Ip importância da inovação 2013

299 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
299
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ip importância da inovação 2013

  1. 1. Emerson H S ChentaIP – INOVATEC - Jan/13Inovação no âmbito microeconômicoGenericamente falando, inovação é a captura de valor a partir de ideias, posteriormenteformalizadas por conhecimentos teóricos aplicados pela técnica à criação ouaperfeiçoamento de produto, processo, sistema ou modelo de negócio que é ofertado aomercado.Inovação não se trata de invenção, embora o senso comum confunda um e outro. Pelocontrário, a pesquisa básica, celeiro de invenções e descobertas tecnológicas sãotecnicamente atividades de pesquisa e desenvolvimento (P&D), pelo fato que ainda nãogerou ou gera valor ao mercado.Para esclarecer este ponto, o transistor quando foi incorporado aos grandescomputadores, até então constituídos de válvulas, já existia há quase uma década. Osprincípios da microeletrônica fundamentados no conhecimento da natureza dossemicondutores e todo conhecimento científico sobre eles já estava formulado há pelomenos três décadas. Entretanto, não havia produto ou processo ao mercado, isto é,geração de valor e assim, não constituía propriamente uma inovação.Independente das variantes que possam existir na sua definição, em geral os autores sãoconformes em dizer que não é possível falar em inovação sem o fato econômico, semgeração de valor. E a geração de valor ao mercado é um elemento fundamental para avantagem competitiva.Dessa forma, as empresas inovadoras que adotaram como estratégia competitiva adiferenciação dos produtos e processos com vistas ao aumento das suascompetitividades no mercado, apresentaram desempenhos superiores em relação àsdemais. 1
  2. 2. Uma pesquisa do IPEA, elaborada a partir de microdados da Pesquisa de InovaçãoTecnológica na Indústria (Pintec) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE) e de outras bases de dados nacionais, tais como Pesquisa Industrial Anual(PIA), Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e outras, apresentaram osseguintes dados:Tabela 1 - Características das firmas industriais brasileiras segundo suas estratégias competitivas efetivamentepraticadas - 2000(Fonte: DE NEGRI, J. A.; KUBOTA, L. C. (Org.:http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/livros/inovacaotecnologica/capitulo01.pdf) 2
  3. 3. Tabela 2 - Número de firmas na indústria brasileira, escala média de produção, e eficiência de escala segundoestratégias competitivas e padrões tecnológicos - 2000(Fonte: Extraído de Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica no Brasil, IPEA,Mario Sergio Salerno, Luis Claudio Kubota.http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/livros/inovacaotecnologica/capitulo01.pdf )Tabela 3 - Características da mão-de-obra empregada nas firmas industriais por categoria - 2000(Fonte: Extraído de Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica no Brasil, IPEA,Mario Sergio Salerno, Luis Claudio Kubota.http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/livros/inovacaotecnologica/capitulo01.pdf )Os dados mostram que as firmas inovadoras: 1) São maiores em termos de faturamento e de pessoal empregado; 2) Tem maior produtividade e maior eficiência de escala; 3) Empregam trabalhadores com maior nível de escolaridade (uma aproximação de qualificação); 3
  4. 4. 4) Apresentam maior estabilidade no emprego (pois o tempo médio de emprego é maior), além de pagarem maiores salários; 5) Pagam em média três vezes mais aos funcionários do que as empresas que não diferenciam produtos e têm produtividade menor; 6) Pagam 66% mais do que a média paga pelas especializadas em produtos padronizados.A relação entre inovação e salários é extremamente relevante, uma vez que indica seuma política de apoio à inovação e diferenciação de produtos é condizente ou não com amelhoria dos salários brasileiros, relacionado com o empenho e a satisfação dosfuncionários. O efeito benéfico em uma relação diretamente proporcional, além debeneficiar a empresa, por ter funcionários mais fidelizados, dedicados e eficientes, estáde acordo com um dos objetivos gerais de política econômica e social, de política dedesenvolvimento, que é o aumento da renda per capita da população.A análise dessa relação, porém, exigiu um tratamento especial dos dados, pois não seriametodologicamente correto comparar salários pagos em firmas de características muitodiferentes em termos de faturamento, eficiência e grau de escolaridade dostrabalhadores, pois existe uma relação direta entre salários maiores e maior faturamento,eficiência e o grau de escolaridade.Assim, para isolar o efeito da inovação descontando os demais fatores de eficiência etamanho de faturamento e realizar uma melhor análise da relação entre inovação ediferenciação de produto e salário, os pesquisadores do Ipea utilizaram modelosestatísticos nos quais foram inseridos as variáveis que podem influir no salário, para queelas pudessem ser “descontadas” ou “controladas”.Foram “controladas” quase duzentas variáveis nos modelos utilizados, isto é,faturamento, número de trabalhadores, setor de atividade, tipo de produto, escolaridadee tempo de casa dos empregados, coeficientes de exportação e de importação, municípioe etc.Feito isso, o resultado foi o seguinte: 4
  5. 5. Duas empresas parecidas, se uma delas inova e diferencia produtos e a outra não, aprimeira tenderá a pagar salários 23% maiores do que os pagos pela segunda. Isso querdizer o seguinte: o efeito líquido da inovação sobre os salários é de 23% se comparadoao das empresas que não inovam e têm produtividade menor, e de 11% se comparadoàquele das empresas especializadas em produtos padronizados (Bahia e Anbache, 2005).Além do impacto nos salários, a pesquisa apontou que: 1) As empresas que inovam têm 16% de chance a mais de serem exportadoras, e há fortíssima correlação entre inovação tecnológica e diferenciação de produto (ou seja, a inovação tecnológica é uma fonte fundamental de diferenciação, de obtenção de renda diferencial pelas empresas). 2) As empresas que inovam e diferenciam produtos crescem mais; 3) As empresas brasileiras internacionalizadas que utilizam suas unidades no exterior como fonte de informação para a inovação também apresentam desempenho superior, crescendo mais no Brasil.Em 2007, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) criou o conceito deíndice inovação de empresas de capital aberto conhecido como Inovação Innoscience(3i) com o objetivo de acompanhar o desempenho das empresas mais inovadoras doBrasil. Constituído por uma carteira de empresas como Whirlpool, Tecnisa, Embraer,Lojas Renner, Natura e TOTVS, totalizando 31 empresas que foram classificadas comoas mais inovadoras do país no último ano a partir de rankings divulgados porpublicações de gestão de negócios, essa carteira de empresas inovadoras apresentousignificativamente melhor comparada ao índice Ibovespa. De janeiro de 2007 até agostodeste ano, o 3i valorizou 114,2%, sendo que a diferença em favor da carteira deempresas inovadoras chega a 76,4 pontos percentuais.(http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1041) 5
  6. 6. ConclusãoAs empresas são instituições cuja finalidade é a geração de bens e riquezas. Para tal,visam à perpetuidade dos seus negócios pela contínua oferta de valor aos mercados aque se dedicam, seja pelo fornecimento de bens, seja de serviços, obtendo, assim, umsustentável crescimento do seu fluxo de caixa.Os esforços direcionados para tal finalidade, tendo em vista a escassez de recursos e alimitação dos mercados, tomam corpo no que se denomina planejamento estratégico,definido como o estabelecimento de um conjunto de ações coordenadas embasadas nasituação atual da empresa, que visam à obtenção de uma vantagem competitiva nolongo-prazo em relação às demais.Por conta das exigências dos mercados atuais por agregados tecnológicos, do aumentoda competitividade e da consequente exigência de eficiência das indústrias, atreladas aocrescimento dos custos das inovações e da velocidade da mudança de tecnologias, asempresas passaram a considerar a inovação e o desenvolvimento tecnológico comoelementos a ser gerenciados com maior critério, de forma contínua e sistemática, nocontexto do planejamento estratégico.No âmbito microeconômico, sob o aspecto da competitividade, mostramos dados doIPEA que indicam maior crescimento de empresas inovadoras em relação à média domercado, bem como seus impactos sociais e econômicos benéficos. Desta forma, ainovação tem se mostrado uma estratégia bem sucedida das empresas para a preservaçãoe crescimento dos seus negócios e aumento da riqueza dos seus acionistas. 6
  7. 7. BibliografiaDE NEGRI, J. A.; Kubota, L.C. Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica. Brasília.2008.DE NEGRI, J. A.; SALERNO, M. S. (Eds.). DE NEGRI, F. Padrões tecnológicos e decomércio exterior das firmas brasileiras. In: DE NEGRI, J. A.; SALERNO, M. S.(Eds.). Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras.Brasília: Ipea, 2005. 7

×