A DOR NEONATAL AVALIADA PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA UTIN

903 visualizações

Publicada em

Trata-se de um assunto de extrema relevância para equipe multidisciplinar, principalmente equipe de Enfermagem que atua de forma humanizada no que tange a dor neonatal na Unidade de Terapia Intensiva

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
903
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A DOR NEONATAL AVALIADA PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA UTIN

  1. 1. A DOR NEONATAL AVALIADA PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ACADÊMICA DE ENFERMAGEM FABIANA RODRIGUES GONÇALVES ORIENTADORA Me. CLAUDIA MEDEIROS PARECERISTA Me. BRUNO BARBOSA PARECERISTA Me. MARIA REGINA BERNARDO
  2. 2. CAPITULO I 1.INTRODUÇÃO O RECÉM-NASCIDO (RN) É UMA DENOMINAÇÃO CLÍNICA USADA EM PEDIATRIA DADA A TODAS AS CRIANÇAS DESDE O NASCIMENTO ATÉ ATINGIREM OS 28 DIAS DE VIDA E A PARTIR DE 29 DIAS ATÉ COMPLETAR UM ANO DE VIDA É CONSIDERADO LACTENTE, NO ENTANTO, POR MOTIVOS DE CONDIÇÕES CLÍNICAS AO NASCER A CRIANÇA NECESSITA DE UMA ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA, NA UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO (UTIN) POR UM PERÍODO INDETERMINADO (MELO 2009).
  3. 3. NESTA UNIDADE MESMO SENDO NECESSÁRIA A INTERNAÇÃO DO RN PARA A REVERSÃO DE DISTÚRBIOS FISIOLÓGICOS COM AJUDA DE AMPARATO TECNOLÓGICO E HUMANO, SE REALIZAM DIARIAMENTE PROCEDIMENTOS CAUSADORES DE DESCONFORTO E DOR COMO PUNÇÃO ARTERIAL E VENOSA, INTUBAÇÃO E DRENAGEM TORÁCICA (CARDOSO, 2009). A UTIN É UM LOCAL ONDE O RECÉM-NASCIDO É EXPOSTO A ESTRESSE, LUZ FORTE, RUÍDOS E ALTERAÇÕES TÉRMICAS, ALÉM DE ESTAREM SEPARADOS DA MÃE (PAULETTI; CRUVINEL,2009).
  4. 4. 1.1 QUESTÃO NORTEADORA DE ESTUDO QUAIS OS MÉTODOS UTILIZADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM PARA PERCEBER E AVALIAR A DOR EM UM RECÉM-NASCIDO? 1.2 OBJETIVO GERAL IDENTIFICAR NA LITERATURA COMO A EQUIPE DE ENFERMAGEM PERCEBE E AVALIA A DOR DO RECÉM-NASCIDO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA.
  5. 5. 1.2.1 OBJETIVOS ESPECÍFICOS  IDENTIFICAR NA LITERATURA DE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA QUAIS OS MÉTODOS APLICADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM PARA O CONTROLE DA DOR DO RECÉM-NASCIDO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA  INVESTIGAR OS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS UTILIZADOS PARA AVALIAÇÃO DA DOR NO RECÉM-NASCIDO  VERIFICAR COM BASE NA LITERATURA A AVALIAÇÃO DA DOR COMO QUINTO SINAL VITAL PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM
  6. 6. 1.3 JUSTIFICATICA E RELEVÂNCIA O RECÉM-NASCIDO INTERNADO NA UTIN RECEBE DE 50 A 150 PROCEDIMENTOS POTENCIALMENTE DOLOROSOS AO DIA E CRIANÇAS COM PESO IGUAL OU INFERIOR A 1.500 GRAMAS , SOFREM CERCA DE 500 INTERVENÇÕES DOLOROSAS AO LONGO DE SUA INTERNAÇÃO. TAIS PROCEDIMENTOS LEVAM AO AUMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA FREQUENCIA CARDÍACA E DIMINUIÇÃO DA SATURAÇÃO DE OXIGÊNIO ( MINISTÉRIO DA SAÚDE,2013) .
  7. 7. CAPÍTULO II 2. 1 A DOR NOS RECÉM-NASCIDOS ATÉ A DÉCADA DE 70 ACREDITAVA-SE PELA EQUIPE DE SAÚDE ,QUE O RECÉM-NASCIDO ERA INCAPAZ DE SENTIR DOR DEVIDO A IMATURIDADE NEUROLÓGICA DAS VIAS NERVOSAS NÃO TOTALMENTE MIELINIZADAS OU DA AUSÊNCIA DE FUNÇÃO CORTICAL SUFICIENTEMENTE INTEGRADA PARA INTERPRETAR OU LEMBRAR AS EXPERIÊNCIAS DOLOROSAS. NA VERDADE, O RN POSSUI SUAS VIAS DE RECEPÇÃO DA DOR DESENVOLVIDAS , MAS AS VIAS INIBITÓRIAS AINDA ESTAO EM DESENVOLVIMENTO, FAZENDO COM QUE SINTAM A DOR POR MUITO MAIS TEMPO QUE AS CRIANÇAS MAIS VELHAS E ADULTOS. (LEMOS;CAETANO, 2010).
  8. 8. FONTE: GUYTON, ARTUR CLIFTON. Tratado de Fisiologia Médica. 12 Edição. Editora Elsevier, 2012. Via Aferente( Receptora) Recebe o estímulo doloroso, através de sinapses. Encéfalo Origina na medula Espinhal.Transmite A dor e sensações Táteis.
  9. 9. 2.2 INTERVENÇÕES NÃO FARMACOLÓGICAS • SOLUÇÕES ADOCICADAS • SUCÇÃO NÃO NUTRITIVA • AMAMENTAÇÃO • CONTATO PELE A PELE ( MÉTODO CANGURU) • DIMINUIÇÃO DO ESTÍMULO TÁTIL
  10. 10. 2.3 INTERVENÇÕES FARMACOLÓGICAS AS MEDICAÇÕES MAIS UTILIZADAS PARA INTERVENÇÕES INVASIVAS NAS UNIDADES DE TRATAMENTO INTENSIVO SÃO OS OPIOIDES COMO MORFINA, FENTANIL E TRAMAL . SENDO UTILIZADOS PARA DOR MODERADA, INTENSA E SEVERA (VERONEZ;CORREA,2010).
  11. 11. 2.4 INSTRUMENTOS PARA AVALIAÇÃO DA DOR NA UTIN SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (2010)  NIPS: PARÂMETROS COMPORTAMENTAIS DO RN E LACTENTE  NFCS: EXPRESSÃO FACIAL  PIPP: DOR AGUDA EM PROCEDIMENTOS MINISTÉRIO DA SAÚDE ( 2013)  NIPS( PARÂMETROS COMPORTAMENTAIS DO RN E LACTENTE)  EDIN: DESCONFORTO E DOR  BIP: PARÂMETROS DE DOR DE ACORDO COM A IDADE GESTACIONAL
  12. 12. NIPS( NEONATAL INFANT PAIN SCALE OU ESCALA DE AVALIAÇÃO DE DOR NO RN E NO LACTENTE) EXPRESSÃO FACIAL 0 RELAXADA/ 1 CONTRAÍDA CHORO 0 AUSENTE/1 RESMUNGOS/2 VIGOROSO RESPIRAÇÃO 0 RELAXADO/1 DIFERENTE DO BASAL BRAÇOS 0 RELAXADOS/1 FLETIDOS OU ESTENDIDOS PERNAS 0 RELAXADOS/ 1 FLETIDOS OU ESTENDIDOS ESTADO DE CONSCIÊNCIA 0 CALMO/ 1 DESCONFORTÁVEL
  13. 13. CAPÍTULO III 3.1 METODOLOGIA TRATA-SE DE UMA PESQUISA QUALITATIVA, DE REVISÃO INTEGRATIVA.FORAM INCLUIDOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE O PERÍODO DE 2006 A 2013 , ARTIGOS ORIGINAIS E DE REVISÃO PUBLICADOS NO IDIOMA PORTUGUÊS. PARA A BUSCA UTILIZOU-SE OS DESCRITORES: AVALIAÇÃO DA DOR, RECÉM-NASCIDO, UTI NEONATAL E EQUIPE DE ENFERMAGEM
  14. 14. ESTRATÉGIA DE BUSCA ( BVS) LILACS 1. AVALIAÇÃO DA DOR E RECÉM-NASCIDO= 63; 2. AVALIAÇÃO DA DOR E UTIN= 16; 3. AVALIAÇÃO DA DOR E EQUIPE DE ENFERMAGEM=11 MEDLINE 1. AVALIAÇÃO DA DOR E RECÉM-NASCIDO = 14 2. AVALIAÇÃO DA DOR E UTIN= 3 3. AVALIAÇÃO DA DOR E EQUIPE DE ENFERMAGEM= 13
  15. 15. CAPÍTULO IV 4.1 RESULTADO OS TRABALHOS SELECIONADOS E ANALISADOS REUNIRAM UM TOTAL DE 23 DOCUMENTOS, SUBDIVIDIDOS EM 17 ARTIGOS, 2 CARTILHAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2 LIVROS : ENFERMAGEM NA UTI NEONATAL- ASSISTÊNCIA AO RECÉM-NASCIDO DE ALTO RISCO ( TAMEZ, R.N; SILVA,M,2006) E SABERES E PRÁTICAS: GUIA PARA ENSINO E APRENDIZAGEM ( ESTEVES, LARISSA SAPUCAÍA,2010) SITE OFICIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA E SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O ESTUDO DA DOR.
  16. 16. AUTORES TITULO ANO PERIÓDICO RESUMO BRANCO, A; FEKETE,W.M.S; RUGULO,S.S.M. L, et al. CARDOSO,M.L Valor e variações da frequencia fundamental do choro de dor de Recém- Nascidos. A dor sofrida pelo Recém- Nascido durante a punção arterial 2006 2009 Revista CEFAC Revista de Enfermagem Anna Nery Este artigo demanda sobre o choro do Recém- Nascido, no que tange suas variações para ser verificado a intensidade da dor. Reações fisiológica e comportamental do Recém- Nascido durante a punção arterial.
  17. 17. 4.2 DISCUSSÃO MESMO COM O AVANÇO TECNOLÓGICO E CIENTÍFICO A CERCA DO ESTUDO DA DOR NAS ÚLTIMAS QUATRO DÉCADAS, DA CRIAÇÃO DE VÁRIOS INSTRUMENTOS UTILIZADOS PARA A AVALIAÇÃO DA DOR NO RECÉM-NASCIDO, DO CONHECIMENTO DAS MEDIDAS DE ALÍVIO NO PERÍODO NEONATAL E DOS MALEFÍCIOS CAUSADOS PELA DOR NO DESENVOLVIMENTO DESSE PÚBLICO, AINDA ASSIM, DEVEM-SE DAR MAIS ATENÇÃO A ESSE FENÔMENO NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA . CONSIDERANDO SEMPRE O ATENUANTE NEONATO/ SER PSICOSSOCIAL E NEONATO/ FAMÍLIA A EQUIPE DE ENFERMAGEM ESTARÁ ENGAJADA A DEDICAR TODOS OS ESFORÇOS PARA CONFORTAR E MINIMIZAR A DOR NA UTIN.
  18. 18. CONCLUSÃO O RECÉM-NASCIDO É TOTALMENTE DEPENDENTE DA SENSIBILIDADE DO CUIDADOR. ESTE DEVE ESTAR ATENTO E CAPACITADO PARA IDENTIFICAR E COMPREENDER AS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS E FISIOLÓGICAS QUE ACOMPANHAM O EVENTO DOLOROSO. PERCEBER DE FORMA OBJETIVA OS SINAIS DE DOR É CRUCIAL PARA DETECTAR O ESTRESSE DO RN E A PIORA NO SEU ESTADO CLÍNICO. O CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DIANTE DO PACIENTE NEONATAL CRÍTICO POSSIBILITA A QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA PRESTADA , UMA VEZ QUE DESEMPENHA PAPEL FUNDAMENTAL NA ABORDAGEM SISTEMATIZADA DO FENÔMENO DOLOROSO.
  19. 19. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • BRANCO, A; FEKETE, WMS;RUGULO, SSML; et al. Valor e variações da frequencia fundamental no choro de dor de Recém- nascidos. Rev. CEFAC. São Paulo. SP, n.4,v.8 out/nov,p.529-35,2006. • CARDOSO ,ML. Dor sofrida pelo Recém- nascido durante a punção arterial. Escola Anna Nery .Rev. Enfermagem. Rio de Janeiro.RJ,13(4): 726-732,2009. • CHAVES EMC. Avaliação comportamental e fisiológica da dor em Recém-nascido pelos profissionais de Enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem. Belo Horizonte,n.6,v.4,p.321-26,2010. • ESTEVES LARISSA SAPUCAIA. Saberes e Práticas guia para ensino e aprendizagem. São Caetano do Sul. SP. Editora Difusão.6 edição. P. 131-39,v.5.2010.
  20. 20. OBRIGADA PELA ATENÇÃO

×