Free - Manual pre-curso COBIT 5

383 visualizações

Publicada em

Free - Manual pre-curso COBIT 5

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
383
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Free - Manual pre-curso COBIT 5

  1. 1. ij Õ~IÍ. .IAÍr“Ei. Í. El. FT PLAZA _Lbr THE MANAGEMENT CERTIFICATION COMPANY -I':1 151m5] a v* Versão 01.02.br - ativo Para feedback e comentários: contato@mpplaza. com. br Cobertura Parcial do Syllabus do COBlT5 Foundation Use esse livro para se preparar para aula presencial Material adicional para auxiliar seu aprendizado A A Visit us on ' Í Facebook Management Plaza Brasil *mm : Illiâlll mkmiunx 'uvllcrâi- ? cult-alicia llk-izilr: e ? vw . miaizigzzniizui 'itzuz llllileitilÍ-Lec', á m¡ : Illltlrsrêizllhíwííiglkilvilit: ol» RM 7*- m. : ãdrtllllé: Mun-ln: :rniilllh: milan:
  2. 2. ¡Vllciuunl at: hzuannuzinu 'um Iilkn cl¡ 'a 12W' i “nmmrzmon i' Sumário LISTA DE FIGURAS . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .III MANUAL DE TREINAMENTO PRÉ-CURSO DO COBIT” 5 FOUNDATION . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .IV 1. INTRODUÇÃO . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .6 2. NOVIDADES DO COBIT 5 . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..6 3. PRINCÍPIOS . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .6 3.1 Atender as necessidades das partes interessadas . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .6 3.2 Abranger a empresa de ponta-a-ponta . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .8 3.3 Aplicar um framework único e integrado . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .9 3.4 Facilitar uma abordagem holística . ... .. 3.4.1 Dimensões de Facilitadores . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... _.10 3.5 Separar a Governança da Gestão . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .11 4. NOVO MODELO DE REFERÊNCIA DE PROCESSOS . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .11 4.1 Processos de Governança . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..12 4.2 Processos de Gerenciamento . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .12 5. ESTRUTURA DE PROCESSOS . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .13 6. CICLO DE VIDA DA IMPLEMENTAÇÃO . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .14 7. MODELO DE CAPACIDADE DE PROCESSOS . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .14 8. RESUMO DAS DIFERENÇAS COBIT 4.1 E COBIT 5 . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .15 8.1 Princípios do Novo GEIT . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..16 8.2 Foco Crescente nos Facilitadores . ... ... ... . . . .16 8.3 Novo Modelo de Referência de Processos . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .16 8.4 Processos novos e modificados separando Governança de Gestão . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .17 8.5 Práticas e Atividades . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..17 8.6 Metas e Métricas Melhoradas . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .17 8.7 Entradas e Saídas revisadas e melhoradas . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .17 8.8 Gráficos RACI expandidos . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..17 8.9 Novo Modelo de Maturidade de Capacidade de Processo . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .18 9. REFERÊNCIAS . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .18 APÊNDICE A - OBJETIVOS EM CASCATA . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .20 APÊNDICE B - DOMÍNIOS E PROCESSOS DO COBIT 5 . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .22 APÊNDICE C - DESCRIÇÃO DO PROCESSO BAIOG: GERENCIAR MUDANÇAS . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..27 'AIH' . ',i: li›: ¡gi: .ii: :i¡ '= :.vr. - illüllsuliÍvjnrzl . tif-, nmuzzwarz ll-illlclllliiliB-"Víi ima-ur» I 1:4¡ ã»"-iaiu. ›l: ¡r. viv ma. Ima-i : rima
  3. 3. ¡Vlkluvnl : t: hzuannuzruh 'um Iilkn cl¡ i 12W” í “aillnorzliaon íÍ Lista de Figuras Figura 1 - Os Cinco Princípios do COBIT 5 . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .6 Figura 2 - Criação de Valor . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .7 Figura 3 - Visão Geral dos Objetivos em Cascata . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .8 Figura 4 - Abordagem de Governança . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .9 Figura 5 - Os Sete Facilitadores do COBIT 5 . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .10 Figura 6 - O Modelo Geral dos Facilitadores . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..11 Figura 7 - Áreas Chaves da Governança e da Gestão . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .12 Figura 8 - Modelo de Referência de Processos (PRM) do Dominio Governança e os 37 processos . ... ... ... ..13 Figura 9 - As sete fases de implementação do ciclo de vida . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . . . Figura 10 - Modelo de Capacidade de Processos Genérico . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..15 Figura 11 - COBIT 5: Integração de Frameworks do ISACA . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. . .16 Figura 12 - Gráficos RACI COBIT 4.1 e COBIT 5 . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .18 Figura 13 - Metas Empresariais . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... . . .20 Figura 14 - Metas de Tl Relacionadas . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ..21 'AIH' . ',i: li›: ¡gi: .ii: :i¡ '= :.vr. lntnniuiiionci . ';= :¡¡, uzv. '«r; Hl-. ÍÍIPllIIÍ: íÍ¡3'~'93' ; sua-uh I Jill Ã~"IlhluIl: Il¡. vlH um. lyÃñll : lime
  4. 4. ¡Vilcuilrzl si: êniimiiiiunii- 'Hit inn-nula *- Hlií' G 'toiiiniuiziíi-i¡ t» Manual de Treinamento Pré-Curso do COBlT5' 5 Foundation Obrigado por adquirir nosso Treinamento do COBITP 5. O “KN ~ @l objetivo principal deste guia é fornecer um conteúdo fácil de i' i l - _ ler e fácil de entender. As ideias para este guia vieram das tgãw¡ A N IS A C A F R A M E W 0 H K perguntas que recebemos das pessoas tentando aprender COBITP 5 e o fato de que o Manual Oñcial do COBIT® 5 é uma excelente referência, mas não é um Manual de Treinamento. O Manual Oficial do COBIT® 5 pode ser um pouco difícil de usar e ler se você é novo em Governança de TI. Você aproveitará mais o Manual Oñcial, se primeiro entender as informações contidas neste Manual de Treinamento. Doravante, este guia pretende ser (e, é) uma preparação (antecipada) para seu curso COBITP 5 Foundation, de forma que você poderá chegar ao treinamento de fato mais preparado, e se baseia no syllabus do Exame Foundation. Feedback: Agradecemos por seu retorno (correções ou sugestões de melhoria) E-mail para contato@mpplaza. com. br COBIT® is a trademark of ISA CA® registered in the United States and other countries. O objetivo do pré-curso e alavancar a aprendizagem do aluno_ Só a Management Plaza tem esse conceito fantástico dc aprendizagem (COBIT®5, PRINCE2®, MSP® c demais treinamentos). Cursos COBIT® 5 - Presencial l e-Learning M! Esse Material de Treinamento é Aprovado pela APMG-lnternational M! Este Manual de Treinamento fará pane de nosso treinamento COBIT®5 Foundation M! Conceito único (pré-curso) e revolucionário da Management Plaza para Alavancar a aprendizagem M! A única organização no Brasil com esse conceito pra melhorar seu aprendizado Agradecimentos: Tradução . ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... .. : Ernani Marques Revisão Final da Tradução/ Diagramação . ... ... ... ... ... ... ... . . .: Ronielton Oliveira "Aim . Vikiiwigpsizziii "um. ÍMIVÃ-siülialit: .'›l: iiii= i~ u. : Iizilnmiiitniis-W_ ÍUIQHH nl¡ à : :ll a* ñuiniulçiitsu alii, W. II : :ímt
  5. 5. ilírzluinizl si: Bullltiliilcllltu 'M2', inuinwatn i 11V' 5 "oiliniurziiinu Direitos de Distribuição [Copyright] Com exceção a pequenas passagens e situações, nenhuma parte dessa publicação pode ser reproduzida ou transmitida de qualquer maneira, ou por qualquer meio, sem o prévio consentimento. Claro, agradecemos sugestões. Este manual foi fornecido a você com a condição de que ele não seja copiado, moditicado, publicado, vendido, rebranded, alugado, ou distribuído para tins comerciais. Sobre Management Plaza Brasil A Management Plaza Brasil é especializada em Governança de TI e Melhores Práticas em Gerenciamento de Projetos. A visão do ATO é tonar-se um provedor acreditado global de todas os produtos oferecidos pelo Grupo APMG ao ser uma empresa referência em treinamentos de metodologias e melhores práticas. Nossa missão é prover Capacitação de Qualidade, contribuindo para o diferencial competitivo das organizações e dos profissionais. E o Melhor conteúdo da Europa disponivel por um preço justo e disponivel a VOCE! E-mail: contato@mpplaza. com. br Website: www. managementpIaza. com. br "um iViÍÍÍIlfÍTmFFZÍII 'meu Ir'l. ;4$': li; UFlL ¡liziiii-. iwg Ílnilríltflnílo "i. » luiza» m : :: ll J ñuiiii›uiçiijsi› ai» W. II aim»
  6. 6. oi »Vitzinirrzi n: : fiiziiiiciiiiuiii- "tal Irineu-cio» l ln! " u' 'toinimiziítnu 1 . Introdução A quinta versão do COBIT foi lançada em abril de 2012, e sua ênfase está em alinhar à realidade da TI e das organizações. Essa versão traz mudanças na estrutura de processos e introduz novos conceitos. Alguns assuntos não contemplados pelo COBIT 4.1 e que são discutidos em Govemança agora estão inseridos no contexto do COBIT 5. O COBIT_5 é a integração de conceitos e princípios do COBIT 4.1 com outros frameworks do L _ - ›- i 7 Iv. .i FV l 'F ' 1'? ” '§. |'Ri . r A_ - “É, ' ' '. » f: n n' _tis É¡ i [i : r| Í A - p. , A *t* : ,295: tfmnqil n, l' ~ V"? iiliWi Win? !- O É . ['› [i'm . ;ln '~'. _ _ p¡ _I . en¡ l r r _ . g c ' I r q. . ' _q . . . . y '_ , . u» ÍÀÍ “Í , txt? ¡Ãi y i l . nas l 1:17», »v c; n lniuraxmchi: J. 32min¡ "t-Intima 2 humanamente: el; lui-iram el; Crush¡ _lI| lllE*'. ›-_Il| ll¡n 'ÍDEJFF-í 1. wylii-ti Ilu -. Malha¡ ! um . ,"¡"m, ¡,¡, ¡¡, ,líiiltluFtyi-lll çlúyüs. __ ti-illnílm Illlâlgnicl¡ Figura 1 - Os Cinco Principios do COBIT 5 3.1 Atender as necessidades das partes interessadas As organizações existem para criar valor para as partes interessadas. Para cada parte interessada, a criação de valor pode representar interesses diferentes e algumas vezes contlitantes. A governança tem a num ¡V¡l; ¡¡›; i!¡, ;i; ;¡¡¡ --: .,, ¡-_ ¡. ¡¡_›, ¡i; i›; u¡i: .'li: iiiy-, i~ u: : lizilpçiiitrnis-tw_ iiimu ai¡ í 1:lI à* _WIHIUTÍZIÍÍBH ullu. W. u: :: ima
  7. 7. micininai at: 'iuiiiiciiiasiiil- "-23 lIlI-"| ~0lo›< z lzlll' u' “oiuiiioiziít-in função de negociar e decidir entre os diferentes interesses destas partes interessadas. O sistema de governança deve considerar a opinião de todos os envolvidos quando são tomadas as decisões sobre os beneficios, recursos e avaliação dos riscos. A Figura 2, ilustra os objetivos das partes interessadas. Sempre, para cada decisão de governança, as seguintes perguntas devem ser feitas: ' Quem recebe os beneficios? - Quem suporta os riscos? H›A, AI ln . ii Fin' : l , o 'IEWNQPGÍ' Í* i'll. ? Í I' Ífu” 555;: : '_ M 'gnjhjíi Í g “'“ v ” ¡l r^ ; Ir I j? .ç Governance objective: alue Creatio 1K 'THIHIÍÍR flu: t: i.'i: .i: I*: i: imita-milan í 'igiiiiii'i: .+: iii: ii igiiiiiiLwiiris Figura 2 - Criação de Valor Fonte: (ISACA, 2012a, p. 17) As necessidades das partes interessadas precisam ser transformadas em estratégias corporativas. Para isso, há o mecanismo Objetivos em Cascata, que tem por tinalidade, desdobrar: - As necessidades das partes interessadas em Metas Empresariais; - As Metas Empresariais em Metas de TI; - As Metas de TI em Metas de Facilitadores. A Figura 3, ilustra o funcionamento do mecanismo Objetivos em Cascata. Note que elas derivam de cima para baixo. E, para que haja um bom alinhamento, o ideal é que você consiga efetuar a leitura e ligação das metas de cima para baixo (top-down) e de baixo para cima (bottom-up). Figura 3 - Visão Geral dos Objetivos em Cascata Fonte: (ISACA, 2012a, p. 18) 3.2 Abranger a empresa de ponta-a-ponta O COBIT 5 trata a governança e gerenciamento de TI cobrindo a organização de ponta a ponta. Isso significa: - Integra a governança de TI empresarial dentro da governança; - Cobre todas as funções e processos requeridos dentro da organização; - Não foca apenas nas funções de TI, mas abrange a informação e tecnologia relacionadas como ativos que precisam ser tratados como qualquer outro ativo por todos na organização. num . ',t›, i¡i; ig: _=i': i¡| “um, Irmã-isentar: : ¡ilziur-i s. : Ílí-iilrzlilÉiíílsv m» min» el» i 1:lI à* Íqlliliflhlllsl¡ alii, av'. II : :lino
  8. 8. »Vitzinirrzi n: : iiziiiiciiiiuiir- "ici trinta-ein r ln! " u' 'toiniii-iziiinu 2 - Abordagem de Governança, proposta pelo COBIT 5 pode ser visualizada na Erro! Fonte de referência não encontrada. . Processes tor Governance of Enterprise IT . l 7 Evaluate, Direct and Monitor i um r / l l l K N EDMtn Eiisire F Mia Elson “Baiano Erbuáãn mmlgãrãm ¡mngjâg! ¡mafkenmàg "e "m7 's ÍmmM Optimisaticn Transparent# L), _ _/ › _ _/ x, / 1 : ÍÍÍWLA 'IVlIl"Í, I'É"'«IÍÍ'*' ' _' _ r' m lI. lI. «: . “m” “i'm” mm Vnmge “m” “m” »ou Manage Anos Manage umas Manage mm Manage l me mx? ” Strategy ¡Egigffe lnriovaticn Portfolio Budget and (mts Himon Resources r t___í_, x "um "anna “v, .m l f i ^ 'l l *samira* l Amos Manage geral? ” mim Manage Aron Manage APD! ? Marape D013 Monge i mmmm, l Relalmships Mmenênu Siippliérs Guam Risk Security - l K. _1 ' x. , illii- . :'. ›Il, I“r: -: iJllii IlÍ: iiillil 'Í A ' nnoanannga › ' 'A IAIoSMnmgn ' x lAltnMamga y Pwglnmfgned SOÍIJÍWIS Wxrmwge Organisalimal ! Alm Marine Change m v mms mma" ldentiiicstiori nm mam Change Changes met-lance and ¡ “gm Mgmt” i _ and Bula ' _ , Ernbleriren _ Tronsmonlnç i Evajuglg ; im M555 i amam. ” ~ , mesistgurmúlmm* l ~ l J , mmgf , , , ,, Elliott Manage ! Alm Manage Milo Malaga Kiwwiedue l ASSGB (bllftourãtion IIL'ÍTi; ¡.: 'Lll'n›; l:llIrl. "I›ur, i]q ' ~ ' ' ' ' l " ' ~ i' Mem Monitor. i g osso¡ mamae §%§*§Qfeg§ ossos Manage nssmmaiage i E'¡%“, ','; "?, a“, 'g'$r§$,55 i ' °“°””°“5 andlnotleiits "NNW °°"°“““V services Process conimis Exlerrlarñewrremenls : displasia: tnrlihiiirieuiiiiaiiiilíaiitaigiitçzali' Figura 4 - Modelo de Referência de Processos (PRM) do Dominio Governança e os 37 processos Fonte: (ISACA, 2012a, p. 33) 4. Estrutura de Processos Para cada processo, as seguintes informações são incluidas, de acordo com o modelo de processo: . u, lrlnntifírarãn rln nmnneen' _ - , ›- : Y ¡Ka j¡ , AI 'n . ,ln pa. , M . . . › q Y Qu¡ : l Fin' , to É i' “rui”. t a S r¡ uva". " ' vv. ” ' ' '~" (wap: ' n 'v *l W? __, _,_, _ i( ~_, _,_¡_g ~li . . r l l _, «. O - Matriz RACI - uma sugestão de atribuição de nivel de responsabilidade por práticas de processos para diferentes funções e estruturas. - Descrição detalhada de práticas de processo para cada prática: - Título da Prática e descrição; - Entradas e saídas da prática, com indicação de origem e destino; e, - As atividades de processo, detalhando ainda mais as práticas. - Guias relacionados - associa cada processo do COBIT a outros frameworks que podem ser usados para implementar o processo. O Apêndice C contém a descrição do processo BAlO6: Gerenciar Mudanças. mu' , v,t; ¡.›; i3¡; ;i; ;¡. ¡ --: .,u-_ ¡, ¡¡_›w; i›; u¡i: .'li: iiiy-, i~ u: : li; iln. çiiit: ~¡¡is-›'^i_ llllkiu ai¡ í 1:lI à* Fuiiiizckiitsii ullr. W. u: :: ima
  9. 9. Wrlclnlnrsl Il: RACI Chart › o : P99 (rim. .. l r l l l P l t A l ãmnirciuasull- "ul ! lino-aih z 1:1!" u' “ouui-lzlít-u 5 Functions V§ 35°* _ - v p- L V_ 'a ! j a: .E , V ln ll'. É_ __¡ ' › r r is_ r a r f. Í* i rs v* Í* * ~ rf. É _ . vv. ' vv. " ' ~'›v~, ,.~n¡' 'l ~Ê i: ¡!¡; ;_ , ,«f_¡¡g'%l . l s! › - l_ "llp . [ . ñ'. °a› . ¡lnn vrg, 'n *Va . n_ l ' 1 _JHC 0. ' '” I ~ E" ' . mm . .v ' A a ; v t; › ~'- ~ 4.1 Novo Modelo de Maturidade de Capacidade de Processo O COBIT 5 interrompe a abordagem do Modelo de Maturidade de Capacidade baseado em CMM do COBIT4.1, Val IT e Risk IT. O COBIT 5 é apoiado por uma nova abordagem de avaliação de capacidade de processo baseada na ISO/ lEC 15504, e o Programa de Avaliação do COBlT tem sido estabelecido para o COBlT 4.1 como uma altemativa à abordagem CMM. As abordagens com base em CMM do COBIT 4.1, Val IT e Risk IT, não são consideradas compativeis com a abordagem ISO/ EIC 15504 porque os métodos usam atributos e escalas de mensuração diferentes. Então, a abordagem do Programa de Avaliação do COBIT é considerada pelo ISACA como mais robusta, confiável e repetitiva enquanto um método de avaliação de capacidade de processo. O Programa de Avaliação do COBIT apoia: aum . E l: Avaliações formais por assessores acreditados. Auto avaliações menos rigorosas para análise de insuficiências internas e planejamento de melhoria de processo. No futuro, o Programa de Avaliação do COBIT, também capacitará potencialmente uma empresa para obter valores certiñcados e independentes alinhados ao padrão ISO/ IEC. Usuários do COBIT 4.1, Val IT e Risk IT que desejem passar para a abordagem do novo Programa de Avaliação do COBIT precisarão realinhar suas avaliações anteriores, adotar e aprender o novo método, e iniciar um novo conjunto de valores de modo a ganhar os beneficios da nova abordagem. Embora algumas informações reunidas a partir das avaliações anteriores possam ser reutilizáveis, será necessário o cuidado na migração das mesmas, pois há diferenças significativas nos requisitos. imlgz-slzzlil “mu, Illlvlñswlllwit: .'›l: lx4i: i~ u: : ÍAí-¡llñillíiílll-r-'lw mui» m i 1:lI s* ñulirralnitsr¡ alii, W. II : :fun

×