UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB                            CAMPUS II – ALAGOINHAS               DEPARTAMENTO DE CIÊ...
Estratégia metodológica:      Aula expositiva dialógica;      Demonstração didática através do uso de slides;      Pesquis...
PROF. CYNARA. Histologia. Disponível em: <http://www.cynara.com.br/       histologia.htm>. Acesso em: 11/10/2010.       SÓ...
ANEXO:                                   A pipoca                                                                         ...
APÊNDICES:
Plano de aula_01_maria tereza
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Plano de aula_01_maria tereza

956 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
956
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano de aula_01_maria tereza

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB CAMPUS II – ALAGOINHAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA – DCETComponente curricular: Estágio supervisionado II Colégio CETEP – Agreste de Alagoinhas/LNDocente: Cláudia Regina Teixeira de Souza 4ª unidadeEstagiária: Maria Tereza Loula Início: 04/10/2010Regente: Zuleide Término: 16/12/2010 Plano de aula 01Tema: HistologiaSub-temas: O que é tecido?/ Origem dos tecidos animais/ Principais tipos de tecidos:Epitelial, Conjuntivo, Muscular e Nervoso.Objetivos: Reconhecer a importância da histologia, sua formação, estrutura e funcionamento para o corpo; Descrever as peculiaridades e diferenças entre os principais tipos de tecidos.Conteúdos:Conceituais: Conhecimento do que é um tecido; Descrição da origem dos tecidos animais; Reconhecimento da importância dos tecidos na vida dos seres vivos; Caracterização, estrutural e funcional dos tecidos epitelial, conjuntivo, muscular e nervoso que compõem os seres vivos; Estabelecimento das principais diferenças entre os quatro tipos de tecidos estudados.Procedimentais: Observação e análise dos tipos de tecidos através do livro didático e slides; Pesquisa sobre as principais características de cada um dos tecidos estudados; Participação e interação na sala de aula durante a atividade em grupo.Atitudinais: Curiosidade sobre o tema abordado em sala; Conscientização de que doenças podem afetar os tecidos; Validação da importância do cuidado com o corpo.
  2. 2. Estratégia metodológica: Aula expositiva dialógica; Demonstração didática através do uso de slides; Pesquisa através de livro didático; Painel integrado fase I.Seqüência didática: Durante 15 minutos me apresentarei e farei a chamada, em seguida apresentarei as propostas relacionadas à disciplina e as aulas e pedirei que os alunos manifestem suas sugestões e críticas. Nos 10 minutos seguintes entregarei para cada aluno o texto “Milho de pipoca” de Rubem Alves junto com um milho de pipoca que representará o inicio de um novo ciclo para eles e para mim. Em 40 minutos haverá a aula com exposição oral dialógica e farei exposição de slides (explicação do assunto), como maneira de iniciar o assunto e descobri o conhecimento prévio dos alunos acerca do tema utilizarei perguntas como: O que é um tecido? A pele, por exemplo, pode ser considera um tipo de tecido? Como os tecidos surgem no corpo? Nos 35 minutos restantes pedirei que os alunos se organizem em grupos para divisão da tarefa da unidade e pesquisa dos tópicos referentes a cada tipo de tecido.Recursos: Quadro, TV Pen drive, livro didático.Avaliação: Participação dos alunos na aula.Referências bibliográficas: AULA DE ANATOMIA. Sistema tegumentar. Disponível em: <http://www.auladeanatomia.com/tegumentar/tegumentar.htm>. Acesso em: 11/10/2010 AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Biologia. vol. 2.São Paulo: Moderna, 1999. LOPES, S. Biologia 2. São Paulo: Saraiva, 2002. PAULINO, W. R. Biologia, volume 1: citologia/histologia. 1. ed. São Paulo: Ática, 2005.
  3. 3. PROF. CYNARA. Histologia. Disponível em: <http://www.cynara.com.br/ histologia.htm>. Acesso em: 11/10/2010. SÓ BIOLOGIA. Histologia. Disponível em: <http://www.sobiologia.com.br/ conteudos/Histologia/epitelio.php>. Acesso em: 13/10/2010. TODA BIOLOGIA. Histologia. Disponível em: <http://www.todabiologia.com/ anatomia/histologia.htm>. Acesso em: 11/10/2010.Observações: Cheguei à escola com uma hora de antecedência, pois queria testar a TV Pendrive para que tudo desse certo no momento da aula, mas tive que esperar a vice-diretora chegar, pois somente ela poderia liberar os controles das TVs. Esperei na salade professores juntamente com alguns professores da escola, com aproximadamente 20minutos para começar a aula, a vice chegou e pude então ir para sala de aula. Na sala, só havia cerca de quatro alunos, testei a TV e esperei o sinal tocar,mesmo após o toque do sinal poucos alunos estavam presentes então resolvi esperar 10minutos para que desse tempo de uma maior quantidade de alunos chegar. Comecei a aula me apresentando e tudo correu como previsto no plano de aula,grande parte dos alunos se mostraram interessados, embora alguns poucos tenhamconversado durante a explicação. Pude perceber que nem todas as meninas se sentiram confortáveis com a minhapresença e tentei melhorar isso sempre perguntando e conversando sobre o assunto comestas alunas.
  4. 4. ANEXO: A pipoca Rubem AlvesMilho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho para sempre.Assim acontece com a gente. As grandes transformações acontecem quandopassamos pelo fogo.Quem não passa pelo fogo, fica do mesmo jeito a vida inteira. São pessoas de umamesmice e uma dureza assombrosa. Só que elas não percebem e acham que seu jeitode ser é o melhor jeito de ser.Mas, de repente, vem o fogo. O fogo é quando a vida nos lança numa situação quenunca imaginamos: a dor. Pode ser fogo de fora: perder um amor, perder um filho, opai, a mãe, perder o emprego ou ficar pobre. Pode ser fogo de dentro: pânico, medo,ansiedade, depressão ou sofrimento, cujas causas ignoramos. Há sempre o recurso doremédio: apagar o fogo! Sem fogo o sofrimento diminui. Com isso, a possibilidade dagrande transformação também.Imagino que a pobre pipoca, fechada dentro da panela, lá dentro cada vez maisquente, pensa que sua hora chegou: vai morrer. Dentro de sua casca dura, fechadaem si mesma, ela não pode imaginar um destino diferente para si. Não pode imaginara transformação que esta sendo preparada para ela. A pipoca não imagina aquilo deque ela é capaz. Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo a grande transformaçãoacontece: BUM! - e ela aparece como uma outra coisa completamente diferente queela mesma nunca havia sonhado. É a lagarta rastejante e feia que surge do casulocomo borboleta voante.Bom, mas ainda temos o piruá, que é o milho de pipoca que se recusa a estourar. Sãocomo aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar. Elasacham que não pode existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem. Apresunção e o medo são a dura casca do milho que não estoura. No entanto, odestino delas é triste, já que ficarão duras, a vida inteira. Não vão se transformar naflor branca, macia e nutritiva. Não vão dar alegria para ninguém. Terminado o estouroalegre da pipoca, no fundo a panela ficam os piruás que não servem para nada. Seudestino é o lixo.
  5. 5. APÊNDICES:

×