Este é um diário onde eu, Tais BraulioOliveira, irei relatar um pouco da minha      experiência como estagiária.
Querido diário, este ano de 2010 me reservou  mais um grande desafio:estagiar no Ensino  Médio.Eu como estudante de Ciênci...
O colégioO    colégio  Estadual     de   Feira    deSantana(CEFS) está localizado na rua JuracyMagalhães, s/ número,Centro...
A RegenteA    professora   regente    chamava-seAntonieta Nunes. Formada           pelaUniversidade Estadual de Feira deSa...
Professora            desmotivada.Por que?O excesso de carga horária e os baixossalários; Descontentamento profissional....
Professora Antonieta também se queixavado baixo rendimento e da poucaparticipação dos alunos e eu sempre mequestionava: “S...
O          professornecessita              Ao       definir     objetivos      dedesenvolver       da   aprendizagem,     ...
A turmaO estágio foi realizado em uma turma de primeiro anodo Ensino Médio, composta de 20 alunos.Era uma turma acolhedora...
Conforme afirma Zagury 2006, o professor podeajudar a despertar o interesse do aluno, masexistem muitos outros fatores que...
O Livro                        DidáticoO livro didático utilizado pelo colégio,no 1º ano éo AMABIS & MARTHO,volume 1:Biolo...
“[...] nas escolas públicas já seconsagram mudanças na forma deutilização do livro didático. Cada vezmais o professor deix...
Apresentado o colégio, aprofessora regente e turma, vouagora começar a relatar de fatoo meu desafio de estar em salade aul...
ObservaçãoNessa etapa, pude perceber um pouco a didáticada professora regente, sua postura, sua relaçãocom os alunos, prin...
14/09/2010                17/09/2010A professora Antonieta     Hoje a professorame apresentou a turma e    explicou       ...
Quando a professora disse queo assunto que eu iria trabalharera divisão celular despertou emmim uma mistura de inquietação...
Trabalhando o                  conteúdoQuando fiquei sabendo que ensinaria divisão celular,comecei a procurar na internet ...
21/09/2010        24/09/2010Hoje          a   Os       alunosprofessora        utilizaram    aexplicou      o   aula para ...
28/09/2010              01/10/2010Hoje             a   Como        poucosprofessora           alunos      haviampassou    ...
RegênciaA etapa da regência possibilita o contato do aluno-professor com seu futuro campo de atuação.Esseperíodo foi de gr...
Chegou o momento de levar para sala osconhecimentos      teóricos     adquiridos      nauniversidade e confrontar teoria e...
19/10/2010Por ter sido o primeiro dia de aula com a turma,iniciei expondo como desejava que ocorresseminhas     aulas, res...
Por dentro do                  assunto!O professor que na sala de aula dialoga comseu aluno, busca decisões conjuntas porm...
22/10/2010Iniciei a aula com uma explicação geral sobreinterfase para que fossem tiradas as dúvidas e emseguida expliquei ...
Como as salas não apresentavam TV Pen drive,caso quisesse uma aula em forma de slides serianecessário levar os alunos para...
26/10/2010Como na aula anterior havia poucos alunos nasala, fiz uma revisão dos assuntos já abordados epercebi que os alun...
Segundo Marion(1999), aresolução de exercíciosdeve ser usado de modocomplementar às aulasexpositivas,    servindopara fixa...
29/10/2010Hoje não teve aula porcausa do feriado doFuncionário Público.
Feriadão!!!!!Essa semana não dei aula por causa doferiado de finados( 2/11) e o do ENEM (5/11).
10/11/2010Como minhas aulas são dias de terça e sexta,coincidindo com muitos feriados, professoraCláudia sugeriu que eu pa...
Semana de                  LinguagemEssa semana no colégio está acontecendo a Semanade Linguagem.Este projeto faz parte de...
16/11/2010Iniciei aula entregando para os alunos umacruzadinha sobre divisão celular. Como percebi quea maioria dos alunos...
A atividade em grupo foi bastante produtiva, osalunos discutiam entre si quais as característicasque eles achavam que se e...
Palavra-                Jogo didático     cruzadaAs palavras cruzadas      Segundopodem ser utilizadas      Kishimoto(2005...
19/11/2010Hoje foi o mini-teste com oassunto     mitose.Solicitei   A avaliação é umaque os alunos formassem        etapa ...
Refletindo...Ao chegar em casa e corrigir as avaliaçõesconstatei a real falta de atenção e de estudo dosalunos.Talvez tamb...
Esse quadro pode ser revertido com maispolíticas de Recursos Humanos quepriorizem investimentos em qualificaçãodos profiss...
23/11/2010Iniciei a aula solicitando que os alunos formassemum semi circulo para facilitar na hora dademonstração didática...
Hoje eu fiquei super ansiosa por já saber que aprofessora Claudia Regina iria me observar. Eu játinha dado as informações ...
26/11/2010               Reunião de pais                 de mestre                        Com a participação daHoje foi a ...
30/11/2010Iniciei a aula explicando as fases da Meiose Isempre buscando fazer comparação com as fasesda mitose para que os...
03/12/2010 Iniciei a aula falando um pouco sobre o câncer,expliquei os fatores que podem levar ao seuaparecimento (fatores...
Estudo de texto como              técnica de ensinoA leitura é imprescindível no mundo doconhecimento, permitindo o desenv...
07/12/2010Hoje solicitei que os alunos respondessem questõesdo livro didático referente a divisão celular. Após acorreção,...
A música como                     recurso                   pedagógicoO uso da música como um instrumentopedagógico é um r...
Tecnologias da Informação e        Comunicação (TICs) As TICs em salas de aulas podem se articular deforma empática com a ...
10/12/2010Iniciei a aula dando as instruções sobre o jogo“Fala sério & Com certeza”: a sala foi dividida em 2grupos, cada ...
No ensino de Biologia, osjogos didáticos podem serutilizados em sala de aula,para apresentar um conteúdo,ilustrar aspectos...
14/12/2010Quando cheguei à sala os alunos jáestavam organizados, todos em fila. Aaplicação da prova se deu de formatranqüi...
Hoje pude constatar como o relacionamento dosprofessores com os alunos pode determinar o climaemocional da sala de aula.E ...
Refletindo minha prática              pedagógicaApesar de ter utilizado basicamente deaulas expositivas, sempre buscava fa...
Quanto ao método da aula expositiva,Lopes (2007) afirma que a utilização daaula expositiva poderá ser transformadaem uma a...
Durante o decorrer da regência, houve umamescla de tendências pedagógicas. Atendência liberal tradicional se fez presentep...
Nos momentos em que os alunos semostravam inquietos e indisciplinados,procurava manter a calma e evitavarespostas ríspidas...
Esse período de regência serviu tambémpara uma reflexão em relação a minhapostura em sala de aula e asmetodologias aplicad...
Referências BibliográficasBINI,L. R.; PABIS, N. Motivação ou interesse do aluno em sala deaula e a relação com atitudes co...
LIMA, R.M.S. et al. Ensino De Biologia Em Escolas PúblicasEstaduais: Um Olhar A Partir Das Modalidades Didáticas.2010.Disp...
MOITA, F.M.G.S.C;LUNA,M.G.De. Pedagogia de Projetos: umaproposta de Trabalho no Ensina e Aprender. Olhar de professor,V.7,...
TARDELI, D. D’ Áurea. O respeito na sala de aula.Petrópolis,R.J: Vozes, 2003.ZAGURY, T. O Professor refém: para pais e pro...
Portfólio tais
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Portfólio tais

1.662 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.662
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portfólio tais

  1. 1. Este é um diário onde eu, Tais BraulioOliveira, irei relatar um pouco da minha experiência como estagiária.
  2. 2. Querido diário, este ano de 2010 me reservou mais um grande desafio:estagiar no Ensino Médio.Eu como estudante de Ciências Biológicas da Universidade Estadual da Bahia, cursando o oitavo semestre, preciso passar pela etapa do Estágio Supervisionado II, tendo professora Cláudia Regina Teixeira de Souza como supervisora.A professora Cláudia foi super compreensiva a todo momento.Como moro em Feira de Santana ela, juntamente com o colegiado, liberou que eu estagiasse em minha cidade.Dentre os colégios visitados, o que se encaixou na proposta da professora foi o Colégio Estadual de Feira de Santana.
  3. 3. O colégioO colégio Estadual de Feira deSantana(CEFS) está localizado na rua JuracyMagalhães, s/ número,Centro-Feira deSantana.O colégio apresenta uma ampla estruturafísica para comportar a demanda de alunos,funcionando nos três turnos. As salas deaula apresentam janelas que as deixam comuma boa iluminação e ventilação, porém nãoapresentam um bom estado de conservação,fato que não é permitido devido depredaçãodos próprios alunos.As salas não apresentavam Tv pen drive, queficava no Lab.de Ciências ou no auditório. Nocolégio também há banheiros coletivos (emmás condições), uma cantina, área pararecreação, secretaria e sala dos professores,onde era possível o encontro dos mesmos nohorário do intervalo.
  4. 4. A RegenteA professora regente chamava-seAntonieta Nunes. Formada pelaUniversidade Estadual de Feira deSantana, leciona há vinte e oito anos epercebi que ela não se encontra maismotivada.Nas nossas conversas ela sempre mepedia para desistir de ser professora e sequeixava da falta de compromisso dosalunos.Ainda assim ela matinha uma boa relaçãocom seus alunos e colegas de trabalho.
  5. 5. Professora desmotivada.Por que?O excesso de carga horária e os baixossalários; Descontentamento profissional. Diversosprofessores não gostariam de estar em talprofissão;Perdeu o interesse pela profissão.
  6. 6. Professora Antonieta também se queixavado baixo rendimento e da poucaparticipação dos alunos e eu sempre mequestionava: “Será que a desmotivaçãodela não estava influenciando em suaprática pedagógica e conseqüentementeno rendimento de seus alunos?”Ela não mostrava interesse em inovar emsuas aulas, em promover a participaçãodos alunos.Para que os resultados emsala de aula seja positivos, é necessárioque o professor reflita e analise as formascom que está desenvolvendo seu trabalho.
  7. 7. O professornecessita Ao definir objetivos dedesenvolver da aprendizagem, apresentar amelhor forma informação, proporpossível seu tarefas,responder a demanda dostrabalho, buscando alunos, avaliar a aprendizagem ediscutir com os exercer o controle e a autoridade, ospróprios alunos, professores criam ambientes quetanto a maneira afetam a motivação e acomo o assunto aprendizagem. Em conseqüência, seestá sendo queremos motivar nossos alunos,abordado, se está precisamos saber de que modooferecendo nossos padrões de atuação podemcondições de contribuir para criar ambientesaprendizagem, ou é capazes de conseguir que os alunospreciso mudar as se interessem e se esforcem porformas de aprender e, em particular, que formasexplanação, como de atuação podem ajudartambém as regras concretamente a um aluno (TAPIA &disciplinares(BINI & FITA, 1999).PABIS,2008)
  8. 8. A turmaO estágio foi realizado em uma turma de primeiro anodo Ensino Médio, composta de 20 alunos.Era uma turma acolhedora e muito alegre e, como emqualquer sala de aula, tinham aqueles alunos queprestavam mais atenção, que participava e, aquelesque filavam.Nas aulas que observei, notei que alguns alunosencontravam-se desmotivados e poucoparticipativos,porém a indisciplina não se fezpresente.Quanto a pouca participação e a desmotivação dosalunos, um conjunto de fatores podem tercontribuído, como por exemplo, a metodologiadesenvolvida pela professora ou até mesmo a falta decompromisso dos próprios alunos. Nem sempre osalunos percebem o valor dos trabalhos escolares,pois, muitas vezes, não conseguem compreender arelação existente entre a aprendizagem e umaaspiração de valor para a sua vida, o que faz comque eles não se envolvam no trabalho.
  9. 9. Conforme afirma Zagury 2006, o professor podeajudar a despertar o interesse do aluno, masexistem muitos outros fatores que também devemser levados em consideração, tais como: falta dematerial adequado, falta de apoio da família efalta de perspectiva para o futuro, pois o alunoestá incluído num contexto que pode influenciarpositiva ou negativamente.Motivá-los e incentivar a participação dos alunostambém será minha missão nesse estágio.
  10. 10. O Livro DidáticoO livro didático utilizado pelo colégio,no 1º ano éo AMABIS & MARTHO,volume 1:Biologia dascélulas. 2 ed.São Paulo: Moderna, 2004.Considero um livro bom, traz textos,exercícios equestões de vestibular e os assuntos não sãoabordados de forma tão sucinta. Porém aprofessora regente o considerava muitocomplexo para o nível dos alunos, e entãoutilizava livros mais resumidos e consideradospor ela mais fáceis.Ainda assim optei por me basear poresse livro para elaborar os planossemanais e as aulas,buscandotambém outras fontes, outros livrosde Ensino Médio(PAULINO, W.R.Biologia.2.ed. São Paulo: Ática,1998AMABIS,J.M. & MARTHO,G.R.Biologia das células : a origemda vida, citologia, histologia eembriologia.São Paulo:Moderna,1994.
  11. 11. “[...] nas escolas públicas já seconsagram mudanças na forma deutilização do livro didático. Cada vezmais o professor deixa de usar o livrocomo manual e passa a utilizá-locomo material bibliográfico de apoioa seu trabalho (leitura, preparação deaulas, etc.) ou recurso para apoio àsatividades dos alunos (confronto dedefinições e assuntos em duas oumais coleções; fonte de exercícios eatividades; textos para leituracomplementar; fonte de ilustrações eimagens; material para consultasbibliográficas etc.).” (NETO &FRACALANZA ,2003).
  12. 12. Apresentado o colégio, aprofessora regente e turma, vouagora começar a relatar de fatoo meu desafio de estar em salade aula. Lembrando que operíodo do estágio constou de 2etapas:observação e regência.
  13. 13. ObservaçãoNessa etapa, pude perceber um pouco a didáticada professora regente, sua postura, sua relaçãocom os alunos, principalmente em sala de aula.Foi o meu primeiro contato não só com aprofessora e a turma, mas também como osoutros professores e a direção.Confesso que tomei aquele susto com a estruturado colégio. Este encontrava-se em período dereforma e estava em situação caótica:salasempoeiradas, quadros brancos apoiados emcadeiras, barulho devido ao processo dereforma...Eu só pensava em duas coisas: como euiria estagiar em um colégio naquele estado e qualseria a reação da professora Cláudia Regina aose deparar com aquela situação.
  14. 14. 14/09/2010 17/09/2010A professora Antonieta Hoje a professorame apresentou a turma e explicou sobreentão sentei no fundo da cromatina. Ela utilizousala para observar sua o quadro para colocaraula.Os alunos foram pequenosbastante receptivos. apontamentos.Ainda assustada com a Não incentivava asituação do colégio, participação dosconfesso que observava alunos,que prestavammais a estrutura da sala atenção de formado que a professora. Sei passiva.que ela colocou no Terminada a aula, fuiquadro as resposta de com a professora paraalguma atividade que ela a sala dosjá havia passado e os professores. Lá elaalunos copiavam. falou um pouco sobre a turma e me passou o assunto que eu daria na 4ª unidade.
  15. 15. Quando a professora disse queo assunto que eu iria trabalharera divisão celular despertou emmim uma mistura de inquietação,angústia, insegurança...afinal Divisão celular,mitose e meiose era um assunto não!que desde a época da escola eu E agora?não gostava, tornei vê-lo nafaculdade e continuei semgostar.Naquele momento eu sabia que oassunto a ser ensinado seria omeu maior desafio desse estágiopois eu teria que estudá-lo mais,entendê-lo melhor para que eupudesse passar o conteúdo deforma clara e segura.
  16. 16. Trabalhando o conteúdoQuando fiquei sabendo que ensinaria divisão celular,comecei a procurar na internet algumas atividades,jogos, músicas, que facilitassem tanto a minhacompreensão quanto a dos alunos, afinal eu nãopoderia passar para eles a impressão que eu tinhado assunto.Eu tinha que criar alternativas paradeixar o assunto menos chato e fazer com que osalunos se interessassem pelas aulas. Além do entusiasmo do professor que vai conquistar os alunos e fazer com que gostem das aulas, um outro fator importantíssimo é o domínio que o professor tem do assunto, pois isso faz com que explique a matéria sem prender-se tanto à leitura do livro, bem como a utilização de materiais didáticos e criativos.(BINI & PABIS,2008).
  17. 17. 21/09/2010 24/09/2010Hoje a Os alunosprofessora utilizaram aexplicou o aula para aassunto resolução dacariótipo e no atividadefinal da aula sobrepediu que os cariótipo. Aalunos professora seformassem mostrouduplas para disposta aresolução da ajudá-los eatividade. sempre de bom humor.
  18. 18. 28/09/2010 01/10/2010Hoje a Como poucosprofessora alunos haviampassou uma respondido todalista de a lista de revisão,exercícios para a professoraos alunos apenas colocoucomeçarem a no quadro asresponder em respostas dassala de questões e osaula.Esta lista já alunos copiavam.seria uma forma Não houve dede revisão para fato uma revisãoa prova da 3ª para prova.unidade.
  19. 19. RegênciaA etapa da regência possibilita o contato do aluno-professor com seu futuro campo de atuação.Esseperíodo foi de grande importância possibilitandouma reflexão crítica, construindo minha identidade efazendo com que eu criasse e desconstruísseexpectativas.Durante todo o período da regência temi nãoconseguir dominar a classe, me preocupei em nãosaber todo o conteúdo que julgava necessário, mequestionei quanto ao método que adotaria...Enesses momentos de inquietação percebi o quantofoi importante a elaboração de planos de aula e osencontros presencias com a professora CláudiaRegina.Elaborando os planos semanais me ajudou a mesentir mais segura e lidar melhor com osimprevistos.
  20. 20. Chegou o momento de levar para sala osconhecimentos teóricos adquiridos nauniversidade e confrontar teoria e realidade e, aoretornar à universidade para os encontrospresenciais, eu e meus colegas, juntamente com aprofessora Cláudia Regina, socializamos asexperiências, fizemos críticas e manifestamospossíveis soluções, procurando entender arealidade da escola e o comportamento dosalunos, dos professores e dos profissionais quea compõem.
  21. 21. 19/10/2010Por ter sido o primeiro dia de aula com a turma,iniciei expondo como desejava que ocorresseminhas aulas, ressaltando a importância dacompreensão e ajuda dos alunos para que sejadesenvolvido um bom trabalho, estabelecendo umcontrato pedagógico. Expliquei também aspropostas de avaliação.Em seguida fiz uma sondagem por meio deperguntas para saber o nível de entendimento dosalunos sobre os conceitos básicos para entenderdivisão celular, como: cromossomo, carioteca,núcleo interfásico.Ressaltei as principais funções da divisão celular,diferenças entre mitose e meiose e expliquei ainterfase, colocando no quadro branco algumasobservações.Os alunos se mostraram bastante receptivos comas minhas propostas, principalmente em relação àsavaliações e as atividades a serem desenvolvidas.
  22. 22. Por dentro do assunto!O professor que na sala de aula dialoga comseu aluno, busca decisões conjuntas pormeio de cooperação, para que haja oaprendizado de fazer contratos, honrar apalavra empenhada, comprometimento nosprojetos coletivos e estabelecimento derelações de reciprocidade(TARDELI, 2003). Odiálogo põe em circulação uma pluralidadede pontos de vista, e é possível umacobrança maior dos alunos e dosprofessores, uma vez que houve comumacordo entre as partes, facilitando, assim, asolução dos problemas que acontecem nasala e que prejudicam o bom andamento dasaulas.(BINI & PABIS,2008.)
  23. 23. 22/10/2010Iniciei a aula com uma explicação geral sobreinterfase para que fossem tiradas as dúvidas e emseguida expliquei mitose, apresentado as fases demaneira geral e detalhando as duas primeiras:prófase e metáfase, utilizando figuras(impressasem papel ofício) como base para a explicação, jáque as salas não tinham Tv pen drive.p.s: Hoje cheguei mais cedo no colégio e foi atémelhor! A turma não teve aula nos primeiroshorários, e alguém da família de algum dosprofessores havia falecido e a vice-diretora irialiberar os alunos, mas como eu tinha chegadoantes os próprios alunos pediram para euadiantar a aula. Ficaram apenas sete alunos nasala de aula, mas a aula foi produtiva. Expliqueipara eles que mesmo com poucos alunos na salade aula eu não poderia liberá-los, pois os feriadosestão caindo em dias das aulas de Biologia e queeu também tenho uma carga horária a cumprir.
  24. 24. Como as salas não apresentavam TV Pen drive,caso quisesse uma aula em forma de slides serianecessário levar os alunos para a laboratório quetinha os recursos apropriados, o que segundo aprofessora gerava certo “tumulto”. Então opteipor criar estratégias interativas, organizarsituações possíveis de trocas de conhecimentosentre os alunos. Ser professor requer saberes e conhecimentos científicos, pedagógicos, educacionais, sensibilidade, indagação teórica e criatividade para encarar as situações ambíguas, incertas e questionar o modo de pensar, sentir , agir e produzir conhecimentos dos seus alunos.( PIMENTA E LIMA, 2009.pag.15)
  25. 25. 26/10/2010Como na aula anterior havia poucos alunos nasala, fiz uma revisão dos assuntos já abordados epercebi que os alunos estavam mais a vontadepara participarem e tirarem dúvidas.Também expliquei as fases anáfase e telófase,utilizando imagens impressas em papel ofício, osprocessos de cariocinese e citocinese e adiferença entre citocinese animal e vegetal.Para finalizar a aula, pedi que os alunosrespondessem as questões 9,10,11,14 e 15 da pag.196do livro didático.Como eles não têm o costume delevarem o livro para sala de aula, eu lia asquestões e pedia que eles colocassem as respostasno caderno, mas antes juntos discutíamos asquestões.Esse processo foi bem produtivo, pois eunão necessitei de outra aula para correção.
  26. 26. Segundo Marion(1999), aresolução de exercíciosdeve ser usado de modocomplementar às aulasexpositivas, servindopara fixar e compreendermelhor o ensino teórico.
  27. 27. 29/10/2010Hoje não teve aula porcausa do feriado doFuncionário Público.
  28. 28. Feriadão!!!!!Essa semana não dei aula por causa doferiado de finados( 2/11) e o do ENEM (5/11).
  29. 29. 10/11/2010Como minhas aulas são dias de terça e sexta,coincidindo com muitos feriados, professoraCláudia sugeriu que eu participasse do AC docolégio como forma de complementar a cargahorária. Então, hoje fui participar dessa reunião.O AC de exatas ocorre de 15 em 15 dias, a pauta dehoje foi a realização de um pré conselhos dosalunos.Os professores, com a caderneta de notas,iam olhando a situação de cada aluno.Aquilo alipra mim não estava sendo muito produtivo.Acho que os professores deveriam discutir entre sias notas baixas dos alunos, o comportamento, aspossibilidades de melhorias ao invés desimplesmente fazer uma lista com os prováveisalunos que iriam para recuperação.
  30. 30. Semana de LinguagemEssa semana no colégio está acontecendo a Semanade Linguagem.Este projeto faz parte de um convênioque o colégio tem com a UEFS:formandos do cursode Letras com Inglês aplicam oficinas com o objetivode promover a produção textual e análise lingüística.Então tive que ceder as aulas dos dias 9/11 e12/11/2010.Achei bem legal o desenvolvimento das atividades,os alunos participavam, interagiam, criavam textos,interpretavam músicas.Na visão de Hernandez(1998) apud Moita eLuna(2004),essa forma metodológica de trabalhoeducativo se apresenta como a resignificação dosespaços de aprendizagem, de tal forma que eles sevoltam para a formação de sujeitos ativos, reflexivos,atuantes e participantes. Valoriza, pois, aparticipação do educando e do educador noprocesso ensino-aprendizagem, tornando-osresponsáveis pela elaboração e desenvolvimento decada projeto de trabalho.
  31. 31. 16/11/2010Iniciei aula entregando para os alunos umacruzadinha sobre divisão celular. Como percebi quea maioria dos alunos sentiu dificuldade pararesponder a cruzadinha e como havia uma outraatividade programada, resolvi responder acruzadinha com os alunos,porém estimulando aparticipação para que eles respondessem pelomenos o que achavam. Não obtive o resultado queesperava, pois a intenção era que eles conseguissemresponder a cruzadinha sozinhos para depois serfeita a correção.Em seguida solicitei que os alunos formassempequenos grupos e distribui para cada grupo um“pacotinho” feito de papel solofone com figuras dasfases da mitose (colada em pedaços de cartolina), onome das fases e as características de cada fase(escritas em papel oficio). Cada grupo teria querelacionar as figuras, com o nome das fases e suascaracterísticas.Esse joguinho foi feito como forma derevisão.
  32. 32. A atividade em grupo foi bastante produtiva, osalunos discutiam entre si quais as característicasque eles achavam que se encaixavam em cada faseda mitose. O mais legal que achei dessa atividade,foi que os alunos conseguiram relacionaralgumas características das fases a partir do queeles viram na figura. Por exemplo, na figura quetinha os cromossomos no meio eles visualizaramque tratava da metáfase e já relacionaram com acaracterística “Cromossomos na região equatorialda célula”.
  33. 33. Palavra- Jogo didático cruzadaAs palavras cruzadas Segundopodem ser utilizadas Kishimoto(2005),o jogocom a função lúdica é entendido como umde despertar o recurso que ensina,interesse dos alunos, desenvolve e educa,dedevido ao desafio que forma prazerosa, tendolhes impõem, e com que aliar a funçãofunções didáticas lúdica e educativa:diversas advindas dasações tomadas por Função lúdica:propiciaestes para realizarem diversão, lazer;essa atividade Funçãolúdica.(FILHO et educativa:completa oal.,2009). indivíduo em seu saber,seu conhecimento.
  34. 34. 19/11/2010Hoje foi o mini-teste com oassunto mitose.Solicitei A avaliação é umaque os alunos formassem etapa de umduplas para a resolução do procedimento maiormini-teste e que a sala que incluiria umafosse arrumada em fila. verificação prévia. ÉEm seguida li o mini-teste. o processo deOs próprios alunos ajuizamento,aprecia-escolheram a dupla e não ção, julgamento ouhouve problemas. Como os valorização do que oalunos não utilizaram todo educando revelou tero tempo da aula para aprendido duranteresponderem o mini-teste, um período de estudosobrando uns 10 min,dei ou derapidamente as respostas e desenvolvimento doalertei para a falta de processoatenção deles e muitos ensino/aprendizagemreconheceram esse fato e ( NÉRICI,1992).afirmaram não terestudadoo suficiente.
  35. 35. Refletindo...Ao chegar em casa e corrigir as avaliaçõesconstatei a real falta de atenção e de estudo dosalunos.Talvez também tenha sido reflexo da “faltade costume” que eles tinham em fazer avaliaçãoescrita (teste), uma vez que a professora regenteaplicava só uma prova e o restante dos pontoseram distribuídos em atividades e trabalhos,atitudes resultantes da falta de motivação daprofessora.Vária pesquisas na área de educação em escolaspúblicas apontam que o baixo rendimento escolarpode ser causado pela deficiência na qualificaçãode gestores e professores, associada à falta decondições materiais e tecnológicas, queprejudicam o trabalho de qualidade e a motivaçãopara o trabalho pedagógico.
  36. 36. Esse quadro pode ser revertido com maispolíticas de Recursos Humanos quepriorizem investimentos em qualificaçãodos profissionais de educação e projetosde treinamentos em educação continuada,para aqueles que já estão em serviço,ampliando os seus conhecimentos eproporcionando maior satisfação notrabalho.
  37. 37. 23/11/2010Iniciei a aula solicitando que os alunos formassemum semi circulo para facilitar na hora dademonstração didática com os canudos eentreguei uma apostila elaborada sobre assubfases da prófase I. Em seguida iniciei aexplicação da meiose, sua importância e semprefazendo uma comparação com a mitose para queos alunos entendam as diferenças entre mitose emeiose.Para a explicação das subfases da Prófase Iutilizei canudos de plásticos coloridos.
  38. 38. Hoje eu fiquei super ansiosa por já saber que aprofessora Claudia Regina iria me observar. Eu játinha dado as informações iniciais da aula quandoa professora chegou à sala; apresentei a turma,falei que se tratava de minha professora dafaculdade e que ela iria observar meu desempenhodurante a aula.Respirei fundo e comecei a explicação do assunto.A aula foi bastante produtiva, com a participaçãodos alunos e estes gostaram muito dademonstração didática com os canudos coloridos. Mesmo que as condições com relação a materiais e espaço para atividades de laboratório apresentadas pelas escolas públicas sejam precárias, é possível contornar a maioria dos problemas adaptando ambientes e utilizando materiais simples de baixo custo, a fim de proporcionar um aprendizado mais eficiente e mais motivador que as tradicionais aulas expositivas ( LEPIENSKI, & PINHO apud LIMA et al,,2010).
  39. 39. 26/11/2010 Reunião de pais de mestre Com a participação daHoje foi a reunião família no processo dede pais e mestres e ensino aprendizagem, apor ser referente a criança ganha3ª unidade tive confiança vendo quepouca todos se interessam porparticipação, ela, e também porqueapenas ajudei na você passa a conhecerentrega dos quais são as dificuldadesboletins aos e quais ospoucos pais que conhecimentos daestavam presentes. criança(MACEDO 1994).
  40. 40. 30/11/2010Iniciei a aula explicando as fases da Meiose Isempre buscando fazer comparação com as fasesda mitose para que os alunos conseguissemvisualizar as diferenças. O mesmo aconteceu com aexplicação da Meiose II. Durante a explicaçãoutilizei estruturas em gesso (disponibilizadas pelocolégio) que possibilitaram os alunosvisualizarem as fases da meiose.Como os alunos não levam o livro didático paraescola, no final da aula solicitei que eles levassemo livro na próxima aula, para que pudessem ler otexto sobre o câncer e responder as questõeselaboradas.
  41. 41. 03/12/2010 Iniciei a aula falando um pouco sobre o câncer,expliquei os fatores que podem levar ao seuaparecimento (fatores genéticos e ambientais) eque o câncer é uma proliferação celular anormal emaligna.Elaborei questões para verificar a interpretaçãodos alunos.Os alunos não fizeram o que tínhamos combinado enenhum trouxe o livro didático para a leitura dotexto. Então solicitei que eles fizessem umsemicírculo, e como eu tinha levado o livro, os quese sentiram á vontade iam lendo um parágrafo.Durante a leitura eu tirava as dúvidas. E quanto àsquestões elaboradas, os alunos preferiram discutirem sala de aula ao invés de deixar para corrigir napróxima semana. Isso realmente foi mais produtivo,pois pude perceber a participação e o que cada umrealmente entendeu sobre o texto e da explicaçãosobre o câncer.
  42. 42. Estudo de texto como técnica de ensinoA leitura é imprescindível no mundo doconhecimento, permitindo o desenvolvimentointelectual e crítico. Partindo desse ponto devista, faz-se necessário explorar o estudo de texto,utilizando-o como técnica de ensino.O ato de ler, muitas vezes, é considerado pelosalunos algo cansativo, principalmente quando setorna algo imposto, obrigatório. Sendo assim,para se obter bons resultados em um estudo detexto, é necessário que o professor aguce acuriosidade e o interesse do aluno pelo texto a serestudado e principalmente, forneça bases para umconhecimento prévio permitindo que o alunotenha uma melhor interpretação e perceba que aleitura é algo dinâmico, que possibilita umainteração entre leitor-autor-texto.
  43. 43. 07/12/2010Hoje solicitei que os alunos respondessem questõesdo livro didático referente a divisão celular. Após acorreção, distribui a cópia com a letra da músicasobre divisão celular e solicitei que todosparticipassem cantando. Como eu não tinha umsom pequeno que eu pudesse levar para o colégio eo colégio também não disponibilizava desserecurso, tive a idéia de gravar a música em meucelular. A idéia foi super válida, pois como amaioria dos alunos na sala tinha celular, pudeenviar para eles por meio do Bluetooth. Organizei asala em círculo e como tinham poucos alunos deupara ouvir direito a música. Os alunos adoraram amúsica e se sentiram á vontade para cantar. Essaaula foi bastante divertida.
  44. 44. A música como recurso pedagógicoO uso da música como um instrumentopedagógico é um recurso que estimula emotiva o aluno, tornando o processo deensino-aprendizagem mais significativo.Após cantar,analisamos a letra da música eos alunos conseguiram identificar asexplicações dadas nas aulas.Silva 2005 afirma que aeducação por meio damúsica aprimora acriatividade, a sensibilidadee a inteligência, criandooportunidades de expressãodos alunos.
  45. 45. Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) As TICs em salas de aulas podem se articular deforma empática com a cultura na qual o aluno estáimerso e podem ser grandes aliadas educativas seos professores souberem trabalhar com elas, comobjetivos claros e definidos, dentro de um contextomaior de aprendizagem. Antes de utilizar o celular em minha aula,tinhanotado que a maioria dos alunos possuíam oaparelho esse foi o principal fator que fez com que aescolha fosse viável.O uso de tecnologia no processo de ensino eaprendizagem é investigado por entidades voltadas aavaliação do ensino em todo o mundo. Um dosfatores é a invasão das tecnologias em todas associedades atuais. O aproveitamento destas está emincrementar os recursos didáticos e levar ao alunoum conjunto de elementos que ele convive, com maiorou menor intensidade, fora da escola, em casa ou nasociedade.(BRIGNOL,2004).
  46. 46. 10/12/2010Iniciei a aula dando as instruções sobre o jogo“Fala sério & Com certeza”: a sala foi dividida em 2grupos, cada grupo recebeu uma plaquinha com“Com Certeza” e “Fala Sério”, confeccionadas empapel ofício ;fiz afirmativas envolvendo o assuntodivisão celular, caso o grupo achasse que aafirmativa estivesse correta, levantava a placa “ComCerteza”, caso achasse que a afirmativa estivesseincorreta, levantava plaquinha “Fala Sério”.Conforme o grupo levantava a plaquinha,fuiintercalando com explicações já servindo como umaforma de revisão para a prova da 4ª unidade.A aula foi bastante produtiva. Os alunosparticiparam, discutiram as afirmativas e acharamque foi uma boa maneira de fazer a revisão para aprova.
  47. 47. No ensino de Biologia, osjogos didáticos podem serutilizados em sala de aula,para apresentar um conteúdo,ilustrar aspectos importantesou revisar pontos-chaves.Para muitos alunos, asatividades lúdicas são maisinterativas e produtivas que oscostumeiros “exercícios derevisão”(SILVA et al.,2008)
  48. 48. 14/12/2010Quando cheguei à sala os alunos jáestavam organizados, todos em fila. Aaplicação da prova se deu de formatranqüila. Assim que todos os alunosterminaram a avaliação, fui para sala dosprofessores fazer a correção e passar asnotas para a professora regente.No final da aula algumas alunas pediramque eu escrevesse em suas camisasalguma mensagem. Aquilo me chamouatenção, pois talvez tenha sido umamaneira delas demonstrarem que de certaforma gostaram de mim e do trabalho quedesenvolvi. Aproveitei para agradecer acompreensão e a ajuda deles e dizer quefoi muito prazeroso estar com a turmadurante a unidade.
  49. 49. Hoje pude constatar como o relacionamento dosprofessores com os alunos pode determinar o climaemocional da sala de aula.E fiz o possível para esseclima ser positivo, de apoio ao aluno e o reflexodisso foi a afetividade construída.Quando eu digoafetividade, me refiro ao clima amigável e deconfiança, estando aberta ao diálogo, o quecertamente irá favorecer a aprendizagem. E o que dizer, mas, sobretudo que esperar de mim, se, como professor, não me acho tomado por este outro saber, o de que preciso estar aberto ao gosto de querer bem, às vezes, à coragem de querer bem aos educandos e à própria prática educativa de que participo. Esta abertura ao querer bem não significa, na verdade, que, porque professor, me obrigo a querer bem a todos os alunos de maneira igual. Significa esta abertura ao querer bem a maneira que tenho de autenticamente selar o meu compromisso com os educandos, numa prática específica do ser humano. Na verdade, preciso descartar como falsa a separação radical entre seriedade docente e afetividade. Não é certo, sobretudo do ponto de vista democrático, que serei tão melhor professor quanto mais severo, mais frio, mais distante e “cinzento” me ponha nas minhas relações com os alunos, no trato dos objetos cognoscíveis que devo ensinar. O que não posso permitir é que minha afetividade interfira no cumprimento ético de meu dever de professor no exercício de minha autoridade (FREIRE, 2003 apud LIMA & SOUZA 2008).
  50. 50. Refletindo minha prática pedagógicaApesar de ter utilizado basicamente deaulas expositivas, sempre buscava fazercom que os alunos passassem a participarmais das aulas, fazendo questionamentospra que estes pudessem expor seusconhecimentos prévios, utilizarseguidamente perguntas sobre o assuntopara que houvesse envolvimento do alunonas explicações, evitando, assim, amonotonia. Nas atividades desenvolvidas,estimulava os alunos a pensarem por sipróprios, buscando seus próprios acertos,tentando fugir da teoria tradicional, em queo professor é o papel central do processo eo aluno repetidor de informações, ebuscando seguir uma linha maisconstrutivista, em que o professor passa aser um mediador.
  51. 51. Quanto ao método da aula expositiva,Lopes (2007) afirma que a utilização daaula expositiva poderá ser transformadaem uma atividade dinâmica, participativa eestimuladora do pensamento crítico doaluno, em contraposição a formaverbalista e autoritária do métodotradicional. Nessa perspectiva énecessário adotar uma dimensãodialógica, estabelecendo uma relação deintercâmbio de conhecimentos eexperiências entre professor e alunos,possibilitando que a aula expositiva,segundo a autora, se torne uma atividadegeradora tanto da reelaboração deconhecimento quanto de sua produção.
  52. 52. Durante o decorrer da regência, houve umamescla de tendências pedagógicas. Atendência liberal tradicional se fez presenteprincipalmente na forma de avaliação quesegundo esta tendência, a avaliação se dápor verificações de curto prazo(interrogatórios orais, exercícios de casa) ede prazo mais longo (provas escritas,trabalhos de casa). Já no método de ensino erelacionamento professor-aluno houve apresença da tendência liberal renovadaprogressivista, onde procurei acentuar aimportância do trabalho em grupo nãoapenas como técnica, mas como condição dodesenvolvimento mental, e garantir umrelacionamento positivo com os alunos paramanter um clima harmonioso dentro da salade aula. (LUCKESI, 1994).
  53. 53. Nos momentos em que os alunos semostravam inquietos e indisciplinados,procurava manter a calma e evitavarespostas ríspidas, tentava alertar sobre aimportância da atenção e da participaçãopara uma aprendizagem eficaz. SegundoBini e Pabis 2008, é preciso que oprofessor estabeleça um relacionamentoagradável e atrativo com os alunos, paraque momentos inoportunos se tornemcada vez mais escassos, já que eliminar éimpossível, devido às diferentes culturasque se fazem presentes neste ambiente.Nérici( 1992) ressalta que semreciprocidade de simpatia e de respeitoentre professor e educando, épraticamente impossível qualquer trabalhoconstrutivo na alma do educando.
  54. 54. Esse período de regência serviu tambémpara uma reflexão em relação a minhapostura em sala de aula e asmetodologias aplicadas para que eupossa melhorar, saber o que deve sermudado ou não, conhecer e aplicarnovas metodologias sempre buscandomeu crescimento profissional e aformação da minha identidade docente.
  55. 55. Referências BibliográficasBINI,L. R.; PABIS, N. Motivação ou interesse do aluno em sala deaula e a relação com atitudes consideradas indisciplinares. RevistaEletrônica Lato Sensu. 2008. Disponívelem:<http://web03.unicentro.br/especializacao/Revista_Pos/P%C3%A1ginas/3%20Edi%C3%A7%C3%A3o/Humanas/PDF/23-Ed3_CH-MotivacaoIn.pdf>. Acesso em 15 de janeiro de 2011.BRIGNOL, S. M. S. Novas Tecnologias De Informação EComunicação Nas Relações De Aprendizagem Da Estatística NoEnsimo Médio .2004.68 f. Monografia (Curso de Especialização emEducação Estatística com ênfase em softwaresestatísticos),Faculdade Jorge Amado. Disponívelem:<http://redeabe.org.br/Monografia.pdf>. Acesso em: 18 defevereiro.FILHO, E. B. et al. Palavras Cruzadas como recurso didático noensino de Teoria Atômica. Química Nova Escola, v.31,n.2, maio2009.Disponível em:http://www.cienciamao.usp.br/tudo/exibir.php?midia=qne&cod=_relatosdesaladeaulapalav. Acesso em:20 de janeiro de 2011.KISHIMOTO, T.M. O jogo e a educação infantil. In: KISHIMOTO.Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. 8. ed. São Paulo:Cortez, 2005. p.13-43.
  56. 56. LIMA, R.M.S. et al. Ensino De Biologia Em Escolas PúblicasEstaduais: Um Olhar A Partir Das Modalidades Didáticas.2010.Disponível em:http://www.sigeventos.com.br/jepex/inscricao/resumos/0001/R0598-1.PDF. Acesso em: 15 de janeiro de 2011.LIMA,J.S.;SOUZA,R.L.M. A prática docente e a questão daafetividade na relação professor-aluno. Revista Ágara,v.3,n.1,p. 06-16, nov.,2008.Disponível em:http://www.iseseduca.com.br/pdf/revista3/arquivo33.pdf. Acessoem 15 de fevereiro de 2011.LOPES, A. O. Aula expositiva: superando o tradiciona. In:Veiga,I.P.A.(Org.). Técnicas de ensino: por quê não? São Paulo:Papirus, 1991. p.35-47LUCKESI, C. Tendências pedagógicas na pratica escolar.In:LUCKESI,C Filosofia da Educação.São Paulo: Cortez,1994.MACEDO, R. M. A família diante das dificuldades escolaresdos filhos. Petrópolis: Vozes,1994.MARION, E.J. Discussão sobre metodologias de ensinoaplicáveis a contabilidade. 1999. Disponívelem:<http://www.face.ufmg.br/revista/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/132>. Acesso em: 10 de fevereiro de 2011..
  57. 57. MOITA, F.M.G.S.C;LUNA,M.G.De. Pedagogia de Projetos: umaproposta de Trabalho no Ensina e Aprender. Olhar de professor,V.7, n.2, p. 159-165, 2004. Disponível em: <http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/684/68470212.pdf>.Acessoem 15 de fevereiro de 2011.NÉRICI, I. G. Metodologia do ensino: uma introdução. 4.ed. SãoPaulo:Atlas, 1992.NETO, J. M.; FRACALANZA, H. O livro didático de ciências:problemas e soluções. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 147-157,2003.PIMENTA, S.G; LIMA M.S.L. Estágio e docência. 4.ed.SãoPaulo:Cortez,2009.SILVA,T.D. et al. Jogos Virtuais no Ensino:Usando a denguemodelo. R.B.E.C.T, v.1,n.2, mai/ago,2008. Disponívelem:<http://www.pg.utfpr.edu.br/ppgect/revista/2008/vol2/RBECT,V1,N2,2008.pdf>. Acesso em 20 de janeiro de 2011.SILVA, M. C. da. Projeto Institucional: Psicomotricidade Relacional,Desenvolvimento e Aprendizagem de Crianças Portadoras deEspeciais e Normais. In A Ludicidade Como Ciência. SANTOS, S.M. P. dos (Org). Petrópolis: Vozes, 2001.TAPIA, Jesús A; FITA, Enrique C. A motivação em sala de aula: oque é, como se faz.São Paulo,Brasil: Edições Loyola, 1999.
  58. 58. TARDELI, D. D’ Áurea. O respeito na sala de aula.Petrópolis,R.J: Vozes, 2003.ZAGURY, T. O Professor refém: para pais e professoresentenderem porque fracassa a educação no Brasil.Rio deJaneiro: Record, 2006.

×