Transporte elias

420 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
420
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Transporte elias

  1. 1. O Centronave Hoje
  2. 2. O QUE É O CENTRONAVECentro de Navegação Nacional O CentroNave é uma associação que foi fundada em 1907 para representar as empresas de navegação no Brasil com o objetivo de j desenvolver o setor marítimo e o comércio exterior brasileiro Associação com mais de 100 anos no Brasil, além do Centronave, só as ligadas ao Café!
  3. 3. NTRONAVEsão ribuir para a competitividade dasportadoras marítimas, em benefício í írescimento e desenvolvimento ômico do Brasilãoeferência em transporte marítimoarga no Brasil, interagindo com oer público, os parceiros do setor e públicociedadeoresuar com ética e responsabilidade socialspeitar o meio ambiente fender os interesses coletivos dosmadoresgulho de fazer parte da história domércio exterior no Brasil
  4. 4. SOCIADOS
  5. 5. A História
  6. 6. POUCO DA NOSSA HISTÓRIA
  7. 7. 18 FUNDADORES
  8. 8. UM POUCO DA NOSSA HISTÓRIA1906Situação deplorávelda Alfândega gerava:• longas estadias• horas improdutivas• aumento nas despesas• aumento dos fretes1907Fundação do Centronave1ª ConquistaTroca na administração daAlfândega do Rio de Janeiro
  9. 9. UM POUCO DA NOSSA HISTÓRIA1928Foi publicado“Ficam isentas do imposto sobre renda todasas empresas do mesmo setor Cias. Estrangeiras Ciasde navegação, desde que, no país em quetiverem sede, as cias. Brasileiras gozem damesma isenção.” - CentroNave ç1938Biblioteca: apta a fornecer informaçõescom absoluta rapidez e eficiência sobre b l t id fi iê i bquaisquer leis do país1940Convidado pelas autoridades a contribuircom suas sugestões para a confecção databela da Estiva
  10. 10. UM POUCO DA NOSSA HISTÓRIA1950CENTRONAVE foi reconhecidopelo Governo como Órgão gTécnico e Consultivo do PoderPúblico1993O desenrolar da Lei dos Portos teve umaparticipação expressiva do Centronave Centronave,através dos membros do Conselho,Associados e do Diretor Executivo
  11. 11. A importância danavegação para o Brasil
  12. 12. EGAÇÃO EMMEROS 2010 Total de navios que 5.103 5 103 operaram na costa Brasileira
  13. 13. NAVEGAÇÃOEM NÚMEROS 2010 ASSOCIADOS CENTRONAVE Total de T t ld PORTOS BRASILEIROS 33 Total de ESCALAS 11.043 11 043
  14. 14. A IMPORTÂNCIA DOS NAVIOS PARA O PAÍS EXPORTAÇÃO + IMPORTAÇÃO (%) 3 6% 12 94% 2 2 1 Em valor 1 Em pesoMarítima Tubo-Conduto RodoviáriaFluvial Aérea Outros
  15. 15. REPRESENTATIVIDADE DO CENTRONAVEExcluindo-se o Petróleo, o Minério e a Soja, passarampelos navios dos associados do CentroNave 70% dasExportações BrasileirasEm 2010 foram transportados através dos navios dosassociados do CentroNave aproximadamente US$190bi, ou seja, 50% dos US$ 383bi do ComércioBrasileiro (US$202 Exp + US$181 Imp)
  16. 16. OUCO DA NOSSA HISTÓRIA Teus (000)) Santa Class/ Overanamax / 7.100 TEUs 6 Rio Class/ Overpanamax / 5.900 TEUs Monte Class/Overpanamax / 5.560 TEUs p 5 L Class/Overpanamax / 4.500 TEUs 4 Cap San / Panamax / 3.700 TEUs Sea Puma / Panamax / 2.450 TEUs 3 Cap Trafalgar / Panamax / 2.000 TEUs 2 Monte Rosa / Panamax /1.200 TEUs Santa Rita / Panamax / 530 TEUs 1 Importações (US$) Exportações (US$)Fonte: Centronave / Aliceweb 2008 0 0 1 5 9 3 77 1 5 9 3 7 1 5 9 3 7 1 5 9 3 7 1 5 9 3 7
  17. 17. POUCO DA NOSSA HISTÓRIA CAPACIDADE COMPRIMENTO BOCAO TIPO ANO CALADO (teus) (m) (m)abana 1984 1.402 178 31,0 11,3 onio 1990 1.945 220 32,2 12,0 Brasil B il 1994 2.102 2 102 200 32,2 32 2 12,0 12 0na 1998 2.442 208 29,8 12,4n 2001 3.739 3 739 257 32,2 32 2 12,5 12 5 2003 4.100 266 37,3 13,8Class 2005 5.560 272 40,0 12,5 s 2009 5.900 286 40,0 13,2 lass 2010 7.100 299 42,8 13,5
  18. 18. INVESTIMENTOTeus: 7.100 NAVIO + CONTAINERPlugs: 1.600Speed: 22Kn 01 Navio = US$ 120 milhões $ 3.200 containeres 40‘ Rf = US$ 58 milhões 2.430 containeres 40‘ Dry = US$ 10 milhões 188 milhões por navio X 12 = $ 2.2 bilhões
  19. 19. ÍSES ALCANÇADOSm transbordo = 80% do =170ércio exterior brasileiro Países participantes
  20. 20. OJE PORTOS PORTOS PAÍSES SERVIÇOS ARMADORES OS SEMANAIS NAVIOS PARTICIPANDO ATENDIDOS ATENDIDOS ATENDIDOS BRASIL EXTERIOR DIRETO/SEMANAL Medt 12 79 15 14 23 11 lf 12 69 14 15 27 13rica 8 83 17 8 18 8Médio 1 8 1 4 6 5 3 9 4 4 3 3do 1 7 2 16 12 6
  21. 21. UM POUCO DA NOSSA HISTÓRIA Brasil EUA 6000 Evolução dos fretes do 40’ (Em US$) ç 0 ( 3600 4000 3000 2400 2300 1700 1700 1700 700 700 700 1990 1992 1995 1998 2002 2003 2004 2005 2006
  22. 22. Evolução de Volume no Principais Portos Brasileirosem milhares de unidades (cheios e vazios) ilh d id d ( h i i ) BRAZILIAN PORTS 2001 2006 2007 2008 2009 2010 Santos 713 1.604 1.660 1.745 1.473 1.762 Ports of Santa Catarina State 255 525 570 559 480 679 (Navegantes, Itajaí and S. Francisco Sul) Ports f Rio de J P t of Ri d Janeiro State i St t 199 418 440 485 383 495 (RJ and Itaguaí) Rio Grande 211 330 355 359 377 404 Paranaguá 162 288 340 341 359 384 Vitória 72 192 205 198 153 178 Manaus 62 124 175 203 147 241 Ports os the Northern Region 154 371 430 496 434 497 (Salvador, Suape, Pecém and Fortaleza) Others 99 152 150 164 59 68 Brazil 1.927 4.004 4.325 4.550 3.865 4.708
  23. 23. Investimentos realizados e/ou em andamentoograma de Dragagens – SEP (2009/2011) g g g ( )ograma PSP – Porto sem Papel – SEP (2010/2011)TMS – Santos (2011) vo terminal portuário em Navegantes/SC (2007)pansão em Rio Grande – 01 Berço + Retroárea (2010)ovo terminal portuário em Itapoá/SC (2011)xpansão no T ã Tecon S l d – 01 B Salvador Berço + R Retroárea (2012) áxpansão na Santos Brasil – 01 Berço + Retroárea (2009/2010) – 01 Berço + Retroárea (2013)ovo terminal portuário em Manaus/Siderama (2014)ovoo o terminal portuário em Santos/Embraport (2015) port árioovo terminal portuário em Santos/BTP (2014)
  24. 24. Mapeamento de Obras Portuárias feito IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicadarojeção IPEA para os próximos 10 anos
  25. 25. Case Santos: Evolução de Capacidade vs Demanda
  26. 26. do de Caso: Santos
  27. 27. o de Caso: Santos
  28. 28. estionamento nos terminais brasileiros de contêineres: Porto deosA economia brasileira cresce a 7,5% a.a. e retoma o nível de tividade anterior à crise mundial. A movimentação de contêineres resce muito mais rápido, com aumento d 47% d i it i á id t de da importação t ã penas no último anoOs sintomas de uma infraestrutura portuária deficiente são ovamente evidenciados: grandes filas para atracação, escassez de reas, atrasos e aumento do Custo BrasilO Brasil é apenas o 123º no ranking mundial de competitividade d B il ki di l d titi id d danfraestrutura portuária(1) , e os esforços para melhorar esta posição ão certamente inferiores aos necessários de forma urgenteO Porto de Santos movimenta quase 40% dos contêineres do Brasil.Seus problemas repercutem em toda a economia. Os custos dos trasos exclusivos de Santos financiariam um grande novo terminal e epresentam 8% do frete
  29. 29. o de Santos movimenta cerca de 40% dos contêineres no Brasil. raves enfrentados nessas operações impactam toda a economianal,nal em franca expansãoução do PIB, COMEX e movimentação de contêineress (USD) ( ) Mil unids. • A economia 4,0% a.a.(1) brasileira já superou a crise, p 12,7% crescendo 7,5% a.a. este ano(2) 5,4% a.a. • A carga conteinerizada cresce a 13% e a infra portuária se p altera a passos insuficientesket-share de Santos na movimentação de contêineres • O porto de Santos foi escolhido como exemplo de
  30. 30. onalmente ao crescimento dos volumes, o tempo de ocupação de por embarcação aumentou cerca de 75% apenas no último anoação / Produtividade nos terminais de Santos(1)racadas/navio] • Em menos de 2 anos a consignação d b i ã dobrou • Produtividades aumentaram apenas 75% marginalmente • Os tempos de operação aumentaram da ordem Dados Centronave de 75% no período • Com frequência, navios são forçados a deixar o berço antes do términosignação média Produtividade da operaçãov/n] [mov/h atracada] • A perda de produtividade limita os benefícios da0% dragagem em Santos,
  31. 31. ador, diante de uma situação de extremo congestionamento eda janela, é forçado muitas vezes a cancelar uma escala. Esteeno tem ocorrido com 10% das escalas programadas para Santos Perda de escala em 2009 e 2010 (até Set) em terminais dedicados de Santos, para 2 grandes Escalas canceladas armadores(1) 137 100 escalas escalas • Praticamente 1 a cada 10 escalas programadas em Santos é perdida! • Nos portos do Sul por Sul, causa do estresse em Santos, esse índice é Portos da região Sul: escalas perdidas significativamente maior! 2009 2010 Paranagua • Em Paranguá, cerca 104 (8%) ( %) 220(24%) ( %) de d 1 a cada 4 escalas d l S. Fco. do Sul 25 (13%) 22(18%) foi cancelada neste ano
  32. 32. s em Santos acarretam custos adicionais de 8% do frete Brasil-a, correspondendo a uma destruição de valor de U$ 95 milhões poromado no Custo Brasil. A composição dos atrasos em todos os mostraria situação muito mais graves portuários Custos marítimos Outros custoszernagem • Velocidade para recuperar • Reposicionamento denal em atrasos tempo: 4x mais combustível custos de transaçãordas de escala650/h de ~US$1.860/h de atraso em Diversos custoso (2008-09) bunker adicional (2008-09) dificilmente quantificáveis os do mercado mostram que sobrecustos dos atrasos em Santos equivalem a$ 95 milhões/ ano(1)
  33. 33. Situação dos Portos Brasileiros 2011Capacidade insuficiente nos terminais e acessos aos portos conseqüências atrasos na atracação de navios baixa b i produtividade d ti id d
  34. 34. ervenientes - 26
  35. 35. uação atual aponta para um colapso da infraestruturauária dedicada à movimentação de contêineres ço enxergada pela CENTRONAVE:o de Santos, principal do país, encontra-se em situação crítica. Nos últimos 10 anos o volumetêineres aumentou 215%, contra um aumento de apenas 23% no comprimento acostável ea área alfandegada dedicada ios dos terminais estão congestionados. O crescimento recente mais rápido das importaçõeselação às exportações piora a situação blemas são agravados pelo aumento dos tempos de carregamento (+75% entre 2009 e 2010)s maiores comprimentos médios dos navios que reduzem o número de berços efetivos resultado, o tempo de espera para atracação das embarcações tem crescidoencialmente – recentemente navios liners esperaram até 5 dias em Santos, o queracteriza o serviço linerma a não perder as janelas nos portos do exterior, o armador é obrigado a cancelar escalas entar a velocidade da frota – o índice de cancelamentos em Santos é hoje de ~10%brecustos totais de atrasos em Santos podem ser estimados em ~US$ 95 milhões/ano, ou /cont. cheio, valor que representa parte significativa dos fretes (ex. ~8% Santos-Roterdã)
  36. 36. das urgentes para reverter a situaçãoCurto Prazo • Licitação de novas áreas alfandegadas – Interiorização • Aumentar o quadro de fiscais e atualização sistemas RFB • Porto 24 horas efetivo • Implantar mecanismos para acelerar o processo de leilões • Redução do “dwell time” çLongo Prazo • Licitação de novos terminais • Implantação de processos permitindo a liberação de carga antes da chegada dos mesmos • Separação do fluxo fisico e documental • Desburocratização – PSP e ouros

×