Portfólio ulisses

4.072 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.072
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portfólio ulisses

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEBDEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA – DCET CAMPUS II – ALAGOINHAS – BA SUPERVISÃO: CLÁUDIA REGINA TEIXEIRA DE SOUZA ESTAGIÁRIO: ULISSES SANTANA DE BRITO REGENTE: LISIANA PALMEIRAESTÁGIO SUPERVISIONADO II Alagoinhas 2011
  2. 2. Este portifólio foi realizado comalunos do ensino médio do ColégioEstadual de Alagoinhas – C.E.A. Estetrabalho foi realizado por mim,Ulisses Santana de Brito, graduandodo 8º semestre do curso delicenciatura plena em ciênciasbiológicas, pela Universidade doEstado da Bahia – UNEB. Alagoinhas 2011
  3. 3. Ficha Técnica… Como estudante de um curso de licenciatura,venho por meio deste portfólio comentar sobre aminha experiência como professor estagiário deum colégio estadual de Ensino Médio, comoparte das atividades do componente curricularEstágio Supervisionado II, 8º semestre,ministrada pela queridíssima professoraorientadora Cláudia Regina Teixeira de Souza. O objetivo foi analisar, observar e reger asaulas de biologia. A foi feita em uma turma deEducação para Jovens e Adultos – EJA, NO
  4. 4. Colégio Estadual de Alagoinhas – C.E.A. OEstágio Supervisionado II possibilitou que eu,enquanto futuro professor de biologia,experimentasse uma vivência ímpar e que trouxeinplicações positivas na formação de minhaidentidade profissional docente. ...MENSAGEM... "Não se pode falar de educação sem amor". ( Paulo Freire )
  5. 5. A educação sozinha não transforma asociedade, sem ela tão pouco a sociedade muda.(Paulo Freire)Meus caros, é com grande prazer que os convidoa viver junto comigo essa experiência! Então,vamos nessa? Espero que goste.. Boa leitura!
  6. 6. ..o Estágio... O estágio é um momento de grandeimportância no processo de formação doprofissional docente. Constitui-se em umtreinamento que possibilita os estudantesvivenciar o que foi aprendido na Faculdade,tendo como função integrar as inúmerasdisciplinas que compõem o currículo acadêmico,dando-lhes unidade estrutural e testando-lhes onível de consistência e o grau de entrosamento. A teoria é uma ferramenta essencial para aconsolidação da prática. Assim, o EstágioSupervisionado adquiriu um papel substancial
  7. 7. no processo de graduação, pois, o mesmocaracteriza-se como a prática em meio àaprendizagem na graduação.Um momento naformação em que o graduando pode vivenciarexperiências, conhecendo melhor sua área deatuação. De acordo com a Lei de Diretrizes eBases da Educação Nacional (Lei9.394/96) oEstágio de Licenciatura, é necessário àformação profissional a fim de adequar essaformação às expectativas do mercado detrabalho onde o licenciando irá atuar. É muitoimportante na formação de educadores, sendoum eixo central na formação dos mesmos, poissomente através do estágio o profissional poderáconhecer os aspectos indispensáveis para a
  8. 8. formação da construção da identidade doprofessor e os saberes do dia-a-dia. Segundo Pimenta e Ghedin (2002, pag. 24apud Iraíde e Raimunda SD) argumenta que osaber docente não é formado apenas da prática,sendo também nutrido pelas teorias daeducação. A teoria tem importânciafundamental na formação dos docentes, poisadota os sujeitos de variados pontos de vistapara uma ação contextualizada, oferecendoperspectivas de análise para que os professorescompreendam os contextos históricos, sociais,culturais, organizacionais e de si próprios comoprofissionais.
  9. 9. “ O estágio supervisionado é uma atividade adotada pelos cursos delicenciatura, prioriza a praticidade do ensino, o que deverá contribuir paraformação e transformação do aluno em professor. Sua realização éfundamental para estimular o estagiário e desse modo proporcionar ao alunoestagiário vivenciar o dia a dia de um professor, em plena atividadeprofissional, passando de “expectador” para “ator,“ no cenário da educação,percebendo as dificuldades encontradas pelos professores e profissionais daárea dando aula de fato”. (Retirado do portifólio de Maria da Conceição, referente ao seu Estágio Supervisionado I e quepor sua vez, foi retirado da lei de estágios supervisionados).
  10. 10. O meu Estágio foi dividido em duas etapas,sendo a primeira de observação e a segunda deregência. A primeira etapa teve início no dia18/09/2010 e fim no dia 04/10/2010,totalizando um número de seis aulasobservadas. A segunda etapa, teve início no dia20/10/2010 e fim no dia 03/12/2010 ,sendocinco semanas de aulas ministradas e umasemana de prova. A metodologia aplicada à proposta do meuestágio foi desenvolvida a partir da elaboraçãode planos semanais contendo seqüenciasdidáticas que buscou potencializar as relaçõesinterativas em sala de aula e acompanhadas deproposta de avaliações que fossem viáveis a
  11. 11. realidade dos estudantes. Além disso, houve ainteração Professor–Aluno, abrindo-sediscussões em sala, contextualizando eabordando assuntos do cotidiano como assuntosvistos em sala, portanto, as aulas eramparticipativas e interativas.Conforme diz Kulcsar, 1994... O Estágio não pode ser encarado como uma tarefa burocrática a ser cumprida formalmente... Deve, sim, assumir a sua função prática, revisada numa dimensão mais dinâmica, profissional, produtora, de troca de serviços e de
  12. 12. possibilidades de abertura para mudanças. No final das férias de mais um semestre,recebemos a tarefa, e essa seria de fato atarefa, que seria desta feita, Ensinar alunosde Ensino Médio no período da IV unidade,imaginem só, reta final do ano letivo. Entãoa professora Cláudia nos procurou e pediuque adiantássemos a procura pelos Colégios,pois teríamos que cumprir a nossa missão, ejá de início enfrentaríamos um obstáculoimplacável...
  13. 13. O tempo! Contra tempo... Bom, se o tempo é implacável, pior é ir contraele, mas foi o que aconteceu, pois fiz toda aminha observação em uma escola e por motivode horário (era turno noturno) não pude fazerminha regência na mesma escola, tive queprocurar uma outra, foi uma correria só, o fatofoi que consegui encontrar outra escola, fiz umaobservação, quarta-feira e na sexta-feira,comecei minha regência, (rsrs..).
  14. 14. A Escolha da... Na verdade a escolha da escola para regênciafoi por acaso. Há duas escolas cercadas pelomesmo muro, na procura, entrei em uma delas,combinei passar lá no dia seguinte, pois adiretora não se fazia presente, só que no diaseguinte, terminei entrando na outra escola,pensando se tratar da mesma, a recepção foi tãocalorosa por parte de minha regente que termineificando.“Gosto de ser gente inacabada porque, inacabado, sei que sou um sercondicionado mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir maisalém dele. Esta é a diferença profunda entre o ser condicionado e o serdeterminado.”
  15. 15. ( Paulo Freire). O Colégio Estadual de Alagoinhas – C.E.A,situa-se à Praça Alcindo Camargo s/n CentroTelefones 75-3422-4866, E-mailColegiocea2009@hotmail.com. A escola é deensino para jovens e adultos, EJA, eram quatroturmas, duas pela manhã e duas pela tarde, deiaulas a uma turma de 3º ano à tarde, foi a V² -eixo VII. As aulas eram dia de quarta-feira das15:00 às 16:40h e sexta-feira, das 13:00 às14:40h. A escola atendia a alunos da áreaurbana e da zona rural.
  16. 16. O C.E.A é uma escola de pequeno porte,carente de recursos que sirvam de suporte para oprofessor trabalhar, não possui laboratórios,biblioteca, quadra de esportes, enfim, emborafosse desprovida desses equipamentos, tinhaalgo que me ajudou muito na hora de passar osconteúdos, que era a TV pendrive. Ela têm 8 salas, uma área externa, tanto nafrente quanto nos fundos, penso que poderia sermelhor aproveitadas, o C.E.A tem uma cozinha,sala dos professores, direção, secretaria e doisbanheiros, cujos itens pareciam velhos, emboralimpos e conservados. As salas não eram bemiluminadas e nem arejadas.
  17. 17. C.E.A
  18. 18. A regente...
  19. 19. A regente da turma foi a professora LisianaPalmeira, licenciada pela Universidade doEstado da Bahia – UNEB, meu primeirocontato com ela, ela se mostrou bastantereceptiva, estava sempre alegre, se relacionavabem com os seus alunos e colegas de trabalho.Ela assistiu algumas de minhas aulas, masestava quase sempre presente na escola nosperíodos de aula. O longo tempo de ensino, ascondições precárias que uma escola ofereça comosuporte ao professor, a falta de apoio doscolegas, tudo isso torna, com o passar dos anos aatividade docente desgastante e desestimulante.MASLACH (1999:36), afirmaque:
  20. 20. O desgaste físico e emocional não é umproblema das pessoas, mas do ambientesocial em que elas trabalham. A estrutura eo funcionamento do local de trabalho,moldam a forma da interação das pessoas ea forma como elas realizam o seu trabalho.Quando o local de trabalho não reconhece olado humano dessa atividade, o risco dedesgaste cresce, trazendo com ele um preçobastante alto. A thurma... Era de fato uma turma EJA, pois eracomposta de jovens e adultos, eram alunos
  21. 21. com faixa etária entre 18 à 45 anos, não erauma turma grande, composta por 26 alunose como já havia dito, era do 3º ano,vespertino, (V² - eixo VII). Nossosencontros eram às quartas e sextas-feiras.Eles eram de uma forma geral, alunoscomportados e esforçados, embora houvesseuma “panelinha”, de meninas que queriamfazer das aulas, uma feira livre, onde sevendia desde calcinhas e sutians à indultos eterrenos no céu. Conversavam muito. Porémjá na reta final, nas últimas avaliações,percebi que até essas alunas deram tudo desi e a volta por cima também, legal né?Antes tarde do que numca.
  22. 22. Achiles,1996;Finn,1998;Mosteller,1995... Mostram que: As turmas menores apresentam, de formasistemática e acentuada, melhoraproveitamento do que as maiores, emambos os testes aplicados ao longo do tempoe para todas as categorias de alunos(brancos ou minorias; urbanos, suburbanos erurais); o efeito positivo das turmasreduzidas é bem maior nos gruposminoritários; as taxas de repetência forammenores nas turmas de menor tamanho.
  23. 23. A regência“A teoria materialista de que os homens são produtos das circunstâncias e daeducação e de que, portanto, homens modificados são produtos decircunstancias diferentes e de educação modificada, esquece que ascircunstancias são modificadas precisamente pelos homens e que o próprioeducador precisa ser educado. Leva, pois, forçosamente, à divisão da sociedadeem duas partes, uma das quais se sobrepõe à sociedade[...]. A coincidência damodificação das circunstancias e da atividade humana só pode ser apreendida eracionalmente compreendida como prática transformadora”. (Karl Marx) (Retirado do portifólio de Maria da Conceição, referente ao seu Estágio Supervisionado I e que por sua vez, foi retirado da lei de estágios supervisionados). GOOGLE. Teses sobre Feuerbach. Karl Marx. Disponível em:http://www.google.com.br/search? Acesso em 03/02/2011.
  24. 24. Primeira Semana...... Meu primeiro dia de aula no comando daturma finalmente chegou, me lembro que estavacheio de expectativa. A turma estava meiodesconfiada, acanhados, mas com o tempo foramse soltando, ficando a vontade e por fiminteragindo. Sempre que eu colocava umasituação, seja sobre ecologia ou genética, os doisassuntos que abordei na IV unidade, eles sempretinham um testemunho, um exemplo paraapresentar. Bom, primeiro foram feitas as seguintesapresentações, minha e deles, depois apresenteios assuntos que seriam apresentados na unidadee a forma como seriam cobrados.
  25. 25. Segunda Semana...... Na segunda semana de aula só tivemos aulana quarta-feira, todos já estavam mais avontade. A partir dessa semana já identifiqueios alunos que gostavam de conversar na aula,aliás, as alunas, era um grupo de três alunas,essas meninas conversavam durante toda a aula,eu “brincava” com elas, perguntava a que horaso trio elétrico iria parar de tocar, porque pareciaque as três eram elétricas, mas não adiantavanada.
  26. 26. Terceira Semana......Êêitha!!! Foi nesse dia que a orientadora dadisciplina, a professora Cláudia Regina,resolveu aparecer na escola para me observar.Nesse dia quando ela chegou, e foi cedo, eu jáestava lá, na sala dos professores, pra ser maispreciso, estava terminando de aprontar osúltimos slides sobre Ecologia e Meio Ambiente,para apresentar minutos depois aos alunos naaula e em seguida exibiria o filme “A Históriadas coisas”, acho que foi pelo fato de não tersalvo o filme no tipo de arquivo certo. Tive queimprovisar, pegou mal, mas, enfim, entre mortose feridos todos se salvaram.
  27. 27. Quarta Semana...As aulas transcorreram tranquilamente nodecorrer dessa semana. Lembro-me que na horada chamada, uma de minhas alunas nuncaestava presente e abordando sobreeritroblastose, vim descobrir que ela estavavivendo o assunto da aula na própria “pele”. Momento de interação com meus colegas de trabalho na sala dos professores.
  28. 28. Quinta Semana...... Bom, quinta semana de aula e o “trio elétrico”continuava tocando cada vez mais alto, eu asvezes achava que não ouvia a minha própriavoz, foi aí que resolvi mudar a estratégia,comecei a dispensar uma atenção maior ao “trioelétrico” e olhem, que não foi por gostar decarnaval não viu, mas sim porque de fato estavaatrapalhando a aula. Pois bem, ao invés de ficarna frente da sala, passei a me posicionar ao ladodo trio e minhas perguntas eram sempreprimeiramente direcionadas a elas, foi aí quepude dar minhas aulas com maior tranqüilidade.
  29. 29. Sexta Semana...... Eu, percebi que estava me apegando aos meusalunos, acho que estava sendo construída umarelação de amizade com eles, eu respeitavamuito a individualidade de cada um deles e suaslimitações, acho que sempre fui assim, fui assimcom eles e sempre serei assim com todo mundo.Comecei a perceber esse meu lado, é que eupercebia as dificuldades deles e queria fazer omelhor para que eles superassem essasdificuldades e essa relação faz com que se crieum vínculo muito forte de amizade, ainda maisquando eles percebiam isso, que eu só queriaajudá-los, aí então, em contra partida elestambém tornaram-se meus amigos. Tanto queaté hoje quando encontro um deles na rua, éaquela euforia.
  30. 30. Sétima Semana...... Como a maioria dos alunos eram da zonarural, eles se identificavam muito mais com osassuntos relacionados, então procurei direcionaro assunto, principalmente em se tratando deEcologia e Meio Ambiente, então pedi queconfeccionassem um jornal ecológicos relatandoos problemas ecológicos enfrentados em seusrespectivos bairros, eles adoraram.Olha a pose para foto (sala dos professores)
  31. 31. Oitava Semana...... Essa foi a semana do chororô para alguns quedeixaram de participar de algumas atividades eeuforia de outros, os que concluíram todas asatividades, procurei ser imparcial na hora depassar as notas, mas entre mortos e feridos,todos se salvaram.
  32. 32. Agradecimentos“Havendo um jardineiro, cedo ou tarde, um jardim aparecerá.Mas um jardim sem jardineiro cedo ou tarde desaparecerá.O que é um jardineiro?Uma pessoa cujo pensamento, está cheio de jardins.O que faz um jardim são os pensamentos do jardineiro.O que faz uma escola?São os pensamentos dos que a compõem” (Rubem Alves)A PROFESSORA CLÁUDIA REGINA QUE MERECE TODOCARINHO, AGRADEÇO SUA PACIÊNCIA , SEU CARINHO ETODO APOIO QUE NOS DEU TODO ESSE TEMPO EM PASSAMOSJUNTOS. SEUS ENSINAMENTOS PROFª, FORAM DE SUMAIMPORTÂNCIA PARA NÓS. OBRIGADO POR TER NOSENSINADO TÃO BEM. ADOREI TER UM BLOG, ONDE POSSOEXPRESSAR MEU SENTIMENTO, MINHA CRÍTICA, ONDEPOSSO FAZER MINHAS OBSERVAÇÕES LIVREMENTE.
  33. 33. “Eu prefiro ser uma metamorfoseambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.
  34. 34. REFERÊNCIASKULCSAR, Rosa. (1994). O Estágio Supervisionado como AtividadeIntegradora. In PICONEZ, Stela C.B. (org.). A Prática de Ensino eo EstágioSupervisionado. 2ª.Edição. Campinas, S P, Papirus.MASLACH, Cristina e LEITER, Michael P. Trabalho: Fonte dePrazerou Desgaste? Guiapara Vencero Estresse na Empresa.Campinas, São Paulo: Papirus, 1999.MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº9394/96.Brasília. 20 de Dezembro de 1996.GOOGLE. Teses sobre Feuerbach. Karl Marx. Disponívelem:http://www.google.com.br/search? Acesso em 03/02/2011.GOOGLE. Adriana Soares: A escola na era digital. Disponível em:http://dricabahiana.blogspot.com/2010/09/escola-na-era-digital.html. Aceso em 28/02/2011.GOOGLE. Há escolas que são gaiolas e há escolas ... Disponível em:http://pensador.uol.com.br/frase/MzczMjY/ Acesso em 28/02/2010.

×