Seu SlideShare está baixando. ×
0
Teoria cinetica da materia
Teoria cinetica da materia
Teoria cinetica da materia
Teoria cinetica da materia
Teoria cinetica da materia
Teoria cinetica da materia
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Teoria cinetica da materia

5,121

Published on

nono-A1

nono-A1

Published in: Tecnologia, Design
0 Comentários
0 pessoas curtiram isso
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Be the first to like this

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5,121
No Slideshare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Curtidas
0
Incorporar 0
No embeds

Conteúdo do relatório
Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
No notes for slide

Transcript

  • 1. <ul><li>http://fisicarildo.blogspot.com/ </li></ul>Teoria cinético-corpuscular da matéria
  • 2. <ul><li>1. Toda a matéria é constituída por corpúsculos (partículas); </li></ul><ul><li>2. Estas partículas têm dimensões muito reduzidas; </li></ul><ul><li>3. Entre as partículas constituintes da matéria existem espaços vazios; </li></ul><ul><li>4. Estas partículas encontram-se permanentemente em movimento; </li></ul><ul><li>5. As substâncias diferem entre si por terem diferentes partículas (daí a grande diversidade de substâncias existentes na Natureza). </li></ul>
  • 3. Indefinido Indefinida Alta Grande Fracas Gasosa Definido Variável Média Moderada Moderadas Líquida Definido Definida Baixa Pequena Fortes Sólida Volume Forma Temperatura Energia Forças de atração Fase
  • 4. movimento browniano <ul><li>http://www.moderna.com.br/moderna/didaticos/projeto/2005/3/einstein4 </li></ul><ul><li>Em 1827, o naturalista inglês Robert Brown observou que grãos de pólen boiando num copo de água se movimentavam constantemente, num ziguezague caótico, sem que nenhuma força os empurrasse. Brown chegou a achar que o pólen estivesse vivo, mas recuou em seguida: o efeito era o mesmo com pó de granito, de vidro e até com amostras da Esfinge de Gizé. </li></ul>
  • 5. movimento browniano <ul><li>Einstein especulou que, embora os átomos fossem pequenos demais para serem observados, seria possível estimar o seu tamanho calculando seu impacto cumulativo em objetos “grandes” – como um grão de pólen. Se a teoria atômica estivesse certa, então deveria ser possível, analisando o movimento browniano, calcular as dimensões físicas dos átomos. Foi o que Einstein fez. Ele assumiu que o movimento aleatório das partículas em suspensão era causado, sim, pela colisão de trilhões e trilhões de moléculas de água. Assim, ele computou o peso e o tamanho dos átomos, dando a primeira prova experimental da sua existência. </li></ul><ul><li>http://www.moderna.com.br/moderna/didaticos/projeto/2005/3/einstein4 </li></ul>
  • 6. DIFUSÃO <ul><li>Se uma gota de perfume cair no meio de um corredor, alguém que esteja em um dos extremos do corredor sentirá o cheiro quase imediatamente. Um choque com uma molécula de ar impulsiona a molécula de perfume com alta velocidade,em torno de 250 metros por segundo. </li></ul>

×