Durga O inicio

434 visualizações

Publicada em

Durga é a expressão psicológica do cotidiano, O inicio da jornada é a primeira revista da serie de treze revistas que traduzirá a historia de mulheres Guerreiras, seus medos e suas vitórias de forma criativa e divertida

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
434
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Durga O inicio

  1. 1. DurgaO Inicio da Jornada 1
  2. 2. A ARTE Em 2009 a arte surge na minha vida como um vulcão em erupção. Com uma atividade intensa e sem conseguir conter as lavas da criação as telas em branco transformaram-se em espelhos da alma. Não consegui maisparar. Pintar passou a ser uma necessidade, um exercício de mim aonde eucomecei a escrever uma história sem fim, a idéia de transformar as pinturas e os desenhos em historias escritas me veio com a compreensão e aceitaçãode como vejo a vida, e a minha arte, como uma grande aventura! A revista Durga é a expressão psicológica do cotidiano, O inicio da jornada é a primeira revista da serie de treze revistas que traduzirá a historia de mulheres Guerreiras, seus medos e suas vitórias de forma criativa e divertida. ∞ Índice: • Inicio • Ritual • A festa Erica Save 2
  3. 3. Inicio Poderia ser chamado de Paraíso, e esse seria o nome correto para o mundo de Soruges, pois florestas encantadas e pomares místicos faziam dele um lugar tranqüilo. Envolto por um mar da águas cristalino e lindo lagos, professava a abundancia! Soruges era conhecido entre os mundos como sendo um dos lugares mais confortantes para viver, mesmo os que não faziam parte da realeza não tinha do que reclamar, famílias amorosas com criançassaudáveis se relacionavam muito bem. Nem se quer imaginavam que uma sombra de destruição se aproximava desse lindo lugar. Demoramos a acreditar que esse mal já estava convivendo ali, eleestava se espalhando e disseminado a dor nos mundos. Não sabíamos direito o que era. Apenas que algo de muito terrível estavaacontecendo pelos mundos a fora. Ouvíamos dizer que até as crianças eram contaminadas. As pessoas pareciam acorrentadas a uma poderosa energia maligna. 3
  4. 4. A contaminação era sutil. E não era percebida de imediato. Ela seutilizava do amor daqueles que ainda não estavam contaminados. E sem escolher idade ou sexo tudo estava aos poucos se alastrando. Omal estava se espalhando cada vez mais. E o que nos sabíamos sobreisso? Quase nada! Somente que a alma das pessoas se desprendia do corpo e era levada para outro mundo. Um mundo sombrio. A contaminação se proliferava principalmente entre as pessoas que seamavam e essa doença virava em pouco tempo uma grande correnteem que os elos eram pessoas degradadas. Muitos lugares já estavam contaminados, vilarejos e até reinos inteiros já estavam completamente habitados por pessoas sem almas, esses mundos estavam sendo destruídos pelas próprias pessoas que neles viviam. E essa noticia nos assombrou! 4
  5. 5. Alguma coisa precisaria ser feita, o universo corria perigo. Em brevenada existira a não serem guerras, dor e o sofrimento. Soubemos também que alguns deuses estavam convocando pessoas de vários mundos, e que fariam parte de um exército. Um exército para salvar o universo. Soruges conhecido também como berço de mulheres fortes. Guerreiras por natureza. Como eu havia nascido com força latente, forte, espirituosa e de inteligências sublimares. Talvez por isso fosse escolhida por um dos deuses para a convocação e compor assim o exército deles. As brumas densas nos impediam de avistar o horizonte, uma brisa suave envolveu o reino inteiro com um odor de rosas e atraídas por um som angelical rumamos até a beira mar. O nevoeiro se dissipou e eu Fiquei estasiada quando avistei uma mulher que descia suavemente do céu, não tinha asas, elasimplesmente flutuava, sua pele clara era coberta por uma luz verde intensa, era do seu corpo que vinha o cheiro das rosas e os cabelos longos tocavam uma melodia em som de harpa. Era uma Deusa! Pag.1 5
  6. 6. PSI era o nome dessa linda Deusa que escolhera o mundo de Soruges para a convocação algumas mulheres com o propósito de instruí-las para o resgate de almas perdidas. Combatendo assim o grande mal que estava se disseminado no universo. Essas mulhereseram escolhidas em diversos mundos, foram detectadas pela bravura e honestidade latente.A Deusa apontou para duas mulheres, e no momento eu não me dei conta que uma delas era eu! Eu? Perguntei espantada, não estava preparada para tal surpresa! Entretanto compreendo que essascoisas acontecem e nunca estaremos completamente preparadas para os eventos novos! Entretanto temos que estar sempre apta para tomar as decisões que a existência nos impõe. Um impulso forte fez com que eu aceitasse, mesmo com um frio de duvidas que a natureza da decisão me impunha, eu fui. Pag.2 6
  7. 7. Lembro-me somente que ao entrar na embarcação vi no céucriaturas aladas que parecia indicar o rumo a ser tomado. Para onde iriam nos levar? Qual seria o meu destino a partir de agora?Não me lembro da viagem, e nem de como cheguei ao castelo. Já era noite quando fui acordada por um som metálico parecia um gongo. Eu estava em um quarto e na frente da cama um bilhete preso na parede. Esse foi o primeiro contato com a minha nova jornada. O bilhete dava instruções que eram escritos em forma de charadas, que com o tempo eu fui acostumando. E entendi que era uma forma de melhorar o pensamento lógico. Esse bilhete dizia: “ com a mente aberta, e sem armadura seguindo o brilho para fechar o ciclo “minha mente fervia envolta de probabilidades. Seria o Prenúncio de novos desafios? Em meio a escuridão uma lua majestosa parecia indicar o caminho. Soube logo que essa era a parte “seguindo o brilho” que estava no bilhete. Pag.3 7
  8. 8. Todas atenderam ao chamado e com a exceção da deusa eu asdesconhecia e nem mesmo sabia quem era a mulher que comigo fora convocada em Soruges e mesmo ansiosa eu tentava controlar asminhas expectativas, dez mulheres formaram um circulo e um suavecheiro de rosas vermelhas destacou-se trazido pela brisa, era a deusa Psi que estava chegando e dirigiu-se para o oeste do circulo, posicionando-se em cima de uma grande pedra aonde elevando asmãos falou: - Pelo meu poder e pelo poder dos guardiões dos quatro quadrantes deste espaço, nenhum mal sairá e nele nenhum mal poderá entrar. E ela continua: - esse cerimonial simboliza o fim de um período de vida, e como o Sol que ao morrer no oeste passa por doze cavernas, para renascer no leste. Para vocês passarem para uma nova etapa de suas vidas deverão ultrapassar os doze desafios. Pag.4 8
  9. 9. O RitualNão me lembro da viagem, e nem de como cheguei ao castelo. Fuiacordada por um som metálico, um gongo. Não identifiquei direitoquando ouvi pela primeira vez, mas minha intuição me dizia queestavam nos chamado, ao me levantar, percebi que era noite e fuiinformada por um bilhete deixado ao lado da minha cama que aDeusa Psi havia convocado uma assembléia, e que deveríamos estádescalças e seguir até alem de um regato aonde as arvores faziam umcírculo ao redor de uma clareira, minha mente fervia envolta deprobabilidades. Seria um prenúncio de novos desafios? Em meio à escuridão da noite uma lua azulada e majestosa iluminava o caminho. Pag.5 9
  10. 10. Mesmo ansiosa eu tentava controlar as minhas expectativas, dez mulheres formaram um circulo e um suave cheiro de rosas vermelhas destacou-se trazido pela brisa, era a deusa Psi que estava chegando e dirigiu-se para o oeste do circulo, Posicionando-se em cima de uma grande pedra aonde elevando as mãos falou: - Pelo meu poder e pelo poder dos guardiões dos quatro quadrantes deste espaço, nenhum mal sairá e nele nenhum mal poderá entrar. E ela continua: - Esse cerimonial simboliza o fim de um período de vida, e como o Sol que ao morrer no oeste passa por doze cavernas,para renascer no leste. Para vocês passarem para uma nova etapa de suas vidas deverão ultrapassar os doze desafios. Pag.6 10
  11. 11. Fora servido por uma mulher que trajava rosas brancas e estava posicionada fora do circulo uma bebida doce uma espécie de hidro mel, após todas beberem e aos pés da deusa um fogo se iniciou Fomos conduzidas na direção horária a andarmos à sua frente que suavemente pegava as chamas com as mãos e nos entregava o fogo não queimava apenas esquentava e era uma sensação muito boa já que a noite estava fria e quando a ultima retornou ao seu lugar as chamas se transformaram em linda rosa vermelhaPercebi o poder mágico daquele ritual, e vi que todas as mulheres ali estavam compartilhando os mesmos sentimentos, era um misto deespanto e respeito. A deusa continuou falando: - cabe a cada uma devocês reconhecerem o seu recurso mágico nessa rosa, e disse também, o poder da magia tem polaridades exacerbadas cabe a vocês decidirem como usar esse poder, não deixem que o seu poder passe para mãos estranhas e a melhor forma de se assegurar isso é utilizando-o para o bem. Pag.7 11
  12. 12. E ela passou a falar sobre o nosso objetivo e falou: - mas antes preciso que saibam o mal já está entre nos e como a raiz das arvoresele se espalha aparentemente inofensivo e calmo, mas muito ardiloso, ele já esta ganhando força! Agora permitirei que vocês tenham a visão do mal por alguns instantes e assim ficarão cientes do seu poder, e uma densa fumaça pairou acima do circulo sagrado, e imagens apareceram. Chuvas de sangue corriam para os rios que levavam pessoas em agonia, elas se nos afogavam próprios desejos desacertados que corrompiam as suas almas fazendo-os ficarem cegos de tanta vontade que ao ser contaminadas pelo mal não tinha medida,vi imagens de mitos sendo esmagado, monstros serem endeusados. Afumaça se desfez e uma das mulheres perguntou: - Temos força paracombater esse mal tão forte? E a deusa respondeu: - Não ainda não encontramos a dona da força que pode combater esse mal. Pag.8 12
  13. 13. - Sabemos que a nossa arma é uma guerreira que aindainocente não reconhece sua força, ela precisará passar por todo trajeto iniciático para liderar o exercito que salvará a humanidade de toda essa dor que se espalha rapidamente. . A deusa deixou que o silêncio envolvesse todas ali, e seus olhos esquadrinharam as mãos de todas e as mulheres que a acompanharam na trajetória tentando identificar qual delas ali seria a poderosa guerreira. O primeiro raio dourado do sol refletiu nas vestimentas da Deusa nesse momento ela anunciou o termino, o fogo queflamejava a sua frente se apagou todas saímos em fila, caladas pelo lado direito, e nos dirigimos ao castelo. Pag.9 13
  14. 14. Fazendo o caminho de volta, eu via nas nuvens a minha memória, elas faziam flutuar as minhas emoções, imagens vividas eimaginadas se confundiam compondo um sonho, eu havia deixado o tempo presente, um suave brisa da manhã me convidava a começar de novo como se um novo ciclo de minha vida se iniciasse ali. Fui fisgada de volta pelas mãos de uma das mulheres que ao encostar-se ao meu ombro fez com que eu imediatamente voltasse à realidade. Com um singelo mau humor olhei para ela, que com um sorriso pacificador prendeu a minha atenção, era linda! Sua pele cor de bronze brilhava com os raios de sol, os olhos grandes da cor de mel, carregava a gentileza de uma alma caridosa, senti-me confortável como se tivesse encontrado meu lar, e com a voz suave, falou: Deixe- me adivinhar, você veio de Soruges? Eu sorrindo respondi: - sim! Como você adivinhou? Ela respondeu com um jeito travesso, Duvido que em algum mundoque não Soruges haja mulheres com tantas flores na pele, e colocandoa mão na cintura fez com que eu olhasse para ela, percebi logo a flor tatuada, no nosso mundo ao nascermos todas as mulheres são contempladas com uma flor tatuada na pele. Rimos... Pag.10 14
  15. 15. E ela se apresentou: Ádab é como me chamam e como eu devo lhechamar? Respondi: Durga! E juntas continuamos a caminhar, umsentimento de felicidade tomou conta de mim, Ela fazia parte do meu mundo e eu poderia dividir com ela todos os sentimentos que esses desafios me trariam, nos ajudaríamos a entender esse novo mundo e discutiríamos as melhores decisões a serem tomadas, nos incentivaríamos e nas horas difíceis nosfortaleceríamos, teria alguém para compartilhar tudo, eu não estava mais sozinha, eu tinha encontrado uma amiga! ∞ O meu bilhete explicava algumas condutas como horários das refeições, algumas regras iniciais, e também que no poente deveríamos nos reunir no lado leste do castelo. O dia se passou tranqüilo, e com serenidade cumpri meus os meus deveres, e fui descansar, pois já estava acometida de certa lassidão; E para o novo evento que aconteceria ao entardecer, eu gostaria de estar na minha melhor forma, até mesmo por que o bilhete não especificava qual seria o acontecido acabei dormindo mais do que deveria e despertando bruscamente com um som de gongo. Ele anunciara que chegou a hora em que deveríamos nos reunir. Esbaforida sai correndo pelo castelo quando cheguei ao lado leste todas já estavam reunidas. Pag.11A Festa 15
  16. 16. Ádab sorrido me chamou para ficar ao seu lado. . Fora anunciado por uma mulher que teríamos uma grande festa em homenagem anossa chegada Adab parecia uma criança animada com uma nova brincadeira. Alias todas as mulheres ali ficaram eufóricas esorridentes todas falavam ao mesmo tempo, começaríamos o festejo com uma grande dança circular. Em Soruges praticávamos as danças circulares pois são circulares, consideradas meditação em movimento, com beneficio mentais e com físicos, quanto como relaxamento, diversão e integração de grupos,pois ao trabalharem o equilíbrio individual e o coletivo estimulam as atitudes cooperativas e o respeito às diferenças. E esse era o objetivo! ∞ Já estávamos em roda de mão dadas quando avistei uma fila de guerreiros chegando, eles se vestiam com pele de animais, alem de serem muito altos eram extremamente musculosos, carregavamarmas que deixaram sobre a mesa antes de adentrar se intercalando com as mulheres na roda, os passos sincopados entoavam cânticos sagrados o misto de suavidade das mulheres e brutalidade dos guerreiros deu aquela cerimônia mais beleza, a força do momento invadi nossos corações que quanto mais dançávamos e cantávamos parecíamos entrar em um traze de sublime satisfação, após dançarmos por horas, Pag.12 16
  17. 17. Sentei-me em um tronco para observar os festejos. Ádab, sentou-se a meu lado ficamos ali conversando e rindo quando um dos guerreiros se aproximou, era um homem enorme deaproximadamente 2 metros de altura, cabelos e barba longa e ruiva, grande olhos azuis e sobre o corpo tinha a pele inteira de um urso, sua voz parecia uma explosão, perguntou com um tom sarcástico: - as mocinhas estão preparadas para a surra de amanhã?Eu e Abad nos olhamos como que se nos perguntássemos, “do que ele está falando”? Não me contive e pergunte espantada: Surra? E antes que eu pudesse concluir Adab já intuindo o que ele estaria falando levantou-se, e audaciosamente e com a voz altiva eempurrando ele com os dedos respondeu: “iremos acabar com vocês!” Ao finalizar a nossa batalha você que pensa ser selvagem estará miando feito um gatinho! E ele serrando os grandes olhos azuis encarou Ádab, rangiu os dentes. Ele queria mastigá-la! E antes que ele pudesse responder o som do gongo anunciou o fim do festejo. Pag.13 17
  18. 18. Voltamos para o castelo em silencio, Ádab me parecia muito aborrecida. Dirigi-me ao quarto, mas antes que conseguisse deitarÁdab bateu na porta, ela viera me contar que havia descoberto. No dia seguinte antes do nascer do sol, seriamos mandadas a florestas elá encontraríamos a nossa arma, que era para eu me preparar, pois a batalha seria árdua. Falei a Adab que não precisava ficar apreensiva, pois em Soruges éramos acostumadas a enfrentar os perigos das florestas, Adab então me lembrou que se estávamos ali para virar guerreiras encantadas, os perigos não deveriam ser naturais! E que o nosso festejo teve intenções que eu ainda não alcançava como verdade.. Olhei para o rosto de Ádab que no momento me parecia tão frágil, diferente de quando enfrentara o guerreiro, percebi a sua preocupação, o seu medo. Pag.14 18
  19. 19. - O que Temes? Ela então me respondeu: - os medos que eu encubro pela pretensão e arrogância. – Eu não consigo equilibrar em meu intimo meu potencial e meus limites, e assim me considero uma pessoa com as aptidões superestimadas e sempre acredito ter umpoder muito maior do que realmente tenho. – internamente me sinto inferior, embora tente demonstrar superioridade, temo ser desprezada, me sinto freqüentemente insegura, quase sempre estou isolada, sempre solitária! E compartilhando da sua dor abracei-acarinhosamente e disse: - agora você tem a mim, estamos juntas! – e quero que tu saibas que precisamos lutar contra alguns sentimentosfreqüentemente com firmeza e determinação, pois é necessário muito domínio de si mesma para vivermos em harmonia com nosso interior. Afaguei os seus cabelos, afastando-a. Ela enxugou as lagrimas se recompondo com um singelo sorriso disse em um tom maroto: com a minha inteligência e a sua sagacidade dominaremosos mundos! Gargalhamos... Quebrando assim todo clima de tristeza. Fomos dormir revitalizadas. 19
  20. 20. Como estava virando um habito eu acordar só com o soar do gongo. E o gongo anunciava o inicio de alguma coisa! Eu bem sei que o gongo representa a espiritualização da matéria o som do gongo é o som da totalidade, e que ele nos tira das nossaslimitações mentais, e nos leva para libertação do ego e o encontro com o divino. Mas naquele momento ele anunciava o meu atraso!Novamente sai afoita, correndo do quarto. No bilhete preso a minha porta estava as coordenada do nosso Primeiro desafio! 20
  21. 21. Próxima edição:O primeiro desafio: As Armas 21
  22. 22. 22

×