Biografia Ricardo reis

1.107 visualizações

Publicada em

Biografia de Ricardo Reis

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.107
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
130
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biografia Ricardo reis

  1. 1. CENTRO EDUCACIONAL 30 DE JUNHO Serrinha-Ba 2014 Prof° Alunos: Eduardo Camila Charlene Tiago Valdeir Nicassia Disciplina: Língua Portuguesa
  2. 2. Nascido no Porto, no dia 19 de setembro de 1887. Recebeu uma forte educação clássica num colégio de jesuítas e formou- se em Medicina, profissão que não exercia. Viveu no Brasil desde 1919, pois se expatriou espontaneamente por ser monárquico, na sequência da derrota da rebelião monárquica do Porto contra o regime republicano. É um latinista por educação, e um semi-helenista por educação própria. 1°
  3. 3.
  4. 4.
  5. 5.
  6. 6.
  7. 7.
  8. 8.
  9. 9. As primeiras obras foram publicadas em 1924, na revista Athena, fundada por Fernando Pessoa. Mais tarde foram publicados oito odes, entre 1927 e 1930, na revista Presença, de Coimbra. Os restantes poemas e prosas são de publicação póstuma. 12° Obras de Ricardo Reis
  10. 10. ESTREIA Aos 14 anos publicou o seu primeiro poema, durante o período de férias que a família passou em Portugal.
  11. 11. Temo, Lídia, o destino. Nada é certo. Em qualquer hora pode suceder-nos O que nos tudo mude. Fora do conhecido e estranho o passo Que próprio damos. Graves nomes guardam As lindas do que é uso. Não somos deuses; cegos, receemos, E a parca dada vida anteponhamos À novidade, abismo. Na revista Athena, que dirige, Pessoa dá a conhecer 20 odes de Ricardo Reis.
  12. 12. Fresco de Luca Giordano 13°
  13. 13.  Estilo]  Poesia com muitas alusões mitologias, com uma linguagem culta e precisa, sem qualquer espontaneidade. Estilo neoclássico influenciado pelo poeta latino Horácio. Uso de um vocábulo culto e alatinado com principal recurso ao hipérbato. Emprego do gerúndio e do imperativo (ou conjuntivo com valor de imperativo) com caráter exortativo, ao serviço do tom sentencioso e do caráter moralista presentes nos seus poemas. 14°
  14. 14. Fagner 15°

×