Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1

10.450 visualizações

Publicada em

Treinamento realizado pelo engenheiro agrônomo Endy de Freitas Sarkis em duas unidades do grupo noble bionergia - Unidade Sebastianópolis do sul e Unidade Meridiano.

Publicada em: Tecnologia
1 comentário
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Conhecimento Real o técnico formado pela Microsoft no
    Microsoft Learning nós acreditamos no ditado: 'A única coisa constante é a mudança'. Principalmente quando se trata de tecnologia. Por essa razão, estamos sempre avaliando e atualizando as Certificações Microsoft, a fim de acompanhar a evolução do mercado. O fato de receber uma Certificação Microsoft não só mostra que você está em dia com os produtos e as plataformas mais recentes da Microsoft, como também demonstra sua experiência relacionada a um determinado trabalho e suas habilidades técnicas para a resolução de problemas Gular Salgado, Goiatuba cidade do futuro.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.450
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
290
Comentários
1
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Treinamento Irrigação e Fertirrigação Parte 1

  1. 1. TREINAMENTOFERTIRRIGAÇÃO 2012/2013
  2. 2. Safra 2012• Procedimentos• Rendimento• Metas• Segurança do Trabalho
  3. 3. Plano de Safra Noble Bioenergia Sebastionópolis do Sul• Dias de safra : 198• Estimativa de moagem : 3 milhões/ton• Produção açúcar: 5 milhões de sacos• Produção Etanol: 91.000 m3
  4. 4. Montagem de rede• É proibido transportar tubos atrelados um ao outro durante a montagem da linha.• Esticar a rede a cada 24 tubos.• Calçar os tubos no caso de passagem em algumas lombadas e curva de nível.• Colocar sempre um tubo de segurança após o ultimo carretel.• Evitar vazamentos na linha.• Montar a rede sempre alinhada (reta).• Fazer sempre a organização do material em campo.• Verificar a presença de anel durante a montagem.• Estaquear as curvas. ( 3 estacas por curva )
  5. 5. CALÇAR OS TUBOS
  6. 6. MANTERSEMPREALINHADA AREDEEVITARVAZAMENTOS NAREDE
  7. 7. Desmontagem da rede• ORGANIZAÇÃO• CUIDADO• ESVAZIAR A REDE EM VARIAS PARTES.
  8. 8. Equipamentos para montagem das redes.• Tubos de alumínio de 8”• Válvulas de linha de 8 ”• Tampão final• Carreta transporte de tubos• Válvulas de derivação• Abraçadeiras 6” e 8”
  9. 9. Transporte de Tubos• Cuidado no carregamento, transporte e descarregamento.• Amarrar a carga com corda.• Válvulas de linha, curva de derivação, e outros equipamentos tem que ser transportados em lugar apropriado dentro da carreta.• Não transporte nada em cima dos tubos, isso pode danificar os mesmo.
  10. 10. BALIZAMENTO• DEVE SER REALIZADO EM TODO TURNO. (A— B—C)• SEGUIR O PLANEJAMENTO.• CONSERVAR BALIZAS E COMPASSO.• OBRIGATORIO O BALIZAMENTO NO QUAL NÃO SERA REALIZADO IRRIGAÇÃO EM LOCAIS ONDE NÃO ESTIVER BALIZADO.
  11. 11. Moto BombaVerificação diárias
  12. 12. •Limpeza das Colméias•Nível de líquido do radiador.
  13. 13. •Verificação de níveis de óleo
  14. 14. •Tensão das correias do motor diesel.
  15. 15. •Estado da conservação das gaxetas
  16. 16. •Nível de combustível
  17. 17. Posicionamento da moto bomba no canal / caixa.• Nivelada• Chupão tem que estar completamente imerso na vinhaça/água, pois se houver entrada de ar na sucção, haverá “cavitação”.• O aparecimento de roda moinho, sobre o chupão, indicará que é necessário afundar mais.• Operador tem que estar atento para evitar sujeiras no chupão.• Observar o mangote durante toda a operação.
  18. 18. Observações importantes• Trepidações Anormais no conjuntos de moto bombas:• Pode estar desalinhada do acoplamento.• Caso continue o bombeamento:• Quebras de eixos da bomba• Danos nos rolamentos dos mancais.• Danos nas lonas do acoplamento.
  19. 19. Operação do Conjunto• Inspeção do conjunto antes de ligar:• Nível de vinhaça / água na caixa / canal.• Válvula fechada.• Mangote bem conectado na tubulação.• Balão cheio.
  20. 20. Iniciar Bombeamento:• Acionar a chave de partida.• Aquecer o motor a 1000 RPM por 3 minutos com a válvula borboleta fechada.• Abrir a válvula borboleta lentamente e aguardar o enchimento da tubulação/carretel.• Acelerar até que o aspersor atinja a pressão desejada:Obs: PRESSÃO NO CANHÃO 5.0 KG
  21. 21. Interromper o bombeamento:• Baixar a rotação do motor para 1000 RPM• Fechar lentamente a válvula borboleta.• Manter o motor em funcionamento por 1 minuto para que possa baixar a temperatura.• Desligar o motor através do afogador• Nota: nunca de uma ultima acelerada desligue o motor, pois a turbina aquece e fica sem lubrificação.
  22. 22. • Quando se desliga o bombeamento,não devemos esquecer que a vinhaça continua correndo dentro do canal, portanto se não quisermos correr o risco de acidentes ecológicos de grande monta (e de grandes multas também) os OPERADORES tem que estar com tudo preparado antes de desligar a moto bomba, até mesmo em casos de interrompimentos não programados (emergências).
  23. 23. Erros comuns na operação• Partida do motor com a válvula borboleta aberta: Danos causados: Diminui a vida útil do motor diesel. Motores diesel presença de fumaça em excesso saindo pelo escape.• Serpenteamento dos tubos.
  24. 24. • Fechar a válvula borboleta com o motor em alta rotação. Este causaria o que chamamos de golpe de aríete. Ou seja o retorno da onda do fluido em uma velocidade muito grande encontrando um ponto de choque (válvula fechada).• Desligar o motor antes de fechar a válvula borboleta. Também tem como conseqüência a formação do golpe de aríete, mas só que agora dentro da bomba centrifuga.
  25. 25. • Acabar a vinhaça / água do canal / caixa com o motor á plena carga. É muito mais comum à noite mas pode acontecer durante todo dia. O risco principal é a cavitação da bomba e com isto, a redução drástica de sua vida útil.
  26. 26. • Não é admissível a ocorrência de vazamentos de vinhaça na cana (curvas cheias, escorrimento, poças) e rede de tubulação, pisoteio, sendo grande a responsabilidade do operador para que isto não ocorra.• Para que isto não ocorra. O operador deve planejar antecipadamente o que fará.
  27. 27. Hidro Roll• O carretel enrolador é um sistema de irrigação mecanizado sobre rodas com deslocamento continuo sobre estrutura que se movimenta automaticamente sobre o campo por ação hidráulica.• Constitui-se basicamente de um conjunto motriz (turbina hidráulica e redutor de velocidade) que aciona o carretel conectado a uma mangueria especial de polietileno. A outra extremidade desta é ligada a um carro irrigador com canhão aspersor, tendo uma eficiente distribuição de água e vinhaça.
  28. 28. Metas safra 2012• VELOCIDADE DE TRABALHO = 75 m/Hora• PRESSÃO DE TRABALHO = 10 kgf no carretel.• 7,5 hectares realizados por carretel pelos 3 turnos, ou seja cada turno vai realizar 2,52 Ha.• Cada carretel vai vencer em 4 horas, ou seja 350 metros esticados em 4 horas ele vence.
  29. 29. REDUTOR FREIO MANÔMETRO
  30. 30. GUIAEIXO POSICIONADOR ROLINHOS
  31. 31. PAINEL SOLAR
  32. 32. PAINEL MOTOREDUTORROLINHOS
  33. 33. CARENAGEM MANCALCORRENTE DO GUIA
  34. 34. TURBINA

×