Manual trabalhos academicos_ugb

2.580 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual trabalhos academicos_ugb

  1. 1. ISBN: 978-85-66196-04-7
  2. 2. Vanda Lucia de SouzaCleber Vicente GonçalvesMANUAL PARA PADRONIZAÇÃO E NORMALIZAÇÃO DETRABALHOS ACADÊMICOS DO UGB3ª. edição revista e ampliadaVolta Redonda/RJFERP2013
  3. 3. ExpedienteFUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTELChanceler: Geraldo Di Biase (in memorian)Presidente: Geraldo Di Biase FilhoCENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASEReitor: Geraldo Di Biase FilhoAdjunto do Reitor: Letícia Soares de Vasconcelos Sampaio SuñéPró-Reitora de Assuntos Acadêmicos: Elisa Ferreira Silva de AlcântaraPró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão: Francisco José Barcellos SampaioPró-Reitor Administrativo: Osvaldir Geraldo DenadaiFicha TécnicaRevisor Textual: Alexandre Batista da SilvaDiagramação e Tratamento de Imagens: Júlio César Gama Dias da SilvaCapa: Júnior ErnestoFicha Catalográfica Biblioteca Central UGB/FERPS713m Souza, Vanda LuciaManual para padronização e normalização de trabalhos acadêmicos doUGB/ Vanda Lucia de Souza, Cleber Vicente Gonçalves; Revisão AlexandreBatista da Silva. __ Volta Redonda/RJ: FERP, 2013.95 p. ; 30 cmISBN: 978-85-66196-04-71.Trabalhos Acadêmicos 2. Metodologia 3. Gonçalves, CleberVicente I. TituloCDD 001.42
  4. 4. “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”Cora Coralina
  5. 5. AGRADECIMENTOAo UGB - Centro Universitário Geraldo Di Biase que acompanha e contribui para mudançassociais positivas por meio da educação.Aos alunos do UGB por fazer refletir sobre a missão de ensinar, aliada ao seu empenho emaprender, haja vista a realidade da grande maioria dos discentes serem trabalhadores, o quepermite que o conhecimento teórico empírico se faça presente cotidianamente.Aos professores do UGB pela dedicação, por acreditarem que educar e formar é possível, eque este é o maior e melhor legado que se pode deixar para a sociedade.
  6. 6. ApresentaçãoO ensino superior se alicerça no tripé ensino, pesquisa e extensão e objetiva desenvolver noacadêmico o espírito inquiridor que permita a busca de novas ideias e conceitos para asquestões e problemas de nosso tempo. Desta forma, a produção do conhecimento se apresentacada vez mais dinâmica.Este manual foi elaborado tomando-se como premissa básica a necessidade de padronizar osprocedimentos acadêmicos em torno da produção científica. Seu objetivo principal é orientaracerca dos procedimentos acadêmicos relativos à organização dos registros das informações.Além disso, ele foi estruturado de forma a facilitar seu manuseio e entendimento por parte detodos os usuários, seja ele aluno ou professor.Como resultado, espera-se imprimir mais rigor e qualidade aos trabalhos acadêmicosproduzidos na instituição, de modo a torná-los adequados, do ponto de vista técnico e formal,como preconiza a ABNT, aos procedimentos que norteiam a estrutura dos trabalhosacadêmicos.Neste sentido, esperemos que os trabalhos acadêmicos produzidos no UGB possam resultarem documentos que contribuam com a formação acadêmica e profissional de seus autores.Um abraço e bom trabalho a todos!Elisa AlcântaraPró-Reitora de Assuntos Acadêmicos
  7. 7. ApresentaçãoEm nossa cultura, o processo de conhecer está profundamente vinculado à Escola,componente básico do sistema educacional em nosso país.Diante do sistema educacional como um todo e da Escola de nível superior, pretendemos queesta não seja uma mera consumidora e repetidora de informações para “profissionalizar”, esim um recanto privilegiado onde se cultive a reflexão crítica sobre a realidade e se criemconhecimentos com bases científicas.O Centro Universitário Geraldo Di Biase – UGB, com 45 anos de existência, vemacompanhando a evolução da sociedade contemporânea tendo muito a oferecer noaprendizado, na experiência profissional, na cultura, no campo de ensino, na investigaçãocientífica e na extensão.Este manual representa o alinhamento da filosofia institucional às normas nacionais einternacionais na construção de uma identidade e unificação de procedimentos acadêmicoscientíficos.Desejamos que a sua vivência acadêmica seja de sucesso, fruto de aprendizagem comresponsabilidade, suscitando um marco de crescimento pessoal e profissional.Saudações!Francisco José Barcellos SampaioPró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão
  8. 8. LISTA DE ILUSTRAÇÕESFigura1 – Tela de Configuração de Página ______________________________________ 16Figura 2 – Tela de Formação do Parágrafo/Espaçamento entre linhas _________________ 16Figura 3 – Modelo de Formatação _____________________________________________ 17Figura 4 – Exemplo de Identificação de Ilustrações________________________________ 18Figura 5 – Modelo de Configuração de Seções Primárias___________________________ 22Figura 6 – Modelo de Citação Direta com até de Três Linhas________________________ 23Figura 7 – Modelo de Citação Direta com mais de Três Linhas ______________________ 24Figura 8 – Modelo de Citação Indireta__________________________________________ 24Figura 9 – Modelo de Citação de Citação _______________________________________ 25Figura 10 – Modelo de Capa _________________________________________________ 29Figura 11 – Modelo de Folha de Rosto _________________________________________ 31Figura 12 – Modelo de Folha de Aprovação com Banca Examinadora_________________ 33Figura 13 – Modelo de Folha de Dedicatória (opcional) ____________________________ 34Figura 14 – Modelo de Folha de Agradecimento (estendido) ________________________ 36Figura 15 – Modelos de Folha de Agradecimento (curto) ___________________________ 37Figura 16 – Modelo de Folha de Epígrafe (opcional) ______________________________ 38Figura 17 – Modelo de Folha de Resumo em Monografias, Dissertações e Teses ________ 40Figura 18 – Modelo de Lista de Ilustrações ______________________________________ 42Figura 19 – Modelo de Lista de Tabelas ________________________________________ 43Figura 20 – Modelo de Lista de Siglas e Abreviaturas _____________________________ 44Figura 21 – Modelo de Sumário_______________________________________________ 46Figura 22 – Modelo da 1ª Folha de Apêndice ____________________________________ 60Figura 23 – Modelo de Folha de Apêndice ______________________________________ 61Figura 24 – Modelo da 1ª Folha de Anexo_______________________________________ 62Figura 25 – Modelo de Folha de Anexo_________________________________________ 63Figura 26 – Modelo de Resumo Informativo em pesquisa teórico-empírica. ____________ 70Figura 27 – Modelo de Resumo Informativo em pesquisas de Análise Teórica __________ 71Figura 28 – Modelo de Formatação da 1ª Folha do Artigo __________________________ 90Quadro 1 - Estrutura do Trabalho Acadêmico ____________________________________ 27
  9. 9. LISTA DE TABELASTabela 1 – Numeração Progressiva ____________________________________________ 21Tabela 2 – Exemplos de Formatação de Citações _________________________________ 25Tabela 3 – Critérios para Formatação da Capa____________________________________ 28Tabela 4 – Critérios para Formatação da Folha de Rosto____________________________ 30Tabela 5 – Critérios para Formatação da Folha de Aprovação _______________________ 32Tabela 6 – Critérios para Formatação da Folha de Dedicatória _______________________ 34Tabela 7 – Critérios para Formatação de Folha de Agradecimento (estendido) __________ 35Tabela 8 – Critérios para Formatação de Folha de Agradecimento (curto) ______________ 35Tabela 9 – Critérios para Formatação da Folha de Resumo__________________________ 39Tabela 10 – Critérios para Formatação de Lista de Ilustrações _______________________ 41Tabela 11 – Critérios para Formatação de Lista de Tabela __________________________ 43Tabela 12 – Critérios para Formatação da Lista de Siglas e Abreviaturas_______________ 44Tabela 13 – Critérios para Formatação de Sumário ________________________________ 45Tabela 14 – Exemplos de Formas de Registro de Obras de Autor Pessoal ______________ 49Tabela 15 – Exemplos de Formas de Registros de Obras de Autor Entidade ____________ 50Tabela 16 – Exemplos de Formas de Registros de Obras de Autor Desconhecido ________ 51Tabela 17 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Livros) _________________ 51Tabela 18 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Periódicos) ______________ 52Tabela 19 – Modelo de referências e sua respectiva citação (Eventos) _________________ 54Tabela 20 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Monografia) _____________ 55Tabela 21 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Dissertação) _____________ 55Tabela 22 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Tese) __________________ 56Tabela 23 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Jurídico) ______ 56Tabela 24 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Iconográfico) __ 57Tabela 25 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Audiovisual)___ 58Tabela 26 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Tridimensional) 58Tabela 27 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Eletrônico) ____ 59Tabela 28 – Caracterização da Pesquisa_________________________________________ 65Tabela 29 – Tipos de Fichamentos_____________________________________________ 67Tabela 30 – Modelo de Planilha de Custos ______________________________________ 81Tabela 31 – Modelo de Cronograma ___________________________________________ 82Tabela 32 – Critérios para Formatação da 1ª Folha do Artigo ________________________ 89
  10. 10. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLASABNT – Associação Brasileira de Normas TécnicasFERP – Fundação Educacional Rosemar PimentelNBRs – Normas BrasileirasTCC – Trabalho de Conclusão de CursoUGB – Centro Universitário Geraldo Di Biase
  11. 11. SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO _________________________________________________________ 122 DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS_____ 142.1 CRITÉRIOS GRÁFICOS_________________________________________________ 142.1.1 Formatação _________________________________________________________ 142.2 ILUSTRAÇÕES________________________________________________________ 182.3 RECURSOS LINGUÍSTICOS_____________________________________________ 192.3.1 Siglas e Abreviaturas: _________________________________________________ 192.3.2 Equações e Fórmulas: _________________________________________________ 192.3.3 Memória de Cálculo __________________________________________________ 202.3.4 Tomada de Decisão ___________________________________________________ 202.3.5 Sistema de Unidades de Valores_________________________________________ 202.3.6 Recursos Computacionais______________________________________________ 202.4 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA __________________________________________ 202.5 CITAÇÃO ____________________________________________________________ 222.5.1 Tipos de Citações _____________________________________________________ 232.5.2 Formatação de Citações _______________________________________________ 252.6 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO ______________________________ 262.6.1 Folhas Pré-Textuais___________________________________________________ 272.6.2 Folhas Textuais ______________________________________________________ 472.6.3 Elementos Pós-Textuais _______________________________________________ 483 TRABALHOS ACADÊMICOS E CIÊNTÍFICOS ____________________________ 643.1 PESQUISA____________________________________________________________ 643.2 TRABALHO ACADÊMICO ______________________________________________ 663.3 TRABALHO CIENTÍFICO _______________________________________________ 663.4 - FICHAMENTO_______________________________________________________ 67
  12. 12. 3.5 RESUMO _____________________________________________________________ 683.6 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA___________________________________________ 723.7 RESENHA ____________________________________________________________ 723.8 RELATÓRIO _________________________________________________________ 723.8.1 Relatório de Estágio __________________________________________________ 733.8.2 Relatório de Viagem __________________________________________________ 763.8.3 Relatório de Visita ____________________________________________________ 763.9 ENSAIO ______________________________________________________________ 763.10 PROJETO DE PESQUISA_______________________________________________ 774 TCC – TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO __________________________ 844.1 MONOGRAFIA________________________________________________________ 844.2 ARTIGO TÉCNICO-CIENTÍFICO _________________________________________ 864.2.1 Elementos que compõem o Artigo Técnico-Científico: ______________________ 874.3 DISSERTAÇÃO________________________________________________________ 914.4 TESE_________________________________________________________________ 91REFERÊNCIAS __________________________________________________________ 93
  13. 13. 121 INTRODUÇÃOEntende-se que fazer pesquisa exige determinada postura acadêmica, como rigor teórico ecuidado com a linguagem técnica e a formatação. A padronização de trabalhos acadêmicosapóia-se em normativas que definem o formato do trabalho escrito, ou seja, a forma em queeste produto (documento) é apresentado à comunidade acadêmica. A referida padronização édefinida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, órgão responsável pelanormalização em âmbito nacional, por meio de suas NBRs – Normas Brasileiras.A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é um Fórum Nacionalde Normalização. As Normas Brasileiras é de responsabilidade dos ComitêsBrasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial(ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas porrepresentantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores,consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).(ASSOCIAÇÃO, 2011)No que se refere ao trabalho escrito, existe um conjunto de normas, NBRs – NormasBrasileiras, que estabelecem critérios quanto a formatação de documentos escritos, das quaispode-se citar: NBR: 6023-Referências; 6024- Numeração Progressiva; 6027- Sumário; 6028 –Resumo; 10520- Citações; 14724- Trabalhos Acadêmicos – Apresentação. Ao se pensar nesteconjunto de normas identificou-se a relevância de concentrá-las em um único documento. Aoavaliar que os manuais têm por característica apresentar informações essenciais sobre umconteúdo, optou-se por elaborar este manual cujo objetivo é contribuir com a comunidadeacadêmica, do UGB, no que diz respeito a padronização e normalização dos trabalhosacadêmicos de modo a facilitar o leitor que estiver preparando ou corrigindo trabalhos destanatureza.Conforme enunciado da folha de rosto, estamos na 3ª edição deste manual. Sua 1ª edição foilançada em 2004, a 2ª edição revista e ampliada teve seu lançamento em 2007 e a 3ª ediçãopassa a vigorar a partir 2013, com atualizações da NBR 14724/2011. Durante todo o período
  14. 14. 13entre 2007 e 2012 o corpo docente e discente do UGB teceu contribuições a este manual,queremos destacar em especial os discentes, pois ao apresentarem em sala de aula e durante aelaboração de seus TCCs, vários questionamentos, despertaram-nos para a necessidade deaumentar o detalhamento e a quantidade de exemplos ao texto, o que contribuiusignificativamente com esta edição. Fato este que deixamos registrado os nossosagradecimentos.Este manual divide-se em quatro seções, a primeira denominada introdução, em que éapresentado a que este manual se propõe, ou seja, de que se trata, porque da relevância daelaboração e seu objetivo; na segunda, são apresentadas as diretrizes para apresentação dostrabalhos acadêmicos, cujas orientações são apoiadas na ABNT/NBRs; na terceira e algumasmodalidades de trabalhos acadêmicos que os alunos estarão realizando durante a trajetóriaacadêmica e na quarta seção optou-se por identificar alguns tipos de trabalho de conclusão decurso tais como monografias, artigos técnicos, dissertações e teses.
  15. 15. 142 DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOSNeste capítulo serão apresentadas orientações que dizem respeito a formatação dos trabalhosacadêmicos lembrando que estas estão apoiadas nas NBRs, normas brasileiras paraapresentação da documentação escrita, elaborada por um comitê nomeado pela ABNT –Associação Brasileira de Normas Técnicas.2.1 CRITÉRIOS GRÁFICOSOs critérios gráficos relacionam-se ao tipo de papel, fonte e margens a serem utilizadas noprocesso de elaboração do trabalho acadêmico, cujo objetivo é sua padronização.2.1.1 FormataçãoPara apresentação dos trabalhos acadêmicos produzidos no UGB, no que diz respeito ao seuaspecto extrínseco, deverão ser considerados os seguintes parâmetros:a) papel branco, formato A4 (21 cm x 29,7 cm) na posição vertical;b) digitação na cor preta, exceto para ilustrações;c) a fonte utilizada será Times New Roman (Times), tamanho 12 para todo o corpo do texto,observando as exceções específicas apresentadas no decorrer deste manual (folhas pré-textuais, as citações com mais que 3 linhas e notas explicativas);
  16. 16. 15d) margens conforme orientação da ABNT NBR 14.724/2011, p. 10, as margens estabelecidaspara elaboração de trabalhos acadêmicos são:Superior: 3 cm Inferior: 2 cmEsquerda: 3 cm Direita: 2 cmDicas de como programar o seu Word para as margens inferiores:Margem inferior - para ajustar a margem inferior, posicione o botão esquerdo do mouse àrégua situada à esquerda da tela do monitor de modo a confirmar se a última linha do textoestá a 2 cm da margem inferior. Aparecerá um pontilhado que permitirá a confirmação. Casonão esteja, posicione com o mouse o cursor na linha imediatamente acima e pressione asteclas Ctrl + a tecla (fechar chaves e fechar colchetes }]) para descer a informação, até quealcance os 2 cm da margem inferior. Para subir a informação pressione as teclas Ctrl + a tecla(abrir chave e abrir colchete { [ ), as teclas devem ser pressionadas quantas vezes foremnecessárias para o alinhamento a 2 cm, observe a posição das chaves e dos colchetes paracada operação.Obs: Para os trabalhos a serem apresentados pelos alunos do Curso de Direito, e de Letras, oinício do parágrafo poderá constar recuo de 2 cm da margem esquerda, e apenas 1 enterseparando um parágrafo do outro.Espaçamentos:a) Entrelinhas 1,5 exceto citações diretas com mais de três linhas e referências cujo oespaçamento deverá ser simples (1,0);b) Entre os parágrafos: um espaçamento, ou seja, uma linha não utilizada,c) Entre itens (seções): primários, secundários, terciários e etc. dois espaçamentos(número de linhas não utilizadas) ,d) Entre o item e o texto 1 espaçamento (número de linhas não utilizada)
  17. 17. 16Figura1 – Tela de Configuração de PáginaFonte: Microsoft Word 2007Figura 2 – Tela de Formação do Parágrafo/Espaçamento entre linhasFonte: Microsoft Word 2007
  18. 18. 17Figura 3 – Modelo de Formatação3 cm2 cm2 cm3 cm2 A ARTE DE ESCREVER2.1 SOBRE A ERUDIÇÃO E OS ERUDITOSSchopenhauer no séc.xix, traduzido por Sussekind (2006), discorre sobrequestões relacionadas a quantidade de informações disseminadas para osestudantes e a capacidade de assimilação e elaboração de conhecimentopara a formação destes indivíduos:Quando Observamos a quantidade e variedade dosestabelecimentos de ensino e aprendizado, assim como ogrande número de alunos e professores, é possívelacreditar que a espécie humana dá muita importância àinstrução e a verdade. Entretanto, nesse caso, as aparênciastambém enganam ( 2006).5 cmTimes, 12, negrito, maiúscula4 cmTimes,12, maiúsculaTimes,12, maiúscula /minúsculaTimes,11, maiúscula /minúscula2 espaçamentos de 1,5 entre os itens primário e secundário1 espaçamento de 1,5 entre o item e o textoEspaçamento entrelinhasde 1,5Espaçamento entrelinhassimples (1,0)
  19. 19. 18Paginação - com relação à paginação, só serão numeradas as páginas textuais a partir da 2ª(segunda) folha da introdução até as páginas que constarem as referências. As páginas pré-textuais (exceto capa) serão apenas contadas, mas não numeradas. A localização danumeração será na margem superior à direita.2.2 ILUSTRAÇÕESComo define a NBR 14.724/2011. p.11, em qualquer tipo de ilustração, sua identificaçãoaparece na parte superior, precedida da palavra designativa (figura, gráfico, mapa,organograma, planta, quadro, tabela, entre outros), seguida de seu número de ordem deocorrência no texto, em algarismos arábicos, travessão e do respectivo título em letramaiúsculo-minúscula. Após a ilustração, na parte inferior, indicar a fonte consultada(elemento obrigatório, mesmo que seja produção própria do autor), legenda, notas e outrasinformações necessárias à sua compreensão (se houver). A ilustração deve ser citada no textoe inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere.Para efeito de identificação, considerar para quadro uma única célula, para tabela a partir de 2células.As ilustrações que ultrapassem o tamanho correspondente a ½ A4 que comprometam aestética do trabalho deverão ser colocadas em apêndice ou anexo.Figura 4 – Exemplo de Identificação de IlustraçõesMapa 1 – Vale Histórico do CaféFonte: Inventário Turístico da Região do Vale do Café - Trabalho realizado porAcadêmicos de Turismo–UGB sob orientação da professora Ana Maria BastosSeraphin. Desenho: Anco Márcio
  20. 20. 192.3 RECURSOS LINGUÍSTICOSDurante a elaboração do trabalho técnico lança-se mão de expedientes linguísticos quecontribuem para eliminar repetições desnecessárias no texto - uso de siglas e abreviaturas,equações e fórmulas, memória de cálculo e tomada de decisão, Sistemas Internacionais deUnidades e recursos computacionais. Todos estes procedimentos estarão elencados, com suasdevidas especificações.2.3.1 Siglas e Abreviaturas:Quando aparece pela primeira vez deve-se descrever o seu significado por extenso,posteriormente deve-se mencionar apenas a sigla. Ao concluir o trabalho incluir uma folhapré- textual com as siglas e abreviaturas utilizadas no trabalho. Ver exemplo no item 2.5.1 (j)Folhas Pré Textuais, lista de Siglas e Abreviaturas. (NBR 14.724/2011)2.3.2 Equações e Fórmulas:A NBR 14724/2011 orienta que para facilitar a leitura de textos que contenham equações efórmulas, deve-se destacada-las do texto, alinhando-as à direita, obedecendo a sequencia dotexto. É permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seu expoente, índices, dentreoutros.Exemplos:X² + y² = z² (1)X² + y²Execução – As fórmulas devem ser apresentadas na forma literal, com indicação dosignificado de cada parâmetro e valores com respectivas unidades de valor.(ASSOCIAÇÃO..., p.11)/5 = n (2)
  21. 21. 202.3.3 Memória de CálculoDeve reproduzir os cálculos necessários à elaboração do trabalho, em uma sequência lógica.2.3.4 Tomada de DecisãoSempre que uma etapa de cálculo envolver tomada de decisão, como por exemplo, a seleçãode um material, a adoção de um fator qualquer, ela deverá vir obrigatoriamente acompanhadade explicação.2.3.5 Sistema de Unidades de ValoresÉ obrigatório o uso de Sistemas Internacionais de Unidades (SI). Casos especiais deverão serclaramente destacados ou convertidos para o SI (Dólar).2.3.6 Recursos ComputacionaisAs simulações, layout, programas e outros, caracterizados como recursos computacionaisconstituem parte integrante do trabalho, devendo as mídias acompanhar o trabalho enquantoanexos.2.4 NUMERAÇÃO PROGRESSIVAA numeração progressiva deve ser adotada enquanto recurso complementar e essencialpresente no texto, cujas diretrizes são estabelecidas pela NBR, 6024, deve “evidenciar asistematização do conteúdo do trabalho. Destacam-se gradativamente os títulos das seções,utilizando-se os recursos de negrito, itálico ou sublinhado e outros, no sumário e deforma idêntica no texto (grifos nossos).Para a enumeração dos capítulos ou seções do trabalho, adotar o seguinte critério:
  22. 22. 21Tabela 1 – Numeração ProgressivaPartes Elementos GrafiaPartes Principais ouPrimáriasExemplo:123Introdução,desenvolvimento eConclusãoDeverão ser escritos em maiúsculo,negrito, alinhados à margem esquerda,precedidos de numeração arábica,devendo iniciar-se em folha distinta,guardando um espaço de 8 cm damargem superior (3cm da formataçãopadrão mais 7 cm para identificaçãode parte principal).Obs: Entre o título do capítulo e otexto, aplicam-se 2 (dois) espaçosentre linhas (considerandoespaçamento 1,5)Partes SecundáriasExemplo:1.11.22.12.2Subseções Devem ser escritas em maiúscula, semnegrito, alinhadas à margem esquerda,precedidas de numeração decimal eseparadas por ponto (1.1; 1.2; 1.3 ...),seguindo a sequencia do capítulo namesma páginaPartes TerciáriasExemplo:Ex. 1.1.1;1.1.2;1.2.1 etc.Subseções Descrever em letra maiúsculo-minúscula, negrito, alinhada à margemesquerda, precedida de numeraçãocentesimal separada por ponto.Partes QuaternáriasExemplo:1.1.1.1;1.1.2.1;1.2.1.1;2.1.2.3 etc.Subseções Descreve-se em letra maiúsculo-minúsculas, sem negrito, alinhadas àmargem esquerda, precedida denumeração milesimal separada porponto.
  23. 23. 22Obs: “Na leitura oral não se pronunciam os pontos e não se utilizam ponto, hífen,travessão ou qualquer sinal após o indicativo de seção ou de seu título.” (NBR 6024,2002, p.20)ABNT, NBR 14724/11, “o projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho”. (2011,p.3). Desta forma, no que se refere à formatação de monografias, dissertações e teses terãoem suas seções primárias a seguinte configuração: Margem superior 3 cm + 6 marcações deparágrafo, considerando espaçamento entre linhas 1,5, conforme exemplo a seguir. Noentanto, o artigo técnico-científico não se insere nesta regra.Figura 5 – Modelo de Configuração de Seções PrimáriasFonte: Microsoft Office 2007 Word.Obs: Esta formação não se aplica em artigos técnicos científicos, ver item 4.2.2.5 CITAÇÃOCitação é um conjunto de elementos que identifica fontes utilizadas para se escrever um texto.Os elementos são: autor(es), ano, e o número da página quando é possível identificar.
  24. 24. 23Há casos em que o autor não é identificado, quando isto ocorrer, poder-se-á citar entreparênteses, a primeira palavra do título, em letras maiúscula, seguida de três pontinhos,vírgula e o ano em que a obra foi publicada.Ao se escrever sobre determinado tema/assunto, lança-se mão da produção intelectual dealguns autores, sejam estas informações textual ou ilustrativa. Citar a fonte consultada écondição obrigatória no processo de produção do trabalho técnico científico, pois, valida otexto do ponto de vista teórico e evita acusações de plágio. Portanto, lançou-se mão da NBR10.520/02, para apresentar as tipos de citações.2.5.1 Tipos de Citaçõesa) Citação Direta: cópia literal do texto. Há no entanto, critérios diferenciados quanto aforma de se fazer a citação dependendo do número de linhas contidas no texto.(a1) Citações diretas com até 3 (três) linhas: abre-se “aspas”, escreve-se o trecho no corpodo texto, fecha-se “aspas” e cita-se a fonte;Figura 6 – Modelo de Citação Direta com até de Três LinhasA comunicação científica é um documento elaborado quando oestudante/pesquisador submete seu objeto de investigação emeventos: congressos, encontros, jornadas, reuniões, simpósios e etc. eque posteriormente são publicados em anais e revistas. “Acomunicação deve trazer informações científicas novas, com certafrequência ser limitada em sua extensão, isto é não serlonga”.(LAKATOS, 2010, p 236).Espaçamento entrelinhassimples (1,5)Times,12, maiúscula /minúscula3 cm 2 cm
  25. 25. 24(a2) Citações diretas com mais de 3 (três) linhas, deve-se considerar a margem esquerdaregular de 3cm, fazer um recuo de 4 cm a partir da margem esquerda, estabelecerespaçamento linhas simples e fonte 11, conforme exemplo a seguir.Figura 7 – Modelo de Citação Direta com mais de Três LinhasCada ciência se torna então uma ciência particular, nosentido de ter um campo delimitado de pesquisa e ummétodo próprio. As ciências são particulares na medidaem que cada uma privilegia setores distintos darealidade: a física trata do movimento dos corpos; aquímica da sua transformação; a biologia do ser vivo,etc. (ARANHA; MARTINS, 2000, p.129)4 cm3 cmEspaçamento entrelinhassimples (1,0) Times,11, maiúscula /minúscula2 cmb) Citação Indireta: apóiam-se na ideia do autor, os parágrafos são formulados com base naleitura realizada, elabora-se considerações, mas não a cópia da informação, deve-se citar afonte, ou seja, o autor da obra consultada e o ano em que foi escrita.Figura 8 – Modelo de Citação IndiretaSchopenhauer destaca a relevância de se escrever com zelo paranossos leitores, pois a maneira displicente confessa que o autor nãodeu o devido valor a produção do seu texto. (Schopenhauer, 2006)Espaçamento entrelinhassimples (1,5) Times,12, maiúscula /minúscula3 cm 2 cm
  26. 26. 25c) Citação de Citação: “citação direta ou indireta de um texto que não se teve acesso aooriginal. Utiliza-se o recurso do apud = citado por.Figura 9 – Modelo de Citação de CitaçãoJapiassu (1976) apud Libâneo (2001, p.31) aponta que a característicacentral da interdisciplinaridade como a possibilidade de incorporar osresultados de várias especialidades “tomando-lhes de empréstimoesquemas conceituais de análise, instrumentos e técnicasmetodológicas” com a finalidade é integrá-los após compará-lo ejulgá-lo.Espaçamento entrelinhassimples (1,5)Times,12, maiúscula /minúscula3 cm 2 cm2.5.2 Formatação de CitaçõesA formatação das citações podem se dar de mais de duas maneiras, autor/data ou em nota derodapé. As quais podem ser identificadas na tabela 4.Tabela 2 – Exemplos de Formatação de CitaçõesFORMAS DE ELABORAR CITAÇÕESAUTOR/DATANeste tipo de citação, de acordo com aABNT/NBR 6023/2002. O sobrenome doautor citado pode fazer parte do parágrafo,cf. exemplos abaixo:Exemplos:O autor fazendo parte do parágrafo:NOTA DE RODAPÉAs notas de rodapé1como o nome informa,localiza-se no rodapé da folha. A numeraçãoé aposta subscrita acima do nome que se querreferenciar o qual pode ser: SOBRENOME,Autor. Título, ed. e ano); crédito dos autoresem se tratando de artigo científico, ou umanota explicativa sobre o uso de determinadapalavra ou expressão.
  27. 27. 26Schopenhauer, (2006), destaca a relevânciade o autor ter afinidade com o tema ecapricho ao produzir um texto, porque emsua opinião esta é a forma sublime deexpressão que porá a prova todo o tipo deobservação, que desvendará uma parte dequem o produziu.O autor após o parágrafo:Ao se tratar de liderança, abre-se umadiscussão, por meio de exemplos relativos asituações que diferenciam o líder que pensae o que processa, esta analogia impõe umareflexão sobre o líder que se é e o que sepretende ser. (PERUZZO, WATANABE,2008, p. 101-109)_________________1A nota de rodapé terá o número sobrescritoe a informação estará contida literalmente norodapé da página, como neste exemplo.Poderá também, ser uma nota de rodapéreferencial, como exemplo abaixo:CARDOSO, Ciro Flamarion. América Pré-Colombiana. São Paulo: Brasiliense, 1981.Obs: A nota de rodapé também é utilizadacomo recurso para notas explicativas, ouseja, utilizadas para esclarecimentos,comentários, ou explanações de modo apermitir maiores esclarecimentos ao texto.2.6 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICOA estrutura dos trabalhos acadêmicos como preconiza a NBR 14.724/2011, compreende osseguintes elementos: pré-textuais, textuais e pós-textuais.
  28. 28. 27Quadro 1 - Estrutura do Trabalho AcadêmicoPRÉ-TEXTUAISCapa (obrigatório)Folha de Rosto (obrigatório)Folha de Aprovação (obrigatório)Dedicatória (opcional)Agradecimento (opcional)Epígrafe (opcional)Resumo em língua vernácula (obrigatório)Resumo em língua estrangeira (obrigatório)Lista de ilustrações (opcional)Lista de tabelas (opcional)Lista de abreviaturas e siglas (opcional)Lista de Símbolos (opcional)Sumário (obrigatório)TEXTUAISIntroduçãoDesenvolvimentoConclusão ou Considerações FinaisPÓS-TEXTUAISReferênciasApêndice(s)Anexo(s)Índice2.6.1 Folhas Pré-TextuaisAs Folhas Pré-textuais, é a parte que antecede o texto com informações que ajudam naidentificação do trabalho. São contadas mas não numeradas. A contagem inicia-se a partir dafolha de rosto.
  29. 29. 28a) CapaA capa deverá ser simples, incolor e não apresentar desenhos ou ilustrações. Segundo aABNT, NBR 14.724, p. 2. “A capa é uma proteção externa do trabalho, sobre a qual seimprimem as informações indispensáveis a sua identificação”.Tabela 3 – Critérios para Formatação da CapaITEM FORMATAÇÃONome da InstituiçãoTimes New Roman (Times), maiúscula, sem negrito, tamanho14 centralizadoInstituto a que pertence Times, maiúscula, sem negrito, tamanho 14 centralizadoCurso Times, maiúscula, sem negrito, tamanho 14 centralizadoTítulo Times, maiúscula, negrito, tamanho 16 centralizadoSubtítulo Times, maiúscula/minúscula, negrito, tamanho 16 centralizadoAutorTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 14centralizadoCidade/Unidade FederativaTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 14centralizadoAnoTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 14centralizado
  30. 30. 29Figura 10 – Modelo de CapaCENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASEFUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTELINSTITUTO ...CURSO ...TÍTULOSubtítulos1º Autor (até 3)2º Autor3º AutorCidade/RJAno3 cm2 cm7 espaçamentos de 1,5 entre o cabeçalho e o título2 espaçamentos de 1,5 entre o título e os autoresTimes,14, maiúscula /minúsculaTimes,14, sem negritomaiúscula / minúsculaTimes,16, negrito,maiúscula / minúsculaTimes, 16, negrito,maiúscula2 cm3 cmTimes, 14, maiúscula9 espaçamentos de 1,5 entre o 3º autor e a cidadeEspaçamento entrelinhassimples (1,0)Monografias e Artigos Técnicos, que configurarem como TCC, após correção, os queobtiverem nota a partir de 9,0 (nove), o coordenador deverá entregar na biblioteca, 1 cópia naversão definitiva em arquivo pdf, salva em DVD, com etiqueta de identificação do conteúdosemelhante às informações contidas na capa, bem como o resumo do conteúdo no verso.
  31. 31. 30b) Folha de RostoA folha de rosto deve conter os elementos essenciais à identificação do trabalho.Considerar as orientações de fonte, mencionadas para a capa, porém observar os demais itensque compõem a folha de rosto.Tabela 4 – Critérios para Formatação da Folha de RostoITEM FORMATAÇÃONome da Instituição Times, maiúscula, sem negrito, tamanho 14 centralizadoInstituto a que pertence Times, maiúscula, sem negrito, tamanho 14 centralizadoCurso Times, maiúscula, sem negrito, tamanho 14 centralizadoTítulo Times, maiúscula, negrito, tamanho 16 centralizadoSubtítulo Times, maiúscula/minúsculo, negrito, tamanho 16 centralizadoEmentaSua configuração se dará por meio de um recuo de 11 cm, ouseja 3 cm da margem esquerda + 8 cm (observe a régua queaparece acima da margem superior). O inicio do ementáriodeverá estar na direção do número 8 na régua superior.Maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12 justificado,com espaçamento entre linhas simples.Cidade/UnidadeFederativaTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 14centralizadoAnoTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 14centralizadoEntende-se por ementa, um apontamento sobre a que o trabalho se refere, como apresentadono exemplo a seguir:
  32. 32. 31Figura 11 – Modelo de Folha de RostoCENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASEFUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTELINSTITUTO ...CURSO ...TÍTULOSubtítulosCidade/RJAno3 cm2 cm7 espaçamentos de 1,5 entre o cabeçalho e o título3 espaçamentos de 1,5 entre o subtítulo e o ementárioTimes,14, maiúscula /minúsculaTimes,16, negrito,maiúscula / minúsculaTimes,16, negrito,maiúscula2 cm3 cmTimes,14, maiúscula8 cmMonografia elaborado(a) pelo(a) aluno(a) ....,apresentada ao curso de arquitetura e urbanismocomo parte dos requisitos necessários à obtençãodo título de bacharel em Arquitetura eUrbanismo, sob a orientação do(a) Prof.(a)Times,12, maiúscula /minúsculaEspaçamento entrelinhassimples (1,0)Espaçamento entrelinhassimples (1,0)
  33. 33. 32c) Folha de AprovaçãoElemento Obrigatório. Deve ser inserida após folha de rosto, sua composição deve conter asseguintes informações e formato:Tabela 5 – Critérios para Formatação da Folha de AprovaçãoITEM FORMATAÇÃOTítulo Times, maiúscula, negrito, tamanho 14 centralizadoSubtítulo Times, maiúscula/minúsculo, negrito, tamanho 14 centralizadoAutorTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12centralizado (até três autores)EmentaTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12justificadoAprovado porTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12centralizadoProfessor OrientadorTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12centralizadoProfessores da BancaTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12centralizadoMédiaTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12centralizadoCidade/Unidade FederativaTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12centralizadoAnoTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12centralizado
  34. 34. 33Figura 12 – Modelo de Folha de Aprovação com Banca ExaminadoraTITULOSubtítuloAutorMonografia apresentada ao curso de arquitetura e urbanismo como parte dosrequisitos necessários à obtenção do título de bacharel em Arquitetura eUrbanismo, sob a orientação do(a) prof ....Aprovado(a) por:____________________________________________Titulação/Nome/ InstituiçãoOrientador(a)____________________________________________Titulação/Nome/Instituição____________________________________________Titulação/Nome/ Instituição____________________________________________Titulação/Nome Instituição___________________GrauCidade/RJAnod) DedicatóriaFolha opcional, sua localização é após a folha de aprovação.3 cm2 cm3 cm2 espaçamentos de 1,5 entre o título e o(s) autor(es)ementário2 espaçamentos de 1,5 entre o(s) autor(es) e o ementárioTimes,14, negrito,maiúscula / minúsculaTimes,14, negrito,maiúsculaTimes,12, maiúscula /minúsculaEspaçamento entrelinhassimples (1,0)Espaçamento entrelinhassimples (1,0) 2 cmEspaçamento entrelinhasde 1,5
  35. 35. 34Tabela 6 – Critérios para Formatação da Folha de DedicatóriaITEM FORMATAÇÃOTextoTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12 justificado, localizado naparte inferior da página, um recuo de 8 cm, ou seja 3 cm da margem.Figura 13 – Modelo de Folha de Dedicatória (opcional)3 cm2 cm5 cmDedico o presente trabalho a todos aquelescontribuíram em minha caminhada acadêmica, estãoao meu lado nos momentos em que mais precisei.Times,12, maiúscula /minúscula2 cm3 cmEspaçamento entrelinhasde 1,5
  36. 36. 35e) AgradecimentoElemento opcional. Os autores que desejarem fazer agradecimentos há duas possibilidades deformatação, a primeira quando o agradecimento for extenso e outra quando o conteúdo forcurto conforme demonstrado nos exemplos a seguir:Tabela 7 – Critérios para Formatação de Folha de Agradecimento (estendido)ITEM FORMATAÇÃOPalavra: Agradecimento Times, maiúscula, sem negrito, tamanho 12 centralizadoTextoTimes, maiúscula, sem negrito, tamanho da fonte 12justificadoTabela 8 – Critérios para Formatação de Folha de Agradecimento (curto)ITEM FORMATAÇÃOTextoTimes, maiúscula sem negrito, tamanho da fonte 12justificado, localizado na parte inferior da página, com recuode 8 cm ou seja, 3 cm da margem + 5 cm a partir da margemesquerda.
  37. 37. 36Figura 14 – Modelo de Folha de Agradecimento (estendido)AGRADECIMENTOAos pais pela dedicação;Aos companheiros pela compreensão das ausências;Aos filhos pelo afeto incondicional;Aos amigos pelo companheirismo;A todos que direta ou indiretamente contribuíram com a realização deste.3 cm2 cm2 cm3 cm2 espaçamentos de 1,5 entre a palavra “Agradecimento” e o textoTimes,12, maiúscula /minúsculaTimes,12, maiúsculaEspaçamento entrelinhasde 1,5
  38. 38. 37Figura 15 – Modelos de Folha de Agradecimento (curto)3 cm2 cm5 cmAgradeço aos meus pais pela dedicação eempenho, aos amigos pelo apoio e a todos quedireta ou indiretamente contribuíram pararealização deste trabalho.Times,12, maiúscula /minúscula2 cm3 cmEspaçamento entrelinhasde 1,5f) AgradecimentoElemento opcional. Deve-se indicar a fonte, ou seja o autor da frase, seguindo a orientação daNBR 10.520 – Citações (Ver item 2.4 deste manual).
  39. 39. 38Figura 16 – Modelo de Folha de Epígrafe (opcional)3 cm2 cm“Não há saber mais ou saber menos: Há saberesdiferentes”Paulo FreireTimes,12, maiúscula /minúscula2 cm3 cmEspaçamento entrelinhasde 1,55 cmg) Resumo (Obrigatório)O resumo deve apresentar a síntese do conteúdo para que o leitor possa avaliar o quão seráinteressante a leitura do trabalho. Portanto aconselha-se que o resumo seja do tipo
  40. 40. 39informativo, ou seja, tenha: parte introdutória, objetivo(s), metodologia e resultados doestudo/pesquisa. Devendo aparecer na língua vernácula e em outro idioma (sugere-se oinglês) NBR 6028.Em monografias, dissertações e teses, torna-se relevante o resumo vir precedido da referênciabibliográfica do documento. Lembre-se da configuração das margens: superior e esquerda 3cm, direita e inferior 2 cm, a palavra resumo centralizada em negrito espaçamento entre linhassimples justificado. O resumo deverá ser do tipo informativo, composto por parteintrodutória, objetivo(s), metodologia e resultados. As palavras-chave são elementosobrigatórios que representa o conteúdo do texto, por meio de palavras as quais podem sersimples ou composta, em termos de quantidade poderá ser no mínimo 3 e no máximo 6palavras. NBR 6028, ver formatação e modelo a seguir.Tabela 9 – Critérios para Formatação da Folha de ResumoITEM FORMATAÇÃOReferências Ver item 2.6.3, letra aTermo: Resumo Times, maiúscula, negrito, tamanho 12 centralizadoTextoTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12justificado com espaçamento simplesTermo: Palavras Chaves Times, maiúscula/minúscula, negrito, tamanho 12 justificadoPalavras ChavesTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12justificado
  41. 41. 40Figura 17 – Modelo de Folha de Resumo em Monografias, Dissertações e TesesCONCEIÇÃO, Luana da Silva. A importância da governançacorporativa para as empresas brasileiras no mundo globalizado:comparação entre o IGC e o Ibovespa. 2011. 50 f. Monografia(Bacharelado em Ciências Contábeis) – Instituto de Ciências Sociais eHumanas. Centro Universitário Geraldo Di Biase, Volta Redonda/RJ,2011.RESUMOO processo de globalização desenvolveu-se potencialmente nas últimasdécadas, o que contribuiu para que as empresas se tornassem maiscompetitivas e dependentes de ferramentas que auxiliem sua gestão suagestão a fim de obter um melhor desempenho e sobrevivência no mercado.A governança corporativa é uma ferramenta de suma importância para odesenvolvimento do mercado de capitais, o qual foi abalado pelosescândalos corporativos provenientes de corrupções em grandes empresasdos Estados Unidos da América. Por essa e outras razões este trabalhoteve por objetivo geral analisar as razões que tornaram a governançacorporativa, ferramenta imprescindível para as empresas brasileiras decapital aberto nos dias de hoje, e como objetivos específicos foram:diferenciar o IGC do Ibovespa; realizar uma análise comparada dessesíndices das empresas praticantes da governança corporativa, demonstrandoque estas obtêm melhor desempenho em relação as demais companhiasbrasileiras de capital aberto. Para elaboração deste estudo foi realizadopesquisa exploratória que incluiu revisão de literatura e estudo de caso dosfechamentos mensais do índice de ações com Governança CorporativaDiferenciada com relação ao Índice Bovespa. O estudo apontou que asboas práticas de governança maximizam o desempenho destas empresas, eatravés da análise gráfica é possível perceber a importância que agovernança corporativa conquistou para os investidores e empresáriosbrasileiros.Palavras-chave: governança corporativa, índice de ações com governançacorporativa diferenciada, Índice Bovespa e companhia de capital aberto.OBS: ABSTRACT – Resumo em língua inglesa, deverá ter a mesmaformatação do resumo em língua portuguesa e ocupar a folha seguinte2 cm3 cm2 cm3 cmEspaçamento entrelinhassimples
  42. 42. 41h) Lista de Ilustrações (opcional)Segundo a NBR 14.724, p. 8, a Lista de Ilustrações é um elemento opcional. Portando o autordeve avaliar a necessidade de utilizá-la compreendendo que é um elemento importante paraorientação e esclarecimento sobre o conteúdo. Deve ser elaborado de acordo com a ordemapresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, travessão, título erespectivo número de folha ou página. Quando necessário recomenda-se lista própriapara cada tipo de ilustração ou seja, (desenhos, esquemas, fluxograma, fotografias,gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros retratos e outros). Grifos nossos.Na lista de ilustrações você deverá listar todas as ilustrações com exceção das tabelas, asquais deverão estar listadas separadamente conforme orientação da NBR 14.724/2011, p. 8.Tabela 10 – Critérios para Formatação de Lista de IlustraçõesITEM FORMATAÇÃOTermo: Lista de Ilustrações Times, maiúscula, negrito, tamanho 12 centralizadoListaTimes, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12justificado
  43. 43. 42Figura 18 – Modelo de Lista de IlustraçõesLISTA DE ILUSTRAÇÕES3 cm2 cm2 cm3 cmTimes,12, negrito,maiúsculaTimes,12, maiúscula /minúsculai) Lista de TabelasDe acordo com NBR 14.724/2011, p. 8, a Lista de Tabelas é elemento opcional, deve ser“elaborada de acordo com a ordem em que as tabelas aparecem no texto, com cada itemdesignado com seu termo específico, acompanhado do respectivo número da folha oupágina”.
  44. 44. 43Tabela 11 – Critérios para Formatação de Lista de TabelaITEM FORMATAÇÃOTermo: Lista de Tabela Times, maiúscula, negrito, tamanho 12 centralizadoLista Times, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12 justificadoFigura 19 – Modelo de Lista de TabelasLISTA DE TABELAS3 cm2 cm2 cm3 cmTimes,12, negrito,maiúsculaTimes,12, maiúscula /minúscula
  45. 45. 44j) Lista de Abreviaturas e SiglasRelação que identifica as siglas e abreviaturas que apareceram no texto. Organizar as siglasalfabeticamente, ver item 2.3.1 .Tabela 12 – Critérios para Formatação da Lista de Siglas e AbreviaturasITEM FORMATAÇÃOTermo: Lista de Tabela Times, maiúscula, negrito, tamanho 12 centralizadoLista Times, maiúscula/minúscula, sem negrito, tamanho 12 justificadoFigura 20 – Modelo de Lista de Siglas e Abreviaturas3 cm2 cm3 cm2 cmTimes,12, negrito,maiúsculaTimes,12, maiúscula /minúscula
  46. 46. 45l) SumárioElemento obrigatório, entendido como plano, resumo ou esqueleto do trabalho. Nãopaginado. Abrange todo o trabalho. Comporta os títulos das diversas partes do trabalho e asprincipais divisões dispostas exatamente como aparecem no texto.A palavra “sumário” deverá aparecer em letra maiúscula, centralizada a 3 três centímetros damargem superior e em negrito.Tabela 13 – Critérios para Formatação de SumárioITEM FORMATAÇÃOTermo: Sumário Times, maiúscula, negrito, tamanho 12 centralizadoLista Mesma formatação que dos itens no corpo do documento
  47. 47. 46Figura 21 – Modelo de SumárioREFERÊNCIAS _____________________________________________________ 303 cm2 cm2 cm3 cmTimes,12, negrito,maiúsculaMesma formatação que dositens no corpo do documento
  48. 48. 472.6.2 Folhas TextuaisVale informar que de acordo com a NBR 14724/11, os elementos textuais constituem as 3 trêspartes principais do conteúdo: Introdução, desenvolvimento e conclusão.a) IntroduçãoParte inicial do texto, que deve constar: delimitação do tema, ou seja revisão teórica que situao leitor no estado atual da questão, também denominado estado da arte, o objeto deinvestigação, o problema: problemática (questão motivadora que norteou ainvestigação/estudo), a relevância do estudo e os objetivos.Silva, (2012) explica que “a introdução se trata de um mapa do que o leitor vai encontrar nocorpo do texto”, deverá ser revista ao final da produção textual para ajustes ou adequação deseu conteúdo.b) DesenvolvimentoParte principal que deve conter a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Divide-seem seções e subseções que variam em função da abordagem do tema.c) ConclusãoParte final do texto em que é apresentada a comprovação fundamentada das principaiscontribuições trazidas pela pesquisa e as sugestões para novos estudos. É importante queapresente:a) essencialidade - interpretação dos argumentos principais;b) brevidade - deverá ser breve, exata, firme e convincente;c) personalidade - deverá definir o ponto de vista do autor.
  49. 49. 482.6.3 Elementos Pós-TextuaisSão elementos complementares ao texto, a exemplo: as Referências, Apêndice(s), Anexo(s) eÍndicea) Referências (Obrigatórias)A NBR 6023, utiliza o termo “Referências para designar o conjunto padronizado deelementos descritivos retirados de um documento, que permite sua identificaçãoindividual”. O documento é definido “como qualquer suporte que contenha informaçãoregistrada, formando uma unidade, que possa servir para consulta, estudo ou prova.Inclui impressos, manuscritos, registros audiovisuais, sonoros, magnéticos eletrônicosdentre outros”. Entende-se ser este o motivo do uso da palavra REFERÊNCIA e nãoBIBLIOGRAFIA. (ASSOCIAÇÃO..., 2002, p. 2, grifos nosso)Quanto a formatação, a palavra REFERÊNCIAS, esta deve aparece à esquerda, junto àmargem superior, em maiúsculo e negrito, seu conteúdo é elencado à margem esquerda, emordem alfabética, espaçamento simples e espaçamento duplo entre elas. A descrição do autorpoderá se tanto pela forma por extenso, ex: CARDOSO, Ciro Flamarion quanto na formaabreviada ex: CARDOSO, C. Com relação aos nomes das editoras não mencionar S/A ouou Ltda.Obs: o uso do termo mimeo, ao final da referência é utilizado quando o documento não foieditado, ou seja publicado em uma editora, mas que foi importante para a composição dotrabalho. Pode-se citar como exemplo o uso de apostilas, impressos etc.Exemplo:CENTRO UNIVESITÁRIO GIERALDO DI BIASE. Biblioteca Central. Regulamento dasBibliotecas do UGB. Volta Redonda/RJ, 2012. mimeo1Deve-se estar atentos para ordem dos elementos, pontuação e o item grifado (ou seja, queaparecem em negrito), pois diferem de acordo com o tipo de documento.1mimeo – textos que não foram publicados por editoras - ex: apostilas regimentos, regulamentos etc.
  50. 50. 49A seguir, serão apresentados exemplos de como proceder o registro de obras no trabalhoacadêmico:Tabela 14 – Exemplos de Formas de Registro de Obras de Autor PessoalAUTOR PESSOALSITUAÇÃO FORMA DE REGISTROConvencional Marcelo Peruzzo = PERUZZO, Marcelo.Autor Seguido de Grau de Parentesco(Filho, Junior, Neto Sobrinho)Alexandre Assaf Neto = ASSAF NETO, AlexandreNaomar de Almeida Filho = ALMEIDA FILHO,Naomar de Rafael de Almeida Vieira Filho =VIEIRA FILHO, Rafael de Almeida.Sobrenomes de origem Italiana ealemã a preposição antecede osobrenome(Italiana)Maria Sylvia Di Pietro = DI PIETRO, Maria Sylvia(Alemã)Marcos Von Sperling = VON SPERLING, Marcos.Obras com até 3 autores descreve-seos três separando-os por ponto evírgula (;)DIDIER JUNIOR, Fredie; BRAGA, Paula Sarno;OLIVEIRA, Rafael.Obras com mais de 3 AutoresQuando todos são autores da obra naíntegra. Coloca-se o primeiro, seguidoda expressão et al.Amaury Patrick Gremaud (e outros) = GREMAUD,Amaury Patrick et al.Obra com vários autores, mas cadaautor responde por um capítulo.Descreve-se o nome do autor docapítulo utilizado, seguido do título docapítulo, seguido da expressão In:Autor que organizou a obra (caso aobra tenha organizadores oucoordenadores, deve-se atribuir adevida qualificação ao autor de formaabreviada.Organizador (org.) seguido de ponto e do Título daobra.FERNANDES, Nelson Ferreira; ALMEIDA, JúlioCésar Horta de. Processos endogenéticos naformação do relevo. In: CUNHA, Sandra Baptista;GUERRA, Antonio José Teixeira (org.).Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações.Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1996. p. 57-92ORTIZ, Fátima Grave. Serviço Social e ética: a
  51. 51. 50constituição de uma imagem social renovada. In:FORTI, Valéria; GUERRA, Yolanda (org.). Ética eDireitos: ensaios críticos. 3. ed. Rio de Janeiro:Lúmen Júris, 2011.Tabela 15 – Exemplos de Formas de Registros de Obras de Autor EntidadeAUTOR ENTIDADE“As obras de responsabilidade de entidade (órgãos governamentais, empresas, associações,congressos, seminários etc.) têm entrada, de modo geral, pelo seu próprio nome, porextenso”. (NBR 6023/2002, p. 14-15)AUTOR REFERÊNCIAAssociação Brasileira de NormasTécnicasASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMASTÉCNICAS. NBR 6023: informação edocumentação: referências: elaboração: Rio deJaneiro, ago 2002.Centro Universitário Geraldo DiBiase.CENTRO UNIVESITÁRIO GERALDO DI BIASE.Biblioteca Central. Regulamento das Bibliotecasdo UGB. Volta Redonda/RJ, 2012. mimeoFundação Educacional RosemarPimentelFUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMARPIMENTEL. Memórias: 45 anos da FundaçãoEducacional Rosemar Pimentel. Volta Redonda/RJ:FERP, 2012.Denominação Genérica: Quando aentidade tem uma denominaçãogenérica, seu nome é precedido pelonome do órgão superior, ou pelo nomeda jurisdição geográfica a qualpertence.SÃO PAULO (Estado). Secretaria do MeioAmbienteBRASIL. Ministério da Justiça.
  52. 52. 51Tabela 16 – Exemplos de Formas de Registros de Obras de Autor DesconhecidoAUTOR DESCONHECIDO“Em caso de autoria desconhecida, a entrada é feita pelo título, descrevendo a primeirapalavra em letra maiúscula” (NBR 6023/2002, p.15)AUTOR REFERÊNCIADesconhecido DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. SãoPaulo: Câmara Brasileira do Livro, 1993, 64 p.DATAS DESCONHECIDASDATA REFERÊNCIAAno Provável [201-?]Década Provável [199-?]Século Provável [19--?]Obs: Texto de sites que não tem data, fazer uso da data de acesso.A seguir serão apresentados alguns quadros com duas colunas onde estarão contidas asseguintes informações. Primeira coluna como referenciar uma obra de acordo com seu tipo eao lado na segunda coluna tem-se a orientação de como citar a referida obra no corpo dotexto.Tabela 17 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Livros)LIVROSSOBRENOME DO (A) AUTOR (A), Prenome. Título: subtítulo. Local: Editora, ano.(Somente o título é grifado)Nº DEAUTORESREFERÊNCIA CITAÇÃO NO TEXTO1OLIVEIRA, Irene Rodrigues. Missão Cooke:Estado Novo e a implantação da CSN. VoltaRedonda/RJ: E-papers, 2003.No corpo do texto:Oliveira (2000, p. 32 )No fim do parágrafo:(OLIVEIRA, 2000, p.32.)
  53. 53. 521 a 3SHIROMA, Eneida Oto; MORAES,Maria 0; EVANGELISTA, Olinda.Política educacional. Rio de Janeiro: DP&A,2000. 140 p.No corpo do Texto:Shiroma; Moraes;Evangelista, (2000, p. 16)apontam que ...No fim do parágrafo:(SHIROMA; MORAES;EVANGELISTA, 2000, p.16)+ de 3BRAGA, Benedito [et al.]. Introdução àengenharia ambiental: o desafio dodesenvolvimento sustentável. São Paulo:Pearson - Prentice Hall, 2009. 318 p..No corpo do Texto:Braga et al,(2009) apontam arelevância dodesenvolvimento sutentável.No fim do parágrafo:O desenvolvimentosustentável se apresentaenquanto alternativa parminimizar os danosprovocados na natureza.Obs: Um autor com diferentes obras, deve ser mencionado da seguinte forma: a referênciacompleta relativa ao autor na primeira vez que aparece, e nas demais, ao invés de repetir onome do autor, colocar ________. (8 traços (anderline) e ponto) a seguir o título e demaiselementos que compõem a referência como no modelo a seguir:BARROS, Aidil de Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos demetodologia científica: um guia para iniciação científica. 2. ed. ampl. São Paulo: MakronBooks, 2000._______. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.Tabela 18 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Periódicos)PERIÓDICOSRevistas Jornais (Grifar somente o Título do Periódico quando utilizado parte)NO TODOTÍTULO DA REVISTA. Local: Instituição, ano da 1ª edição – reticências se a revista aindaestá sendo publicada, descreve-se a periodicidade.
  54. 54. 53EM PARTESOBRENOME DO AUTOR, Nome. Titulo do Artigo. Título do Periódico. Local, ano,(quantos anos o periódico vem sendo publicado) volume, número, página inicial e páginafinal do artigo, mês, ano.REFERÊNCIA CITAÇÃOMALAKOFF, David. Deep-sea moutaineering. Science.New York. v. 301, n. 5636, p.1034-1037, aug. 2003.MORA JUNIOR, Carlos Henrique; LIMA, Edmilson.Descontinuidade de programas Seis Sigma: um estudocomparativo de casos. REGE – Revista de Gestão. SãoPaulo. V. 18, n. 4, p.639-658, out./dez., 2011.DIRETOR da Harvard apresenta biblioteca digital gratuita.Folha de São Paulo, São Paulo, 30 maio 2012.No corpo do texto:De acordo com Malakoff,(2003, p. 1032) a compreensãodo fenômeno...No fim do parágrafo:O texto desenvolvido noformato de citação direta ouindireta ponto. (MALAKOFF,2003)No corpo do texto:Moura Junior, Lima (2011)discutem os programas SeisSigma por meio decomparações...No fim do parágrafo:Escreve-se um parágrafo com ainterpretação do conteúdo oufaz-se uso da citação direta.(MORA JUNIOR; LIMA,2011, p. 641)No corpo do texto:Diretor (2012) faz uma análisesobre a mudança de suportesda informação nas bibliotecas,destacando as bibliotecasdigitais.No fim do parágrafo:Nas últimas décadas asbibliotecas vêm passando poraceleradas mudanças, dentreelas a possibilidade de oferecerinformações no formato digital(DIRETOR..., 2012,)
  55. 55. 54Tabela 19 – Modelo de referências e sua respectiva citação (Eventos)EVENTOSCongressos, Encontros, Reuniões, Proceedings, Seminários, WorkshopNO TODOTÍTULO DO EVENTO, Número, ano, Local. Formato de apresentação dos trabalhos...Local, ano.REFERÊNCIAS CITAÇÕESCONGRESSO BRASILEIRO DE MICROBIOLOGIA, 21,2001, Foz do Iguaçu. Resumos... Foz do Iguaçu, 2001.Raramente se fará uso detodos os trabalhosapresentados no congresso,normalmente utiliza-sedocumentos que fizeramparte do evento. Osexemplos são apresentadosabaixo.EM PARTESOBRENOME DO(S) AUTOR(ES), Nome(s). Título do trabalho apresentado. In: NOMEDO EVENTO EM LETRAS MAIÍSCULAS, Número do Evento, ano, Local. Formato deapresentação do trabalho... Local, Editor, ano. Páginas do trabalho.REFERÊNCIAS CITAÇÕESNEVES, Marcos Fava; BIALOSKORSKI NETOSigismundo; SCARE Roberto Fava (Editor). Instituições,Eficiência, Gestão e Contratos no Sistema Agroindustrial. In:CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DEECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL 43. RibeirãoPreto/SP: FEARP/USP . Anais... Ribeirão Preto/SP:FEARP/USP, 2005.No corpo do texto:Neves; Bialoskorski Neto;Scare (2005) apontam que...No fim do parágrafo:Elaborar texto apoiado naideia do autor ou fazercitação direta, seguida darespectiva fonte consultada.(NEVES; BIALOSKORSKINETO; SCARE, 2005)
  56. 56. 55Tabela 20 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Monografia)MONOGRAFIAModalidade de Trabalho de Conclusão de CursoSOBRENOME DO(A) AUTOR(A), Prenomes. Título do Trabalho: subtítulo se houver. Ano,n. de folhas seguido da abreviatura f. Monografia (Qualificação a que se submete) – Instituto,Universidade, Local, ano.REFERÊNCIAS CITAÇÕESCONCEIÇÃO, Luana da Silva. A importância dagovernança corporativa para as empresas brasileiras nomundo globalizado: comparação entre o IGC e o Ibovespa.2011. 50 f. Monografia (Bacharelado em Ciências Contábeis)– Instituto de Ciências Sociais e Humanas. CentroUniversitário Geraldo Di Biase, Volta Redonda/RJ, 2011.No corpo do texto:A comparação entre osíndices IGC e Ibovespaapontados por Conceição(2011, p. ), apontaram que....No fim do parágrafo:Texto produzido, seguido dafonte que subsidiou ainformação. (CONCEIÇÃO,2011, p. 38 )Tabela 21 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Dissertação)DISSERTAÇÃOModalidade de Trabalho para obtenção do título de MestreSOBRENOME DO(A) AUTOR(A), Prenomes. Título do Trabalho: subtítulo se houver.Ano, n. de folhas seguido da abreviatura f. Dissertação (Qualificação a que se submete) –Instituto, Universidade, Local, ano.REFERÊNCIAS CITAÇÕESMOREIRA Andrea Auad. Barra Mansa: imagens eidentidades urbanas. 2002. 185 f. Dissertação (Mestrado) –Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federaldo Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 2002.No corpo do texto:Como destaca Moreira(2002, p. ) a cidade deBarra Mansa constrói suaidentidade apoiada ....
  57. 57. 56No fim do parágrafo:Texto produzido, seguido dafonte que subsidiou ainformação. (MOREIRA,2002, p. 28 )Tabela 22 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Tese)TESEModalidade de Trabalho para obtenção do título de DoutorSOBRENOME DO(A) AUTOR(A), Prenomes. Título do Trabalho: subtítulo se houver.Ano, n. de folhas seguido da abreviatura f. Tese (Qualificação a que se submete) – Instituto,Universidade, Local, ano.REFERÊNCIAS CITAÇÕESSILVA, Leonardo Duarte Batista da. Evapotranspiração doCapim Tanzânia e Grama Batatais Utilizando o Métododo Balanço de Energia e Lisímetro de Pesagem.2003. 93 f.Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo,Piracicaba/SP, 2003. 93f.No corpo do texto:Segundo Silva (2003, p.37 )....No fim do parágrafo:Texto produzido, seguido dafonte que subsidiou ainformação. (SILVA, 2003,p. 37 )Tabela 23 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Jurídico)DOCUMENTO JURÍDICOInclui legislação, jurisprudência (decisões judiciais) e doutrina (interpretação dos textoslegais).“Elementos essenciais: jurisdição (ou cabeçalho da entidade), no caso de se tratar denormas), título, numeração, data e dados da publicação. No caso de Constituições e suasemendas, entre o nome da jurisdição e o título, acrescenta-se a palavra Constituição, seguidado ano de promulgação, entre parênteses”. (NBR 6023, p. 8)
  58. 58. 57REFERÊNCIAS CITAÇÕESBRASIL. Código civil. São Paulo: Saraiva, 2003.BRASIL. Constituição (1988). Constituição da RepúblicaFederativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Subsecretariade Edições Técnicas, 2001. 403 p.Obs: Quando necessário, acrescenta-se elementoscomplementares à referência para melhor identificar odocumento.BRASIL. Portaria n. 1.920 de 3 de junho de 2005. AprovaEstatuto do Centro Universitário Geraldo Di Biase e seu planode desenvolvimento institucional. Diário Oficial [da]República Federativa do Brasil, Brasília-DF, 6 jun., 2005.Seção 1. p. 11No corpo do texto:Brasil, (2003, p. 16 )No fim do parágrafo:Texto seguido da respectivacitação.(BRASIL, 2001, p.325 )Tabela 24 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Iconográfico)DOCUMENTO ICONOGRÁFICOFotos e imagens.SOBRENOME DO AUTOR DA FOTO, Nome. Título da Imagem. data.REFERÊNCIAS CITAÇÕESSILVA, Gláucia Souza e. Projeto como nossos pais. 14 set.2002.No corpo do texto:Silva (2002)No fim do Parágrafo:(SILVA, 2002)
  59. 59. 58Tabela 25 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Audiovisual)DOCUMENTO AUDIOVISUALSom e imagem.SOBRENOME DO(S) AUTOR(ES). Título: subtítulo. Local: Editora, ano. DuraçãoREFERÊNCIAS CITAÇÕESCD GRIFFITHS, Anthony J. F et al. Freemangenetics. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2002. 1 CD com 39 animaçõesComum as demaissituações, a exemplo delivros.DVD E-BUSINESS: entender e implementar soluçõesde e-business é uma alternativa para as empresasserem mais competitivas. Belo Horizonte/MG,Gestão & Negócios, [s.d.], 1 DVD, 25 min.Autoria Desconhecida,entrada pelo título:E-BUSINESS, [s.d.]Tabela 26 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Tridimensional)DOCUMENTO TRIDIMENSIONALEsculturas, maquetes, objetos e suas representações: fosseis, esqueletos, objetos de museu,animais empalhados.SOBRENOME DO AUTOR(A), Prenomes. Tipo de objeto tridimensional, ano. Títulorepresentativo do objeto. Local, ano.REFERÊNCIAS CITAÇÕESEscultura LISBOA, Cristiano. Escultura. 2003. Trabalho emargila tema livre (escolha do autor: representaçãoda Agonia). Local: 2003No corpo do texto:LISBOA, (2003)No fim do parágrafo:(LISBOA, 2003)
  60. 60. 59Tabela 27 – Modelo de Referências e sua respectiva Citação (Documento Eletrônico)DOCUMENTO ELETRÔNICODocumentos de acesso on-line.A cada dia aumenta o volume de documentos em formato digital ou virtual, esta é uma realtendência de suporte a ser cada vez mais utilizado. Deve-se observar que em se tratando dereferenciar o documento, matem-se as descrições explicadas anteriormente e acrescentam-seas expressões: Disponível em (onde é identificada a localização da publicação, seu endereçoeletrônico) e Acesso em: (data em que foi acessado).REFERÊNCIAS CITAÇÕESBOFF, Luiz Henrique e ANTUNES JUNIOR, José AntonioValle. Combinando inovações organizacionais e tecnologias.Revista eletrônica de Administração da UFRGS. Rio Grandedo Sul. v. 1, n.1, out. 1995. Disponível em: <http://read.adm.ufrgs.br/read01/artigo/boff.htm#boff.> Acessoem: 23 out. 2003.SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente.Tratados e organizações ambientais em matéria de meioambiente. In: Entendendo o meio ambiente. São Paulo, 1999.v.1. Disponível em: http: //www.priberam.pt/dlDLPOAcesso em: 9 mar. 2006.Obs: quando o documento eletrônico não tem data de ediçãodeve-se utilizar a data de acesso.No corpo do texto:Boff e Antunes Junior(2003), apontam que ...No fim do parágrafo:(BOFF; ANTUNESJUNIOR, 2003)No fim do parágrafo:(SÃO PAULO, 1999)b) Apêndice (Opcional)Texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar sua argumentação, semprejuízo da unidade nuclear do trabalho. É identificado por letras maiúsculas consecutivas,travessão e pelos respectivos títulos. As folhas do apêndice e do anexo não são numeradas.
  61. 61. 60Figura 22 – Modelo da 1ª Folha de ApêndiceAPÊNDICES3 cm2 cm3 cm2 cmTimes,12, negrito,maiúscula
  62. 62. 61Figura 23 – Modelo de Folha de ApêndiceAPÊNDICE A – Título do Conteúdo do apêndice3 cm2 cm3 cm2 cmTimes,12, negrito,maiúsculaTimes,12, negrito,maiúscula/minúsculac) Anexo (opcional)Neste item o autor poderá colocar informações relevantes a compreensão do texto, mas quenão foram produzidas pelo autor como por exemplo (documentos legislativos; plantas deimóveis as quais não foram produzidas pelo autor; cópia de Atas etc.
  63. 63. 62Obs.: Entre as referências e os apêndices e anexos, usa-se uma folha de separação, com asrespectivas palavras APÊNDICES ou ANEXOS em maiúsculo, fonte 12 em negrito, no centroda folha.Figura 24 – Modelo da 1ª Folha de AnexoANEXOS3 cm2 cm3 cm2 cmTimes,12, negrito,maiúscula
  64. 64. 63Figura 25 – Modelo de Folha de AnexoANEXO A – Título do Conteúdo do Anexo3 cm2 cm3 cm2 cmTimes,12, negrito,maiúsculaTimes,12, negrito,maiúscula/minúscula
  65. 65. 643 TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOSNo decorrer do curso universitário, os professores solicitarão várias modalidades de trabalhosacadêmicos. Este tipo de exigência tem por objetivo desenvolver no aluno, habilidades ecompetências técnica que os possibilitem promover o avanço do conhecimento. O professortem o papel de despertar no aluno a compreensão de que enquanto estudante universitário eleprecisa abandonar a postura de mero expectador e lançar-se enquanto agente de transformaçãodo conhecimento per meio da pesquisa.3.1 PESQUISAA pesquisa pode ser entendida como trabalho, ordenado, racional e sistemático, com vistas aproduzir conhecimento técnico científico. “O objetivo maior de qualquer movimentointelectual é sempre atingir a ponta, isto é, chegar ao estágio da oferta das respostas a umanecessidade humana”. (SANTOS, A., 2001, p.26)Lembra-se, porém, que toda pesquisa tem por objetivo responder a uma necessidade humana,para tanto, o elemento norteador da pesquisa se realiza por meio da problematização de umfato ou fenômeno que levará a formulação de uma questão motivadora que é a problemática,só haverá pesquisa quando houver interesse ou necessidade de descobrir o “porquê de algo.Toda pesquisa deve ser precedida de um projeto (projeto de pesquisa) o qual está descritopasso a passo no item 3.8 deste manual, bem como, outros elementos que auxiliam naelaboração da pesquisa, incluindo estrutura e formatação dos trabalhos.Dencker (1998, p. 124-125), Gil (2002, p.41), apontam que as pesquisas podem serclassificadas, com base nos objetivos ou nos procedimentos técnicos utilizados.
  66. 66. 65Tabela 28 – Caracterização da PesquisaPESQUISA QUANTO AOS OBJETIVOSa) exploratórias – busca evidenciar o estado atual da questão, familiarizando o pesquisadorcom os vários estudos realizados sobre o tema, ao mesmo tempo em que demonstra a realimportância do problema. Quase sempre, a pesquisa exploratória é feita através delevantamento bibliográfico, documental, entrevistas com profissionais que atuam na área,visitas à sites na web. (SANTOS, A. 2001 grifos nossos)b) descritivas – Santos (2010, p.191) a define por ter como propósito a caracterização de umapopulação ou determinado fenômeno com sua variáreis;c) explicativas - Quanto à pesquisa explicativa, esta se ocupa em criar uma teoria aceitável arespeito de um fato ou fenômeno, se ocupa com os porquês dos fatos/fenômenos. (SANTOS,A. 2001, p. 26-27). Outras informações sobre caracterizações da pesquisa, também podemser encontradas na obra de Ada Dencker, 2002.PESQUISA QUANTO AOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOSa) Bibliográfica – Levantamento e análise textual normalmente em suportes impressos,(livros, periódicos, anuários, manuais etc). ou virtuais ( documentos em pdf e sites).b) Documental – Documentos primários, no formato impresso ou manuscrito, ex: certidões,atas, cartas etcc) Laboratório – registro periódico de procedimentos laboratoriais, também consideradasexperimentais.PESQUISA QUANTO A ABORDAGEMa) Pesquisa experimental – Dencker (1998) a caracteriza enquanto experimental pelapossibilidade de verificar alterações causadas por uma determinada variável no objetoescolhido para estudo. As quais poderão ser realizadas por aplicação de estímulos verificaçãode alterações ocorridas; analise de grupos antes e depois de estimulados.b) Pesquisa ex-post-facto – o pesquisador não tem controle sobre a variável. É a forma maisutilizada nas ciências sociais, principalmente pela economia, sociologia e história porpermitir considerações dos fatores que são fundamentais para a compreensão das estruturas
  67. 67. 66sociais.c) Levantamento – consiste em levantamento de dados referente a uma população a partir deuma amostra selecionada considerando critérios estatísticos.d) Estudo de Caso – Estudo aprofundado de Terminado objeto ou situações, permiteconhecimento aprofundado dos processos e relações sociais. Pode estar relacionado a ummodelo de sucesso ou não. O qual envolve exame de registros e observação de ocorrência defatos. Segundo Dencker, o objeto do Estudo de Caso pode ser um indivíduo, um grupo, umaorganização ou um conjunto de organizações ou até mesmo uma situação.e) Pesquisa ação – “pesquisa empírica com aestreita vinculação com uma ação ou resoluçãode um problema coletivo”Pesquisa Participante – o pesquisador que assume uma função no grupo pesquisado evivencia seu cotidiano sem que previamente defina uma ação. A exemplo tem-se aspesquisas em Antropologia. (DENCKER, 1998, p. 126-129)Orientados pelas possibilidades de pesquisa o autor definirá a sua metodologia de pesquisa,ou seja o caminho, que será percorrido para elaboração de seu trabalho acadêmico.3.2 TRABALHO ACADÊMICOTrata-se de todo trabalho intra ou extra-classe, solicitado por exigência pedagógica, queconfigure, segundo a ABNT (NBR 14724/11), documento que represente o resultado doEstudo e expresse conhecimento do assunto escolhido, obrigatoriamente emanado dadisciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados, devendo serestruturado sob a supervisão de um orientador.3.3 TRABALHO CIENTÍFICOLakatos (2003, p.234) Medeiros (2000, p.188) e Salomon (2001, p.158) concordam que aexpressão Trabalho Científico compreende variados tipos de textos elaborados segundo a
  68. 68. 67estrutura e as normas preestabelecidas, em suas diferentes formas de apresentação, a saber:monografia, dissertação, tese, papers, artigos científicos etc. Rey (1978, p.29) aponta comotrabalhos científicos:a) observações ou descrições originais de fenômenos naturais, espécies novas, estruturas efunções, mutações e variações, dados ecológicos etc.b) trabalhos experimentais cobrindo os mais variados campos e representando uma das maisférteis modalidades de investigação, por submeter o fenômeno estudado às condiçõescontroladas de experiência;c) trabalhos teóricos de análise ou síntese de conhecimentos, levando à produção de conceitosnovos por via indutiva ou dedutiva; apresentação de hipóteses, teorias etc.3.4 - FICHAMENTO"[...] transcrição em ficha de informações pertinentes à realização dotrabalho acadêmico. As fichas constituem-se de valioso recurso de estudo deque se valem os pesquisadores para a realização de trabalhos científicos ouacadêmicos". (MEDEIROS, 1999, p. 97)Ao elaborar a ficha é essencial referenciar a fonte consultada, ou seja, mencionar o(s)autor(es), título, edição, Editora, local, data da publicação, bem como sinalizar as páginastranscritas.Tabela 29 – Tipos de FichamentosFICHAMENTO DE TRANSCRIÇÃOTranscrição de partes integrais do texto, mencionando a página onde está contida ainformação;FICHAMENTO DE SÍNTESETranscrição de partes essenciais do texto, podendo ser retirados conectivos que nãocomprometam a compreensão do texto;FICHAMENTO COM COMENTÁRIOSAlém de transcrever as partes essenciais do texto mencionando a página, fazer comentários
  69. 69. 68interpretativos sobre cada trecho;FICHAMENTO DE RESUMOMedeiros (1999) faz uso desta nomenclatura para classificar o tipo de fichamento que secaracteriza pela possibilidade de se fazer um resumo das partes essenciais do texto de forma“livre”, ou seja, não copiando a fala do autor na íntegra, nem suprimindo partes que nãocomprometam a compreensão do texto, mas apresentando idéias centrais do autor e comotodos os outros tipos, menciona-se a página que a informação ou idéia foi retirada.Lembre-se: o fichamento de resumo difere do resumo indicativo, porque no fichamento deresumo, o resumo será de trecho por trecho mencionando as páginas, ao passo que noresumo indicativo, será sintetizada a idéia do texto no todo, sem que seja necessáriomencionar a página. No próximo item estaremos tratando das especificações de resumoincluindo conceito e tipos.Fonte: Medeiros, 1999. Adaptado3.5 RESUMO"Apresentação concisa dos pontos relevantes de um trecho" (NBR 6028/90). A apresentaçãonão inclui a transcrição literal do texto, como no fichamento, mas a menção seletiva decompreensão do conteúdo.O Resumo pode ser do tipo:a) InformativoQuando orienta o leitor suficientemente, para que possa decidir sobre a conveniência daleitura do texto na íntegra. Deve expressar o objetivo do trabalho, a metodologia empregada eos resultados alcançados. Por fezes há a necessidade de situar o leitor no tema, nestes casos,pode-se incluir síntese do estado atual da Questão, também conhecido como Estado da Arte (3linhas iniciais).b) IndicativoSinaliza apenas alguns pontos principais do texto, de forma bastante concisa, sucinta, nãodispensando a leitura do texto, na íntegra.
  70. 70. 69c) CríticoNormalmente produzido por especialista, por exigir uma análise interpretativa do documento.O resumo acadêmico deve ser do tipo informativo, seguido de palavras-chave conformemodelo abaixo, em caso de Monografias e Dissertações, na folha que antecede o Sumário:Exemplos:Para melhor compreensão, optou-se por grifar os itens relevantes constitutivos do resumoinformativo como exemplo.
  71. 71. 70Figura 26 – Modelo de Resumo Informativo em pesquisa teórico-empírica.WANKE, Peter Fernandes. Dinâmica da estratégia logística em empresasbrasileiras. São Paulo. RAE, v.45, n.4, p.22-35, out./de. 2005.RESUMOObjetivo O objetivo do artigo é analisar a estratégia logística dasempresas a partir da mensuração do impacto de diferentes característicasdo negócio sobre as principais decisões de produção e distribuição físicade produtos acabados. Metodologia Foi conduzida uma pesquisa decampo em empresas listadas no Ranking Exame para confrontar as quatropolíticas propostas pó Pagh e Cooper (1998), derivadas das combinaçõesentre centralizar os estoques produzir para estoque/produzir contra pedido,com diversas características do produto, da operação e da demanda.Técnicas de análise multivariada, como as análises de regressão logísticasimples e multinominal, foram empregadas permitindo o desenvolvimentode diversos modelos qualitativos. Resultado Seus resultados apontampara avanços acadêmicos e gerenciais, como a quantificação e ahierarquização de relações empíricas descritas na literatura e odirecionamento da atenção gerencial para as variáveis relevantes à decisão.Os modelos também permitem avaliar a adequação dessas políticas paradiferentes valores do tempo de entrega, da variabilidade das vendas e dograu de obsolescência dos produtos.Palavras-chave: logística, estratégia, tempo de entrega.,2 cm3 cm2 cm3 cm
  72. 72. 71Figura 27 – Modelo de Resumo Informativo em pesquisas de Análise TeóricaBRANDÃO, Renato Pereira. A companhia, Gusmão e Pombal: do Tratadode Madri à expulsão do império. R. IHGB, Rio de Janeiro, ano 170, n.443, p.21-56. Abr./jun. 2009.RESUMOEstado atual de questão Ainda permanecem controversas as razõesque levaram Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro Marquês dePombal, expulsar a Companhia de Jesus dos domínios da coroa dePortugal, inclusive do Brasil, onde a participação missionária jesuítica foiimprescindível no processo de consolidação do poder colonial.Considerando que a Guerra Guaranítica, uma das principais razõesusualmente apontadas dentre as causadoras deste conflito, foi provocadapor jesuítas estabelecidos na América Espanhola, Objetivo temos aquio objetivo de estender esta discussão para o âmbito das relações políticas emercantis internacional, Metodologia tendo como referências oMestrado da Ordem de Cristo e o Tratado de Madri.Palavras-chave: Companhia de Jesus, Ordem de Cristo, Marquês dePombal, Alexandre de Gusmão, Tratado de Madri, Guerra Guaranítica.,2 cm3 cm2 cm3 cm
  73. 73. 723.6 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICAEste documento é elaborado quando o estudante/pesquisador submete seu objeto deinvestigação em eventos: congressos, encontros, jornadas, reuniões, simpósios e etc. e queposteriormente são publicados em anais e revistas . “A comunicação deve trazer informaçõescientíficas novas, com certa frequência ser limitada em sua extensão , isto é não serlonga”.(LAKATOS, 2010, p 236). È comum a existência de um edital que define osparâmetros para o individuo submeter o seu trabalho aos eventos. Normalmente sãoapresentados enquanto elementos essenciais para a comunicação do trabalho, a síntese daintrodução, a questão norteadora do estudo/pesquisa, a justificativa, o(os) objetivo(s), ametodologia e os resultados parciais ou finais.Salomon (2001, p. 245), apresenta alguns elementos que contribuem com a elaboração dacomunicação científica:a)exatidão; b) clareza; c) simplicidade; d) correção gramatical; e) linguagem objetiva e estilodireto; f) equilíbrio na disposição e tamanho das partes; g) emprego da linguagem técnicanecessária; h) evitando-se o preciosismo e a pretensão; j) apresentação dos recursos técnicosda redação para que a apresentação atinja melhor o seu fim.3.7 RESENHATipo de Resumo Crítico, porém mais abrangente por englobar um maior número de ideias emtorno da obra e do autor. Na resenha é necessário descrever a obra, emitindo juízo de valor, oque inclui a análise da competência do autor em comparação a outras obras do mesmo tema ea avaliação de sua relevância.3.8 RELATÓRIODocumento formal onde se descrevem fatos resultantes de pesquisas ou se relata a execuçãode experiências ou serviços. Deve responder: O quê? Por quê? Para quê? Para quem? Onde?Como? Com quê? Quanto? Quando? Quem? Com quanto?
  74. 74. 73Segundo Henriques e Simões, a elaboração de um relatório implica na produção de um textoque descreva minuciosamente as etapas de uma atividade realizada, deve-se destacar ospontos positivos e negativos, bem como quando necessário, apresentar sugestões para seuaperfeiçoamento. (2003, p.35)É imprescindível que seja mencionado dados do local a que se refere o relatório incluindodata da realização e objetivo da atividade realizada.3.8.1 Relatório de EstágioTomamos por modelo o relatório de estágio elaborado para os alunos dos cursos delicenciatura do Centro Universitário Geraldo Di Biase. Para os demais cursos poderão serincluídas as adaptações necessárias.a) Roteiro para Relatório de EstágioO relatório das atividades desenvolvidas no Estágio Supervisionado é um documentoobrigatório e avaliativo, que consolidará o processo avaliativo final do aluno das licenciaturas.Deverá ser organizado conforme instruções a seguir e entregue na data marcada em comumacordo. O estágio tem condições que não podem ser minimizadas ou substituídas, conformeenumeramos abaixo:1- A carga horária total é de 400 horas-aula, que são distribuídas em 2 anos ou 4 semestres.Não será permitido o fechamento do estágio com carga horária menor, implicando na retençãodo aluno na série.2- A frequência às aulas de orientação do Estágio segue o mesmo critério dos demaiscomponentes curriculares, devendo o aluno obter frequência mínima de 75%, ou seja, nãopode ter mais de 18 faltas no ano. As justificativas de faltas serão analisadas caso a caso juntoà Coordenação do Curso.3- As pastas de estágio com os relatórios deverão conter os itens a seguir:
  75. 75. 74a) Capab) Folha de Rostoc) Folha de Aprovaçãod) Termo de Compromissoe) Sumáriof) IntroduçãoUma breve descrição do que é o material a ser apresentado, descrevendo a finalidade, onúmero de horas realizados, em quantas escolas aconteceu o estágio, nomeando-as ejustificando a escolha desta escola para estágio. Se o estagiário trabalha na Educação Básica efez carga horária menor por força da Legislação, este fato deve constar nesta seção, bem comoa identificação de sua escola.g) Descrição de atividades por escolaNeste capítulo você deve descrever cada escola em que foi realizado o estágio em sub-capítulos. Primeiro, faça a descrição física da escola, relatando os itens pedido no formuláriopadrão (em forma de texto). Depois, elabore alguns parágrafos descrevendo sua experiênciana escola e eleja alguns momentos a serem descritos como essenciais para sua formação emsua passagem pela escola. As críticas, quando existirem, deverão seguir um padrão delinguagem apropriada, sem ofensas e com sugestões apresentadas.Também deverão ser descritas as outras atividades validadas como estágio, assim como aulaspráticas, a atividade docente do estagiário e outras aceitas.h) Comprovação de atividadesApós a descrição das escolas deverão ser colocadas, na ordem mais cronológica possível, asfolhas que comprovam a permanência dos alunos nas escolas, devidamente assinadas e
  76. 76. 75carimbadas, além das demais comprovações das atividades que foram aceitas como estágio.Antes de iniciar esta seção, deve haver uma folha separadora, com o título ao centro, emmaiúsculo, negrito e fonte 14.i) Comprovação de outras atividades validadas como estágioSão os formulários assinados ou autorizados pelo Supervisor de Estágio, com as atividadesque foram concedidas horas de estágio (monitoria, visitas, aulas-extras etc), ou certificados edeclarações que cumpram esse papel.j) Avaliação do estágioNesta seção o aluno deverá descrever os pontos positivos e negativos do estágio, fazendo umbalanço de seu crescimento durante o ano letivo de 2006 a partir de suas observações. Deveser sincero e polido.l) ConclusãoFechamento do texto como balanço geral das atividades de estágio.m) ReferênciasLivros lidos, filmes assistidos e outros materiais que fundamentaram ou auxiliaram odesenvolvimento do estágio durante o ano letivo.n) AnexosDeclarações diversas: de trabalho para isenção de carga horária (escolas), de trabalho oumédica para justificativas de ausência as aulas de orientação de estágio nos sábados.O modelo de relatório de estágio acima é direcionado para os alunos de licenciatura. Osdemais cursos poderão estar substituindo itens que não dizem respeito a seu curso, bem comoalterando a carga horária, adequando-a exigência do seu curso.
  77. 77. 763.8.2 Relatório de ViagemDeve seguir um roteiro em que os itens solicitados apareçam de forma descritiva, clara ecompleta. Para que um relatório de viagem possa cumprir seu papel ele deve possuir umcabeçalho onde apareçam nessa ordem: a data de saída e de chegada, a origem, o destino e olocal de regresso e o(s) objetivo (s) da viagem.Na parte descritiva do relatório, é necessário relacionar os participantes diretamente ligados àviagem, bem como suas funções e/ou atividades de cada um, incluindo as do relator.Ao continuar a parte textual, deverão ser descritos os locais visitados, incluindo os espaçosfísicos e detalhes relevantes e o cumprimento do objetivo em cada local.Ao final, cabe uma avaliação da viagem, como forma de conclusão, e as contribuições para avida acadêmica.3.8.3 Relatório de VisitaDescrição geral do local visitado de modo a evidenciar seus aspectos físicos e técnicos quepermitirão o cumprimento do objetivo da visita.É imprescindível que seja iniciado com os dados do local da visita, data e objetivo. Após adescrição técnica e pertinente sobre a visita, cabe uma avaliação, como forma de conclusão.No relatório deve ser indicado o nome do responsável com a respectiva assinatura.3.9 ENSAIOO ensaio é tido como relato, exposição sobre um assunto/tema de forma abrangente, mas semo rigor científico que remontam exigências de comprovação ou refutação de teses ou teorias.Possui maior ênfase na questão da memória do que da documentação.
  78. 78. 77Segundo Medeiros, o ensaio pode ser caracterizado como informal ou formal. O informalpossibilita a criação livre com escrita leve e pessoal com estilo variável de acordo com amotivação do assunto. (SILVA, 2002).Rauen ressalta que, no ensaio formal deve-se atender exigências acadêmicas com objetividadee logicidade sendo breve, problematizador e antidogmático, com espírito crítico eoriginalidade. Destaca também, importantes itens para composição de um ensaio, os quais seinclui: reflexão sobre um tema, planejamento, escrita e revisão (RAUEN, 1999, p.137).3.10 PROJETO DE PESQUISADescrição sucinta de uma proposta de trabalho de pesquisa, objetivando nortear as etapas aserem cumpridas pelo pesquisador, bem como descrever a metodologia e verificar aviabilidade da pesquisa.Gil (2002, p.161) destaca que, pelo fato das pesquisas diferirem entre si, não pode haver,naturalmente, um modelo fixo para a redação do projeto, mas que é possível apresentar ositens essenciais para composição do projeto, os quais podemos citar: introdução, justificativaobjetivos, referencial teórico ou discussão teórica, metodologia, recursos, cronogramarereferências.Dada a complexidade do projeto, consideramos oportuno detalhar as etapas da elaboração deum modelo para projeto de pesquisa, ressaltando que o projeto sempre antecede a pesquisa, éuma proposta para sua realização.Tema: é o assunto que se deseja investigar/desenvolver.a) IntroduçãoNa introdução será necessário delimitar o tema (assunto proposto) esclarecer o que sepretende estudar, ou seja, o “estado atual da questão”, também chamado de “estado da arte”,
  79. 79. 78ou seja, elaborar um texto cujo objetivo é apresentar o assunto/tema que será objeto deinvestigação.Falar do estado da arte ou estado atual da questão diz respeito a apresentar ao leitor o que estáacontecendo na referida área de pesquisa do ponto de vista teórico, para a partir daí avançarnos estudos.Obs: É importante redigir o texto de forma a despertar e prender a atenção do leitor.Não se esqueça de que a introdução será um texto, em forma de prosa e não em tópicos.Reserve alguns parágrafos para a construção do objeto. Você não vai usar a expressãoconstrução do objeto, apenas vai detalhar como surgiu a ideia do objeto da pesquisa, de formaclara e objetiva. Nos próximos dois ou três parágrafos, você vai delimitar o seu tema. Não vaiescrever a expressão “tema” ou “delimitação do tema”, o texto deve conduzir a estacompreensão. Todo tema tem uma amplitude maior do que se pode pesquisar de imediato. Énecessário que você delimite espaço (local), tempo (cronológico), condição ou modo paratrabalhar a sua pesquisa.Em seguida, crie sua problemática. “Você pode usar uma expressão como: “diante doexposto; com base nestes pressupostos etc, apresenta-se a seguinte problemática...” lembrandoque o problema é a dúvida central que vai guiar a sua pesquisa.” A seguir cita-se orientaçõespara elaboração da problematização.Gil apresenta as principais características para a formulação da problematização: Deve ser formulada como pergunta; Deve ser Clara e Precisa; Deve ser empírica (no caso de pesquisas teórico-empíricas); Deve ser suscetível de solução; Deve ser delimitada a uma dimensão viável. (2010, p.7-12).Obs: A questão não deve ser formulada de modo a culminar em respostas “sim ou não”.A questão de pesquisa deve ser formulada apoiada no estado atual da questão levantando adúvida com relação ao tema de pesquisa, dúvida esta que conduza o autor a uma investigação.Não se deve formular questões cujas respostas culminem em: (sim) ou (não).
  80. 80. 79Exemplos de problemática:Como diagnosticar e criar mecanismos de intervenção em grupos de adolescentes do gênerofeminino vítima s de bullying em escolas da rede estadual?Ao formular a questão tem-se clareza sobre o que pretende-se investigar quais instrumentosserá necessário lançar mão, para responder a necessidade da pesquisa.Em seguida, crie os demais títulos. O primeiro será o da justificativa.Pode-se então, levantar algumas hipóteses que respondam à questão formulada. As hipótesessão proposições provisórias que fornecem respostas condicionais a um problema de pesquisa.Ou seja: A(s) hipótese(s), poderá(ao) ser confirmada(s) ou refutada(s) (negadas) ao final doestudo.b) JustificativaDescreva como o tema poderá tornar-se relevante, do ponto de vista social e acadêmico, quaissuas possíveis contribuições. Reserve para isto dois ou 3 parágrafos.Nas pesquisas de natureza científica ou acadêmica, a justificativa deve incluir: O estágio de desenvolvimento do conhecimento referente ao tema; As contribuições que a pesquisa pode trazer com vistas a responder aos problemaspropostos e ampliar as formulações teóricas a esse respeito; Apontar a relevância social do problema a ser investigado; e A possibilidade de sugerir modificações no âmbito da realidade abarcada pelo tema.c) ObjetivosSegundo Santos: “objetivo deve expressar claramente o que o pesquisador pretende alcançarcom sua investigação” (2001, p. 60). É necessário que o objetivo esteja diretamenterelacionado com a problemática.Quando exemplificamos com a seguinte problemática: “Como diagnosticar e criarmecanismos de intervenção em grupos de adolescentes do gênero feminino vítimas debullying em escolas da rede estadual ?”
  81. 81. 80Levando em conta a problemática acima, os objetivo a serem alcançados com odesenvolvimento da pesquisa poderão ser:Objetivo Geral: Analisar o comportamento de adolescentes no ambiente escolar.Objetivos Específicos: Apresentar as variáveis que apontam tipos de conduta dos adolescentes; Demonstrar diferenças entre brincadeiras comuns típicas da idade em detrimento depráticas perturbadoras.Obs: Não confunda objetivo com problemática, pois no objetivo deve-se demonstrar apretensão do autor com relação ao seu objeto de investigação. Ao realizar a pesquisa, o tempoverbal contribui para que o propósito seja evidenciado, portanto deve-se USAR SEMPRE OVERBO NO INFINITIVO, exemplo; apresentar; demonstrar, analisar; fomentar etc.d) Referencial TeóricoPode-se defini-lo como a teoria que fundamenta a pesquisa (a ser ou) desenvolvida, nesteitem você vai expor o estado atual da questão, ou seja fará uma revisão de literaturaapresentando de que forma os vários autores estão tratando o tema, todo autor utilizado deveráser citado obrigatoriamente. Lembre-se não é uma ação de recorte e colagem, mas aapresentação das ideias e discussões de vários autores que estudam o assunto. O texto devenecessariamente expressar análise e interpretações com argumentações pertinentes e bemfundamentadas. Deverá estar embasada em leituras a respeito do tema, as quais contribuírampara elaboração de seu texto, não se deve em hipótese alguma desprezar o autor que teinspirou a escrever o texto. Pois neste item é apresentado o diálogo entre os teóricos de modoa estabelecer um debate sobre o tema proposto na pesquisa sem esquecer as respectivasfontes, ou seja, cita-se o autor, seguido do ano da publicação e número da página. Oreferencial teórico apresenta ao leitor estudos desenvolvidos sobre o tema fortalecendo suaargumentação sobre o assunto. É a maneira que você possui de demonstrar sua propriedade aoabordar o assunto, e apresentar para os leitores quais autores estudam o referido tema, estaforma de apresentação textual caracteriza o texto enquanto técnico-científico.

×