NORMAS – PADRÕES E PROTOCOLOS
CONCEITUAÇÃO
Norma – Prática tornada obrigatória por entidades
técnicas e/ou regulamentadoras.
Padrão – Prática recomendad...
Norma ANSI/TIA/EIA 568-A NBR
14565 (2001)
• Norma para instalação do cabeamento,
topologia da rede e outros quesitos, que
...
Norma ANSI/TIA/EIA 568-A / 569-
A/606 NBR 14565 (2001)
• 1 – Cabeamento horizontal
• 2 – Cabeamento vertical ou backbone
•...
SALA DE EQUIPAMENTOS
Área de localização que permita expansões futuras e
facilidade de movimentação para os equipamentos d...
CABEAMENTOS VERTICAIS
(Backbone)
Os caminhos destinados a atender ao backbone
entre edifícios deverão considerar os requis...
CABEAMENTO HORIZONTAL
Estes cabos são do tipo flexível e não podem
ultrapassar os 10 metros de comprimento somando
as duas...
ELEMENTOS HORIZONTAIS
Piso Elevado
Espaço mínimo entre painéis de cobertura e o piso deverá
ser de 150 mm, a fim de permit...
MODELO OSI
• Origem e objetivo
• Modelo de referência (conceitual)
• Arquitetura em camadas
• Adoção não obrigatória
• Ten...
NORMAS PARA DATA CENTERS
Um data center deve incluir:
Infraestrutura de rede
Garantir que os sistemas instalados continuam...
Combate de prevenção contra incêndio
Sistema de detecção de fumos, extintores e
procedimentos em caso de incêndio.
Arrefec...
Trabalho de intreg2
Trabalho de intreg2
Trabalho de intreg2
Trabalho de intreg2
Trabalho de intreg2
Trabalho de intreg2
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de intreg2

293 visualizações

Publicada em

Finallllllllllllllllllllllll

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
293
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de intreg2

  1. 1. NORMAS – PADRÕES E PROTOCOLOS
  2. 2. CONCEITUAÇÃO Norma – Prática tornada obrigatória por entidades técnicas e/ou regulamentadoras. Padrão – Prática recomendada e de ampla aceitação no mercado, mas não tornada obrigatória. Protocolo – Conjunto de regras que definem como a troca de informação entre entidades de uma rede de comunicação deve ser realizada com sucesso, e como os erros deverão ser tratados.
  3. 3. Norma ANSI/TIA/EIA 568-A NBR 14565 (2001) • Norma para instalação do cabeamento, topologia da rede e outros quesitos, que chamamos genericamente de cabeamento estruturado. Padrão para instalação de redes locais em prédios.
  4. 4. Norma ANSI/TIA/EIA 568-A / 569- A/606 NBR 14565 (2001) • 1 – Cabeamento horizontal • 2 – Cabeamento vertical ou backbone • 3 – Área de trabalho • 4 – Armário de telecomunicações • 5 – Sala de equipamentos • 6 – Entrada da edificação • 7 – Painel de distribuição (cross-conect)
  5. 5. SALA DE EQUIPAMENTOS Área de localização que permita expansões futuras e facilidade de movimentação para os equipamentos de grande porte; A área da sala de equipamentos ou SEQ deverá prover 0,07 m² para cada 10 m² de espaço na Work Área, e o tamanho não deverá ser menor do que 14 m²; Temperatura e umidade controlada na faixa de 18 a 24 graus centigrados, com 30 a 50% de umidade; Um eletroduto de no mínimo 1 ½” deverá estar disponível para interligação do Equipment Room ao ponto central de aterramento do edifício;
  6. 6. CABEAMENTOS VERTICAIS (Backbone) Os caminhos destinados a atender ao backbone entre edifícios deverão considerar os requisitos de distância e ambiente para suportar os diversos tipos de cabos; Todos os dutos deverão ser protegidos contra fogo; Durante o estágio inicial de planejamento, todos os edifícios identificados no projeto deverão ter seus respectivos desenhos com a infraestrutura de telecomunicação totalmente desenvolvida, incluindo os dutos entre os edifícios; O eletroduto de entrada deve ser de no mínimo 4" ou 100mm para cada 5.000 m2 de área útil servida.
  7. 7. CABEAMENTO HORIZONTAL Estes cabos são do tipo flexível e não podem ultrapassar os 10 metros de comprimento somando as duas extremidades (área de trabalho + armário de telecomunicação). O cabeamento horizontal possui um comprimento final de 100 metros, sendo 90 metros de cabo UTP rígido e mais 10 metros de cabo UTP flexível. Os cabos UTP flexíveis possuem características mecânicas diferentes e sua atenuação é 20% maior do que os rígidos, por isso são utilizados apenas para cabos de manobra, como mostra a figura a seguir.
  8. 8. ELEMENTOS HORIZONTAIS Piso Elevado Espaço mínimo entre painéis de cobertura e o piso deverá ser de 150 mm, a fim de permitir a instalação de dutos para acomodação dos cabos horizontais. Deve-se Utilizar Eletrodutos do tipo metal rígido, flexível ou PVC rígido; Um eletroduto simples entre o TR e a área de trabalho WA não deve servir a mais do que 3 outlets (tomadas); Evitar que um lance de eletroduto tenha mais de 30 m ou mais de 2 curvas de 90 graus entre 2 caixas de passagens.
  9. 9. MODELO OSI • Origem e objetivo • Modelo de referência (conceitual) • Arquitetura em camadas • Adoção não obrigatória • Tentou-se forçar à adoção • Razoável independência entre as camadas
  10. 10. NORMAS PARA DATA CENTERS Um data center deve incluir: Infraestrutura de rede Garantir que os sistemas instalados continuam acessíveis mesmo se houver falhas em conexões Segurança Física Câmeras de segurança, vigilância e sistemas de identificação.
  11. 11. Combate de prevenção contra incêndio Sistema de detecção de fumos, extintores e procedimentos em caso de incêndio. Arrefecimento Garantir que a temperatura permaneça em níveis aceitáveis para a operação dos sistemas. Energia Garantir que não haja falta de energia para que não haja dano aos equipamentos.

×