Aula de Capital Social - 8h

485 visualizações

Publicada em

Aula de Capital Social que aborda os temas:

Interação, Relação e Laços Sociais
Redes Igualistárias
Rede Mundos Pequenos
Redes sem escalas
Redes Inteiras e Redes de Ego
Cooperação, Competição e Conflito
Ruptura e Agregação
Adaptação e Auto-Organização
Componentes Emergentes
Redes de Filiação e Associativas
Definição de Sites de Rede Social
Capital Social na Internet
Visibilidade, Reputação, Popularidade e Autoridade
Capital Social e a Difusão de Informações
Memes
Valor, Capital Social e Memes

Publicada em: Internet
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
485
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula de Capital Social - 8h

  1. 1. [7 I líâi E #53 a 'âeãm uma» Mamma VE W
  2. 2. É. J.'*ÍV-T“'FÍÍO› ÍÍ1:°'. :'. o?› _Inmi-n” 4!. : ¡V/ !zukaüugv . a AYlqlY/ !H Hlwlñman ih' 91H01.” Hlvül” ” : Iuu-: kujr-Jr Pin. Gmuíllrauitan : um hutautalilng¡ a Àvlçnuoíhe* *Tugmntktanoílçnr0 cftv TaíMtífldlamdlallwulenrannn 7 : Inu: cita àzqprslñãnloftar : m: í 112m2!! CD» 'íaxoiuñuulkg. ucmylaakçlvlaulmtlm @J n-Ikmínuwunmnrlamtavtauxmzxc~ @ ; miauauxcglgm¡gxçmvnvuz. sumiu . .a V ; g x, @La auualxc. .-auxxo› _ _
  3. 3. MIS! ) IMPORTANTE
  4. 4. IVANA E MAIARA ERAM MENINAS FELIZES. ATÉ OUE UM DIA. . IVANA DECIDIU CRIAR E MAIARA DECIDIU CRIAR [XPECIAIIVAS (ODORNAS W3C 03m, / x HOJE IVANA NÃO TEM MAS MAIARA TEM NADA! OVOS DE [ODORNM MORAL iu HISTÓRIA: _CRÍE CÚDÚRNAS. w MAS NAO CRlE EXPECTATÍVAS. .o. _htc-ebook . 00m/ Di lemu sda l vu n u
  5. 5. BOÉRING _ CONTZLENTII
  6. 6. vou ms¡ timing us; voun ~ 4 - x¡ _ _ . A ' I " _ . . y, *Í '. 1T 4! , _ ' J F ; F . - s. A IMAGINAIIÍINM
  7. 7. "ÍÍil'$| ÍÍ(ñ= .l_I : mc-funk: E1a¡"i; ¡fIc: 'irí›-f: ifzríliçliiiliíi: *ÍILI êlfííilí“lñi“i“l"lííiÍl~f› çiçiçrçiranciici: : CILI CÍIÇJÚWvlElCIICWÇ; CIO Jiralhnrriçii-Ikc» : irçiíçirçiricfiaii a rrrvtiçxsirangz-íiríi ; mira- ÍIFIFÍÍIIVÍIIÍÍIJIÍ): a ÇIFIJIÇIIÍBL. ! xçiaim Cilmi? IJITEI. :: Marvila Cia* tiiçiriciiai iitraiçiíízanl Tiçiiczm : :lu L. irrr, =.i axriliirtravgrãkri Liriiivrziraitzãirrai IiÍ-“zlÇlÍÊâl : :Liiltiraitíi ; irrita altslrriarliair ai : IrCICíII/ .Iíirxíiãhlwií e IÍÍTKÍÍIIILÍICÍLJ? ! = ~ iíziilialíkxiagt, çiriííinti_ : BEST FiIÍII'IÊ= .ÍÍIÍÍÉ› : nfiríiafi: f-. Iirãiíiiriw : i I; iriílñluíivíiriiaxciçi th: IriríIIv, IICIL. ic›: . e ÇITIJÇIÉB»
  8. 8. WE HAVE T0 G0 BAG K1
  9. 9. Alexis de Tocqueville
  10. 10. F7 T IF R" pl IF' , l li X N. I l I r. .f, IPF¡ i7» l_
  11. 11. "Eu não me refiro a bens imóveis, ou a propriedade pessoal ou ao dinheiro, mas sim ao fator que na vida o que tende a fazer essas substâncias tangíveis contar mais no cotidiano das pessoas, ou seja, a boa vontade, a parceria, a simpatia mútua e intercâmbio social entre um grupo de indivíduos e famílias que compõem uma unidade social. .. Se ele puder entrar em contato com o seu próximo, e eles com outros vizinhos, haverá uma acumulo de capital social, o que pode imediatamente satisfazer suas necessidades sociais e que pode ostentar uma potencialidade social suficiente para a melhoria substancial das condições de vida em toda a comunidade. A comunidade como um todo será beneficiada pela cooperação de todas as suas partes, enquanto o indivíduo vai encontrar em suas associações as vantagens da ajuda, da simpatia, e a comunhão dos seus vizinhos"
  12. 12. 'f~; i~: cr5 'uulífgi c; l"'tÍc, ¡r. g(. ;l5?
  13. 13. , l A m. _ x s “u, l 'a 4 r 1 . I 3a- n _ l I. v. .- __. .ç- . _za-w ____ . ,._. _.. .__ . ..Kg ~ A . l l l . _ 1/ _Ja_ m¡› l t' 1 . 'tw' ~ Í rx' ' Í J J/ P A¡ 'akF' _ _ . x . _l I” _ X 1» . t* 4 f_ , '/ __ _› N~
  14. 14. l. .rnümliok › J s¡ I Il . , , ii i r . í L 1 . _ . . . , . o. .. l ira. ; I _o L. n_ -r n. r/ f. , , I r t vi"" ' " . tn ' 13-4? _-: ' A- Jc? I(
  15. 15. é C › ; l . _ ___ A . - V - ' ri ' 5 v. . 33. . *-_. _' . if Í ç A _(. ..' V' '. v r ' l I '
  16. 16. n¡ - . I v* »AI * - 'v › ; - , ., . t v r f j ' s 1/ a ' . -~"' . z Z › I' , x ¡ / í l t, 1/ ¡ x _ ) o ¡ _i “É t. f Í É ' A r u ° - ns r 4 ' Í a . r
  17. 17. .Tá 'r. ow"or. ;VF-rj H v . VO o "ÍVQÂRI : '91 '-' 'z-YTLÃ *lrzuy A' . ~ i J u» '- v' ' < , gl-: 'g»zrn, », i 7: Í V731'. Uhflx 4 'AA rx. th. . rw_ 't 'u
  18. 18. Dunbars Number the max number of relationships o person can mointoín
  19. 19. Pierre Bourdieu
  20. 20. Trr E r, , [j r: rrrf | RIORLD BANKGROUP
  21. 21. Â7~Í ff; . Rt-, itn am D a b O R
  22. 22. Aggg 95 - 2000 Livro II lí ll ll r 7' ll IL , III v ; w l ; m ' I Í "O #eu ( , n _ 1 l 4' IIIIIIEPÍ PIIÍIIHIII
  23. 23. Il V A “n, A mmâj-J. . «v» . A _jàqlFr-'r' › -ÊÉwIf-'Àa-¡rãllllllllltfttn a
  24. 24. i1 l u'. 'I k. ” 'n-L_ q! .t1 | . , xy , . 'I w; l: WM». 7 , sAristÕtelets A . .. x . s_ esxílüuino [384 - 322 AC_ i ,1225 31374 i
  25. 25. Pierre Bourdieu
  26. 26. _ Enxerga (com base em estudos) como gerador de inequalidades e que pessoas tem acesso a poder e recursos acessando conexões sociais.
  27. 27. Â7~Í ff; . Rt-, itn am D a b O R
  28. 28. 'Á' obert DRPçutnam Ilnlierl Il. Pulnam Enxerga de uma forma mais positiva vendo o capital social como gerador de engajamento civil.
  29. 29. . l _ . w IIJ. a . D il z , m Q. .. . K m _. É, ã. ;à«. ..ss. ,ãç, sn$. . 23 N
  30. 30. Teoria Geral dos Sistemas (sistemas complexos) Compreender fenômenos em sua totalidade e não mais como independentes uns dos outros. Não somente as partes, mas as partes em interação
  31. 31. Teoria dos Grafos 86-24 UMCRRSO . 1 A teoria dos grafos e um ramo da matemática que estuda as relações entre os objetos de um determinado conjunto. Para tal são empregadas estruturas chamadas de grafos, G(V, A), onde V é um conjunto não vazio de objetos denominados vértices e A é um conjunto de pares não ordenados de V, chamado arestas.
  32. 32. O que é uma rede? W ? g1 RM Conjlinm entrelaçado ue aos, cordas. arames, etc , :: um aherluias regulares llxadas por malhas e nós, iormanuo uma espécie de : ecran
  33. 33. I
  34. 34. É ; a ' n!
  35. 35. INITERNET
  36. 36. ,. ra. iun_swn_vxiubm. ? . .üfmamnnoun. n._ . ..AM3 . o. . . r. ? : Írliãldlüã , ailümuírilrl III'. .a É( xau. ... w.. .ltlr. |aw LJ . ILruuwñAAwru. el. a l
  37. 37. Conjunto entrelaçado de fios, cordas, arames, etc. , com aberturas regulares, fixadas por malhas e nós, formando uma espécie de tecido. '3'Í'A, R. : _*' x-vrü. , e ; z gWL¡ *í ¡RIIYFA WIKIPEDIA Tbe Free Encyclopedia
  38. 38. PAUL
  39. 39. Types of Networks Decentralized
  40. 40.
  41. 41. Types of Networks Decentralized
  42. 42. :alt II'l'IÍ@I“I'°lrÉÍIÍIQíHELI "N, ¡ Educação, Empreendedorismo e Inovação , _ L tw T' É¡ '› 'V' rwvl r " â-i A s' f* r ' * ' sl , lj , z , A _ _ f* 4- ', J '
  43. 43. Types of Networks Decentralized
  44. 44. Types of Networks Decentralized
  45. 45. o o 0.o' ? $°°° Í¡ R E . VIR. 9.00. à¡ l . ~ ç_ Rede: Uma coleção de nós interligados que trocam v¡ O¡ informação. o Out"? ' e: Nó: A parte mais básica da rede, por exemplo um usuário ou um computador. Link: A conexão entre dois nós. o 0.¡ S , Q _ _ , _ o. , . o Servidor. Um no que tem conexoes com um oo __ 0o número relativamente grande de outros nós. 5Í300
  46. 46. O que é uma rede? W ? g1 RM Corljllnm entrelaçado ue aos, cordas. arames, etc , :: um auenuras regulares llxadas por mamas e nós, lomranuo uma espécie de : ecran
  47. 47. ,(3a surtir, rlitzlto, àlrljial! Rede Social Mídia Social uma rede social é uma social ? etrgrzteazíer; e;: ::t, ::: ::“: :;r; :Lara* . - . _ . composta por pessoãspu çrganüaçoesL conteúdos de forma descentralizada e sem o controle conectadas por um ou varios tipos de relaçoes. editorial de grande grupos, que partilham valores e objetivos comuns. Produção de muitos para muitos. E iNÍlS 'Jiciil correregcaireros a -ialc-; r de ltrre¡'; °lt'i' ciIilcÍci!
  48. 48. e: a. . r, .pa, t , __ ›_, _ r, . . Q . n' n, T* , . . . ,~ . , ve J < , ~ , r _nr v. ~ _ I ; a s: r r- wmv_ _ r _V e, _E , -› . - - a r , , ,- , r ›. -,« as' 14:1- -~': 'ae, r- »n ~- '. ~ a e s e z' : , , e: ". ,,, .,"' . , . . ' "a a. V zr . I: »f , a ea». 'Le l. ; , .-
  49. 49. /iirízi : Tc: O conceito de mídias sociais precede a Internet e as ferramentas tecnológicas. Trata-se da produção de conteúdos de forma descentralizada e sem o controle editorial de grande grupos. Produção de muitos para muitos.
  50. 50. ,(3a surtir, riitzlto, ,“tri; ir. ,l! Rede Social Mídia Social uma rede social é uma social eetrgrzteazí; r;e; ::: t,: ::: :“: :;r; :Lara* . - . _ . composta por pessoãspu çrganüaçoesL conteúdos de forma descentralizada e sem o controle conectadas por um ou varios tipos de relaçoes. editorial de grande grupos, que partilham valores e objetivos comuns. Produção de muitos para muitos. E iNÍlS 'Jiciil CtliiICQCiiíIilS a -ialc-; r de ltrie¡'; °it'i' caizicfa!
  51. 51. O que vamos ver daqui pra frente? Criação de estruturas sociais, suas dinâmicas, criação e manutenção de capital social, cooperação, competição, estrutura, diferenças entre grupos, impactos nos indivíduos.
  52. 52. É conjunto de dois elementos: Atores: Pessoas, instituições, grupos, etc (nós da rede) e suas Conexões: Interações ou laços sociais i 0' I '*~ Ji ii . n. Íii i ti JL
  53. 53. “ 'N n 9 D 5 D Intefação Interação Síncrona Assíncrona l , v x f: l¡ 3 'rg , o , ._, _ , l *
  54. 54. h *_ Q em" i - - - ~ I. --'_ Aff' / J-_. _.. .___. .____. _ . . . . . . / A l/ “xi J Laço Interação Associativo Reativa Laço Interação Dialógico Mútua
  55. 55. Interação, Relação e Laços Sociais ao Laço Fraco Forte
  56. 56. Interação, Relação e Laços Sociais u na¡ . - c o o o o ' _ _' . _ - o - u I - o o Q n o o c n o u o - . . ' ' ' . _ . o o o o o n o o o o c o U ¡ o o a o o . Laço Laço Assimétrico Simétrico
  57. 57. E Iii; IÍI' iízil ; t *Í nãihil _g E | __Ii“i“I "IIWLÍÍIIÍÉÍÍÍJIW/ IÍI : fikei iírcnr arz-. rÍwíi e-IIWÍZRÊ* Loire: : : fila 'iririliisfirtltirtra; asriw IJIIITÊI raiiííle aaiínjztsii *senior ruiiri: :i: i'i. riif: l~ífi FI iíiaiitfii” fila: : "lrliãaií"r. ii_; fia'ai entire *ÍISL aIiii: Ii*a-_'›1 aii: riíz'ir. i'ia.
  58. 58. Coletivo Individual IL Q . ..lrln Il l . .llnN/ it. . L Tv “ou & #tai r z¡ R , mimwl JnIIlL. .. . ull
  59. 59. Capital Social Normas _ e Confiança Rede? Obrigações somas Base para sociedades saudáveis Putnam
  60. 60. Tipos de Capital Econômico Cultural Social l / _Visão mais simbólico POÉSJVQÊÉEÊIÊOS Bourdieu
  61. 61. iílory Doctorow slñtipâlalff gprmñí' Í, IJIJ, .Li l/ ;L E *
  62. 62. Capital Social O capital social é um recurso neutro que facilita qualquer tipo de ação, mas se a sociedade alcançou não melhor situação como resultado disso, depende inteiramente do uso feito pelos indivíduos Coleman
  63. 63. Categorias de Capital Social ê (recursos que os indivíduos tem acesso através de uma determinada rede) A) Relacional: Que compreende a soma das relações, laços e trocas que conectam o indivíduo. B) Normativo: Que compreende as normas de comportamento de um determinado grupo e os valores deste grupo. C) cognitivo: Que compreende a soma do conhecimento e das informações colocadas em comum por um determinado grupo. Bertolini D) Confiança no ambiente social: Que compreende a confiança no comportamento de indivíduos em um determinado ambiente. E) Institucional: Que inclui a instituições, formais e informais, que se constituem na estruturação geral dos grupo, onde é possível conhecer as regras de interação social, e onde o nível de cooperação e coordenação é bastante alto. é Bravo
  64. 64. Formas de Capital Social Bridging (Conector) Bonding (Fortalecedor) Relações fora do grupo Relações dentro do grupo ou heterogênias ou homogênias laços fracos laços fortes Putnam
  65. 65. Capital Social Negativo Fortalecimento excessivo do bonding (dentro do grupo) e pouco ou nenhum bridging (fora do grupo)
  66. 66. Formas ole Capital Social Bridging (Conector) Bonding (Fortalecedor) Relações fora do grupo Relações dentro do grupo ou heterogênias ou homogênias Mantained (Manutenção) Manutenção dos contatos de ambos os tipos l Especialmente encontrado nas redes sociais digitais
  67. 67. Mensuração de Capital Social Tradicional Muitos estudos mensuram o capital social através da pergunta: "você confia nos outros? " Outras pesquisas analisam a participação em associações voluntárias ou atividades cívicas.
  68. 68. Types of Networks Centralized Decentralized
  69. 69. o o 0.o' ? $°°° Í¡ ^ E *li/ P. 9.00. à¡ i . ~ ç_ Rede: Uma coleção de nós interligados que trocam v¡ O¡ informação. o Out"? ' s: Nó: A parte mais básica da rede, por exemplo um usuário ou um computador. Link: A conexão entre dois nós. o 0.¡ S , Q _ _ , _ o. , . o Servidor. Um no que tem conexoes com um oo __ 0o número relativamente grande de outros nós. 5Í300
  70. 70. Topologia das Redes Redes Igualitárias Redes de Mundo Pequeno Grau de Separação (Milgram e Erdõs) Redes sem escalas - 80/20 Potência (Power law) - Ricos ficam mais ricos Conexão preferencial - Hubs
  71. 71. Elementos de Analise Redes de Ego Redes inteiras
  72. 72. Propriedades das Redes ú Grau de Conexão Nós Adjacentes e Vizinhança Densidade Número de conexão em relação ao máximo centralidade Medida do nó Centralização Medida do grafo diferente de densidade Multiplexidade Diferentes tipos de relação
  73. 73. Dinâmicas das Redes Sociais na Internet Cooperação Competição Conflito l Trolls
  74. 74. _, __ _a_ , ,. . s, . . s . a . m. 4 x _e - _ _l ›_. ... .l; . . na Í. . .L a» , p. , _ e . ui di. . 1.¡ _. . a . m c r l t iãlüstêríkaçãa l
  75. 75. Dinâmicas das Redes Sociais na Internet Sistemas Complexos Auto Adaptação Organização
  76. 76. Tipos de Redes Sociais na Internet l. M. :: :as as S. ” *tibs ~ Filiação ou Emergentes Associativas
  77. 77. Definição de sites de Redes Sociais i) Construção de persona através de perfil ou página pessoal ii) Interação através de comentários iii) Exposição pública da rede social de cada autor Boqd é Ellison
  78. 78. Q A) Visibilidade C) Popularidade B) Reputação (conectores) D) Autoridade "j L ^eí 'l ve : v ; Cl . G Il ll 'f Valor Percebido Visibilidade Reputação Popularidade Autoridade ¡, _C; ,“(, Capital Social Relacional Relacional Cognitivo Relacional Relacional Cognitivo
  79. 79. Capital Social e a . ã Difusão de lnformaçães Capital Social Relacional Capital Social Cognitiva Memes Ê/ f v EEIIIIIS
  80. 80. Classificação dos Memes ú A) Quanto a fidelidade da cópia B) Quanto a longevidade C) Quanto a fecundidade D) Quanto ao alcance
  81. 81. Classificação dos Memes Quanto a fidelidade da cópia / l Replicadores Metamórficos Miméticos
  82. 82. Classificação dos Memes Quanto a longevidade / Persistentes voláteis
  83. 83. Classificação dos Memes Quanto a fecundidade / Epidêmicos Fecundos
  84. 84. Classificação dos Memes Quanto ao alcance / Globais Locais
  85. 85. Tipo de Meme Valor Gerado Replicador Reputação - Visibilidade - Autoridade Metamórfico Reputação - Autoridade Mimético Reputação - Autoridade Epidêmico Popularidade - Visibilidade - Reputação Fecundo Popularidíde - Reputação Global Popularidade - Visibilidade - Reputação Local Popularidade - Visibilidade - Reputação Pau¡ ' k ' 1_ ente' "i UCI Eulril *. - brava
  86. 86. l . , q l ' a encarar?

×