Teorias do uso da língua - Pragmática e polidez

4.433 visualizações

Publicada em

Aula de "Teorias do uso da língua" ministrada pelos professores Sabine Reiter e Armando da Costa, na casa de estudos germânicos da UFPA, durante o 4º período letivo de 2013, do curso de Letras - Alemão.

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.433
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
110
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teorias do uso da língua - Pragmática e polidez

  1. 1. Pragmática: Teorias da Polidez Princípio foi introduzido por Brown & Levinson (1987) 1
  2. 2. Quais são as perguntas abordadas nessa área: • • • • • Como é que as pessoas se relacionam entre si? As pessoas cooperam umas com as outras? As pessoas evitam conflitos? As pessoas são solidárias? Que regras ou princípios de comportamento atuam como reguladores da interação humana? • Como se mantém a solidariedade recíproca entre as pessoas numa interação? • Em que consistem tais regras ou princípios? • O que as pessoas realmente fazem em suas ações diárias na interação? 2
  3. 3. Polidez está associada aos processos de elaboração de “face” (E. Goffman 1967/80) • O que é “face”? - “autoimagem pública dos indivíduos” - “o valor social positivo que uma pessoa reclama para si mesma através daquilo que os outros presumem ser a linha por ela tomada durante um contato específico” - “uma imagem do self delineada em termos de atributos sociais aprovados”  3
  4. 4. “face” é construída pelo indivíduo  associada às situações sociais e interacionais (e nessas se manifestam habilidades/condutas como polidez, tato e diplomacia) 4
  5. 5. • Goffman estudou elementos rituais na interação; • na perspectiva dele o esforço para preservar a face se torna condição da interação e isso está baseado no princípio autoregulador voltado para o equilíbrio do ritual • Os membros de uma sociedade procuram atingir esse equilíbrio do ritual através dos processos corretivos como p.ex. a polidez que evita/ contorna a ameaça à face 5
  6. 6. Dupla orientação da elaboração de face: 1) Face defensiva: prática defensiva para salvar a própria face 2) Face protetora: prática para salvar a face do outro por meio do respeito, da polidez, da discrição e da cortesia  1) implica 2) 6
  7. 7. Exemplo: situação de reclamação • O que leva uma pessoa a reclamar? • Por quê uma pessoa usa estratégias diferenciadas para reclamar? • Por quê a pessoa às vezes opta por não reclamar? • Relação custo-benefício: Vale a pena reclamar? O que é colocado em risco? 7
  8. 8. Goffman: elementos que mantêm ou ameaçam a face: + • Orgulho • Honra • Dignidade • Gafes • Insultos • Ofensas Esses elementos são associados às regras e convenções da respectiva sociedade 8
  9. 9. Exemplo: o ato de fala do pedido • sempre é uma ameaça à face do outro porque invade a privacidade dele Por isso utilizamos elementos da polidez para atenuar o grau de ameaça: Können Sie mir bitte sagen, wie spät es ist? Hast Du mal die Uhrzeit? Você poderia me informar as horas? Que horas são, por favor? 9
  10. 10. Lakoff (1973): 3 regras de polidez a) Não imponha (refere-se ao grau de proximidade/ distanciamento entre os interlocutores) b) Dê opções (dê liberdade para o interlocutor tomar decisões) c) Seja amigável (sugere aproximação entre os interlocutores)  Exemplos p. 99/100 10
  11. 11. A aplicação das 3 regras está relacionada a vários fatores: • Relação de poder • Distância social • Cultura 11
  12. 12. Sistematização dos estudos sobre face na teoria da polidez (Brown & Levinson 1987): Face (autoimagem pública que o indivíduo reclama para si) face negativa (reivindicação básica para privacidade e preservação pessoal) face positiva (autoimagem positiva p.ex. desejo de ser apreciado e aprovado 12
  13. 13. Brown & Levinson: • A face pode ser perdida, mantida ou engrandecida • Conteúdo da face varia entre as culturas  proposta de modelos de caracterização de “cultura de polidez positiva” e “cultura de polidez negativa” • Reconhecimento mútuo da autoimagem pública (face) na interação é universal 13
  14. 14. 3 exemplos de cartas de reclamação (p. 101/102) 1) Modelo de carta com grau mínimo de ameaça (uso da polidez negativa) 2) Modelo de carta com apelo à face da empresa (uso da polidez positiva e negativa) 3) Modelo de carta com grau elevado de ameaça à face (uso da impolidez) 14
  15. 15. • “A cultura brasileira é tradicionalmente considerada uma cultura de não confrontação, embora seja permeável à expressoes de emoções” (p. 102) • Como se manifesta isso? • Como é na Alemanha? 15
  16. 16. Culpeper (1996): • princípio da impolidez como comportamento com importante função social (discordando de Brown & Levinson que consideram impolidez um comportamento marginal) 16
  17. 17. Leech (1983): • Polidez é uma adequação às normas de comportamento de uma determinada comunidade • Julgamento de um indivíduo quanto à polidez ou falta de polidez sempre tem base nas normas de um grupo social • Polidez se manifesta no conteúdo da informação e também no modo como as pessoas a administram 17
  18. 18. Máximas de polidez (Leech 1983, pp. 103/104): 1) Máxima do tato 2) Máxima da generosidade 3) Máxima da aprovação 4) Máxima da modéstia 5) Máxima da concordância 6) Máxima da simpatia  Correspondem a situações prototípicas (ideais) no que se refere ao princípio de cooperação 18

×