PLANO DE SOCIOLOGIA

4.601 visualizações

Publicada em

II ENCONTRO CEARENSE DE APRENDIZAGEM COOPERATIVA

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.601
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PLANO DE SOCIOLOGIA

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ-UFC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ-SEDUC ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALAN PINHO TABOSA Plano De Aula 1º Ano Do Ensino Médio Profissionalizante 2012 Facilitador: Disciplina: Tony W. Ramos Sociologia Data: Aula Nº: Tempo Previsto: Turma: 29/11/2012 50 minutos AgroindústriaConteúdo:O desenvolvimento do pensamento social e os pensadores clássicosObjetivos:- Compreender como as teorias clássicas da sociologia relacionam-se com o mundocontemporâneo; - Entender os conceitos formulados pela teoria marxista de luta de classes, relações fetichistas emais-valia;Competências Cognitivas: - Analisar o texto;- Sintetizar informações;- Saber explicar;Competências Cooperativas:- Partilhar idéias, recursos e responsabilidades;- Escutar as opiniões e as idéias dos outros colegas;- Falar na sua vez.Interdependência Positiva:Ligada aos objetivos, recursos e aos papéis.Formação de Grupos: Pequenos grupos (células) heterogêneas compostas por 3 estudantes atendendo ao critério demáxima heterogeneidade: sexo diferente, nível de rendimento diferente, importante estudantes deníveis diferentes para estimular a cooperação caso você conheça os estudantes à priori;Técnica de Ensino:Jigsaw e Leitura e Compreensão em Trios (para a discussão dos textos)JigsawGrupos base (célula base):Primeiramente os conteúdos a estudar são divididos em tantas partes quantos os estudantes daCélula;Grupos de Especialistas ou de Peritos:· Cada estudante estuda e discute a sua parte juntamente com os colegas das outras células aquem foi distribuído a mesmo subtema, formando assim uma célula de especialistas. Se aturma for grande o professor pode distribuir os estudantes em vários grupos de peritos paracada tópico;· Posteriormente, cada educando volta à célula-base e apresenta o que aprendeu aos seuscolegas de maneira a que fiquem reunidos os conhecimentos indispensáveis para aconcretização do trabalho. Cada estudante tem de aprender a matéria para „si próprio‟ e tambémtem que explicar aos seus colegas, de forma clara, o que aprendeu, uma vez que todos vão seravaliados, de forma individual, sobre os conteúdos estudados.
  2. 2. Leitura e Compreensão em Trios (Grupo de Especialistas)Papéis: Gestor de Tempo, Observador e Relator - Os estudantes lêem o texto em conjunto e discutem a principal idéia contida no texto; - Um estudante se responsabiliza em gerir o tempo necessário para a atividade;- Um estudante observa os comportamentos em relação às competências cooperativas desejadas,intervindo se necessário.- Outro estudante se responsabiliza para desenvolver uma síntese do que foi discutido;Procedimentos Previstos:Professor:10 minOrientações passo a passo:- O Professor deve iniciar com a construção coletiva de um Contrato de Convivência (lembrandoaos estudantes à importância de cumpri-lo caso já tenha construído);- O professor apresenta o objetivo da atividade no que tange ao conteúdo: O professor tem que darespecial ênfase, pois todos devem entender o objetivo: Entender os conceitos formulados pelateoria marxista de luta de classes, relações fetichistas e mais-valia;- Os professor divide os estudantes de forma heterogênea em grupos de 3 (tríades) estudanteslevando em consideração os critérios citados anteriormente;- O professor aponta quais os comportamentos desejados (habilidades sociais ou competênciascooperativas que serão trabalhadas durante a atividade) e explicar o Contrato de Cooperação;- O professor explica aos estudantes o método cooperativo (Jigsaw e Leitura e Compreensão emTrios) que será utilizado na aula;- O Professor estabelece a distribuição dos papéis que serão trabalhados nas células (explicaçãosobre os papéis em anexo);- O professor distribui o texto com seus subtemas (texto em anexo) nas células base:  Luta de classes;  Relações fetichistas;  Mais-valia; - O professor explica que a técnica utilizada no Grupo de especialistas, na discussão dos subtemas,é a Leitura e Compreensão em Trios dando ênfase à divisão de papéis;- Observação importante: o professor, na disposição da sala, deve manter três células bempróximas. Vale salientar que tanto as células-bases como as células de especialistas terão 3estudantes por célula, por conta do número elevado de estudantes por turma (45 estudantes).Mantendo três células-bases bem próximas facilitará a distribuição dos estudantes no momento deformarem suas células de especialistas.- O Professor deve realizar uma introdução ao conteúdo, uma visão geral antes do início daatividade;- O Professor informa que no final da aula realizará uma atividade de avaliação: perguntas sobreo assunto a ser resolvida de forma individual (questões objetivas preferencialmente); - O professor aponta o critério de sucesso do grupo: se cada estudante da célula base resolverindividualmente a questão a contento, o grupo ganhará um bônus (1 ponto) na prova parcial (casoum ou somente dois estudantes da tríade (célula) resolver a questão a célula base não ganhará o
  3. 3. bônus); - O professor deve informar que vai circular pela sala, observar se estão trabalhando e interagindo,se aproximar um ou de outro e ouvir o que estão a discutir e as explicações que dão uns aos outros;- O Professor deve realizar uma conclusão da aula antes da aplicação da avaliação;- O professor deve lembrar-se de recolher as respostas referentes à avaliação individual;- Observação: Lembrar os estudantes que após a avaliação devem realizar o processamento degrupo (será realizado de forma oral, lembrar de distribuir as perguntas norteadoras – em anexo) ede celebrar o sucesso (o professor distribuirá uma paródia sobre o assunto para cada célula para osestudantes cantarem em uníssono – paródia em anexo)Estudante:40 minAtividade passo a passo:1ª etapa - Os estudantes nas células-base analisam o texto com os subtemas em conjunto, de formaa terem o primeiro contato com a totalidade dos assuntos a aprender, fazendo uma análise sumáriados mesmos e logo depois dividindo os subtemas entre os membros das células. 3min2ª etapa - Em seguida os estudantes se distribuirão nas células de especialistas: cada estudanteprimeiramente realiza uma leitura individual e posteriormente discute (Leitura e Compreensão emTrios) a sua parte (subtema) juntamente com os colegas das outras células a quem foi distribuído omesmo subtema realizando uma síntese para facilitar o compartilhamento à posteriori; 10min3ª etapa - Os estudantes retornam às células-base e explica o seu subtema utilizando a síntese comoreferência; 12min4ª etapa – Os estudantes de forma individual responderão a uma pergunta sobre o assunto(avaliação individual); 5min5ª etapa – Os estudantes realizarão o processamento de grupo – 5 min;6ª etapa – Não se esquecer de celebrar o sucesso - 5 minProcessamento do Grupo:Feito oralmente (perguntas norteadoras em anexo) 05 minObservações:Com turmas com muitos estudantes pode-se subdividir o grupo de especialista em grupos menorespara facilitar a aprendizagem.Avaliação:Pergunta sobre o assunto (anexo) 05 minReferências: - Sociologia / vários autores. – Curitiba: SEED-PR, 2006. – 46 p.- A Aprendizagem Cooperativa em Sala de Aula – Um Guia Prático Para o Professor, Lidel Edições,Lisboa 2009- Primeiro Aprender, Sociologia, Aula 14, vol. 3, 198 p.Anexos:
  4. 4. Anexo 1PARTE 1 – A Luta de classes Karl Marx (1818-1883) foi um intelectual e revolucionário alemão, fundador da doutrina comunistamoderna, atuou como economista, filósofo, historiador, teórico político e jornalista e foi o maisrevolucionário pensador sociológico.Marx concebe a sociedade dividida em duas classes: a dos capitalistas (burguesia) que detêm a posse dosmeios de produção e o proletariado (ou operariado), cuja única posse é sua força de trabalho a qual vendemaos capitalistas. Para Marx, os interesses entre o capital e o trabalho são irreconciliáveis, sendo este debate aessência do seu pensamento, resultando na concepção de uma sociedade dividida em classes. Assim, osmeios de produção resultam nas relações de produção, formas como os homens se organizam para executara atividade produtiva. Tudo isso acarreta desigualdades, dando origem à luta de classes. Para Marx “ahistória de todas as sociedades tem sido a historia da luta de classes”.PARTE 2 – Fetichismo da mercadoria Segundo Marx, a classe assalariada (os proletários), sem os meios de produção e em desvantagemna capacidade de influência política na sociedade, transforma-se em parte fundamental no enriquecimentoda burguesia, pois oferecia mão-de-obra para as fábricas, (as novas unidades de produção do mundomoderno). Entretanto, homem não tem controle sobre o seu próprio trabalho, em termos de tempo e emtermos daquilo que é produzido. Nas relações fetichistas os homens não reconhecem que eles são oscriadores das mercadorias. No caso da produção de mercadorias, ocorre que a troca de mercadorias é a únicamaneira na qual os diferentes produtores isolados de mercadorias se relacionam entre si. Dessa maneira, ovalor das mercadorias é determinado de maneira independente dos produtores individuais (não é otrabalhador quem controla, que decide), e cada produtor deve produzir sua mercadoria em termos desatisfação de necessidades alheias (dos patrões, do mercado). Disso resulta que a mercadoria mesma (ouo mercado) parece determinar a vontade do produtor e não o contrário. Fetichismo da mercadoria é o modo pelo qual Karl Marx denominou o fenômeno social epsicológico onde as mercadorias aparentam ter uma vontade independente de seus produtores.Segundo Marx, o fetichismo é uma relação social onde o homem se relaciona por meio das coisas. Oresultado é a aparência de uma relação direta entre as coisas e não entre as pessoas. As pessoas agem comocoisas e as coisas, como pessoas.PARTE 3 – Mais-valiaO objetivo do sistema capitalista, como modo de produção, é justamente a ampliação e a acumulação deriquezas nas mãos dos proprietários dos meios de produção. Mas de onde sai essa riqueza? Marx diria que édo trabalho do trabalhador. Veja um exemplo.Quantos sofás por mês um trabalhador pode fazer?Vamos imaginar que sejam 15 sofás, os quais multiplicados a um preço de venda de R$ 300,00 daria o totalde R$ 4.500,00. E quanto ganha um trabalhador numa fábrica?Imagine que seja uns R$ 1.000,00, para sermos mais ou menos generosos. Bem, os R$ 4.500,00 da vendados sofás, menos o valor do salário do trabalhador, menos a matéria-prima e impostos (imaginemos R$1.000,00) resulta na acumulação de R$ 2.500,00 para o dono da fábrica.Esse lucro Marx chama de mais-valia, pois é um excedente que sai da força de cada trabalhador. Veja, se osmeios de produção pertencessem a ele, o seu salário seria de R$ 3.500,00 e não apenas R$ 1.000,00.A mais-valia são as horas dentro da jornada de trabalho em que a produção executada se reverte para ocapitalista na forma de lucro. Então podemos dizer que o trabalhador está sendo roubado? Não podemosdizer isso, pois o que aqui exemplificamos é conseqüência da existência da propriedade privada e de osmeios de produção nas mãos de uma classe, a burguesia.Marx propunha a derrubada da classe dominante (burguesia) por meio de uma revolução do proletariado e acriação de uma sociedade sem classes no qual os meios de produção passem a ser propriedade de todacoletividade.Anexo 2 AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO SOCIOLOGIA
  5. 5. 1 - Leia o fragmento do poema “Operário em construção”, de Vinícius de Moraes, a seguir:“E foi assim que o operárioDo edifício em construçãoQue sempre dizia simComeçou a dizer não.E aprendeu a notar coisasA que não dava atenção:Notou que sua marmitaEra o prato do patrão......Que sua imensa fadigaEra amiga do patrão”Considerando que a divisão do trabalho é uma das características das sociedades modernas, o conceitosociológico que pode ser relacionado a esse fragmento textual é o de:A) alienação que se define como a análise dialética das relações capitalistas, ou seja, a interpretação pelaqual os homens pensam sobre si mesmos e sua condição social.B) mais-valia que representa a diferença entre o trabalho necessário à produção da vida do operário e otrabalho excedente.C) solidariedade orgânica, uma vez que a diversidade entre indivíduos permite que ocorra a união atravésda interdependência de funções sociais.D) consciência coletiva, pois expressa a forma moral vigente na sociedade, através de regras estabelecidasque atribuem valor e delineiam os atos individuais.2 - Sobre o pensamento de Karl Marx, é correto assinalar:A) a proposta fundamental do pensamento sociológico de Karl Marx se encontra na tentativa de reconciliaros interesses do trabalho e do capital.B) o pensamento sociológico de Karl Marx se apresenta carente de conteúdo político.C) Karl Marx constrói um sistema de análise que aponta as idéias e emoções como gênese de todas asmudanças sociais.D) o pensamento de Karl Marx se fundamenta na teoria da mais-valia e da luta de classes, pois segundo opróprio Marx “a história de todas as sociedades tem sido a historia da luta de classes”.3 - O misterioso da forma da mercadoria reside no fato de que ela reflete aos homens as característicassociais do seu próprio trabalho, como características objetivas dos próprios produtos do trabalho e, aomesmo tempo, também da relação social dos produtores com o trabalho total como uma relação socialexistente fora deles, entre objetos.(Adaptado: MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Nova Cultural, 1988. p. 71.)Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema, é correto afirmar que, para Marx:A) As mercadorias, por serem objetos, são destituídas de qualquer vinculação com os seus produtores.B) As mercadorias materializam a harmonia presente na realização do trabalho alienado.C) As mercadorias constituem-se em um elemento pacificador das relações entre patrões e trabalhadores.D) A mercadoria, no contexto do modo capitalista de produção, possui caráter fetichista, refletindo osaspectos sociais do trabalho.Anexo 3Perguntas norteadoras para o Processamento de Grupo:O grupo cooperou na atividade?Escutamos as opiniões e as idéias dos colegas de grupo?Todos contribuíram com idéias e opiniões?
  6. 6. Fomos responsáveis com os papeis atribuídos (gestor de tempo, relator, observador)?Expressamos nossos desacordos de forma educada?Trabalhamos dentro do tempo previsto?Utilizamos as habilidades sociais escolhidas pela célula?Anexo 4Papéis sociais trabalhados na aula:Gestor de Tempo: Controla o tempo que foi dado para o grupo realizar a tarefa. Intervéminformando aos demais membros do grupo a perda de tempo inútil.Relator: Registra as sínteses das discussões do grupo a cerca do assunto.Observador: observa se o grupo está utilizando as competências cooperativas desejadas para obom andamento das atividades.Anexo 5Marx me ligaNão era pra você se aburguesarEra só para derrubarAquele Rei, meu bem aquele ReiModernidade que nascia assimRazão, Revolução Industrial enfimEu te ensinei, meu bem eu te ensineiNão vai ser tão fácil assimFazer REVOLUÇÃOCom movimento ou luta armadaO que importa é a transformaçãoNão venha desequilibrarA ordem e a harmoniaEu sofri muito com DurkheimAgora eu vou curtir a vida RefrãoMarx me liga na históriaDa luta do povoQue pede socorroQuerendo se libertarDa MAIS-VALIA que exploraO trabalhadorLuta com amorPara você poder revolucionar

×