo desenvolvimento econômico sob o equilíbrio ambiental;- Propor atividades à medida que o objeto de estudo vai colocando necessidades equestionamentos novos que precisam ser desenvolvido ou aprofundado, envolvendoeducandos e educadores.IV. PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR1ª SÉRIE ENSINO MÉDIOEMENTA: Introdução à Biologia: Biosfera, vida e organização biológica. A Origem da vida. Abase molecular da vida: Matéria e energia. Água, sais minerais, carboidratos e lipídeos.Proteínas. Vitaminas. Os ácidos nucléicos e a síntese de proteínas. A célula: Envoltórioscelulares. Citoplasma. Núcleo celular. Divisão celular: Biotecnologia do DNA. Metabolismocelular: Fotossíntese. Respiração celular. Histologia: Tecido epitelial. Tecido conjuntivo.Tecido muscular. Tecido nervoso. Tecidos meristemáticos. Tecidos permanentes.
  5. 5. OBJETIVOS ESPECÍFICOS- Conhecer os níveis de organização dos seres vivos;- Identificar diferentes explicações para origem dos seres vivos, confrontando concepçõescientíficas e religiosas;- Conhecer os componentes necessários à manutenção da vida;- Identificar as diferentes fases dos processos de divisão celular;- Analisar os processos de metabolismo celular animal e vegetal;- Identificar a natureza do material hereditário em todos os seres vivos;- Caracterizar os tipos de tecidos que constitui os seres vivos.2ª SÉRIE ENSINO MÉDIOEMENTA: Taxonomia: classificação dos seres vivos. Reino Monera, Protista e Fungi e os Vírus.Reino Animal: Invertebrados e Vertebrados. Reino Vegetal.OBJETIVOS ESPECÍFICOS- Conhecer a importância da classificação biológica para a organização da diversidade deseres vivos;- Diferenciar as características dos seres vivos;- Reconhecer a importância dos principais sistemas vitais para a manutenção da vida dos seresvivos;- Discutir o processo evolutivo dos seres vivos nos Reinos Animal e Vegetal.3ª SÉRIE ENSINO MÉDIOEMENTA:- Reprodução e desenvolvimento embrionário. Introdução á Genética: conceitos e histórico. Leis deMendel, Hereditariedade e cromossomos sexuais. Evolução: teorias. Ecologia: fluxo de energia erelações ecológicas.
  6. 6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS- Conhecer as leis de Mendel;- Identificar as principais doenças causadas por distúrbios genéticos;- Conhecer a importância do aconselhamento genético;- Caracterizar as relações ecológicas;- Identificar o processo de fluxo de energia;- Analisar o processo de mudanças ambientais, oriundos do desequilíbrio ecológico.V. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Com o intuito de promover um melhor desenvolvimento e aprendizagem dos alunos,poderão ser inseridos como procedimentos metodológicos as técnicas abaixo, de acordo com anecessidade de cada turma trabalhada.- Painel integrado: Equipes irão trabalhar assuntos diversificados e em uma segunda fase vãomontar novas equipes com um componente de cada equipe anterior; tem como objetivodiscutir em grupo vários temas sob o ponto de vista dos alunos. É encerrado com discussãoem grupo e pequena dramatização ou apresentação dos temas.- Aulas expositivas e participativas, demonstrações didáticas e aulas práticas: Apesar deparecer tradicional, podem ser usado sob outra ótica, pois os métodos têm pontos positivos,pois traz a discussão, levantamento de hipóteses e a participação interativa / participativa doaluno. Leva em conta a experiência do aluno.- Seminários: Pode ser adaptada á realidade dos nossos alunos, criando oportunidade para queos alunos desenvolvam a investigação, a crítica e a independência intelectual. Este métodoestimula a produção de conhecimento e a interação professor / aluno.- Pesquisa: É de vital importância, pois aciona várias fontes de consulta permitindo umaanálise crítica sobre as mesmas. É importante valorizar consultas a fontes originais. Estaseleção de informações deve desencadear no aluno o pensamento reflexivo para que amplieme transformem a informação recebida.- Experiências: Devem ser práticas e levantar problemas, relacionando-os a uma situação real,aplicando princípios teóricos para sua resolução; concilia teoria / prática (Demonstraçãodidática e/ou aulas práticas).
  7. 7. - Mesa redonda: Promove a discussão e busca no diálogo a solução dos problemas levantados.Desencadeia nas várias áreas de ensino a interdisciplinaridade, nos vários níveis de educação,criando oportunidade dos alunos analisarem problemas reais.- Excursões/ Estudo do meio: Incentiva a participação ativa do aluno visto que lhe abre novoshorizontes.- Textos informativos: Cria oportunidade de interdisciplinaridade, visto que envolvecompreensão, comentários e interpretação das informações recebidas.- Estudo dirigido: Estimula o educando a seguir orientações didáticas, permitindo que omesmo seja mais independente.- Jogos: Permite que o educando aprenda com o lúdico.- Elaboração de álbum seriado: Faz o aluno aprender com prazer, construir através dapesquisa de imagens e textos, material didático para estudos posteriores.- Debates: Levam o aluno a expor seu ponto de vista sobre determinado assunto.- Leituras diversas: Estimula o raciocínio e amplia o vocabulário.VI. AVALIAÇÕES O erro deve ser visto como uma revelação da lógica de quem aprende. Avaliar ébuscar compreender essa lógica, explicitá-la para quem está aprendendo, possibilitando seuavanço. Assim, a avaliação deve ser concebida como um instrumento que informa aoprofessor o que foi aprendido pelo estudante, a eficácia de sua prática educativa e os ajustesnecessários nas intervenções pedagógicas. Informa também, ao estudante quais foram seusavanços e dificuldades. Por isso, a avaliação deve ser feita em diversas situações e comcritérios explícitos e claros. A avaliação se dá a partir da somatória das atividades realizadas, e no final de cadaunidade o aluno deve alcançar a média (5,0 pontos). No final das quatro unidades, o alunoainda tem a oportunidade de fazer a recuperação, caso não tenha alcançado a média nodecorrer do ano letivo.
  8. 8. VII. RECURSOS  Aparelho de DVD;  Vídeo;  TV pendrive;  Mídias de DVDs;  Quadro branco;  Data-Show  Pilot, apagador;  Livro texto do aluno e outros;  Material de laboratório e outros;  Espaço da sala de aula, Sala de ciências.  Cartazes;  Desenhos;  Transparências;  Televisão;  Computador.
  9. 9. REFERÊNCIAS- AMABIS e MARTHO. Conceitos de Biologia. Vol. 1, São Paulo SP, Ed. Moderna,2001.- BIZZO. Nélio. Ciências: Fácil ou difícil?. Palavra do professor. São Paulo: Ática,1998.- BRASIL Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Media e Tecnológica.Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Orientações Complementaresaos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suasTecnologias. Brasília, DF: [2000?].- ___________________. Congresso Nacional, Lei n° 9.394/1996: Lei de Diretrizes eBases da Educação Nacional. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1996.- __________________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média eTecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Bases Legais.Brasília, DF, 1999.- __________________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. FundoNacional de Desenvolvimento da educação. Biologia: Catálogo do Programa Nacional dolivro para o Ensino Médio. PNLEM/ 2007. Brasília, DF: IBEP, 2006.- CÉSAR e CEZAR. Biologia. Vol. 1, 2 e 3 Ed. Saraiva, São Paulo, SP, 1995.- DEMÉTRIO DELIZOICO V., José André Angiotti. Metodologia do Ensino deCiências. São Paulo: Cortez, 1990.- LAURENCE, J. Biologia: ensino médio, volume único/ J. Laurence, - 1.ed.- São Paulo:Nova Geração, 2005.- LINHARES, SÉRGIO; GEWANDSZNAJDER, FERNANDO. Biologia. Volume único.Editora Ática, 1ª ED. São Paulo, 2007.- LOPES. Sônia Bio 3. São Paulo – SP, Saraiva, 16ª ed. 1995NERICI, g. Imideo. Metodologia do Ensino: uma introdução - São Paulo: Atlas, 1981.- PAULINO, W. R. Biologia: citologia e histologia. Vol. 1. Ed. Àtica. São Paulo, 2005.- Secretaria de Educação Básica Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias –Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. (Orientaçõescurriculares para o ensino médio; volume 2).

×