Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01

1.096 visualizações

Publicada em

quiropraxia

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.096
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01

  1. 1. HUMANIVERSIDADE HOLÍSTICA Quiropraxia
  2. 2. Humaniversidade Holística 1 Índice Matéria: Páginas: 1. Histórico____________________________________________________________ 2. Objetivo e Tratamento_________________________________________________ 3. Coluna Vertebral_____________________________________________________ 4. Indicações, Contraindicações e Complicações______________________________ 5. Terapia Manual______________________________________________________ 6. Noções de Quiropraxia_________________________________________________ 7. Treinamento da Coluna________________________________________________ 8. Resumo e Origem da Quiropraxia________________________________________ 9. Referências Bibliográficas_______________________________________________ 02 02 02 07 08 09 10 33 37
  3. 3. Humaniversidade Holística 2 Histórico Entre os séculos XV e XVI o Japão vivia momentos de grande agitação política. Havia um sentimento de unificação das várias províncias num governo único. Muitos dos senhores dessas províncias disputavam, porém, o poder a qualquer custo e, para isso, se utilizavam de métodos mais escusos. Os samurais, guerreiros de elite, em alguns casos, participavam dessas lutas e foi nesta época que surgiram as primeiras manifestações da técnica de nome Seitai. Mas seus movimentos eram muito “violentos”, pois para os samurais só os valentes poderiam se beneficiar deste tipo de tratamento. Isto contribuiu para que o Seitai não se tornasse popular. O contato maior com essa técnica no ocidente se deu com a migração dos Orientais para as Américas, mas o impulso maior ocorreu após a Segunda Grande Guerra, pois o exército japonês utilizava o Seitai largamente. Sem dados documentados ou mesmo históricos, podemos dizer que a técnica Quiroprática tem fundamentos baseados no Seitai. Com o desenvolvimento prático e teórico da Quiroprática nos EUA, o Seitai ficou relegado a poucos praticantes no Brasil e inclusive no Japão. Por não possuir regras devidamente escritas, a tendência é de o Seitai ser incorporado a outras técnicas. De qualquer forma não importa o nome e nem a maneira como se aplica uma técnica, o que vale são os resultados positivos no tratamento do corpo humano. Objetivo e Tratamento O Seitai não pretende ser infalível como técnica de tratamento ósseo; outras técnicas de eficiência comprovada não permitiriam tal fato. O cliente deverá permanecer passivo ás manipulações cabendo, portanto, ao massagista a iniciativa da manipulação. Então, Seitai se autodefine como uma ginástica passiva. O objetivo principal é de desobstruir os nervos radiais das calcificações que porventura as estejam pinçando. E para isto, após a aplicação dos movimentos, O massagista com seu polegar localiza as calcificações laterais da coluna e, ainda com seus polegares, pressiona-as para baixo e para dentro. NOTA: Este amassamento as calcificações pode ser executado com um pequeno bastão de maneira, de forma a aprofundar e melhorar o tratamento. Coluna Vertebral É formada por 33 ossos denominados vértebras, que estão agrupadas em 5 regiões, a saber: região cervical (7 vértebras); região torácica (12); região lombar (5); região sacral (5) e região coccígea (4). As regiões cervical, torácica e lombar são ditas verdadeiras, pois possuem movimento devido estarem agrupadas num só osso. A coluna possui curvaturas próprias, que têm a função de dar equilíbrio ao corpo humano. Vista de lado ela representa uma formação em “S”, sendo, que a curvatura para frente é chamado lordose (cervical e lombar), e para trás é chamada de cifose (torácica e sacrococcígea). As cifoses são curvaturas primárias (origem fetal), as lordoses são curvaturas secundárias ou de compensação. Elas surgem a partir do 7º ou 8º mês de vida, quando a criança começa a sentar-se (cervical), e se completa em torno de 1 ano quando se começa a andar (lombar). Outra curvatura é a escoliose que ao contrário das já citadas surge a partir de posturas indesejáveis a que submetemos a coluna (ou seja, sentar errado, dormir de lado, dirigir apoiando-se na porta, etc.) Ela apresenta um desvio para a direita ou esquerda em um ou mais pontos.
  4. 4. Humaniversidade Holística 3
  5. 5. Humaniversidade Holística 4 O massagista se posiciona de tal forma que transfira o peso de seu corpo para os membros superiores. As mãos deste deverão estar exatamente sobre a coluna do cliente. O movimento deverá iniciar-se na altura da T12 até C5, sempre na expiração do cliente. Recomenda-se o uso de um elemento mais resistente (uma lista telefônica, por exemplo) na altura da caixa torácica do cliente para facilitar o movimento. O massagista posicionará suas mãos de tal forma a encontrar a máxima articulação da região cervical do cliente, O massagista executará a torção do pescoço de forma rápida e num só movimento. Estará sendo trabalhada a região das vértebras C1 a C3. Sempre verificar que o cliente esteja relaxado. Nunca realizar o movimento em caso deste estar tenso. O massagista inicialmente procura a máxima articulação do pescoço a noventa graus, e na expiração do cliente ele deverá pressionar tanto o queixo como o ombro do mesmo. Observar sempre que o cliente esteja bem relaxado. O massagista deverá travar a perna flexionada do cliente e realizar a torção da região lombar (altura da T12 até L5). Importante frisar que este movimento pode ser executado mais de uma vez, pois se trata de uma região muito resistente. Enquanto puxa o ombro, o massagista empurra a bacia do cliente.
  6. 6. Humaniversidade Holística 5 O massagista executará a torção da região lombar agora para o outro lado. Para tanto, deverá puxar o ombro do cliente enquanto empurra a bacia. Este movimento também pode ser executado mais de uma vez. O massagista posiciona o membro inferior do cliente em forma de um quatro (4). Procura a máxima abertura e, na expiração deste, pressiona o joelho em um movimento rápido e seguro. Ao pressionar o joelho do cliente, certifique-se que sua outra mão esteja pressionando a crista ilíaca oposta. O massagista posicionará a perna flexionada do cliente no sentido do seu ombro adjacente. Primeiramente se procura o máximo dobramento e, na expiração do cliente. O massagista pressiona a coxa do mesmo contra seu tórax. O massagista posicionará agora a perna flexionada do cliente no sentido do seu ombro oposto. Certifica-se que se encontrou a máxima dobradura. O massagista deverá pressioná-la de encontro ao tórax do cliente. Para um melhor aproveitamento do movimento, O massagista poderá utilizar sua perna para conservar o ângulo da perna flexionada do cliente.
  7. 7. Humaniversidade Holística 6 O massagista segura com firmeza o tornozelo e o joelho do cliente e realiza movimentos de rotação máxima no sentido de dentro para fora. O massagista colocará seu pé sobre a região sacrococcígea , se apóia firmemente e pisa com vigor sobre esta região. Os membros inferiores do cliente devem estar bem abertos. O massagista colocará seus pés sobre o cíngulo pélvico do cliente, juntando os calcâneos e abrindo-os em forma de uma letra V, e executará movimentos de rotação com amassamentos. Importante é frisar que não se deve pisar na região dos rins. O massagista une os membros inferiores do cliente, flexionando-os e, na expiração deste, pressiona-os de encontro ao tórax do mesmo.
  8. 8. Humaniversidade Holística 7 INDICAÇÕES, CONTRAINDICAÇÕES E COMPLICAÇÕES Indicações ☯ A terapia manual tem por finalidade restabelecer a função de segmentos vertebrais isolados e/ou de trechos inteiros da coluna vertebral bem como de articulação dos membros. ☯ A terapia manual específica é capaz de restabelecer a função, nos casos em que se suspeita de um distúrbio funcional reversível (é, de uma disfunção de origem somática). ☯ As síndromes vertebrais agudas e dolorosas constituem indicações promissoras para o tratamento manual específico. ☯ Estas síndrome costumam apresentar elevada tendência à cura espontânea, mas ficou demonstrado que a terapia manual é superior às medidas terapêuticas conservadoras, tais como repouso, tratamento, tratamento medicamentoso exclusivo e tratamento fisioterápico isolado. ☯ Os dados empíricos foram confirmados pelas pesquisas controladas. ☯ Os clientes portadores de síndromes vertebrais crônicas ou recidivantes, devidas geralmente a processos degenerativos, tais como a osteocondrose e a espondilartrose, também são candidatos à terapia manual, embora os resultados terapêuticos sejam menos espetaculares. ☯ A terapia manual pode ter influência favorável sobre os sintomas secundários, inclusive sobre a dor. ☯ Os casos de dores vertebrais crônicas, geralmente caracterizados por acentuado desequilíbrio muscular com encurtamento e enfraquecimento de grupos musculares isolados, serão geralmente tratados mediante as técnicas de mobilização sem impulso, ou técnicas musculares, e não mediante as técnicas que utilizam os impulsos (ou seja, as técnicas clássicas de golpe). ☯ O tratamento manual das articulações dos membros e dos segmentos da coluna vertebral desempenha papel de destaque no tratamento da dor. Estas técnicas manuais provocam a inibição pré-sináptica da transmissão dos impulsos dolorosos ao nível da medula espinhal, mediante estimulação dos mecanorreceptores da periferia. Portanto, a terapia manual adequada prepara o cliente para fisioterapia apropriada e para a reabilitação muscular. ☯ A presença de vertigem exige atenção especial no tratamento das síndromes cervicais. É indispensável afastar primeiro outras possíveis causas da vertigem (diagnóstico diferencial), antes de tentar tratar um cliente com avaliação de vertigem cervical. Depois de confirmado a avaliação de vertigem cervical, o emprego da terapia manual é capaz de dar resultados altamente favoráveis. ☯ Podemos dispensar uma lista de distúrbios específicos (ou seja, uma lista contendo as indicações), desde que sigamos as normas para o diagnóstico manual e desde que o exame inclua os métodos clássicos do exame médico e ortopédico, nos casos em que houver indicação para os mesmos. ☯ Resumindo, podemos afirmar que as seguintes afecções do sistema de locomoção são acessíveis à terapia manual: 1. Os distúrbios funcionais agudos e dolorosos dos segmentos vertebrais que não se acompanham de sintomatologia radicular. 2. As síndromes vertebrais crônicas ou recidivantes que se acompanham de alterações secundárias dos músculos (aumento do tônus muscular, feixes musculares palpáveis, tensos) e de desequilíbrio muscular. 3. Tratamento sintomático da dor nos clientes que apresentam alterações degenerativas das articulações vertebrais periféricas. Resposta do Cliente à Terapia Manual ☯ O tratamento poderá ser repetido até o desaparecimento dos sintomas ou até a finalidade do tratamento estar alcançada, nos casos em que o cliente refere melhora em seguida ao tratamento. ☯ Ocasionalmente, sobretudo após o tratamento de mobilização mediante as técnicas de impulso (técnica de golpe), pode ocorrer agravamento da sintomatologia durante alguns minutos ou várias horas após o tratamento, melhorando porém no dia seguinte. O esquema de tratamento deve ser mantido em tais casos. Todavia, recomenda-se a reavaliação dos dados encontrados no exame anterior, os quais precisam estar perfeitamente documentados. ☯ O regime de tratamento manipulativo deve ser suspenso sempre que causar agravamento dos sintomas pelo prazo de vários dias. Os dados do exame físico anterior precisam ser revistos e reinterpretados. Pode haver indicação para uma consulta ao neurologista, ao reumatologista ou ao fisiatra, sempre que o cliente apresentar sintomas até então ausentes. ☯ Diante do aparecimento de complicações neurológicas imediatas ou de complicações que se manifestam após um prazo de latência de algumas horas ou dias, recomenda-se transferir o cliente para um centro de
  9. 9. Humaniversidade Holística 8 atendimento médico para exames neurológicos, detalhado e, eventualmente, para internação. Convém documentar minuciosamente tanto as intervenções terapêuticas realizadas, assim como os achados que serviram de base à avaliação energética. INDICAÇÃO, CONTRAINDICAÇÃO E COMPLICAÇÕES CONTRAINDICAÇÃO ☯ Hérnia aguda de disco lombar, acompanhada de sintomas radiculares. ☯ Hérnia aguda de disco cervical, com ou sem manifestações radiculares. ☯ Lesões recentes das partes moles da coluna cervical (4 a 8 semanas após o acidente). ☯ Vertigens de origem vascular , devidas à insuficiência vértebro-basilar. ☯ Malformações ósseas da coluna. ☯ Anomalias da medula espinhal. ☯ Osteoporose acentuada, anomalias metabólicas que afetam o osso, acompanhando-se de tendência anormal para as fraturas patológicas. ☯ Estágio inflamatório agudo da espondilite anquilosante. ☯ Processos inflamatórios da coluna em clientes com artrite reumatóide. ☯ Hipermobilidade segmentar de origem traumática. ☯ Tumores e metástases tumorais. ☯ Atualmente, são raras as complicações, desde que se observem as normas para a terapia manual apropriada, as quais incluem as indicações e contra-indicações corretas. As complicações são menos frequente quando o terapeuta dispõe de longa experiência nas diferentes técnicas. Podemos dizer que, em média, ocorre uma complicação grave em aproximadamente 400.000 tratamentos da coluna cervical. ☯ São raras as complicações devidas ao tratamento manual da coluna torácica ou lombar, mas continuam a ser publicadas observações de casos nos quais a intervenção manipulativa resultou em sintomatologia radicular. TERAPIA MANUAL NOÇÕES DE QUIROTERAPIA ☯ Consideramos que a terapia manual exerce uma ação de estimulação sobre os mecanorreceptores do cliente. ☯ A estimulação pré-sináptica dos mecanorreceptores inibe a transmissão dos estímulos dolorosos ao nível da substância gelatinosa da medula espinhal. ☯ Ainda não estão perfeitamente esclarecidos os mecanismos responsáveis pelos resultados da terapia manual, sobretudo no que se refere às técnicas clássicas de golpe (mobilização com impulso). É possível que, além de aliviar a dor, o método de tratamento resulte na reposição de um meniscóide deslocado (na coluna cervical, por exemplo) ou que certas técnicas de rotação afastem o núcleo polposo das estruturas nervosas, de modo a diminuir a pressão das articulações apofisárias sobre as raízes nervosas. ☯ Nas síndromes vertebrais, o restabelecimento do equilíbrio muscular desempenha papel de destaque na prevenção das recaídas de dor. ☯ O alongamento dos músculos tônicos encurtados e o fortalecimento dos músculos físico enfraquecidos, completas pelas instruções corretas para o treinamento em domicílio e para o treinamento da coluna do tipo “back school” se tornaram nos dias atuais um elemento de rotina na quiroterapia. (Os capítulos seguintes sobre terapia manual baseiam-se essencialmente no livro Manual Medicine: Therapy da autoria de W.Schneider, J. Dvorák, V. Dvorák e T. Tritschler [Thieme, Stuttgart, 1988]) NOÇÕES DE QUIROPRAXIA MOBILIDADE SEM IMPULSO Princípios Básicos: Coluna Vertebral ☯ Os segmentos vertebrais próximos aos segmentos que apresentam restrição da mobilidade são levados até às respectivas barreiras (tomada de posição para eliminar o afrouxamento existente). ☯ O operador só deve estabelecer contato ósseo com as estruturas que se localizam fora da zona de irritação.
  10. 10. Humaniversidade Holística 9 ☯ A mobilização será realizada na direção em que não provocar dor. ☯ O sentido dos movimentos passivos será determinado pelos resultados obtidos através do teste de provocação. A mobilização deve ser realizada no sentido em que se verifica diminuição da dor e das reações nociceptivas. ☯ A duração das manobras de mobilidade varia entre 3 e 10 segundos. ☯ A mobilização não deve ultrapassar os limites da mobili anatômica. ☯ A tração pode ser usada, inclusive para o combate à dor. Articulações dos Membros ☯ A articulação que apresenta restrição da mobilidade é levada a sua posição neutra (posição de repouso). ☯ As mãos são aplicadas o mais próximo possível da articulação; na maioria dos casos procura-se fixar a parte proximal da articulação. Mobilizando a parte distal da mesma. ☯ O sentido em que se realiza a mobilização será escolhido de acordo com a lei da convexidade ou concavidade, o que assegura maior mobilidade na articulação em apreço (Schmidt, Dvorák). ☯ Podemos recorrer à tração para melhor aliviar a dor, antes de aplicarmos essas técnicas específicas de mobilização. ☯ A mobilização da articulação não deve ultrapassar os limites anatômicos normais da mobilidade da barreira. ☯ A mobilização sem impulso deve ser realizada com delicadeza e sem causar dor ao cliente. Mobilização com Impulso (Golpe Clássico) Princípios Básicos: Coluna Vertebral ☯ Nos Estados Unidos, a palavra “manipulação” é um termo genérico que se refere a qualquer procedimento terapêutico que se baseia no uso das mãos para tratar o cliente. Na Europa, a palavra manipulação designa especificamente o que se chama em inglês (ou na nomenclatura americana em osteopatia) de “golpe de alta velocidade e baixa amplitude”. ☯ O afrouxamento existente é eliminado nos segmentos vertebrais adjacentes às articulações que apresentam restrição da mobilidade (os segmentos vizinhos devem encontrar-se nos respectivos limites de mobilidade) dados pela barreira. ☯ O posicionamento do cliente não deve provocar dor. ☯ A escolha do sentido da mobilização com impulso depende dos resultados dos testes de provocação. A mobilização será realizada na direção em que a dor e as reações nociceptivas forem menores. ☯ A força do impulso precisa ser de intensidade suficiente para provocar um movimento nas articulações restritas, porém sem ultrapassar os limites anatômicos da mobilidade normais dados pela barreira. Articulações dos Membros ☯ A articulação de mobilidade limitada é colocada na sua posição de repouso (posição neutra). ☯ O operador aplica suas mãos próximas à articulação e fixa a parte proximal da mesma. Via de regra, o impulso ser aplicado em sentido perpendicular ao plano de tratamento.
  11. 11. Humaniversidade Holística 10 Treinamento da Coluna ☯ O médico precisa estar convencido da eficácia do programa de exercícios domiciliares. O cliente precisa estar motivado e disposto a participar plenamente desse programa. ☯ Exercícios domiciliares: Baseiam-se na avaliação específica de limitação regional da mobilidade, de modo que o cliente seja capaz de mobilizar essas áreas sem ajuda, assim como de alongar certos músculos e fortalecer outros. ☯ Treinamento da coluna (back school): É geralmente orientado pelo fisioterapeuta, tendo por finalidade promover a postura fisiológica, a mobilidade e o restabelecimento do equilíbrio (10 a 12 aulas). O médico fornece as informações fundamentais sobre anatomia funcional, biomecânica da coluna, em duas aulas de 20 minutos cada. ☯ Ficou provado que o treinamento da coluna é considerado a melhor medida preventiva capaz de evitar a instalação das síndromes vertebrais funcionais. Coluna Cervical C0 – C1 Tratamento ☯ Mobilização sem impulso: flexão e extensão. Indicações ☯ Limitação dos movimentos de flexão e extensão na primeira articulação da coluna cervical. ☯ Sensação terminal de rigidez, acompanhada de dor, no limite extremo da mobilidade. ☯ Dor localizada na região suboccipital, eventualmente se irradiando para a área occipital. ☯ Zona de irritação em C0 – C1. ☯ Encurtamento dos músculos suboccipitais. Técnica ☯ Cliente em posição sentada. ☯ O operador se coloca de pé ao lado do cliente, fixando o tronco do mesmo de encontro à sua coxa. ☯ Usando seu polegar e indicador, ele fixa delicadamente o atlas do cliente a nível dos pilares articulatóriaes. ☯ Aplicando a sua outra mão aberta sobre a região temporal do cliente, o operador segura a cabeça do mesmo com seu braço e a fixa contra seu tórax. ☯ Executa a mobilização passiva sem impulso, realizando movimentos alternados de flexão e extensão, para diante e para trás, além dos limites da barreira patológica. Observação ☯ É importante que a cabeça se encontre perfeitamente estabilizada e que a fixação do atlas seja realizada com delicadeza. Coluna Cervical C0 – C1 Tratamento ☯ Mobilização sem impulso: tração axial. Indicações ☯ Limitação da mobilidade na metade superior da coluna cervical.
  12. 12. Humaniversidade Holística 11 ☯ Sensação terminal de rigidez no limite extremo da mobilidade, às vezes acompanhada por dor. ☯ Dores difusas na região da nuca. Dor aos movimentos. ☯ Zonas de irritação. ☯ Encurtamento dos músculos suboccipitais. Técnica ☯ Operador em pé, atrás do cliente sentado. ☯ O operador aplica as duas mãos abertas lateralmente sobre as regiões parietais do cliente. ☯ Os seus antebraços superiores fixam os ombros do cliente. ☯ Executa a tração passiva durante a expiração. Observação: ☯ A tração deve ser sincrônica com os movimentos de inspiração e expiração. ☯ Trata-se de uma técnica bastante delicada e que acarreta um mínimo de perigo. Coluna Cervical C1 – C2 Tratamento ☯ Mobilização TNM2, rotação Indicações ☯ Diminuição da mobilidade para os movimentos de rotação nas articulações do terço superior da coluna cervical. ☯ Dor suboccipital localizada, irradiando-se para a região occipital. ☯ Zonas de irritação: C1, C2. ☯ Encurtamento dos músculos suboccipital com sensação terminal de flacidez e às vezes de dor no limite extremo da mobilidade. Técnica ☯ Cliente em posição sentada. ☯ O operador, em posição de pé ao lado do cliente, fixa o tronco do mesmo de encontro à sua coxa. ☯ Ele coloca seu polegar e indicador sobre os processos articulatóriaes da vértebra C2, fixando-a deste modo. ☯ Coloca o outro membro superior em torno da cabeça do cliente, com o dedo mínimo aplicado sobre o arco posterior do atlas. ☯ O segmento vertebral em questão é então levado até o limite patológico da mobilidade. ☯ O cliente é solicitado a realizar a contratação isométrica dos músculos antagonistas da rotação, contra a resistência igual, oposta pelo operador. ☯ Durante a fase de relaxamento pós-isométrico, este executa um movimento de rotação passiva da cabeça, provocando o alongamento dos músculos encurtados.
  13. 13. Humaniversidade Holística 12 Observação ☯ Os processos individuais no tocante à mobilização são bastante discretos. ☯ Na região suboccipital, a força a ser aplicada precisa ser dosada com muito cuidado. Coluna Cervical C2 – C6 Tratamento ☯ Mobilização com impulso, nas limitações da rotação. Indicações ☯ Diminuição segmentar da mobilidade. ☯ Sensação de rigidez no limite da mobilidade, acompanhada de dor no final do movimento. ☯ Dor localizada, referida às vezes em ombro, braço e pescoço. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Operador de pé atrás do cliente sentado. ☯ Ele coloca o segundo osso metacárpico de sua mão sobre a vértebra que fica abaixo do segmento vertebral a ser mobilizado. ☯ Aplica o dedo mínimo de sua outra mão sobre a vértebra que fica abaixo do segmento a ser mobilizado, a fim de fixá-lo. ☯ Girando a cabeça do cliente, ele executa um movimento passivo de rotação da coluna cervical, até o limite da mobilidade do segmento vertebral afetado (localização do segmento vertebral em questão). ☯ Durante a expiração, o operador aplica uma força provocando um impulso de rotação. Observação ☯ É este o método de escolha para o tratamento dos problemas do terço médio da coluna cervical. ☯ Certifique-se de que o cliente está perfeitamente relaxado. ☯ Esta manobra só deve ser aplicada por um terapeuta que disponha de larga experiência. ☯ Ela precisa ser interrompida imediatamente se o posicionamento provocar tonturas. Coluna Cervical C2 – C6 Tratamento ☯ Mobilização com impulso, rotação. Indicações ☯ Limitação segmentar da rotação, acompanhada de sensação de rigidez final. ☯ Dor no limite externo do movimento (barreira da mobilidade). ☯ Dores na nuca, localizadas, irradiando-se às vezes para o ombro e para a região interescapular. ☯ Zona de irritação em C2 – C6 Técnica ☯ Cliente em posição sentada. ☯ Terapeuta em posição de pé, ao lado do cliente.
  14. 14. Humaniversidade Holística 13 ☯ O dedo médio, destinado a aplicar a força do impulso, é colocado sobre o pilar articulatória da vértebra em questão. ☯ A outra mão do terapeuta fixa a cabeça do cliente na região parietal. ☯ O pescoço é inclinado passivamente para o lado, de modo a guiar o segmento parcialmente imobilizado até o limite patológico da sua mobilidade. ☯ Acompanhando a inclinação das articulações apofisárias, o terapeuta aplica o impulso (golpe) através do processo transverso, em direção para diante e para cima. Observação ☯ Esta técnica exige localização perfeita e posicionamento correto da barreira de mobilidade. ☯ O impulso é aplicado durante a fase expiratória. ☯ O movimento de rotação pelo impulso deve ser bastante pequeno. ☯ Nas mãos do terapeuta competentes, esta técnica costuma ser delicada e muito eficaz. Coluna Cervical C2 – C7 Tratamento ☯ Mobilização TNM 2, limitações de rotação Indicações Restrição segmentar da rotação, acompanhada de sensação de flacidez. Dor no limite de mobilidade. É muito comum o cliente se queixar de dor crônica na região da nuca, dor essa que às vezes se irradia para a região occipital ou para os ombros. Zona de irritação. Pode haver encurtamento dos músculos rotatores profundos ( de músculos posturais tais como rotatores, multífido e semiespinhal), da porção descendente do músculo trapézio e do músculo elevador da escápula. Técnica ☯ Cliente em posição sentada. ☯ O terapeuta está de pé ao lado do cliente, fixando o tronco do mesmo de encontro à sua própria coxa. ☯ O elemento inferior do segmento vertebral a ser tratado é fixado pelos dedos indicador e polegar do terapeuta; estes são aplicados delicadamente sobre as apófises articulatórias. ☯ A outra mão segura a cabeça do cliente e as articulações superiores da coluna cervical. ☯ Executando discreta rotação da cabeça, o terapeuta procura localizar exatamente o segmento em questão, guiando-o finalmente até o limite patológico da mobilidade. ☯ Em seguida, solicita ao cliente que realize a contração isométrica dos músculos antagonistas da rotação que encontram encurtados, fazendo força na direção oposta (em sentido oposto ao do limite de mobilidade ; 1). Enquanto isso, o terapeuta, usando a mão que fixa a cabeça do cliente, exerce uma força de resistência idêntica, porém dirigida em sentido contrário. ☯ Durante a fase de relaxamento pós-isométrico, o terapeuta realiza um movimento de rotação passiva além da barreira patológica, distendo ao mesmo tempo os músculos encurtados.
  15. 15. Humaniversidade Holística 14 Observação ☯ Importante: é essencial que a coluna cervical seja fixado com a maior delicadeza. ☯ Durante a contração isométrica, pede-se ao cliente que dirija o olhar na mesma direção da contração muscular. ☯ Durante a fase de mobilização, o cliente deve olhar na direção dos músculos a serem distendidos. Coluna Cervical C2 – C6 Tratamento ☯ Mobilização com impulso, limitação da rotação. Indicação ☯ Restrição segmentar da mobilidade, acompanhada de sensação de rigidez. ☯ Dor no limite da mobilidade. ☯ Dor localizada no terço médio da coluna cervical, irradiando-se às vezes para a região dos ombros. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Terapeuta em posição de pé, atrás do cliente sentado. ☯ Com seu polegar e com o segmento vertebral que apresenta limitação da mobilidade. ☯ Com o dedo mínimo e a região hipotenar da outra mão (produtora do impulso), ele fixa o pilar articulatória da vértebra superior do segmento cuja mobilidade se encontra reduzida. ☯ Imprimindo um movimento de rotação passiva à cabeça e à coluna cervical, o terapeuta localiza a barreira patológica da mobilidade. ☯ Aplica em seguida um impulso de mobilização rotatória (golpe). Observação ☯ A força do impulso deve ser aplicada durante a fase expiratória; o cliente precisa estar completamente relaxado. ☯ Importante: O posicionamento precisa ser absolutamente correto, no limite patológico extremo da mobilização do segmento vertebral afetado. ☯ Trata-se de um método altamente eficaz quando aplicado por um terapeuta competente.
  16. 16. Humaniversidade Holística 15 Articulação Cervicotorácica C6 – T3 Tratamento ☯ Mobilização com impulso, rotação. Indicações ☯ Limitação do movimento de rotação, acompanhada por sensação terminal de rigidez no limite extremo da mobilidade. ☯ Dor localizada na região cervicotorácica, irradiando-se ocasionalmente para os ombros e para a área interescapular. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente em posição sentada, com a cifose torácica um tanto exagerada e a coluna cervical em flexão. O terapeuta permanece de pé atrás do cliente. ☯ O polegar da mão encarregada de realizar a mobilização é aplicado sobre o lado externo do processo espinhoso da vértebra a ser tratada. ☯ Com sua outra mão , o terapeuta realiza um movimento de rotação passiva da coluna cervical, girando a cabeça do cliente e lavando o segmento vertebral afetado até o limite patológico da sua mobilidade. ☯ Aplica depois a força de impulso contra o processo espinhoso, no sentido oposto ao da rotação da coluna cervical. Observação ☯ Esta técnica exige bastante força: o cliente pode queixar-se de desconforto no começo da manobra, até mesmo durante a fase de posicionamento. ☯ É preciso que a mão que aplica o impulso evite comprimir o triângulo lateral do pescoço. Articulação Cervicotorácica C6 – T3 Tratamento ☯ Mobilização com impulso, limitação da rotação e da inclinação lateral. Indicações ☯ Restrição da mobilidade da articulação cervicotorácica. ☯ Sensação terminal de rigidez acompanhada de dor, no limite extremo da mobilidade. ☯ Dores difusas, com irradiações, em pescoço e braço. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente em decúbito ventral. ☯ Certo grau de flexão da coluna torácica e cervical. ☯ O terapeuta se coloca de pé ao lado do cliente e movimenta a cabeça do mesmo, realizando movimentos passivos de inclinação lateral e de rotação da coluna cervical até o limite máximo.
  17. 17. Humaniversidade Holística 16 ☯ Em seguida, o terapeuta coloca uma mão sobre a cabeça do cliente, fixando-a sobre a mesa de exame. ☯ A mão que realiza a mobilização é aplicada em toda sua extensão sobre o ombro do cliente; os membros superiores do terapeuta se cruzam. ☯ Durante a fase expiratória, o terapeuta aplica uma força de impulso em direção para o lado e para baixo, através da mão aplicada sobre o ombro. Observação ☯ Trata-se de um método bastante inespecífico de mobilização da articulação cervicotorácica. ☯ É indispensável que o posicionamento do cliente seja realizado com a maior delicadeza. Coluna Torácica T3 – T10 Tratamento ☯ Mobilização com impulso; tração. Indicações ☯ Limitação da mobilidade da coluna torácica. ☯ Dor localizada na região torácica; a dor se irradia às vezes ao longo das costelas, em forma de cinto. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente em decúbito ventral. ☯ A cifose torácica é exagerada graças à posição do cliente; o ápice da cifose deve corresponder à porção da coluna que se pretende mobilizar. ☯ O terapeuta se põe de pé ao lado do cliente e aplica a região do tenar de ambas as mãos sobre as apófises transversas dos segmentos vertebrais a serem mobilizados. ☯ Simultaneamente, as duas aplicam um impulso de encontro aos respectivos processos transversos, em direção para cima e ligeiramente para diante. Observação ☯ Trata-se de uma manobra bastante eficaz, embora inespecífica. ☯ Importante: A força do impulso precisa ser aplicada durante a expiração.
  18. 18. Humaniversidade Holística 17 Coluna Torácica T3 – T10 Tratamento ☯ Mobilização com impulso; limitação da rotação. Indicações ☯ Limitação da mobilidade da coluna torácica com sensação terminal de rigidez. ☯ Dor localizada no terço médio da coluna torácica. ☯ A dor pode irradiar-se ao longo da coluna torácica e em direção às costelas. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente em decúbito ventral. ☯ A sua cifose torácica é exagerada em virtude da posição assumida; o ápice da cifose deve corresponder ao segmento a ser mobilizado. ☯ O terapeuta se coloca em pé ao lado do cliente. ☯ Ele aplica suas mãos cruzadas sobre a coluna torácica do cliente. ☯ Apóia os ossos pisiformes das duas mãos sobre duas apófises transversas, consecutivas, estabelecendo perfeito contato ósseo. ☯ Em seguida, o terapeuta aplica a força do impulso sobre as apófises transversas, em direção para baixo (em direção à superfície da mesa de exame). Observação ☯ A força do impulso deve ser aplicada durante a fase expiratória (resistência menor). ☯ Este método de mobilização é eficaz e altamente específico; trata-se de um representante da técnica clássica do impulso. Coluna Torácica T3 – T10 Tratamento ☯ Mobilização com impulso; rotação. Indicações ☯ Limitação da mobilidade ao nível do terço médio da coluna torácica. ☯ Dor no limite extremo da mobilidade. ☯ Dor localizada. ☯ Zonas de irritação.
  19. 19. Humaniversidade Holística 18 Técnica ☯ Cliente sentado sobre a mesa de exame, com os membros inferiores suspensas de ambos os lados da mesa. ☯ Terapeuta em posição de pé ao lado do cliente, passando uma mão adiante do cliente e colocando-a sobre o ombro oposto. ☯ O terapeuta fixa a vértebra que pretende mobilizar, aplicando o polegar de sua outra mão sobre o processo espinhoso dessa vértebra. ☯ Em seguida, imprime à coluna torácica um movimento passivo de rotação, ultrapassando delicadamente a barreira patológica da mobilidade e mobilizando a área que apresenta restrições dos movimentos. ☯ Seu polegar oferece resistência na direção oposta. Coluna Torácica T6 – T12 Tratamento ☯ Mobilização com impulso; rotação. Indicações ☯ Diminuição da mobilidade segmentar. ☯ Sensação terminal de rigidez, com dor no limite extremo da mobilidade (barreira). ☯ Dor localizada, irradiando-se às vezes em direção às costelas. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente senta atravessado sobre a mesa de exame. ☯ O terapeuta, em posição de pé ao lado do cliente, passa seu braço adiante do tórax do cliente, fixando ambos os ombros do mesmo na frente. ☯ O cliente pode cruzar os membros superiores na nuca. ☯ O terapeuta aplica o osso pisiforme da sua mão encarregada de realizar a mobilização sobre a apófise transversa da vértebra que pretende mobilizar. ☯ Em seguida, imprime um movimento de rotação à coluna torácica, no sentido de cima para baixo, até o segmento de mobilidade comprometida esbarrar na sua barreira patológica. ☯ Executa um breve impulso rotatório contra a apófise transversa. Observação ☯ A força de impulso deve ser aplicada durante a fase expiratória. ☯ Trata-se de uma técnica delicada, porém eficaz.
  20. 20. Humaniversidade Holística 19 Costelas 1ª Costela Tratamento ☯Mobilização sem impulso. Indicações ☯ Diminuição da mobilidade da primeira costela durante a exposição (restrição expiratória). ☯ Dor na região supraclavicular, provocada pelos movimentos. Podem ocorrer parestesias noturnas que afetam o braço. ☯ Zona de irritação na primeira costela. ☯ Encurtamentos dos músculos escalenos. Técnica ☯ Cliente em posição sentada. ☯ Colocando-se de pé atrás do cliente, o terapeuta fixo com sua coxa e com cúbito o ombro do lado oposto ao da costela a ser tratada. Estando o polegar aplicado sobre o pescoço, o dedo indicador do terapeuta, encarregado da mobilização, realiza a palpação cuidadosa da primeira costela. ☯ Com a outra mão o terapeuta executa a inclinação lateral passiva da cabeça e da coluna cervical do cliente, em direção ao lado da costela que pretende mobilizar. ☯ A mobilização passiva é realizada durante é realizada durante a expiração, em uma direção para baixo e para a linha mediana. Observação ☯ A palpação da primeira costela precisa ser realizada com muita delicadeza e cuidado. Uma pressão muito vigorosa pode provocar parestesias no membro superior. Costelas Costela VI - XII Tratamento ☯Mobilização sem impulso. Indicações ☯ Limitação da mobilidade das costelas. ☯ Dor localizada em pontadas, frequentemente acompanhando os movimentos respiratórios. ☯ A dor pode irradiar-se ao longo das costelas, em forma de cinto. ☯ Zonas de irritação as costelas. Técnica ☯ Cliente em decúbito ventral. ☯ O terapeuta fixa a costela a ser mobilizada com o osso pisiforme de seu punho, junto ao ângulo costal. ☯ Aplica sua outra mão sobre a espinha ilíaca anterior. ☯ A costela afetada é mobilizada passivamente, graças ao movimento de rotação que o terapeuta imprime à pelve e a coluna lombar do cliente, até o nível da costela afetada ( a rotação deve ser realizada em direção oposta à da superfície da mesa de exame).
  21. 21. Humaniversidade Holística 20 Observação ☯ Esta é uma técnica de mobilização delicada e eficaz para as costelas inferiores. Costelas Costela III - X Tratamento ☯Mobilização com impulso. Indicações ☯ Limitação da mobilidade das costelas. ☯ Dor na parede torácica posterior, frequentemente acompanhado as excursões respiratórias. ☯ A dor pode propagar-se ao lado das costelas afetadas, irradiando-se para o esterno. ☯ Zona de irritação ao nível das costelas. Técnica ☯ Cliente em decúbito ventral. ☯ A cifose torácica se torna um tanto exagerada (mediante a flexão da coluna do cliente). ☯ O terapeuta aplica a região do tenar de uma das mãos sobre o ângulo costal da costela afetada. ☯ O tenar da outra mão encosta-se à apófise espinhosa da vértebra que corresponde à costela em questão. ☯ A força de impulso é aplicada sobre a costela, em direção para diante e para baixo (acompanhando o trajeto da costela). Observação ☯ A força do impulso deve ser aplicada durante a expiração. ☯ É importante estabelecer perfeito contato ósseo com a costela que se pretende mobilizar. ☯ Esta técnica de mobilização é bastante eficaz. Coluna Lombar L1 – L5 Tratamento ☯Mobilização sem impulso; rotação
  22. 22. Humaniversidade Holística 21 Indicações ☯ Limitação da rotação. ☯ Sensação terminal de rigidez acompanhado de dor no limite extremo da mobilidade. A dor na coluna lombar pode ser localizada ou difusa, podendo também se irradiar sem forma de cinto. ☯ Presença de zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente em decúbito lateral. ☯ Extensão do membro inferior que está em contato direto com a mesa de exame, enquanto o ombro oposto é mantido em flexão ao nível do quadril e joelho. ☯ O cliente coloca uma das mãos sob a cabeça. ☯ O terapeuta encontra-se de pé ao lado do cliente e coloca os dedos indicador e médio de uma das mãos sobre o processo espinhoso da vértebra que pretende mobilizar. O local específico é a face lateral do processo espinhoso voltada para a superfície da mesa. ☯ Com sua outra mão, o terapeuta fixa a vértebra superior correspondente ao segmento limitado, aplicando a ponta do seu dedo indicador ou a eminência tenar sobre o processo espinhoso, mais exatamente sobre a parte voltada em direção oposta à mesa (2). ☯ O terapeuta gira a coluna torácica e lombar de modo a localizar perfeitamente o segmento a ser mobilizado, levando-o até a barreira patológica da mobilidade. ☯ Em seguida, exerce tração direta sobre o processo espinhoso inferior, de maneira a mobilizar o segmento afetado além do limite patológico da mobilidade, graças a um movimento passivo de mobilização através da rotação. Observação ☯ A cabeça do cliente deve se encontrar girada ao máximo, em sentido oposto. Coluna Lombar L1 – L5 Tratamento ☯Mobilização sem impulso; TNM 2, rotação. Indicações ☯ Limitação segmentar do movimento de rotação, acompanhada por sensação terminal de flacidez, é devida ao encurtamento dos músculos rotatores profundos da coluna lombar (músculos rotatores, multífido e semiespinhal) e à possível participação dos músculos quadrado lombar. ☯ Dor local, podendo irradiar-se lateralmente, em forma de cinto. Técnica ☯ Cliente em decúbito lateral. ☯ Mediante rotação passiva da coluna torácica e lombar, o terapeuta encontra a barreira patológica do segmento que deseja mobilizar. ☯ Na etapa seguinte, o cliente é solicitado a executar uma contração isométrica dos músculos encurtados, em sentido oposto ao da barreira da mobilidade.
  23. 23. Humaniversidade Holística 22 ☯ Em seguida, este segmento é mobilizado além da barreira patológica, durante a fase de relaxamento consecutiva à contração isométrica, com o objetivo de distender os músculos que sofreram encurtamento. Observação ☯ A contração isométrica deve ser realizada durante a fase de inspiração. ☯ O alongamento e mobilização são realizados durante a fase de expiração. Coluna Lombar L1 – L5 Tratamento ☯Mobilização sem impulso; rotação Indicações ☯ Restrição segmentar dos movimentos de rotação. ☯ Sensação terminal de rigidez, com dor no limite extremo da mobilidade. ☯ Dor localizada e/ou irradiada ao longo da coluna ou em cinto, manifestando-se na região das nádegas e nos membros inferiores. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente em decúbito lateral, próximo à beira da mesa de exame. ☯ O terapeuta coloca-se de pé ao lado do cliente e fixa segurando o membro superior do mesmo, puxando o respectivo ombro em direção a si próprio. ☯ O terapeuta executa então a rotação passiva da coluna toracolombar, ate localizar e alcançar a barreira patológica do segmento vertebral em questão. ☯ Estando o cliente nesta posição, o terapeuta estabiliza o ombro rodado contra a mesa de exame. ☯ Em seguida, flete o membro inferior mais distante da superfície da mesa, no limite da articulação coxofemural e do joelho. ☯ Encostando seu próprio joelho na face externa (lateral) do joelho do cliente, o terapeuta estará em condições de executar um movimento de rotação passiva da pelve do cliente em sentido oposto. ☯ A mão encarregada da mobilização é colocada aberta sobre a coluna lombar e sobre o terço superior do sacro; o antebraço do terapeuta repousa sobre os glúteos 0do cliente. ☯ Em seguida, o terapeuta aumenta a pressão sobre o ombro oposto e sobre o joelho do cliente, de maneira a aumentar a tensão e a engatar o segmento afetado no seu limite de mobilidade. ☯ Estando a coluna assim engatada, a mão colocada sobre a coluna lombar aplica a força de impulso, em direção para a frente e para baixo.
  24. 24. Humaniversidade Holística 23 Observação ☯ A força de impulso deve ser aplicada durante a expiração. ☯ O posicionamento do cliente deve ser realizado com delicadeza e sem tomar muito tempo. ☯ Esta técnica não deve ser usada se o cliente não conseguir relaxar completamente. ☯ O cliente que apresentar problemas com a articulação coxofemural poderá assumir a posição que for necessária para a aplicação desta técnica. ☯ Trata-se de uma técnica de tratamento pouco específica para a coluna lombar. Coluna Lombar L1 – L5 Tratamento ☯Mobilização com impulso; rotação Indicações ☯ Limitação segmentar da rotação. ☯ Sensação terminal de rigidez acompanhado por dor no limite extremo (barreira) da mobilidade. ☯ Dor localizada ou irradiada para a região glútea e/ou para os membros inferiores. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente em decúbito lateral, próximo à beira da mesa de exame. ☯ O posicionamento e engatamento do segmento vertebral na barreira patológica da mobilidade são idênticos aos descritos para a técnica de mobilização sem impulso para essa mesma área. ☯ O terapeuta aplica seus dedos indicador e médio da mão encarregada da mobilização, sobre o processo espinhoso da vértebra afetada. ☯ Aplica em seguida uma força de impulso rotatório breve e intenso, dirigido contra cima, logo depois de ter executado a rotação. Observação ☯ Trata-se de uma técnica de tratamento específica e bem localizada. ☯ É indispensável posicionar e engatar o segmento vertebral a ser mobilizado, com o maior cuidado possível. Coluna Lombar L1 – L5 Tratamento ☯ Mobilização sem impulso; flexão e extensão Indicações ☯ Restrição dos movimentos de flexão e extensão na região da coluna lombar. ☯ Sensação terminal de rigidez, acompanhada por dor, no limite extremo da mobilidade. ☯ Zonas de irritação. ☯ Encurtamento do músculo lombar longo. Técnica ☯ Cliente em decúbito lateral, próximo à beira da mesa de exame. Os quadris e joelhos dos dois membros inferiores devem estar fletidos. ☯ O terapeuta se reclina sobre o cliente, com a face voltada para o tronco deste último.
  25. 25. Humaniversidade Holística 24 ☯ Coloca uma mão sobre o processo espinhoso da vértebra localizada imediatamente acima do segmento vertebral afetado. ☯ Enquanto o terapeuta fixa o sacro do cliente com seu braço, a mão correspondente palpa o processo espinhoso da vértebra afetado. ☯ O terapeuta realiza a mobilização passiva, acentuando a flexão lombar, ao mesmo tempo que executa a distração dirigida contra o processo espinhoso da vértebra inferior. Observação ☯ Esta técnica pode dar bons resultados nas síndromes dolorosas agudas, desde que aplicada com cuidado. Articulação Sacroilíaca Tratamento ☯ Mobilização sem impulso; limitação da mobilidade anterior (ventralização). Indicações ☯ Restrição da mobilidade da articulação sacroilíaca (ASI). ☯ Dor local, aguda ou crônica, irradiando para a região glútea e apresentando padrão de distribuição em cinto. ☯ Zonas de irritação. Técnica ☯ Cliente em decúbito ventral. ☯ O terapeuta aplica sua mão sobre a metade do sacro que corresponde ao lado da ASI com restrição da mobilidade. ☯ Com a ajuda da outra mão, exerce pressão em direção para diante, mobilizando o sacro de forma passiva. Articulação Sacroilíaca Tratamento ☯ Mobilização sem impulso; TNM 1. Indicações ☯ Limitação da mobilidade da articulação sacroilíaca (ASI). ☯ Dor lombar aguda, profunda e localizada. ☯ A dor pode também ser crônica, irradiando-se em forma de cinto para a região glútea. Técnica ☯ Cliente em decúbito ventral. ☯ O terapeuta coloca uma de suas mãos sobre a metade do sacro que corresponde ao lado da articulação sacroilíaca afetada, usando a outra mão para apoio ou fixação.
  26. 26. Humaniversidade Holística 25 ☯ Estando o sacro assim estabilizado, o cliente procura levantar a pelve do lado afetado acima do nível da mesa de exame, mantendo a articulação coxofemural em ligeira extensão e o ombro inferior estendido. Observação ☯ Essa técnica de mobilização deve ser aplicada repetidas vezes. Articulação Sacroilíaca Tratamento ☯ Mobilização com impulso. Indicações ☯ Restrição da mobilidade da articulação sacroilíaca (ASI). ☯ Dor local na extremidade inferior da coluna. ☯ A dor pode também ser crônica e apresentar distribuição difusa, irradiando-se às vezes para as nádegas, tanto uni como bilateralmente. ☯ Zonas de irritação na região sacral. Técnica ☯ Cliente em decúbito lateral, deitado sobre o lado oposto ao da articulação sacroilíaca afetada e próximo à beira da mesa de exame. ☯ O membro inferior que não está em contrato com a superfície da mesa de exame ser fletido ao nível do quadril e joelho. ☯ O terapeuta se coloca de pé ao lado do cliente e afasta o ombro superior do cliente, executando desta forma um movimento de rotação da coluna torácica e lombar. ☯ Para estabilizar o cliente nesta posição, o terapeuta fixa o seu ombro sobre a superfície da mesa de exame. A mão encarregada da mobilização é colocada sobre a pelve do cliente e aplica as forças de mobilização sobre a mesma. ☯ O afrouxamento presente é controlado pelo terapeuta mediante o aumento da rotação do ombro para baixo, e, ao mesmo tempo, o terapeuta guia com seu próprio joelho os movimentos dos joelhos do cliente. ☯ O impulso é aplicado através da pelve do cliente, em direção para baixo e para frente. Observação ☯ Este método não deve ser aplicado nos clientes que apresentem problemas da articulação coxofemural, o que seria capaz de prejudicar o posicionamento adequado.
  27. 27. Humaniversidade Holística 26 ☯ A força do impulso deve ser aplicada durante a fase expiratória. ☯ Um encurtamento do músculo piriforme pode ser capaz de impedir o posicionamento correto; recomenda-se em tal caso realizar o alongamento do músculo piriforme, antes de aplicar esta técnica. Articulação Sacroilíaca Tratamento ☯ Mobilização com impulso. Indicações ☯ Restrição da mobilidade da articulação sacroilíaca (ASI). ☯ A dor pode ser localizada ou difusa; situa-se profundamente na extremidade inferior da coluna. Ela se irradia às vezes para as nádegas e para a face posterior da coxa. ☯ Zona de irritação S 2 e S1 na região do sacro, de acordo com os testes de provocação. Técnica ☯ Cliente em decúbito lateral, sobre o lado correspondente à ASI afetada, e próximo à beira da mesa de exame. ☯ O terapeuta permanece de pé ao lado do cliente; agarrando a extremidade anterior do antebraço do cliente, ele puxa o ombro deste em direção a si mesmo. ☯ A seguir, o terapeuta executa uma rotação máxima do ombro, fixando-o nesta posição sobre a mesa de exame. ☯ O cliente flete o membro inferior para fora da mesa, ao nível do quadril e joelho. ☯ Para fixar o joelho fletido do cliente, o terapeuta encosta seu próprio joelho na face lateral do joelho do cliente. ☯ A seguir, aplica a região do hipotenar da sua mão encarregada da mobilização, sobre a metade do sacro voltada para a mesa de exame. O impulso deve ser dirigido para frente. Observação ☯ A força do impulso deve ser aplicada durante a fase de expiração. ☯ O encurtamento dos músculos piriforme é capaz de impedir o posicionamento correto. ☯ Esta técnica deve ser evitada nos clientes com problemas da articulação coxofemural. Articulação Sacroilíaca Tratamento ☯ Mobilização com impulso. Indicações ☯ Limitação da mobilidade da articulação sacroilíaca (ASI). ☯ Dor localizada ou dor crônica profunda, situada na extremidade inferior da coluna e irradiando-se para as nádegas, ocasionalmente também para a face posterior da coxa. ☯ Zona de irritação correspondente a S 3, de acordo com os testes de provocação.
  28. 28. Humaniversidade Holística 27 Técnica ☯ Cliente em decúbito lateral, junto à beira da mesa de exame. ☯ A ASI afetada está voltada para a superfície da mesa de exame. ☯ O posicionamento é o mesmo descrito para a técnica de mobilização. ☯ O terapeuta aplica a região do hipotenar da mão mobilizadora sobre a metade do sacro que corresponde ao lado afetado. ☯ Ao mesmo tempo, coloca sua mão aberta e o antebraço sobre a região sacra do cliente. ☯ O afrouxamento presente na ASI a ser mobilizada é controlado pelo terapeuta. O ombro oposto do cliente é girado para o outro lado. Controlando os joelhos do cliente com seu próprio joelho, o terapeuta prepara o cliente para o impulso a ser aplicado em seguida. ☯ O impulso é aplicado em direção para baixo e para frente. Observação ☯ A força do impulso deve ser aplicada durante a fase expiratória. ☯ A dor pode agravar-se durante o posicionamento. Isso pode ser sinal da introdução de uma rotação exagerada na coluna toracolombar. ☯ O encurtamento do músculo piriforme pode dificultar o posicionamento do cliente. ☯ A presença de dificuldades na estabilização e o posicionamento da articulação coxofemural do membro inferior fletido pode ser devida à presença de artrose do quadril. Músculo Peitoral Maior Tratamento ☯ Alongamento, TNM 2. Indicações ☯ Limitação da abdução e rotação externa do braço. ☯ Sensação terminal de flacidez, devida ao encurtamento dos músculos grande peitoral. ☯ Dor que pode manifestar-se na fossa axilar, no final do movimento de abdução e rotação externa. ☯ As inserções dos músculos nas costelas revelam-se sensíveis à palpação (tendinose de inserção). Técnica ☯ Cliente em decúbito dorsal, deitado próximo à beira da mesa de exame. O braço do cliente é abduzido e elevado passivamente. ☯ Com sua outra mão, o terapeuta fixa o tórax do cliente a nível do esterno. ☯ O cliente é solicitado a realizar contrações isométricas do músculo grande peitoral (1). O terapeuta opõe uma resistência idêntica e contrária, aplicada sobre o braço do cliente. ☯ Durante a fase de relaxamento pós-isométrico, o terapeuta realiza a abdução passiva do braço, juntamente com discreta tração sobre o mesmo.
  29. 29. Humaniversidade Holística 28 Observação ☯ A aplicação deste método exige a exclusão prévia da afecções dolorosas da articulação escapuloumeral. Músculo Trapézio: Porção Descendente Tratamento ☯ Alongamento, TNM 2. Indicações ☯ Limitação acentuada da inclinação lateral e/ou da rotação na região da coluna cervical. ☯ Sensação terminal de flacidez no limite extremo (barreira) da mobilidade. ☯ Dor local aguda. ☯ Dor crônica, de distribuição difusa, na região da nuca; dor que se irradia para a região occipital; dor em ombro e braço, assim como na região interescapular. Técnica ☯ Cliente em posição sentada. Colocando-se de pé atrás do cliente, o terapeuta fixa o ombro deste com seu antebraço, no lado correspondente ao encurtamento do músculo. ☯ Com o braço e a mão opostos, o terapeuta segura a cabeça do cliente e imprime à sua coluna cervical um movimento passivo de inclinação lateral. De acordo com o trajeto dos músculos encurtados que exigem distensão, pode também estar indicada a rotação para o mesmo lado ou para o lado oposto. ☯ O cliente é solicitado a realizar a contração isométrica do músculo encurtado, durante cerca de 7 a 10 segundos (1), enquanto o antebraço do terapeuta descansa sobre o seu ombro. ☯ Durante a fase de relaxamento pós-isométrico, o músculo é distendido passivamente, graças à mobilização da cintura escapular para baixo e para o lado. Observação ☯ Esta manobra precisa ser repetida várias vezes. ☯ A contração isométrica deve coincidir coma inspiração. ☯ O alongamento muscular é realizado durante a fase de expiração. Músculo Elevador da Escápula Tratamento ☯ Alongamento, TNM 2. Indicações ☯ Limitação dos movimento de flexão e/ou de rotação a nível da coluna cervical. ☯ Sensação terminal de flacidez acompanhada de dor, no limite extremo (barreira) da mobilidade. As inserções na margem da escápula são dolorosas à palpação. ☯ A dor na região do pescoço pode ser recidivante ou crônica, irradiando-se às vezes para a região occipital ou para região interescapular. Técnica
  30. 30. Humaniversidade Holística 29 ☯ Cliente em posição sentada. O terapeuta, em posição de pé atrás dele, coloca o polegar de uma das mãos sobre a espinha da escápula. Em seguida, aplica a outra mão aberta sobre a cabeça do cliente, realizando um movimento de flexão passiva da coluna cervical, combinada com discreta inclinação lateral e rotação para o lado oposto. ☯ O cliente é solicitado a realizar a contração isométrica do músculo elevador da escápula que sofreu encurtamento, contra resistência idêntica oposta pelo terapeuta (na realidade, o cliente procura realizar a extensão da coluna cervical contra resistência, durante aproximadamente 7 a 10 segundos). ☯ O terapeuta efetua o alongamento passivo do músculo durante a fase de relaxamento pós-isométrico, mediante aumento de flexão passiva da coluna cervical e de rotação para o lado oposto. ☯ As contrações isométricas devem ser realizadas durante a inspiração. ☯ A distensão será realizada durante a fase expiratória. ☯ Esta manobra precisa ser repetida várias vezes. Músculo Esternocleidooccipitomastóide Tratamento ☯ Alongamento, TNM 2. Indicações ☯ Limitação dos movimentos de rotação e inclinação lateral da coluna cervical. ☯ Sensação terminal de flacidez no limite extremo da mobilidade. ☯ Dor nas inserções musculares na clavícula e apófise mastóide. ☯ Dores crônicas no pescoço, que se irradiam às vezes para a região occipital e/ou para a região supraclavicular. Técnica ☯ Cliente sentado, com as costas voltadas para o terapeuta. ☯ Este aplica um polegar contra a clavícula para fixá-la (1). ☯ Com a outra mão, movimenta a cabeça do cliente, executando movimento de inclinação para o lado oposto e de rotação para o mesmo lado (2). ☯ Em seguida solicita ao cliente que realize a contração isométrica do músculo esternocleidooccipitomastóide encurtado, contra resistência idêntica oposta por sua mão (a cabeça é fixada pelo terapeuta, opondo-se deste modo ao movimento). A contração deve durar ao todo 7 a 10 segundos. ☯ Durante a face de relaxamento pós-isométrico, o terapeuta realiza o alongamento passivo do músculo, através de um movimento de inclinação da cabeça para o lado oposto.
  31. 31. Humaniversidade Holística 30 Observação ☯ A manobra terapêutica precisa ser imediatamente interrompida, diante da presença de sinais sugestivos de compressão da artéria vertebral, tais como: vertigens, náuseas ou nistagmo espontâneo. Músculo Iliopsoas Tratamento ☯ Alongamento do músculo (TNM 2). Indicações ☯ Limitação do movimento de extensão do quadril. ☯ Sensação terminal de flacidez, devida ao encurtamento do músculo iliopsoas. ☯ Dor frequentemente difusa, localizada na região inguinal ou abdominal. ☯ Além disso, existe frequentemente encurtamento do músculo eretor da coluna na região lombar também é comum o enfraquecimento dos músculos da parede abdominal. Técnica ☯ Cliente em posição de pé, junto à extremidade da mesa de exame. ☯ A mesa de exame é adaptada à altura do sacro do cliente. ☯ O membro inferior que não precisa de tratamento será mantido em flexão máxima ao nível do quadril e joelho, sendo segurado nessa posição pelo próprio cliente. ☯ Com a ajuda do terapeuta, o cliente se deita sobre a mesa de exame. A pelve é fixada. ☯ O terapeuta solicita o cliente a realizar uma contração isométrica do músculo iliopsoas afetado, de 7 a 10 segundos de duração, contra igual resistência oposta pelo terapeuta (1). ☯ Durante a fase de relaxamento pós-isométrico, o músculo será distendido mediante aumento do grau de extensão da coxa. Observação ☯ Esta manobra exige a reversão da lordose lombar (apoio sobre uma toalha enrolada posicionada ao nível da região cervical para provocar a flexão da coluna vertebral). Músculo Reto femural Tratamento ☯ Alongamento, TNM 2. Indicações ☯ Diminuição da flexão na articulação coxofemural a sensação terminal de flacidez.
  32. 32. Humaniversidade Holística 31 ☯ Encurtamento do músculo reto do fêmur. ☯ Dores na coxa, localizadas ou difusas. Técnica ☯ Cliente em decúbito ventral. ☯ O terapeuta fixa a pelve do cliente com uma de suas mãos. ☯ Estende a coxa ao máximo, mediante flexão passiva do joelho. ☯ Em seguida, pede ao cliente que realize a contração isométrica do músculo reto femural encurtado, contra resistência igual em sentido oposto (1), pelo prazo de 7 a 10 segundos. ☯ Durante a fase de relaxamento pós-isométrico, o alongamento do músculo reto femural é aumentado por meio do aumento da extensão ao nível do quadril. Observação ☯ O músculo reto femural é um dos músculos que mais frequentemente se apresenta encurtamento. Músculo Piriforme Tratamento ☯ Alongamento, TNM 2. Indicações ☯ Diminuição da adução e da rotação externa do quadril, estando o quadril em uma posição de flexão. ☯ Sensação terminal de flacidez. ☯ A dor pode ser localizada na região das nádegas. ☯ A dor pode também irradiar-se para coxa. ☯ Dor provocada pelos movimentos, podendo ser localizada ou projetada. ☯ Dor local à palpação do músculo. Técnica ☯ Cliente em decúbito dorsal, quadril em atitude de flexão de 70°. ☯ O terapeuta fixa pelve do cliente; em seguida, realiza a adução passiva da coxa, até o limite extremo (barreira) da mobilidade. ☯ A seguir, solicita ao cliente que realize a contração isométrica do músculo piriforme, contra resistência idêntica, aplicada em sentido oposto (1). ☯ Durante a fase de relaxamento pós-isométrico, o terapeuta aumenta o grau de distensão do músculo piriforme encurtado (2), aumentando a adução do quadril ao nível da articulação coxofemural. Observação ☯ Cumpre excluir a possibilidade de artropatia da articulação coxofemural. ☯ O diagnostico diferencial precisa levar em consideração a possibilidade de irritação da raiz do nervo ciático.
  33. 33. Humaniversidade Holística 32 Músculos Bíceps Femural, Semitendíneo e Semimembranáceo. Tratamento ☯ Alongamento, TNM 2. Indicações ☯ Limitação da flexão do quadril, estando o joelho em extensão. ☯ Sensação terminal de flacidez no limite extremo (barreira) da mobilidade. ☯ Dor crônica provocada pelo alongamento da face posterior da coxa. Técnica ☯ Cliente em decúbito dorsal. ☯ A pelve do cliente é fixada à mesa com auxílio de um cinto. ☯ Estando o joelho do cliente em extensão, o terapeuta executa a flexão do quadril até o limite da mobilidade (flexão passiva). ☯ A seguir, pede ao cliente que execute uma contração isométrica dos músculos da face posterior da coxa, contra resistência igual em sentido oposto (1). ☯ Durante a fase de relaxamento pós-isométrico, o terapeuta submete os músculos em questão à distensão passiva, aumentando a flexão a nível da articulação coxofemural (2). Observação ☯ Estes músculos estão entre aqueles que mais frequentemente se apresentam encurtados. Treinamento da Coluna (Back School) Prevenção ☯ Através de: a) Melhora do condicionamento físico geral. b) Eliminação de hábitos de postura e padrões motores inapropriados e antieconômicos; modificação dos automatismo estereotipados. ☯ Isso somente será possível se: - o cliente pode ser motivado a participar de uma maneira responsável; - se o cliente se conscientizar e entender suas próprias condições físicas, capacidade e limitações; - Se ele se tornar mais conscientes da sua postura e de seus movimentos, de modo a poder avalia-los constantemente, corrigindo-os eventualmente, de acordo com as necessidades. ☯ Para tanto, será preciso que o médico e o fisioterapeuta: - colaborem estreitamente, - tenham bons conhecimentos no ramo e - estejam dispostos a investir o tempo e a paciência que se fizerem necessários. ☯ Não é suficiente - apenas ensinar alguns exercícios através de folhetos ou - apenas informar ao cliente a respeito da postura ergonômica durante o trabalho. Conteúdo Resumo O presente resumo pode ser recomendado como programa de treinamento da coluna, a ser dirigido por um fisioterapeuta, compreendendo 12 aulas de 50 minutos cada: 1ª lição: aula ministrada pelo médico 2ª Lição: distensão muscular 3ª lição: mobilização da coluna 1 4ª lição: mobilização da coluna 2 5ª lição: força muscular 6ª lição: resistência da força – 1 7ª lição: resistência da força – 2 8ª lição: coordenação 1
  34. 34. Humaniversidade Holística 33 9ª lição: coordenação 2 10ª lição: resistência aeróbica 1 11ª lição: resistência aeróbia 2 12ª lição: incentivo à participação ativa nos esportes. ☯ Os seguintes fatores serão levados em consideração e salientados: - mobilidade - resistência - coordenação ☯ De acordo com o nível de performance de cada grupo, os exercícios poderão ser fáceis ou difíceis, simples ou exigindo movimentos complexos. Participantes ☯ Clientes que apresentam problemas de coluna em estágio subagudo ou crônico, sem sintomatologia radicular. ☯ Os clientes precisam estar dispostos a colaborar e a se filiar ao grupo. ☯ Um dos melhores meios de determinar o grupo ao qual cada cliente pertence consiste em usar critérios tais como mobilidade e força. O sexo do cliente não deve ser um fator determinante. ☯ Os grupos devem ter pequeno número de participantes, 10 pessoas no máximo. Terapeuta ☯ O terapeuta precisa realizar uma boa anamnese relativa às dores na coluna que é referida pelo cliente, bem como relativa às diferentes atividades no exercício da profissão e nas horas de lazer. ☯ Um fator de motivação de grande importância é o “efeito do papel de modelo” desempenhado pelo terapeuta; é preciso que este se identifique completamente com o conceito da escola de treinamento. Ele precisa estar em condições de animar e incentivar o cliente graças à sua própria atitude positiva. ☯ O comportamento autoritário precisa ser evitado, pois é um fator negativo para o aprendizado. A disposição para a comunicação com o cliente é um fator muito importante. Programa de Treinamento da Dor Lombar Aulas ministradas pelo médico ☯ Objetivos a)exposição dos princípios teóricos: -para melhorar a compreensão do programa geral e -para transmitir ao cliente a compreensão e visualização do movimento; b) influência positiva sobre o processo da dinâmica do grupo. QUIROPRÁTICA ou QUIROPRAXIA Quiroprática A Medicina do Terceiro Milênio Quiroprática ou Quiropraxia (Chiropractic) é também conhecida em alguns países da Europa como Medicina Manual. Trata-se de uma técnica de ajuste do esqueleto, visando o restabelecimento da saúde. Foi usada pela primeira vez nos Estados Unidos em 1895, por Daniel David Palmer, que fundou em 1906, a primeira escola dessa técnica, o Palmer College of Chiropractic de Davenport, lowa. Atualmente existem em todo o mundo 24 escolas, sendo 18 nos Estados Unidos, incluindo duas universidades, entre elas a Life University of Chiropractic de Atlanta - que dá apoio a atletas de primeira linha - um colégio no Canadá; uma universidade na Dinamarca, uma na Inglaterra e outra na Austrália esta última que integra os ensinos de Osteopatia e Quiroprática, além de duas no Brasil: Feevale-Palmer em Novo Hamburgo, RS, e Anhembi-Morumbi em São Paulo, SP. O conhecimento especifico, de nível universitário (6 anos nos USA, 5 anos em outros países), abrange matérias como: anatomia, fisiologia, bioquímica, neuropatia, patofisiologia, biomecânica, radiologia, entre outras, e é claro, ciências Quiropráticas.
  35. 35. Humaniversidade Holística 34 É uma ciência, arte e filosofia baseada na dor reflexa. Para ela, o sintoma é apenas o efeito. Enquanto a medicina tradicional combate o efeito ignorando a causa, a Quiroprática pesquisa a causa e, eliminando-a, anula o efeito. Na leitura da Quiroprática, se a raiz de um nervo está inflamada por um pinçamento, causado pelo deslocamento ou fixação de uma articulação (subluxação), a dor poderá se manifestar am qualquer altura do curso daquele nervo (metâmero). Qualquer tratamento que não inclua o desbloqueio local será apenas paliativo e de efeito temporário. As crises retornarão cada vez maiores, com consequências cada vez mais graves. No que a quiroprática pode ajudar você A Quiroprática é uma técnica de ajustes neuromusculoesqueletais, redescoberta no século passado, por um americano chamado Daniel David Palmer. Ele acrescentou às manipulações usadas desde o início dos tempos, e esquecidas com a queda do Império Romano, o conhecimento cientifico atual de biomecânica, biodinâmica, anatomia, fisiologia neurologia, etc... É a segunda maior profissão da área de saúde nos Estados Unidos, Canadá e Austrália, perdendo apenas para a medicina. É imbatível na solução, quase sempre rápida e definitiva, de problemas de saúde de origem mecânica (ocasionados por deslocamento ou fixação de articulações (vértebras e articulações), tais como: enxaqueca, efeito chicote, dor nas costas ou quadril, pinçamento de nervos entre eles o ciático, pequenas hérnias de disco, “tennis elbow”, falta de ar, cãibra, pé chato ou cavo, etc)... Conceito Quiroprática, Quiropatia ou Quiropraxia (Chiropractic em inglês) é uma ciência, uma arte e uma filosofia, onde através de suaves ajustes esqueletais, reconectam-se todos os seguimentos do corpo com o cérebro, dando a este, condições de restabelecer a saúde de forma absolutamente natural, sem uso de remédios ou cirurgias. Como ciência: O sistema nervoso é o principal coletor, coordenador e distribuidor de todas as informações e recursos naturais do corpo. Uma subluxação estrutural e/ou subluxação meningeal da coluna vertebral, desde o occipito até o sacro, vão provocar interferência ou bloqueio na transmissão dos impulsos nervosos, impossibilitando assim os processos naturais de coordenação, reparação, cura, locomoção, e potencial genético. Uma subluxação vertebral provoca esse bloqueio. A Network Spinal Analysis, que focaliza a Chiropractic de vanguarda, classificam as subluxações segundo dois tipos: 1. Subluxação Estrutural: uma compressão ou aperto do nervo que passa pelo forame vertebral (“nervo preso”), causado por um esforço mecânico ou físico, do qual o corpo não consegue se recuperar. 2. Subluxação Meningeal: um alongamento, estiramento ou torcedura na medula espinhal e respectivos tecidos nervosos, causados por stress emocional, mental ou químico, do qual a mente não consegue se recuperar. Ambos os tipos de Subluxações Vertebrais criam um stress no sistema nervoso, que chamamos de interferência. Como arte: O ajuste quiroprático libera o sistema nervoso das interferências existentes, reconectando todos os seguimentos ao cérebro. Cada ser, sejam quais forem os seus sintomas ou doenças, pode, sem essas interferências causadas pela subluxação, recuperar a saúde, ou no mínimo, beneficiar-se de um corpo mais flexível, melhorando assim sua qualidade de vida. Como filosofia: Cada ser humano possui uma inteligência inata que não só o mantém vivo, mas também coordena, repara, renova e cura cada célula do seu corpo.
  36. 36. Humaniversidade Holística 35 Para D.D.Palmer (o criador da chiropractic), existiam três causas da doença: o trauma (físico), os venenos (químico), e a autossugestão (mental-emocional). Hoje essa afirmação é apoiada pela pesquisa do Dr. Candance Pert e outros, que aceitam a conexão da mente e emoções com nosso estado de saúde. A Quiroprática como ciência, arte e filosofia utilizam os poderes naturais e inatos de recuperação do corpo humano, facilitando sua reintegração neurológica e biomecânica. Origem da palavra Conselheiro e cliente do Dr. Palmer, o reverendo mórmon Samuel H. Weed, sugeriu então um nome para a nova técnica, tirando-o do grego: CHEIR (Chiro) + PNAKTIKUS (Practic) CHIROPRACTIC (diga cairopratic) = done by hand CHIROPRACTOR (diga cairopractor) Em português: QUIROPRÁTICA / QUIROPATIA = prática manual QUIROPRÁTlCO OU QUIROPATA = o que pratica com as mãos A profissão nos dias atuais Hoje, nos Estados Unidos, existem aproximadamente 55.000 doctors of Chiropractic (doutores em Quiroprática), fazendo dessa profissão o segundo maior segmento profissional, entre as três principais artes de cura: Medicina, Quiroprática e Osteopatia, sendo que é, de longe, a maior dentre as terapias naturais. No passado, para se formar em Quiroprática, era necessário cursar uma das 18 universidades americanas. Hoje, já existem escolas no mesmo padrão na África do Sul, Austrália, Canadá, Coreia, Dinamarca, França, Inglaterra, Japão, México e Nova Zelândia, que ensinam a profissão a mais de 10.000 estudantes/ano. No Brasil Em 1924 radicou-se em São Paulo, William F. Fipps D.C., americano, que atendeu durante 24 anos, na Rua Barão de Itapetininga, número 10. Em 1945 estabeleceu-se à Rua Piauí, também em São Paulo, Henry Wilson Young D.C., que tinha entre seus clientes o Sr. Avelino Vieira, fundador do Bamerindus. O Sr. Avelino, encantado com o resultado de seu tratamento, patrocinou a vinda de um grupo de veteranos da 2ª Guerra Mundial, que iniciou em Curitiba, na sede da Associação de Renovação Biológica e Associação Macrobiótica do Paraná - o primeiro curso dessa ciência, arte e filosofia no Brasil. Entre os alunos desse curso, estava Manoel Matheus de Souza, o primeiro brasileiro a abraçar essa profissão. Matheus divide seu tempo entre o IBRAQUI - Instituto Brasileiro de Quiropatia – onde ministra cursos livres, a ANQ Associação Nacional - da qual é o presidente, além de coordenar o primeiro Curso Profissionalizante no SENAC, de cujo quadro de docentes tenho o privilégio de fazer parte. Há ainda a ABQ,- Associação Brasileira de Quiropraxia - que congrega uns poucos membros formados nos Estados Unidos, presidida pela Dra. Cira Borges de Ilhéus, BA. Existe ainda a perspectiva,.num futuro próximo, da fusão de uma Universidade gaúcha, a Feevale de Novo Hamburgo, com o Palmer College of Chiropractic, onde teremos profissionais de primeira linha preparados também no Brasil. O caso do porteiro Um dia, em 1978, trabalhando numa posição forçada, Harvey Lillard sentiu algo estalar em seu pescoço. Dias mais tarde ficou surdo. No dia 18 de Setembro de 1895, o Sr. Lillard contou a história ao Dr. Daniel David Palmer, que praticava em Davenport, lowa, USA, trabalhando no mesmo edifício onde o Sr. Lillard era porteiro. Dr. Palmer examinou sua coluna vertebral e, encontrou um pequeno "calombo" no lugar onde ele havia ouvido o estalido. Percebendo que essa saliência era provocada por uma vértebra fora do alinhamento
  37. 37. Humaniversidade Holística 36 natural, Dr. Palmer convenceu o Sr. Lillard a deixá-lo colocar essa vértebra em suaposição correta. Ele empurrou essa saliência, ouviu-se um estalido, e, em seguida o "calombo" desapareceu. Alguns dias depois o Sr. Hillard recuperou a audição, e a CHIROPRACTIC nasceu desse acontecimento. Os primeiros passos Quando o porteiro recuperou a audição, Dr. Palmer pensou ter encontrado a cura para a surdez. A noticia do "milagre" se espalhou rapidamente, causando grande alvoroço e trazendo uma infinidade de doentes ao seu consultório. Ajuste após ajuste iam acontecendo outros "milagres, dando origem a inúmeras controvérsias, porém o bom senso nos leva a supor que em muitos casos, em que se creditava à Quiroprática curas mirabolantes, havia de fato, erro no diagnóstico inicial. O médico formulava um parecer de que o cliente tinha um problema cardíaco, por exemplo, quando na realidade a dor no peito era causada por um problema intercostal, não um problema cardíaco, portanto quando Dr. Palmer efetuava o ajuste intercostal, resolvia a dor "cardíaca", porque na realidade ela era apenas o efeito, não a causa do sintoma. Dr. Palmer iniciou em seu consultório a prática e ensinamento dessa nova técnica, e em 1902 graduou a primeira turma de 15 quiropráticos. Seu trabalho foi tão importante e o número de praticantes aumentou tanto, que o uso dessa nova técnica se espalhou rapidamente pelos Estados Unidos e Canadá. Em 1906, com a ajuda de seu filho Barlet Joshua - mais conhecido por B.J. Palmer - fundou em Davenport, Iowa, o "Palmer College of Chiropractic", atualmente, um dos maiores dos Estados Unidos. No início, os estudantes graduados pelo Palmer College abriam seus consultórios sem a devida licença e como resultado disso, tanto Dr. Daniel Palmer quanto seus alunos foram presos e multados sob a acusação de prática ilegal da medicina. Essa situação durou até que em 1907, quando no Estado do Wisconsin, o Dr. Shegataro Moribuko, foi preso e processado pelo mesmo motivo, sendo histórica a decisão da corte: para o juiz e os jurados, o Dr Moribuko não estava praticando medicina, mas sim, uma nova forma de tratamento de saúde, a QUIROPRÁTICA. Seis anos depois (1913), a profissão foi regulamentada por lei no Estado do Kansas posteriormente em outros Estados. O Ensino Em apenas 103 anos de existência, a Quiroprática tornou-se a maior profissão de saúde em ciências não médicas, do mundo, com um currículo universitário do mais alto gabarito. E a única profissão manual que tem ensino convencional uniforme, autônomo e independente, em todas as Faculdades. Essa formação depende diretamente do Council on Chiropractic Education dos Estados Unidos, Austrália e Canadá, que controla, regulamenta e uniformiza esse ensino em todas as escolas. Sua formação universitária, principalmente nos Estados Unidos é de 6 anos, com carga horária de 6.000 horas (tempo integral) e presença obrigatória em todas as disciplinas. As matérias, além das ciências básicas - Anatomia, Bioquímica, Dissecação, Fisiologia, Nutrição, etc. - incluem ciências clinicas - Biomecânica, Diagnóstico, Neurologia, Radiologia, etc. - ciências humanas - Fisiologia e Psicologia - e Ciências Quiropráticas. É uma profissão da área de saúde, tida como de "primeiro contato" nos Estados Unidos e outros países, fazendo parte integral do sistema de saúde, publico e privado. A integração com o sistema De cada l00 clientes americanos tratados com terapia manual, 95 são ajustados por Quiropráticos. São efetuados cerca de 1 milhão de ajustes por dia nos Estados Unidos. 78 milhões de americanos consultam com regularidade, os 55.000 Quiropráticos. Desde o Presidente Nixon eram destinados 2 milhões de dólares/ano, para a pesquisa Quiroprática. O Presidente Clinton ampliou essa quantia para 175 milhões de dólares. São destinados para bolsas de estudo, a cada Universidade de Quiroprática, nos Estados Unidos, 250.000 dólares/ano. Foi feito um estudo comparativo na Itália, com 17.000 clientes com lombalgia. O grupo que usou Quiroprática, teve seu tempo de hospitalização reduzido em 87,6% e o tempo de ausência no trabalho em 75,5%.
  38. 38. Humaniversidade Holística 37 Num estudo desenvolvido com 100 clientes, pela AV MED - a maior HMO (organização de saúde) do Sudoeste americano - foram separados 17 clientes com "deslocamentos de discos", 12 deles com necessidade de cirurgia. Todos foram corrigidos por ajustes quiropráticos, sem operação. A AV MED poupou cerca de 250.000 dólares. Um estudo feito no Oregon sobre indenizações relativas a doenças de trabalho, concluiu que os clientes sob cuidado de quiropráticos, reduzem o tempo parado e os custos com cuidados médicos em 50,9%. Nos Estados Unidos, observações clinicas de dois hospitais vizinhos, demonstraram que o hospital que usava tratamentos quiropráticos, dava alta aos seus clientes de Ortopedia em 5 ou 7 dias, enquanto que no Hospital que não usava tratamentos de Quiroprática a alta se dava em 14 dias. Esse estudo foi feito por um dos maiores ortopedistas de Chicago. Nos Estados Unidos, o tratamento de Quiroprática é tão confiável, que o Seguro de Responsabilidade dos Doutores em Quiroprática, custa de 5 a 10 vezes menos que o dos médicos. É tão livre de riscos, que até os recém-nascidos recebem ajustes. O relatório do Dr. Tom Meade, diretor do departamento de epidemiologia do Medical Research Council, publicou em 1995 no British Medical Journal. um trabalho comparativo dos tratamentos quiroprático e médico, no caso das lombalgias. A conclusão foi esta: “O tratamento quiroprático é efetivamente superior ao tratamento médico, incluindo manipulações vertebrais, especialmente no caso das lombalgias severas ou crônicas. Sendo que seus benefícios são ainda mais notáveis, 2 anos após o termino do tratamento”. A Organização Mundial de Saúde nomeou o Life Chiropractic College como o único Centro Mundial de Coordenação para o Estudo da Lombalgia. Desde 1992 os doutores em Quiroprática estão presentes como oficiais do serviço de saúde das Forças Armadas Americanas. A Quiroprática é a segunda profissão de saúde nos Estados Unidos e Canadá. Desde 1993, mais de uma centena de grandes hospitais americanos têm um atendimento de Quiroprática perfeitamente integrado com o atendimento médico. Nos Jogos Olímpicos de Barcelona, 17 quiropráticos foram nomeados oficialmente pelo Comitê Olímpico Internacional. Nos Jogos Olímpicos de Atlanta, dezenas de quiropráticos participaram oficialmente. As excepcionais instalações da Life University of Chiropractic de Atlanta serviram de centro de treinamento, preparação e apoio para atletas de todo o mundo. Atletas de nível internacional, de todas as modalidades esportivas, procuram cuidados quiropráticos, porque permite melhorar sua performance sem uso de medicamentos, reduzindo sensivelmente seu tempo parado. Para finalizar, a Quiroprática é oficialmente reconhecida e adotada como terapia de primeiro contato em 65 países. Por terapia de primeiro contato entendemos que, quando alguém sente dor ou desconforto, sem motivo aparente, começa a investigação do problema, pesquisando se o mal-estar é motivado por um desajuste na estrutura óssea - vértebras e articulações - e/ou um pinçamento nervoso. Referências Bibliográficas SOUZA, M. Matheus de – Quiropraxia. Ed Ibraque

×