Reino Monera 2015

4.273 visualizações

Publicada em

Atualizado slide de Monera para o Pré do Sartre - 2015

Publicada em: Educação
1 comentário
44 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.273
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
44
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reino Monera 2015

  1. 1. Reino Monera Prof. Emanuel
  2. 2.  Unicelulares e procariontes  Podem ser autotróficos ou heterotróficos  Vida livre, colonial ou simbiótica  Representantes: Bactérias Cianobactérias Características básicas Prof. Emanuel
  3. 3. Morfologia bacteriana Prof. Emanuel Cocos – Meningite, Pneumonia Bacilos – Tuberculose, Hanseníase (lepra) Espirilos – Leptospirose, Sífilis Vibrião – Cólera, gastrite bacteriana
  4. 4. Fímbrias CápsulaParede celular Plasmídeos Nucleóide Flagelo Mesossomo Citoplasma Ribossomos Membrana plasmática Organização estrutural Prof. Emanuel • Facultativo • Obrigatório
  5. 5. Organização estrutural Prof. Emanuel Fímbrias ou Pílis • Filamentos destinados a adesão • Não são elementos de movimentação • Podem participar da conjugação
  6. 6. Organização estrutural Prof. Emanuel
  7. 7. Organização estrutural Prof. Emanuel Flagelo bacteriano • Filamento protéico (flagelina) destinado a movimentação • Não deriva do citoesqueleto
  8. 8. Organização estrutural Prof. Emanuel Cápsula • Camada externa de polissacarídeos • Proteção e adesão
  9. 9. Organização estrutural Prof. Emanuel Parede celular • Membrana esquelética • Sustentação, proteção e morfologia • Coloração de Gram Peptídeoglicano (lisozima, penicilina)
  10. 10. Organização estrutural Prof. Emanuel Corante violeta Corante Rosa
  11. 11. Coloração de Gram Prof. Emanuel Gram positiva Gram negativa
  12. 12. Coloração de Gram Prof. Emanuel Gram positiva Gram negativa
  13. 13. Prof. Emanuel Organização estrutural Mesossomo • Invaginação • Enzimas respiratórias
  14. 14. Prof. Emanuel Organização estrutural Ribossomo • Tipo 70S (Svedberg) • Clorafenicol
  15. 15. Prof. Emanuel Organização estrutural Nucleóide • Zona do citoplasma onde localiza-se o DNA genômico • DNA circular não associado com proteínas histônicas Nucleóide
  16. 16. Prof. Emanuel Organização estrutural Nucleóide • As bactérias possuem uma única molécula completa de DNA (haplóides)
  17. 17. Prof. Emanuel Organização estrutural Plasmídeo • DNA extranucleoidal • Fragmentos circulares • Resistência a antibióticos • Transferidos na conjugação
  18. 18. Prof. Emanuel Variabilidade genética Fatores que geram variabilidade Conjugação Transformação Trandução Recombinação genética Mutação (causa primária) Puntiformes Por inserção Por deleção
  19. 19.  Alterações na sequência de bases do DNA  Ocorrem normalmente durante a replicação do DNA  Podem ser neutras, vantajosas ou desvantajosas  Processo vertical  Ocorrem aleatoriamente Prof. Emanuel Variabilidade genética Mutações
  20. 20. Mutações podem ser: a) Puntiformes: Substituições de uma ou mais bases b) Por inserção: Adição de uma ou mais bases c) Por deleção: Perda de uma ou mais base Prof. Emanuel Variabilidade genética Puntiforme Inserção Deleção
  21. 21. Prof. Emanuel Recombinação Gênica Variabilidade genética  Envolve material genético exógeno  Processo horizontal  Ocorre durante os processos de conjugação, transformação ou transdução
  22. 22. Transferência horizontal de genes o material genético é transferido de uma célula para outra que não é sua descendente. Transferência vertical o material genético é transferido do do genitor para seus descendentes Prof. Emanuel Variabilidade genética
  23. 23.  Recombinações gênicas (Conjugação) • Fragmentos de DNA passam diretamente de uma bactéria para a outra, através de pílis. • Para alguns autores é o “sexo bacteriano” • Doadora – F + • Receptora – F - Prof. Emanuel Variabilidade genética
  24. 24. Prof. Emanuel Variabilidade genética F + F -
  25. 25. A bactéria absorve moléculas de DNA dispersas no meio, provenientes de outras bactérias  Recombinações gênicas (Transformação) Prof. Emanuel Variabilidade genética
  26. 26. Prof. Emanuel Variabilidade genética O experimento de Griffith
  27. 27. Vírus podem servir de vetores para a passagem de segmentos de DNA entre bactérias Reprodução bacteriana Prof. Emanuel  Recombinações gênicas (Transdução)
  28. 28. • É uma forma de proteção contra as adversidades do meio (depleção de nutrientes, excesso ou ausência de O2) • O endosporo é resistente ao calor e esterilização química Esporulação bacteriana Prof. Emanuel Clostridium e Bacillus
  29. 29. • Preservativos químicos: a) Sorbato de potássio e nitrito de sódio Esporulação bacteriana Prof. Emanuel
  30. 30. Nutrição bacteriana Prof. Emanuel Heterotrófica Respiração (degradação total)  Aeróbica  Anaeróbica Fermentação (degradação parcial) Autotrófica Fotossíntese Quimiossíntese
  31. 31.  Ecológica • Simbiontes, biorremediação  Industrial • Alimentar  Biotecnológica • Enzimas de restrição  Médica Importância bacteriana Prof. Emanuel
  32. 32.  Cissiparidade Reprodução bacteriana Prof. Emanuel • Reprodução assexuada • Não amplifica a variabilidade genética • É um processo natural de clonificação
  33. 33. Ação dos antibióticos Prof. Emanuel
  34. 34. Resistência a antibióticos Prof. Emanuel Seleção natural das cepas resistentes
  35. 35. Resistência a antibióticos Prof. Emanuel Bactérias sensíveis Colônia de bactérias resistentes Mutação Gênica causando resistência a antibióticos Cissipari dade Mutação Seleção natural das resistentes
  36. 36. Resistência a antibióticos Prof. Emanuel Tranferência de genes propagando a resistência Bactérias sensíveis e resistentes Colônia de bactérias resistentes Cissiparidade Transferência horizontal do gene da resistência Gene da resistência Conjugação (tranferência horizontal do gene)
  37. 37. Placa de petri Meio de cultura Estufa Cultura Bacteriana Prof. Emanuel
  38. 38. Antibiograma Prof. Emanuel
  39. 39. Disco de antibiótico Área de inibição Antibiograma Prof. Emanuel
  40. 40. Comunidades microbianas complexas e dinâmicas envoltas por uma matriz, geralmente polissacarídica, que se formam seqüencialmente e sofrem alterações ao longo do tempo Prof. Emanuel Biofilmes
  41. 41. Prof. Emanuel Biofilmes Placa bacteriana = biofilme
  42. 42. Prof. Emanuel Biofilmes
  43. 43. Cianobactérias Prof. Emanuel  Fotoautotrófica  Lamelas fotossintetizantes  Estromatólitos  Holocausto do oxigênio  SET  Vida colonial  Fixação do Nitrogênio Heterocisto
  44. 44. Cianobactérias Prof. Emanuel
  45. 45. Prof. Emanuel  Parasitas celulares  Menores procariontes Sem parede celular  Resistentes a penicilina  Podem causar pneumonia Micoplasma ou PPLO
  46. 46. Prof. Emanuel  Parasitas intracelulares obrigatórios  Possuem parede celular  Clamídias produzem esporos  Rickettsias possuem vetores: Artrópodes Clamídias e Rickettsias

×