SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
CENTRO INTERDISCIPLINAR DE NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO...
Sumário
1.

INTRODUÇÃO ......................................................................................................
1

1. INTRODUÇÃO
1.1.

Contextualização e Problemática

Entretenimento Educacional e Objetos Digitais de Aprendizagem, qua...
2

Analisando a evolução dos processos de distribuição da informação, me detive sobre o fenômeno
da televisão que, a parti...
3

Assim, busquei com essa decisão aumentar o fator motivador para que usuários possam aderir ao
uso de TVDi em processos ...
4

interesse investigativo no campo dos jogos educacionais, passei a discutir as possibilidades de
distribuição de informa...
5

2010). Há uma categoria de Entretenimento Educativo denominada Jogos Sérios (do inglês
Serious Games) que combina carac...
6

investigação quanto à viabilidade da implementação de Objetos Digitais de Aprendizagem
aderentes ao t-learning conforme...
7

A implementação de soluções de EE à luz dos princípios de construção de OA para execução
sobre o SBTVD-T permitirá a co...
Bibliografia
ALVES, L. et al. Ensino On-Line, jogos eletrônicos e RPG: Construindo novas lógicas. Conferência eLES´04,
Ave...
SANTOS, A. D. A.; NETO, J. D. D. O. EDUTAINMENT:JOGUE E APRENDA MOTIVADO. Anais do 16º CIEAD Congresso Internacional de Ed...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto tese in ed esa para slideshare

280 visualizações

Publicada em

POTENCIALIDADES E APLICAÇÕES DO ENTRETENIMENTO EDUCACIONAL NA CONSTRUÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA O SISTEMA BRASILEIRO DE TV DIGITAL: Modelagem e Implementação de Jogos Sérios Educacionais.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
280
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto tese in ed esa para slideshare

  1. 1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO INTERDISCIPLINAR DE NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL (DINTER) EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO/2012 – UFRGS/UFMA/UEMA ERÁCLITO DE SOUZA ARGOLO POTENCIALIDADES E APLICAÇÕES DO ENTRETENIMENTO EDUCACIONAL NA CONSTRUÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA O SISTEMA BRASILEIRO DE TV DIGITAL: Modelagem e Implementação de Jogos Sérios Educacionais. Projeto submetido à seleção para o curso de Doutorado em Informática na Educação do Programa de Pós-Graduação em Informática na educação do Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação. Este projeto enquadra-se na Linha de Pesquisa Ambientes Informatizados e Ensino a Distância. SÃO LUÍS, 2012 You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  2. 2. Sumário 1. INTRODUÇÃO .............................................................................................................................. 1 1.1. 2. Contextualização e Problemática ............................................................................................. 1 OBJETIVOS ................................................................................................................................... 3 Objetivo Geral .................................................................................................................................... 3 Objetivos Específicos .......................................................................................................................... 3 3. JUSTIFICATIVA ........................................................................................................................... 3 4. BASES TEÓRICAS ........................................................................................................................ 4 5. METODOLOGIA ........................................................................................................................... 6 6. PLANO DE AÇÃO ......................................................................................................................... 7 7. CRONOGRAMA ................................................................................. Erro! Indicador não definido. Bibliografia............................................................................................................................................. 8 You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  3. 3. 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Contextualização e Problemática Entretenimento Educacional e Objetos Digitais de Aprendizagem, quais suas potencialidades e aplicações na plataforma SBTVD-T? Eis aqui o questionamento que invoca o espírito investigativo que permeia esta proposta de trabalho. Minha percepção acerca da dinâmica de consumo da informação vem experimentando um crescente que tem laços estreitos com a popularização do emprego de mecanismos digitais de busca e armazenamento. A ubiquidade, a interatividade e a democratização da capacidade de produção e consumo de produtos informacionais são alguns dos aspectos que impregnam os tecidos sociais contemporâneos. Hierarquias são subvertidas e a distribuição passa a ser a norma, criando novas possibilidades de reorganização e empoderamento pela colaboração entre indivíduos que se interligam, orientados pela participação centrada nos interesses (in)comuns. É um cenário pouco conservador, onde os valores individuais e institucionais enfrentam a volatilização enquanto são digitalmente perpetuadas uma profusão de novas certezas a cada passo do processo contínuo de individuação dos seres e dos objetos. A aceleração das transformações e dos conhecimentos devido à expansão da tecnologia dos meios de comunicação, contestação de valores e explosão demográfica, nos revela um mundo com novas exigências educativas (TEIXEIRA, 2010). Minhas investigações acadêmicas como pesquisador do Laboratório de Informática na Educação da Universidade Federal do Maranhão (LInED/UFMA) apontam para as transposições que vêm ocorrendo nos ambientes educacionais. Das estantes das bibliotecas para os repositórios digitais, das salas de aula para os Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA), o modelo tradicional de educação centrado no professor aos poucos se esvai, permitindo a desconstrução do paradigma do ensino-aprendizagem exclusivamente contido em um espaço-tempo fixo (SILVA, 2004), para outro geograficamente disperso, colaborativo e interativo, bem como mais ajustado à disponibilidade de tempo do aprendente e de suas necessidades de aprendizagem. Surge a figura do professor como mediador e produtor de conteúdos online. Os conteúdos educativos passam a ser produzidos digitalmente e, com o passar do tempo, evoluem para unidades de aprendizagem padronizadas denominadas Objetos de Aprendizagem (OA), capazes de serem reutilizados em múltiplos contextos e em outros ambientes virtuais. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  4. 4. 2 Analisando a evolução dos processos de distribuição da informação, me detive sobre o fenômeno da televisão que, a partir da década de 1960, inaugurou a distribuição de conteúdos audiovisuais via radiodifusão. Tais conteúdos logo passaram a ser cogitados para aplicação no ensino pelo potencial de melhoria da aprendizagem, da democratização do ensino, pela facilitação da apropriação do saber e do saber fazer, bem como pela ampliação da capacidade de percepção pela visão e audição (SILVA, 2001). Porém, a característica da transmissão em broadcast da TV convencional tornou cada público alvo em um consumidor passivo de conteúdos por vezes pobres e, na maior parte do tempo, desprovidos de caráter educacional. Como uma alternativa aos mecanismos de acesso a conteúdos informacionais, foi implantado pelo governo brasileiro o Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre (SBTVD-T) através do Decreto Presidencial nº 5.820, de 29 de junho de 2006 (BRASIL, 2006), definindo o padrão de modulação japonês Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial version b (ISDB-Tb) como base para o funcionamento da rede. O SBTVD-T incorpora a inovação da capacidade de interação entre usuário e aplicativos que podem ser executados sobre o middleware Ginga, residente nos receptores de TV digital. Isto abre espaço para a possibilidade de desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem aderentes à plataforma do SBTVD-T, onde o Entretenimento Educacional aplicado à TV Digital surge então como uma forma alternativa de mecanismo para promoção do processo de ensino e aprendizagem denominado t-learning, definido como o resultado obtido com materiais de formação interativa cujos conteúdos e serviços são veiculados através de um decodificador digital (SANCIN, CASTELLO, et al., 2009). Levando-se em consideração o potencial sui generis de difusão da informação que possui o SBTVD-T, há de se considerar também as dificuldades para a obtenção de um canal de retorno que permita a exploração plena dos recursos de interatividade previstos. A ausência desse canal leva à restrição da interação, que passa a se dar apenas de maneira local, restrita ao ambiente onde o equipamento de recepção, com seus softwares instanciados, está instalado. Há, no entanto, a possibilidade de distribuir conteúdos educativos em Broadcast, permitindo ao usuário apenas a seleção de canais e as respectivas interações locais disponíveis. Devido a restrições que o uso da TVDi impõe para os usuários, notadamente aquelas ligadas à usabilidade, optei por explorar a categoria de aplicação denominada Entretenimento Educativo (EE). As aplicações que fazem uso de técnicas de EE, devido ao caráter desafiador e divertido que lhes pode ser atribuído ainda em tempo de projeto, têm potencial de superação das dificuldades de usabilidade encontradas na TVDi (tal como a ausência de um teclado QWERT para entrada de dados) que eventualmente existam em outras categorias de aplicações t-learning. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  5. 5. 3 Assim, busquei com essa decisão aumentar o fator motivador para que usuários possam aderir ao uso de TVDi em processos de ensino e aprendizagem. Outros aspectos ligados à natureza e aplicabilidade de EE no SBTVD-T também me inquietam, especialmente aqueles que tangem a investigação da efetividade dos jogos para o processo educativo no ambiente do SBTVD-T. Tenho a convicção de que a elucidação das questões que foram levantadas nesta proposta de trabalho pode contribuir para a produção de conhecimentos junto à comunidade acadêmica da Informática na Educação e que, de alguma forma, também isto se faça para outras comunidades que possuam algum grau de envolvimento com a área da educação. Creio que com as orientações dos professores da linha de pesquisa Ambientes Informatizados e EaD e as atividades a serem desenvolvidas nas disciplinas deste programa, serei capaz de avançar nas minhas compreensões sobre a área da Informática na Educação, possibilitando-me produzir conhecimentos relevantes na área e que possuam alinhamento com as demandas sociais existentes. 2. OBJETIVOS Objetivo Geral Analisar as potencialidades e aplicações dos princípios do Entretenimento Educativo para a construção de Objetos de Aprendizagem na plataforma do Sistema Brasileiro de TV Digital. Objetivos Específicos  Examinar a documentação e os materiais disponíveis sobre o Entretenimento Educativo aplicado à implementação de Objetos de Aprendizagem para a plataforma do SBTVD-T, buscando identificar suas potencialidades;  Implementar soluções de Entretenimento Educativo adotando os princípios de construção de Objetos Digitais de Aprendizagem para execução sobre o SBTVD-T em espaços experienciais;  Analisar a aplicação destes Objetos Digitais de Aprendizagem em espaços educacionais;  Discutir suas potencialidades e aplicações sob a perspectiva tecnológica como estruturantes de nova educação. 3. JUSTIFICATIVA No ano de 2011 tive a oportunidade de interagir com um grupo de pesquisadores em TV Digital da Universidade Federal do Maranhão, o que me despertou para as potencialidades em termos educativos que o Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD-T) possui. Até então movido pelo You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  6. 6. 4 interesse investigativo no campo dos jogos educacionais, passei a discutir as possibilidades de distribuição de informação e fomento à educação através da aplicação do design instrucional na criação de jogos como Objetos de Aprendizagem para o SBTVD-T. Ações precursoras em educação com emprego de mecanismos televisivos, tais como o TV Escola (MEC, 1996) me fazem acreditar que a adoção de soluções em EaD aderentes ao padrão SBTVD-T talvez seja um caminho viável para a potencializar a promoção do desenvolvimento humano em nossa região, uma vez que o processo de implantação de serviços de banda larga no estado se vê seriamente comprometido pela falta de interesse comercial das empresas de telecomunicações diante do baixo nível de renda da população. Como alento para tal situação relativa ao canal de retorno, resta-nos considerar os esforços empreendidos pelo governo federal para a promoção da inclusão digital através do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), cujos pilares residem na ampliação da cobertura dos serviços, elevação da velocidade disponível e a redução do preço pago pelo consumidor (BRASIL, 2010). 4. BASES TEÓRICAS Diante do objeto geral deste trabalho, cabe uma breve abordagem quanto aos Objetos de Aprendizagem (ou Learning Objects). Um OA pode ser considerado um fragmento (pedaço) de conhecimento autocontido voltado para um objetivo de aprendizado específico, podendo ser ou não de natureza digital (PASSARINI, 2003). Há ainda características desejáveis no que diz respeito aos seus modos de acesso, devendo os mesmos ser ubíquos1, multimodais2, reutilizáveis e interativos (SANTOS, LIMA e WIVES, 2010). Dentre estas características, a principal é a sua reusabilidade, que permite aos OA o armazenamento em repositórios e posterior localização a partir através de buscas temáticas, por níveis de dificuldade, relacionamento com outros objetos ou por autoria (SANTOS, FLORES e TAROUCO, 2007). No que tange ao Entretenimento Educativo, há argumentos de que o uso de jogos em ambientes virtuais de aprendizagem (JAVA) é útil para combater a desmotivação dos alunos pelo fato de proporem desafios, diversão e induzirem a adesão voluntária. Porém, deve-se observar que, embora haja potencial para o estímulo à motivação, à integração entre alunos e a satisfação pessoal destes, uma má-estruturação de um JAVA pode surtir efeito contrário ao que se espera, podendo levar até mesmo ao rompimento do processo de aprendizagem (SANTOS e NETO, 1 Várias possibilidades de acessar e usar conteúdos digitais a qualquer momento, independente de lugar 2 desenvolvidos para possibilitar a interação de vários modos You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  7. 7. 5 2010). Há uma categoria de Entretenimento Educativo denominada Jogos Sérios (do inglês Serious Games) que combina características de ambientes de simulação com outras normalmente encontradas em jogos digitais. São jogos que provêm ambientes imersivos para a aprendizagem e treinamento com elevado grau de sofisticação e que podem empregar atores sintéticos, ampliando as características citadas e implicando em maior realismo para o ambiente de simulação (SILVA, 2009). Considera-se que a capacidade de um sistema simular situações diversas pelo planejamento e antecipação de ações, bem como a criação de estratégias para a resolução de problemas, potencializa a construção e a apropriação de conceitos, imergindo o sujeito completamente no processo de aprendizagem. Essa imersão permite o desenvolvimento de uma maior autonomia na escolha de ações, despertando o desejo pelo saber, motivando a pesquisa e o descobrimento, desenvolvendo a coordenação motora e visual, desenvolvendo o raciocínio lógico e dando ao jogador a sensação de realização (LÉVY, 2009) (ALVES, GUIMARÃES, et al., 2004). No SBTVD-T os níveis de interatividade podem variar entre local (sem canal de retorno e interação somente com as aplicações carregadas no receptor que forem recebidas em broadcast), intermitente (canal de retorno disponível e alocado temporariamente para envio de dados e informações ao lado servidor de aplicações/conteúdos) e permanente (quando a disponibilidade e alocação do canal de retorno se dá em tempo integral para envio e recepção de dados e informações) (MONTEIRO, 2009). Em termos educativos, o SBTVD permite aplicar conceitos de edutainment (educação com entretenimento), com um viés coletivo de compartilhamento de informações e atividades no ambiente familiar (CASTRO, 2008). Dotado de um middleware de especificação aberta reconhecido como padrão mundial pela União Internacional de Telecomunicações (ITU-T) denominado Ginga, o SBTVD emprega a fusão dos subsistemas Ginga-NCL3 (para implementações declarativas) e o Ginga-J4 (para implementações procedurais em Java). Ambos os subsistemas se utilizam de serviços necessários através do núcleo Common Core, que faz interface diretamente com o sistema operacional dos equipamentos de recepção digital. Isto equivale a dizer que o sistema TVD brasileiro é capaz de executar aplicações em máquina virtual (para aplicações procedurais), em camada de apresentação tal como um browser (para aplicações declarativas) ou em formato híbrido acionando recursos de API (Aplication Program Interface) contidas no middleware (MONTEIRO, 2009). Desta forma, passa a ser interessante uma 3 4 desenvolvido pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO) desenvolvido pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  8. 8. 6 investigação quanto à viabilidade da implementação de Objetos Digitais de Aprendizagem aderentes ao t-learning conforme proposto neste trabalho. Para promover o uso da TV digital com conteúdos em t-learning, potencialmente ricos em formatos de conteúdo e de inter-relação entre eles, deve-se observar o conjunto de restrições que o padrão e o uso de TV impõem. Destacam-se, dentre outras, restrições tais como as de usabilidade - para a interação nativa via controle remoto - as particularidades sociais – tais como a apresentação coletiva de conteúdos em um único aparelho de TV que exige o emprego de técnicas de colaboração entre os usuários – e a distância da tela de exibição – com a necessidade de observar o tamanho das fontes de caracteres dada a maior distância do usuário em relação à que se verifica na utilização de computadores – (VERAS, BITTENCOURT e COSTA, 2011). Apesar das potencialidades da aplicação do t-learning, os autores assinalam a escassez de estudos voltados à convergência entre o e-learning e TVDi, atribuindo de modo especial a esse contexto as barreiras tecnológicas e arquiteturais que impedem, por exemplo, a personalização das aplicações nas interações locais devido ao emprego de técnicas de inteligência artificial e web semântica, que superam a capacidade dos atuais receptores. 5. METODOLOGIA Para a realização das propostas deste trabalho, proponho o emprego de um estudo do tipo etnográfico, uma vez que há um alvo de estudo que implica em na explicitação da escolha teórica ao longo de todo o estudo (ANDRÉ, 1995). Trata-se do método sustentado pelos seus dois pilares característicos: há uma interação prolongada entre o sujeito da pesquisa e o pesquisador e há uma interação cotidiana do pesquisador no universo do sujeito. Exige-se a prática de uma observação criteriosa, focada na fala e na interpretação do sujeito participante da investigação de maneira detalhada e holística de todo o entorno sócio-cultural no qual os sujeitos e suas ações estão circunscritos (PEREIRA e LIMA, 2010). A etnografia possui vínculos com o conceito de cultura e a observação direta das ações em seu ambiente habitual de ocorrência de maneira participante e crítica, de tal modo que permita a obtenção de dados fenomenológicos que representem a concepção de mundo dos participantes. Levam-se em conta os “componentes de uma situação em suas interações e influências recíprocas” (ANDRÉ, 1995). Trata-se de um estudo qualitativo e abordagem fenomenológica. A disponibilidade de farta documentação acerca do Entretenimento Educativo (EE), da implementação de Objetos de Aprendizagem (AO) e da plataforma do SBTVD-T implica em uma análise documental para identificação de características e proposições que lastreiem a pesquisa qualitativa. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  9. 9. 7 A implementação de soluções de EE à luz dos princípios de construção de OA para execução sobre o SBTVD-T permitirá a constituição de elementos a serem aplicados em espaços experienciais visando a aferição da aderência do produto à proposta inicial do trabalho e a potencial identificação, com apoio da orientação acadêmica, de categorias que deverão contribuir para uma ampla investigação de espaços e contextos. Verificada tal aderência, deverá se seguir a aplicação dos OA produzidos em espaços educacionais a serem determinados e as categorias revisitadas pela ação conjunta de orientando e orientador(a) ao se concretizarem os trânsitos por vivências e espaços. Cabe ressaltar que há de ser observada a articulação entre os espaços físico e virtual, sujeitos e objetos técnicos em processo de individuação, potencialmente elevando o grau de complexidade na identificação das múltiplas dimensões e a extração das informações que emergirão tipicamente durante o processo de ensino e aprendizagem, tal qual se espera numa pesquisa qualitativa em educação. O fato de haver o desenrolar de ações e reações em um ambiente tecnológico situado na concepção do ciberespaço poderá sugerir a adoção de variantes metodológicas na busca de uma abordagem contextual ajustada, embora haja autores que as considerem novas metodologias, a saber, a Etnografia Multiator (LITTLE, 2006), a Netnografia (AMARAL, NATAL e VIANA, 2008) e a Etnografia Multissítio (MARCUS, 1998). 6. PLANO DE AÇÃO You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  10. 10. Bibliografia ALVES, L. et al. Ensino On-Line, jogos eletrônicos e RPG: Construindo novas lógicas. Conferência eLES´04, Aveiro-Pt, p. 6, outubro 2004. AMARAL, A.; NATAL, G.; VIANA, L. Netnografia Como Aporte Metodológico da Pesquisa em Comunicação Digital. Comunicação Cibernética, Porto Alegre, p. 34-40, dezembro 2008. ANDRÉ, M. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995. BRASIL. Casa Civil. Institui o Sistema Brasileiro de Televisão Digital - SBTVD, 26 novembro 2003. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/D4901.htm>. Acesso em: 20 outubro 2012. BRASIL. Casa Civil. Implantação do Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre - SBTVD-T, 29 junho 2006. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20042006/2006/Decreto/D5820.htm>. Acesso em: 20 outubro 2012. BRASIL. Brasil Conectado - Palácio do Planalto. Programa Nacional de Banda Larga, 2010. Disponivel em: <http://www4.planalto.gov.br/brasilconectado/pnbl>. Acesso em: 10 outubro 2012. CASTRO, C. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS. TV digital e EAD: uma parceria perfeita para a inclusão social, Caxias do Sul, v. V.7, jan/jun 2008. LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed.34, 2009. LITTLE, P. E. ECOLOGIA POLÍTICA COMO ETNOGRAFIA:UM GUIA TEÓRICO E METODOLÓGICO. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, p. 85-103, jan/jun 2006. MARCUS, G. Ethnography through thick and thin, Princeton, 1998. MEC. Educação. TV Escola, 1996. Disponivel em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12336:tvescola&catid=299:tv-escola&Itemid=685&msg=1>. Acesso em: 03 setembro 2012. MONTEIRO, B. S. Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação), Recife, fevereiro 2009. 114p. PASSARINI, R. F. OBJETOS DE APRENDIZAGEM: PROTÓTIPO PARA MÓDULO DE AMBIENTE DE TREINAMENTO ONLINE. Dissertação (Mestrado em Computação), Florianópolis, fevereiro 2003. 105p. PEREIRA, V. A.; LIMA, M. D. G. S. B. A PESQUISA ETNOGRÁFICA: CONSTRUÇÕES METODOLÓGICAS DE UMA INVESTIGAÇÃO, Teresina, p. 13p, 2010. SANCIN, C. et al. T-learning for social inclusion. e-learning papers, fevereiro 2009. Disponivel em: <http://www.elearningeuropa.info/pt/node/2703>. Acesso em: 05 outubro 2012. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)
  11. 11. SANTOS, A. D. A.; NETO, J. D. D. O. EDUTAINMENT:JOGUE E APRENDA MOTIVADO. Anais do 16º CIEAD Congresso Internacional de Educação a Distância, São Carlos, agosto 2010. 10. Acesso em: 15 dezembro 2011. SANTOS, L. M. A.; FLORES, M. L. P.; TAROUCO, L. M. R. OBJETO DE APRENDIZAGEM: TEORIA INSTRUTIVA APOIADA POR COMPUTADOR. Novas Tecnologias na Educação, v. 6, p. 8p, dezembro 2007. SANTOS, N. S. R. S. D.; LIMA, J. V. D.; WIVES, L. K. Ubiquidade e mobilidade de Objetos de Aprendizagem Usando Papel como Recurso. Novas Tecnologias na Educação, v. 8, p. 11p, dezembro 2010. SILVA, A. M. P. D. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação (BOCC). Processos de ensinoaprendizagem na Era Digital, 2004. Disponivel em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/silva-adelinaprocessos-ensino-aprendizagem.pdf>. Acesso em: 09 outubro 2012. SILVA, B. D. D. Repositorium. Questionar os pressupostos da utilização do audiovisual no ensino: audiovisual / rendimento da aprendizagem / democratização do ensino, 2001. Disponivel em: <http://hdl.handle.net/1822/530>. Acesso em: 16 outubro 2012. SILVA, D. R. D. D. Atores Sintéticos em Jogos Sérios:Uma Abordagem Baseada em Psicologia Organizacional. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação), Recife, março 2009. 263p. TEIXEIRA, G. A EDUCAÇÃO FACE OS DESAFIOS DO MUNDO CONTEMPORÂNEO, 2010. Disponivel em: <http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/m%C3%B3dulos/educa%C3%A7%C3%A3o-na-sociedadede-informa%C3%A7%C3%A3o/educa%C3%A7%C3%A3o-face-os-desafios-do-mundocontempor%C3%A2neo#.UITtwYbNlM5>. Acesso em: 15 outubro 2012. VERAS, D.; BITTENCOURT, I. I.; COSTA, E. Construindo Aplicações de T-learning Através da Integração de uma Plataforma Web Educacional Semantica. Revista Brasileira de Informática na Educação, 19 agosto 2011. 17p. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novaPDF printer (http://www.novapdf.com)

×