Aula 2 forma arhneim

208 visualizações

Publicada em

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
208
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • Aula 2 forma arhneim

    1. 1. FormaRoberto Coelho
    2. 2. Forma"Forma é a configuração visível doconteúdo" escreveu o pintor Ben Shahn, eesta é uma fórmula tão boa quantoqualquer outra para mostrar a distinçãoentre "shape" (configuração, figura, aspecto,forma) e "form" (forma) que Arnheimconsidera. Sob o título "Configuração"examina alguns dos princípios pelos quais omaterial visual que os olhos recebem seorganiza de modo que a mente humanapossa captá-lo. Apenas para fins de análiseextrínseca, contudo a configuração podeseparar-se daquilo que ela significa. Todas asvezes que percebemos a configuração,consciente ou inconscientemente, nós atomamos para representar algo, e dessemodo ser a forma de um conteúdo.
    3. 3. FormaDe um modo mais prático, aconfiguração serve, antes detudo, para nos informar sobre anatureza das coisas através desua aparência externa. O quevemos da configuração, cor, ecomportamento externo de umcoelho nos diz muito sobre suanatureza, e a diferença naaparência entre uma xícara dechá e uma faca indica qual oobjeto que serve para conterum líquido e qual para cortar umbolo. Além disso, enquanto ocoelho, a xícara e a faca nosfalam sobre seus seresindividuais, cada um deles nosinstrui, automaticamente, sobrea espécie toda — coelhos,xícaras e facas em geral — e,por extensão, a respeito deanimais, recipientes,instrumentos de corte. Assim,uma configuração nunca épercebida como apenas a formade uma coisa em particular, massempre como a de um tipo decoisa.
    4. 4. Forma0 conceito visual do objeto que se derivadas experiências perceptivas tem trêspropriedades importantes. Concebe-se oobjeto como tridimensional, de formaconstante e não limitado a qualquer aspectoprojetivo particular. Pode-se encontrarexemplos nas investigações de FrancisGalton sobre as imagens visuais imaginadas.Ele afirma que "algumas pessoas podem,pelo que freqüentemente descrevem comoum tipo de visão táctil, visualizarsimultaneamente a imagem completa de umcorpo sólido". Os exemplos de Galtonservem para mostrar o que se entende porconceito tridimensional, o qual não se liga aqualquer aspecto isoladamente. Se alguémtem um conceito integral de um cristal oude uma esfera, nenhum dos pontos deobservação predomina. Isto aconteceporque o conceito visual que se tem de umobjeto baseia-se geralmente na totalidadedas observações a partir de qualquernúmero de pontos de vista. No entantotrata-se de um conceito visual e não de umadefinição verbal obtida por abstraçãointelectual. O conhecimento intelectivo, àsvezes, ajuda a formar um conceito visual,mas apenas enquanto possa ser traduzidoem atributos visuais.
    5. 5. FormaDefinição de um retângulo áureo, importantepara garantir o rendimento máximo dacomposição artística, seguindo a proporçãodo número de ouro (? = 1,618). Onúmero de ouro é considerado para muitoscomo símbolo da harmonia, aplicado desde aantiguidade (no exemplo estão as pirâmidesde Gizé, no Egito, construídas sobre oconceito da razão áurea).Para definir o retângulo áureo, definimos aquio método aplicado por Ribeiro (2007), emseu Planejamento Visual Gráfico.Primeiro, traça-se um quadrado, que é umretângulo simples (ABCD), com a relaçãoexistente entre os lados igual a 1. Utilizandoum dos lados deste retângulo, traça-se umanova parte (BGFE) com comprimento igual a0,618, o qual chamaremos de retângulodourado ou retângulo pi (?), conformeimagem ao lado explicita melhor:
    6. 6. Forma
    7. 7. Forma
    8. 8. Forma
    9. 9. Forma
    10. 10. Forma
    11. 11. Forma

    ×