Gazzoni

933 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
933
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
53
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gazzoni

  1. 1. Fonte: EIA: "International Energy Outlook 2004” 0 4 8 12 16 20 1970 1990 2010 2030 2050 Gtoe
  2. 2. 2010 2020 2030 2040 2060 2080 2100 Fontes fósseis Solar, eólica, 4ª. geração de biocombustíveis, outras Demanda Energética Solar, 3ª geração de biocombustíveis, eólica 2ª geração de biocombustíveis, eólica, solar 1ª geração de biocombustíveis, eólica, solar
  3. 3. Etanol e biodiesel Mixalco, poliálcoois, butanol, DME, HTU, DMF, FT Diesel, Diesel vegetal, gasolina vegetal Biohidrogênio e 3a geração de biocombustíveis 2010 2020 2030 2040 2060 2080 2100 Biohidrogênio, 4ª. geração de biocombustíveis, Fonte: Elaboração DL Gazzoni para o ISPRE/ICSU
  4. 4. Cana-de-açúcar, cereais, óleos vegetais Cana-de-açúcar , resíduos, óleos e gorduras, pastagens, florestas, algas Resíduos, cana-de-açúcar, floresta, pastagens,algas, óleos e gorduras, 2010 2020 2030 2040 2060 2080 2100 Matéria prima de alta densidade energética, desenhada para produzir energia Fonte: Elaboração DL Gazzoni para o ISPRE/ICSU
  5. 5. 80 100 120 140 160 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Milhõesdetoneladas Fonte: FAS/USDA Out 2010 2011/2000 = 61%
  6. 6. 0 400 800 1200 1600 2000 2400 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 mar/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 abr/09 set/09 nov/09 fev/10 set/10 Soja Algodão Girassol Amendoim Dendê Canola Coco Milho Petróleo
  7. 7. Fonte: Cálculos DLGazzoni (abr2010) com dados da NYSE/USDA 0 10 20 30 40 50 60 US$/GJ Cotação na NYSE em Out/2010 – US$/t
  8. 8. Fonte de biomassa Densidade (Gcal/ha/ano) Atual Potencial Cana-de-açúcar 135 598 Sorgo sacarino 102 255 Beterraba 119 240 Switch Grass 60 180 Eucalipto 78 120 Dendê 48 120 Milho 45 115 Trigo 32 115 Pinus 65 100 Macaúba 45 100 Canola 20 50 Girassol 17 38 Pinhão Manso 15 45 Soja 6 25 Mamona 3 25 Fonte: Elaboração Gazzoni (2008) a partir de diversas fontes
  9. 9. PLS - PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 81 de 2008 Autor: SENADOR Gilberto Goellner Ementa: Dispõe sobre a comercialização e o uso de óleo de origem vegetal como combustível para tratores, colheitadeiras, veículos, geradores de energia, motores, máquinas, e equipamentos automotores utilizados na extração, produção, beneficiamento e transformação de produtos agropecuários, bem como no transporte rodoviário, ferroviário ou hidroviário de insumos e produtos agropecuários em geral, e dá outras providências. Data de apresentação: 18/03/2008 Situação atual: 23/04/2010 - SUBSEC. COORDENAÇÃO LEGISLATIVA DO SENADO AGUARDANDO INCLUSÃO ORDEM DO DIA
  10. 10. Inmetro desenvolve motor a óleo vegetal para trator O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e a Fiat do Brasil estão desenvolvendo um motor para trator que será movido a óleo vegetal puro e terá dupla função: além de auxiliar na agricultura familiar, poderá ser acoplado a um gerador e levar energia elétrica a pequenas comunidades em regiões rurais aonde a rede de energia não chega. A expectativa é de que o motor chegue ao mercado até o fim do próximo ano.
  11. 11. Fonte: Seabra, 2008
  12. 12. 25 30 35 0 10 20 30 40 50 Rendimentotérmico Substituição de diesel por etanol (%) 1000 rpm 1500 rpm 2000 rpm 2500 rpm 3000 rpm
  13. 13. 9000 10000 11000 12000 13000 14000 0 10 20 30 40 50 Consumoenergético(KJxKW.h-1) Taxa de substituição de diesel por etanol (%) 1000 rpm 1500 rpm 2000 rpm 2500 rpm 3000 rpm
  14. 14. -20 -15 -10 -5 0 5 0 10 20 30 40 50 VariaçãodaemissãodeCO2 Taxa de substituição de diesel por etanol (%) 1000 rpm 1500 rpm 2000 rpm 2500 rpm 3000 rpm
  15. 15. -90 -80 -70 -60 -50 -40 -30 -20 -10 0 0 10 20 30 40 50 Variaçãodaemissãoespecífica Taxa de substituição de diesel por etanol 1000 rpm 1500 rpm 2000 rpm 2500 rpm 3000 rpm
  16. 16. -90 -80 -70 -60 -50 -40 -30 -20 -10 0 0 20 35 50 VariaçãodaemissãodeMP 2000 rpm 2500 rpm
  17. 17. Emissões de NOx – Redução de até 83%; Emissões de particulados – Redução de até 81%; Emissão de CO2 - Redução de até 18%; Rendimento térmico do motor - Aumento de até 25%; Temperatura do ar comprimido - Redução de até 74°C; Intercooler – Dispensado; Funcionamento do motor – Sem diferenças; Consumo mássico de diesel - Reduções de até 60%; Overdrive de potência - Potência até 30% superiores; Óleo lubrificante do motor – Menor contaminação; Custo de operação – Até 10% menor.
  18. 18. Motor Scania de nova geração (Euro 5) 270 HP Taxa de compressão de 28:1 Injeção eletrônica e injetores com maior capacidade volumétrica. 5% v/v de aditivo detonante Consumo: 60% a mais de etanol do que de diesel SEKAB é a única a produzir aditivo para o motor a base de etanol. Responsável: CENBIO / USP Parceiros : Scania e METRA Testes no corredor Jabaquara - São Mateus (33 km / 6 milhões pax/mês)
  19. 19. Fonte: EJ Steen et al. Nature 463, 559-562 (2010) Rota de microrganismo geneticamente modificado, projetado para produzir ácidos graxos a partir de moléculas de hemicelulose
  20. 20. Petrodiesel
  21. 21. Ultra Capacitor Zero Emissions Transit Bus Possui bateria de backup com autonomia de 80 km. Pode ser recarregado nas paradas de ônibus (5´ de carga = 2km). Recuperação de energia cinética nas frenagens
  22. 22. Petrodiesel Biodiesel Óleo vegetal Etanol Diesel vegetal Eletricidade Células de combustível Hidrogênio

×