Fatores Críticos de Sucesso na Indústria e
Jogos Eletrônicos
Fábio Nobrega de Lima
1
Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Bat...
Questão de Pesquisa
• Quais os Fatores Determinantes de Sucesso na
Indústria de Jogos Eletrônicos?
2
Objetivo Geral
• Identificar os Fatores Determinantes de Sucesso
na Indústria de Jogos Eletrônicos
3
Objetivos Específicos
• Identificar a definição operacional, aplicável ao
setor, do construto Sucesso;
• Compreender a Dinâmi...
Desenho da Dissertação
5
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criativas
Vantagem
Competitiva
I...
Desenho da Dissertação
6
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criativas
Vantagem
Competitiva
I...
Componentes da Economia Criativa
7
Indústrias
C
riativas
Vieira (2008)
Importância Econômica
8
Receitas Mundiais em 2011
Jogos US$ 74,0 bilhões
Cinema US$ 31,8 bilhões
Receitas dos Jogos no Bra...
Importância Econômica
9
Receitas Mundiais em 2011
Jogos US$ 74,0 bilhões
Cinema US$ 31,8 bilhões
Grand Theft Auto V (GTA-V...
10
Classificação das Indústrias Criativas
11 UNCTAD (2008) apud Vieira (2008)
FIGURA 1 – Classificação das Indústrias Criativa...
Desenho da Dissertação
12
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criativas
Vantagem
Competitiva
...
13
Complexidade da Produção dos Jogos (Video)
• Nobody Knows;
• Art for Art’s Sake;
• Motley Crew;
• Infinity Variety;
• A List/B List;
• Time Flies;
• Ars Longa.
14
Fun...
15
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
16
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
17
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
18
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
19
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
20
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
21
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
22
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
23
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criati...
Fundamentos Econômicos das
Indústrias Criativas
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criativas...
Desenho da Dissertação
25
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criativas
Vantagem
Competitiva
...
Desenho Metodológico da Dissertação
Objetivo
Identificar os Fatores Determinantes de Sucesso na
Indústria de Jogos Eletrôni...
Desenho da Dissertação
27
ReferencialTeórico
Economics 2.0
Fund. Econômicos
das Indústrias
Criativas
Vantagem
Competitiva
...
• Estrutura da Indústria
• Elementos
Estruturantes da
Indústria;
• Agentes Econômicos;
• Cadeia Produtiva
• Modelos de Rec...
29
• Estrutura da Indústria
• Elementos
Estruturantes da
Indústria;
• Agentes Econômicos;
• Cadeia Produtiva.
• Modelos de...
30
• Estrutura da Indústria
• Elementos
Estruturantes da
Indústria;
• Agentes Econômicos;
• Cadeia Produtiva.
• Modelos de...
31
• Estrutura da Indústria
• Elementos
Estruturantes da
Indústria;
• Agentes Econômicos;
• Cadeia Produtiva.
• Modelos de...
32
Obrigado
33
BRITO, L. A. L.; VASCONCELOS, F. C. D. A heterogeneidade do desempenho, suas causas e o conceito de vantagem
competitiv...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slides da Qualificação da Dissertação

460 visualizações

Publicada em

Apresentação para Qualificação para o Mestrado Acadêmico em Administração de Empresas pelo PPGA/UECE.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
460
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides da Qualificação da Dissertação

  1. 1. Fatores Críticos de Sucesso na Indústria e Jogos Eletrônicos Fábio Nobrega de Lima 1 Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Batista
  2. 2. Questão de Pesquisa • Quais os Fatores Determinantes de Sucesso na Indústria de Jogos Eletrônicos? 2
  3. 3. Objetivo Geral • Identificar os Fatores Determinantes de Sucesso na Indústria de Jogos Eletrônicos 3
  4. 4. Objetivos Específicos • Identificar a definição operacional, aplicável ao setor, do construto Sucesso; • Compreender a Dinâmica do setor; • Identificar os padrões de concorrência. 4
  5. 5. Desenho da Dissertação 5 ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS Considerações Finais
  6. 6. Desenho da Dissertação 6 ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS Considerações Finais
  7. 7. Componentes da Economia Criativa 7 Indústrias C riativas Vieira (2008)
  8. 8. Importância Econômica 8 Receitas Mundiais em 2011 Jogos US$ 74,0 bilhões Cinema US$ 31,8 bilhões Receitas dos Jogos no Brasil: US$ 3 bilhões. Grand Theft Auto V (GTA-V) Investimentos: US$ 225 milhões Receitas: US$ 800 milhões (nas primeiras 24 horas) (GEDIGAMES, 2014)
  9. 9. Importância Econômica 9 Receitas Mundiais em 2011 Jogos US$ 74,0 bilhões Cinema US$ 31,8 bilhões Grand Theft Auto V (GTA-V) Investimentos: US$ 225 milhões Receitas: US$ 800 milhões (nas primeiras 24 horas) (GEDIGAMES, 2014) Receitas dos Jogos no Brasil: US$ 3 bilhões.
  10. 10. 10
  11. 11. Classificação das Indústrias Criativas 11 UNCTAD (2008) apud Vieira (2008) FIGURA 1 – Classificação das Indústrias Criativas Fonte: UNCTAD, 2008, p. 14 FIGURA 1: Classificação das Indústrias Criativas Edição e Imprensa Livros, jornais e outras publicações Desenho Interiores, gráficos, moda, jóias e brinquedos Indústrias Criativas Novas-mídias Software, vídeo games, mídias digitais. Serviços Criativos Arquitetura, propaganda, lazer cultural. Artes Cênicas Dança, teatro, opera, circo, etc. Sítios Culturais Sítios arqueológicos, museus, livarias, distribuidoras, etc. Artes Visuais Pintura, escultura, fotografia e antiguidades. Manifestaçõs Culturais Artes, artesanato, festivais e celebrações. Áudio Visual Filme, televisão, rádio, etc. Patrimônio histórico Artes Mídia Criações funcionais
  12. 12. Desenho da Dissertação 12 ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS Considerações Finais
  13. 13. 13 Complexidade da Produção dos Jogos (Video)
  14. 14. • Nobody Knows; • Art for Art’s Sake; • Motley Crew; • Infinity Variety; • A List/B List; • Time Flies; • Ars Longa. 14 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas • Creative Industries (CAVES, 2000) Propriedades Fundamentais ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS
  15. 15. 15 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Invisible Wealth (KLING; SCHULZ, 2011). • Economia Tradicional baseada na Escassez dos Fatores de Produção; • Nova Economia baseada na lógica da Abundância. • Importância de aspectos do Ambiente (Software Layer) para as empresas.
  16. 16. 16 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Invisible Wealth (KLING; SCHULZ, 2011). • Inovação como meio de superar as Falhas do Mercado. • Inovação é um produto do funcionamento dos mercados. • “Economics 2.0 says: Markets fail. Thats why we need markets”
  17. 17. 17 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Invisible Wealth (KLING; SCHULZ, 2011). • 5 Bugs da Software Layer • Tribalismo; • Insegurança dos Direitos de Propriedade; • Corrupção; • Ganhos não Merecidos; • Falta de Conhecimento e Habilidades.
  18. 18. 18 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Invisible Wealth (KLING; SCHULZ, 2011). • 3 Elementos Ideais para uma Sociedade Próspera: • Famílias Autosuficientes; • Fortes Instituições da Sociedade Civil; • Bom Governo (i.e. Ambiente Jurídico Saudável).
  19. 19. 19 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Vantagem Competitiva (Correntes) • Análise Estrutural da Indústria • Recursos e Competências • Processos de Mercado • Capacidades Dinâmicas
  20. 20. 20 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Vantagem Competitiva (Correntes) • Análise Estrutural da Indústria (Modelo Neo-Clássico) • Concorrência Perfeita • Ambiente determina o desempenho. • Principal Determinante de Sucesso/Fracasso é o posicionamento na estrutura da indústria.
  21. 21. 21 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Vantagem Competitiva (Correntes) • Recursos e Competências (Resource Based View - RBV) • Estrutura da Indústria é secundária. • Vantagem vem dos Recursos e Competências (Pontos Fortes e Fracos) das Empresas.
  22. 22. 22 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Vantagem Competitiva (Correntes) • Processos de Mercado (Escola Austríaca) • Concentra-se na Dinâmica da Empresa, dos Mercados e da Concorrência. • Ênfase nos processos de mudança e inovação. • Conceito de Fluxo Circular e destaque do Empreendedor (Schumpeter)
  23. 23. 23 Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Vantagem Competitiva (Correntes) • Capacidades Dinâmicas • Ambiente de Mudanças Constantes. • Empresas precisam Integrar, Reconstruir e Reconfigurar Competências Externas e Internas. • Vantagem Competitiva nasce da Capacidade de Adaptação às mudanças (Co-Evolução). • Importância da Aprendizagem Organizacional.
  24. 24. Fundamentos Econômicos das Indústrias Criativas ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS • Fatores Críticos de Sucesso Possas (1999), Kupfer (1992, 1996) e Ferraz, Kupfer e Haguenauer (1997) são mais específicos em relação ao assunto, ao afirmarem que a competitividade passa a depender da adequação das estratégias das empresas ao padrão de concorrência vigente, que influencia a formação do conjunto de Fatores Críticos de Sucesso do setor. O sucesso das empresas depende, em última análise, da reprodução desses fatores no plano interno e na atuação de mercado da organização. A proposição desses autores implica em que a competitividade (C) pode ser então definida como uma função inversa do módulo da diferença entre FCS setoriais (FCS do setor e FCS empresariais (FCS da empresa); ou seja, C = f-¹(|FCS do setor – FCS da empresa|). A partir das contribuições desses autores, Weersma e Batista (2007) ilustraram a relação entre padrão de concorrência, FCS, gestão, estratégia e desempenho empresarial para melhor entendimento do processo de obtenção de vantagem competitiva (Figura 1). Eficiência Seletiva / Padrão de Concorrência Competitividade Ex-Post Estratégia Estratégia AMBIENTE Competitividade Ex-Ante FCS Setorial Gestão Estratégica Grau de Desempenho Empresarial FCS Empresarial (WEERSMA;BATISTA;WEERSMA,2008)
  25. 25. Desenho da Dissertação 25 ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS Considerações Finais
  26. 26. Desenho Metodológico da Dissertação Objetivo Identificar os Fatores Determinantes de Sucesso na Indústria de Jogos Eletrônicos. Seleção Final dos FCS Fase Explanatória Quantitativa Elaboração do Questionário Aplicação da Survey Análise Fatorial Regressão Múltipla Análise de Clusters Análise Descritiva e Multivariada Consumidores Fase Exploratória Qualitativa Entrevistas Grupo Focal Seleção Inicial dos FCS EspecialistasdoSetor Análise do Segmento da Indústria de Jogos Identificação Preliminar de FCS PesquisaBibliográfica eDocumental
  27. 27. Desenho da Dissertação 27 ReferencialTeórico Economics 2.0 Fund. Econômicos das Indústrias Criativas Vantagem Competitiva Indústrias Criativas Metodologia Metodologia Resultados Análise do Segmento da Indústria de Jogos Apresentação e Análise dos FCS Considerações Finais
  28. 28. • Estrutura da Indústria • Elementos Estruturantes da Indústria; • Agentes Econômicos; • Cadeia Produtiva • Modelos de Receita; • Taxonomia de Jogos Eletrônicos; 28 (WILLIAMS, 2002; TOMASELLY, 2007; HUPSEL VAZ, 2010; VAN EGMOND, 2012) Análise do Segmento
  29. 29. 29 • Estrutura da Indústria • Elementos Estruturantes da Indústria; • Agentes Econômicos; • Cadeia Produtiva. • Modelos de Receita; • Taxonomia de Jogos Eletrônicos; Análise do Segmento
  30. 30. 30 • Estrutura da Indústria • Elementos Estruturantes da Indústria; • Agentes Econômicos; • Cadeia Produtiva. • Modelos de Receita; • Taxonomia de Jogos Eletrônicos; Análise do Segmento
  31. 31. 31 • Estrutura da Indústria • Elementos Estruturantes da Indústria; • Agentes Econômicos; • Cadeia Produtiva. • Modelos de Receita; • Taxonomia de Jogos Eletrônicos; Análise do Segmento Alto Intermediário Baixo Competitivo Single Player M M O Cooperativo Online Offline Consoles HandheldsPC GamesM obile Cloud G am es TV Digital Musicais Ação AventuraEsportesCorrida R PG Estratégia Simuladores CartaseTabuleiros Educativos Puzzles Parlour EarlyChildhoodEveryone Everyone10+ Teen Mature AdultsOnly Física Digital Tipo de Plataform as Grau de Dificuldade Gênero do Jogo FormadeDistribuição Modo do Jogo Conectividade Classificação Indicativa
  32. 32. 32 Obrigado
  33. 33. 33 BRITO, L. A. L.; VASCONCELOS, F. C. D. A heterogeneidade do desempenho, suas causas e o conceito de vantagem competitiva: proposta de uma métrica. Revista de Administração Contemporânea, v. 8, p. 107–129, 2004. CAVES, R. E. Creative Industries: Contracts Between Art and Commerce. Harvard University Press, 2000. p. 454 HUPSEL VAZ, L. F. Desenvolvedores de games atuantes no Brasil: uma abordagem estratégica. Dissertação. UFRJ, 2010. KLING, A.; SCHULZ, N. Invisible Wealth: The Hidden Story of How Markets Work. Encounter Books, 2011. p. 317 MEIRELLES, D. S. E; CAMARGO, Á. A. B. Capacidades Dinâmicas: O Que São e Como Identificá-las? Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. esp., p. 41–64, 2014. ROCHA, M. C. L. DA. FONTES DA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE SOFTWARE DE FORTALEZA. Dissertação—[s.l.] Universidade Estadual do Ceará, 2009. SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Traducao. [s.l.] Nova Cultural, 1997. p. 239 TOMASELLI, F. C. FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO NO MERCADO DE VIDEOGAMES DOMÉSTICOS: Os casos Sony e Microsoft na batalha pelo domínio da sala de estar. Dissertação—[s.l.] Fundação Getúlio Vargas, 2007. VAN EGMOND, F. Findings from a comparison between European cities in the gaming industry - How can Utrecht stimulate its business environment in the gaming industry?. Dissertação. University of Utrecht, 2012. VASCONCELOS, F. C.; CYRINO, Á. B. VANTAGEM COMPETITIVA: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 4, p. 20–37, 2000. VIEIRA, G. INÁCIO. Determinantes da oferta de empreendedores nas indústrias criativas de Fortaleza. Dissertação. Universidade Estadual do Ceará - UECE, 2008. WEERSMA, L. A.; BATISTA, P. C. DE S. Contribuição ao Estudo de Fatores Críticos de Sucesso do Setor Exportador de Frutas Frescas do Nordeste Brasileiro. III Encontro de Estudos em Estratégia. Anais...São Paulo: 2007. WILLIAMS, D. Structure and competition in the US home video game industry. International
 Journal on Media Management, v. 4, n. 1, p. 41–54, 2002. Bibliografia

×