UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA-UFRA  DISCIPLINA: ZOOLOGIA  PROFª ANDRÉA BEZERRA                                   ...
crescer, um processo denominado ecdise - que coloca este filo no grupo dosEcdysozoa, juntamente com os artrópodes e outros...
Na cópula, os machos depositam os seus espermatozóides no poro genital dasfêmeas. Os machos não possuem poro genital, e a ...
Ordem DorylaimoideaEstão entre os nemátodes mais comuns no solo e na água doce, sendo caracterizadospela faringe do tipo d...
Aphelenchoides, Heterodera e Meloidogyne. Os gêneros Heterodera e Meloidogynesão os mais importantes e portanto serão trat...
comumente encontradas perto da superfície das raízes, podendo também ocorrerdentro das galhas.       O ciclo de vida é cur...
Ancylostoma e Necator      O Ancylostoma duodenale e o Necator americanus são espécies aparentadas devermes parasitas nema...
PrevençãoUtilização de calçados (sapato ou sandália), evitando o contato direto com o solocontaminado; Fornecimento de inf...
O período de incubação entre a ingestão do ovo e a chegada do parasito adultoao lúmen intestinal dura cerca de dois meses....
TricuríaseTrichuris trichiura       A Tricuríase ou Tricuriose é uma parasitose intestinal causada pelo nemátodeTrichuris ...
Diagnóstico e TratamentoO diagnóstico é feito pela obervação ao microscópio dos ovos do parasita em amostrasfecais. Fármac...
O período de incubação pode ser de um mês ou vários meses. A maioria doscasos é assintomática, contudo existe produção de ...
ovos (40 micrómetros) que são lavados ou ficam agarrados à roupa interior, caiem emisturam-se no pó, ou podem ainda ser le...
sensivelmente a positividade do achado dos ovos de E. vermicularis e, se realizado em  dias consecutivos, com no mínimo tr...
pseudocoelomate Bilateria. McGraw-Hill: New York, 1951.Lordello, L. G. E. Nematóides das plantas cultivadas. Nobel: São Pa...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apostila nematoda

5.477 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.477
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
136
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila nematoda

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA-UFRA DISCIPLINA: ZOOLOGIA PROFª ANDRÉA BEZERRA FILO NEMATODA Nematoda Os nematódeos ou nemátodos (também chamados de vermes cilíndricos) são considerados o grupo de metazoários mais abundante na biosfera, com estimativa de constituírem até 80% de todos os metazoários, com mais de 20.000 espécies já descritas, de um número estimado em mais de 1 milhão de espécies atuais, que incluem muitas formas parasitas de plantas e animais. Apenas os Arthropoda apresentam maior diversidade. O nome vem da palavra grega nema, que significa filo. Características Geraiso São triblásticos, protostômios, pseudocelomados.o Seu corpo cilíndrico, alongado e não segmentado exibe simetria bilateral.o Possuem sistema digestivo completo, sistemas circulatório e respiratório ausentes; sistema excretor composto por dois canais longitudinais (renetes-formato de H); sistema nervoso parcialmente centralizado, com anel nervoso ao redor da faringe. Ecologicamente são muito bem-sucedidos, sendo tal fato demonstrado pela alta diversidade de espécies. Encontram-se em todos os habitats, terrestres, marinhos e de água doce e chegam a ser mais numerosos que os outros animais, tanto em número de espécies, como de indivíduos. Algumas espécies são microscópicas, enquanto uma espécie, parasita do cachalote pode atingir 13 metros de comprimento. Recentemente, aclamou-se que os nematódeos são uma das três principais radiações de organismos multicelulares que têm produzido a maioria das espécies do mundo, sendo as outras radiações os insetos e os fungos. Anatomia dos nematódeos Os nematódeos de vida livre são pequenos, geralmente menores do que 2,5 mm de comprimento e tem o corpo construído no mesmo plano fundamental, um cilindro quase perfeito, nu, delgado e alongado, com aspecto filiforme, em sua maioria, ou fusiforme. O animal é essencialmente um tubo dentro de outro tubo: o tubo externo é a parede corpórea, constituída, externamente, por uma cutícula complexa e, internamente, por uma camada de músculos longitudinais. O tubo interno é o trato digestivo, que é terminal na extremidade anterior mas subterminal posteriormente. Entre a parede e o tubo digestivo há a cavidade corpórea ou pseudoceloma, preenchida por líquido, que funciona como um "esqueleto hidrostático", além de favorecer a distribuição de nutrientes e recolher excretas, e na qual se encontram os órgãos reprodutores. A epiderme é sincicial, ou seja, formada por uma massa celular multinucleada e produz uma cutícula depositada externamente a ela. A cutícula é acelular, lisa, resistente e oferece proteção para o animal; em algumas formas, ela apresenta projeções que ajudam na locomoção. A cutícula tem de ser mudada para o animal
  2. 2. crescer, um processo denominado ecdise - que coloca este filo no grupo dosEcdysozoa, juntamente com os artrópodes e outros filos. Seus músculos são exclusivamente longitudinais, dispostos no sentido docomprimento do corpo. Isso faz com que a sua capacidade de locomoção seja maislimitada que a dos platelmintos. Os músculos são ativados pelas cadeias nervosas, que se encontram ao longo detodo o corpo do animal, uma na região ventral e outra na dorsal. Ao contrário deoutros animais, em que os nervos se ramificam para os músculos, nos nematódeos sãoos músculos que se ramificam para atingirem os cordões nervosos. Estes cordõesligam-se a um anel à volta da faringe e possuem vários gânglios adicionais perto daextremidade anterior, mas sem formar um verdadeiro cérebro. Nessa regiãoencontram-se órgãos sensoriais reduzidos. O tubo digestivo dos nematelmintos é completo, ou seja, possui um orifício deentrada de alimentos (a boca) e um outro orifício de saída de dejetos (o ânus) - sãoenterozoários completos. Na boca, podem ser encontradas placas cortantes semelhantes a dentes, comas quais os nematelmintos podem perfurar os tecidos de outros seres vivos. A faringeé musculosa e serve para esmagar os alimentos e também para os dirigir para ointestino, que não possui qualquer musculatura. O alimento é completamente digeridopelas enzimas que atuam sobre ele no interior do tubo digestivo, e os nutrientes sãopassados para a cavidade do corpo para serem distribuídos pelas células. Muitos nematelmintos de vida livre são carnívoros e se alimentam de pequenosanimais ou de corpos de animais mortos. Os parasitas intestinais recebem o alimentojá parcialmente digerido pelo hospedeiro. Assim como os platelmintos, os nematelmintos são avasculares (não possuemsistema circulatório). A cavidade corporal (o pseudoceloma) contém um líquido, e acontínua movimentação desse líquido, propiciada pela contração da musculaturalongitudinal do corpo, permite uma relativa distribuição de materiais entre asdiferentes partes do corpo. Eles não possuem órgãos respiratórios. As trocas gasosas acontecem nasuperfície corporal, por difusão. Os nematelmintos de vida livre são aeróbicos e obtêmo oxigênio no meio onde vivem. Os parasitas são geralmente anaeróbicos e fazemfermentação. Dessa forma não requerem oxigênio e a maioria não elimina CO2, porquerealizam a fermentação láctica, que não libera esse gás. Os resíduos metabólicos são excretados a partir do líquido que ocupa opseudoceloma, por meio de dois tubos longitudinais ligados por um menor, transversal.A distribuição desses tubos, no corpo, dá a eles o nome de tubos em "H". Os doisramos longitudinais do sistema se abrem em orifícios próximos da boca.Reprodução e crescimento A maioria das espécies são dióicas, (realizam fecundação interna), ocorrendo emalgumas nítido dimorfismo sexual: normalmente os machos são menores que as fêmeas,apresentam espinhos copulatórios e possuem a cauda encurvada.
  3. 3. Na cópula, os machos depositam os seus espermatozóides no poro genital dasfêmeas. Os machos não possuem poro genital, e a saída dos espermatozóides ocorrepelo ânus. Também são características exclusivas dos nematódeos a ausência de célulasciliadas e os espermatozóides amebóides, sem flagelo, deslocando-se por pseudópodos. A fecundação acontece dentro do corpo da fêmea (fecundação interna). Depoisde fecundado, o zigoto se desenvolve dentro de um ovo com a casca resistente. Muitasespécies eliminam os ovos fecundados para o ambiente, onde as primeiras divisões seprocessam e o ovo se torna embrionado. O ciclo evolutivo pode ser direto ou indireto, dependendo da formação de larvaspor dentro ou fora dos ovos. Ecologia dos nematódeos A maioria dos nemátodos é de vida livre, habitantes de solo húmido, areia, deáguas estagnadas e até mesmo do plâncton. Entre os parasitas, além daqueles que têmo homem como seu hospedeiro, há espécies que infestam outros animais ou plantas(raízes, frutos). Muitos nematódeos podem suspender os processos vitais quando as condiçõesambientais se tornam desfavoráveis e encistar, numa forma que é capaz de sobrevivera condições extremas de secura, calor ou frio e depois voltar à "vida" quando ascondições são favoráveis. Este processo é conhecido como criptobiose e, entre osanimais é encontrado apenas entre os nematódeos, os rotíferos e os tardígrados.Nemátodes fitoparasitasNemátodes fitoparasíticos podem ser ecto- ou endo-parasitas; todos têm estiletes,mas enquanto alguns se mantêm no solo, com apenas o estilete no tecido vegetal,outros enterram a cabeça na planta e alguns entram na planta por inteiro, o quegeralmente provoca um inchaço ou uma galha. As galhas são estruturas vegetaisdeformadas pela presença do verme, dentro das quais o verme se desenvolve e podesobreviver por muito tempo quando dessecado (há relatos de vermes sobrevivendo por27 anos em galhas, apesar de serem raros; Dilendus dipsaci, que ataca pepinos, alho eoutras culturas, sobrevive por 4 a 9 anos em galhas, dependendo do material vegetalusado.É interessante notar que as fases infectantes de fitoparasitas têm grandes reservasnutricionais, tendo em vista que eles não se alimentam até achar um hospedeiro. Asfases infectantes de Heterodera podem viver no solo por até um ano, e outrostilenquídios conseguem sobreviver por pelo menos algumas semanas.Juvenis infectantes aparentemente são atraídos a novas plantas por exsudações,sendo capazes de percorrer distâncias de até 2,5 m para chegar a um hospedeiro.Tendo em vista que provavelmente o estilete não é utilizado para penetrar na planta,apenas para perfurar as células e sugar o conteúdo, a penetração ocorre em pontosfracos da raiz, de modo que os nemátodes são atraídos pelas feridas.
  4. 4. Ordem DorylaimoideaEstão entre os nemátodes mais comuns no solo e na água doce, sendo caracterizadospela faringe do tipo dorylaimoide e por um estilete oco protrusível na cavidade bucalpelo qual o alimento - sucos animais e vegetais - é sugado.Muitos existem apenas como fêmeas, sendo provavelmente partenogênicos. Quando hámachos, eles podem ser monórquicos ou diórquicos, com duas espículas de tamanhosaproximadamente iguais. As fêmeas têm dois ovários refletidos.O principal gênero é o Dorylaimus, cujas quase 200 espécies têm um estilete simplescom um anel-guia. O gênero Xiphinema é de interesse pois transmite o vírus domosaico árabe. Outros vermes dessa ordem podem ser de interesse agrícola quandosão ectoparasitas de plantas economicamente importantes. Os nematelmintos nãopossuem sistemarespiratório e a respiração é cutânea ou tegumentar, feita através dadifusão.Ordem Rhabditoidea ou AnguilluloideaÉ uma ordem grande, com nemátodes de tamanho moderado cujos anfídeos foramreduzidos a pequenos bolsos e cujos órgãos sensoriais cefálicos são todos em formade papilas. A faringe apresenta um ou dois bulbos, geralmente dois, sendo um deles umpseudobulbo e o outro um bulbo valvulado. Glândulas anais são vestigiais. O sistemareprodutor feminino geralmente é didélfico com ovários refletidos;, podendo tambémser monodélfico, e não possui uma musculatura desenvolvida. Machos comumentepossuem alae caudais formando uma bursa, e as espéculas são iguais e acompanhadospor um gubernáculo.A família Tylenchidae, caracterizada por um estilete bucal e pela forma assimétricado sistema excretor com canais unilaterais, inclui os fitoparasitas mais importante.Membros desta família se alimentam de seiva vegetal penetrando na planta eperfurando suas células e tecidas com o estilete, usando então a faringe musculosapara sugar a seiva. A sua faringe é caracterizada por uma bulba muscular mediana euma região glandular inchada posterior. A classificação proposta por Filipjev eStekhoven (hyman p. 296) divide a faringe em dois tipos: o tipo tilencóide(tylenchoid), onde o inchaço glandular forma um bulbo compacto, e o tipo afelencóide(aphelenchoid), no qual o inchaço se projeta para trás como um lobo sobre a parteanterior do intestino.Dentre os tilencóides, destaca-se o Ditylenchus dipsaci, conhecido em inglês como"stem-and-bulb eelworm", que ataca uma grande variedade de plantas, entre elascenteio, aveia, trevo, alfafa, lírio, jacinto, cebola, gladíolo, narciso. O gênero Anguinapossui espécies como A. agrostis, que provoca galhas nas inflorescências vegetais, e oA. tritici, que transforma grãos de trigo em galhas.As galhas contém juvenis dormentes que escapam quando as galhas amolecem eapodrecem nas chuvas da primavera, infectando então novas plantas.Entre os gêneros com a faringe do tipo afelencóide estão: Rotylenchus, Aphelenchus,
  5. 5. Aphelenchoides, Heterodera e Meloidogyne. Os gêneros Heterodera e Meloidogynesão os mais importantes e portanto serão tratados aqui com mais detalhes.Heterodera O gênero Heterodera, cujas principais espécies são H. schachtii (que ataca abeterraba-doce e outras plantas das famílias Chaenopodiaceae e Cruciferae) e H.rostochiensis (que ataca plantações de batata, sendo muito prejudicial devido àgrande quantidade de vermes que podem ser encontrados em uma única planta),contém os nemátodes formadores de cistos verdadeiros. Apresentam, dentre osnemátodes, a maior alteração para o parasitismo e o maior grau de dimorfismo sexual. A penetração do hospedeiro é efetuada pelo segundo estágio, provavelmentepor alguma parte enfraquecida da planta. Eles perfuram as células e sugam seuconteúdo, geralmente provocando a formação de uma galha onde vivem até atingir amaturidade sexual. Ocorrem algumas mudas sucessivas, geralmente três, com as quaisas fêmeas se tornam cada vez mais inchadas, finalmente assumindo um formato depêra ou limão. Elas podem ficar na galha ou se protrair dela parcialmente. Os machos também passam por mudas, mas mantém a forma alongada. Eles saemda raiz, podendo ficar presos a ela pela cabeça, e a fecundação ocorre quando o machoencontra a fêmea imóvel (o macho morre depois de fecundar a fêmea). Feita a fecundação, os ovos maturam dentro do corpo da fêmea, geralmenteentre 200 e 500 ovos por indivíduo, após o que a fêmea degenera, deixando a cutículae, em alguns casos, uma exsudação gelatinosa como proteção para os ovos. Podetambém ser coberta pela "camada sub-cristalina", possivelmente produzida por umfungo simbionte. Quando as partes infectadas da planta se degeneram os cistos são liberados nosolo; dentro deles se desenvolvem os juvenis de segunda fase, os quais então escapampara o solo, onde podem viver por alguns meses, até um ano, sem se alimentar,penetrando num novo hospedeiro quando o encontram. Na ausência de condiçõesfavoráveis os cistos secos podem viver por até oito anos, apesar de o número de ovosviáveis neles diminuir.Meloidogyne São conhecidos como "root-knot" nematodes, sendo encontrados principalmenteem regiões tropicais. Como em Heterodera, a fase infectante é o segundo estágio juvenil, a qualpenetra próximo da ponta das raízes, de modo que a larva de primeiro estágio fica noovo até a primeira muda. Enquanto se alimentam, as larvas se tornam inchadas e otecido vegetal forma uma galha. Os vermes passam pela série de mudas característica,e os machos e fêmeas são formados. Os machos são de formato normal, podendo serencontrado em quantidade pequena; as fêmeas são inchadas, em forma de maçã. Na maior parte das espécies ocorre a fecundação, apesar de algumas serempartogenéticas. Os ovos são depositados em número de até 500, a extremidadeposterior da fêmea sendo protraída da superfície da galha. Massas de ovos são
  6. 6. comumente encontradas perto da superfície das raízes, podendo também ocorrerdentro das galhas. O ciclo de vida é curto (em torno de 3 semanas), de modo que várias geraçõesocorrem em uma única estação. Deve-se notar que esses vermes não podem ser considerados formadores decistos, pois ovos são postos pelas fêmeas. As galhas são formados por tecidosvegetais, como explicado abaixo.Formação de galhas Galhas são formadas por diversas espécies da família Tylenchidae, entre elasAnguina tritici, que forma galhas em grãos de trigo; espécies do gênero Heterodera; eo gênero Meloidogyne. A formação de uma galha envolve o aumento da quantidade de células(hiperplasia) e do seu tamanho (hipertrofia); o verme fica alojado em espaçosresultantes da ruptura de células, alimentando-se de células que ele induz a setransformarem em fonte de alimentação para ele. Os vermes podem ser cercados por três a seis células gigantes, resultantes deeventos de carioquinese sem citocinese no caso de Meloidogyne e da fusão de umacélula alimentícia inicial com células que a cercam no caso de nematóides formadoresde cistos (essas últimas seriam mais corretamente denominadas de sincícios). Ascélulas que cercam as células gigantes, em contraste com essas, são pequenas e namaior parte das vezes continuam diplóides. Tanto em células gigantes quanto em sincícios, o citoplasma torna-se denso, ovacúolo grande sendo substituídos por vacúolos pequenos.Filogenia e ClassificaçãoOs nemátodos foram originalmente classificados como Nemata por Nathan Cobb, em1919; mais tarde foram considerados do filo Aschelminthes, por possuírem umacavidade preenchida por líquido, que não é um verdadeiro celoma e, maisrecentemente, restaurado o estatuto de filo dentro do grupo Ecdysozoa, ao qualpertencem também os Arthropoda, por se considerar terem a mesma filogenia.Apesar de não possuírem partes duras, foram encontrados fósseis de nemátodos doperíodo Carbonífero (com mais de 280 milhões de anos) mas, uma vez que algunsgrupos relacionados com eles foram encontrados em formações do período Cambriano,é provável que eles tenham aparecido no mesmo período (ver Explosão Cambriana).Têm também sido encontrados nemátodes em âmbar (resina fossilizada) da eraCenozóica.Ancilostomíase A Ancilostomíase (também designada Ancilostomose) e a Necatoríase são duasdoenças semelhantes causadas pelos parasitas nemátodes relacionados Ancylostomaduodenale (Velho Mundo) e Necator americanus (Novo Mundo). É conhecidapopularmente como amarelão.
  7. 7. Ancylostoma e Necator O Ancylostoma duodenale e o Necator americanus são espécies aparentadas devermes parasitas nemateomintos, com corpos filiformes e fêmeas (com até umcentímetro) maiores que machos. As suas extremidades anteriores têm a forma de umgancho, especialmente nos Necator, e possuem boca armada com placas ou espinhosduros. A Ancilostomíase e a Necatoríase são duas doenças semelhantes causadas pelosparasitas nemátodes relacionados Ancylostoma duodenale(Velho Mundo) e Necatoramericanus (Novo Mundo).Ciclo de vida Os ovos têm 60 micrômetros e são expulsos pelas fezes humanas. Na terraquente e úmida, os ovos chocam libertando larvas que amadurecem em forma livre naterra mas são sensíveis à desidratação, quando eliminados nas fezes são avermelhadospor causa da hematofagia e histiofagia que fazem no trato gastrintestinal doshospedeiros. A larva rabditóide leva por volta de uma semana para tornar-sefilarióide, a qual é capaz de viver por mais de um mês, procurando encontrar umhóspedeiro humano. Se conseguirem, elas são capazes de penetrar na pele intacta.Dentro do organismo, invade os vasos linfáticos e depois sangüíneos e migram pelasveias para os pulmões via coração. Permanece nos alvéolos dos pulmões durante algumtempo, e depois sobe (ou é tossida) pelos brônquios até à faringe, onde é deglutidaincoscientemente para o esôfago. Após passar pelo estômago (a sua cutícularesistente permite-lhe suportar o ambiente ácido) passa ao duodeno (intestino). É aíque se desenvolvem e acasalam as formas adultas, produzindo mais de 10.000 ovos pordia.Progressão e Sintomas Assim que penetram na pele do hospedeiro, as larvas de ancilostomideos podemprovocar, no local da penetração, lesões traumáticas, seguidas por fenômenosvasculares.Após alguns minutos, aparecem os primeiros sinais e sintomas: umasensação de picada, hipertermia, prurido e edema resultante do processo inflamatórioou dermatite urticariforme. Pode, no entanto, haver prurido e exantema (peleinflamada). O periodo de incubação até surgirem os sintomas intestinais é de um oudois meses, e podem durar anos. Quando as larvas atravessam os aoveolos podemprovocar uma reação inflamatória (aoveolite). Após deglutidas e fixadas geralmente nofinal do duodeno (podendo tambem de fixarem no ilio ou ceco em casos de infecçõesmaciças)onde se tornam adultos. A hitiofagia e hematofagiapodem formar ulcerasintestinais, anemia e hipoproteinemia.Diagnóstico e TratamentoO diagnóstico é feito somente por exames de fezes, que é feito através daobservação com auxílio de microscópiopelos profissionais responsáveis.
  8. 8. PrevençãoUtilização de calçados (sapato ou sandália), evitando o contato direto com o solocontaminado; Fornecimento de infra-estrutura básica para a população,proporcionando saneamento básico e condições adequadas de higienização;Ter o máximo de cuidado quanto ao local destinado ao lazer das crianças, pois acabambrincando com terra; Educação da comunidade, bem como o tratamento das pessoasdoentes.AscaridíaseAscaris lumbricoides A ascaridíase ou ascaríase é uma parasitose geralmente benigna causada peloverme nemátode Ascaris lumbricoides, também conhecido popularmente comolombriga. São vermes nemátodes, ou seja fusiformes sem segmentação, e com tubodigestivo completo. A reprodução é sexuada, sendo a fêmea (com até 40cm decomprimento) bastante maior que o macho, e com o diâmetro de um lápis. Os ovos têm50 micrometros e são absolutamente invisíveis a olho nu. O ser humano infectado libera, junto às fezes, ovos do parasita. Assim a larvase desenvolve em ambientes quentes e úmidos (por exemplo, o solo nos paísestropicais) no qual permanece dentro do ovo. A infecção ocorre por meio da ingestãodos ovos infectantes em água ou alimentos, principalmente verduras. As larvas sãoliberadas no intestino delgado e alcançam a corrente sanguínea através da parede dointestino. Infectam o fígado, onde crescem durante menos de uma semana e entramnos vasos sanguíneos novamente, passando pelo coração e seguem para os pulmões. Nospulmões invadem os alvéolos, e crescem mais com os nutrientes e oxigênio abundantesnesse órgão bem irrigado. Quando crescem demasiados para os alvéolos, as larvassaem dos pulmões e sobem pelos brônquios chegando à faringe onde sãomaioritariamente deglutidas pelo tubo digestivo, passando pelo estômago, atingem ointestino delgado onde completam o desenvolvimento, tornando-se adultos.Apesar dehaver alguns casos em que são expectoradas saindo pela boca. A forma adulta viveaproximadamente dois anos. Durante esse período, ocorre a cópula e a liberação deovos que são excretados com as fezes.Epidemiologia Existem em todo o mundo sendo maior a prevalência em países tropicais, sendomuito frequente no Brasil. Há no mundo 1,38 bilhões de pessoas infectadas pelaparasitose segundo a OMS, ou seja, um quinto da humanidade. O ser humano é seuúnico hospedeiro. A transmissão se dá pela ingestão de água ou alimentoscontaminados com ovos infectantes.Progressão e Sintomas A grande maioria dos infectados tem apenas um número pequeno de lombrigasque não causam nenhum sintoma.
  9. 9. O período de incubação entre a ingestão do ovo e a chegada do parasito adultoao lúmen intestinal dura cerca de dois meses. Nesse período as larvas passam porvários orgãos, como fígado e pulmões. Normalmente não causam problemas na suamigração mas, particularmente se existirem em grandes números, podem causarirritação pulmonar com hemorragias e hemoptise (tosse com sangue). Outros sintomasnesta fase além da tosse são, falta de ar (dispneia) e febre baixa. Após chegada ao intestino e maturação nas formas adultas, os parasitosnutrem-se com o bolo alimentar e não são invasivos. Sintomas possíveis numa maioriaincluem nauseas, vômitos, diarréia e dor abdominal, particularmente se a carga deparasitas é alta. As complicações graves da ascaridíase são raras e predominantemente emcrianças que têm grande número de parasitos (devido muitas vezes às criançascomerem terra ou lamberem objetos sujos de terra). Assim, um grande número deadultos no intestino pode formar uma bolo de parasitos, que obstrui a passagem dosalimentos pelo intestino (íleo mecânico); grande número de parasitas na passagempelos pulmões e faringe podem provocar crises de asfixia; e a migração de parasitaspara os ductos biliares, pancreáticos ou apêndice resultar em colecistite, pancreatiteou apendicite. Pode também existir a forma errática da infecção (altas cargasparasitárias), onde os parasitos albergam órgãos não naturais da infecção podendoprovocar hemorragias internas.Diagnóstico e Tratamento O diagnóstico é feito pela observação microscópica de ovos nas fezes, atravésdo Exame Parasitológico de Fezes, pelo método do HPJ (Método de SedimentaçãoEspontânea). O diagnóstico também pode ser feito por testes imunológicos ou examesde imagem, como endoscopias, ultrassonografias e raio-x, sendo esses últimosacidentais.Fármacos utilizados no tratamento de ascaridíase são os azólicos como o mebendazolee o albendazol, em casos de obstrução intestinal, o indicado é que antes daadministração desses medicamentos seja utilizado praziquantel e óleo mineral. Otratamento deve ser repetido após algumas semanas para matar larvas que possamestar migrando e, portanto, inacessíveis aos fármacos administrados por via oral nointestino.Prevenção• Educação sanitária;• Saneamento básico, com ênfase para o destino adequado das fezes humanas;• Tratamento da água usada para consumo humano;• Cuidados higiênicos no preparo dos alimentos (particularmente de verduras);• Higiene pessoal;• Combate aos insetos domésticos, pois moscas e baratas podem veicular os ovos;• Tratamento das pessoas parasitadas;• Remédios Indicados Por Médicos.
  10. 10. TricuríaseTrichuris trichiura A Tricuríase ou Tricuriose é uma parasitose intestinal causada pelo nemátodeTrichuris trichiura. O T. trichiura é um verme fusiforme nemátode, e como todos, tem sistemadigestivo completo. Boca na extremidade anterior, abertura simples - sem lábios,seguido do esôfago bastante longo e delgado - 2/3 do comprimento. Na parteposterior, que é alargada, está o sistema reprodutor simples e o intestino. Os vermesadultos são dióicos, com dimorfismo sexual. Os machos tem em torno de 2,5 a 4 cm, asfêmeas são maiores que os machos, em torno de 4 a 5 cm. Os ovos têm o aspectotípico de barril ou bola de futebol americano ou a forma de limões, com cerca de 45 a65 micrómetros de comprimento por 20 a 25 micrômetros de largura, e massamucoide transparente nas duas extremidades (opérculos polares).Ciclo de Vida Os ovos são expelidos com as fezes e permanecem viáveis durante vários mesesou anos em solo úmido e quente, e são infecciosos assim que se desenvolve a larva noseu interior, o que demora algumas semanas. Se ingeridas, as larvas saem dos ovos nolúmen do intestino, migram para o ceco e penetram na mucosa intestinal. Aí sedesenvolvem, maturando em formas adultas depois de alguns meses, que permanecemcom a cauda no lúmen do intestino e a cabeça penetrando a mucosa. Se houver ummacho e uma fêmea, pelo menos, no mesmo individuo, acasalam e a fêmea põe mais de3000 ovos por dia, excretados nas fezes. As formas adultas podem sobreviverdurante vários anos. Alimentam-se do bolo intestinal mas também de sangue. Sãosemelhante ao Ascaris lumbricóides.Epidemiologia Haverá segundo a OMS milhões de pessoas infectadas em todo o mundo (umquinto da humanidade), principalmente em países tropicais em locais com condiçõespouco higiénicas. Esta infecção é cosmopolita, quase sempre sua prevalência segueparalelamente a do Ascaris lumbricoides, devido ser idêntico o modo de transmissão,devido a grande fertilidade das duas espécies de nematelmintos, bem como aresistência dos ovos às condições de meio externo e demais característicasepidemiológicas. Este parasita só afecta primatas.Progressão e Sintomas Se a carga de parasitas é baixa, a doença é assintomática, porém se for elevadapode ocorrer extensa necrose da mucosa intestinal com hemorragias e diarréiasanguinolenta, podendo progredir para anemia por déficit de ferro. Outros sintomassão a dor abdominal, perda de peso em indivíduos já desnutridos, flatulência e fadiga.Em casos incomuns pode ocorrer apendicite (se o verme entrar no apêndice e nãoconseguir sair) e prolapso rectal com hemorróidas.
  11. 11. Diagnóstico e TratamentoO diagnóstico é feito pela obervação ao microscópio dos ovos do parasita em amostrasfecais. Fármacos como mebendazol e oxantel matam as formas adultas.Filarose A filariose ou elefantíase é a doença causada pelos parasitas nematóidesWuchereria bancrofti, Brugia malayi e Brugia timori, comumente chamados filária, quese alojam nos vasos linfáticos, causando linfedema. Esta doença é também conhecidacomo elefantíase, devido ao aspecto de perna de elefante do paciente com estadoença. Tem como transmissor os mosquitos dos gêneros Culex, Anopheles, Mansonia ouAedes, presentes nas regiões tropicais e subtropicais. Quando o nematóideo obstrui ovaso linfático, o edema é irreversível, daí a importância da prevenção commosquiteiros e repelentes, além de evitar o acúmulo de água parada em pneus velhos,latas, potes e outros.Ciclo de VidaAs larvas são transmitidas pela picada dos mosquitos Culex, Mansonia, Anopheles eAedes. Da corrente sangüínea, elas dirigem-se para os vasos linfáticos, onde sematuram nas formas adultas sexuais. Após cerca de oito meses da infecção inicial(período pré-patente), começam a produzir microfilárias que surgem no sangue, assimcomo em muitos orgãos. O mosquito é infectado quando pica um ser humano doente.Dentro do mosquito as microfilárias modificam-se ao fim de alguns dias em formasinfectantes, que migram principalmente para a cabeça do mosquito.Epidemiologia Afeta 120 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo dados da OMS. Sóafeta o ser humano (outras espécies afetam animais).1. O Wuchereria bancrofti existe na África, Ásia tropical, Caraíbas e na América do Sul incluindo Brasil. Mosquitos Culex, Anopheles e Aedes. No Brasil o vetor primário e principal é o Culex quinquefasciatus.2. O Brugia malayi está limitado ao Subcontinente Indiano e a algumas regiões da Ásia oriental. O transmissor é o mosquito Anopheles, Culex ou Mansonia.3. O Brugia timori existe em Timor-Leste e Ocidental, do qual provém o seu nome, e na Indonésia. Transmitido pelos Anopheles. O parasita só se desenvolve em condições úmidas com temperaturas altas,portanto todos os casos na Europa e EUA são importados de indivíduos provenientesde regiões tropicais.Progressão e sintomas
  12. 12. O período de incubação pode ser de um mês ou vários meses. A maioria doscasos é assintomática, contudo existe produção de microfilárias e o indivíduodissemina a infecção através dos mosquitos que o picam. Os episódios de transmissão de microfilárias (geralmente à noite, a dependerda espécie do vetor) pelos vasos sanguíneos podem levar a reações do sistemaimunológico, como prurido, febre, mal estar, tosse, asma, fadiga, exantemas,adenopatias (inchaço dos gânglios linfáticos) e com inchaços nos membros, escroto oumamas. Por vezes causa inflamação dos testículos (orquite). A longo prazo, a presença de vários pares de adultos nos vasos linfáticos, comfibrosação e obstrução dos vasos (formando nódulos palpáveis) pode levar aacumulações de linfa a montante das obstruções, com dilatação de vasos linfáticosalternativos e espessamento da pele. Esta condição, dez a quinze anos depois,manifesta-se como aumento de volume grotesco das regiões afectadas, principalmentepernas e escroto, devido à retenção de linfa. Os vasos linfáticos alargados pela linfaretida, por vezes rebentam, complicando a drenagem da linfa ainda mais. Por vezes aspernas tornam-se grossas, dando um aspecto semelhante a patas de elefante, descritocomo elefantíase. O antiparasítico usado é dietilcarbamazina (DEC) que elimina as microfilárias eo verme adulto. Pode-se recorrer a cirurgia reparadora em caso de elefantíase (fasecrônica da doença). É importante tratar as infecções secundárias.PrevençãoHá um programa da OMS que procura eliminar a doença com fármacos administradoscomo prevenção e inseticidas. É útil usar roupas que cubram o máximo possível da pele,repelentes de insetos e dormir protegido com redes.Enterobiose Enterobíase/Enterobiose ou Oxiurose ou é o nome da infecção por oxiúros(Enterobius vermicularis), que são vermes nematôdeos com menos de 15 mm decomprimento e que parasitam o intestino dos mamíferos, principalmente primatas,incluindo o homem. É a única parasitose que ainda é hoje comum nos paísesdesenvolvidos, atingindo particularmente as crianças. O oxiúro é um verme nemátode pequeno e fusiforme. As fêmeas têm cerca de 1centímetro e cauda longa, enquanto os machos apenas 3 milímetros. Após deglutição dos ovos, as formas adultas formam-se no intestino. Aí macho efêmea acasalam, guardando a fêmea os ovos fecundados. O macho morre após a cópulae é expulso junto com as fezes. A fêmea então migra para o cólon distal e para orecto. De noite a fêmea sai do recto passando pelo esfincter e deposita os ovos namucosa anal e pele perianal, do lado externo do corpo, voltando depois para dentro.Este processo é extremamente irritante porque o contrário da mucosa do intestino,mucosa anal e a pele são muito sensíveis, de forma consciente, e os movimentos dafêmea são percebidos pelo hospede como prurido. As fêmeas põem mais de 10.000
  13. 13. ovos (40 micrómetros) que são lavados ou ficam agarrados à roupa interior, caiem emisturam-se no pó, ou podem ainda ser levados pelas fezes. É comum em casos dediarreia ou fezes moles, saírem fêmeas adultas também com as fezes, que são visíveismovendo-se à superfície da água do vaso sanitárioCiclo de vida do Enterobius vermicularis. Os vermes adultos vivem no intestino grosso e, após a cópula, o macho éeliminado. As fêmeas fecundadas não fazem oviposição no intestino e têm seu úteroabarrotado com aproximadamente 10.000 ovos. Em um determinado momento oparasita se desprende do ceco e é arrastado para a região anal e perianal, onde sefixa e libera grande quantidade de ovos. E. vermicularis é o parasita de maior poder de infecção, pois seus ovosnecessitam de apenas seis horas para se tornar infectantes.Ao serem ingeridos, os ovos sofrem a ação do suco gástrico e duodenal, libertando aslarvas que se dirigem ao ceco, onde se fixam e evoluem até o estágio adulto. A duraçãodo ciclo é em média de 30 a 50 dias. O sintoma característico da enterobíase é o prurido anal, que se exacerba noperíodo noturno devido à movimentação do parasita pelo calor do leito, produzindo umquadro de irritabilidade e insônia. Em relação às manifestações digestivas, a maioria dos pacientes apresentanáuseas, vômitos, dores abdominais em cólica, tenesmo e, mais raramente, evacuaçõessanguinolentas. Nas mulheres, o verme pode migrar da região anal para a genital, ocasionandoprurido vulvar, corrimento vaginal, eventualmente infecção do trato urinário, e atéexcitação sexual. Apesar da sintomatologia, não se verifica eosinofilia periférica e osníveis de IgE em patamares dentro da normalidade, com exceção de estudo deinfecção massiva promovendo uma alta elevação de IgE sangüínea e contagem deeosinófilos. Existem relatos de localização ectópica da patologia levando a quadros deapendicites, salpingites, granulomas peritoneais e perianais, doença inflamatóriapélvica.Diagnóstico e Tratamento O método de escolha utilizado para o diagnóstico da enterobíase difere emrelação às outras verminoses em geral. As técnicas habituais de demonstração de ovosde helmintos não apresentam positividade superior a 5% dos casos, uma vez que asfêmeas não fazem oviposição no intestino. Como eleição emprega-se a técnica dos“swabs anais”, também denominada de método da fita de celofane adesiva etransparente, ou da fita gomada, reportada por Graham. A outra técnica não habitualdescrita na literatura é chamada de vaselina-parafina (VASPAR). Adota-se comopadrão da colheita do material o horário no período matutino, antes de o pacientedefecar ou tomar um banho. Caso não seja possível tal procedimento, poderia se optarpela coleta após o paciente ter se deitado. Com estas técnicas, aumenta-se
  14. 14. sensivelmente a positividade do achado dos ovos de E. vermicularis e, se realizado em dias consecutivos, com no mínimo três coletas, segundo consenso de expertos da Federação Latino-Americana de Parasitologia (FLAP). O tratamento de escolha é o pamoato de pirantel na dose de 10 mg/kg em dose única, não ultrapassando 1g, por via oral, preferencialmente em jejum. Apresenta uma eficácia em torno de 80 a 100% de cura, com poucos efeitos adversos, tais como: cefaléia, tonturas e distúrbios gastrointestinais leves. Sugere-se na maioria dos casos a repetição do tratamento, aumentando assim a taxa de cura deste nematódeo intestinal. Como terapia alternativa à participação dos benzi-midazólicos de uso em humanos, mebendazol e albendazol em dose única e repetição em 2 semanas. O mebendazol é administrado por via oral, 100 mg, independente da idade do paciente, apresentando eficácia de 90 a 100% de cura, com raros efeitos colaterais. O albendazol é receitado na dose de 400 mg, também independente da idade, e proporcionando taxa de cura também perto dos 100%. Náuseas, vômitos, diarréia, secura na boca e prurido cutâneo podem surgir após a ingestão, porém é raro o seu acometimento. Prevenção A higiene permite reduzir a probabilidade de contaminação, assim como a limpeza frequente dos quartos das crianças e sobretudo em zonas em que se acumula o pó como debaixo da mobilia e por cima das portas. É preferivel limpar com pano molhado de modo a não levantar pó que depois é inalado ao varrer. As roupas das crianças devem ser trocadas frequentemente, e as suas unhas cortadas de modo a não reter ovos se se coçarem. Outro grande cuidado deve ser o banho diário e o lavar as mãos antes de qualquer refeição para evitar a reinfecção. Todos os materiais infectados ou em contato com o corpo do doente (pijamas, roupa de cama, roupas íntimas) deve ser lavado com água morna (superior a 55 graus Celsius, por alguns segundos, é suficiente) e sabão diariamente. Água sanitária (lixívia, em Portugal) diluída em água (à razão de 1 parte para 3 de água) também serve para desinfectar brinquedos e roupas. Bibliografia Sobre fitoparasitasBrito, G. G. et al. Xiphinema americanum Cobb, 1913 (Dorylaimida: Longidoridae):espécie-praga quarentenária para o Brasil. Cienc. Rural vol.35 no.1 Santa Maria Jan./Feb.2005.Engler, J. A. et al. Dynamic citoskeleton rearrangements in giant cells and syncytia ofnematode-infested roots. The Plant Journal 38: 12-26, 2004.Hyman, L. H. The invertebrates: Acantocephala, Aschelminthes, and Entoprocta. The
  15. 15. pseudocoelomate Bilateria. McGraw-Hill: New York, 1951.Lordello, L. G. E. Nematóides das plantas cultivadas. Nobel: São Paulo, 1984.Somasekhar, N. et al. Non-target effects of entomopathogenic nematodes on the soilnematode community. Journal of applied ecology 39:735-344, 2002. Vovlas, N. et al. Pathogenicity of the root-knot nematode Meloidogyne hapla on potato. Plant pathology 54: 657-664, 2005.

×