Educação fiscal sugestão de atividades

21.340 visualizações

Publicada em

3 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.340
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
329
Comentários
3
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação fiscal sugestão de atividades

  1. 1. Desmistificação daLógica Matemática:Educação Fiscal na Construção da Cidadania Diretoria de Ensino da Região de Campinas Oeste Núcleo Pedagógico Temas Transversais - Educação Fiscal PCNP Amauri Fernando Comer
  2. 2. Conteúdos de Matemática 1. Números Racionais Avaliação da  Representação na forma fracionária. Aprendizagem  Comparação e Ordenação. em Processo  Transformação em Fração decimal.  Representação fracionária e decimal.  Operações com decimais e frações.  Porcentagem. 6º ano – Questões 9 e 10: Identificar fração como representação que pode estar associada ao significado parte-todo. 6º ano – Questão 12: Identificar frações equivalentes. 7º ano – Questão 1: Resolver problema envolvendo noções de porcentagem. 7º ano – Questão 2: Localizar números racionais na reta numérica. 7º ano – Questão 8: Reconhecer números racionais, representados na forma fracionária ou decimal, com significado parte todo. 7º ano – Questão 9: Resolver problemas com números racionais expressos na forma decimal que envolvam o significado da subtração. 7º ano – Questão 10: Resolver problemas que envolvam fração. Avaliação da Aprendizagem em Processo 2. Números/Proporcionalidade  Proporcionalidade direta e inversa.  Razões, Proporções e Porcentagem. 1ª série (EM) – Questão 2: Reconhecer situações que envolvam proporcionalidade. 2ª série (EM) – Questão 9: Resolver problemas que envolvam porcentagem. 3. Álgebra Avaliação da  Uso de letras para representar um valor desconhecido. Aprendizagem em Processo 4. Sistema de Medidas  Medidas e Transformações. 6º ano – Questão 5: Resolver problemas significativos utilizando unidades de medida padronizadas como km/m/cm/mm, kg/g/mg, l/ml. Avaliação da Aprendizagem em Processo 5. Tratamento da Informação  Leitura e construção de gráficos e tabelas. 6º ano – Questão 13: Associar informações apresentadas em listas e/ou tabelas simples a gráficos, particularmente gráficos de barras, que as representam, e vice-versa. 7º ano – Questão 13: Identificar o gráfico adequado para representar um conjunto de dados e informações (gráficos elementares - barras, linhas e pontos)
  3. 3. Atividade 1 - “Cesta Básica”Divida a turma em grupos: a) Solicite que os alunos pesquisem em supermercados o preço dos produtos que compõem a Cesta Básica. Atente-se de maneira a garantir que todos os grupos pesquisem esses produtos: carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga. Oriente os alunos na elaboração de uma lista/tabela de maneira que todos os grupos tragam as seguintes informações: Pesquisa Supermercado “A” Nome do produto Quantidade e Unidade de medida Marca Preço Arroz 5kg Tio João R$ 9,98 Observação: Os alunos deverão pesquisar em pelo menos 2 estabelecimentos. i) Pesquisa em mercado/supermercado onde o aluno e sua família têm o hábito de realizar as compras mensais/semanais em período contrário de aula ou ii) Pesquisa em folhetos e/ou jornais promocionais (distribuição gratuita) de vários supermercados [alunos e/ou professores poderão trazê-los para aula e a atividade poderá ser realizada no período de aula] ou iii) Pesquisa na internet (Compras online) [Essa sugestão poderá ocorrer em horário de aula ou contrário, se o aluno possuir computador com acesso à internet] Caso a escola possua o ambiente “acessa escola” o professor poderá desenvolver essas atividades neste espaço. As tabelas poderão ser construídas utilizando o aplicativo da Microsoft – Excel.Após concluir as pesquisas e elaborar as tabelas/planilhas, o professor poderá abordar com os alunos aimportância de realizar uma pesquisa de preço antes de comprar determinados produtos.Em seguida, inicie as atividades com a leitura dos seguintes textos:
  4. 4. Texto 1Veja os produtos que compõem a cesta básica pesquisada pelo DieeseO Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) pesquisa, semanalmente,uma lista de 13 produtos em quantidades consideradas essenciais para a alimentação básica do ser humanoadulto durante um mês. Veja abaixo a lista dos alimentos: PRODUTOS PESQUISADOS Ciências PELO DIEESE PARA A CESTA Nutrição BÁSICA “Relação do Homem com o alimento para preservar a Quantidade saúde humana” Alimentos http://guiadoestudante.abril.com.br/profissoes/saude/nutricao-687250.shtml considerada Carne 6 kg Cálculo do IMC dos alunos Leite 15 litros Feijão 4,5 kg Arroz 3 kg A Alimentação Farinha 1,5 kg escolar atende às recomendações Batata 6 kg Nutricionais dos Tomate 9 kg alunos? Pão 6 kg francês Café em pó 600 gramas Educação Física Banana 90 unidades Nutrição nos esportes Açúcar 3 kg No treinamento a nutrição fica muito evidente como um Óleo/banha 1,5 kg fator limitante da saúde e consequentemente do desempenho do atleta. Manteiga 900 gramas Hábitos alimentares saudáveisFonte: http://economia.uol.com.br/ultnot/2008/09/01/ult4294u1637.jhtm acesso em 13/09/2012 [adaptado]. LEM – InglêsTexto 2 JUNK FOOD / HEALTH FOOD Relacionar os itens das principais refeições nos países:Quais produtos compõem a cesta básica? Brasil/EUA/Inglaterra/Japão/China/ Índia/ArgentinaSão 13 alimentos: carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga. NoBrasil, a quantidade de cada ingrediente varia de acordo com a tradição alimentar de três grandes áreas do país: aRegião Sudeste, as regiões Sul/Centro-Oeste e as regiões Norte/Nordeste. Mas não espere encontrar exatamente essesingredientes nos kits que as empresas distribuem aos funcionários. "Os cardápios das cestas de alimentos são definidosem acordos entre patrões e empregados e têm pouco a ver com essa lista", afirma o economista José Maurício Soares,do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Então, para que serve a cesta básica?"Ela é um conceito abstrato, que mede se o poder de compra do salário mínimo consegue suprir as necessidadesalimentares básicas de uma pessoa durante um mês", diz a socióloga Claudia Garcia Magalhães, da Prefeitura de SãoPaulo. Além de não ser um banquete, a cesta é fraca em certos nutrientes: ela não atende plenamente às necessidadesde vitaminas e minerais, encontrados em frutas, verduras e legumes.
  5. 5. Rango minguadoCriada para suprir necessidades mínimas, lista de 13 produtos não tem vitaminas e minerais suficientes.PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL(6 kg de carne, 7,5 litros de leite)Carne e leite são os grandes provedores de proteínas. Esse nutriente ajuda a formar e a manter os músculos, os ossos, osangue, os órgãos internos, a pele e o cérebro. Tudo porque as proteínas são essenciais para construir novas células,promovendo o crescimento e aumentando a resistência do organismo às doenças.GRÃOS(3 kg de arroz, 4,5 kg de feijão e 1,5 kg de farinha de trigo)Na cesta básica, a mistura mais popular da alimentação brasileira tem como função primordial fornecer carboidratos, os"combustíveis" que mandam energia para o organismo.PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS(600 g de café, 900 ml de óleo, 750 g de manteiga, 3 kg de açúcar, 6 kg de pão)O óleo e a manteiga, principais produtos industrializados da cesta, não são só fonte de gordura. A função nutricionaldeles é nobre: eles transportam as vitaminas A, D, E e K por todo o corpo, protegendo os órgãos vitais e o organismocontra a perda excessiva de calor.LEGUMES E FRUTAS(6 kg de batata, 9 kg de tomate, 7 dúzias e meia de banana)Essa classe de alimentos ajuda a suprir a necessidade que o organismo tem de fibras. O sistema digestivo agradece: asfibras, apesar de não possuírem valor nutritivo ou energético, tornam a absorção da comida mais fácil e completa.Obs.: Quantidades mensais, levando em conta a cesta básica do Sudeste do Brasil.Fonte: Katley Scarparo Morini, nutricionista do Hospital Sírio Libanês, de São Paulo. http://mundoestranho.abril.com.br/materia/quais-produtos-compoem-a-cesta-basica Acesso em 13/09/2012.Texto complementar:http://www.nutricao.uerj.br/revista/v2/v2n3.htmSugestão de questões para nortear o debate e atividades sobre o assunto: Cesta Básica.1) Dos produtos pesquisados, quais vocês consideram essenciais para estar presentes em uma cesta básica eque possam sustentar- lhes com qualidade durante um mês?2) Após responder a 1ª pergunta, monte uma tabela com os produtos que você indicou como necessários paraque uma pessoa possa se alimentar bem e com qualidade no período de um mês.3) E se a cesta básica fosse para manter sua família, como ficaria a lista e a tabela? (fazer uma tabelailustrando).4) E se a cesta básica fosse composta apenas com alimentos citados nos textos, com suas respectivasquantidades, qual seria o custo dela em cada um dos supermercados pesquisados? Qual estabelecimentoapresentou o melhor preço?
  6. 6. Oriente os alunos na construção de tabelas e gráficos (Gráficos Comparativos) Química Sugestão: "Oficinas Temáticas para o Ensino Público", capítulo 7 com o título: Os alimentos: composição e nutrição (página 84-104).  Introduzir o conceito de caloria;  Composição e nutrição;  Cálculos de calorias dos alimentos;  Atividades físicas e gasto calórico. www.rededosaber.sp.gov.br/download.asp?IDUpload=127Atividade 2 – “Nota Fiscal e Impostos”Você exige nota fiscal na compra de produtos e serviços? Seus pais/responsáveis exigem? Quando você e suafamília fazem as compras no supermercado, por exemplo, vocês exigem o cupom fiscal?Explorem com alunos exemplos de documentos fiscais: Professor atente-se: A nota fiscal e o cupom fiscal não devem ser confundidos com outros documentos emitidos pelo comércio varejista, como comandas, orçamentos, pedidos, controle interno etc., já que esses documentos não são validos para a fiscalização do pagamento de tributos.
  7. 7. Ciências Humanas Leitura, Interpretação de textos e debate:  Tributos/Impostos;  Origem dos Tributos;  Sistema Tributário Nacional;  Democracia.  Gestão Democrática dos Recursos Públicos;  Justiça Social – Não Violência e Paz.Fonte: http://www.receita.fazenda.gov.br/Memoria/administracao/historico/default.asp acesso em 14/09/2012. Memória Receita Federal Curiosidade: Comércio Brasil e China: Fonte: http://www.receita.fazenda.gov.br/Memoria/administracao/curiosidades/ComercioBrasilChina.asp. Acesso em 13/09/2012. Língua Portuguesa Interpretação: a) Textos sobre a importância dos tributos; b) Código de Defesa do Consumidor.
  8. 8. 1. Peça aos que eles identifiquem semelhanças e diferenças entre as Notas Fiscais. É interessante nesse momento que os alunos reportem-se aos dicionários e busquem o significado de palavras desconhecidas.Exemplos: a) Alíquota. b) ICMS: Imposto Sobre Circulação de Mercadoria e prestações de Serviço de transporte. c) IPI: Imposto sobre Produtos Industrializados Nesse momento poderão ser apresentados alguns impostos aos alunos (IPVA, IR, IPTU, ISS, etc.). O que são? E para que servem?
  9. 9. Subsídios para o professor: http://leaozinho.receita.fazenda.gov.br/ http://www.esaf.fazenda.gov.br/esafsite/educacao-fiscal/Edu_Fiscal2008/cadernos.htm Após uma ampla discussão sobre as notas fiscais e sobre os tributos/impostos, elabore situaçõesproblema envolvendo as notas fiscais. Explore a ideia: 18% = 0,18 = 18/100 = 9/50. Para complementar essa atividade oriente os alunos sobre:  A importância dos tributos;  Realização de uma pesquisa na comunidade escolar sobre o hábito de exigir nota fiscal;  Programa – Nota Fiscal Paulista;  Sonegação de Impostos/Fraude Tributária/ Conluio;  Pirataria e seus efeitos. Arte Tema “Arte contra Pirataria” Criar mosaicos com CDs trabalhando o tema. http://www.colheitaespecial.com/2012/09/arte -contra-a-pirataria-2/ O Programa Nota Fiscal Paulista devolve 30% do ICMS efetivamente recolhido pelo estabelecimento a seus consumidores. Ele é um incentivo para que os cidadãos que adquirem mercadorias exijam do estabelecimento comercial o documento fiscal. Os consumidores que informarem o seu CPF ou CNPJ no momento da compra poderão escolher como receber os créditos e ainda concorrerão a prêmios em dinheiro. Atividade 3 - “Cesta Básica e ICMS”  Pesquisar sobre o ICMS dos produtos. Subsídios para o Professor: www.fazenda.sp.gov.br http://info.fazenda.sp.gov.br/NXT/gateway.dll?f=templates&fn=default.htm&vid=sefaz_tributaria:vtribut Importante: Faça com que os alunos concluam que quanto mais supérfluo for o produto, maior é acobrança do Imposto (ICMS). Exemplo: Produto Alíquota Feijão 7% Cigarro 25% Refrigerante 25%
  10. 10.  Qual o imposto em (%) devido para cada produto que compõe a cesta básica? Calcule o valor do imposto em reais com base na pesquisa realizada. Exemplo:Descrição do Produto Menor preço pesquisado Alíquota de ICMS Valor do Imposto Arroz tipo 1 – 5Kg Tio R$ 9,98 7% 0,70 João Atividade 4 - “Salário Mínimo” a) Qual o valor do salário mínimo Brasileiro? b) Há diferenças no valor do Salário mínimo pago entre os estados? c) Há diferenças no valor do salário mínimo de outros países? Desafio: Qual país possui o maior salário mínimo e o menor? Pesquise!!! Filosofia/Sociologia Ética Educação e Cidadania Língua Portuguesa Escrita de Paródias sobre o tema: Educação Fiscal. País Valor em moeda oficial Valor em reais (R$)Argentina $1.840 pesos argentinos por mês, 795,98 nacionalmente.Brasil R$ 622,00 por mês (revisto 622,00 anualmente) recebido 13 vezes por anoEstados Unidos Pela lei federal é US$1,75 por hora, 2.689,25 mas em alguns estados, o valor é um pouco maior.França €8,82 por hora; €1.337,70 por mês 3.424,58 para 151,67 horas trabalhadas (7 horas de cada dia útil do mês)Japão Varia de 618 ienes a 739 ienes por 3.225,96 hora.Serra Leoa - África $25.000 leones por mês 128,40 Fonte: http://economia.uol.com.br/cotacoes/ acesso em 13/09/2012.
  11. 11. d) Considere um cidadão que recebe um salário mínimo brasileiro por mês. 1. Calcule quanto ele recebe por dia? 2. E por hora? 3. E por hora trabalhada (considerando 8h diárias - 200 horas no mês)? 4. Que percentual do salário corresponde ao valor da cesta básica pesquisada?Atividade 4 – Orçamento Familiar/Salário Mínimo/ Aplicação de Recursos Públicos Caracterização da família: Pesquise o perfil da família dos alunos, fazendo as seguintes perguntas: Quantas pessoas trabalham? Filosofia/Sociologia Como é composta a renda familiar? Direitos Humanos Como moram: aluguel ou casa própria? Onde e como se alimentam? Professor: Trabalhe hipoteticamente Como se divertem? um orçamento familiar. Considere uma família com 4 (quatro) pessoas e Estudam? A escola é pública ou particular? com renda mensal entre R$ 1.000,00 e R$ 1.500,00 . Usam que tipo de transporte? Compram roupas com frequência? Quais os serviços utilizam: luz, água, telefone? Utilizam assistência médica particular ou pública? A partir da pesquisa defina quais os setores que compõem o orçamento de uma família: saúde, educação, alimentação, moradia, lazer, etc. e em seguida proponha aos alunos a elaboração de um orçamento familiar. Determine quanto se gasta em média por mês em cada setor. Calcule qual porcentagem cada setor representa na renda mensal da família. Faça o gráfico de barras e setores com as porcentagens destinadas a cada setor, para ter uma visão mais clara da distribuição do salário. Solicite aos alunos que analisem os gráficos e façam um relatório com sugestões de como essa família pode administrar melhor sua renda: onde é preciso economizar, onde é possível gastar um pouco mais e, assim, por diante. Questões para o debate: 1. É importante saber elaborar um orçamento familiar? Sua família tem esse hábito? 2. Partindo dos dados da pesquisa e o orçamento hipotético, qual o valor mínimo necessário para que uma família de quatro pessoas possa viver em condições dignas?
  12. 12. 3. Esse valor depende da região do país onde vive essa família? 4. A faixa de renda escolhida inclui uma porcentagem significativa das famílias brasileiras? 5. Como é a distribuição de renda em nosso país? Ela é justa? Existem perspectivas de melhora? 6. A prática de políticas mais eficientes na área de saúde e da habitação, de modo que mais famílias possam vir a ter imóvel próprio e assistência médica gratuita, proporcionará uma melhor qualidade de vida à população? Geografia/Sociologia  Indicadores Sociais;  Pesquisa de Orçamentos Familiares;  Distribuição de Renda;  IDH/IDI  Políticas Públicas. www.ibge.com.br www.unicef.org Atividade 5: “Conta de luz/Impostos/Orçamento Familiar” Peça aos alunos que tragam para aula uma conta de luz. É interessante que todos os grupos estejamcom o documento em mãos e possam analisar e interpretar essa conta. IMPORTANTE: Sequência 1: Abordar o tema da sustentabilidade a partir do consumo de energia elétrica se faz  De onde vem a energia elétrica? necessário, visto que o Brasil desperdiça bilhões de dólares em luzes  Como a energia elétrica é gerada? desnecessariamente acesas, longos banhos, máquinas desreguladas e  Que quer dizer “apagão”? equipamentos obsoletos. E por isso, a necessidade de conscientizar a população sobre o consumo racional.  Por que existe o horário de verão?  Todos os estados do Brasil fazem parte? Física:  Energia  Potência  Tensão Biologia Sustentabilidade
  13. 13. Sequência 2:Nesse momento o professor pode solicitar que os alunos observem a conta de luz que trouxeram e propor:  Localizem na conta de luz qual o consumo mensal de cada um.  Socializem esses valores com os elementos do grupo. Existem diferenças significativas? Por quê?  Identifiquem qual a unidade de medida de energia usada pelas companhias fornecedoras?  O que significa o kWh? 1 kWh corresponde ao consumo de um aparelho de potência 1 000 W (1 kW) durante uma hora. 1 kWh corresponde também ao consumo de uma lâmpada de 100 W (0,1 kW) ligada durante 10 horas.  Como é calculado o valor final a ser cobrado?  O valor final é composto por quais elementos? Professor! Sugira aos grupos de alunos que pesquisem:  Encaminhar outras questões. Quais eletrodomésticos consomem mais energia? Língua Portuguesa /Arte Produção de uma revista em quadrinhos “Dicas simples de economizar energia” Fonte: http://www.eletrobras.com/elb/procel/ acesso em 13/09/2012.Na conta há muitas informações importantes: Trabalhe com os alunos o campo [Histórico de consumo].  Qual o tipo de gráfico a conta traz? Quais as grandezas aparecem no gráfico? Quais os motivos para o consumo no mês em que se mais gastou e para o mês em que menos segastou?Retome com os alunos a questão dos tributos/impostos: PIS/PASEP, COFINS, ICMS, etc. nos campos [Descriçãoda Conta] e [ICMS] Pesquise sobre as alíquotas de ICMS para contas residenciais http://www.cpfl.com.br/paulista/tributosmunicipaisestaduaisefederais Como é calculado o imposto (ICMS)? Para discussão e debate: “Brasileiro paga ICMS duas vezes em cada conta de luz” http://blogs.estadao.com.br/radar-economico/2011/04/27/brasileiro-paga-icms-duas-vezes-em-cada-conta-de-luz/ O professor poderá propor aos alunos situações problema envolvendo a conta de luz: Exemplos: a) Quanto a família deixaria de pagar se economizasse 1/8 do valor total de sua conta de luz? b) Qual o total a pagar da fatura/conta de luz se a família economizasse 10% do consumo do mês?
  14. 14. Atividade 6 – “Arrecadação de Impostos” Consultar Repasse de ICMS aos municípios: https://www.fazenda.sp.gov.br/RepasseConsulta/Consulta/repasse.aspx Construa um gráfico que melhor represente as informações pesquisadas.Impostômetro Para o Coordenador de Estudos do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral, o principal objetivo do Impostômetro é deixar mais claro ao contribuinte o quanto é arrecadado em tributos no País. "Só assim a sociedade poderá cobrar dos seus governantes a melhor utilização do dinheiro público". Fonte: http://www.impostometro.com.br/paginas/perguntas-e-respostas acesso em 17/09/2012 às 15h00
  15. 15. Atividade 7 – “IPTU”Para esclarecer melhor esse termo, propor aos alunos uma pesquisa orientada, abordando os seguinteselementos a partir do tema:- O que é?- Para que serve?- Como se constitui?- Seu papel social. Sociologia O papel do ser humano enquanto cidadão social.Posteriormente a realização da pesquisa, os resultados devem ser socializados pelos grupos aos demaiscolegas, ressaltando que o IPTU, imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana é um dos impostosmais conhecido que anualmente todo cidadão deve pagar. Apresentar ainda, curiosidades e especificidadesdo IPTU da cidade. Na apresentação, o professor deve discutir com os alunos que este tributo é a forma com aqual a cidade paga as suas dívidas, e financia as melhorias nos setores públicos.Mas como o cálculo desse imposto é feito?Para entender o cálculo para o pagamento do IPTU precisa-se entender sobre o VALOR VENAL (valor devenda) do imóvel ou terreno.O cálculo do valor venal do imóvel é o mesmo que o valor do terreno mais o valor venal da construção. Parase encontrar o valor venal do terreno, basta multiplicar a sua área total pelo valor unitário de metroquadrado. O valor venal da construção é feito de acordo com o tipo de edificação em determinado terreno, epara se chegar a esse valor são observados alguns critérios como: padrão da construção (que pode ser deluxo, fino, médio, econômico e rústico) e a conservação do imóvel (bom, regular, mal). O cálculo do IPTU éfeito de acordo com o valor venal X (vezes) a alíquota (%).(Fonte: http://www.fc.unesp.br/upload/pedagogia/TCC%20Roger%20-%20Final.pdf, acesso em 14 de setembro de 2012).Observação. Para essa explicação seria interessante solicitar que os alunos trouxessem para essa aula carnêsde IPTU para análise e que utilizassem as taxas referentes à cidade nos cálculos. Outra possibilidade éconvidar alguém da Prefeitura da cidade que trabalhe no setor de finanças para fazer uma explicação geralaos alunos sobre os valores e funcionamento dessas taxas.Após essa roda de conversa o professor poderá propor as seguintes situações:Vamos considerar que as alíquotas do IPTU da cidade para a base de cálculo são: 2% para terrenos (sem construção lançada). 0,8% para casas (terreno com construção).
  16. 16. a) Uma pessoa possui um imóvel cujo valor venal foi avaliado em R$ 15.000,00 pela prefeitura no ano de 2011. Calcule o valor do IPTU para esse ano.Resolução:15000 x 0,8-------------- = 12000 = 120 100O valor a ser pago será de R$ 120,00. b) Determinada pessoa herdou um terreno com o valor venal de R$3.000,00. Tomando por base a alíquotautilizada para o cálculo de IPTU territorial que é de 2%, calcule o valor do IPTU que a pessoa terá que pagar.Resolução:3000 x 2----------- = 60 100O valor a ser pago será de R$ 60,003 - Nem sempre temos o dinheiro certo para efetuar os pagamentos. Vamos supor que o valor da parcela 02do IPTU da casa de um indivíduo é de R$20.00, e sabendo que após o vencimento da parcela, a esse valor seráacrescido 1% de juros e 2% de multa, calcule o valor total a ser pago.Resolução:Valor da parcela: R$20,00Multa: 2%Juros: 1%20 x 2 40--------= ---- = 0,04 centavos 100 10020 x 1 20-------- = ---- = 0,02 centavos 100 100Assim, ao valor da parcela será acrescido R$0,06.
  17. 17. Atividades Complementares  Entrevistas as pessoas da comunidade sobre o grau de satisfação quanto à aplicação do dinheiro público no município. Perguntar o que cada um está fazendo para assegurar a boa aplicação dos tributos que pagamos.  Elaboração com a comunidade de um quadro demonstrativo de seus principais problemas, apresentando alternativas que possibilitem melhor qualidade de vida.  Debate sobre a aplicação de recursos públicos na escola. Por exemplo: Fundo Rotativo.  Visitação à Câmara de Vereadores em Audiências Públicas (Planejamento Orçamentário/Prestação de Contas).  Produção de um Jornal – “Educação Fiscal”.AvaliaçãoA avaliação deverá ocorrer no transcorrer das atividades apresentadas, primeiramente observando aformação de conceitos pelos alunos, analisando seus questionamentos e intervenções, procurando, por meiodo diálogo, perceber se houve assimilação dos conteúdos propostos.Pela leitura da produção final dos alunos, o professor poderá avaliar conhecimentos, sugerindo as mudanças eadequações se julgar necessário. Lembrando sempre de estimular outras leituras e realizar feedback dosconteúdos, caso seja preciso. Importante: É necessário que o professor dedique um tempo de sua aula para a discussão dos erros mais frequentes. Além disso, o professor pode lançar mão de uma aula expositiva com o intuito de sistematizar os conceitos e procedimentos estudados e ajudar o aluno a organizar o seu conhecimento em relação aos números racionais.
  18. 18. Referências BibliográficasARAÚJO, J. L. Cálculo, tecnologias e Modelagem Matemática: as discussões dos alunos. 2002. 173 f. Tese(Doutorado) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2002.BARBOSA, Jonei Cerqueira. Modelagem matemática e a perspectiva sócio-crítica. In: SEMINÁRIOINTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2., 2003, Santos. Anais... São Paulo: SBEM, 2003.1 CD-ROM.BORBA, M. C.; MENEGHETTI, R. C. G.; HERMINI, H. A. Modelagem, calculadora gráfica e interdisciplinaridadena sala de aula de um curso de ciências biológicas. Revista de Educação Matemática da SBEM-SP, [São José doRio Preto], n. 3, p. 63-70, 1997.BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria deEdições Técnicas, 2000.BRASIL. Ministério da Fazenda. Escola de Administração Fazendária. Programa Nacional de Educação Fiscal –PNEF. Educação fiscal no contexto social / Programa Nacional de Educação Fiscal. 4. Ed. Brasília: ESAF, 2009 p.38 e 39; (Série Educação Fiscal). Caderno 1.BRASIL. Ministério da Fazenda. Escola de Administração Fazendária. Programa Nacional de Educação Fiscal –PNEF. Relação Estado-Sociedade / Programa Nacional de Educação Fiscal. 4. Ed. Brasília: ESAF, 200;9 (SérieEducação Fiscal). Caderno 2.BRASIL. Ministério da Fazenda. Escola de Administração Fazendária. Programa Nacional de Educação Fiscal –PNEF. Função Social do Tributo / Programa Nacional de Educação Fiscal. 4. Ed. Brasília: ESAF, 2009; (SérieEducação Fiscal). Caderno 3.BRASIL. Ministério da Fazenda. Escola de Administração Fazendária. Programa Nacional de Educação Fiscal –PNEF. Gestão Democrática dos Recursos Públicos / Programa Nacional de Educação Fiscal. 4. Ed. Brasília:ESAF, 2009; (Série Educação Fiscal). Caderno 4.BRASIL: Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental: Matemática.Ministério da Educação, Brasília, 1996. Disponível em <www.bibvirt.futuro.usp.br/textos-humanas-educacao-pcns-fundamentalmatematica.html>. Acesso em: 13 set. 2012.BRASIL. Senado Federal. Código Tributário Nacional.CARDOSO, V. C. Materiais didáticos para as quatro operações. 6. ed. São Paulo: Caem IME/USP, 2005.D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação Matemática: Da Teoria à Prática. Campinas: Papirus, 1996.FONTANELLA, Francisco Ricieri. Finanças públicas: Lições introdutórias destinadas aos docentes do Programade Educação Fiscal. Versão 6.9. Florianópolis, 2000.IMPA, Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada. Aulas em Vídeo. Disponível em:<http://www.impa.br>. Acesso em: 13 de setembro de 2012.MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 28a. Ed. – revista atualizada e ampliada. EditoraMalheiros, São Paulo, 2007.
  19. 19. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Caderno do Professor: Matemática, Ensino Fundamental – 5ª a8ª séries. Volumes 1 a 4. Coordenação geral: Maria Inês Fini; equipe: Carlos Eduardo de Souza Granja, Jose LuizPastori, Nilson Jose Machado, Roberto Perides Moises, Rogério Ferreira da Fonseca, Ruy Cesar Pietropaolo,Walter Spinelli. São Paulo: SEE, 2009. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Caderno do Professor: Matemática, Ensino Médio – 1ª a 3ªséries. Volumes 1 a 4. Coordenação geral: Maria Inês Fini; equipe: Carlos Eduardo de Souza Granja, Jose LuizPastori, Nilson Jose Machado, Roberto Perides Moises, Rogério Ferreira da Fonseca, Ruy Cesar Pietropaolo,Walter Spinelli. São Paulo: SEE, 2009.SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Matemática e suasTecnologias/Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação de área, Nilson JoséMachado. – São Paulo: SEE, 2010.SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Planejamento Escolar 2012 – Temas Transversais. Equipescurriculares da Coordenadoria de Gestão da Educação Básica (CGEB) – São Paulo: SEE, 2012.SKOVSMOSE, O. Cenários de investigação. Bolema – Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, n. 14, p. 66-91, 2000.Lista de Sites:www.camara.gov.brwww.fazenda.gov.brwww.ibge.com.brwww.mec.gov.brwww.planejamento.gov.brwww.portaldoprofessor.mec.gov.brwww.receita.fazenda.gov.brwww.senado.gov.br

×