Ebook jesus o nosso modelo

1.548 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.548
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ebook jesus o nosso modelo

  1. 1. Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha Edição Agosto/2008 Gerência de Comunicação Ana Paula Costa Transcrição: Marilene Rocha Copidesque: Adriana Santos Revisão: Ana Paula Costa Capa e Diagramação: Luciano Buchacra
  2. 2. Jesus, o nosso modelo Da semelhança De Caim, o óDio, à semelhança De Jesus, o perDão! introDução “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” (Efésios 2.10). Amados, esse versículo nos mostra o quão im- portantes somos para Deus e nos ensina como de- vemos andar. Na carta aos Efésios, o apóstolo Paulo 5
  3. 3. detalha o “caminho” ou a vida de boas obras. O que o Senhor mais anseia é nos conduzir da morte es- piritual do pecado para o perdão dos pecados em Cristo. Precisamos entender que a salvação é pela fé e não por obras. Se pudéssemos alcançar a salvação por obras, por esforço próprio a glória seria nossa e não de Deus. No entanto, o Senhor deseja que fa- çamos o bem, pois as boas obras são resultado da salvação recebida e não uma tentativa de merecer ou comprar a vida eterna. Boa obra é o resultado das nossas ações restauradas, as quais Deus, de an- temão, preparou para que andássemos nelas. Isso precisa ficar registrado em nosso coração. Somos feitura dele, ou seja, somos um poema. Quando fez o homem, Deus o fez perfeito. Não ha- via absolutamente nada imperfeito. O corpo, a alma e o espírito do homem eram perfeitos. Normalmen- te, o autor, o poeta, coloca o coração quando vai fa- zer uma poesia. E o Autor da vida colocou o coração dele ao criar o homem. Nós somos como poemas, pois somos feitura de Deus. E cada um de nós é um poema especial. Deus tem um sonho e o sonho dele é que eu e você, como poemas, possamos ser “lidos” pelas pessoas e que elas possam perceber uma rara beleza, uma realidade diferente – a própria vida do Senhor em nosso coração. Aleluia! Havia uma perfeição absoluta na criação de Deus. Deus colocou o primeiro homem no Jardim 6
  4. 4. do Éden (Gn 2.4-8). E na viração do dia, o próprio Deus passeava, andava com o homem. Deus tinha comu- nhão, relacionamento, intimidade com a criatura. Era um jardim cheio de flores, perfumado e belíssimo (leia o capítulo 2 de Gênesis). Tudo feito pelas mãos do Senhor. Havia uma harmonia perfeita. O homem era pleno. Não vivia em conflito, não sofria de stress, não experimentava a depressão, não tinha doenças. O ho- mem não sentia dor. Não sabia o que eram lágrimas. Não sentia ausência. Era completo! Mas houve o momento em que o homem se re- belou contra Deus (Gn 3). E o pecado tomou conta do coração da criatura. Quero que entendam que não foi o fato de comer do fruto da árvore que esta- va no meio do jardim (Gn 3.6). Também não tem ha- ver com a relação sexual, pois Deus havia ordenado ao homem para crescer e multiplicar (Gn 1.28). E só havia uma maneira, ou melhor, só há uma manei- ra de crescer e de multiplicar: por meio da relação sexual. O pecado do homem foi a desobediência, a rebelião contra Deus. O homem levantou a bandei- ra da independência. Ao comer do fruto proibido, o homem experi- mentou a morte espiritual. Ele não morreu fisica- mente. Ele morreu espiritualmente. Foi quebrada a linha da vida que mantinha o homem a Deus. Por isso o sonho de Deus é trazer o homem novamente para o Jardim. 7
  5. 5. Amada ovelha, é sobre isso que vamos falar nes- se livro, mas antes de lê-lo por completo, faça esta oração: “Pai, esta é a tua Palavra. Venha vivificá-la aos nos- sos corações para que possamos sair da semelhança de Caim, para vivermos à semelhança de Jesus aqui na Terra. Senhor, que a tua Palavra nos console, nos edifique, traga libertação e vida. Que a tua Palavra traga esperança e cura, em nome de Jesus, amém!” o Derramar De sangue Na Terra só existem duas religiões: a do plano de Deus e a do plano dos homens. Deus estabeleceu um princípio religioso. A palavra “religião”, etimo- logicamente, significa “religar”. Deus estabeleceu o princípio de que a única maneira pela qual o homem poderia se religar com Ele era por meio do sangue. A Bíblia diz que sem derramamento de sangue, não há remissão de pecados. Sangue não é algo agra- dável de se ver. Existem pessoas que quando vêem sangue, desmaiam. Sangue nos remete a idéia de morte, de destruição. Mas Deus estabeleceu uma maneira, um único modo de o homem poder se aproximar dele: por meio do sangue. No Jardim do Éden, logo após o homem ter se rebelado contra Deus, a primeira coisa que a cria- tura percebeu foi a sua nudez (Gn 3.7, 10). O casal estava vestido com a glória de Deus, mas ao pecar 8
  6. 6. ficaram desvestidos, destituídos da glória de Deus (Romanos 3.23). Ao pecar, o homem logo percebeu que estava nu e se escondeu entre as árvores do Jar- dim do Éden (Gn 3.8). A voz do Senhor Deus ecoou no Jardim dizendo: “Onde estás?” Não que Deus não soubesse onde Adão estava escondido junto com sua esposa, mas Deus estava dizendo: “Adão, como estás? Adão, como estás?” Ao se depararem com a nudez física, Adão e Eva cozeram aventais com folhas de figueira e cobri- ram os seus corpos. Creio que eles devem ter dito: “Bem, agora estamos cobertos. A glória de Deus se foi, porém, conquistamos a nossa cobertura. Somos in- dependentes!” Mas A única coisa que pode cobrir o pecado do homem é o sangue. No Novo Testamen- to há muitas histórias de derramamento de sangue, porém depois da cruz de Jesus, não houve mais a necessidade de derramamento de sangue, porque Jesus foi o sacrifício final. Quando você ora, em nome de Jesus, você pro- clama o poder do sangue de Jesus. Você declara a obra que Jesus Cristo fez, porque é o sangue de Je- sus que nos dá o direito de nos aproximar diante do trono de Deus e de termos comunhão com Ele. um pouCo sobre a história De Caim Adão e Eva foram expulsos do Éden. Tiveram o primeiro filho, chamado Caim. Ele foi a primeira 9
  7. 7. pessoa a herdar a natureza pecaminosa de Adão e Eva. Caim trouxe o germe, o vírus do pecado inseri- do em seu ser. Neste livro, aprenderemos um pouco sobre as duas semelhanças, a de Caim e a de Jesus. “Coabitou o homem com Eva, sua mulher. Esta concebeu e deu a luz a Caim; então, disse: Adquiri um varão com auxílio do Senhor. Depois, deu a luz à Abel, seu irmão. Abel foi pastor de ovelha, e Caim, lavrador. Aconteceu que no fim de uns tempos, trouxe Caim do fruto da terra. Uma oferta ao Senhor. Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordu- ra deste. Agradou-se o Senhor de Abel e de sua oferta, ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante. Então, lhe disse o Senhor: Por que andas irado? E porque descaiu o teu semblante? Se procede- res bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, pro- cederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo. Disse Caim a Abel, seu irmão: Vamos ao campo! Estando eles no campo, sucedeu que se levantou Caim contra Abel, seu irmão, e o matou. Disse o Senhor a Caim: Onde está Abel, seu irmão? Ele respondeu: Não sei! Acaso sou eu tutor de meu irmão? E disse Deus: O que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama da terra a mim. És agora pois, maldito por sobre a terra, cuja boca se abriu para receber o sangue do teu irmão. Quando la- vrares o solo, não te dará ele a tua força. Serás fugitivo 10
  8. 8. e errante pela terra. E disse Caim ao Senhor: É tama- nho o meu castigo que já não posso suportá-lo. Eis que hoje me lanças da face da terra e da tua presença hei de esconder-me. Serei fugitivo e errante pela terra. Quem comigo me encontrar, me matará. O Senhor, porém lhe disse: Assim, qualquer que matar a Caim será vingado sete vezes. E pôs o Senhor um sinal em Caim, para que não o ferisse de morte quem quer que o encontrasse. Retirou-se Caim da presença do Senhor e habitou na terra de Node, ao oriente do Éden. E coa- bitou Caim com sua mulher, ela concebeu, e deu à luz a Enoque. Caim edificou uma cidade e ele a chamou Enoque, o nome do seu filho.” (Gênesis 4.1-17). Meus irmãos, Caim se tornou um personagem bíblico de muita importância para todos aqueles que querem conhecer a vontade de Deus. Ele foi a primeira pessoa a receber como herança a carga genética pecaminosa. Conforme as Escrituras, es- pecialmente no Antigo Testamento, Deus estabele- ceu que o sacrifício seria por meio do sangue. Mas Caim resolveu fazer do jeito dele. Ele era lavrador, e acredito que tenha buscado agradar a Deus com abobrinha, cenoura, tomate, melão. Enfim, tentou agradar a Deus com legumes e frutas. Podemos di- zer que Caim teve iniciativa própria. Ele tinha since- ridade no coração. Acontece que a única maneira de agradar a Deus é pelo caminho que o próprio Deus determina. 11
  9. 9. A Bíblia diz que os caminhos do Senhor não sãos como os nossos caminhos e que os pensamentos do Senhor não são como os nossos pensamentos (Isaías 55.8). Não podemos modificar aquilo que Deus estabeleceu. Mas Caim tomou o caminho da iniciativa própria. Ele iniciou outro plano, o da total independência. Foi pela direção contrária. Diferente de Caim, Jesus escolheu se subme- ter ao Pai. Ele nunca agiu por conta própria. Tudo que Jesus Cristo fez foi exatamente ouvir a voz do Pai Celestial, conforme está registrado no Livro da Vida. “Então, lhes falou Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que o filho nada pode fazer de si mesmo, se- não somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo que este fizer, o filho também semelhantemente o faz. Eu nada posso fazer de mim mesmo; na forma por que ouço, julgo. O meu juízo é justo, porque não procuro a minha própria vontade, e sim daquele que me enviou. Mas eu tenho maior testemunho do que João; porque as obras que o Pai me confiou para que eu as realizas- se, essas que eu faço testemunham a meu respeito, de que o Pai me enviou.” (João 5.19, 30, 36). Observemos que Jesus fazia tudo em submissão ao Pai. “Se eu julgo, o meu juízo é verdadeiro, porque não sou eu só, porém eu e aquele que me enviou. Muitas coisas tenho para dizer a vosso respeito e vos julgar; porém aquele que me enviou é verdadeiro, de 12
  10. 10. modo que as coisas que dele tenho ouvido, essas digo ao mundo.” (João 8.16, 26). “Eu falo das coisas que vi junto de meu Pai; vós, po- rém, fazeis o que vistes em vosso pai.” (João 8.38). Jesus falava não por iniciativa própria, mas por- que Ele ouvia a voz de Deus. “Porque eu não tenho falado por mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, esse me tem prescrito o que dizer e o que anunciar. E sei que o seu mandamento é vida eterna. As coisas, pois, que eu falo, como Pai mo tem dito, assim falo.” (João 12. 38, 49-50). “Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras.” (João 14.10). “Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos cha- mado amigos, porque tudo quanto ouvi do meu Pai vos tenho dado a conhecer. Tudo isto, porém, vos farão por causa do meu nome, porquanto não conhecem aquele que me enviou, Se eu não viera, nem lhes houvera falado, pecado não teriam; mas agora não tem desculpa do seu pecado. Quem me odeia, odeia também ao meu Pai. Se eu não tivesse feito entre eles tais obras, mas nenhum outro fez, pecado não teriam, mas agora, não somente têm eles visto, mas também odiado, tanto a mim como a meu Pai.” (João 15.15, 21-24). 13
  11. 11. “Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste a fazer.” (João 17.4). Amados, eu poderia citar inúmeros versos da Pa- lavra de Deus que mostram exatamente isto: Jesus nunca agiu por iniciativa própria, ou seja, Ele fazia somente o que o Pai lhe havia determinado. O nosso velho homem, o Caim na nossa vida, in- clui sempre o anseio de tomar iniciativas. Caim dis- se: “Por quê? Por que sangue? Por que não legumes? Por que não verduras? Por que não o fruto da terra?” Ele questionou os caminhos do Senhor. Caim não sabia que o sangue derramado representava o san- gue do Filho de Deus, Jesus Cristo. Sangue que seria derramado na cruz, em nosso lugar. Queridos, existe uma transição que precisa acontecer em todos nós: da semelhança de Caim para a semelhança de Cristo Jesus. A palavra “cris- tão” não significa aquele que é da religião de Cristo, mas aquele que é “parecido com Cristo”. As nossas iniciativas devem ser as de cumprir a Palavra do Se- nhor, assim como Jesus nos ensinou. Ele deve ser o nosso modelo. alguns prinCípios estabeleCiDos por Deus Deus estabeleceu que os dízimos a Ele perten- cem. Não podemos retê-los. Deus estabeleceu um princípio – o de trazer bênção em nossa vida. Ele 14
  12. 12. deseja nos ver prósperos. Deseja ver as bênçãos fluindo sobre as nossas vidas. O Senhor não precisa do nosso dinheiro, Ele é o criador de todas as coisas. Se possuímos algumas coisas, possuímos porque Ele nos deu. Somos apenas mordomos, adminis- tradores do que Ele nos confiou. Deus quer a nossa obediência. Existem pessoas que dizem assim: “Eu vou dar o meu dízimo para uma pessoa; Eu vou dar o meu dí- zimo para aquela igreja que está começando agora; Ah! Vou dar o meu dízimo para a ação social; Darei o meu dízimo para aquela pessoa que quebrou a per- na”. Porém, isso é iniciativa própria. Dentro do cora- ção, a motivação pode estar até correta, mas Deus não estabeleceu este princípio. Deus estabeleceu o seguinte: “Trazei todos os meus dízimos à Casa do Te- souro, para que haja mantimento na minha casa [...]” (Malaquias 3.10). E o mantimento não se refere somente ao arroz e feijão, mas também ao mantimento espiritual. Muitas vezes, dirigimos a nossa vida à nossa ma- neira, porém, todas as vezes que agimos por conta própria, o resultado é um só: o fracasso. E foi exatamente o que aconteceu com Caim. Quando ele ofertou ao Senhor do fruto da terra, Deus não se agradou da sua oferta. Talvez alguém possa pensar que o fruto da terra estivesse estraga- do, podre e, por isso mesmo, Deus não se agradara 15
  13. 13. dele, ao contrário, era o melhor da terra. Mas então por que Deus não se agradou? Porque não era o que Ele havia estabelecido. E qual foi a conseqüência após Caim ter feito algo fora do princípio estabelecido por Deus? A Bí- blia diz: “Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho, e da gordura deste. Agradou-se o Senhor de Abel e de sua oferta; ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira Caim, e descaiu-lhe o semblante.” (Gn 4.4-5). Perce- bemos que Caim irou-se, pois Deus não se agradou da sua oferta. Ele achou que iria passar desperce- bido por Deus. Aprenda uma coisa. Deus tudo vê e nada, absolutamente nada, passa sem que Ele per- ceba. Caim irou-se porque foi confrontado por Deus quando este não se agradou da sua oferta. Caim queria agir à sua maneira. Mas foi pego no seu erro. A Bíblia diz que um abismo chama outro abis- mo (Salmo 42.7). Podemos ver isso se cumprindo na vida de Caim. Ele não se arrependeu, ao contrário, deixou que a ira tomasse conta da sua vida. Armou uma emboscada para seu irmão, o chamando para ir ao campo, e lá o matou (Gênesis 4.8). Esse foi o primeiro homicídio relatado na Bíblia. Perceba que tudo começou lá trás, com uma atitude errada, fora da vontade de Deus. Todas as vezes que agimos por iniciativa própria estamos fa- dados ao fracasso. 16
  14. 14. Dessa passagem bíblica, podemos tirar uma ou- tra lição. Ao matar seu irmão, Caim deixou de de- monstrar afeto, consideração e amor à sua família. Devemos amar e cuidar da nossa família. Devemos amar a nossa igreja e os nossos irmãos na fé. Rela- cionarmos uns com os outros e demonstrar o amor do Senhor por meio da nossa vida. Para muitos, fa- mília é uma instituição falida, mas nós sabemos que a família é um sonho do coração de Deus. Quero abrir um parêntese e falar um pouco so- bre a nossa família na fé. Deus brotou um sonho em nossos corações: o de alcançar 10% da cidade de Belo Horizonte para Jesus. Não buscamos por números, buscamos por vidas. Desejamos ser uma muralha em volta daqueles que são frágeis na fé. Desejamos cobri-los com nossas orações. Dese- jamos trazer conforto aos necessitados. Trazer o nosso abraço, o nosso afeto; trazer o pão. Levá-los a receber do Pai a Vida Eterna em Cristo. A Seleção Brasileira de Futebol, pentacampeã do mundo, tinha uma característica interessante. O treinador, o técnico Luiz Felipe Scolari trouxe uma ênfase que nenhum treinador havia trazido. Ele es- tabeleceu a chamada “Família Scollari”. Ele disse aos jogadores: “Vocês são irmãos e eu quero ser como um pai para vocês”. E quando um grupo vive como família, ninguém o detém. A Seleção Brasileira chegou para partici- 17
  15. 15. par da Copa do Mundo de 2002 totalmente desa- creditada. As pesquisas apontavam para resulta- dos desfavoráveis. Muitos comentaristas e críticos esportivos chegaram a declarar na época que o Brasil seria desclassificado logo na primeira fase da competição. Que nada! O Brasil voltou com a taça de campeão na mão. Por quê? Porque havia um vín- culo familiar. Assim devemos ser e agir – como família. Pois a igreja não é apenas um local para ir e vir. A igreja é um lugar de comunhão, de unidade, de família. algumas CaraCterístiCas De Caim Algumas características de Caim demonstram a sua hostilidade contra Deus. Outras demonstram um comportamento antiético. Então vamos conhe- cer quais foram as características que o levaram ao fracasso. Competição “Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu re- banho e da gordura deste. Agradou-se o Senhor de Abel e da sua oferta; ao passo que de Caim e da sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira, Caim e descaiu-lhe o semblante. Então, lhe disse o Se- nhor: Por que andas irado e porque lhe descaiu o teu semblante? Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado 18
  16. 16. jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.” (Gênesis 4.4-7). Ao lermos a história de Caim na Bíblia, percebe- mos que era um homem que tinha tudo para dar certo na vida, só que deu tudo errado na vida dele. Tudo errado! Caim era consumido pelo desejo de ser o primeiro. Havia nele o espírito de competição. “Por que a mensagem que ouviste desde o princípio é esta: Que nos amemos uns aos outros; não segundo Caim, que era do Maligno e assassinou a seu irmão; e por que o assassinou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas.” (1 João 3.11-12). Diferente da atitude de Caim foi a de Abel. Abel trouxe uma ovelha, o sangue foi derramado e quan- do ela foi colocada sobre o altar, a fumaça subiu, Deus se agradou do sacrifício de Abel! A ovelha que Abel ofereceu ao Senhor era pequena, mas não im- portava o tamanho e nem a quantidade, mas o ato que ela representava. Às vezes queremos demons- trar aos outros que servimos a Deus, queremos estar no ministério que mais se destaca na igreja. Queremos ser vistos por todos, mostrar o quanto trabalhamos para o Senhor, o quanto somos inte- ligentes e influentes, enfim, queremos levar apenas “as ovelhas grandes e vistosas”, mas será que é isso que o Senhor deseja de cada um de nós? Lembre- mos que Caim levou para Deus o melhor da terra, mas não levou o que Deus havia pedido. 19
  17. 17. A competição existe entre os irmãos biológicos. E assim aconteceu entre Caim e Abel. Os dois eram irmãos. Cresceram brincando. Entraram na adoles- cência juntos, pois tinham praticamente a mesma idade, mas, infelizmente, a competição passou a existir entre os dois. A Palavra não diz para compe- tirmos uns com os outros, mas que amemos uns aos outros. A história do mundo é a do ódio, que come- ça justamente entre Caim e Abel. Caim não adulte- rou e não roubou. Ele teve a iniciativa própria. O espírito de competição é bem demonstrado na figura de Caim. O desejo de ser o melhor para ser aplaudido, honrado. O desejo de chegar em primei- ro lugar para alcançar os holofotes. É sempre o “EU” em primeiro lugar. Acontece que para Deus, vence- dor não é aquele que chega em primeiro lugar, mas aquele que nunca desiste. Depressão “Descaiu-lhe o semblante.” O semblante de Caim descaiu porque o Senhor rejeitou a sua oferta. Eu creio que Caim foi repleto de alegria levar a sua oferta a Deus. Com plena confiança. Com criativi- dade. Talvez ele tenha feito uma decoração para os legumes. E ele esperava aplausos. Esperava que Ar- canjos, Querubins e Serafins tocassem a trombeta, mas não houve absolutamente nada! Ele recebeu apenas a rejeição. Ele ouviu apenas a vaias e isso 20
  18. 18. dói. Caim estava ferido. A rejeição sempre fere. Por isso, o semblante dele descaiu. Quantas vezes, dentro de um casamento, exis- tem competições. Competição entre o marido e a mulher. E um deles sempre vive deprimido. Certa vez, encontrei um casal que vivia como “cão e gato”, sempre brigando. A esposa ganhava um salário maior que o do marido e esse era o mo- tivo das constantes brigas. A mulher emprestava o dinheiro para o marido e depois cobrava, dizendo que ele não a pagava. Quando existe a competição entre o marido e a mulher, um dos dois experimentará a depressão. Um dos dois ficará ferido, magoado. Ou seja, no ca- samento, os dois passam a ser um só. E esse “ser um só” não é somente no corpo. Deve ser na carteira também. Se olharem a minha conta ou o meu talão de cheques verão o nome da minha querida esposa Renata. É uma conta conjunta. Entre nós não existe isto: eu tenho o meu dinheiro e a Renata tem o dela. O dinheiro é nosso. Caim fracassou por ser um competidor. E por causa do fracasso, da rejeição, do sentimento de inferioridade, a depressão tomou conta dele. E Sa- tanás, que estava e sempre estará à espera desta fe- rida na alma, começou a ministrar na vida de Caim a ponto de acontecer a tragédia: um irmão matar o outro. 21
  19. 19. Amados, os sentimentos sempre crescerão den- tro de nós. Nada começa em grande proporção, pelo contrário, os sentimentos brotam aos poucos. Por isso, não pensem que Caim matou Abel num estalar de dedos. Ele começou a matar o seu irmão dentro do coração. Como o marido começa a ma- tar a esposa dentro do coração e vice-versa. Os pais matam os filhos dentro do coração. O irmão mata o outro dentro do coração. Jesus nunca esteve deprimido. Foi homem de dores, mas nunca houve depressão na vida de dele. A Bíblia diz que Jesus experimentou todo o sofri- mento por causa da alegria que lhe estava proposta. Havia uma alegria indescritível em Jesus. A alegria do Senhor que é a nossa força! (Neemias 8.10). E a alegria é bem diferente do sorriso. Pode- mos encontrar uma pessoa sorridente, mas isso não significa que ela esteja alegre. Alegria sai pelos poros. Alegria é um estilo de vida. Ela in- depende das circunstâncias. A alegria enche o nosso coração. Sustenta a nossa vida. Por isso é que o Senhor perguntou a Caim: “Por que descaiu o teu semblante?” A pessoa que experimenta a mudança – do es- tilo de vida de Caim para o estilo de vida de Jesus – pode ficar triste, pode chorar, mas existe uma coi- sa que domina o coração dela que é exatamente a paz! 22
  20. 20. a ira “Irou-se sobremaneira Caim.” A palavra “irar”, na tradução literal, significa “queimar”. A pessoa irada sente um fogo ardendo dentro dela, o rosto fica ver- melho. Ela se queima internamente. E Caim estava exatamente assim. “Irou-se sobremaneira Caim.” Ele ficou com muita raiva. A ira é uma obra da carne. Muitas pessoas acham que a ira é uma virtude. Nós vimos que a ira pode ser um sentimento aceitável, mas se ela passar do limite torna-se algo venenoso. “Irai-vos, e não pequeis [...]” (Salmo 4.4a). Quando Jesus foi para a cruz do calvário, Ele sofreu todo o tipo de humilhação. Foi esbofeteado, cuspido, recebeu uma coroa de espinhos sobre a cabeça. Uma multidão zombava dele. E qual foi a sua atitude? Ele disse: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.” (Lucas 23.34). Jesus também nos ensinou a orar assim: “E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores.” (Mateus 6.12). “Ora, antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim.” (João 13.1). Amou-os até o fim! A despeito de todas as coisas Jesus foi e é amor. E é esse ensinamento que devemos aplicar em nos- sa vida. Devemos obedecer aos mandamentos do Senhor. Jesus poderia ter se vingado, mas não, Ele escolheu obedecer e perdoar. 23
  21. 21. teimosia Outra característica de Caim era a obstinação. A teimosia. O Senhor disse para Caim: “Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se todavia, proce- deres mal, eis que o pecado jaz à porta, o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.” “Se procederes bem, não é certo que serás aceito?” Tudo o que o Senhor falava a Caim era: “Caim, eu es- tou dando para você uma nova chance. Eu dei a você o livre arbítrio. Se você escolher seguir o caminho do bem, se você reconhecer o seu erro e arrepender-se, eu lhe perdoarei!” Deus ofereceu a ele uma nova oportunidade, mas ele foi teimoso. Foi duro. Permaneceu no erro. E quan- tas pessoas têm agido como Caim! Muitos dizem: “Não volto atrás na minha decisão, não desfaço o que digo”. Queridos, muitas vezes temos que desfazer o que dizemos sim. Precisamos reconhecer as falas ditas em momentos impróprios ou as decisões erradas, to- madas no calor da ira. Quão maravilhoso é Deus, que sempre nos dá a oportunidade de consertarmos algo errado em nossa vida. Infelizmente, Caim não pensava desta maneira e perdeu uma grande oportunidade de receber o perdão de Deus. malíCia versus óDio A malícia leva ao ódio. Mas o que é malícia? Ma- lícia é desejar o mal para o próximo. Ninguém odeia 24
  22. 22. de uma hora para a outra. Antes do ódio vem a ma- lícia. É o desejo de que algo de mal aconteça com o outro. A pessoa diz: “Ah, tomara que ele perca o em- prego! Que o casamento dela acabe; Que o carro que ele comprou seja roubado; Que a casa onde ela mora pegue fogo”. Caim alimentou a malícia contra seu irmão no coração. E isso é algo muito sério. Se a malícia não for removida, ela vai se tornar ódio. E o ódio se transforma em assassinato. Não pense que assassi- nar é apenas tomar uma faca e cravá-la no coração do outro. Esta é uma forma de assassinato. O que fez Caim? Deixou que a malícia se transformasse em ódio e o ódio o levou a matar o seu irmão. “Não segundo Caim que era do maligno e assas- sinou o seu irmão. E por que o assassinou? Porque as suas obras eram más e as do seu irmão, justas. Irmãos, não vos maravilheis se o mundo vos odeia. Nós sabe- mos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Aquele que não ama, permanece na morte. Todo aquele que odeia seu irmão é assassi- no. Ora, vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si, nisto conhecemos o amor, que Cristo deu a sua vida por nós e devemos dar a nos- sa vida pelos irmãos.” (João 3.12, 14, 15). Quantas vezes nós ouvimos falar do marido que matou a esposa ou vice-versa. Mas saiba que quando isso acontece, não foi de uma vez, mas aos 25
  23. 23. poucos com a infidelidade, com o descaso, com a ausência, com a impaciência, com as críticas e tan- tas outras coisas que destroem o casamento. Pais matando os filhos e filhos matando os pais com a rejeição, com o abandono, com palavras que ferem a alma, com a falta de amor. Tudo de maneira sutil, lenta, mas diabólica. engano “Enganoso é o coração, mais do que todas as coi- sas, e desesperadamente corrupto; quem o conhece- rá?” (Jeremias 17.9). No Antigo Testamento, o “cora- ção” representa mais do que o lugar das emoções, ele representa o alicerce do caráter, que inclui a mente e a vontade. Entristeço-me com algumas igrejas que não pre- gam o Evangelho. Pregam a “teoria da prosperidade”. Pregam que não há sofrimento na vida do cristão. Não há dor, não há desemprego, não há enfermida- des. Isso é engano. Muitas pessoas estão enganadas e vão para as igrejas para conquistarem algo. Amada ovelha, com certeza Jesus pode dar uma casa, um namorado, uma esposa e tantas outras coisas, pois Ele é Deus e pode todas as coisas. No entanto, em primeiro lugar, Ele quer tratar a nossa vida. Ele quer mudar o nosso caráter. Não acredite que viveremos no mundo sem tribulações e pro- vações. Não! A Palavra do Deus Vivo nos revela que 26
  24. 24. no mundo teremos aflições, mas devemos ter bom ânimo, porque ao final de tudo venceremos (João 16.33). Não se engane e não se deixe enganar. A Bí- blia deve ser o seu manual de sobrevivência. Procu- re na Palavra a confirmação de tudo que você ouvir. Somente nela contém o verdadeiro ensinamento. “O seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre domi- ná-lo.” O Senhor, conhecendo o coração de Caim, o adverte a não ceder à tentação, ao desejo, ao enga- no. Mas ele ouviu a “voz do coração” e essa voz o en- ganou e o levou a praticar um crime bárbaro e cruel. Por isso não devemos dar ouvidos à voz do coração, mas à voz do grande Eu Sou! Enganar-se é praticar o erro crendo estar agindo de maneira correta. autoComiseração Caim começou a ser consumido pela autocomi- seração. Ao invés de arrepender-se por ter pecado contra Deus e contra o homem, ele passa a temer a solidão, mas não o Deus que o criou. “Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua presença hei de esconder-me; serei fugitivo e errante pela terra, quem comigo se encontrar me matará.” (Gênesis 4.14). Ironicamente, depois de assassinar seu irmão, Caim teme a vingança por parte de Deus e de sua família. O bandido se tornou o mocinho da história. A autodefesa invade o coração de Caim. 27
  25. 25. Tantas pessoas se fazem de coitadas! Cometem um erro e procuram a todo custo justifica-lo. “Mas se eu não tivesse feito aquilo, acabariam comigo, pois eu estava sozinho, não tinha ninguém. Quem me defen- deria? Sou um pobre coitado, abandonado por todos”. Não precisamos atrair a atenção das pessoas dessa forma. Temos um Deus que peleja por nós. Que supre as nossas necessidades dia a dia; que nos livra do vale da sombra da morte; que levanta intercessores a nos- so favor. Enfim, ninguém precisa se autocompadecer, porque “os olhos do Senhor estão em todo lugar, con- templando os maus e os bons.” (Salmo 15.3). o meDo Caim foi dominado pelo medo. Teve medo de ser assassinado, medo da presença do Senhor. No mundo, o oposto do medo é a coragem. Mas para o crente em Jesus, o oposto do medo é a fé. Depo- sitar fé em Deus remove o medo de viver. No Salmo 31, verso 13, Davi expressou: “[...] terror por todos os lados; conspirando contra mim, tramam tirar-me a vida.” Mas Davi não se deixou intimidar pelo medo, e naquele momento de desespero reconheceu: “Tu és o meu Deus. Nas tuas mãos, estão os meus dias.” (v. 14-15). Infelizmente, Caim não pôde dizer o mes- mo. Ele não tinha fé. Ele não acreditava no poder do Deus majestoso. Caim sentiu medo porque se tor- nou independente daquele que o criou. 28
  26. 26. eDifiCar uma CiDaDe Caim edificou uma cidade (Gn 4.17). Para quê? Para que o seu nome fosse lembrado. Existem cidades que os homens construíram para perpetuar o nome, mas não é isso que a Palavra nos ensina: “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis ma- nifestados com ele, em glória.” (Cl 3.1-4). Jesus, o nosso maior exemplo, não construiu uma cidade. Em João, capítulo 14, verso primeiro, Ele disse assim: “Não se turve o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa do meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei, vos receberei para mim mesmo, para que, onde estou, estejais vós também. E vos sabeis o caminho para onde vou. Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vai; como saber o caminho? Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao pai se não por mim.” Saiba, amada ovelha, que Ele preparou uma cidade, mas esta cidade não é aqui. “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.” (Fp 3.20). 29
  27. 27. Jesus é o nosso moDelo Amados, o maior exemplo a ser seguido é o de Jesus Cristo. Ele nos deixou ensinamentos divinos. Quanto mais próximos a Ele estivermos, tanto mais compreenderemos o quanto nos falta e o quanto precisamos desesperadamente da sua infinita sabe- doria para guiar a nossa vida. Jesus é o único mo- delo a ser imitado. Sejamos imitadores de Deus, de Cristo (Efésios 5.1). Jesus é o modelo de perfeição, de humildade, de amor, de bondade, de perdão, de servo etc., etc., etc. Jesus é o caminho que devemos seguir. A nossa fé não é uma religião. Nossa fé não é um sistema de doutrinas. Nossa fé é a vida do Senhor em nossa vida. Talvez estejamos tomando a iniciativa própria, cosendo aventais de folhas de figueira e nos escondendo, pensando que “nin- guém está nos vendo”, mas Deus tudo vê. Deus só não vê como nos chama para restaurar o erro em nossa vida. Deus nos oferece o perdão quan- do nos arrependemos. Ele sempre nos oferece uma nova chance, mas Caim foi obstinado e disse “não” para Deus. Precisamos entender que nunca tropeçamos nas pedras grandes, só nas pedrinhas. Ninguém mata um irmão da noite para o dia. A coisa levou muito tempo. Fermentou no coração de Caim e um dia explodiu. 30
  28. 28. Podemos até viver bem, mas nunca viveremos a vida em plenitude, enquanto existir em nós traços de Caim. Traços que precisam ser removidos, que precisam ser realmente subjugados. Dentro do coração do homem existe sempre um grito por Deus. Não existe um povo, ou uma civili- zação que não tivesse um sentimento religioso. Ou seja, o homem é essencialmente religioso. Ele an- seia Deus. Ele deseja a reconciliação com Deus. Ele busca isto. E saibam que o próprio Deus é o mais interessado em que isso aconteça. Tudo na vida é uma escolha. Ou vamos viver na estrutura de Caim ou vamos viver a realidade da vida do Senhor em nossa vida. O coração de Jesus foi submisso ao Pai. A Palavra diz que é melhor obe- decer do que sacrificar. Escolha sair da semelhan- ça de Caim, da iniciativa própria, da competição. E corra para os braços do Senhor. Queira depender totalmente dele. Deus abençoe, Pr. Márcio Valadão 31
  29. 29. Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha Gerência de Comunicação Rua Manoel Macedo, 360 - São Cristóvão CEP 31110-440 - Belo Horizonte - MG www.lagoinha.com 32

×