UUBBUU--RREEII
ALFRED JARRY
2
AAPPRREESSEENNTTAAÇÇÃÃOO
CENA UM – UMA INTRODUÇÃO
O teatro é, através dos séculos, a arte do instante por excelência. Ir...
3
conhecem com os apelidos de P.H., Pai Heb, Eb, Ebé, Ebóu. Ebance e Ebouille. O título da peça era
Les Polonais (os polon...
4
ENTÃO O PAI UBU SACUDIU A PERA E DESDE ENTÃO FOI BATIZADO DE SHAKESPEARE PELO
INGLESES E TEMOS DA AUTORIA DELE COM ESSE ...
5
PPRRIIMMEEIIRROO AATTOO
CCEENNAA II
PAI UBU, MÃE UBU
PAI UBU
- Merdra.
MÃE UBU
- Ah! muito bonito, Pai Ubu, o senhor é b...
6
- Ah! Não! Eu, capitão dos dragões, massacrar o rei da Polônia! Prefiro a morte!
MÃE UBU (À parte)
- Oh! Merdra! (Alto) ...
7
- Bom dia, madame. Mas onde é que está o Pai Ubu?
PAI UBU
- Estou aqui! Estou aqui! Pela bela vela verde, eu até que sou...
8
- Viva a mãe Ubu.
PAI UBU (Voltando)
- E vocês logo logo vão gritar viva o Pai Ubu. (Ele atira sobre o festim uma inomin...
9
- Se é para matar Venceslau, conte comigo. Sou inimigo mortal dele e respondo também
pelos meus homens.
PAI UBU (Atirand...
10
CCEENNAA VVII
(O PALÁCIO DO REI)
(O REI VENCESLAU, CERCADO POR SEUS OFICIAIS; BORDURA; OS FILHOS DO REI,
BOLESLAU, LADI...
11
PAI UBU
- Bem, meus amigos, acho que devemos simplesmente envenenar o rei, colocando arsênico
no seu café da manhã. Ass...
12
SSEEGGUUNNDDOO AATTOO
CCEENNAA II
(O PALÁCIO DO REI)
(VENCESLAU, A RAINHA ROSAMUNDA, BOLESLAU, LADISLAU E BUGRELAU)
O R...
13
O REI
- Nobre Pai Ubu, chegue perto de mim com sua comitiva, vamos inspecionar as tropas.
PAI UBU (Para os seus)
- Aten...
14
A RAINHA
- Oh! Ele está cercado.
BUGRELAU
- Foi-se. Bordura acaba de cortá-lo em dois como uma salsicha.
A RAINHA
- Ah!...
15
A RAINHA
- Sim, creio que sim! Bugrelau, me ajude! (Ela cai sobre a neve)
BUGRELAU
- Oh! O que é que você tem, mãe?
A R...
16
PAI UBU
- Vou repetir: eu quero ficar rico. Não vou soltar nem um tostão.
MÃE UBU
- Quando temos nas mãos todos os teso...
17
PAI UBU
- Já! (Eles partem em confusão. Gritos e tumulto)
CAPITÃO BORDURA
- Estão chegando! Estão chegando!
PAI UBU
- A...
18
PAI UBU
- Por favor. Mãe Ubu, não me fale desse cretino. Agora que não preciso mais dele, ele que
vá se catar. E não va...
19
O NOBRE - Três milhões de rixdales9
.
PAI UBU
- Condenado! (Puxa-o com o gancho e o atira na gaiola)
MÃE UBU
- Que sórd...
20
ESCRIVÃO
- E tudo.
PAI UBU
- Como, é tudo?! Bom, então, avante os Nobres. E como não vou mais parar de enriquecer,
fare...
21
TERCEIRO FINANCISTA
- Não tem pé nem cabeça.
PAI UBU
- Estão me contrariando! Para a gaiola com os financistas! (Eles s...
22
STANISLAU
- Mas Sua Excelência ainda não disse nada.
PAI UBU
- Como não? Faz mais de uma hora que estou falando. Acha q...
23
CCEENNAA VVII
(O PALÁCIO DE MOSCOU)
(O IMPERADOR ALEXIS E SUA CORTE, BORDURA.)
O CZAR ALEXIS
- Foi você, infame aventur...
24
de lã12
se espalham pelas ruas todas as manhas e os putos fazem maravilhas. Por toda parte só se
vêem casas queimadas e...
25
CCEENNAA VVIIIIII
(CAMPO ABAIXO DE VARSÓVIA)
SOLDADOS E PALOTINS
- Viva a Polônia! Viva o Pai Ubu!
PAI UBU
- Ah! mãe Ub...
26
QQUUAARRTTOO AATTOO
CCEENNAA II
(A CRIPTA DOS ANTIGOS REIS DA POLÔNIA NA CATEDRAL DE VARSÓVIA)
MÃE UBU
- Onde é que est...
27
BUGRELAU
- Vitória, meus amigos! Agora, a Mãe ubu!
(OUVEM-SE TROMBETAS)
BUGRELAU
- Ah! os nobres estão chegando. Depres...
28
- Vamos, senhores, tomemos as posições de combate. Vamos ficar sobre a colina, não
façamos a besteira de descer. Eu fic...
29
PAI UBU
- Acha mesmo? Até agora eu sinto na cabeça mais galos do que louros.
CAVALEIROS RUSSOS
- Hurra! Abram alas para...
30
(ELE SALTA O FOSSO. O CZAR CAI)
O CZAR
- Bom, estou dentro.
POLONESES
- Hurra! O Czar foi abaixo!
PAI UBU
- Ah! nem ous...
31
PILA
- Levou uma bala na cabeça.
PAI UBU
- Quer dizer que o tímido e o mijão na flor da idade foram ceifados pela impie...
32
PILA
- Você o pegou afinal, eu não posso mais.
PAI UBU
- Sicut et nos dimittimus debitoribus nostris.
COTICA
- Ah! pegu...
33
COTICA (Voltando)
- Que neve, meus amigos, parece até que estamos em Catilha ou no Pólo Norte. A noite
começa a cair. D...
34
QQUUIINNTTOO AATTOO
CCEENNAA II
(É NOITE. O PAI UBU DORME, ENTRA A MÃE UBU QUE NÃO O VÊ. ESCURIDÃO TOTAL)
MÃE UBU
- Enf...
35
MÃE UBU
- Não me interrompa, senão eu me calo e será o fim da vossa pança.
PAI UBU
- Ai! Minha pança! Eu me calo. Não d...
36
PAI UBU
- Tudo isso é verdade, minha mulher é uma tratante e você, é um chouriço
MÃE UBU
- Cuidado, Pai Ubu.
PAI UBU
- ...
37
MÃE UBU (Caindo, oprimida pelo peso do urso)
Ah! Meu Deus! Que horror! Ah! eu morro! Estou sufocando! Ele me morde! Ele...
38
CCEENNAA IIII
(OS MESMOS, BUGRELAU INVADINDO A CAVERNA COM SEUS SOLDADOS.)
BUGRELAU
- Avante, meus amigos! Viva a Polôn...
39
COTICA
- Só há mais dois guardando a porta.
PAI UBU (Aniquilando-os com golpes de urso)
- É um, é dois! Ufa! Estou fora...
40
(ALGUNS AGONIZAM DE TANTO RIR. UMA ONDA ATINGE O BARCO)
PAI UBU
- Oh! Que dilúvio! Isso é efeito das manobras que nós o...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ubu rei

616 visualizações

Publicada em

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
616
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ubu rei

  1. 1. UUBBUU--RREEII ALFRED JARRY
  2. 2. 2 AAPPRREESSEENNTTAAÇÇÃÃOO CENA UM – UMA INTRODUÇÃO O teatro é, através dos séculos, a arte do instante por excelência. Irreprodutível em sua força total, o momento teatral vem e vai entre as quatro paredes cênicas. E só pode permanecer intacto, inabalável, no arquivo das emoções e descobertas do espectador. Ali, a ordem dos fatores desobedece cronologias, prioridades, formalismos. Vale. Isso sim, o canal de comunicação único, a empatia inexplicável do ato gratuito e fundamental de fazer teatro. Quem viveu viu. Contraditoriamente, o teatro percorre uma trajetória nítida, irrecusável no curso da História. Acertos e equívocos milenares, anteriores ao teatro grego ou ao circo romano, constam das bibliotecas do século quase-21. Mas são poucos os que têm coragem de enfrentar o teatro escrito, bidimensional, monocromático dos livros. O texto teatral, entre falas e rubricas, é em última instância o embrião – às vezes mero pretexto – do Grande Resultado. E é exatamente nesse estar a serviço do teatro real, que o teatro de mentirinha das estantes ganha sua autonomia. Não fosse ele e seu caráter duradouro, e os bons imitadores, os que sabem deduzir do original o melhor espetáculo, e podem se inspirar na fonte adequada, estariam condenados ao curto espaço de sua imaginação individual. Não existisse o teatro escrito, seria crias órfãs a começarem sempre de novo o velho teatro. Pois, mais do que saber, fazer teatro é redescobrir a solução mil vezes utilizada – e ler, entre cada indicação de cena, a cena oculta e jamais pensada, futura responsável por um outro e inusitado prazer. Além do mais – e talvez principalmente – as peças armazenadas nos livros cumprem o papel fundamental de alimentar o imaginário coletivo, oferecendo-lhe a possibilidade de criar seu próprio espetáculo de vanguarda. Uma espécie de estrelato ao alcance de todos – direito inalienável de qualquer cidadão. Enjoyourselves. Vivien Lando PPRREEFFÁÁCCIIOO Corneigidouille! Não haveremos demolido tudo Se não demolirmos inclusive as ruínas A. Jarry 10 de dezembro, 1896. Théatres de l’Ouvre. Paris. Primeira apresentação de Ubu Rei de Alfred Jarry. Uma data histórica, a data do grande chute na bunda do teatro tradicional. MERDRA gritou Frimin Gémier (o primeiro ator que interpretou o Pai Ubu) e o teatro ocidental was never the same again. As portas estavam abertas para o século XX. Para Henri Béhar (em Jarry, le Monstre et la Marionette), se uma esfinge moderna quisesse propor um enigma, a melhor pergunta seria a seguinte: “Qual é a obra dramática, geralmente considerada informe e inepta, que é a origem de categorias tão distintas como teatro surrealista, o teatro do absurdo e o teatro trágico contemporâneo?” É claro que, para não ser devorado, a resposta seria uma só: UBU ROI. DE FATO, Jarry funda com Ubu Rei o teatro de vanguarda, através de uma obra que exprime sua dupla revolta contra a sociedade e contra as formas estabelecidas do teatro realista. Entre 1885 e 87, os irmãos Charles e Heri Morin, estudantes do Lycée de Renes, havia dado forma teatral a uma série de materiais do folclores escolar inspirados no professor de física senhor Hebert, “a encarnação de todo o grotesco que existe no mundo” segundo seus alunos, que o
  3. 3. 3 conhecem com os apelidos de P.H., Pai Heb, Eb, Ebé, Ebóu. Ebance e Ebouille. O título da peça era Les Polonais (os poloneses) Em 1888, Jarry ingressa no Lycée de Rennes e conhece os irmãos Morin, reescrevendo Os Poloneses e organizando uma série de representações caseiras da peça. Já como escritor profissional, Jarry continua trabalhando este material e, em 1893, publica na revista “L’Écho de Paris Littéraire Illustré”, dirigida por Claude Mendes e Marcel Schwob, um fragmento intitulado Guingnol, onde pela primeira vez aparece o nome UBU, derivado de um dos apelidos do professor Hebert. Data dessa época a amizade entre Jarry e Schwob, a quem dedicará Ubu Rei. EM 1895, O “Mercure de France” publica L’Acte Terrestre de César-Antechrist, peça que contém várias cenas de Ubu Rei e, finalmente, em junho de 1896, é publicada a versão integral de Ubu Roi. Ubu é um work in progress que acompanha Jarry durante toda a sua vida, tendo ele próprio assumido a máscara social de ubu. Jarry passa a ser não só o criador de ubu, senão o próprio Ubu, passando inclusive a assinar sua correspondência como “Pai Ubu”. Familiarizado com o drama elizabetano, admirador de Gabbe e Rabelais, Jarry não teve dificuldades em demolir as tendências naturalistas do teatro de sua época. Ubu Rei é um exercício de liberdade, da liberdade da infância. O grande mérito de Jarry foi o de não haver modificado a essência da mitologia escolar, produto de uma criação coletiva de várias gerações de alunos do Lycée de Rennes, mantendo toda a crueldade, a ingenuidade, a insolência, a transgressão, a escatologia e o sentido de subversão da infância. Jarry escreveu certa vez que todo poeta tem uma palavra amada, freqüente e familiar, que se torna uma espécie de slogan, de divisa. No seu próprio caso, duas palavras formam sua divisa: MEDRE e ABSOLU. O paradoxo de sua obra repousa nesta contradição aparente, em que os dois pólos são representados por UBU (MERDRA) e Faustroll (ABSOLU) O romance Gestes et Opinions du Docteur Faustroll caminha na direção oposta de Ubu e forma seu complemento. Há em Faustroll a procura de uma nova realidade, um esforço em criar das “ruínas” de Ubu um novo sistema de valores – a PATAPHYSICA (a ciência das soluções imaginárias, que estuda as exceções do universo). COMO ASSINALA Lina Bo Bardi, Jarry é o iniciador da única vanguarda positiva que não morre: a vanguarda do cinismo e da destruição. UBU é, antes de mais nada, o triunfo do princípio de prazer sobre o princípio de realidade. E, por isso mesmo, Pai Ubu – este “Papai Noel da Idade Atômica” (como o apelidou Cyril Connolly) – Continuará por muito tempo fazendo ressoar suas gargalhadas nos amplos aposentos do inconsciente coletivo. MERDRA para todos vocês.. Cacá Rosset
  4. 4. 4 ENTÃO O PAI UBU SACUDIU A PERA E DESDE ENTÃO FOI BATIZADO DE SHAKESPEARE PELO INGLESES E TEMOS DA AUTORIA DELE COM ESSE NOME MUITAS BELAS TRAGÉDIAS ESCRITAS. PPEERRSSOONNAAGGEENNSS PAI UBU MÃE UBU CAPITÃO BORDURA O REI VENCESLAU A RAINHA ROSAMUNDA BOLESLAU, filho LADISLAU, filho BUGRELAU, filho AS ALMAS DOS ANCESTRAIS O GENERAL LASCY STANISLAU LECZINSKI JEAN SOBIESKI NICOLAU RENSKY O IMPERADOR ALEXIS GIRÃO, PILA, COTICA – Palotins CONSPIRADORES E SOLDADOS POVO MICHEL FÉDÉROVITCH NOBRES MAGISTRADOS CONSELHEIROS FINANCISTAS LACAIOS DAS PHYNANÇAS CAMPONESES TODO O EXÉRCITO RUSSO TODO O EXÉRCITO POLONÊS OS GUARDAS DA MÃE UBU UM CAPITÃO O URSO O CAVALO DAS PHYNANÇAS A MÁQUINA DE DESCEREBRAR A TRIPULAÇÃO O COMANDANTE
  5. 5. 5 PPRRIIMMEEIIRROO AATTOO CCEENNAA II PAI UBU, MÃE UBU PAI UBU - Merdra. MÃE UBU - Ah! muito bonito, Pai Ubu, o senhor é bem malcriado. PAI UBU - Está querendo morrer, Mãe Ubu? MÃE UBU - Não sou eu, não, Pai Ubu, é um outro que tem de ser assassinado. PAI UBU - Pela bela vela verde, não estou entendendo nada. MÃE UBU - Como não, Pai Ubu, o senhor está contente com o seu destino, está? PAI UBU - Pela bela vela verde, merda, madame, é claro que estou, estou contente, sim. E só tenho que estar; capitão dos dragões, oficial de confiança do rei Venceslau, condecorado com a ordem da Águia Rubra da Polônia e antigo rei de Aragão, que é que eu posso querer mais? MÃE UBU - Como é que é? Então, depois de ter sido rei de Aragão o senhor se contenta de passar em revista uns cinqüenta empregadinhos armados de foice, quando podia juntar na sua testa a coroa da Polônia com a de Aragão? PAI UBU - Ah! Mãe Ubu, não entendo nada do que você está dizendo. MÃE UBU - Como você é besta! PAI UBU - Pela bela vela verde, o rei Venceslau ainda está bem vivo; e, mesmo que ele morra, tem uma legião de filhos, não tem? MÃE UBU - E quem é que te impede de massacrar a família inteira e se botar no lugar dele? PAI UBU - Ah! Mãe ubu, a senhora está me ofendendo e já-já te ponho na panela. MÃE UBU - Eh, pobre coitado, se me botar na panela quem é que vai remendar os teus fundilhos? PAI UBU - Bom, e daí? Minha bunda não é diferente da de ninguém, ou é? MÃE UBU - Eu, no teu lugar, ia querer é instalar essa bunda num trono. Você podia aumentar infinitamente as tuas riquezas, comer chouriço todo dia e rodar de carruagem pelas ruas. PAI UBU - Se eu fosse rei, mandava fazer para mim um capacete bem grande, como aquele que eu tinha em Aragão e que esses miseráveis espanhóis tiveram a ousadia de roubar. MÃE UBU - Você podia também arrumar um guarda-chuva e uma grande capa até o chão. PAI UBU - Ah! Que tentação! Velhaco de merdra, merdra de velhaco, se um dia eu te encontro no meio do mato, vais passar um mau bocado. MÃE UBU - Muito bem, Pai Ubu, agora você está falando como um homem de verdade. PAI UBU
  6. 6. 6 - Ah! Não! Eu, capitão dos dragões, massacrar o rei da Polônia! Prefiro a morte! MÃE UBU (À parte) - Oh! Merdra! (Alto) Assim você vai acabar mais miserável que um rato, Pai Ubu. PAI UBU - T’esconjuro, pela bela vela verde, prefiro ser miserável como um rato magro e valente, do que rico como um gato gordo e mau. MÃE UBU - E o capacete? E o guarda-chuva? E a capona? PAI UBU - E daí, Mãe Ubu? (Ele sai, batendo a porta) MÃE UBU (Sozinha) - Vrute1 , merdra, ele é duro na queda, mas vrute, merdra, acho que ficou abalado. Graças a Deus e a mim mesma talvez daqui a uns oito dias eu seja rainha da Polônia. CCEENNAA IIII (UM APOSENTO NA CASA DE PAI UBU ONDE HÁ UMA MESA ESPLENDIDAMENTE SERVIDA) (PAI UBU, MÃE UBU) MÃE UBU - Eh! Nossos convidados estão bem atrasados. PAI UBU - Pela bela vela verde, é verdade. Estou morto de fome. Mão Ubu, você hoje está bem feia. É por causa das visitas, é? MÃE UBU (Dando de ombros) - Merdra PAI UBU (Agarrando um frango assado) - Taí, estou com fome. Vou lambiscar este passarinho. É frango, eu acho. Não está mau, não. MÃE UBU - Que é que está fazendo, infeliz? E o que é que o convidados vão comer? PAI UBU - Ainda sobra bastante para eles. Ao vou tocar em mais nada. Mãe Ubu, dê uma olhada na janela para ver se os convidados estão chegando. MÃE UBU (Indo) - Não estou vendo nada. (Enquanto isso Pai Ubu rouba uma fatia de carne) MÃE UBU - Ah! olha lá o capitão Bordura2 chegando com os seus companheiros. Que é que você está comendo, Pai Ubu? PAI UBU - Nada. Um pouquinho de carne. MÃE UBU - Ah! a carne! A carne! Carne! Ele comeu a carne! Socorro! PAI UBU - Pela bela vela verde, vou te arrancar os olhos. (A porta se abre) CCEENNAA IIIIII (PAI UBU, MÃE UBU, CAPITÃO BORDURA E SEUS COMPANHEIROS.) MÃE UBU - Bom dia, meus senhores, estavam sendo esperados com impaciência. Sentem-se. CAPITÃO BORDURA3 1 Vutre não tem significado. É uma sonoridade apenas para a acompanhar o clássico “medra” – “vrout, merdre”, no original. 2 Bondura, Bondure no original, é um termo tirado da heráldica e designa a bordadura dos escudos nobiliárquicos.
  7. 7. 7 - Bom dia, madame. Mas onde é que está o Pai Ubu? PAI UBU - Estou aqui! Estou aqui! Pela bela vela verde, eu até que sou bem gordo. CAPITÃO BORDURA - Bom dia, Pai Ubu. Sentem-se, meus companheiros. (SENTAM-SE TODOS) PAI UBU - Ufa! Um pouco mais e eu arrebento a cadeira. CAPITÃO BORDURA - Então, Mãe ubu, o que é que vamos ter de bom hoje? MÃE UBU - Olhe aqui o cardápio. PAI UBU - Opa! Isso me interessa. MÃE UBU - Sopa polonesa, costelas de rastrão4 , carne, frango patê de cachorro, sobrecoxas de perua, charlotte russa... PAI UBU - E já chega, acho eu. Ainda tem mais? MÃE UBU (Continuando) - Bomba, salada, frutas, sobremesa, cozido, batata, couve-flor à la merdra. PAI UBU - Epa! Está pensando que eu sou o imperador do Oriente para ter todas essas despesas? MÃE UBU - Não ligues para ele. É um imbecil. PAI UBU - Ah! eu vou afiar os meus dentes na tua perna. MÃE UBU - Jante antes, Pai Ubu. Tome a polonaise. PAI UBU - Credo, como está ruim. CAPITÃO BORDURA - É. Não está boa mesmo. MÃE UBU - Seu bando de árabes, que mais vocês querem? PAI UBU (Batendo na testa) - Ah! tive uma idéia. Volto já. (Sai) MÃE UBU - Meus senhores, agora vamos comer a carne. CAPITÃO BORDURA - Está ótima, já acabei. MÃE UBU - Agora, as sobrecoxas. CAPITÃO BORDURA - Excelentes, especiais! Viva a mãe Ubu. TODOS 3 Os nomes dos palotins que aparecerão adiante são também tirados da heráclita, a saber: Girão, Giron no original – triângulo cuja ponta termina no centro do escudo. Pila, Pile no original – pilar, coluna e também varinhas que aparecem freqüentemente enfeixadas nos escudos. Cotica, Cotice no original – faixa que atravessa diagonalmente um escudo. 4 Rastrão – rastron, no original – Esta palavra não revelou ainda todos os seus segredos. Segundo os irmãos Morin, Rastron era o apelido de um de seus colegas de escola, Ange Lemaux. Porém, Jarry coloca Rastron ao lado de Rakir entre os brinquedos que eram fabricados e batizados por Emmanuel Die em L’Amour absolu, bem antes de morar em Rennes e conhecer Ange Lemaux.
  8. 8. 8 - Viva a mãe Ubu. PAI UBU (Voltando) - E vocês logo logo vão gritar viva o Pai Ubu. (Ele atira sobre o festim uma inominável escova5 ) MÃE UBU - Miserável! O que está fazendo? PAI UBU - Experimentem um pouco (Vários experimentam e caem envenenados) PAI UBU - Mãe Ubu, passe-me as costeletas de rastrão que eu sirvo. MÃE UBU - Aqui estão. PAI UBU - Para fora, todo mundo! Capitão Bordura, quero falar com o senhor. OS OUTROS - Ei! Nós nem jantamos. PAI UBU - Como? Não jantaram! Para fora todo mundo! Fique, Bordura. (Ninguém se mexe) PAI UBU - Ainda não foram? Pela bela vela verde, vou matar vocês com as costeletas de rastrão. (Começa a atirar as costeletas) TODOS - Oh! Ai! Socorro! Defendam-se! Droga! Estou morto! PAI UBU - Merdra, merdra, merdra. Para fora! Eu executo! TODOS - Salve-se quem puder! Miserável Pai Ubu! Traidor! Moleque miserável! PAI UBU - Ah! foram embora. Que alívio. Mas eu não jantei nada bem. Venha, Bordura. (Saem, junto com a Mãe Ubu.) CCEENNAA IIVV (PAI UBU, MÃE UBU, CAPITÃO BORDURA) PAI UBU - Então, capitão, jantou bem? CAPITÃO BORDURA - Muito bem, meu senhor, a não ser pela merdra. PAI UBU - Ah! a merdra não estava ruim. MÃE UBU - Gosto não se discute. PAI UBU - Capitão Bordura, eu decidi nomear o senhor duque da Lituânia. CAPITÃO BORDURA - Como? Pensei que o senhor estivesse plebeu, Pai Ubu. PAI UBU - Dentro de alguns dias, se o senhor quiser, eu reinarei sobre a Polônia. CAPITÃO BORDURA - Vai matar Venceslau? PAI UBU - Ele não é nada besta, este velhaco. Adivinhou CAPITÃO BORDURA 5 Segundo Charles Morin, tratava-se de uma escova de limpar privadas.
  9. 9. 9 - Se é para matar Venceslau, conte comigo. Sou inimigo mortal dele e respondo também pelos meus homens. PAI UBU (Atirando-se sobre ele para abraçá-lo) - Oh! Oh! Eu adoro você Bordura. CAPITÃO BORDURA - Ei! O senhor está fedendo, Pai Ubu. Não toma banho nunca, é? PAI UBU - Raramente. MÃE UBU - Nunca! PAI UBU - Vou pisar no teu pé. MÃE UBU - Grande merdra! PAI UBU - Pode ir, Bordura, isso é tudo. Mas, pela bela vela verde, juro pela Mar ubu que o senhor será duque da Lituânia. MÃE UBU - Mas... PAI UBU - Quietinha, minha doce criança. (ELES SAEM) CCEENNAA VV (PAI UBU, MÃE UBU, UM MENSAGEIRO) PAI UBU - O que é que o senhor quer? Desembucha. Não me canse. MENSAGEIRO - Meu senhor está sendo chamado por parte do rei. (SAI) PAI UBU - Oh! Merdra, putaquepariu6 , pela bela vela verde, fui descoberto, vou ser decapitado! Pobre de mim! Pobre de mim!! MÃE UBU - Que homem mais frouxo! E o tempo urge. PAI UBU - Ah! tive uma idéia: vou dizer que foi a Mãe Ubu e Bordura. MÃE UBU - Ah! seu grande P.U. se você fizer isso... PAI UBU - E vou já. (SAI) MÃE UBU (Correndo atrás dele) - Oh! Pai Ubu, eu te dou um chouriço. (SAI) PAI UBU (Da coxia) - Oh! Merdra! Você é um grande chouriço! 6 Jarnicotonbleu, no origina. No século XIV, em certa província francesa, um funcionário oficial chamado Coton era tão odiado que surgiu a expressão “Je Réuie Coton” (eu renego Coton), que com o passar dos anos evoluiu na gíria popular para jarnicoton. Jarry brinca com a expressão.
  10. 10. 10 CCEENNAA VVII (O PALÁCIO DO REI) (O REI VENCESLAU, CERCADO POR SEUS OFICIAIS; BORDURA; OS FILHOS DO REI, BOLESLAU, LADISLAU E BUGRELAU. E DEPOIS DO PAI UBU) PAI UBU (Entrando) - Oh! Meu senhor, não fui eu, foi a Mãe Ubu e o Bordura. O REI - O que você tem, Pai Ubu? BORDURA - Bebeu demais. O REI - Eu também bebi demais hoje de manhã. PAI UBU - É. Estou bêbado porque bebi muito vinho francês. O REI - Pai Ubu, quero recompensar seus muitos serviços como capitão dos dragões. A partir de hoje, eu o nomeio conde de Sandomir. PAI UBU - Oh, senhor Venceslau, nem sei como agradecer. O REI - Não me agradeça. Pai Ubu. Apresente-se amanhã de manhã para a grande revista. PAI UBU - Lá estarei. Mas aceite, por favor, esta flautinha. (Dá ao rei uma flautinha) O REI - Que é que vou fazer com uma flautinha na minha idade? Vou dar para Bugrelau. O JOVEM BUGRELAU - Como ele é esse Pai Ubu. PAI UBU - E agora, eu me retiro. (Ele cai ao se voltar) Ai! Socorro! Pela bela vela verde, arrebentei o intestino e estalei a buzina!7 O REI (Ajudando-o a se levantar) - Pai Ubu, o senhor se machucou? PAI UBU - Muito e com certeza vou morrer. O que vai ser da Mãe ubu? O REI - Cuidaremos dela. PAI UBU - O senhor é tão bondoso. (Ele sai) É, rei Venceslau, mas nem por isso vai escapar do massacre. CCEENNAA VVIIII (CASA DE PAI UBU) (GIRÃO, PILA, COTICA, PAI UBU, MÃE UBU, CONSPIRADORES E SOLDADOS, CAPITÃO BORDURA) PAI UBU - Eh, meus bons amigos, já está mais que na hora de fazer os planos da conspiração. Cada um diz o que acha. Eu vou logo dizendo a minha parte, se os senhores permitirem. CAPITÃO BORDURA - Fale, Pai Ubu. 7 Buzine, no original, designa o ventre de Ubu.
  11. 11. 11 PAI UBU - Bem, meus amigos, acho que devemos simplesmente envenenar o rei, colocando arsênico no seu café da manhã. Assim que ele tomar cairá morto e, assim, eu serei rei. TODOS - Fiu, fiu, que porcaria! PAI UBU - O quê? Não gostaram? Então, que Bordura dê sua opinião. CAPITÃO BORDURA - Eu acho é que a gente devia dar nele um bom golpe de espada que o arrebentasse da cabeça até a cintura. TODOS - Certo! Isso é que é nobre e valente. PAI UBU - E se te dá um chute? Estou me lembrando agora que, para a revista da tropa, ele sempre usa um sapato de ferro que deve machucar muito. Se eu soubesse tinha corrido denunciar você para me ver livre dessa sujeira toda. Acho que ele é capaz até de me dar um dinheiro. MÃE UBU - Oh! Traidor, frouxo, bandido, vulgar miserável. TODOS - Escarrem o Pai Ubu! PAI UBU - Calma, meus senhores, fiquem tranqüilos, se não querem acertar contas comigo depois. Está bom, eu consinto eu me expor por vocês. Bordura, você se encarrega de rachar o rei. CAPITÃO BORDURA - Não seria melhor a gente saltar em cima dele todo mundo junto, rugindo e gritando? Assim a gente poderia conquistar as tropas. PAI UBU - Então, pronto. Eu me encarrego de pisar nos pés dele, ele reage, aí eu digo: MERDRA e este é o sinal pra vocês pularem em cima dele. MÃE UBU - Isso. E assim que ele estiver morto você toma seu cetro e sua coroa. CAPITÃO BORDURA - E eu corro com os meus homens, perseguindo a família real. PAI UBU - Isso. E recomendo especial atenção com o jovem Bugrelau. (ELES SAEM) PAI UBU (Correndo atrás deles e fazendo com que voltem) - Meus senhores, nós todos esquecemos uma cerimônia indispensável. É preciso jurar que vamos lutar com bravura. CAPITÃO BORDURA - E como é que se faz? Não temos padre aqui. PAI UBU - A Mãe Ubu fica em seu lugar. TODOS - Que seja. PAI UBU - Juram matar o rei bem matado? TODOS - Juramos. Juramos, sim. Viva o Pai Ubu! (FIM DO PRIMEIRO ATO)
  12. 12. 12 SSEEGGUUNNDDOO AATTOO CCEENNAA II (O PALÁCIO DO REI) (VENCESLAU, A RAINHA ROSAMUNDA, BOLESLAU, LADISLAU E BUGRELAU) O REI - Senhor Bugrelau, o senhor, hoje de manhã, foi muito impertinente com o senhor Ubu, cavaleiro das minhas ordens e conde de Sandomir. Por essa razão eu o proíbo de comparecer à minha revista das tropas. A RAINHA - Assim sendo, Venceslau, não estará completa a sua família para defendê-lo. O REI - Madame, nunca volto atrás em minha palavra. E não me canse mais com suas futilidades. O JOVEM BUGRELAU - Eu obedeço, senhor meu pai. A RAINHA - Então, senhor, está mesmo decidido a comparecer a essa revista de tropas? O REI - Por que não, madame? A RAINHA - Pois então não o vi em sonho golpeando você com todas as armas e atirando-o ao Vístula e depois, como uma águia àquela que figura nas armas da Polônia, colocando a coroa na cabeça? O REI - Ele quem? A RAINHA - O pai Ubu. O REI - Que loucura! O senhor Ubu é um excelente cavalheiro que se deixaria até esquartejar por quatro cavalos para me servir. A RAINHA E BUGRELAU - Ledo engano. O REI - Cale-se, pirralho. Madame, para lhe provar que não tenho o menos medo do senhor Ubu, vou sair na revista de tropas exatamente como estou, sem armadura e sem espada. A RAINHA - Fatal imprudência, não tornarei a vê-lo com vida. O REI - Venha, Ladislau, venha Boleslau. (ELES SAEM. A RAINHA E BUGRELAU VÃO ATÉ A JANELA) A RAINHA E BUGRELAU - Que Deus e o grande São Nicolau o protejam. A RAINHA - Brugrelau, venha comigo até a capela, rezar por seu pai e por seus irmãos. CENA II (O PÁTIO DE REVISTA) (O EXÉRCITO POLONÊS, O REI, BOLESLAU, LADISLAU, PAI UBU, CAPITÃO BORDURA E SEUS HOMENS, GIRÃO, PILA, COTICA.)
  13. 13. 13 O REI - Nobre Pai Ubu, chegue perto de mim com sua comitiva, vamos inspecionar as tropas. PAI UBU (Para os seus) - Atenção, vocês. (Para o Rei) Vamos, meu senhor, vamos. (Os homens de Pai ubu cercam o Rei) O REI - Ah! eis o regimento da guarda montada de Dantzick. Como são belos, meu Deus. PAI UBU - Acha mesmo? Me parecem miseráveis. Olhe aquele ali. (Para o soldado) Quanto tempo faz que você não faz a barba ignóbil patife? O REI - Mas esse soldado está bem asseado. O que você tem, Pai ubu? PAI UBU - Isso! (Pisa no pé do rei) O REI - Miserável! PAI UBU - MERDRA! A postos, homens! BORDURA - Hurrah! Avançar! (Todos golpeiam o Rei, um palotim8 explode) O REI - Oh! Socorro! Virgem Santa, estou morto. BOLESLAU (Para Ladislau) - O que é isso? Sacar as armas. PAI UBU - Ah! peguei a coroa! Agora, os outros. CAPITÃO BORDURA - Depressa! Atrás dos traidores! (Os filhos do Rei fogem, todos os perseguem) CCEENNAA IIIIII (A RAINHA E BUGRELAU) A RAINHA - Afinal, estou começando a me tranqüilizar. BUGRELAU - Você não tem nenhum motivo para se preocupar. (UM TERRÍVEL CLAMOR SE FAZ OUVIR LÁ FORA) BUGRELAU - Ah! eu vejo? Meus dois irmãos perseguidos pelo Pai Ubu e seus homens. A RAINHA - Oh, meu Deus! Santa Virgem, eles estão perdendo, eles estão perdendo terreno! BUGRELAU - Todo o exército obedece o Pai ubu. O Rei não está mais lá. Horror! Socorro! A RAINHA - Olhe Boleslau morto! Ele foi baleado. BUGRELAU - Ei! (Ladislau se volta) Defenda-se! Aí, Ladislau. 8 Palotim – palotin, no original, - nas primeiras versões ainda escolares do ciclo sobre Père Hébert, ele tinha seguidores chamados salopins, encarregados das piores e mais imundas tarefas. Salopin deriva de salop – porco, sujo, imundo; e no feminino – salope, prostituta. Com o passar do tempo e o suceder de versões das peças sobre o personagem que viria a ser, definitivamente, pela mão de Jarry, o Pai Ubu, os salopins se tornaram palotins, que não tem significado específico, mas que, como criação vocal, fica curiosamente entre salopin e o palatin – paladino, que é a função de Girão, Pila e Cotica. Mantivemos o neologismo, Apenas abrasileirando ligeiramente a forma: palotim.
  14. 14. 14 A RAINHA - Oh! Ele está cercado. BUGRELAU - Foi-se. Bordura acaba de cortá-lo em dois como uma salsicha. A RAINHA - Ah! ai de mim! Esses celerados invadem o palácio, estão subindo as escadas. (O CLAMOR AUMENTA) A RAINHA E BUGRELAU (De joelhos) - Meu Deus, protegei-nos. BUGRELAU - Ah! esse Pai Ubu! O patife, o miserável, se eu puser as mãos nele... CCEENNAA IIVV (OS MESMOS, A PORTA É ARROMBADA, PAI UBU E OS FURIOSOS ENTRAM) PAI UBU - Então, Brugrelau, o que é que você vai me fazer? BUGRELAU - Viva Deus! Defenderei minha mãe até a morte! O primeiro que der um passo está morto. PAI UBU - Oh! Bordura, estou com medo! Deixe-me ir embora. UM SOLDADO (Avança) - Renda-se Bugrelau! O JOVEM BUGRELAU - Toma lá, desgraçado! É isso que você merece! (Rompe-lhe o crânio) A RAINHA - Aí, Bugrelau, muito bem! VÁRIOS (Avançando) - Bugrelau, nós prometemos salvar a sua vida. BUGRELAU - Vagabundos, sacos de vinho, porcos vendidos! (ELE GIRA A ESPADA EM TORNO DE SI E FAZ UM MASSACRE) PAI UBU - Oh! Eu vou vencer assim mesmo! BUGRELAU - Mãe, fuja pela escada secreta. A RAINHA - E você, meu filho, e você? BUGRELAU - Eu vou atrás. PAI UBU - Tratem de pegar a rainha. Ah! ela escapou. Quanto a você, miserável!... (Ele avança para Bugrelau) BUGRELAU - Ah! viva Deus! Eis minha vingança! (Desfere-lhe um terrível golpe de espada na barriga) Mãe, estou indo! (Desaparece pela escada secreta) CCEENNAA VV (UMA CAVERNA NAS MONTANHAS) (O JOVEM BUGRELAU ENTRA SEGUIDO DE ROSAMUNDA) BUGRELAU - Aqui estaremos em segurança.
  15. 15. 15 A RAINHA - Sim, creio que sim! Bugrelau, me ajude! (Ela cai sobre a neve) BUGRELAU - Oh! O que é que você tem, mãe? A RAINHA - Estou muito doente, Bugrelau, de verdade. Não tenho mais que duas horas de vida. BUGRELAU - Será que o frio a congelou? A RAINHA - Como quer que eu resista a tantos golpes? O rei massacrado, nossa família destruída e você, representante da raça mais nobre que já empunhou uma espada, forçado a fugir para as montanhas como um contrabandista. BUGRELAU - E por causa de quem, Deus meu! De quem? Um vulgar Pai Ubu, aventureiro saído sabe- se lá de onde, crápula vil, vagabundo vergonhoso! E quando penso que meu pai, o condecorou, fez dele um conde para no dia seguinte esse vilão não ter vergonha de levantar a mão contra ele. A RAINHA - Oh, Bugrelau! Quando me lembro o quanto éramos felizes antes da chegada deste Pai ubu! Agora, porém, ai de mim! Tudo mudou! BUGRELAU - Que quer você? Aguardemos com esperança e não renunciaremos nunca aos nossos direitos. A RAINHA - É o que te desejo, querido filho, mas eu, eu não viverei para ver esse dia feliz. BUGRELAU - Que é que você tem? Ela empalidece, cai. Socorro! Ah! estou perdido num deserto. Oh, meu Deus! Seu coração não bate mais. Está morta! Será possível? Mais uma vítima do Pai ubu! (Ele esconde o rosto entre as mãos e chora) Oh, meu Deus! Como é triste estar só aos catorze anos como uma terrível vingança a cumprir! (Ele sucumbe ao mais cruel desespero) (ENQUANTO ISSO AS ALMAS DE VENCESLAU, BOLESLAU, LADISLAU E ROSAMUNDA ENTRAM NA GRUTA, SEUS ANCESTRAIS OS ACOMPANHAM, LOTANDO TODA A GRUTA. O MAIS VELHO DE TODOS SE APROXIMA DE BUGRELAU E O REANIMA DOCEMENTE) BUGRELAU - Oh! que vejo? Toda minha família, meus ancestrais... que prodígio! O FANTASMA - Saiba, Bugrelau, que em vida eu fui o senhor Mathias de Koenigsberg, primeiro rei e fundador desta estirpe. Eu te encarrego de levar a cabo nossa vingança. (Entrega ao jovem uma grande espada) E que essa espada que te dou não descanse enquanto não golpear mortalmente o usurpador. (TODOS DESAPARECEM, BUGRELAU FICA SOZINHO EM ATITUDE DE ÊXTASE) CCEENNAA VVII (O PALÁCIO DO REI) (PAI UBU, MÃE UBU, CAPITÃO BORDURA) PAI UBU - Não, eu não quero, não! Vocês estão querendo me arruinar com esses grandes gesto? CAPITÃO BORDURA - Pai ubu, o senhor não entende que o povo espera a decretação da feliz coroação? MÃE UBU - Se você não mandar distribuir carne e ouro, será destronado em duas horas. PAI UBU - Carne, sim! Ouro, não! Mande abater três cavalos velhos, é o que basta para porcos desse naipe. MÃE UBU - Porco é você! Onde é que eu fui arranjar um bicho desses?
  16. 16. 16 PAI UBU - Vou repetir: eu quero ficar rico. Não vou soltar nem um tostão. MÃE UBU - Quando temos nas mãos todos os tesouros da Polônia. CAPITÃO BORDURA - É. Eu sei que na capela há um imenso tesouro. Nós o distribuiremos. PAI UBU - Miserável, se fizer isso! CAPITÃO BORDURA - Mas, Pai Ubu, se você não fizer a distribuição o povo não vai querer pagar os impostos. PAI UBU - Verdade? MÃE UBU - É. É! PAI UBU - Ah, então eu concordo com tudo. Junte três milhões, mande cozinhar cento e cinqüenta bois e carneiros. Ainda mais que eu também vou levar o meu. CCEENNAA VVIIII (O PÁTIO DO CASTELO TOMADO PELO POVO) (PAI UBU COROADO, MÃE UBU, CAPITÃO BORDURA, LACAIOS CARREGADORES DE CARNE.) POVO - Viva o Rei! Viva o Rei! Hurra! PAI UBU (Atirando ouro) - Olha aí. É para vocês. Não me agrada muito dar esse dinheiro a vocês, mas, sabem como é, a Mãe ubu fez questão. Pelo menos prometam que vão pagar os impostos direitinho. TODOS - Sim, sim. CAPITÃO BORDURA - Veja, Mãe Ubu, como eles disputam o ouro. Que batalha! MÃE UBU - Na verdade, é um horror. Urgh! Olha ali um que rachou a cabeça. PAI UBU - Que belo espetáculo! Tragam mais caixas de ouro. CAPITÃO BORDURA - E se fizéssemos uma corrida? PAI UBU - Isso. Boa idéia. (Para o povo) Meus amigos, estão vendo esta caixa de ouro? Ela contém trezentos mil nobres rosados em ouro, em moeda polonesa e de bom quilate. Aqueles que querem participar da corrida se coloquem lá na ponta do pátio. Vou dar a partida agitando o meu lenço e o primeiro que chegar leva a caixa. Quanto aos que não ganharem levam como prêmio de consolação esta outra coisa que será repartida entre eles. TODOS - Viva o Pai Ubu! Que bom rei! A gente não tinha um assim desde o tempo de Venceslau. PAI UBU (Para a Mãe ubu, muito alegre) - Está escutando? (TODO O POVO SE ENFILEIRA NO EXTREMO DO PÁTIO) PAI UBU - Um, dois, três! Estão prontos? TODOS - Estamos, estamos.
  17. 17. 17 PAI UBU - Já! (Eles partem em confusão. Gritos e tumulto) CAPITÃO BORDURA - Estão chegando! Estão chegando! PAI UBU - Ah! o primeiro está perdendo terreno. MÃE UBU - Não. Está passando na frente outra vez. CAPITÃO BORDURA - Oh! Ele está perdendo, perdeu! Acabou! Foi o outro. (O QUE ESTAVA EM SEGUNDO LUGAR CHEGA PRIMEIRO) TODOS - Viva Michel Fédérovitch! Viva Michel Fédérovitch! MICHEL FÉDÉROVITCH - Senhor, sinceramente nem sei como agradece Sua Majestade... PAI UBU - Ah! meu caro amigo, isso não é nada. Leva a caixa para casa, Michel. E vocês, repartam aquela outra entre vocês. Cada um pega uma moeda até não sobrar nenhuma. TODOS - Viva Michel Fédérovitch! Viva o Pai Ubu! PAI UBU - E vocês, meus amigos, venham jantar! Hoje, as portas do palácio estarão aberta, venham honrar a minha mesa! POVO - Vamos entrar! Vamos entrar! Viva o Pai Ubu! É o mais nobre de todos os soberanos! (ELES ENTRAM NO PALÁCIO. OUVE-SE O RUÍDO DA ORGIA QUE SE PROLONGA ATÉ A MANHÃ SEGUINTE. CAI O PANO) FIM DO SEGUNDO ATO. TTEERRCCEEIIRROO AATTOO CCEENNAA II (O PALÁCIO) (PAI UBU, MÃE UBU.) PAI UBU - Pela bela vela verde, eis-me aqui, rei deste país. Comi até ter uma indigestão e agora vão me trazer a minha grande capa. MÃE UBU - Do que ela é feita, Pai Ubu? Agora que somos reis é preciso economizar. PAI UBU - Senhora minha fêmea, a capa é de pele de carneiro com cinto e fivela de pele de cão. MÃE UBU - Que linda! Mas é mais lindo ainda ser rei. PAI UBU - É. Tem razão, Mãe Ubu. MÃE UBU - Devemos grande reconhecimento ao duque da Lituânia. PAI UBU - A quem? MÃE UBU - Ora: O capitão Bordura.
  18. 18. 18 PAI UBU - Por favor. Mãe Ubu, não me fale desse cretino. Agora que não preciso mais dele, ele que vá se catar. E não vai ter mais o seu ducado. MÃE UBU - Você está muito errado, Pai Ubu. Ele vai se voltar contra você. PAI UBU - Ah! já estou cheio desse homenzinho. O que me preocupa mesmo é Bugrelau. MÃE UBU - Ei! Você acredita que já eliminou Bugrelau? PAI UBU - Com a espada das finanças, evidentemente! Que é que você acha que ele pode fazer contra mim, esse pirralho de catorze anos? MÃE UBU - Pai Ubu, ouça o que estou te dizendo. Me escute. Trate de conquistar Bugrelau com benefícios. PAI UBU - Dar mais dinheiro ainda? Ah! não, nunca. Você já me fez esbanjar vinte e dois milhões. MÃE UBU - Pense bem, Pai Ubu, ele vai fazer picadinho de você. PAI UBU - Pois é, e você vai estar junto comigo na panela. MÃE UBU - Escute-me mais uma vez: eu tenho certeza que o jovem Bugrelau vai acabar ganhando a parada. Ele tem a razão a seu favor! PAI UBU - Ah! droga! A razão e a falta de razão não valem a mesma coisa? Ah! você está me ofendendo, Mãe Ubu. Vou te picar em pedacinhos. (MÃE UBU, FOGE, PERSEGUIDA PELO PAI UBU) CCEENNAA IIII (GRANDE SALÃO DO PALÁCIO) (PAI UBU, MÃE UBU, OFICIAIS E SOLDADOS, GIRÃO, PILA, COTICA, NOBRES ACORRENTADOS. FINANCISTAS, MAGISTRADOS, ESCRIVÃES) PAI UBU - Tragam a caixa de nobres e o gancho de nobres e a faca dos nobres e o livro dos nobres! Depois, façam entrar os nobres. (OS NOBRES SÃO EMPURRADOS BRUTALMENTE) MÃE UBU - Por favor, controle-se, Pai ubu. PAI UBU - Tenho a honra de lhes anunciar que, para enriquecer o reino, vou mandar executar todos os nobres e confiscar seus bens. NOBRES - Horror! Ajudem-nos, povo e soldados! PAI UBU - Tragam o primeiro nobre e me dêem aqui o gancho dos nobres, os que forem condenados à morte, vão para a gaiola. E depois pro subsolo do Pé-de-Porco e da Câmara d’Almas, onde serão descerebrados. (Para o nobre) Quem é você, imbecil? O NOBRE - O conde de Vitepsk. PAI UBU - Quais são seus rendimentos?
  19. 19. 19 O NOBRE - Três milhões de rixdales9 . PAI UBU - Condenado! (Puxa-o com o gancho e o atira na gaiola) MÃE UBU - Que sórdida ferocidade! PAI UBU - Segundo nobre, quem é você? (O Nobre nada responde) Vai responder ou não, imbecil? O NOBRE - Grão-duque de Posen. PAI UBU - Excelente! Excelente! Nem vou perguntar mais nada. Para a gaiola. Terceiro nobre, quem é você, feio desse jeito? O NOBRE - Duque da Curlândia, das cidades de Riga, Revel e Mitau. PAI UBU - Muito bem! Muito bem! Não tem mais nada, não? O NOBRE - Nada. PAI UBU - Então, pra gaiola. Quarto nobre, quem é você? O NOBRE - Príncipe da Podólia. PAI UBU - Quais são seus rendimentos? O NOBRE - Estou arruinado. PAI UBU - Por este palavrão, vai para a gaiola. Quinto nobre, quem é você? O NOBRE - Margrave de Thorn, paladino de Polock. PAI UBU - Não é grande coisa. Não tem mais nada, não? O NOBRE - Isto me basta. PAI UBU - Está certo! É melhor pouco que nada. Pra gaiola. Está choramingando por quê, Mãe Ubu? MÃE UBU - Você é fez demais, Pai Ubu. PAI UBU - Ah! estou ficando rico. Vou mandar ler MINHA lista dos MEUS bens. Escrivão, leia a MINHA lista dos MEUS bens. TABELIÃO - Condado de Sandomir. PAI UBU - Comece pelos principados, estúpida criatura! TABELIÃO - Principado da Podólia, grão-ducado de Posen, ducado da Curlândia, condado de Sandomir, condado de Vitepsk, palatinado de Polock, margraviato de Thorn. PAI UBU - E que mais? 9 Rixdale é uma antiga moeda de prata em uso na Europa oriental e do norte.
  20. 20. 20 ESCRIVÃO - E tudo. PAI UBU - Como, é tudo?! Bom, então, avante os Nobres. E como não vou mais parar de enriquecer, farei executar todos os nobres e assim ficarei com todos os bens. Vamos lá, Nobres, para a gaiola. (Os nobres são empilhados na gaiola) Mais depressa, vocês ai, que agora eu quero fazer umas leis. VÁRIOS - Vamos ver isso. PAI UBU - Para começar, vou reformar a justiça. Depois procederemos às finanças. VÁRIOS MAGISTRADOS - Nós somos contra qualquer mudança. PAI UBU - Merdra. Em primeiro lugar, os magistrados não mais serão pagos. MAGISTRADO - E do que é que nós vamos viver? Somos pobres. PAI UBU - Vocês ficam com as multas que aplicarem e com os bens dos condenados à morte. UM MAGISTRADO - Horror. SEGUNDO - Infâmia. TERCEIRO - Escândalo. QUARTO - Indignidade. TODOS - Nós nos recusamos a julgar nessas condições. PAI UBU - Para a gaiola com os magistrados! (Eles se debatem em vão) MÃE UBU - Ei! O que está fazendo, Pai Ubu? Quem é que vai cuidar da justiça agora? PAI UBU - Ora! Eu. Você vai ver como vai dar certo. MÃE UBU - E. Bem certo. PAI UBU - Vamos, cale a boca, estúpida. Agora, senhores, vamos tratar das finanças. FINANCISTAS - Não há nada para mudar. PAI UBU - Como? Eu quero mudar tudo. Para começar, quero para mim a metade dos impostos. FINANCISTAS - Nem pensar. PAI UBU - Meus senhores, vamos estabelecer um imposto de dez por cento sobre a propriedade, um outro sobre a indústria e o comércio e um terceiro sobre os casamentos e um quarto sobre os falecimentos. Quinze francos cada. PRIMEIRO FINANCISTA - Mas é uma idiotice, Pai ubu. SEGUNDO FINANCISTA - E absurdo.
  21. 21. 21 TERCEIRO FINANCISTA - Não tem pé nem cabeça. PAI UBU - Estão me contrariando! Para a gaiola com os financistas! (Eles são engaiolados) MÃE UBU - Mas, afinal, Pai Ubu, que diabo de rei é você, massacrando todo mundo? PAI UBU - Ah, merdra! MÃE UBU - Não há mais justiça, não há mais finanças. PAI UBU - Não tenha medo de nada, minha doce criança, eu irei pessoalmente de aldeia em aldeia recolher os impostos. CCEENNAA IIIIII (UMA CASA DE CAMPONESES NOS ARREDORES DE VARSÓVIA) (VÁRIOS CAMPONESES ESTÃO REUNIDOS.) UM CAMPONÊS (Entrando) - Grandes novidades. O rei morreu, os duques também e o jovem Bugrelau conseguiu escapar com sua mãe para as montanhas. Além disso, o Pai Ubu se apoderou do trono. OUTRO - Pois eu sei de outras novidades. Estou vindo da Carcóvia, onde vi transportarem os corpos de mais de trezentos nobres e quinhentos magistrados que foram mortos. Parece que vão duplicar os impostos e que Pai Ubu cobrá-los pessoalmente. TODOS - Deus do Céu! O que vai nos acontecer? O Pai Ubu é um porco desgraçado e a família dele, dizem, é mais abominável. UM CAMPONÊS - Ouçam. Parece que estão batendo na porta. UMA VOZ (Lá fora) - Conoralho! Abram, por minha merdra, por São João, São Pedro e São Nicolau! Abram, espada das finanças, corno das finanças, vim buscar os impostos! (A porta é arrombada, Pai Ubu entra seguido de uma legião de coletores de impostos) CCEENNAA IIVV PAI UBU - Quem é o mais velho de vocês (Um camponês avança) Como você se chama? O CAMPONÊS - Stanislau Leczinski10 . PAI UBU - Então, cornoralho, escute bem, senão mando esses homens cortarem suas onelhas11 . Vai me escutar ou não? 10 Stanislau Leczinski – rei eleito da Polônia, depois destituído, refugiado em França, torna-se duque de Lorraine e sogro de Louis XV. Este, assim como outros nomes que aparecem na peça, são rigorosamente históricos, apesar de Jarry declarar, na conferência prévia à estréia, o seu desprezo pelo teatro histórico. Venceslau não houve nunca nenhum rei da Polônia, mas houve vários reis Venceslau na Boêmia e na Alemanha e um deles, alcunhado o Bêbado. Por outro lado a história revela vários reis poloneses chamados Boleslau. Ladislau foram chamados dos reis da Polônia. Bugrelau, no entanto, é criação de Jarry. Jean Sobieski, rei da Polônia, era tão gordo que durante uma batalha contra os turcos teve de ser colocado sobre seu cavalo pelos atendentes. Michel Fédérovitch e o imperador Alexis eram bastante ligados uma vez que o primeiro era pai do segundo. Michel Fédérovitch fundou a dinastia russa Romanov que reinou de 1613 a 1645. 11 Onelhas, no original oneilles, curiosa forma de escrever orelhas que Jarry mantém em todas as peças, provavelmente porque nos remete, em francês mais imediatamente que em português, a onan, radical de onanismo.
  22. 22. 22 STANISLAU - Mas Sua Excelência ainda não disse nada. PAI UBU - Como não? Faz mais de uma hora que estou falando. Acha que vim para pregar no deserto? STANISLAU - Longe de mim uma idéia dessas. PAI UBU - Eu vim te dizer, te ordenar e te determinar que você deve apresentar prontamente as tuas finanças, caso contrário será massacrado. Vamos senhores porquinhos das finanças, dirijam para cá o carrinho das phynanças. (Trazem o carrinho) STANISLAU - Senhor, nós estamos inscritos no registro para não pagar mais que cento e cinqüenta e dois rixdales, os quais já pagamos, não faz nem duas semanas, na festa de São Mateus. PAI UBU - É bem possível, mas eu mudei o governo e mandei publicar no jornal que todos os impostos serão pagos duas vezes, ou mesmo três, no caso dos que forem designados posteriormente. Com esse sistema logo, logo, vou fazer fortuna, daí mato todo mundo e me mando. CAMPONESES - Senhor Ubu, por favor, tenha piedade de nós. Somos pobres cidadãos. PAI UBU - Estou me lixando. Paguem. CAMPONESES - Não podemos, já pagamos. PAI UBU - Paguem! Ou meto todos no meu bolso com tortura, degolação do pescoço e da cabeça! Cornoralho, sou o rei ou não sou? TODOS - Ah, é assim? as armas! Viva Bugrelau, rei da Polônia e da Lituânia pela graça de Deus! PAI UBU - Avante, senhores das Finanças, cumpram seu dever. (TRAVA-SE UMA LUTA, A CASA É DESTRUÍDA E O VELHO STANISLAU FOGE PELA PLANÍCIE. O PAI UBU FICA RECOLHENDO AS FINANÇAS) CCEENNAA VV (UMA CASAMATA DAS FORTIFICAÇÕES DE THORN) (CAPITÃO BORDURA ACORRENTADO, PAI UBU) PAI UBU - Ah, cidadão, está vendo só? Você quis que eu te pagasse o que te devia, então se revoltou porque eu não quis pagar, conspirou e está aí, trancado. Chifrinança, bem feito. E a peça foi tão bem pregada que até você deve estar admirado. CAPITÃO BORDURA - Cuidado, Pai ubu. Em cinco dias no trono, você já matou mais gente do que seria preciso para danar todos os santos do Paraíso. O sangue do rei e dos nobres clama por vingança e seus clamores serão ouvidos. PAI UBU - Ah, meu caro amigo, você tem a língua bem comprida. Eu não duvido nada que se você escapasse haveria complicações, mas não creio que as casamatas de Thorn tenham jamais libertado qualquer dos honestos jovens que lhe foram confiados. E, com isso, boa noite. Eu o convido a dormir com as duas onelhas bem protegidas porque os ratos aqui dançam uma bela sarabanda. (ELE SAI. OS CRIADORES ENTRAM E TRANCAM TODAS AS PORTAS.)
  23. 23. 23 CCEENNAA VVII (O PALÁCIO DE MOSCOU) (O IMPERADOR ALEXIS E SUA CORTE, BORDURA.) O CZAR ALEXIS - Foi você, infame aventureiro, que cooperou para a morte de nosso primo Venceslau? BORDURA - Senhor, me perdoe, fui envolvido à minha revelia pelo Pai Ubu. ALEXIS - Oh! Maldito mentiroso. Afinal, o que deseja? BORDURA - O Pai Ubu mandou me prender sob o pretexto de conspiração. Eu consegui escapar e corri a cavalo cinco dias e cinco noites através das estepes para vir implorar Sua graciosa misericórdia. ALEXIS - O que me oferece como garantia de sua submissão? BORDURA - Minha espada de aventureiro e um mapa detalhado da cidade de Thorn. ALEXIS - Aceito a espada, mas, por São Jorge, queime esse mapa. Não quero dever minha vitória a uma traição. BORDURA - Um dos filhos de Venceslau, o jovem Bugrelau, ainda está vivo. Eu farei tudo para reconduzi-lo ao trono. ALEXIS - Que posto você ocupava no exército polonês? BORDURA - Eu comandava o 5º regimento dos dragões de Wilna e uma companhia independente a serviço do Pai Ubu. ALEXIS - Muito bem, eu te nomeio subtenente do 10º regimento de Cossacos, e ai de você se cometer traição. Se lutar bem, será recompensado. BORDURA - Coragem é o que não me falta, senhor. ALEXIS - Muito bem, suma da minha frente. (BORDURA SAI) CCEENNAA VVIIII (SALA DO CONSELHO DO UBU) (PAI UBU, MÃE UBU, CONSELHEIROS DAS FINANÇAS) PAI UBU - Senhores, está aberta a sessão e tratem de escutar bem e permanecer tranqüilos. Primeiro, vamos tratar das finanças, depois falaremos dum pequenos sistema que imaginei para fazer bom tempo e afastar a chuva. UM CONSELHEIRO - Muito bem, senhor Ubu. MÃE UBU - Que homem besta. PAI UBU - Madame de minha merdra, tome cuidado porque eu não vou agüentar as suas besteiras. Eu dizia, senhores, que as finanças vão passavelmente. Um número considerável de cães com meias
  24. 24. 24 de lã12 se espalham pelas ruas todas as manhas e os putos fazem maravilhas. Por toda parte só se vêem casas queimadas e cidadãos curvando-se sob o peso de nossas phynanças. O CONSELHEIRO - E os novos impostos, senhor Ubu, vão bem? MÃE UBU - Nada bem. O imposto sobre casamentos só rendeu 11 tostões e isso que o Pai Ubu persegue as pessoas em todo o lugar para forçá-las a se casar. PAI UBU - Espada das finanças, como da minha pança, madame financista, eu tenho onelhas para falar e você uma boca para me escutar. (Gargalhadas) Não, não! Você me atrapalha, me deixa besta! Corno d’Ubu (Entra um Mensageiro) Vamos, o que traz esse agora? Suma daqui, porcalhão, senão eu te meto no bolso com degolação e torção de pernas. MÃE UBU - Pronto, ele já foi. Mas há uma carta. PAI UBU - Leia. Acho que perdi o juízo ou que não sei mais ler. Vai logo, imbecil, deve ser de Bordura. MÃE UBU - Justamente. Ele diz que o czar o acolheu muito bem, que ele vai invadir tuas terras para reconduzir Bugrelau ao trono e que você será morto. PAI UBU - Oh! Oh! Tenho medo! Ah! vou morrer. Pobre de mim. O que é que vai acontecer, meu Deus? Esse homem mau vai me matar. Santo Antônio e todos os santos, valei-me, eu prometo dar minha phynança e acender velas para você. Senhor, o que vai acontecer? (Ele chora e soluça) MÃE UBU - Só há um partido a tomar, Pai Ubu. PAI UBU - Qual, meu amor? MÃE UBU - A guerra!!! TODOS - Viva Deus! Isso é que é ser nobre! PAI UBU - E. e eu ainda vou levar golpes. PRIMEIRO CONSELHEIRO - Vamos correndo organizar o exército. SEGUNDO - E juntar viveres. TERCEIRO - E preparar a artilharia e as fortalezas. QUARTO - E pegar dinheiro para as tropas. PAI UBU - Ah! não, e essa agora! Eu vou te matar, eu não quero dar dinheiro. Mais essa agora! Eu era pago para fazer a guerra e agora tenho de fazer a guerra às minhas custas. Não, pela bela vela verde, vamos fazer a guerra já que vocês estão com raiva, mas não vamos desembolsar um tostão. TODOS - Viva a guerra! 12 Os cães com meias de lã dedicam-se a assaltar os que vivem de rendimentos. Esse tema pertence às gesta primitiva do P.H. (Pére Hebert).
  25. 25. 25 CCEENNAA VVIIIIII (CAMPO ABAIXO DE VARSÓVIA) SOLDADOS E PALOTINS - Viva a Polônia! Viva o Pai Ubu! PAI UBU - Ah! mãe Ubu, me dê minha couraça e minha bengala de pau. Já, já eu vou estar tão carregado que nem conseguirei andar se for perseguido. MÃE UBU - Fora, frouxo. PAI UBU - Ah! o sabre de merdra que escapa e a lança das finanças que não resiste!!! Não vou terminar nunca e os russos estão avançando e vão me matar. UM SOLDADO - Senhor Ubu, veja, o espeto de onelhas está caindo. PAI UBU - Eu mato tudo com o arpão de merdra e a faca entalhada. MÃE UBU - Como ele está bonito com seu elmo e sua couraça, parece uma abóbora armada. PAI UBU - Ah! agora vou montar meu cavalo. Senhores, tragam o cavalo das phynanças. MÃE UBU - Pai Ubu, seu cavalo não vai conseguir te carregar. Faz cinco dias que não come nada e está quase morto. PAI UBU - Essa é boa! Fazem-me pagar 12 tostões por ida pelo rocinante e ele não agüenta comigo. E você nem liga, corno d’Ubu! Ou então está me roubando. (A Mãe Ubu erubece e baixa os olhos) Bem, tragam-me outro animal, que a pé é que eu não vou cornoralho! (TRAZEM UM CAVALO ENORME) PAI UBU - Vou montar em cima. Oh! Quieto! Que eu vou cair. (o cavalo parte) Ai! Parem essa besta. Deus do Céu, vou cair e morrer!!! MÃE UBU - É um verdadeiro imbecil. Ah! levantou. Mas tornou a cair. PAI UBU - Corno physico, estou meio morto! Mas não faz mal, vou para a guerra e matarei todo mundo. Atenção quem não marchar direito. Eu meto no bolso com torção do nariz e dos dentes e extração da língua. MÃE UBU - Boa sorte, senhor Ubu. PAI UBU - Esqueci de te dizer que te confio a regência. Mas estou levanto comigo o livro das finanças, pior para você se me roubar. Te deixo como ajudante o palotim Girão. Adeus, Mãe Ubu. MÃE UBU - Adeus, Pai Ubu. Mate bem matado o czar. PAI UBU - Claro. Torção do nariz e dos dentes, extração da língua e penetração do pedaço de pau nas onelhas. (O EXÉRCITO AFASTA-SE AO SOM DAS FANFARRAS) MÃE UBU (Sozinha) - Agora que esse grande paspalho foi embora, tratemos dos nossos negócios: matar Bugrelau e nos apossar do tesouro. (FIM DO TERCEIRO ATO)
  26. 26. 26 QQUUAARRTTOO AATTOO CCEENNAA II (A CRIPTA DOS ANTIGOS REIS DA POLÔNIA NA CATEDRAL DE VARSÓVIA) MÃE UBU - Onde é que está esse tesouro? Nenhuma laje tem um som oco. Entretanto, contei direitinho treze pedras depois da tumba e Ladislau, o Grande, seguindo pela parede. e não há nada. Dever ter me enganado. Achei: essa pedra soa oca. Mãos à obra, Mãe Ubu. Coragem, retiremos a pedra. Ela está firme. Vamos usar este gancho de finanças que há de cumprir suas funções. Olha aí! Olha o ouro no meio dos esqueletos dos reis. Para o saco, tudo! Epa! Que barulho é esse? Será que ainda resta alguém vivo debaixo destes velhos aros? Não, não é nada, apressemo-nos. Vamos levar tudo. Esse dinheiro ficará melhor à luz do dia do que no meio das tumbas dos antigos príncipes. Recoloquemos a pedra. O quê?! Ainda este barulho. Ficar neste lugar me causa um estranho temor. Pegarei o resto desse ouro uma outra vez, voltarei amanhã. UMA VOZ (Saindo da tumba de Jean Sigismundo) - Jamais, Mãe Ubu! (A MÃE UBU FOGE APAVORADA, LEVANDO O OURO ROUBADO PELA PORTA SECRETA) CCEENNAA IIII (A PRAÇA DE VARSÓVIA) (BUGRELAU E SEUS PARTISANS, POVO E SOLDADOS, DEPOIS GUARDAS, MÃE UBU, O PALOTIM GIRÃO) BUGRELAU - Avante, meus amigos! Viva Venceslau e a Polônia! O velho patife do Pai Ubu foi embora, só resta agora a bruxa da Mãe ubu com seu Palotim. Eu me ofereço para marchar à frente de vocês e restaurar a linhagem dos meus pais. TODOS - Viva Bugrelau! BUGRELAU - E suprimiremos todos os impostos criados pelo odiosos Pai Ubu. TODOS - Hurra! Avante! Corramos ao palácio massacrar essa raça. BUGRELAU - Ei! Olhem a Mãe Ubu com seus guardas na escadaria. MÃE UBU - Que desejam, senhores? Ah! e Bugrelau. (A TURBA ATIRA PEDRAS) PRIMEIRO GUARDA - Todos os vidros foram quebrados. SEGUNDO GUARDA - São Jorge, vão me matar a pauladas. TERCEIRO GUARDA - Corno, estou morrendo. BUGRELAU - Atirem pedras, meus amigos. O PALOTIM GIRÃO - Há! E assim? (Ele desembainha a espada e se precipita fazendo medonha carnificina) BUGRELAU - Agora nós dois! Defenda-se, pistola frouxa. (LUTAM) GIRÃO - Estou morto!
  27. 27. 27 BUGRELAU - Vitória, meus amigos! Agora, a Mãe ubu! (OUVEM-SE TROMBETAS) BUGRELAU - Ah! os nobres estão chegando. Depressa, vamos pegar a venenosa harpia! TODOS - Enquanto esperamos para estrangular o velho bandido! (A MÃE UBU FOGE, PERSEGUIDA POR TODOS OS POLONESES. TIROS DE FUZIL E SARAIVADA DE PEDRAS) CCEENNAA IIIIII (O EXÉRCITO POLONÊS EM MARCHA PELA UCRÂNIA) PAI UBU - Droga, sacracoxa, cabeça de vaca! Vamos perecer pois estamos morrendo de sede e cansados. Senhor soldado, tenha a bondade de levar nosso capacete de finanças e você, senhor Lanceiro, encarregue-se do espeto de merdra e do bastão physico para aliviar nossa pessoa, uma vez que, repito, estamos cansados. (OS SOLDADOS OBEDECEM) PILE - Hã! Meu senhoire! É incrível que os russos não apareçam. PAI UBU - E lamentável que o estado das nossas finanças não nos permita ter uma carruagem à nossa altura; pois, temendo acabar com a montaria, fizemos todo o caminho a pé, puxando nosso cavalo pelas rédeas. Mas quando voltarmos à Polônia imaginaremos, por meio de nossa ciência physica e ajudados pelas luzes de nossos conselheiros, um veículo movido a vento para transportar todo o exército. COTICA - Olha lá o Nicolau Rensky que vem correndo. PAI UBU - O que é que há com esse menino? RENSKY - Está tudo perdido, senhor, os poloneses se revoltaram, Girão foi morto e a Mãe Ubu está foragida peias montanhas. PAI UBU - Ave agourenta, besta do infortúnio, coruja de polainas! Onde á que você conseguiu essas futilidades? Mais essa! E quem fez tudo isso? Bugrelau, aposto. De onde você está vindo? RENSKY - De Varsóvia, nobre senhor. PAI UBU - Garoto de minha merdra, se eu acreditasse em você faria todo o exército dar meia volta. Mas, senhor garoto, você tem sobre os ombros mais plumas que cérebro e sonhou essas besteiras. Vá para os postos avançados, meu filho, os russos não estão longe e logo, logo vamos ter de usar nossas armas, tanto as de merdra, quanto as de phynanças e physicas. O GENERAL LASCY - Pai Ubu, não está vendo os russos na planície? PAI UBU - E verdade, os russo! Bonito! Se ainda houvesse um meio de ir embora, mas, absolutamente, estamos numa elevação e vamos servir de alvo para todos os tiros. EXÉRCITO - Os russos! O inimigo! PAI UBU
  28. 28. 28 - Vamos, senhores, tomemos as posições de combate. Vamos ficar sobre a colina, não façamos a besteira de descer. Eu ficarei no centro como uma cidadela viva e vocês gravitarão em torno de mim. Recomendo que coloquem nos fuzis o máximo de balas que ele agüentarem, porque 8 balas podem matar 8 russos e será essa medida que não terá em cima de mim. Vamos colocar a infantaria no sopé da montanha para receber os russos e matá-los um pouco, os cavalheiros atrás para se atirarem na confusão e a artilharia em volta aqui do moinho de vento para atirar nas multidões. Quanto a nós, ficaremos no moinho de vento atirando com a pistola das phynanças pela janela. Atravessando a porta colocaremos o bastão da physica e, se alguém tentar entrar, que se cuide com gancho de merdra!!! OFICIAIS - Suas ordens, Senhor Ubu, serão executadas. PAI UBU - Isso é bom, sairemos vencedores. Que horas são? O GENERAL LASCY - Onze da manhã. PAI UBU - Então, vamos jantar, que os russos não vão atacar antes do meio-dia. Senhor general, diga aos soldados para fazerem suas necessidades e entoarem a Canção das Finanças. SOLDADOS E PALOTIN - Viva o Pai Ubu, nosso grande Financista! Ting, ting, ting ting, ting, ting ting, ting, tating! PAI UBU - Oh, brava gente, eu os adoro. (Uma bala russa destrói a pá do moinho) Ah! que medo, senhor Deus, estou morto! E, no entanto, não tenho nada. CCEENNAA IIVV (OS MESMOS, UM CAPITÃO E DEPOIS O EXÉRCITO RUSSO) CAPITÃO (Chegando) - Senhor Ubu, os russos estão atacando. PAI UBU - E daí? O que você quer que eu faça? Não fui eu que mandei. Em todo caso, senhores das finanças, vamos nos preparar para o combate. O GENERAL LASCY - Uma segunda bala.. PAI UBU - Ah! Não agüento mais. Aqui chove chumbo e ferro e podemos avariar nossa preciosa pessoa. Desçamos. (TODOS DESCEM A PASSO ACELERADO. A BATALHA É TRAVADA. ELES DESAPARECEM EM TORRENTES DE FUMAÇA AO PÉ DA MONTANHA.) UM RUSSO (Atacando) - Por Deus e pelo Czar! RENZKY - Ah! estou morto. PAI UBU - Avente! E você, senhor, eu vou te pegar, porque você me machucou, está ouvindo? Saco de vinho! Com teu fuzil que não dispara. O RUSSO - Ah! veja isto. (Dá-lhe um tiro de revólver) PAI UBU - Ai! Ui! Estou ferido, estou furado, perfurado, administrado, enterrado. Oh, mas assim mesmo! Ah! peguei-o. (Despedaça o russo) Pronto! Vamos ver se você recomeça agora! O GENERAL LASCY - Avante, continuemos vigorosamente, atravessemos o fosso, a vitória é nossa.
  29. 29. 29 PAI UBU - Acha mesmo? Até agora eu sinto na cabeça mais galos do que louros. CAVALEIROS RUSSOS - Hurra! Abram alas para o Czar! (CHEGA O CZAR ACOMPANHADO DE BORDURA DISFARÇADO) UM POLONÊS - Ah! senhor! Salve-se quem puder: o Czar! OUTRO - Ah! meu Deus! Ele atravessa o fosso. OUTRO - Pif! Paf! Quatro aniquilados pela besta desse tenente. BORDURA - Ah! vocês não acabaram ainda, hein! Pronto, toma o que te cabe, Jean Sobiesky. (Mata-o) Agora, os outros! (Faz um massacre de poloneses) PAI UBU - Avante, meus amigos! Agarrem esse biltre! Vamos fazer geléia desses moscovitas! A vitória é nossa! Viva a Águia Vermelha! TODOS - Em frente! Hurra! Sacracoxa! Agarrem esta criatura. BORDURA - Por São Jorge, fui derrubado. PAI UBU (Reconhecendo-o) - Ah! é você, Bordura! Ah, meu amigo. Nós e toda a companhia estamos tão felizes de te reencontrar. Vou te cozinhar em fogo brando. Senhores das Finanças, acendam o fogo. Oh! Ah! oh! Estou morto. Foi um tiro de canhão no mínimo que eu levei. Ah! meu Deus, perdoai os meus pecados. Sim foi exatamente um tiro de canhão. BORDURA - É um tiro de pistola carregada de sal. PAI UBU - Ah! está caçoando de mim! Ainda por cima! Para o bolso! (Atira-se sobre ele e o despedaça) O GENERAL LASCY - Pai Ubu, estamos avançando em todas as áreas. PAI UBU - Estou vendo, não agüento mais, estou crivado de pontapés, gostaria de me sentar no chão. Ah! minha garrafa. O GENERAL LASCY - Vá pegar a do czar, Pai Ubu. PAI UBU - Eh! Vou mesmo. Vamos! Sabre de merdra, cumpra o seu dever, e você, gancho das finanças, não fique atrás. Que o bastão da physica trabalhe com generosa emulação e divida com o pedacinho de pau a honra de massacrar, escavar e explodir o Imperador moscovita. Avante, senhor cavalo de finanças! (ELE SE LANÇA CONTRA O CZAR) UM OFICIAL RUSSO - Em guarda, majestade! PAI UBU - Toma lá! Oh!! Ai! Ah! O que é isso? Ah! senhor, perdão, deixe-me em paz. Oh! Mas eu não fiz de propósito! (ELE FOGE. O CZAR O PERSEGUE) PAI UBU - Virgem santa, esse furioso está me perseguindo! Que foi que eu fiz, meu Deus! Ah! bom, ainda há o fosso para atravessar. Ah! eu sinto ele atrás de mim e o fosso na frente! Coragem, fechemos os olhos.
  30. 30. 30 (ELE SALTA O FOSSO. O CZAR CAI) O CZAR - Bom, estou dentro. POLONESES - Hurra! O Czar foi abaixo! PAI UBU - Ah! nem ouso me voltar! Ele está lá dentro. Ah, bem feito. Vamos atacar. Vamos, poloneses, força nos braços, ele tem um bom lombo, esses miserável! Nem ouso olhar para ele! E entretanto nossa premonição se realizou completamente, o bastão da physica fez maravilhar e não resta dúvidas que eu o teria matado completamente, se um inexplicável terror não tivesse vindo combater a anular os efeitos de nossa coragem. Mas devemos ter subitamente virado a casaca e não devemos nossa saúde senão à nossa habilidade como cavaleiro, assim como à solidez dos tendões de nosso cavalo de finanças, cuja rapidez só é igualada a sua estabilidade e cuja ligeireza é célebre, assim como à profundidade do fosso que se encontram bem a propósito sob os passos do inimigo de nós o aqui presente Mestre das Phynanças. Tudo isso é muito bonito, mas ninguém está me escutando. Vamos! Bom, vai recomeçar. (OS DRAGÕES RUSSOS ATACAM E SALVAM O CZAR) O GENERAL LASCY - Desta vez, é a debandada. PAI UBU - Ah! eis a ocasião de dar no pé. Vamos lá, senhores poloneses, adiante! Ou melhor, para trás! POLONESES - Salve-se quem puder! PAI UBU - Vamos! Em marcha. Quanta gente, que fuga, que multidão. Como é que eu saio dessa trapalhada? (Ele está perturbado) Ah! você! Atenção, se não quiser experimentar o borbulhante valor do Mestre das Finanças. Ah! ele se mandou. Vamos escapar, e bem depressa, enquanto Lascy não nos vê. (Ele sai e em seguida vemos passar o Czar e o exército russo perseguindo os poloneses) CCEENNAA VV (UMA CAVERNA NA LITUÂNIA. NEVA) (PAI UBU, PILA, COTICA) PAI UBU - Ah! tempo cachorro, está de rachar as pedras e a pessoa do Mestre de Finanças está bem danificada. PILA - Hon! Sinhoire Ubu, já se livrou do seu terror e da sua fuga? PAI UBU - Já. Não tenho mais medo, mas ainda tenho a fuga. COTICA (À parte) - Que porco. PAI UBU - Ei, seu Cotica, a sua onelha, como vai? COTICA - Tão bem quanto dá para ir estando assim tão mal, senhoire. A conseqüência está sendo que o chumbo puxa ela para o chão e eu não consegui extrair a bala. PAI UBU - Taí, é bem feito! Você, também, queria sempre bater nos outros. Já, eu demonstrei o mais grande valor e, sem me expor, massacrei quatro inimigos com minha própria mão, sem contar todos aqueles que já estavam mortos aos quais nós demos acabamento. COTICA - Sabe o que aconteceu com o pequeno Renzky, Pila?
  31. 31. 31 PILA - Levou uma bala na cabeça. PAI UBU - Quer dizer que o tímido e o mijão na flor da idade foram ceifados pela impiedosa foice do impiedoso ceifador que ceifa impiedosamente seu impiedoso rosto. Então o pequeno Renzky se fez de tímido; ele lutou muito bem apesar de tudo, mas havia russos demais. PILA E COTICA - Hon, senhoire! UM ECO - Hhrron! - O que é isso? Vamos pegar nossas lâminas. PAI UBU - Ahm, não! Por exemplo, mais russos, eu aposto! Estou cheio! Mas é bem simples: se eles me pegarem, meto eles no bolso. CCEENNAA VVII (OS MESMOS, ENTRA UM URSO) COTICA - Hon?! Senhoire das Finanças! PAI UBU - Oh! Olhem o totó. Que gracinha, meu Deus. PILA - Cuidado! Ah! que urso enorme, meus cartuchos! PAI UBU - Um urso! Ah, a besta atroz. Oh! Pobre de mim, eis-me comido. Que Deus me proteja. Vem vindo pra cima de mim. Não, ele pegou o Cotica. Ah! que alívio. (O Urso atira-se sobre Cotica, Pila ataca-o a facadas. Ubu se refugia sobre um rochedo) COTICA - Me ajude, Pila! Me ajude! Socorro, Senhoire Ubu! PAI UBU - Babau! Vire-se, meu amigo: no momento, estamos rezando o Padre Nosso. A cada um sua vez de ser comido. PILA - Peguei, dominei-o. COTICA - Firme, meu amigo, ele está começando a me soltar. PAI UBU - Sanctificetur nomen tuum. COTICA - Frouxa criatura! PILA - Ah! ele está me mordendo. Ó senhor, salve-nos, estou morto! PAI UBU - Fiat volontas tua. COTICA - Ah! consegui feri-lo. PILA - Hurra! Ele está perdendo sangue. (Em meio aos gritos dos palotins, o Urso grita de dor e Ubu continua a resmungar) COTICA - Segura ele, que eu vou apanhar o meu soco explosivo. PAI UBU - Panem nostrum quotidianum da nobis hodie.
  32. 32. 32 PILA - Você o pegou afinal, eu não posso mais. PAI UBU - Sicut et nos dimittimus debitoribus nostris. COTICA - Ah! peguei. (Ecoa um explosão e o Urso cai morto) PILA E COTICA - Vitória! PAI UBU - Se libera nos a malo. Amen. Afinal, ele está bem morto? Posso descer do meu rochedo? PILA (Com desprezo) - Quando quiser. PAI UBU (Descendo) - Podem se vangloriar que, se ainda estão vivos e se ainda pisam a neve da Lituânia, devem-no à virtude magnânima do Mestre das Finanças, que se empenhou, se esgotou e se esganiçou a depositar paternostres por sua saúde e que manejou com tanta coragem o gládio espiritual da oração quanto vocês manejaram com temporal destreza o soco explosivo do aqui presente palotim Cotica. Levamos ainda adiante a nossa devoção, pois sem nenhuma hesitação subimos a um rochedo bastante alto para que nossas preces chegasse mais depressa ao céu. PILA - Que burrice revoltante. PAI UBU - Que fera enorme. Graças a mim, vocês têm o que comer. Que barriga, senhores! Os gregos aí dentro estariam mais folgados que dentro do cavalo de madeira. E pouco falta, caros amigos, para que possamos verificar com nossos próprios olhos a sua capacidade interior. PILA - Morro de fome. O que comer? COTICA - O urso! PAI UBU - Ei, seus bobocas, vão comê-lo cru? Não temos nada para fazer fogo. PILA - Não temos as nossas pederneiras de fuzil? PAI UBU - Taí. É verdade. E além disso me parece que não longe daqui há um bosque onde deve haver galhos secos. Vá buscar, seu Cotica. (Cotica se fasta pela neve.) PILA - E agora, senhor Ubu, vá cortar o urso. PAI UBU - Oh, não! Talvez ele não esteja morto. Enquanto você, que já está meio comido e todo mordido, tem tudo a ver com este papel. Eu vou acender o fogo e esperar que ele traga a lenha. (Pila começa a cortar o urso) PAI UBU - Oh, tome cuidado! Ele se mexeu. PILA - Mas, senhor Ubu, ele já está totalmente frio. PAI UBU - É pena, seria melhor comê-lo quente. Isso vai dar uma indigestão no Mestre das Finanças. PILA (À parte) - É revoltante. (Alto) Me ajude um pouco, senhor Ubu, não posso fazer o trabalho todo sozinho. PAI UBU - Não, não quero fazer nada! Estou fatigado, é claro!
  33. 33. 33 COTICA (Voltando) - Que neve, meus amigos, parece até que estamos em Catilha ou no Pólo Norte. A noite começa a cair. Dentro de uma hora estará escuro. Vamos nos apressar enquanto dá pra enxergar. PAI UBU - Ouviu, Pila, se apresse. Apressem-se vocês dois! Espetem logo a cabeça, cozinhem a fera, estou com fome, eu! PILA - Ah, essa é demais, afinal de contas! Tem que trabalhar, senão não ganha nada, entendeu, gulosos?! PAI UBU - Ah, eu nem ligo, se eu quisesse comer cru vocês iam ver só. E, além do mais, eu estou é com sono! COTICA - Que fazer, Pila? Vamos preparar o jantar sozinhos. Ele não come e pronto. Ou então a gente dá os ossos pra ele. PILA - Está bem. Ah, eis o fogo ardendo. PAI UBU - Ai, que bom, agora está quentinho. Mas estou vendo russos por todo lado. Que fuga, meu Deus! Ah! (Ele cai, adormecido) COTICA - Eu gostaria de saber se aquilo que o Ranzky contou é verdade, se a Mãe Ubu foi realmente destronada. Não seria nada impossível. PILA - Vamos terminar o jantar. COTICA - Não, temos de falar de coisas mais importantes. Acho que seria bom a gente investigar a veracidade dessas notícias. PILA - É verdade, abandonamos o Pai ubu ou ficamos com ele? COTICA - A noite é boa conselheira. Vamos dormir e amanhã veremos o que fazer. PILA - Não. É melhor aproveitar a noite para ir embora. COTICA - Então, vamos. (ELES PARTEM) CCEENNAA VVIIII (PAI UBU FALA DORMINDO) - Ah! senhor Dragão russo, atenção, não atire para cá que está cheio de gente. Ah! Bordura é tão mau, parece um urso. E Bugrelau se lança sobre mim! O urso, o urso! Ah! olha ele lá em baixo! Como ele é duro, bom Deus! Eu não quero fazer nada, não. Vai-te embora, Bugrelau! Entendeu, patife? E agora Renzky e o Czar! Oh! Vão me bater. E a Rbue13 Onde é que você pegou esse ouro você pegou o meu ouro, miserável, foi resolver a minha tumba que fica na catedral de Varsóvia, perto da Lua. Estou morto há tato tempo, estou, foi Brugrelau quem me matou e estou enterrado em Varsóvia perto de Vladislau, o Grande, e também na Cracóvia, perto de Jeain Sigismundo, e também em Thorn na casamata com Bordura! Olha ele lá ainda. Vai-te embora, maldito urso. Você se parece com Bordura. Ouviu, besta de Satã? Não, ele não ouve, os putos cortaram suas onelhas. Descerebrem, matem, cortem as onelhas, arrochem as finanças e bebam até a morte, é essa a vida dos putos, é essa a felicidade do Mestre das Finanças. (Ele se cala e dorme) (FIM DO QUARTO ATO) 13 Rbue – uma contração de mèRTe uBU, que evoca a palavra rébut – escória, rebotalho.
  34. 34. 34 QQUUIINNTTOO AATTOO CCEENNAA II (É NOITE. O PAI UBU DORME, ENTRA A MÃE UBU QUE NÃO O VÊ. ESCURIDÃO TOTAL) MÃE UBU - Enfim, um abrigo. Estou sozinha, mas não reclamo. Que fuga desenfreada: atravessar toda a Polônia em quatro dias! Todas as infelicidades se abateram sobre mim de uma só vez. Assim que aquele asno gordo parte, eu vou à cripta para enriquecer. Logo depois escapo de ser apedrejada por aquele tal Bugrelau e aqueles furiosos. Perco o meu cavaleiro, o palotim Girão, que estava tão apaixonado por meus encantos que desmaiava de alegria cada vez que me via, e também, ele me garantiu, quando não me via. O que é o cúmulo da ternura. Ele se deixaria partir em dois por minha causa, pobre rapaz. A prova é que ele foi partido em quatro por Bugrelau. Pif paf pan! Ah! pensei que ia morrer. Em seguida, eu fujo, perseguida pela turba enfurecida. Saio do palácio, chego ao Vistula, todas as pontes estão vigiadas. Atravesso o rio a nado, esperando assim fatigar meus perseguidores. De todos os lados a nobreza se reúne e me persegue. Escapei mil vezes da morte, sufocada num círculo de poloneses decididos a dar cabo de mim. Afinal, consigo iludir sua fúria e depois de correr quatro dias pelas neves deste que foi o meu reino consigo me refugiar aqui. Não comi, nem bebi nesses quatro dias pelas neves deste que foi o meu reino consigo me refugiar aqui. Não comi, nem bebi nesses quatro dias. Bugrelau me perseguindo de perto...Enfim, eis-me salva. Ah! estou morta de fadiga e de frio. Mas gostaria muito de saber o que terá acontecido com o meu gordo polichinelo, quero dizer o meu respeitabilíssimo esposo. Dele tomei as finanças. Dele roubei rixfales. Dele tirei cenouras. E seu cavalo de finanças que morria de fome; era tão raro ver uma porção de aveia, pobre diabo. Ah! que bela história. Mas, ai de mim, perdi meu tesouro! Está em Varsóvia e quem quiser que vá buscá-lo. PAI UBU (Começando a despertar) - Peguem a Mãe ubu, cortem as onelhas! MÃE UBU - Ah, meu Deus! Onde estou? Estou perdendo o juízo. Ah! não, Senhor! Graças aos céus entrevejo o senhor Pai Ubu que dorme perto de mim14 Vou me fazer de boazinha. Então, meu queridão, dormiu bem? PAI UBU Muito mal! Era bem duro esse urso! Combate dos mais acirrados contra os couraçados, mas os acirrados comeram e devoraram completamente os couraçados, como você poderá ver quando clarear o dia: escutaram, nobres palotins! MÃE UBU - O que ele está gaguejando? Está ainda mais besta do que quando partiu. O que ele quer? PAI UBU - Cotica, Pila, respondam, seus sacos de merdra. Onde é que vocês estão? Ah! tenho medo. Afinal, alguém falou. Mas quem é que falou? Não foi o urso, eu suponho. Merdra! Onde estão meus fósforos? Ah! eu os perdi na batalha. MÃE UBU (À Parte) - Aproveitemos a situação e o escuro da noite, simulemos uma aparição sobrenatural e façamos com que ele prometa perdoar os nossos furtos. PAI UBU - Por Santo Antônio! Alguém está falando. Sacracoxa! Quero ser enforcado! MÃE UBU (Engrossando ovos) - Sim, senhor Ubu, com efeito, alguém fala. E a trombeta do arcanjo que deverá retirar os mortos das cinzas e da poeira final não falaria de outra maneira! Escuta esta voz severa. É a de São Gabriel que dá apenas bons conselhos. PAI UBU - Oh! Com efeito! 14 Paródia de Andromaque.
  35. 35. 35 MÃE UBU - Não me interrompa, senão eu me calo e será o fim da vossa pança. PAI UBU - Ai! Minha pança! Eu me calo. Não digo mais nem uma palavra. Continue, senhora Aparição! MÃE UBU - Dizíamos, senhor ubu, que o senhor é um grande homem. PAI UBU - Bem, grande eu sou mesmo, é verdade. MÃE UBU - Cale-se, por Deus! PAI UBU - Epa! Os anjos não praguejam! MÃE UBU (À parte) - Merdra! (Continuando) O senhor é casado, Pai ubu. PAI UBU - Perfeitamente, com a última das rabugentas! MÃE UBU - O senho quer dizer que é uma mulher encantadora. PAI UBU - Um horror. Ela tem garras pra todo lado, a gente nem sabe como pegar. MÃE UBU - E preciso pegá-la pela doçura, senhor Ubu. Se assim fizer, verá que ela é pelo menos igual à Vênus de Milo. PAI UBU - Quem é que tem mamilo? MÃE UBU - O senhor não ouve, senhor Ubu; dedique-nos onelhas mais atentas. (À parte) Mas é melhor nos apressar, o dia já vai raiar. Senhor Ubu, sua esposa é adorável e deliciosa, e não tem um único defeito. PAI UBU - Engano seu, não há um único defeito que ela não tenha. MÃE UBU - Silêncio! A sua esposa nunca lhe foi infiel! PAI UBU - Bem que eu queria ver quem seria capaz de se apaixonar por ela. É uma harpia! MÃE UBU - Ela não bebe! PAI UBU - Desde que escondi a chave da adega. Antes, às sete horas da manhã ela já estava alta e se perfumava com licor. Agora, que se perfuma com heliotrópio, ela não fede mais. Mas para mim tanto faz. Agora sou eu que estou alto! MÃE UBU - Tolo personagem! Sua mulher não pega o seu ouro. PAI UBU - Não, engraçado! MÃE UBU - Ela não desvia um tostão! PAI UBU - Prova disso é nosso nobre e infortunado calo das Phynanças, que, não tendo sido alimentado durante três meses, teve de fazer toda a campanha puxado pelas rédeas. Ucrânia adentro. E ainda assim morreu na empreitada, pobre animal! MÃE UBU - Tudo isso é mentira. Sua mulher é exemplar e o senhor é um monstro.
  36. 36. 36 PAI UBU - Tudo isso é verdade, minha mulher é uma tratante e você, é um chouriço MÃE UBU - Cuidado, Pai Ubu. PAI UBU - Ah! é verdade. Esqueci com quem falava. Não, eu não disse nada! MÃE UBU - Você matou Venceslau. PAI UBU - Não foi culpa minha, é claro. Foi a Mãe Ubu quem quis. MÃE UBU - Você provocou a morte de Boleslau e Ladislau. PAI UBU - Pior pra eles! Queriam me bater! MÃE UBU - O senhor não manteve sua promessa a Bordura e depois o matou. PAI UBU - Eu prefiro que seja eu e não ele a reinar na Lituânia. No momento não é nem um nem outro. Como você vê, isso não é comigo. MÃE UBU - Só lhe resta uma maneira de conseguir o perdão por todos os seus maus feitos. PAI UBU - Qual? Estou disposto a virar santo, quero ser bispo e ver meu nome no calendário. MÃE UBU - E preciso perdoar a Mãe ubu por ter desviado um pouco de dinheiro. PAI UBU - Está bem! Eu perdôo se ela me devolver tudo, levar uma boa surra, e ressuscitar meu cavalos das finanças. MÃE UBU - Como ele sente pelo cavalo! Ah! estou perdida, o dia está nascendo. PAI UBU - Mas enfim estou contente de saber agora com certeza que minha querida esposa me roubava. Agora sei de fonte limpa. Omnis a Deoscientia, que quer dizer: Omnis, toda; a Deu, ciência; scientia, vem de Deus. Está explicado o fenômeno. Mas a senhora Aparição não diz mais nada. O que eu não lhe daria para reconfortá-la. Aquilo que ela dizia era muito divertido. Mas vejam, o dia raiou! Ah! senhor, pelo meu cavalo de finanças, é a Mãe Ubu! MÃE UBU (Arrogantemente) - Não é verdade, vou excomungá-lo. PAI UBU - Ah! carniça! MÃE UBU - Que blasfêmia. PAI UBU - Ah! É demais. Estou vendo muito bem que é você, sua tola rabugenta! Por que diabos está aqui? MÃE UBU - Girão morreu e os poloneses me perseguiram. PAI UBU - A mim, foram os russos que perseguiram; os grandes espíritos se reencontram. MÃE UBU - Melhor dizer que um grande espírito encontrou um burro! PAI UBU - Ah! bom, e vai encontrar um palmípede agora. (Atira o urso em cima dela)
  37. 37. 37 MÃE UBU (Caindo, oprimida pelo peso do urso) Ah! Meu Deus! Que horror! Ah! eu morro! Estou sufocando! Ele me morde! Ele me engole! Ele me digere! PAI UBU - Está morto! Grotesca. Oh! Mas talvez não! Ah! senhor, não, ele não está morto, fujamos. (Torna a subir no rochedo) Para noster qui es... MÃE UBU (Desembaraçando-se) - Pronto! Onde é que ele está? PAI UBU - Ah! senhor! Ei-la, ainda! Criatura tola, será que não há meio de me livrar dela. Está morto, esse urso? MÃE UBU - Está, tolo burro, já está todo frio. Como é que ele veio parar aqui? PAI UBU (Confuso) - Não sei. Ah! sim, eu sei! Ele tentou comer Pila e Cotica e eu o matei com um golpe de Pater Noser. MÃE UBU - Pila, Cotica, Pater Noster. O que é isso? Ele está louco, por minha finança! PAI UBU - É totalmente exato o que estou dizendo! E você é uma idiota, minha pança! MÃE UBU - Conte-me a sua campanha, Pai Ubu. PAI UBU - Oh, senhora, não! É comprida demais. Tudo que sei é que, apesar de minha incontestável valentia, todo mundo me bateu. MÃE UBU - Como é? Até os poloneses? PAI UBU - Eles gritavam; Viva Venceslau e Bugrelau. Achei que queriam me esquartejar. Ah, os furiosos! E além do mais eles mataram Renzky. MÃE UBU - Nem ligo! Sabe que Bugrelau matou o palotim Girão? PAI UBU - Nem ligo! E depois mataram o pobre Lascy! MÃE UBU - Nem ligo! PAI UBU - Ah, mas mesmo assim, venha até aqui, carniça! Ponha-se de joelhos, diante do seu mestre (Ele a esmurra e atira de joelhos), você vai sofrer o último suplício. MÃE UBU - Ho, ho, senhor Ubu! PAI UBU - Oh! Oh! Oh! Também, acabou? Eu vou começar: torção do nariz, arrancamento dos cabelos, penetração do pedacinho de madeira nas onelhas, extração do cérebro pelos calcanhares, laceração do posterior, supressão parcial ou mesmo total da medula espinhal (se ao menos isso pudesse eliminar os espinhos de seu caráter), sem esquecer a abertura da bexiga natatória e finalmente a grande degolação renovada de São João Batista, tudo retirado de Escrituras muito santas, tanto do antigo como do novo Testamento, ordenado, corrigido e aperfeiçoado pelo aqui presente mestre das Finanças! Está bem assim pra você, chouriço? (ELE A DESPEDAÇA) MÃE UBU - Piedade, senhor ubu! (GRANDE RUÍDO NA ENTRADA DA CAVERNA)
  38. 38. 38 CCEENNAA IIII (OS MESMOS, BUGRELAU INVADINDO A CAVERNA COM SEUS SOLDADOS.) BUGRELAU - Avante, meus amigos! Viva a Polônia! PAI UBU - Oh! Oh! Espere um pouco, senhor Polaco. Espere que eu tenha acabado com madame minha cara metade! BUGRELAU (Batendo nele) - Toma frouxo, patife, sacripantas, traidor, muçulmano! PAI UBU (Reagindo) - Toma! Polaco, beberrão, bastardo, hussardo, tártaro, pau-mandado, falso, espião, saboiano, comunistóide! MÃE UBU (Batendo nele também) - Toma, Poltrão, porcão, desleal, histrião, ladrão, porcalhão, polochão! (OS SOLDADOS SE ATIRAM SOBRE OS UBUS, QUE SE DEFENDEM O MELHOR QUE PODEM) PAI UBU - Deux! Que reforços! MÃE UBU - Nós temos pés, senhores poloneses. PAI UBU - Pela bela vela verde, será que isto terá fim no final do final? Mais um! Se eu tivesse aqui o meu cavalo das phynanças! BUGRELAU - Batam, não parem de bater. VOZES DE FORA - Viva o Pai Ubú, nosso grande financista! PAI UBU - Ah! chegaram! Hurra! Chegaram os Pais Ubus. Avante, venham, precisamos de vocês, senhores das Finanças! (ENTRAM OS PALOTINS QUE SE LANÇAM NO COMBATE) COTICA - Pra fora os poloneses! PILA - Han! Nós nos reencontramos, Senhoire das finanças. Avante, pressionem com vigor, ganhem a porta, uma vez lá fora é só correr. PAI UBU - Oh! Isto é minha força máxima. Olha como bate. BUGRELAU - Deus! Estou ferido. STANISLAU LECZINSKI - Não é nada, senhor. BUGRELAU - Não, só estou artudido. JEAN SOBIESKI - Batam, batam sem parar, eles estão alcançando a porta, os tratantes. COTICA - Estamos chegando, sigam todos. A conseqüência é que já estou vendo o céu. PILA - Coragem, senhor Ubu. PAI UBU - Ah! já fiz nas calças. Avante, cornoralho! Matem, sangrem, esfolem, massacrem, corno d’Ubu! Ah! está diminuindo!
  39. 39. 39 COTICA - Só há mais dois guardando a porta. PAI UBU (Aniquilando-os com golpes de urso) - É um, é dois! Ufa! Estou fora! Fujamos! Sigam os outros, e vivamente! CCEENNAA IIIIII (A CENA REPRESENTA A PROVÍNCIA DE LIVÔNIA COBERTA DE NEVE) (OS UBUS E SUA COMPANHIA EM FUGA.) PAI UBU - Ah! acho que eles desistiram de nos pegar. MÃE UBU - É. Brugrelau foi se coroar. PAI UBU - Eu não quero aquela coroa dele. MÃE UBU - Tem toda razão, Pai ubu. (ELES DESAPARECEM AO LONGE) CCEENNAA IIVV (CONVÉS DE UM NAVIO QUE DESLIZA TOCADO PELO VENTO DO BÁLTICO) (SOBRE O CONVÉS PAI UBU E TODO SEU BANDO.) O COMANDANTE - Ah, que bela brisa. PAI UBU - É fato que deslizamos com uma rapidez prodigiosa. Devemos estar fazendo pelo menos um milhão de nós por hora. E esses nós têm isso de bom: uma vez feitos, não se desfazem mais. Na verdade, temos vento por trás. PILA - Que triste imbecil. (UMA RAJADA SURGE, O NAVIO DEITA E TOCA O MAR) PAI UBU - Oh! Ah! Deus! Vamos virar. Está indo atravessado, teu barco vai tombar. O COMANDANTE - Todos a favor do vento, armem a vela de proa! PAI UBU - Ah! mas não, por exemplo! Não se ponham todos do mesmo lado. E imprudente. Suponham que o vento venha a mudar de direção: todo o mundo iria para o fundo d’água e os peixes nos comeriam. O COMANDANTE - Não cheguem mais, amarrem forte e firme! PAI UBU - Cheguem sim, cheguem sim. Eu estou com pressa! Cheguem sim, entenderam! A culpa é sua, bruto capitão, se nós chegarmos. Já devíamos ter chegado. Oh! Oh, mas vou eu comandar, então! Preparar para virar! Que vá com Deus. Molhar, virar contra o vento, virar vento a favor. Içar as velas, recolher as velas, barra pra baixo, barra pra cima, barra por lado. Estão vendo, vai indo muito bem. Rompam as ondas e aí estará perfeito. (TODOS SE RETORCEM, A BRISA REFRESCA) O COMANDANTE - E levar a bujarrona, pegar um cabo da mezena! PAI UBU - Não está nada mau, está até bom! Escutou, senhora Tripulação? Levem a boa jarrona com um bocado de maizena.
  40. 40. 40 (ALGUNS AGONIZAM DE TANTO RIR. UMA ONDA ATINGE O BARCO) PAI UBU - Oh! Que dilúvio! Isso é efeito das manobras que nós ordenamos. MÃE UBU E PILA - Que coisa deliciosa é a navegação. (MAIS UMA ONDA ATINGE O BARCO) PILA (Encharcado) - Desconfiem de Satã e de suas pombas. PAI UBU - Senhor garçon, traga-nos bebida. (TODOS SE PÕEM A BEBER) MÃE UBU - Ah! que delícia vai ser logo rever a doce França, nossos velhos amigos e nosso castelo de Mondragão! PAI UBU - É. Vamos chegar logo. Dentro de instantes estaremos chegando ao castelo de Elsinor. PILA - Sinto-me feliz com a idéia de rever a minha querida Espanha. COTICA - Vamos deslumbrar nossos compatriotas com as narrativas de nossas maravilhosas aventuras. PAI UBU - Oh! Evidentemente! E eu vou me nomear Mestre das Finanças em Paris. MÃE UBU - É isso aí! Ah! que marola! COTICA - Não é nada. Acabamos de dobrar a ponta de Elsinor. PILA - E agora nosso nobre navio desliza a toda velocidade sobre as ondas sombrias do mar do Norte. PAI UBU - Mar bravio e inospitável que banha um país chamado Germânia, assim chamado porque os habitantes desse país são todos primos “germãos”. MÃE UBU - Isso é que chamo de erudição. Dizem que é um país muito bonito. PAI UBU - Ah! senhores! Por mais belo que seja não vale a Polônia. Se não existisse a Polônia, não existiriam os poloneses! FIM

×