O BIG BANG
O OVO CÓSMICO <ul><li>13,7 BILHÔES DE ANOS  </li></ul><ul><li>UMA ESFERA DE 1cm DE DIÂMETRO CONTINHA TODO O UNIVERSO </li>...
A GRANDE EXPLOSÃO <ul><li>HOUVE UMA DESESTABILIZAÇÂO DESTA ENERGIA E INICIOU-SE A INFLAÇÂO </li></ul>
INFLAÇÂO <ul><li>O UNIVERSO CONSTITU-SE DE PURA ENERGIA A 100 BILHÕES DE GRAUS,MAS COM A EXPANSÃO HOUVE UM RESFRIAMENTO </...
ANIQUILAÇÃO <ul><li>Albert Einstein enuncia a Teoria da Relatividade, mostrando a equivalência entre matéria e energia. E ...
<ul><li>Depois de 380 000 anos,  os elétrons se combinam com os núcleos, formando átomos neutros. Como não existem então m...
EVIDÊNCIAS <ul><li>1- LEI DE HUBBLE </li></ul><ul><li>2- RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO </li></ul><ul><li>3- RESULTADOS DO WMAP...
EFEITO DOPPLER <ul><li>O OBSERVADOR 2 RECEBE UMA FREQUÊNCIA APARENTE MAIOR(SOM MAIS AGUDO) </li></ul><ul><li>O OBSERVADOR ...
DESVIO PARA O VERMELHO <ul><li>Deslocamento Espectral para o Vermelho </li></ul><ul><li>VERMELHO(MENOR FREQUÊNCIA) </li></...
DOPPLER
LEI DE HUBBLE <ul><li>O astrônomo Edwin Powell Hubble (1889-1953), em 1929, reuniu elementos suficientes para concluir que...
 
RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO <ul><li>A radiação de fundo </li></ul><ul><li>Os físicos norte-americanos Arno Penzias e Robert ...
RESULTADOS DO WMAP <ul><li>Wilkinson Microwave Anisotropy Probe  (WMAP) </li></ul><ul><li>Comparação das medidas de flutua...
PARADOXO DE OLBERS <ul><li>O Paradoxo de Olbers: O enigma da escuridão da noite </li></ul><ul><li>Uma das constatações mai...
QUAL SERÁ O  FIM?
 
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O big bang

1.715 visualizações

Publicada em

tkskh

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.715
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O big bang

  1. 1. O BIG BANG
  2. 2. O OVO CÓSMICO <ul><li>13,7 BILHÔES DE ANOS </li></ul><ul><li>UMA ESFERA DE 1cm DE DIÂMETRO CONTINHA TODO O UNIVERSO </li></ul><ul><li>TODA A MATÉRIA CONCENTRADA ESTAVAVA NA FORMA DE ENERGIA </li></ul><ul><li>PRESSÃO E TEMPERATURA INFINITAS </li></ul>
  3. 3. A GRANDE EXPLOSÃO <ul><li>HOUVE UMA DESESTABILIZAÇÂO DESTA ENERGIA E INICIOU-SE A INFLAÇÂO </li></ul>
  4. 4. INFLAÇÂO <ul><li>O UNIVERSO CONSTITU-SE DE PURA ENERGIA A 100 BILHÕES DE GRAUS,MAS COM A EXPANSÃO HOUVE UM RESFRIAMENTO </li></ul><ul><li>PARTÍCULAS E ANTIPARTÍCULAS SÃO CRIADAS E ANIQUILADAS EM RÍTMO FRENETICO </li></ul><ul><li>A redução rápida de temperatura determinou as sucessivas transformações da energia liberada que se materializou na forma de partículas (quarks) e antipartículas (antiquarks). A matéria e a antimatéria se aniquilam, gerando uma quantidade enorme de energia na forma de fótons e obedecendo à equação de Einstein: E = m.c². O excesso de matéria em relação à antimatéria deu origem ao Universo em que hoje vivemos. </li></ul>
  5. 5. ANIQUILAÇÃO <ul><li>Albert Einstein enuncia a Teoria da Relatividade, mostrando a equivalência entre matéria e energia. E = m . c² </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Depois de 380 000 anos, os elétrons se combinam com os núcleos, formando átomos neutros. Como não existem então mais elétrons livres para espalhar os fótons, o Universo passa de opaco para transparente e, a partir de então, a matéria e a radiação evoluem independentemente. Esta radiação de 3 000 K, expandindo-se com o Universo, é o que detectamos como radiação do fundo do universo. Somente milhões de anos depois as galáxias começam a se formar. </li></ul>
  7. 7. EVIDÊNCIAS <ul><li>1- LEI DE HUBBLE </li></ul><ul><li>2- RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO </li></ul><ul><li>3- RESULTADOS DO WMAP </li></ul><ul><li>4- PARADOXO DE OLBERS </li></ul>
  8. 8. EFEITO DOPPLER <ul><li>O OBSERVADOR 2 RECEBE UMA FREQUÊNCIA APARENTE MAIOR(SOM MAIS AGUDO) </li></ul><ul><li>O OBSERVADOR 1 RECEBE UMA FREQUÊNCIA APARENTE MENOR(SOM MAIS GRAVE) </li></ul>
  9. 9. DESVIO PARA O VERMELHO <ul><li>Deslocamento Espectral para o Vermelho </li></ul><ul><li>VERMELHO(MENOR FREQUÊNCIA) </li></ul><ul><li>ALARANJADO </li></ul><ul><li>AMARELO </li></ul><ul><li>VERDE </li></ul><ul><li>AZUL </li></ul><ul><li>ANIL </li></ul><ul><li>VIOLETA(MAIOR FREQUÊNCIA) </li></ul>
  10. 10. DOPPLER
  11. 11. LEI DE HUBBLE <ul><li>O astrônomo Edwin Powell Hubble (1889-1953), em 1929, reuniu elementos suficientes para concluir que: “A velocidade com que uma galáxia se afasta de nossa galáxia é diretamente proporcional à sua distância de nossa galáxia”. </li></ul><ul><li>Matematicamente: V = H d V: velocidade de afastamento da galáxia considerada. d: distância entre a galáxia considerada e a nossa galáxia. H: constante de Hubble </li></ul><ul><li>A Lei de Hubble sugere que toda essa matéria que está em expansão, num dado instante, pode ter estado junta em um só local: o ovo cósmico ou singularidade. </li></ul>
  12. 13. RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO <ul><li>A radiação de fundo </li></ul><ul><li>Os físicos norte-americanos Arno Penzias e Robert Wilson, em 1965, ao estudarem ondas de rádio, detectaram a presença de “ruídos” estranhos que iriam constituir a radiação cósmica de fundo. Os estudos posteriores mostraram que esta radiação é equivalente à emitida por um corpo negro a uma temperatura de 2,7K. </li></ul><ul><li>Essa descoberta da radiação cósmica de fundo parece evidenciar duas coisas: a existência do big-bang, sendo esta radiação de fundo proveniente da transformação de massa em energia radiante, um resíduo do big-bang que deu origem ao Universo, e ainda que 2,7K seria a temperatura atual do Universo considerado como um todo (uma espécie de temperatura média do Universo), o que já tinha sido previsto por George Gamow (1904-1968) em 1948. </li></ul>
  13. 14. RESULTADOS DO WMAP <ul><li>Wilkinson Microwave Anisotropy Probe (WMAP) </li></ul><ul><li>Comparação das medidas de flutuação na temperatura da radiação do fundo do Universo com as previsões do modelo inflacionário.Os observadores mediram a diferença de temperatura entre duas regiões do céu, separadas por um certo ângulo, e calcularam esta diferença. </li></ul><ul><li>março de 2006 </li></ul>
  14. 15. PARADOXO DE OLBERS <ul><li>O Paradoxo de Olbers: O enigma da escuridão da noite </li></ul><ul><li>Uma das constatações mais simples que podemos fazer é que o céu é escuro, à noite. É estranho que esse fato, sobre o qual ninguém em sã consciência colocará qualquer dúvida, e que à primeira vista parece tão compreensível para qualquer pessoa, tenha dado tanto o que pensar durante tanto tempo. </li></ul><ul><li>Aparentemente a primeira pessoa que reconheceu as implicações cosmológicas da escuridão noturna foi Johannes Kepler (1571-1630), em 1610. Kepler rejeitava veementemente a idéia de um universo infinito recoberto de estrelas, que nessa época estava ganhando vários adeptos principalmente depois da comprovação por Galileu Galilei de que a Via Láctea era composta de uma miríade de estrelas, e usou o fato de que o céu é escuro à noite como argumento para provar que o universo era finito, como que encerrado por uma parede cósmica escura. </li></ul>
  15. 16. QUAL SERÁ O FIM?

×