Semana farroupilha

1.182 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.182
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
99
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Semana farroupilha

  1. 1. A Revolução Farroupilha iniciou no dia 20 de setembro de 1835. O que motivou a guerra foi a cobrança dos altos impostos por parte do governo brasileiro do principal produto comercializado na época: o charque. Durante a guerra, o RS se separou do Brasil, tornando-se a República Rio-Grandense. Depois de dez anos de sangrentos combates, um acordo de paz foi assinado no ano de 1845.
  2. 2. Líderes da Revolução Farroupilha
  3. 3. • A erva-mate é uma planta nativa do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso e Paraguai. • Para tomar mate, os índios usavam o porongo, fruto de uma planta rasteira. Esse porongo, depois de seco e cortado fornecia um recipiente. A água era servida através de um canudo de taquara chamado tacuápi. Este canudo apresentava na base inferior um detalhado trançado de fibras, o bojo, impedindo que as partículas da folha fossem sugadas. • O mate também simbolizou, ao longo dos séculos, a hospitalidade do gaúcho, que é uma das marcas tradicionais do nosso povo.
  4. 4. Um dia um velho índio cansado das andanças, recusou-se a seguir adiante, preferindo ficar na tapera. A mais jovem de suas filhas, apesar do coração partido, preferiu ficar com o pai, amparando-o até que a morte o levasse em paz. Um pajé desconhecido encontrou-os e perguntou à filha Iary o que ela queria para ser feliz. A moça nada pediu, mas o velho pediu renovadas forças para poder seguir adiante e levar Iary ao encontro da tribo. O pajé entregou-lhe uma planta muito verde, perfumada de bondade, e o ensinou que, plantando e colhendo as folhas, secando-as ao fogo e as triturando, devia colocá-las num porongo e acrescentar água quente. ‘Sorvendo essa infusão, terás nessa bebida uma nova companhia mesmo nas horas tristonhas da mais cruel solidão’. O ancião se recuperou, ganhou forças e viajou até o reencontro de sua tribo e desde então o povo gaúcho adquiriu o hábito de tomar chimarrão.
  5. 5. O hábito do povo gaúcho de comer churrasco vem desde os tempos da guerra. Antigamente, era comum que a carne fosse assada em uma vala durante horas, hoje em dia, existem churrasqueiras e espetos modernos. Porém, o costume prevalece através das gerações.
  6. 6. • Ave tradicional dos campos gaúchos, tem a plumagem preta, branca e cinzenta, um penacho na cabeça e os olhos vermelhos. É encontrado em qualquer parte do Estado onde existe um pedaço pequeno de seu habitat preferido, o campo. • Vê-lo cruzando o céu ou ouvi-lo cantando ao longe é como receber boas-vindas por estar no RS. Chamado de “Sentinela dos Pampas”, está sempre em alerta, noite e dia, dando sinais a grande distância de quem se aproxima.
  7. 7. Sempre fiel, foi o guerreiro dos gaúchos, garantiu a sobrevivência, auxiliando na busca do alimento e servindo como arma, tamanha força e valentia em guerras e batalhas travadas pela História. Hoje, mesmo com o avanço tecnológico, o cavalo ainda não pode ser substituído por máquinas nas lidas de campo. Talvez porque o homem não queira perder este, muitas vezes, membro da família, outras tantas, amigo - como se pode sintetizar esta relação de afeto entre o gaúcho e seu cavalo.
  8. 8. Flor símbolo do Rio Grande do Sul, representa a beleza e a delicadeza da mulher gaúcha.
  9. 9. Representa o homem gaúcho em seus trajes da lida do campo. A Estátua do Laçador está fixada na entrada de Porto Alegre, capital do nosso estado.
  10. 10. • As cores da bandeira simbolizam o auriverde do Brasil separado pelo vermelho da guerra. • As palavras “Liberdade , Igualdade e Humanidade“ são referentes ao que os Farroupilhas queriam conquistar com a Revolução. • A inscrição República Rio-Grandense e a data 20 de setembro de 1835 marcam a data da Revolução Farroupilha.
  11. 11. • O Brasão Rio-Grandense possui a inscrição "República Rio-Grandense", junto com a data do início da Revolução Farroupilha, 20 de setembro de 1835, data amplamente comemorada no estado. • O Brasão é utilizado em documentos oficiais.
  12. 12. Como a aurora precursora do farol da divindade, foi o Vinte de Setembro o precursor da liberdade. Mostremos valor, constância, nesta ímpia e injusta guerra, sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra. Mas não basta pra ser livre ser forte, aguerrido e bravo, povo que não tem virtude acaba por ser escravo.

×