Teoria cinetica da materia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Teoria cinetica da materia

on

  • 5,523 visualizações

nono-A1

nono-A1

Statistics

Visualizações

Total Views
5,523
Views on SlideShare
5,523
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
14
Comments
0

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

    Teoria cinetica da materia Teoria cinetica da materia Presentation Transcript

      • http://fisicarildo.blogspot.com/
      Teoria cinético-corpuscular da matéria
      • 1. Toda a matéria é constituída por corpúsculos (partículas);
      • 2. Estas partículas têm dimensões muito reduzidas;
      • 3. Entre as partículas constituintes da matéria existem espaços vazios;
      • 4. Estas partículas encontram-se permanentemente em movimento;
      • 5. As substâncias diferem entre si por terem diferentes partículas (daí a grande diversidade de substâncias existentes na Natureza).
    • Indefinido Indefinida Alta Grande Fracas Gasosa Definido Variável Média Moderada Moderadas Líquida Definido Definida Baixa Pequena Fortes Sólida Volume Forma Temperatura Energia Forças de atração Fase
    • movimento browniano
      • http://www.moderna.com.br/moderna/didaticos/projeto/2005/3/einstein4
      • Em 1827, o naturalista inglês Robert Brown observou que grãos de pólen boiando num copo de água se movimentavam constantemente, num ziguezague caótico, sem que nenhuma força os empurrasse. Brown chegou a achar que o pólen estivesse vivo, mas recuou em seguida: o efeito era o mesmo com pó de granito, de vidro e até com amostras da Esfinge de Gizé.
    • movimento browniano
      • Einstein especulou que, embora os átomos fossem pequenos demais para serem observados, seria possível estimar o seu tamanho calculando seu impacto cumulativo em objetos “grandes” – como um grão de pólen. Se a teoria atômica estivesse certa, então deveria ser possível, analisando o movimento browniano, calcular as dimensões físicas dos átomos. Foi o que Einstein fez. Ele assumiu que o movimento aleatório das partículas em suspensão era causado, sim, pela colisão de trilhões e trilhões de moléculas de água. Assim, ele computou o peso e o tamanho dos átomos, dando a primeira prova experimental da sua existência.
      • http://www.moderna.com.br/moderna/didaticos/projeto/2005/3/einstein4
    • DIFUSÃO
      • Se uma gota de perfume cair no meio de um corredor, alguém que esteja em um dos extremos do corredor sentirá o cheiro quase imediatamente. Um choque com uma molécula de ar impulsiona a molécula de perfume com alta velocidade,em torno de 250 metros por segundo.