Ana Maria Machado:
fazendo e desfazendo gênero
Por:
Cristiane Madanêlo
(A)Nita
 Foi professora, jornalista, tradutora,
radialista, dona de livraria, além de escritora
 Participou contra a dit...
Uma opinião crítica
“Nas letras brasileiras, o nome de Ana Maria Machado
comporta uma contradição. Ao folhear as histórias...
Uma opinião especializada
Nelly Novaes Coelho, mais importante pesquisadora brasileira na área de
LIJ, destaca a presença ...
No mundo virtual
A obra
 Em torno de 150 obras publicadas,
desconsiderando traduções e adaptações
 Participação na revista Recreio (anos ...
Literatura sem adjetivos
“(...) a literatura, por fazer um uso estético da palavra,
experimenta o que ainda não foi dito, ...
Tendências temáticas na LIJ
 Tratar a realidade, sem infantilização
 Revela a complexidade da existência humana e da
org...
Brincar é coisa séria
A obra de AMM oferece muitas histórias
centradas em brincadeiras, algumas delas
esquecidas nos novos...
Brincar é coisa séria - obras
Aspectos linguísticos
Como a matéria-prima do escritor é a língua,
AMM explora com qualidade os recursos
linguísticos da p...
Problema de criança
As questões tipicamente infantis como suas
inseguranças, incompreensões e medos vão
ganhar espaço priv...
Problema de criança - obras
Aspectos linguísticos - obras
Aspectos textuais
Explorar os aspectos textuais a partir da obra
de AMM favorece ir além das categorias
narrativas.
Uma po...
Aspectos textuais - obras
Lei 11645
Preocupada com a brasilidade e diversos
valores nacionais, AMM já contemplava as
duas matrizes culturais brasile...
Lei 11645 - obras
Questionando o poder
Tendo vivido intensamente as imposições da
ditadura no Brasil, as instâncias de poder
autoritário são...
Questionando o poder - obras
Desconstruindo gênero
Em vários livros, os papéis sociais de homens e
mulheres são colocados em xeque.
Personagens feminin...
Desconstruindo gênero - obras
O príncipe que bocejava I
 “Era uma vez um príncipe muito bem educado, que tinha
se preparado toda a vida para ser rei um...
O príncipe que bocejava II
Ilustração de Graça Lima
O príncipe que bocejava III
 Viagem disfarçado - “Cortou e pintou o cabelo, pôs brinco
e óculos escuros, se vestiu de um ...
O príncipe que bocejava IV
 Príncipe revela sua identidade - “Tinha vontade de ficar o
resto da vida ao lado dela, conver...
O príncipe que bocejava V
Ilustração de Graça Lima
A princesa que escolhia I
 “Era uma vez uma princesa muito boazinha e bem
comportada. Boazinha até demais, sabe? Obedecia...
A princesa que escolhia II
 Castigo na torre = biblioteca + jardim + vista do alto +
filhos do jardineiro + internet
 “E...
A princesa que escolhia III
Ilustração de Graça Lima
A princesa que escolhia IV
 Escolhas - “Começou logo escolhendo uma coisa
importante: ia dispensar os preceptores e estud...
A princesa que escolhia V
 “— Pois eu escolho não me casar agora. Ainda sou
muito moça para isso. (...) Quero estudar mui...
A princesa que escolhia VI
 Reino: morre o rei e princesa assume o trono
 Governo: eleições e reino parlamentarista
 “E...
Tecendo contatos
Agradeço a atenção de todos!
www.graudez.com.br/litinf
cris@graudez.com.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Palestra Criatiane Madanêlo 12 de maio de 2015

608 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
608
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
142
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra Criatiane Madanêlo 12 de maio de 2015

  1. 1. Ana Maria Machado: fazendo e desfazendo gênero Por: Cristiane Madanêlo
  2. 2. (A)Nita  Foi professora, jornalista, tradutora, radialista, dona de livraria, além de escritora  Participou contra a ditadura e exilou-se  Inicia sua produção em LIJ em 1977  Ganhadora do prêmio Hans Christian Andersen, considerado o prêmio Nobel da literatura infantil mundial em 2000  Ganhadora do prêmio Machado de Assis, em 2001, pela Academia Brasileira de Letras - ABL, pelo conjunto da obra.  Atual ocupante da Cadeira nº 1 da ABL, eleita em 24 de abril de 2003
  3. 3. Uma opinião crítica “Nas letras brasileiras, o nome de Ana Maria Machado comporta uma contradição. Ao folhear as histórias e os dicionários mais conhecidos de literatura brasileira, não encontramos facilmente referências à sua obra. Por outro lado, percorrendo os sites de busca da internet, verificamos que há disponível cerca de uma centena de livros seus nas livrarias. (...) Considera-se a literatura de Ana Maria Machado testemunha de uma época, o que não quer dizer que seja neutra; ela toma partido pela igualdade, pela democratização, pela formação crítica do leitor.” (Maria Teresa G. Pereira e Benedito Antunes)
  4. 4. Uma opinião especializada Nelly Novaes Coelho, mais importante pesquisadora brasileira na área de LIJ, destaca a presença de AMM em 3 das 5 tendências contemporâneas básicas da literatura para crianças e jovens.  Realismo cotidiano  De olho nas penas  Bento-que-bento-é-o-frade  Currupaco, Papaco  O domador de monstros  Bisa Bia Bisa Bel  Maravilhoso  História meio ao contrário  Uma boa cantoria  História do Jabuti sabido com Macaco metido  Pimenta no cocoruto  Narrativa por imagens  Coleção Mico Maneco
  5. 5. No mundo virtual
  6. 6. A obra  Em torno de 150 obras publicadas, desconsiderando traduções e adaptações  Participação na revista Recreio (anos 70)  1° livro publicado (1976) - Recado do Nome (tese de doutoramento sobre Guimarães Rosa)  1° livro para crianças (1977) - Bento que bento é o frade (originalmente peça No país dos Prequetés)  Possui 9 romances e 8 livros teóricos Fonte: site oficial da escritora Livros, Van Gogh
  7. 7. Literatura sem adjetivos “(...) a literatura, por fazer um uso estético da palavra, experimenta o que ainda não foi dito, inventa algo novo, propõe protótipos (...). A literatura — infantil, juvenil, adulta ou senil, esses adjetivos não têm a menor importância — é constituída por textos que rejeitam o estereótipo. Ler literatura, livros que levem a um esforço de decifração, além de ser um prazer, é um exercício de pensar, analisar, criticar. Um ato de resistência cultural.” (fonte: Texturas, 2001, p. 88 - AMM)
  8. 8. Tendências temáticas na LIJ  Tratar a realidade, sem infantilização  Revela a complexidade da existência humana e da organização familiar e social  Narrador cúmplice do leitor, muitas vezes onisciente  Discurso literário pleno de oralidade  Intertextualidade e narrativas de encaixe  Por quê? - formação de um leitor crítico  Questionamentos ao poder (metáfora da nobreza)  Jogos de linguagem e metalinguagem  Minorias e coletividade  Personagens fortes e astutas (triangulação)  Viagem de amadurecimento
  9. 9. Brincar é coisa séria A obra de AMM oferece muitas histórias centradas em brincadeiras, algumas delas esquecidas nos novos tempos. O aspecto lúdico ganha destaque sendo um atrativo especial para os pequenos leitores, imersos no mundo dos jogos e brincadeiras. Em meio a essa diversão toda, surgem elementos importantes como jogos de palavras, regras e questionamentos, coletividade, valor da tradição e muito mais.
  10. 10. Brincar é coisa séria - obras
  11. 11. Aspectos linguísticos Como a matéria-prima do escritor é a língua, AMM explora com qualidade os recursos linguísticos da palavra e seus arranjos. A consciência da escrita enquanto jogo criador e estimulador das potencialidades do texto e do leitor. Polissemia, homonímia, paronímia, conotação, intertextualidade, jogos de palavras, metalinguagem são algumas dessas construções.
  12. 12. Problema de criança As questões tipicamente infantis como suas inseguranças, incompreensões e medos vão ganhar espaço privilegiado nas histórias de AMM. Muitas vezes as personagens infantis vão dividir com os leitores suas angústias tão cotidianas e como alcançaram a solução.
  13. 13. Problema de criança - obras
  14. 14. Aspectos linguísticos - obras
  15. 15. Aspectos textuais Explorar os aspectos textuais a partir da obra de AMM favorece ir além das categorias narrativas. Uma potencialidade é explorar os gêneros textuais como a carta, o anúncio, a fábula, peça teatral, caderno de receitas, diário e muito mais.
  16. 16. Aspectos textuais - obras
  17. 17. Lei 11645 Preocupada com a brasilidade e diversos valores nacionais, AMM já contemplava as duas matrizes culturais brasileiras: africana e indígena. Sem usar a literatura como pretexto para abordar tais temáticas, aprofunda olhares para cultura e o humano.
  18. 18. Lei 11645 - obras
  19. 19. Questionando o poder Tendo vivido intensamente as imposições da ditadura no Brasil, as instâncias de poder autoritário são temática de várias obras da escritora. As personagens questionam situações em que quem manda usa de autoridade apenas, sem respeitar os direitos alheios. Como força motriz para essa reflexão, muitas vezes, indica a voz infantil e a força da coletividade.
  20. 20. Questionando o poder - obras
  21. 21. Desconstruindo gênero Em vários livros, os papéis sociais de homens e mulheres são colocados em xeque. Personagens femininas submissas não têm mais vez e são constantes os questionamentos aos modos de ser tradicionalmente impostos às mulheres. Personagens masculinas não possuem mais os mesmos padrões de comportamento ditos “tradicionais”.
  22. 22. Desconstruindo gênero - obras
  23. 23. O príncipe que bocejava I  “Era uma vez um príncipe muito bem educado, que tinha se preparado toda a vida para ser rei um dia.” (p. 5)  Príncipe encantado - “para quem ainda acredita nessas coisas” (p. 6)  Baile - “festa de escolher noiva”  Bocejar - “incidente diplomático”  Novas princesas - “atrizes, cantoras e modelos”  “É que nem podia ouvir falar em princesa que se lembrava das conversas que tinha ouvido. De todas aquelas moças falando de roupas e do cabeleireiro e do namorado de uma amiga e da irmã da vizinha e do último lançamento da butique e do regime que a prima da cunhada tinha feito e da festa do duque e do número de calorias do empadão e do chapéu novo da marquesa e do chapéu velho da baronesa e do corte de cabelo esquisito da condessa e da...” (p. 11)
  24. 24. O príncipe que bocejava II Ilustração de Graça Lima
  25. 25. O príncipe que bocejava III  Viagem disfarçado - “Cortou e pintou o cabelo, pôs brinco e óculos escuros, se vestiu de um jeito bem moderno, botou uma mochila nas costas.” (p. 12-13)  Encontro no trem - conversa brotou de um livro: “Num instante estavam conversando. Falando de personagens que conheciam como se fosse gente de verdade. Tinham lido alguns livros que eram os mesmos. Mas cada um tinha também suas leituras diferentes. Então recomendavam, contavam, comparavam. Lembravam trechos de que gostavam, criticavam o que não gostavam.” (p. 14)  Viagem juntos por lugares, histórias e livros  “Que mistério era aquele? Como é que aquela moça podia ir para onde quisesse, daquele jeito? Não tinha família? Não morava em lugar nenhum? De onde vinha? Para onde ia?” (p. 19)
  26. 26. O príncipe que bocejava IV  Príncipe revela sua identidade - “Tinha vontade de ficar o resto da vida ao lado dela, conversando sem parar.” (p. 20)  Princesa da Festa da Uva - “Tirei o segundo lugar no concurso de Rainha da Uva na Festa da Colheita(...)” (p. 20)  “Daí a alguns meses a Princesa que Lia e o Príncipe que Não Bocejava Mais voltaram para casa e se casaram. Não sei se viveram felizes para sempre. Mas por muitos e muitos anos, até onde a memória alcança, tiveram assunto para conversar e se divertir. Leram muito. E às vezes, quando bocejavam, já sabiam porque era: estavam com sono e era hora de ir para cama.
  27. 27. O príncipe que bocejava V Ilustração de Graça Lima
  28. 28. A princesa que escolhia I  “Era uma vez uma princesa muito boazinha e bem comportada. Boazinha até demais, sabe? Obedecia a tudo. Concordava com todos. Uma verdadeira maria-vai- com-as-outras. (...) / Ainda bem que isso não durou muito, porque senão a gente não ia ter história. Ou só ia ter uma história muito chata, sem graça nenhuma. Mas a sorte é que um dia ela disse: / —Desculpe, mas acho que não.” (p. 3-4)  “A mãe, que também era boazinha demais, quase desmaiou de susto.” (p 4)  “O pai dela, que era todo metido a manda-chuva, ficou furioso. Ele era do tipo que achava que príncipe serve para andar a cavalo, enfrentar gigantes e matar dragões, mas que princesa só serve para ficar aprendendo a ser linda e boazinha, enquanto seu príncipe não vem.” (p. 4)
  29. 29. A princesa que escolhia II  Castigo na torre = biblioteca + jardim + vista do alto + filhos do jardineiro + internet  “Ela lia, lia, emprestava livro para os amigos. Adoravam conversar sobre o que tinham lido. E cada um ficava cada vez mais sabido.” (p. 9)  “De vez em quando, a rainha vinha e perguntava: / — Como é, minha filha? Vai tomar jeito? Resolveu ser boazinha e dizer sempre que sim? / — Ai, minha mãe! — suspirava a princesa. — Não dá, mesmo. Eu quero é poder escolher sempre. / — Escolher? Como assim?” (p. 11)  Conhecimento - chave para sair do castigo  Prêmio - poder escolher: “Não era bem isso que o rei tinha pensado, mas já tinha dito que atenderia ao desejo dela. E palavra de rei não volta atrás.” (p. 15)
  30. 30. A princesa que escolhia III Ilustração de Graça Lima
  31. 31. A princesa que escolhia IV  Escolhas - “Começou logo escolhendo uma coisa importante: ia dispensar os preceptores e estudar numa escola com montes de colegas.” (p. 17)  Baile para escolher marido - “Muito educada, a princesa conversou com todos, ouviu o que eles diziam, respondeu com atenção. Foi encantadora. E eles ficaram encantados com aquela princesa tão linda e inteligente, tão educada, com tanto assunto.” (p. 21)  Pretendentes (referências intertextuais)  Esportivo - Rapunzel  Especialista em sapatos - Cinderela  Amigão - Branca de Neve  Barulhento - Bela Adormecida  Mais velho - polícia
  32. 32. A princesa que escolhia V  “— Pois eu escolho não me casar agora. Ainda sou muito moça para isso. (...) Quero estudar muito, viajar muito, conhecer outros lugares e outras pessoas.” (p. 29)  “Estudou, viajou, aprendeu um monte de coisas. Foi para uma universidade e virou arquiteta. (...) / Um dia, encontrou numa reunião um arquiteto que fazia paisagismo: planejava jardins. Fazia muito tempo que os dois não se viam, mas logo se reconheceram: era o filho do jardineiro, amigo dela do tempo em que ficara de castigo na torre. / E foi ele que a princesa escolheu para namorar.” (p. 29)  “Como é que essa história acaba? Não dá para saber bem, porque ainda não acabou. / Antes de acabar, ainda aconteceram muitas coisas.” (p. 29)
  33. 33. A princesa que escolhia VI  Reino: morre o rei e princesa assume o trono  Governo: eleições e reino parlamentarista  “E a princesa? / Nem sei se ainda vive por lá e se ainda manda alguma coisa. Sei que ainda está com o filho do jardineiro. / Também não sei se os dois viverão felizes para sempre. Mas posso garantir que estão muito felizes... / É que os dois escolhem a cada dia...” (p. 33)  “E quando alguém pergunta à princesa se ela se arrepende de não ter casado com um príncipe, ela responde: / — De jeito nenhum. Eu tenho o que eu sempre quis. Sei que não escolhi um príncipe. Mas acho que escolhi um princípio. Só um jeito de começar.” (p. 33)
  34. 34. Tecendo contatos Agradeço a atenção de todos! www.graudez.com.br/litinf cris@graudez.com.br

×