Fichamento desaulando a pr+ítica pedag+¦gica

374 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
374
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fichamento desaulando a pr+ítica pedag+¦gica

  1. 1. Referência BibliográficaWITTMAN, Lauro Carlos, MATIOLA, Osmar e MORAIS, Maria José de. Desaulandoa Prática Pedagógica. In: Pereira, G.M, M.C. L(orgs). O Educador Pesquisador e aprodução social do conhecimento. Florianópolis. Insular, 2003, p. 17-20. DESAULANDO A PRÁTICA PEDAGÓGICA Lauro Carlos Wittman¹ Osmar Matiola², Maria José de Morais³Introdução...A reinvenção da prática pedagógica, na qual se procura estabelecer relações deparceria entre os participantes da relação pedagógica tanto no processo de construção deobjetos, quanto na construção de sujeitos. Os objetos a serem construídos são a própriatemática ou vivência pedagógicas. São os objetos de estudo ou pesquisa. Os sujeitos emconstrução são os próprios participantes do processo aprendente, que constroem ascondições subjetivas e objetivas de seu estatuto de educadores-pesquisadores....Num processo persistente, lento e contínuo, com esporádicos momentos de rupturasmais provocadoras, foi se instituindo uma nova forma de relação pedagógica... ‟docentee mestrando‟ e, depois, por „parceiros‟ de busca. (pág. 17)... Há necessidade de eliminar possíveis quistos, obstáculos, ruídos e de redefinir, com aexperiência havida, nossas atribuições e práticas. (pág. 18)1 O Sentido da Prática Pedagógica Gente não cabe em nenhum modelo ou padrão, Não pode ser definida ou descria, Gente é para ser ad-mirada.A prática Pedagógica e a organização do trabalho escolar são produto de construçãohistórica e tendem a se neutralizar, sendo assumidas como certas... Uma das marcasdesta objetivação são as regras das relações n „aula‟, que cristaliza, objetiva e naturalizadeterminada relação pedagógica...O sentido e a razão de ser prática educativa passarampor uma revolução reembasando o papel do profissional da educação. (pág. 18)... Hoje vivemos numa época de reinvenção da educação e da instituição pedagógico-educativa, e os fundamentos, os valores e os métodos que sustentaram a produção daprofissão docente estão postos em questão. A evolução social e a transformação dossistemas educativos demandam a revisão dos fundamentos e nortes do trabalho e dotrabalhador da educação, da prática educativa e da formação do educador. Os professores encontram-se numa encruzilhada os tempos são para refazer identidades. Aadesão a novos valores pode facilitar a redução das margens de ambigüidade que afectam hoje a profissão. E contribuir para que os professores voltem a sentir-se bem na sua pele. ( Nóvoa, 1995, p.29)
  2. 2. Trata-se de reconhecimento da complexidade maior do profissional educador,responsável pela catalisação do processo. Seu envolvimento no processo transcende opapel de professor ou docente. A mediação do professor ou docente, porque, comosíntese estruturante e impulsionadora do processo de formação humana, a mediaçãopedagógica demanda o estatuto de educador-pesquisador, para o exercício da vigilânciapolêmica, desafiadora que impulsiona o processo de formação humana. (pág. 19)Uma profunda metamorfose caracteriza a construção histórica da educação, a instituiçãoeducativa e o pensar e o fazer docentes... As aceleradas e cada vez mais densasmudanças fundam um estado de devir inevitável, de formação continuada das pessoas e,portanto, inexoravelmente, fundam uma permanente reinvenção da educação comoinstância especializada de formação humana.... A pessoa caracteriza-se como corpo desejante. Um corpo desejante é um corpopensante, convivial e ad-mirante. As características básicas da existência humana são opensamento, a conviviabilidade e o encantamento.Como corpo pensante intervém originalmente no curso dos acontecimentos. Portanto,sua presença no mundo não é redutível a um conjunto de ações instintivas, movidas porestímulos externos. Ele tem um móvel interior, um projeto original, que o torna sujeitode sua história e da história do seu entorno. Como corpo convivial a pessoa se constróipelo rosto do outro. A convivência, o encontro com outras pessoas constitui um fator deforjamento de si mesmo. As pessoas saem dos encontros com outras pessoas mais gentedo que entraram. Como corpo ad-mirante a pessoa encontra e constrói sentidos para avida e para o encantamento.A ampliação e aprofundamento da concepção de gente ou pessoa, no interior dopensamento pedagógico, situa a prática pedagógica em outro patamar... Esta concepçãoestá trazendo consigo um processo de metamorfose do profissional da educação, quesupera seu paradigma de professor-ensinador e se institui como educador-pesquisador.O profissional do conhecimento produzido se reinventa como agente do pensamento, dasociabilidade e do encantamento....A formação humana vem progressivamente se instituindo como base, sentido e razãode ser prática pedagógica. (pág. 20)2 A formação humana como sentido A construção histórica da existência humana, em cada pessoa Exige mestres do humano ofício da arte de sermos humanos.... importa explicitar, primeiro, os falsos pressuposto da aula, isto é, da relaçãoprofessor-aluno, com seus fundantes promissores, mas contidos. Em seguida, o textoapresenta desafios e perspectivas da parceria na prática pedagógica – da mediaçãopedagógica.... os profissionais envolvidos nesta prática estão desafiados pela surpresa do novo, damudança, que sacode os alicerces de velhas crenças. Num processo persistente, lento econtínuo, com esporádicos momentos de rupturas mais provocadoras, vem seinstituindo uma nova forma de relação pedagógica.A concepção de educação é o objeto e o sentido de todas as decisões, atividades eatitudes e gestos na prática pedagógica. Em conseqüência, a base da posição teórico-prática, pessoal e profissional de todo os envolvidos está na sua concepção de educação.... A relação pedagógica fundada na classificação dos participantes em „professor‟ e„aluno‟ tende a consagrar ou naturalizar modelos e „standards‟, enfatizando o programa,o conteúdo e os padrões. É fundamental desmitificar e desobjetivar esta relação para
  3. 3. construir uma nova relação pedagógica com base e ênfase nos processos e nasdemandas da dinâmica da formação humana. (pág. 21)A prática docente, baseada num saber professoral é vista como transmissão deconhecimentos para os alunos e não se constitui num “processo”... Esse tipo de saber seinteressa pelo produto final que já está pronto e acabado que é a mera reprodução deconhecimento. É muito mais comunicação do que diálogo. É o diálogo buscando oconsenso. Não desinstala saberes, sobrepõe saberes, ordenados uns após os outros,inidimensionalmente. Esta prática docente se impõe e impede a prática pedagógica naqual o ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a suaprodução ou a sua construção. Neste processo professor e alunos são sujeitos doprocesso de ensinar e aprender, quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensinaao aprender. Pensar é mais que conhecer. É refletir sobre o conhecer e sobre oconhecido. Portanto a tarefa docente não é apenas ensinar os conteúdos mas,principalmente, ensinar a pensar ou trabalhar ou laborar os conteúdos criativamente,rigorosamente , instigatemente, humildemente, de forma inquietante e persistente(Cf.FREIRE,2002).... A experiência da construção de relações fundadas na parceria demandou a assunçãoda mediação pedagógica em toda a sua complexidade... Para esta relação pedagógica, aavaliação é a instância crítica do processo, que fundamenta a festa da aprendência e amelhoria do processo.... A importância do saber historicamente produzido pela humanidade é agigantada. Oenvolvimento dos profissionais da educação neste processo transcende o papel deprofessor ou docente.Esta concepção... na sua dinâmica teórico-prática, vem redefinindo o profissional daeducação e construindo novo estatuto de relação pedagógico-didática. Consciente eintencionalmente vai sendo eliminada a expressão „professor‟, que vem sendosubstituída, primeiro por „profissional da educação‟ e , hoje, por mediador da formaçãohumana. Os „alunos‟ passam a sujeitos e „parceiros‟ de construção humana. (pág. 22) ... A recuperação do sentido de nosso ofício de mestre não passará por desprezar a função de ensinar, mais reinterpretá-la na tradição mais secular, no ofício de ensinar a ser humanos. (Arroyo, 2000, p. 54)... A liberdade e a responsabilidade são duas dimensões indissociáveis no processo deemancipação humana. (pág. 23)3 Pela pedagogia da pergunta para além da ilusória certeza da resposta Liberando a educação do ópio da resposta/certeza E inaugurando a lucidez da fidelidade à pergunta/ transcendência.A interlocução crítica mantém a pulsão da busca e evita as ilusórias ancoragens nasrespostas... Somos devires de desejos. Inclusive as mais primárias necessidades, naexistência humana, são trans cedidas e sobressumidas em nichos de desejos.... A prática pedagógica é um misto de assassinato da existência humana e de impulsãodesta existência. Assassina enquanto integra, domestica e aquieta as pessoas, chapandoa criatividade, centrando o dizer pedagógico na palavra do outro. Esta tendência ésobejamente conhecida pelo reconhecimento da submissão ao livro didático e ao dizerdo professor, pela clonagem, até mesmo, no jeito de desenhar uma casa. (pág. 23)
  4. 4. ... A pedagogia da pergunta rompe com a aquietante ilusão da resposta e mantém apulsão de busca. A certeza como base do saber é o ópio da prática pedagógica para adomesticação humana, que no fundo é a própria demissão da radicalidade humana. Avirulência da pergunta é a pulsão do futuro presente na prática pedagógica para aemancipação humana, que constitui a própria essenciabilidade da condição de ser gente.... A descoberta da limitação da resposta ou da armadilha da certeza gera a ressaca dafrustração. A prática pedagógica da verdade, da transmissão do saber historicamenteacumulado pela humanidade, do conhecimento como conteúdo, tem como base falsascertezas, porque é fundada em saberes prontos e, por isso mesmo, mortos... Extirpadada radicalidade da condição humana, a prática pedagógica situa-se diante dasalternativas sobrantes do autoritarismo impostor ou da omissão inócua do „ laissez-faire‟.... A prática pedagógica desaulada extirpa a ilusão da certeza e assume a privisoriedadenão como limitação, mas como condição básica da transcendência e da inacababilidadehumanas... a prática pedagógica traz para dentro de si o futuro que já chegou e funda aesperança no horizonte do amanhã, garantindo e ampliando o espaço do sonho, dacriatividade no presente e a possibilidade da surpresa e do novo no amanhã. A perguntae não a resposta constitui a vigilância da emancipação. (pág. 24)Conclusão...As pessoas se qualificam pelo pensamento, sociabilidade e encantamento. Estascaracterísticas básicas da existência humana são dimensões inalienáveis da práticapedagógica. O pensamento não se confunde com o conhecimento, mas é ativado por elee nele se origina e nele se expressa. A sociabilidade não se reduz ao encontro e àconvivência, mas nestes se origina e desemboca. O encantamento não se confunde como sentido, mas no sentido das coisas se forja e, ao mesmo tempo, enucleia e produzsentidos.Uma relação pedagógica, como relação fundante da existência humana é... prazerosa,parceria e preenche de conhecimento. Esta parceria, pensante, convivial e prazerosa éindispensável como fundante do ato de formação humana. O ato pedagógico é o espaçosocial da: Ativação do pensamento; Experiência do convívio humano; Ad-miração de gente sobre seu próprio processo de construção; (pág. 25)

×